Os efeitos da acupuntura na fibromialgia

2.066 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Os efeitos da acupuntura na fibromialgia

  1. 1. Os efeitos da acupuntura na fibromialgia Emerson Alencar da Costa11 emersonalc@yahoo.com.br Dayana Priscila Maia Mejia² Pós-graduação em Acupuntura - Faculdade Ávila Resumo O artigo faz uma revisão bibliográfica na tentativa de refletir sobre os efeitos da acupuntura na fibromialgia. Aprofunda a compreensãoapresentandoo resultado da pesquisa que respondea duas indagações:a acupuntura tem efeito analgésico?Por que a acupuntura tem efeito? As respostas são, respectivamente: que tem efeito analgésico eporque age nos impulsos nervosos, principalmente nas sinapses, através dos neurotransmissores.A temática segue duas vertentes: a da medicina tradicional chinesa e a da medicina ocidental, paracompreender como cada medicina trata a enfermidade.Por ser uma síndrome de dor crônica, não apresenta inflamações,e se manifesta no sistema músculo-esqueléticocom sintomas de fadiga, mau humor, dificuldade de aprendizagem, dificuldade de locomoção devido a rigidez matinal, desse modo, a enfermidade resiste à definição. O diagnóstico segue os critérios do Colégio Americano de Reumatologia de 1990 para chegara tal constatação.Todos os tratamentos,tanto o medicamentoso como os naturais sobre o efeito da síndrome,melhoram o estado do paciente. Entretanto, os remédios adicionados provocam efeitos colaterais e podem causar outras doenças.Já acupuntura tem eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais.Assim, a acupuntura estimula as habilidades curativas naturais do organismo, promovendo o bem estar físico e emocional. Palavras chaves: Acupuntura; Efeito; Fibromialgia. 1. Introdução O objetivo deste artigo é refletir sobre os efeitos da acupuntura na Fibromialgia, tratamento típico da medicina tradicional chinesa. Seu foco específico é a patologia e os benefícios desta técnica de tratamento. Arazão deste estudoé buscar compreender como a acupuntura estimula as habilidades curativas naturais do organismo e promove o bem estar físico e emocional. Os limites do artigo situam-se no fato de eleger um tema que resiste a uma definição,pois a fibromialgia se mostra como uma síndrome: dificulta chegar a um diagnóstico definitivo sobre a enfermidade.O tema se desdobra em contraponto com a medicina ocidental partindo de uma revisão bibliográfica fundamentada em literaturas datadas de 1995 a 2009, sob a forma de livros e pesquisas em fontes digitais. 2. Medicina Tradicional Chinesa Este item sobre a medicina tradicional Chinesa, baseada em conhecimento milenarse desenvolve nos quatro pontos a seguir apresentados. 1 Pós-graduando em Medicina tradicional Chinesa. ² Orientadora: Fisioterapeuta, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestranda emBioética e Direito e Saúde.
  2. 2. Em primeiro lugar, noção geral.Segundo Kaptchuk (2000), a Medicina Tradicional Chinesa (MTC)vê o corpo humano e todas as suas relações com o meio externo e consigo mesmo de uma forma peculiar. As doenças são interpretadas como sendo causadas, principalmente, por fatores externos e fatores internos, que impedem o funcionamento adequado dos Órgãos e Vísceras (Zang Fu) e a circulação de Qie de Sangue (Xue) pelo corpo, sobretudo, através dos Canais e Colaterais (JingLuo), onde estão localizados os pontos de acupuntura. Nesse sentido, énecessáriocompreender melhor o conceito de acupuntura. Em segundo lugar, o que é acupuntura. A acupuntura, segundo a Organização Mundial de Saúde (1979),é um método de tratamento complementar. Amedicina tradicional chinesa indica seu uso para cerca de 300 doenças, baseada na experiência de sua adoção como técnica de tratamento para a saúde ao longo dos 5.000 anos da cultura chinesa. Dada aimportância desta técnica, a China, ainda hoje, preserva a cultura do tratamento com acupuntura porque é um modo de preservar a saúde dos chineses em perfeito equilíbrio com a natureza, gerar qualidade de vida e manter a longevidade. Daí a importância de conhecer a aplicação desta técnica de tratamento. Em terceiro lugar, o tratamento com acupuntura.Segundo Milen (1996), os estudos e as pesquisas para comprovar a eficácia