METABOLISMO ENERGÉTICO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA EDISTÚRBIOS ALIMENTARESSalete Aparecida HirataResumoA história da humanida...
aos novos conhecimentos da medicina, sabe-se que os padrões de belezaadotados por cada época histórica nem sempre privileg...
a termo-regulação e a atividade física. Aparecem como trabalho externo, calore armazenamento de energia e pode ser medida ...
Os Distúrbios Alimentares: um breve históricoA incidência dos distúrbios alimentares em crianças e adolescentes temaumenta...
--MMuuddaannççaass bbrruussccaass ddee hhuummoorr ((iirrrriittaabbiilliiddaaddee,, aaggrreessssiivviiddaaddee,, aappaattii...
--FFrriioo eexxcceessssiivvoo,,--SSoonnoo eexxcceessssiivvoo,,--LLaannuuggoo ((oo ccoorrppoo ffiiccaa ccoobbeerrttoo ccoom...
-FFrraacciioonnaamm aa ccoommiiddaa,, ddeeiixxaannddoo rreessttooss nnoo pprraattoo..TTaammbbéémm ppooddeemm ""bbrriinncca...
Embora a anorexia e a bulimia venham sendo difundidas pela mídia porafetar pessoas famosas tais como: Lady Di, princesa da...
Durante muitos anos houve confusão sobre o caráter orgânico ou psicológicoda anorexia. A partir de 1970, Russell tenta mos...
organismo inteiro e que são raramente encontradas em outros vegetais. Oarroz contém metionina e o feijão, a lisina. Essa c...
Paraná, Santa Catarina e Rio de Janeiro foram os pioneiros naregulamentação do comércio de guloseimas e lanches oferecidos...
TABELA DE IMC PARA ADULTOSEssa tabela é utilizada para qualquer pessoa em idade adulta, porém elatambém apresenta falhas, ...
Gráfico 2Adolescentes e a imagem corporal: um diagnósticoOs alunos que freqüentam a 7ª série no Colégio Estadual Marquês d...
Pr.,apresentam entre 12 a 14 anos, sendo a maioria composta poradolescentes na faixa de 13 anos. Foram pesquisados 45 alun...
Tabela 01Considerando-se os resultados obtidos e analisando-os pela tabela deIMC para adultos, aproximadamente 44% das cri...
Nessa pesquisa não foi levada em consideração o sexo das crianças.Embora o IMC por idade e a curva de percentis faça essa ...
Tabela de Composição das principais refeições diáriasALIMENTO CONSUMIDORES PORCENTAGEMArroz 41 91Carne 41 91Feijão 40 89Sa...
videogames e computador, têm levado muitos jovens a desenvolver patologiasnão comuns a essa faixa etária, como diabetes do...
comportamento reflete ausência de atividades físicas nas horas de lazer.Contrapondo esse pensamento, 73% dos alunos afirma...
O desejo de ter um peso abaixo dos padrões considerados normais éespecialmente arriscado na infância e adolescência, pois ...
BELL, R.M. Holy anorexia. University of Chicago Press, Chicago, 1985.CARVALHO, A. M. P. (org). Ensino de Ciências: unindo ...
PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares daRede Pública de Educação Básica do Estado do Paraná – ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Metabolismo energético e imc

568 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
568
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metabolismo energético e imc

  1. 1. METABOLISMO ENERGÉTICO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA EDISTÚRBIOS ALIMENTARESSalete Aparecida HirataResumoA história da humanidade tem mostrado que, os padrões de saúde e estética variam conformea época. Atualmente, o culto exagerado à magreza como símbolo de beleza, reforçado pelamídia, vem chamando a atenção da saúde pública por levarem jovens e adolescentes adesordens nutricionais graves, com riscos de problemas físicos e psicológicos. Entre osprincipais distúrbios estão a anorexia, bulimia e obesidade. Os portadores de tais distúrbiosapresentam forte resistência a tratamentos, o que faz essas doenças adquirirem alto índice demortalidade. A prevenção ainda é o melhor caminho. Através de uma abordagem investigativaprocurou-se conhecer os hábitos alimentares de adolescentes e, junto ao cálculo do IMC(índice de massa corporal), detectar possíveis casos de desordens nutricionais entre os alunosda 7ª série do Ensino Fundamental do Colégio Estadual Marquês de Caravelas, em Arapongas-Pr.Palavras-chave: Metabolismo, distúrbios alimentares, anorexia, bulimia, obesidade, imagemcorporal.AbstractThe history of mankind has shown that patterns of health and aesthetics vary according toseason. Currently, the cult of excessive thinness as a symbol of beauty, enhanced by themedia, has been drawing the attention of public health by taking young people and adolescentsto serious nutritional disorders, with risk of physical and psychological problems. Among themain disorders are anorexia, bulimia and obesity. Patients with such disorders show strongresistance to treatments, making these diseases obtain high mortality rate. Prevention is still thebest. Through a research tried to know the dietary habits of adolescents, and with thecalculation of BMI (body mass index), to detect possible cases of nutritional disorders amongstudents of 7th grade of elementary school of the Marquis of Caravelas State College, inArapongas-Pr.Keywords: Metabolism, eating disorders, anorexia, bulimia, obesity, body image.IntroduçãoA preocupação com a imagem corporal está presente desde osprimórdios da humanidade, embora seus padrões tenham se modificado aolongo da evolução humana. Com o avanço das novas tecnologias associadas