e a arte da Acupuntura visam, através da sua técnica, estimular os pontos reflexos que tenham a propriedade de restabelecer o equilíbrio, alcançando, assim, resultados terapêuticos e diminuindo o quadro álgico para uma melhor qualidade de vida. Aqui se situa a abordagem tratamento denominado Teoria dos Cinco Elementos: madeira, água, metal, fogo terra. A aplicação da teoria dos cinco elementos relaciona suas diferentes categorias às emoções humanas e aos fenômenos naturais externos do corpo com as condições climáticas. No caso da fibromialgia, destaca-se uma desarmonização no excesso de fígado e deficiência de rins. Através desse tratamento, observar-se também o ciclo de dominação que o fígado, coração, rim, pulmão, necessitam de tratamento simultaneamente. Estes órgãos estabelecem uma relação recíproca análoga a mãe e filho. Nesse sentido, um dano no fígado pode influenciar também o coração, pois a dominação da mãe atinge o filho e pode influenciar o pulmão, os rins; ou o contrário a dominação do filho que atinge a mãe. A terminologia dos cinco elementos relaciona madeira-fígado-Vesicula biliar, água-rins-bexiga,metal-baço- pulmão, fogo-coração-intestino delgado, terra-estomago-baço.Esta lógica estabelece a seguinte dinâmica: a terra produz metal, umidece a água para manter a madeira irrigada, sustenta a terra para conter a madeira e fortifica a água para alimentar o Fogo.Ou seja, a água, em deficiência requer quese tonifique a mãe Rim,e por extensão o pulmão e o baço. Da mesma forma o fígado em excesso, seda o filho que é coração. Quando o fígado está em excesso, o rim não consegue guardar energia essencial. Para entender o processo do tratamento eo que acontece do ponto de vista energético, é importantepunturar o meridiano e, ainda, acompanhar todo o efeito químico no corpo humano. Segundo Jean (1986),quando se coloca uma agulha (um condutor metálico) em qualquer ponto do corpo, a parte fixada no corpo é levada àcerta temperatura. Estabelece-se, portanto, uma diferença de temperatura entre a ponta e a parte metálica que permanece ao ar livre, o que provoca uma polarização da ponta, resultante do fenômeno termelétrico. Esse eletrodo positivo polariza o contingente de íons negativos em redor do eletrodo. Ocorre, portanto, uma diminuição da concentração de eletrólitos, o que faz diminuir a resistência ôhmica local e aumentar a condução elétrica. Isso corresponde à dispersão tal como uma repartição diferente de íons; portanto, o fato de plantar uma agulha cria uma nova condição.
  3. 3. A tonificação é o inverso. E a esse efeito de tropismo eletrolítico acrescenta-se um efeito de despolarização-repolarização que se propaga segundo uma onda sinusoidal. Se a excitação se faz num ponto do meridiano, ele segue sobre todo o seu comprimento, porque se sabe que o meridiano apresenta uma zona de menor resistência elétrica. Ainda nessa mesma direção de entendimento, e acrescentado mais, além da tonificação, há também, a técnica de sedação, que é outro modo, no tratamento, para equilibrar a saúde. De acordo com Hicks (2007),as agulhas devem ser inseridas nos pontos, de cima para baixo, usando técnicas de sedação. As agulhas são mantidas no local até que os pulsos fiquem harmônicos ou que uma mudança seja detectada no paciente. Isso, em geral, leva aproximadamente de 20 a 30 minutos. Deve se dar uma atenção especial aos olhos do paciente, já que eles provavelmente ficam mais claros, mais firmes ou menos velados quando o tratamento é concluído. As agulhas então são removidas de cima para baixo. Isto posto, e antes de saber por que a acupuntura tem efeito, é de fundamental importância compreender se tem efeito analgésico, porque a acupuntura é desafiada a eliminar a dor do paciente, mesmo antes de encontrar a raiz do problema. E, para isso, importa acompanharo resultado de um estudo realizadona China. A pesquisarealizadapor Jishang (2003)e apresentada no NHI sobreAcupuntucture: neuropeptidereleasproducedbyeletricalstimulationofdifferentfrequencies (Acupuntura: libera neuropeptídios produzidos pela estimulação elétrica de diferentes freqüências). Procura responder duas indagações. A primeira: a acupuntura tem efeito analgésico? No primeiro estudo, a puntura o IG4 e mede a sensação de dor em 8 pontos.Aí aparece uma diferença significativa. No segundo estudo, procura ver a diferença entre o efeito analgésico do IG4 e o é E36. O IG4 se mostra superior. A diferença entre IG4 x IG4+E36, a combinação mostra mais resultado. No terceiro estudo, a comparação entre o efeito analgésico de punturar e manipulação da agulha. Essa técnica mostra melhor efeito durante a manipulação. No quarto estudo, o efeito analgésico pode ser reproduzido; o experimento procura responder: como avaliar a dor no rato? Concentra-se um feixe de luz no rabo do rato e ele retirava o rabo. Esta experiência pode ser reproduzido tanto no mesmo dia quando em dias diferentes. No quinto estudo, a comparação da puntura associada ou não à injeção de procaína. Tem mais efeito quando não associada à procaína. Observação, isso mostra que a puntura tem efeito quando interage com o sistema nervoso central. Algo é produzido chega ao ápice e depois decai. No sexto estudo, conectam-se os ventrículos laterais de dois coelhos, e então, se infude LCR artificial, sem diminuição da dor nos dois. Faz-se acupuntura no primeiro coelho e depois nos dois e constata-se que há aumento do limear da dor. Após ter acompanhado os estudos da pesquisa que, demonstra o efeito analgésicoda acupuntura, segue-se agora a segunda parte para entender os mecanismos de ação da acupuntura que procura responderàseguinte indagação.Por que a acupuntura tem efeito?Porque age nos impulsos nervosos, principalmente nas sinapses, através dos neurotransmissores. No sétimo estudo, usa-se a serotonina, que mostra aumento do limear de dor com eletroacupuntura. Principalmente quando associada à administração de pré- serotonina. Após a administração de anticorpos para receptor de serotonina, bloqueando seu efeito, nota- se uma piorano efeito analgésico. O oitavo estudo usa a noradrenalina. Também se administrapré-rora e inibidor de receptor. Quando infundida no ventrículo lateral a pré-rora piora e quando infundido no ESA melhora.
  4. 4. O nono estudo usapeptídeos endógenos e opiáceos. Esteapresenta bom resultado quando usaencefalina com a freqüência de 2Hz, a B-endorfina com a freqüência 2Hz; a dinorfina com freqüência 100Hz, a orfanina com freqüência 100Hz e a endorfina com a freqüência 100Hz. O décimo estudo usainibidores que confirmam: a encefalinaafeta a analgesia com baixa freqüência e inibe a afeta a dinorfina com alta freqüência. O décimo primeiro estudofazumacomparação de ondas de freqüência alternada ou uma seguida da outra. Isso mostra mais resultado analgésico a alternada. O melhor tempo de 3x3s 2Hz x100Hz. Depois de acompanhar os resultados desta pesquisa que responder sea acupuntura tem efeito analgésico e porque a acupuntura tem efeito, a medicina tradicional chinesa mostra o efeito desta técnica no tratamento da patologia fibromialgia. Por fim, o que é fibromialgia para a acupuntura. A fibromialgia advém de agressões que podem ser de ordem subjetiva, das principais emoções que prejudicam, tais como, a cólera e o arrebatamento, ao excesso de alegria ou de emoção; ao excesso de preocupação ou de reflexão; à tristeza e à mágoa; ao temor, ao medo, e a seu oposto: o excesso de autoridadeou deordem externa climática, tais como:frio e o calor, a umidade e a sequidão, e ovento (REQUENA, 1990). Em todo caso, o fator patogênico do frio invade o canal do meridiano e atinge o fígado que é o responsável por nutrir os músculos. Para Hicks (2007), o fígado armazena o hun que normalmente é traduzido como “alma etéria”. O hun do fígado ou alma etérea está mais relacionada ao que no Ocidente chama-se a “alma” da pessoa. O fortalecimento do espírito do fígado pode ajudar a manter o hum no corpo caso ele se encontre patológico.Ao ser agredido por fator patogênico climático, o corpo começa a ter algumas manifestações de ordem dolorosas e passa a sofrer penosamente a tal ponto de afetar a qualidade de vida da pessoa. De acordo com Goldenberg (2009), o caráter da dor é bastante variável, podendo ser em queimação, sensação de beliscão, alfinetadas, ardência, pontada, peso ou mesmo como uma sensação pela manhã de que não houve repouso, persistindo a dor e o cansaço. Em metade dos