  2. 2. aos novos conhecimentos da medicina, sabe-se que os padrões de belezaadotados por cada época histórica nem sempre privilegiaram a qualidade devida, nem tão pouco eram considerados sinônimos de saúde.Ao constatar que a expectativa de vida do ser humano vem aumentandoe a busca pela longevidade com qualidade é fundamental tanto para oindivíduo quanto para os setores políticos e econômicos que regem nossasociedade, torna-se necessário prevenir um problema crescente na populaçãomundial: os distúrbios alimentares.Os distúrbios alimentares pertencem a uma classe de doenças de difícildiagnóstico e tratamento, pois a pessoa portadora não se reconhece como“doente”. Assim, levar ao conhecimento de adolescentes e jovens, queconstituem grupo de risco, de que a busca por um corpo ideal pode levá-los aodesenvolvimento de distúrbios alimentares, torna-se uma importanteferramenta para a prevenção desses males.O Metabolismo Energético e sua relação com o peso corporalO peso corpóreo é a soma de ossos, músculos, órgãos, líquidoscorpóreos e tecido adiposo. Essa composição é variável de acordo com ocrescimento, estado reprodutivo, níveis de exercícios e efeitos doenvelhecimento. Flutuações de vários quilos podem ser observados de acordocom o estado de hidratação de um indivíduo, já que a água é o componentemais abundante e variável.No entanto, em geral, considerando-se um balançode água estável, as variações de peso dependem do balançoenergético.Entende-se por balanço energético a relação existente entre aingestão calórica e a produção e consumo de energia por um organismo.As transformações químicas e energéticas que ocorrem no corpo paramanter os processos vitais são chamadas genericamente, de METABOLISMO.O metabolismo é um processo complexo e que compreende duas etapas:CATABOLISMO, que envolve a oxidação de nutriente e conseqüente liberaçãode energia; ANABOLISMO, que envolve o consumo de energia para aconstrução de substâncias necessárias à manutenção da vida.A energia liberada pelo catabolismo dos alimentos é usada para amanutenção das funções corporais, a digestão e metabolização dos alimentos,
  3. 3. a termo-regulação e a atividade física. Aparecem como trabalho externo, calore armazenamento de energia e pode ser medida utilizando-se como unidadepadrão a CALORIA (cal).A produção e consumo de energia por um organismo deve obedecer aum equilíbrio, já que todos os sistemas vivos ou inanimados seguem a primeiralei da termodinâmica: ¨a energia não é criada nem destruída, mas transformadade uma forma para outra¨. Pode-se falar, então em um balanço energéticoentre a ingestão de alimentos e a produção de energia. Quando o conteúdocalórico da comida ingerida for menor que a produção de energia, sãoutilizadas as reservas corporais (glicogênio, proteínas e gorduras) e a pessoaperde peso. Mas, se o valor calórico do alimento é maior que a perda deenergia devido ao calor e ao trabalho, e a comida for adequadamente digeridae absorvida, a energia em excesso é armazenada, e a pessoa ganha peso.A quantidade de energia que um nutriente contém é medida em caloriaspor grama (cal/g). Geralmente, os valores energéticos são expressos emquilocalorias (Kcal), sendo 1kcal=1000cal.Os nutrientes fornecem diferentes valores energéticos:-1g. de lipídios contém 9 Kcal;-1g. de carboidratos contém 4 Kcal;-1g. de proteínas contém 4 Kcal.A quantidade de energia utilizada diariamente depende da idade eprincipalmente do tipo de atividade da pessoa. Em geral mulheres adultasgastam cerca de 2000 quilocalorias e homens, cerca de 2400 quilocalorias, pordia, para manter o trabalho do organismo.Há um complexo sistema de mecanismos neurais, hormonais e químicosque mantém em equilíbrio o balanço energético. O mau funcionamento dessesmecanismos pode ser a principal causa dos distúrbios alimentares. Pode-sefalar, então, em um conjunto multifatorial de causas, talvez até umacombinação de fatores genéticos, metabólicos, neuroendócrinos, dietéticos,sociais, familiares e psicológicos. Algumas substâncias reguladoras já foramdescobertas e têm seus modos de atuação bastante conhecidos, tais como: ascatecolaminas, colecistoquinina, galatina, insulina e hormônios tireoidianos.