pacientes os sintomas aparecem após um evento específico, como o frio, umidade, mudança climática, tensão emocional, inatividade prolongada, lesões de partes moles, cirurgia ou por esforço físico. A dor pode estar associada a uma sensação subjetiva de edema e parestesias, com distribuição que não respeita os diversos dermátomos. Nesta ótica, Provenza acrescenta ainda mais sintomas associados à fibromialgia que vai desde dor até distúrbio de humor. Todos esses sintomas contribuem para um intenso sofrimento que pode desencadear outros problemas mais graves, como depressão por exemplo. Fonte: Provenza, Paiva, Heymann, 2006 Sintomas Associados a Fibromialgia
  5. 5. A fibromialgia tem sintomas parecidos com as síndromes Bi tratada na MTC e segundoQiu Mao-liang (2001), as síndromes Bi são caracterizadas por obstrução de qi e bloquei de jingluo devido à invasão de feng patogênico. Manifestam-se por meio de desconforto, dor, entorpecimento e sensação de peso nos membros articulares (...).A Bi dolorosa é marcada por dores generalizadas ou locais, aliviadas pelo calor ou agravada pelo frio, saburra branca na língua e pulso em corda e apertado. E para o tratamento usa-se shenshu (B-23), guanyuan (ren-4).A punctura é eficaz ao tratar a síndrome Bi. Assim, uma vez que as síndromes Bi têm similaridade com a fibromialgia e a acupuntura é eficaz no tratamento da síndrome Bi pode ser também muito eficaz no tratar a síndrome da fibromialgia. Conforme o sobredito, na pesquisa, a acupuntura pode melhorar a saúde do paciente, porque ela age fazendo analgesia e, por isso, elimina as dores e, também, porque age nos impulsos nervoso, equilibra a pessoa e confere qualidade de vida. Isto posto, segue uma amostra do tratamento da medicina ocidental. 3. Medicina Ocidental A medicina ocidental,que acentua o aspecto racional, se desdobra nos quatro pontos a seguir apresentados. Em primeiro lugar, o conceito. Para o Portal (2008),a palavra fibromialgia deriva do latim fibro (tecido fibroso: tendões, fáscias), do grego mio (tecido muscular),algos (dor - algós) e ia (condição). É entidade nosológica reconhecida desde meados do século XIX com outras denominações - fibrosite, dor muscular crônica, reumatismo psicogênico, mialgia por tensão, ou mesmo confundida com sintomas de somatização. Sociedade (2012), a síndrome da fibromialgia pode ser definida como uma síndrome dolorosa crônica, não inflamatória, de etiologia desconhecida, que se manifesta no sistema músculo-esquelético, podendo apresentar sintomas em outros aparelhos e sistemas. Sua definição constitui motivo de controvérsia, basicamente pela ausência de substrato anatômico na sua fisiopatologia e por sintomas que se confundem com a depressão maior e a síndrome da fadiga crônica. Por estes motivos, alguns ainda consideram-na uma síndrome de somatização. Essa definição permite abordar o tratamento que requer, uma intervenção química,por apresentar efeitos analgésicos e musculares que são os remédios. Em segundo lugar, o Medicamento tricíclicos. Segundo Skare(2007),amitriptilina e ciclobenzaprina tem demonstrado aumentar a duração do sono não REM e ter efeitos analgésicos (por potencializar opióides endógenos). Tem também um efeito relaxante muscular, por reduzir as atividades de neurônios motores. Embora o efeito antidepressivo da droga possa ajudar na melhora de um paciente com dor crônica, paciente sem evidencia de depressão respondem a esse tratamento. As doses utilizadas são relativamente baixas (25 a 50) mg/dia), quando comparadas com as doses antidepressivas (75 a 300 mg/dia). Outros medicamentos usados são: inibidores de recaptação de serotonina (fluoxetina) e anticonvulsivantes como pregabalina e clonazepam. Antiinflamatóriosnão-hormonais e corticóides têm sido utilizados, porém não são efetivos. Nesta perspectiva, Vaeroy e Bennett apontam outros analgésicos que auxiliam no aliviodas dores dos pacientes e contribui para a redução do sofrimento. Para Vaeroy (1989),analgésicos: o paracetamol, Bennett (2003),e a dipirona constituem alternativas para analgesia, como tratamento coadjuvante. A utilização do cloridrato de tramadol associado ao paracetamol contribui para a melhora da dor nos pacientes com fibromialgia.
  6. 6. Os analgésicos têm papel importante no tratamento da fibromialgia porque tira o paciente de uma condição de sofrimento, por um tempo e possibilita chegar em outro estado de vida. Dada a complexidade dos sintomas das dores, são apresentadas as características clínicas. De acordo Paiva, a maioria das evidências aponta para um processamento anormal e amplificação dos estímulos dolorosos na FM. O resultado desse fenômeno tem sido descrito como dor não nociceptiva, que teria quatro características clínicas: 1) a descrição da dor parece inapropriada em comparação com o grau de dano tissular ou este dano não é nem mesmo encontrado 2) o estímulo nociceptivo resulta numa experiência de dor que é muito maior ou menos prazerosa do que seria esperado 3) estímulos geralmente não dolorosos passam a sê-lo e 4) o tamanho da área dolorosa é maior do que o esperado, considerando-se o estímulo doloroso inicial5. A evolução de uma dor localizada para uma dor difusa na FM envolve o mecanismo de sensibilização do sistema nervoso central (SNC) neste, de uma maneira não fisiológica, existe uma capacidade de manter presentes e amplificados os estímulos dolorosos periféricos. Com o tempo estes estímulos dolorosos iniciais não seriam mais necessários e os pacientes começariam a apresentar um quadro espontâneo de redução do limiar doloroso (alodinia), uma resposta aumentada a estímulos dolorosos (hiperalgesia), um aumento na duração da dor após o estímulo (dor persistente) e um aumento da área da dor (expansão dos campos receptivos). Ao observar a dinâmica das dores sofridas pelos fibromiálgicos entende-se a grande necessidade de procurar tratamentos médicos que vão para além do normal. Segundo Berger (2007), os portadores da fibromialgia utilizam-se de mais terapias analgésicas e procuram os serviços médicos e de diagnóstico com maior frequência que a população normal. Dessa forma, não é de se estranhar que nos EUA seus custos de saúde anuais cheguem a U$ 9.573,00 por paciente, representando gastos 3 a 5 vezes maiores do que a população em geral. A literatura internacional tem um registro muito para similiar ao Brasil quanto ao registro de um número elevado de pessoas que procuram o serviço médico para o tratamento da fibromialgia. Para Cristo (2006),é extremamente comum, sendo a segunda afecção reumatológica mais frequente, superada apenas pela osteoartrite como causa de dor músculo-esquelética crônica. No Brasil, sua prevalência oscila em torno de 2,5% na população geral sendo responsável por aproximadamente 15% das consultas em ambulatórios de reumatologia e por 5% a 10% nos ambulatórios de clínica geral. Existe forte predominância do sexo feminino (80% a 90%), com pico de incidência entre os 30 e 50 anos de idade, podendo manifestar-se em crianças, adolescentes e indivíduos mais idosos. É mais frequente em familiares, sendo o risco relativo de FM em parentes consanguíneos de 8,5%2. Em terceiro lugar, aeróbica.ConformeSkare(2007),um estudo submetendo esses indivíduos a um programa de condicionamento aeróbico mostra melhora importante da sensação generalizada de dor e diminuição dasensibilidade nos pontos gatilhos, mas não lhe melhora a qualidade do sono. Em quarto lugar, exercíciosfísicos.Para Jones (2002), a atividade física apresenta um efeito analgésico; por estimular a liberação de endorfinas, funciona como antidepressivo; e proporciona uma sensação de bem-estar global e de autocontrole. Ainda nessa mesma direçãoe,de acordo com Contatos (2012),melhora sua auto-estima; Ajuda a manter ossos, articulações e músculos saudáveis; permite agilidade nos movimentos do corpo, da força, flexibilidade e equilíbrio; aumenta a energia durante todo o dia e possibilita um sono melhor à noite; reduz o estresse e eleva o humor; ajuda no controle de açúcar no sangue e da pressão sanguínea; permite o coração e os pulmões a trabalharem melhor;estimula a produção de endorfina substância natural produzida pelo cérebro em resposta à atividade