  4. 4. Os Distúrbios Alimentares: um breve históricoA incidência dos distúrbios alimentares em crianças e adolescentes temaumentado crescentemente nos últimos anos. Bulimia, anorexia e obesidadesão exemplos destes transtornos relacionados à ingestão de alimentos. Sendoassim caracterizados:1-Bulimia: Ingestão compulsiva e rápida de grande quantidade de alimento,com pouco ou nenhum prazer, alternada com comportamento dirigido paraevitar o ganho de peso (vômito, uso de laxantes e diuréticos ou períodos derestrição alimentar severa) e medo mórbido de engordar. Os bulímicosdesenvolvem complicações físicas e psicológicas, tais como, irregularidadesmenstruais, distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos , dilatação gástrica,esofagite e depressão. Alguns sinais físicos e comportamentais podem indicara presença desse distúrbio:Sinais Físicos:---IInncchhaaççoo ddaass ggllâânndduullaass ppaarróóttiiddaass ((ccoommoo ssee eessttiivveessssee ccoomm ccaaxxuummbbaa)).. DDeevviiddooaaooss vvôômmiittooss pprroovvooccaaddooss..--AAmmeennoorrrrééiiaa ((ffaallttaa ddee mmeennssttrruuaaççããoo)) ppeelloo mmeennooss 33 cciiccllooss..--QQuueeddaa ddee ccaabbeelloo..-PPeerrddaa ddee ddeenntteess ((ddeevviiddoo aaoo aacciiddoo ddooss vvôômmiittooss))..--VVôômmiittooss pprroovvooccaaddooss ((ggeerraallmmeennttee llooggoo ddeeppooiiss ddaass rreeffeeiiççõõeess oouu dduurraannttee oobbaannhhoo)).. FFiiccaarr aatteennttoo ppaarraa aaqquueellaass qquuee llooggoo aappóóss ssee aalliimmeennttaarreemm vvããoo aaoobbaannhheeiirroo..--OO ppeessoo nnããoo eessttáá mmuuiittoo aabbaaiixxoo nneemm mmuuiittoo aacciimmaa ddoo nnoorrmmaall,, oosscciillaannddoo ccoommffaacciilliiddaaddee..--CCaallooss nnoo ddoorrssoo ddooss ddeeddooss,, pprriinncciippaallmmeennttee iinnddiiccaaddoorr.. EEssssaass ccaalloossiiddaaddeess ssããoocchhaammaaddaass ddee ssiinnaall ddee RRuusssssseellll,, qquuee aass ddeessccrreevveeuu eemm 11997799.. ((oo uussoo ccoonnssttaanntteeddooss ddeeddooss ppaarraa pprroovvooccaarr ooss vvôômmiittooss pprroovvooccaa lleessõõeess ddeevviiddoo aaoo aattrriittoo ccoomm oossddeenntteess))--DDeessmmaaiiooss ee ffrraaqquueezzaa,, ddeevviiddoo aaoo uussoo ddee llaaxxaanntteess ee ddiiuurrééttiiccooss qquuee pprroovvooccaammuumm ddeesseeqquuiillííbbrriioo eelleettrroollííttiiccoo ((ppeerrddaa ddee ssaaiiss mmiinneerraaiiss ccoommoo ppoottáássssiioo))..Sinais Psicológicos e Comportamentais :
  5. 5. --MMuuddaannççaass bbrruussccaass ddee hhuummoorr ((iirrrriittaabbiilliiddaaddee,, aaggrreessssiivviiddaaddee,, aappaattiiaa ..))--AAuummeennttoo ddee iinntteerreessssee ppeellaa iimmaaggeemm ee//oouu ppeessoo.. GGrraannddee oobbsseessssããoo ppeelloo ppeessoo,,ccoonnssttaanntteemmeennttee ssee aacchhaamm ggoorrddaass ee tteemm vveerrddaaddeeiirroo ppâânniiccoo ddee eennggoorrddaarr..--QQuuaannddoo ccoommeemm ccoomm aammiiggooss ee ffaammiilliiaarreess,, ssee aalliimmeennttaamm ppoouuccoo ee ssoommeennttee ccoommaalliimmeennttooss ddee bbaaiixxaass ccaalloorriiaass..--AAuummeennttoo nnoo ccoonnttrroollee ddoo ppeessoo ((ssee ppeessaarr ccoonnssttaanntteemmeennttee ee//oouu ssee mmeeddiirr ccoomm aaffiittaa mmééttrriiccaa))--IIssoollaammeennttoo ssoocciiaall ee//oouu ffaammiilliiaarr..--OOss aattaaqquueess ddee ccoommppuullssããoo ((bbiinnggee)) ssããoo ““eessccoonnddiiddooss””,, mmaass ggeerraallmmeennttee aa ppeessssooaaddeeiixxaa ““ssiinnaaiiss”” ccoommoo eemmbbaallaaggeennss ddee cchhooccoollaatteess,, ssaallggaaddiinnhhooss,, eettcc...... EEssccoonnddiiddoossnnoo qquuaarrttoo eemm ggaavveettaass oouu aarrmmáárriiooss.. QQuuaannddoo eessttããoo ssoozziinnhhaass ssee aalliimmeennttaamm ddeettooddooss ooss aalliimmeennttooss ""pprrooiibbiiddooss"",, ccoomm iissssoo ooss ppaaiiss ppooddeemm ppeerrcceebbeerr qquuee uummaaggrraannddee qquuaannttiiddaaddee ddee aalliimmeennttooss ""ddeessaappaarreeccee"" ddee ccaassaa.. TTaammbbéémm ppooddeemm ggaassttaarrmmuuiittoo ddiinnhheeiirroo ccoomm aa aalliimmeennttaaççããoo ffoorraa ddaa ccaassaa..--UUssoo ddee llaaxxaanntteess ee//oouu ddiiuurrééttiiccooss;; mmuuiittaass vveezzeess ttaammbbéémm eessttããoo ““eessccoonnddiiddooss”” eemmbboollssaass,, ggaavveettaass oouu aarrmmáárriiooss..--CCoommppoorrttaammeennttooss ccoommppeennssaattóórriiooss ccoommoo eexxeerrccíícciiooss eexxaaggeerraaddooss ccoomm aaffiinnaalliiddaaddee ddee ppeerrddeerr ppeessoo,, ppooddeemm ccaammiinnhhaarr mmuuiittaass hhoorraass oouu nnããoo uussaarreelleevvaaddoorreess ssoommeennttee eessccaaddaass..-Idas freqüentes ao banheiro logo após as refeições.2-Anorexia: Perda excessiva de peso, visão da imagem corporal distorcida emedo de tornar-se obeso. Afeta principalmente mulheres jovens além dealguns grupos de risco formado por indivíduos cujas profissões exercem forteinfluência a silhueta esguia, como atores e atrizes, manequins e modelos,bailarinas, jóqueis, lutadores e desportistas. As principais manifestaçõesclínicas são: amenorréia, osteoporose, alterações homeostáticas, hipotensão,arritmias cardíacas, alterações no hemograma (anemia, leucopenia) edepressão. Os sinais físicos e alterações comportamentais que podem indicara presença desse transtorno alimentar são:Sinais Físicos :--IInniicciiaa rreessttrriiççõõeess aalliimmeennttaarreess,,--PPeerrddaa iimmppoorrttaannttee ddee ppeessoo,, nnããoo jjuussttiiffiiccaaddaa,,