  7. 7. física, visando relaxar e preservar-nos da dor e que dá enorme prazer. Tudo isso ajuda a melhorar o estado do paciente que sente a dor crônica. Dada a melhora de alguns sintomas, devido o esforço que leva a produção de endorfina, é ampliado o horizonte de tratamento que vai para além da aeróbica. Para Jones (2002), os exercícios são importantes e fazem parte do tratamento desta síndrome. Os exercícios mais adequados são os aeróbicos, sem carga, sem grandes impactos para o aparelho osteoarticular, como dança, natação e hidroginástica, auxiliando tanto no relaxamento como no fortalecimento muscular, reduzindo a dor e em menor grau melhorando a qualidade do sono. A princípio, qualquer atividade física aeróbica, e de baixo impacto, tal qual natação, caminhada ou hidroginástica, é a mais recomendada. Em geral, uma caminhada, ao passo normal do paciente, durante 30 minutos a 1 hora todos os dias proporciona efeitos terapêuticos. A orientação de exercitar-se três vezes por semana tem sido eficaz e possibilita maior adesão ao tratamento. Entretanto, há casos da Fibromialgia que o exercício físico é inviável pelo fato de não dar o resultado esperado e agrava mais o estado do paciente. Para Provenza (2006), a síndrome da fadiga crônica pode estar presente em até 50% dos pacientes com FM. Esses apresentam fadiga importante, presente pelo menos há seis meses, que não melhora com repouso, piorando muito após a atividade física. Acompanhando a fadiga estes pacientes podem apresentar febre, adenomegalia dolorosa, sono não reparador, irritação faríngea, poliartralgia, mialgias, cefaleias e distúrbio cognitivo.E para auxiliar no diagnóstico de fibromialgia elabora-secritérios que sãoreconhecidos e usados no Brasil. Essas orientações contribuem para um diagnóstico mais acertado. 4. Diagnóstico Segundo American (1990),ainda não é possível fazer exame clínico para detectar especificamente a doença fibromialgia. Entretanto, os pacientes relatam alguns sintomas de dores difusas e, em alguns casos, dificuldade para saber exatamente onde é o ponto da dor por não apresentarem alterações neurológicas, não terem dificuldades de movimentação, não terem nenhum músculo atrofiado, não apresenta sinais de inflamações, sem evidência de outras doenças. Entretanto, relatam a presença de sensibilidade em determinadas regiões do corpo conhecidos como “tender points” “pontos dolorosos”. Em 1990 o American CollegeofRheumatology estabeleceu os critérios oficiais de diagnóstico para a fibromialgia. Estes incluem: - Um historial de presença de dor crônica, generalizada em todas as partes do corpo, por um período superior a 3 meses; - A presença de dor durante a apalpação de 11 dos 18 pontos dolorosos; A apalpação deve ser efetuada exercendo uma força de aproximadamente 4kg.
  8. 8. Fonte: American College of Rheumatology, 1990 Esquema indicativo dos pontos dolorosos Segue as localizações dos nove pontos pareados e hipersensíveis:Região occipital: bilateralmente, nas inserções do músculo occipital.Cervical inferior: bilateralmente, nos aspectos inferiores dos espaços intertransversos entre C5-C7.Trapézio: bilateralmente, no ponto médio da borda superior.Supraespinhal: bilateralmente, na origem, acima da crista escapular, próximo a borda medial.Segunda costela: bilateralmente, na segunda articulação costocondral, em um ponto imediatamente lateral às junções das superfícies superiores.Epicôndilo lateral: bilateral, 2 cm distalmente aos epicôndilos.Glúteos: bilateralmente, nos quadrante súpero-externo do glúteo. Trocanter maior: bilateralmente, posteriormente à proeminência trocantérica.Joelho: bilateralmente, no coxim adiposo medial, proximalmente à linha articular. A FM não é um diagnóstico de exclusão; por essa razão, testes laboratoriais e aquisições de imagens não contribuem para o estabelecimento do diagnóstico de acordo com os critérios do ACR de 1990, embora sejam frequentemente indicados na avaliação dos geradores de dores periféricas associadas. Alguns estudos mais recentes apontam para o fato de os doentes reagirem com dor à palpitação de outros pontos no corpo para além dos identificados pelo American CollegeofRheumatology. É preciso igualmente ter em conta que a reação dos doentes à dor pode variar de dia para dia pelo que o critério da presença de 11 dos 18 pontos tem as suas limitações. A existência de dor generalizada está hoje associada à fibromialgia. O fato de os exames de rotina e raio-X serem normalmente normais, faz com que seja também crucial que o médico reveja cuidadosamente a história clínica do doente para que o diagnóstico correto seja alcançado. Um dos outros passos necessários terá de ser excluir outras doenças cujos sintomas sejam semelhantes através da realização dos exames e testes necessários. Embora a fibromialgia e s.f.c. possam coexistir com outras doenças, é necessário verificar que outras doenças não são erroneamente diagnosticadas como fibromialgia ou s.f.c. Entre as doenças que podem causar
  9. 9. alguns sintomas semelhantes inclui-se: lupus, HIV/Sida, leucemia, doença de Lyme (causada por uma bactéria de que algumas carraças são portadoras), febre da carraça, hepatite C, esclerose múltipla, artrite reumatóide e outras formas de artrite, problemas da tiróide, doenças neuromusculares (como miastenia grávis), infecções (como mononucleose). Devido à semelhança de sintomas com outras doenças muito erros foram cometidos no diagnostico desta síndrome e os cientista ainda estão pesquisando para tenta conhecer a raiz dessa enfermidade. Para Provenza (2004), embora seja uma doença reconhecida há muito tempo, a fibromialgia tem sido seriamente pesquisada somente há três décadas. Pouco ainda é conhecido sobre sua etiologia e patogênese. Até o momento, não existem tratamentos que sejam considerados muito eficazes. A fibromialgia é uma síndrome primariamente pesquisada e tratada por reumatologistas principalmente por envolver um quadro crônico de dor musculoesquelética, mas frequentemente estes pacientes requerem um acompanhamento multidisciplinar com o objetivo de alcançar uma abordagem ampla e mais completa de seus sintomas e comorbidades. Em 2004, a Sociedade Brasileira de Reumatologia publicou as primeiras diretrizes da fibromialgia, com o objetivo de direcionar o diagnóstico e o tratamento desta síndrome. Constatação:pelo que foi visto até agora, parece que o elemento comum da doença poderia ser resumida, provisoriamente, assim: estamos diante de uma síndrome que não temos conhecimento tecnológico suficiente para chegar à causa primeira desta enfermidade. A Medicina Tradicional Chinesa é mais completa porque procura tratar o paciente como um todo e, para isso, busca encontrar a raiz do problema e não os sintomas. Já a medicina ocidental é mais especializada porque vai tratar as manifestações da doença, por exemplo, se a dor é na cabeça dar um analgésico para eliminar a dor.Vimos que ambos dão passos semelhantes em ambientes distintos, um numa visão mais holística o outro mais especifico, pois faz exames detalhados para entender o que esta acontecendo. Todos os tratamentos sobre o efeito da síndrome são limitados e parece que apresentam resultados conservadores, tanto o medicamentoso quanto os naturais, mas ambos melhoram o estado do paciente. Porém, os remédios adicionados provocam efeitos colaterais e podem causar outras doenças. Já a acupuntura tem eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais pelo fato de trabalhar com agulhas. 5. Aportes teóricos e metodológicos. Realiza-se um levantamento bibliográfico dos escritores que pesquisam e escrevem sobre a fibromialgia e, também, pesquisas feitas sem sites que têm artigos sobre o tema. E a base do diagnóstico segue os critérios do colégio americano de reumatologia e da sociedade brasileira de reumatologia que apresenta diretrizes com o objetivo de direcionar o diagnóstico e o tratamento. 6. Conclusão Para World (1979), a acupuntura, assim como outras modalidades terapêuticas da MTC, pode ser de grande valia para a população de modo geral, sendo amplamente indicada para uma grande variedade de doenças pela Organização Mundial de Saúde.E após constatar que, a acupuntura tem efeito analgésico e que tem efeito porque age nos impulsos nervosos, principalmente nas sinapses, através dos neurotransmissores conclui-se que essa técnica de tratamento é de fundamental importância por poder fazer manutenção da saúde do paciente.Assim, a acupuntura confere qualidade de vida ao paciente que sofre de fibromialgia