  6. 6. --FFrriioo eexxcceessssiivvoo,,--SSoonnoo eexxcceessssiivvoo,,--LLaannuuggoo ((oo ccoorrppoo ffiiccaa ccoobbeerrttoo ccoomm uummaa ppeennuuggeemm ffiinnaa)),,--AAmmeennoorrrrééiiaa ((ffaallttaa ddee mmeennssttrruuaaççããoo)) ppeelloo mmeennooss 33 cciiccllooss ,,--QQuueeddaa ddee ccaabbeellooAlterações Comportamentais :--MMuuddaannççaass bbrruussccaass ddee hhuummoorr ((iirrrriittaabbiilliiddaaddee,, aaggrreessssiivviiddaaddee,,iimmppuullssiivviiddaaddee))..TTaammbbéémm ppooddee ppaassssaarr ppoorr mmoommeennttooss ddee mmuuiittaa ttrriisstteezzaa,,aapprreesseennttaannddoo sseennttiimmeennttooss ddee ccuullppaa ee bbaaiixxaa aauuttoo--eessttiimmaa,,-DDeessccuullppaass ppaarraa nnããoo ccoommeerr eemm ccaassaa,,-Podem utilizar laxantes, diuréticos, e/ou qualquer erva ou “medicamento” quefavoreça ou “prometa” o emagrecimento,-Desejo claro de perder peso. Tanto estando dentro da faixa de peso normalpara a idade/altura, quanto estando abaixo desta. Este desejo se mantém atémesmo quando estão extremamente magras,--Preocupação exagerada com o conteúdo calórico dos alimentos e por dietas.Podem “vigiar” a preparação dos alimentos,--A principio evitam determinados alimentos: doces, pães, batatas, arroz,frituras, etc.Posteriormente passam a eliminar da sua dieta um numero cadavez maior de alimentos, até chegar a se alimentar única e exclusivamente deverduras ou frutas ( e cada vez em menores quantidades). Podem consumirsomente alimentos light. E inclusive a viver somente de líquidos,--AAuummeennttoo ddee iinntteerreessssee ppeellaa iimmaaggeemm ee//oouu ppeesso..Se queixam com freqüênciasobre o seu peso: “estou gorda,-AAuummeennttoo nnoo ccoonnttrroollee ddoo ppeessoo,, ssee ppeessaa ccoonnssttaanntteemmeennttee,, iinncclluussiivvee vváárriiaass vveezzeessaaoo ddiiaa,,-CCoommppaarraamm--ssee ccoonnssttaanntteemmeennttee ccoomm mmooddeellooss ee//oouu oouuttrraass ffiigguurraass ddeeaaddmmiirraaççããoo..-IIssoollaammeennttoo ssoocciiaall ee//oouu ffaammiilliiaarr,,-Aumento da atividade física. PPooddeemm ddeesseejjaarr iirr ccaammiinnhhaannddoo ppaarraa ttooddooss oosslluuggaarreess,, ccaammiinnhhaannddoo aassssiimm vvaarriiaass hhoorraass.. Evitam os elevadores e usam asescadas, passam horas na academia, correm etc.
  7. 7. -FFrraacciioonnaamm aa ccoommiiddaa,, ddeeiixxaannddoo rreessttooss nnoo pprraattoo..TTaammbbéémm ppooddeemm ""bbrriinnccaamm"" ccoommaa ccoommiiddaa aanntteess ddee lleevváá--llaa aattéé aa bbooccaa,,-MMeenntteemm ssoobbrree tteerr oouu nnããoo ccoommiiddoo,, ppooddeemm ““eessccoonnddeerr”” aa ccoommiiddaa ee ddeeppooiiss jjooggáá--llaaffoorraa,,-PPooddeemm aapprreesseennttaarr uummaa oobbsseessssããoo ccoomm ooss eessttuuddooss,, ddeeddiiccaannddoo--ssee vváárriiaass eevváárriiaass hhoorraass,,-IInnssôônniiaa,,-OObbsseessssããoo ppeellaa ccoommiiddaa ee lliiggaaççããoo ccoomm aa ccoozziinnhhaa.. Podem preparar pratossaborosos e elaborados para a família. Porém, elas mesmas nunca oscomerão,-PPooddeemm ccoommeeççaarr aa aapprreesseennttaarr pprroobblleemmaass ddee rreellaacciioonnaammeennttoo ccoomm oouuttrroossmmeemmbbrrooss ddaa ffaammíílliiaa.. EEssppeecciiaallmmeennttee aa ffiigguurraa mmaatteerrnnaa ((lliiggaaddaa àà aalliimmeennttaaççããoo)),,-Sofrem de sentimentos de culpa após terem comido,-Podem vomitar após se alimentarem,-FFrreeqqüüeenntteemmeennttee ssee vveesstteemm ccoomm rroouuppaass llaarrggaass ee ssoobbrreeppoossttaass,, ccuujjaa ffuunnççããoo aapprriinncciippiioo éé ddiissssiimmuullaarr ooss ssuuppoossttooss ddeeffeeiittooss ffííssiiccooss ((qquuaaddrriiss llaarrggooss,, aabbddôômmeenn,,eettcc..))..PPoosstteerriioorrmmeennttee ssuuaa ffuunnççããoo ppaassssaa aa sseerr aa ddiissssiimmuullaaççããoo ddaa mmaaggrreezzaaeexxttrreemmaa,,--Se recusam a comer em quantidades normais apesar dos riscos,recomendações, ordens e/ou ameaças familiares e inclusive médicas.3-Obesidade: Acúmulo excessivo de gordura corporal causado pordesequilíbrio no balanço energético. Muitas doenças estão associadas a essacondição e pode transformar-se em potencial risco para a saúde. Destacando-se a hipertensão, diabete e doenças cardiovasculares. Porém, a imagemnegativa que o próprio indivíduo faz de si diante de uma sociedade que cultua amagreza parece ser a mais devastadora das doenças. O ganho de pesogeralmente acontece ao longo do tempo, porém alguns sinais podem serobservados:-Roupas parecendo apertadas e necessidade de usar números maiores;-Balança demonstrando que se ganhou peso;-Ter gordura extra ao redor da cintura;-IMC e circunferência da cintura maiores do que o considerado normal.
  8. 8. Embora a anorexia e a bulimia venham sendo difundidas pela mídia porafetar pessoas famosas tais como: Lady Di, princesa da Inglaterra; AlanisMorrissette, cantora e atriz; Kate Moss, modelo; Geri Halliwell, ex-Spice Girl,elas não são doenças ligadas a modernidade. Há referências sobre a anorexiaem fontes latinas da época de Cícero ( 43 a.C ) e vários textos do século XVI.Na Idade Média, a prática de jejum prolongado era vista como estado depossessão demoníaca ou milagres divinos.Bell (1985), em seu livro Holy Anorexia, relata o comportamentoanoréxico de várias santas entre os anos 1200 a 1600. Um caso bastanteconhecido é o de Santa Catarina de Siena (1347) que aos 7 anos de idadepassou a recusar alimentos e, na adolescência só se alimentava de pão eervas.Entrou para a Ordem das Dominicanas e foi conselheira do PapaGregório XI, em Avignon. Lutou a favor da unificação do papado que, na época,dividia-se entre Roma e Avignon e diante de um quadro desfavorável, sentiu-sefracassada e morreu de desnutrição em 29 de abril de 1380, aos 32 anos deidade. Também há relatos do século IX, em que um príncipe, chamadoHamadham, deixou de se alimentar após desenvolver uma profundadepressão.A descrição clínica da ANOREXIA teve início em 1689 pelo Dr. Mortonque demonstrou curiosidade pela indiferença de suas pacientes diante de umestado de desnutrição em que se encontravam. Por volta de 1873, Gull eLasègue, dois médicos com trabalhos independentes, descrevem a anorexiacomo uma doença de caráter psicológica.A relação da anorexia com a finalidade de emagrecimento e medo deengordar foi estabelecida por Charcot, em 1889.Em 1893, Freud descreveu um caso de anorexia tratada com hipnose.Ele descreveu a doença como uma “psiconeurose de defesa”, ou seja, umaneurose da alimentação com melancolia.O componente psicológico da anorexia foi posto em xeque no séculoXX. Nessa época, ela passa a ser vista como uma doença puramente orgânica,mais precisamente um problema endócrino. Esse fato foi reforçado porSimmonds, um patologista alemão, que encontrou diminuição em uma parte dahipófise no cérebro de uma vítima de CAQUEXIA, um estado de desnutriçãoprofunda.
  9. 9. Durante muitos anos houve confusão sobre o caráter orgânico ou psicológicoda anorexia. A partir de 1970, Russell tenta mostrar a relação entre a origempsicológica, biológica e sociológica da doença, contribuindo para a criação decritérios para o diagnóstico da anorexia utilizados pelos atuais sistemas declassificação de doenças.A BULIMIA é considerada a irmã mais nova da anorexia. A primeiradescrição dessa doença foi realizada em 1979 por Russell. Embora seja umdistúrbio descrito recentemente, um de seus sintomas é bem antigo: a práticado vômito auto-induzido que ocorre em até 95% das pessoas bulímicas podeser encontrada na história de diferentes povos da antigüidade.SegundoHeródoto, os egípcios vomitavam e usavam purgativos todo mês, por três diasconsecutivos, pois acreditavam que todas as doenças humanas tinham origemna comida que ingeriam; prática semelhante era recomendada por Hipócratespara prevenir diferentes doenças. Os romanos criaram o “vomitorium”, localdestinado a prática do vômito, de forma reservada, que se realizava apósexcessos cometidos nos grandes banquetes. Já na Idade Média, o uso depurgantes era comum para qualquer doença e recomendada pelos médicos,fato satirizado por Moliére, dramaturgo francês que recriou a comédia moderna,em suas peças teatrais.O caso de Ellen West é bastante conhecida e divulgada na literaturapsiquiátrica,mesmo não tendo sido diagnosticada como bulimia,seu quadroclínico apresentava todos os sintomas de um bulímico como medo deengordar, caminhadas exageradas, apetite voraz alternado com dietas severas.Ellen foi internada num dos melhores sanatórios da época e atendida porManfred Eugen Bleuler, médico psiquiatra autor do conceito de esquizofrenia,porém, não obteve melhora e cometeu suicídio tomando veneno.A nutrição dos brasileirosO Brasil é um país de extensas áreas agricultáveis e por muitos anoscultivou o hábito do “arroz com feijão” em seu prato. Essa dupla apresenta umaquímica perfeita, segundo nutricionistas, pois são ricas em carboidratos,proteínas, sais minerais, vitaminas e fibras. Elas se complementam porapresentarem proteínas que são muito eficientes na reparação de tecidos do
  10. 10. organismo inteiro e que são raramente encontradas em outros vegetais. Oarroz contém metionina e o feijão, a lisina. Essa combinação também auxiliana manutenção do equilíbrio glicêmico do corpo, pois quando o arroz é ingeridosozinho, as taxas de glicose e insulina sobem por conta do alto teor decarboidratos, porém o feijão tem o poder de neutralizar esse efeito mantendoos níveis de glicemia adequados e reduzindo os riscos do diabetes.Apesar de relativamente baratos quando comparados a outros tipos dealimento, os pratos feitos a base de arroz, feijão, bife e salada vêm sendosubstituído por alimentos industrializados. A alteração do perfil alimentar dobrasileiro está relacionado à modernização: trocou-se o almoço em casa porlanches e refeições rápidas pois o mercado de trabalho exige uma dedicaçãocada vez maior do trabalhador e, portanto, o cumprimento de uma jornadaprofissional também maior. O brasileiro passou a ter cada vez menos tempopara realizar suas refeições.O Brasil tornou-se mais urbano e sofreu grandes transformaçõeseconômicas, sociais e demográficas ao longo dos últimos 40 anos. Cresceu oconsumo de alimentos muito calóricos e ricos em açúcar e sal, cultura copiadade países considerados ricos e desenvolvidos, como os EUA, e incentivadaspela mídia.Essa mudança nos hábitos alimentares também afeta a qualidade dosalimentos consumidos por crianças, jovens e adolescentes, que muitas vezesse vêm sozinhos em casa na hora do almoço por conta da atividadeprofissional dos pais e/ou responsáveis. A preguiça própria da idade favorece oconsumo de comidas fáceis, diversificadas e rápidas, como lanches eguloseimas.Torna-se até contraditório: a oferta de alimentos é cada vez maior, poréma qualidade nutritiva é cada vez menor, com altos teores de gorduras trans eprodutos químicos. O organismo humano tem se transformado em umamáquina carente de nutrientes e de pouca atividade física, resultando emestresse social, obesidade, enxaqueca, insônia, depressão e doenças auto-imunes em um corpo ainda jovem. Isto tudo estimulado por propagandasveiculadas pela mídia, que promovem a praticidade, o realce do sabor e a falsaidéia de que o alimento é enriquecido com nutrientes saudáveis.