  10. 10. por estimula as habilidades curativas naturais do organismo, promovendo o bem estar físico e emocional. Referências AMERICAN College of Rheumatology, 1990 Critéria for the classification of Fibromyalgia, Amand et al, What You Doctor May Not Tell You About Fibromyalgia, Warner Books, 1999; BANCO DE SAÚDE, Portal. Fibromialgia guia completo; Wikipédia, 2008. Disponível em:<http://pt.wikipedia.org/wiki/Fibromialgia>acessado em: 20 de mar 2012. BERGER A, Dukes E, Martin S, Edelsberg J, Oster G. Characteristics and healthcare costs of patients with fibromyalgia syndrome. Int J ClinPract 2007; 61(9):1498-508. BENNETT RM, Kamin M, Karim R, Rosenthal N. Tramadol and acetaminophen combination tablets in the treatment of fibromyalgia pain: a double-blind, randomized, placebo-controlled study. Am J Med 2003; 114:537-45. CRISTO VV. Epidemiologia da Fibromialgia. In: Heymann et al, ed. Fibromialgia e Síndrome Miofascial. 1ª ed. São Paulo, Editora Legnar, 2006 p25-30. FÍSICOS. Exercícios, Exercícios físicos para emagrecer. Ano: 2011. Disponível em: <http://www.exercicios-fisicos.com/exercicios-fisicos-para-emagrecer> acessado em: 20 de mar 2012. GAZZI, Costa. Bruna; MARTIN, Kleide; OTERO, Mallet, Taíse.Acupuntura:relações entre a ética e a psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do SulInstituto de Psicologia. Disponível em: <http://www6.ufrgs.br/e- psico/etica/temas_atuais/acupuntura-texto.html> acessado em: 20 de mar 2012. GOLDENBERG DL, Schur PH, Romain PL. Clinical manifestations and diagnosis of fibromyalgia in adult. UptoDate, 2012. Disponível em: <http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=4482> Acesso em 21 de marco de 2012. HAN Ji-Sheng Acupuntucture: neuropeptide releas produced by eletrical stimulation of different frequencies.Revista: trendes in neuroscience, 2003; 26:17-22Neuroscience research institute, Peking Universite, 38 xueyan road, Beijing 100083, China. HICKS, Angela. Acupuntura Constitucional dos cinco elementos.Angela Hicks, John Hicks, Peter Mole. Tradução: Maria Inês Garbino Rodrigues. São Paulo: Roca, 2007, p 17-18 e 266. JEAN-CLAUDE de Tymowski; Madeleine Fiévet-Izard; Madeleine J. Guillaume. Tradução autorizada da quarta edição francesa. 1986. Jorge Zahar Editor, RJ A acupuntura p.96 - 97. JONES KD, Clark SR, Bennett RM. Prescribing exercise for people with fibromyalgia. AACN Clin Issues 2002; 13:277-93.
  11. 11. JONES KD, Clark SR. Individualizing the exercise prescription for persons with fibromyalgia.RheumDisClin North Am 2002; 28:419-36. MAO-LIANG Qiu. Acupuntura chinesa e moxabustao.editor subchefe ZangShan-chen; editor tradutor Li Liang-yu; editor consultor para idiomas e conselheiro Richard Bertschinger; [tradução José Ricardo Amaral de Souza Cruz]. São Paulo: Roca, 2001, p 471-472 , 473 e 475. MILEN, Albuquerque. MARCOS. Acupuntura no tratamento de fibromialgia. Universidade José Alzira Vellano, 1996. Disponível em:<http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/reumato/acupuntura_ma rcos.htm> acessado em: 20 de fevereiro de 2012. PROVENZA JR, Pollak DF, Martinez JE, Paiva ES, Helfenstein M, Heymann R et al. Diretrizes da Fibromialgia - Sociedade Brasileira de Reumatologia, 2004. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/052.pdf. PROVENZA JR, Paiva E, Heymann RE. Manifestações clínicas da Fibromialgia. In: Heymannet al, ed. Fibromialgia e Síndrome Miofascial. 1ª ed. São Paulo, Editora Legnar,2006:p31-42. REUMATOLOGIA, Brasileira de Reumatologia. Sociedade. Fibromialgia. Unifesp. Sociedade Brasileira de Reumatologia. 2004. Disponível em: <http://www.google.com.br/#hl=ptBR&q=Introdução++_++Sociedade+Brasileira+de+Reuma tologia&oq=Introdução++_++Sociedade+Brasileira+de+Reumatologia>. Acessado em: 20 de marco de 2012. &aq=f&aqi=&aql=&gs_sm=3&gs_upl=8146l15069l0l16455l168l21l0l0l0l7l672l1813l4.1.0.2 .0.1l13l0&gs_l=serp.3...8146l15069l0l16455l168l21l0l0l0l7l672l1813l4j1j0j2j0j1l13l0.llsin. &bav=on.2,or.r_gc.r_pw.,cf.osb&fp=2c9643468eaae6e3&biw=1280&bih=579. SKARE, Thelma Larocca. Reumatologia: princípios e prática. Thelma LaroccaSkare. – 2.ed.-Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. Il. p.248. VAEROY H, Abrahamsen A, Forre O, Kass E. Treatment of fibromyalgia (fibrositis syndrome): a parallel double blind trial with carisoprodol, paracetamol and caffeine (Somadril comp) versus placebo. ClinRheumatol 1989; 8:245-50. YVES Requena. Acupuntura e psicologia. Organização Andrei Editora, São Paulo 1990, p.55-61. KAPTCUK TK. The web that has no weaver: Understanding Chinese Medicine. Chicado: United States of America Complementary Publishing Group, 2000, 500p. WORLD Health Organization. Viewpoint on Acupuncture. Geneva, Switzerland: World Health Organization, 1979.

×