  11. 11. Paraná, Santa Catarina e Rio de Janeiro foram os pioneiros naregulamentação do comércio de guloseimas e lanches oferecidos nas cantinasdas escolas públicas e privadas. Inspirada nessa prática, tramita na CâmaraFederal o Projeto de Lei nº 5921/01 que regulamenta o comércio de produtosalimentícios nas cantinas das escolas, incentivando a venda de sucos naturaise à base de soja e salgados assados, além de proibir a venda de refrigerantes,salgados fritos, biscoitos recheados, balas, chicletes , doces industrializados eoutros afins.Essas ações não bastam para mudar o comportamento alimentar de todasociedade brasileira, mas é uma das formas de lutar contra os hábitos que vêmse arraigando para dentro das famílias. A reeducação nutricional é necessáriapara se resgatar o bom e velho arroz com feijão que por muitos anos garantiu asaúde dos brasileiros. Conscientizar jovens e adolescentes de que seu corpo éreflexo do que comem é fundamental para a se levar uma vida mais saudável ecom qualidade.O Índice de Massa Corporal e a Curva de PercentisO índice de Massa Corporal (IMC) é reconhecido pela OrganizaçãoMundial de Saúde como padrão para avaliar a proporção saudável entre peso ealtura. O IMC é calculado dividindo o peso (em quilos) pela altura ao quadrado(em metros).A Organização Mundial de Saúde usa um critério simples baseada emcategorias que são divididas conforme o índice de massa corporal apresentadapelo indivíduo, Para saber se um adulto está obeso, é só calcular seu IMC ecompará-lo à tabela abaixo. Por exemplo: uma pessoa que tem 1m70 e pesa55 kg, tem IMC igual a 19. Índices entre 18,5 e 24,9 são consideradossaudáveis.IMC= PESO (kg)/ ALTURA X ALTURA (m)
  12. 12. TABELA DE IMC PARA ADULTOSEssa tabela é utilizada para qualquer pessoa em idade adulta, porém elatambém apresenta falhas, pois não leva em consideração diferenças étnicas enão discrimina os componentes gordo e magro da massa corporal total,levando a erros no cálculo de IMC para pessoas musculosas. Em crianças eadolescentes, o IMC varia conforme a idade. As crianças começam a vida comum alto índice de gordura corpórea, mas vão ficando mais magras conformecrescem, havendo também diferenças entre a composição corporal de meninose meninas. Para não haver muitas distorções na faixa etária que compreende operíodo de desenvolvimento, os cientistas criaram um IMC especial para ascrianças conhecido como IMC por idade ou curva de percentis.O IMC por idade leva em consideração a altura, peso e idade de umacriança para determinar a quantidade de gordura corporal que ela tem ecompara os resultados com os de outras crianças na mesma idade e sexo. Deacordo com os médicos, o mais importante é que o IMC de crianças sejaacompanhado ao longo dos anos, pois elas podem passar por estirões decrescimento que, sob um olhar individual no valor encontrado para o IMC,podem levar a erros em sua interpretação.CATEGORIA IMCAbaixo do Peso Abaixo de 18,5Peso Normal 18,5 - 24,9Sobrepeso 25,0 - 29,9Obeso Leve 30,0 - 34,9Obeso Moderado 35,0 - 39,9Obeso Mórbido Acima de 40,0
  13. 13. Gráfico 2Adolescentes e a imagem corporal: um diagnósticoOs alunos que freqüentam a 7ª série no Colégio Estadual Marquês deCaravelas Ensino Fundamental, Médio e Profissional, em Arapongas –Gráfico 1
  14. 14. Pr.,apresentam entre 12 a 14 anos, sendo a maioria composta poradolescentes na faixa de 13 anos. Foram pesquisados 45 alunos de ambos ossexos. Nessa faixa etária, há uma grande preocupação com a aparência físicaque fica evidente no comportamento que têm frente a espelhos e na forma deutilização de vestuários, mesmo sendo o uniforme escolar.Ao trabalhar a imagem corporal com atividades de recorte, os alunosdemonstraram interesse em montar o homem/mulher ideal utilizandopersonalidades consagradas na mídia, como atores/atrizes, cantor/cantora, decorpo longilíneo e esbelto, o que evidencia a influência da mídia nadeterminação do padrão de beleza estética vigente na atualidade.Após aferição da altura e do peso corporal dos educandos foi possívelcalcular o IMC de cada um, onde se encontraram os resultados colocados natabela abaixo:Tabela de IMC dos alunos da 7ª série do Colégio Marquês de CaravelasIMC QUANTIDADE PORCENTAGEM15 05 11,016 04 09,017 08 18,018 03 07,019 06 13,020 03 07,021 04 09,022 02 04,523 04 09,024 01 02,025 01 02,026 02 04,527 01 02,034 01 02,0TOTAL 45 100
  15. 15. Tabela 01Considerando-se os resultados obtidos e analisando-os pela tabela deIMC para adultos, aproximadamente 44% das crianças seriam consideradascom peso abaixo do normal, 44% com peso normal e 09% com sobrepeso.Porém, ao analisar os mesmos resultados utilizando o IMC por idade econsiderando a faixa etária compreendida entre 13 e 14 anos, seriamencontradas 67% das crianças com peso normal, enquanto apenas 11%estariam abaixo do peso e 18% com risco de excesso de peso.TABELA DE IMC PARA ADULTOSCATEGORIA IMC QUANTIDADE PORCENTAGEMAbaixo do peso Abaixo de 18,5 20 44,5Peso normal 18,5 – 24,9 20 44,5Sobrepeso 25,0 – 29,9 04 09Obeso leve 30,0 – 34,9 01 02Obeso moderado 35,0 – 39,9 00 00Obeso mórbido Acima de 40,0 00 00Total 45 100Tabela 02TABELA DE IMC POR IDADECATEGORIA PERCENTIL IMC QUANTIDADE PORCENTAGEMAbaixo dopesoabaixo de 05 Abaixo de15,905 11Peso normal 05 a 85 16 – 22,9 30 67Risco deexcesso depeso85 a 95 23 – 26 08 18Excesso depesoacima de 95 Acima de2602 04Total 45 100Tabela 03
  16. 16. Nessa pesquisa não foi levada em consideração o sexo das crianças.Embora o IMC por idade e a curva de percentis faça essa diferenciação, nafaixa etária estudada não se observa valores numéricos muito diferentes quecomprometam a análise dos resultados.O peso corporal nem sempre representa o peso ideal ou o desejado.Entre os adolescentes analisados, verificou-se que 60% ou 27 indivíduos,consideram seu peso adequado à altura que apresentam contra 7% queacreditam estar com peso elevado em relação à altura, 18% que se consideramaltos e 15% que se acham muito baixos. Mas, quando questionados quanto àsatisfação em relação ao biótipo que apresentam 69% se sentem felizes. Entreas pessoas cuja auto-imagem é considerada como um problema, 54% seacham gordos, o que nem sempre corresponde à realidade. Essecomportamento pode levar ao desenvolvimento de sintomas que predispõem apessoa à anorexia ou bulimia.Os Adolescentes e seus hábitos alimentaresAs principais refeições do dia compreendem o café da manhã, o almoço,café da tarde e jantar. Elas normalmente são respeitadas pelos educandosdurante o período de férias escolares, mas quando estão em período letivocostumam pular ao menos uma das refeições, comumente o café da manhã ouo jantar.Os “lanchinhos” consumidos entre as principais refeições são freqüentespara 36% dos entrevistados, enquanto 42% responderam ter esse hábitosomente algumas vezes e o restante o faz apenas raramente. Nesses lanches,a preferência é dada a alimentos bastante calóricos e de baixo valor nutricional,tais como salgadinhos industrializados, bolachas doces recheadas, chocolates,refrigerantes, sorvetes, balas e chicletes. Leite, iogurte e pães também sãofreqüentes e muitas vezes acabam por substituir o jantar.Nas refeições principais, o cardápio é composto geralmente por arroz,feijão, carne e salada como demonstra a tabela abaixo, podendo sercomplementada com frituras e verduras/legumes.
  17. 17. Tabela de Composição das principais refeições diáriasALIMENTO CONSUMIDORES PORCENTAGEMArroz 41 91Carne 41 91Feijão 40 89Salada 37 82Macarrão 19 42Legumes/verduras 19 42Frituras 15 33Pães/sanduíches 05 11Sopas/canjas 01 02Tabela 04O número de alunos que fazem suas refeições assistindo à televisão ouem frente ao computador é preocupante, pois 84% têm esse hábito contra 16%que se sentam à mesa para comer. Além de não prestarem atenção ao queestão ingerindo, também não se dão conta do quanto estão comendo. Mastigaro alimento adequadamente é fundamental para facilitar o processo de digestãoe a absorção dos nutrientes essenciais, além disso, a sensação de saciedadepode ser retardada devido à ingestão muito rápida dos alimentos, o que leva oindivíduo a comer mais do que realmente necessita.Os cuidados com a alimentação na adolescência devem ser redobrados,pois precisa garantir a energia e os nutrientes necessários para sustentar ocrescimento físico e as modificações na composição corporal que ocorremnesta fase da vida. O consumo excessivo de refrigerantes, balas, doces,lanches e refeições rápidas acarretam um déficit de fibras, vitaminas e saisminerais para o organismo, além de serem ricos em carboidratos e gordurassaturadas.Alimentação rica em carboidratos e gorduras associadas a uma vidasedentária, pois muitos adolescentes restringem seu lazer à televisão,
  18. 18. videogames e computador, têm levado muitos jovens a desenvolver patologiasnão comuns a essa faixa etária, como diabetes do tipo II, doençascardiovasculares e osteoporose. Podem também predispor esses adolescentesa transtornos alimentares, tais como a obesidade e o comer compulsivo.A aquisição de hábitos alimentares saudáveis é uma forma de prevenir odesenvolvimento dos distúrbios alimentares. A formação desses hábitoscomeça já na infância e depende principalmente dos padrões adotados pelafamília, mas podem ser modificados ao longo do desenvolvimento da criança. Atelevisão também exerce grande influência na formação dos hábitosalimentares de crianças e jovens. Para tentar combater o abuso praticado pelasagências de publicidade, a Câmara dos Deputados elaborou o Projeto de Lei5921/01, que proíbe qualquer tipo de publicidade e de comunicaçãomercadológica dirigida à criança, em qualquer horário e por meio de qualquersuporte ou mídia, seja de produtos ou serviços relacionados à infância ourelacionados ao público adolescente e adulto. Esse projeto ainda tramita naComissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.Embora a mídia possa reforçar o consumo de produtos de valornutricional duvidoso e exaltar o culto à magreza como expressão máxima debeleza, ainda a família e amigos parecem exercer poder maior sobre asescolhas feitas pelos adolescentes. Os pais e amigos foram citados comopessoas de influência e admiração por 42% e 35% dos adolescentes,respectivamente. Isso demonstra que muitos jovens mantêm valorestradicionais, ligados à família e baseados na amizade, indo na contra-mão dosmodismos que cultuam o consumo exagerado de produtos supérfluos.A atividade física e sua relação com a saúde corporalAtividade física pode ser definida como um conjunto de ações que umindivíduo exerce envolvendo movimentos corporais com gasto de energia ealterações do organismo.Computador, videogame e televisão formam um trio presente em quasetodas as residências: 98% têm televisão, 62% têm computador e 44% têmvideogame. O número de horas passado à frente desses aparatos tecnológicosé de aproximadamente 5 horas por dia, aumentando nos finais de semana. Tal
  19. 19. comportamento reflete ausência de atividades físicas nas horas de lazer.Contrapondo esse pensamento, 73% dos alunos afirmam realizar atividadesfísicas regularmente e apenas 27% dizem não fazer nenhuma atividade dessamodalidade.Diante desse quadro, percebe-se a importância que deve ser dada àsaulas de Educação Física na escola, pois 91% dos alunos pesquisados dizemparticipar dessas aulas. Nelas, o educando está sob supervisão de umprofessor que acompanha as atividades realizadas, não podendo fugir dasresponsabilidades e deveres que lhe são atribuídas.A prática de atividades físicas torna-se importante na medida em queproporciona saúde física e mental. Auxilia na melhora da força e do tônusmuscular e da flexibilidade; fortalece ossos e articulações e, em crianças, ajudano desenvolvimento das habilidades psicomotoras.A prática de exercícios melhora o fluxo sangüíneo para o cérebro, reduza ansiedade e o estresse e auxilia no tratamento da depressão. Proporcionaperda de peso e redução da gordura corporal, diminui o colesterol total eaumenta o HDL (colesterol bom). Aumenta a longevidade, melhora o nível deenergia, a disposição e a saúde de um modo geral. Afeta positivamente odesempenho intelectual, o raciocínio, a velocidade de reações e o convíviosocial.ConclusãoA busca pelo corpo perfeito seguindo padrões de estética ditados pelomundo da moda tem levado muitas adolescentes a adotar hábitos alimentaresnem sempre compatíveis com a saúde. Aceitar as limitações do corpo e teruma auto-imagem positiva é fundamental para que se tenha uma geração deadultos com menos problemas de saúde, mesmo vivendo em uma sociedadecujo ritmo de vida tornou-se por muito acelerada.A biologia básica de cada pessoa é única e apresentar um peso ideal éantes de qualquer coisa, respeitar essa biologia. Cada indivíduo deve aprendera respeitar sua idade, genética, biótipo, compleição óssea e metabolismonutricional.
  20. 20. O desejo de ter um peso abaixo dos padrões considerados normais éespecialmente arriscado na infância e adolescência, pois nessa faixa etária ocorpo precisa de energia e de adequado suprimento de nutrientes para o seucrescimento normal. Tomar como único parâmetro o cálculo do IMC paraadultos, pode ser um caminho perigoso conforme demonstrado na comparaçãodas tabelas de IMC.O consumo de alimentos de alto valor calórico e baixos índicesnutricionais associados ao sedentarismo proporcionado pelo uso decomputadores, videogames e televisão têm levado muitos adolescentes a umapredisposição à obesidade e problemas cardiovasculares. Esses problemas desaúde podem demorar a se manifestar, e por esse motivo não são levados asério pelos próprios alunos e seus familiares, mesmo tendo conhecimentodesses perigos.O ambiente escolar torna-se, então, um local ideal para a implantação deprogramas de prevenção aos distúrbios alimentares e criação de hábitosalimentares saudáveis, além de ser um espaço para o incentivo à prática deatividades físicas. Através dessas ações, crianças, jovens e adolescentespoderão ter acesso a informações importantes para sua formação profissional epessoal, aumentando sua capacidade de resiliência e ajudando na aceitaçãodas limitações de seu corpo, de forma a reforçar sua auto-confiança e auto-estima para a conquista do equilíbrio emocional. Muitas aflições de jovens eadultos acabam transformando-se em distúrbios alimentares, principalmenteporque as pessoas procuram nos alimentos a compensação para os prazeresnão alcançados na vida pessoal.AgradecimentoMeu agradecimento ao Profº Orientador Maurício de Castro Marchesepelo apoio, dedicação e incentivo ao trabalho desenvolvido ao longo de todo oPDE e em especial, pela compreensão, paciência e disponibilidade naconclusão do presente artigo científico.Referências bibliográficas
  21. 21. BELL, R.M. Holy anorexia. University of Chicago Press, Chicago, 1985.CARVALHO, A. M. P. (org). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e aprática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.CORDÁS, T. A. e colaboradores. Bulimia Nervosa: diagnóstico e propostade tratamento. São Paulo: Lemos Editorial, 1998.DANI, R.; CASTRO , L. P. Gastroenterologia Clínica. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan S.A., 1993. Vol. 2.FISBERG, M. Obesidade na Infância e Adolescência. São Paulo: FundaçãoBYK, 1995.GUYTON, A. C. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: GuanabaraKoogan, 1997.INSTITUTO DANONI. Obesidade e Anemia Carencial na Adolescência:Simpósio. São Paulo, 2000.KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Edusp, 2005.MAHAN, L. K. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Tradução Andréa Favaro.São Paulo: Editora Roca, 1998.NEME, C. M. B.; RODRIGUES, O. M. P. R. Psicologia da Saúde –perspectivas interdisciplinares. São Carlos: RiMa, 2003.RUSSELL, G. F. M. Bulimia nervosa: na ominous variant of anorexianervosa. Psycol. Medical; 9:429 – 448, 1979.
  22. 22. PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares daRede Pública de Educação Básica do Estado do Paraná – Ciências.Curitiba: SEED, 2006.

×