XXIII Congresso Médico da Paraíba
Hanseníase
Francisca Estrela D. Maroja
Hanseníase
Aspectos epidemiológicos:
• Hanseniase é uma doença infecto-
contagiosa de evolução lenta, que se
manisfesta pr...
Hanseníase
Agente Etiológico:
• A Hanseníase é causada pelo
Mycobacterium leprae, que é um parasita
intracelular obrigatór...
Hanseníase
Modo de Transmissão:
• O homem é considerado a fonte única de
infecção e o contágio dá-se através de uma
pessoa...
Definição de um caso de
Hanseníase
Um caso de hanseníase é uma pessoa que
apresenta uma ou mais de uma das
seguintes carac...
Hanseníase
Diagnóstico Clínico:
O roteiro de diagnóstico clínico constitui-se das
seguintes atividades:
• Anamnese- obtenç...
Hanseníase
Classificação:
Rabelo – 1948 – Congresso de Madrid (1953)
TT
TR
I
V
D
Hanseníase
Classificação:
Ridley e Jopling – década de 60
DTT DD DV V
I
Hanseníase
Classificação:
Ministério da Saúde:
• Hanseníase paucibacilar – PB – até 5 lesões
I
T
• Hanseníase multibacilar...
Hanseníase
Tratamento:
• Esquema PB
Rifampicina: 01 dose mensal de 600mg (02
cápsulas de 300mg), com administração
supervi...
Hanseníase
Tratamento:
• Esquema MB
Rifampicina: uma dose mensal de 600mg (2
cápsulas de 300mg), com administração
supervi...
Hanseníase
Aspectos Clínicos
Hanseníase Indeterminada
Hanseníase Indeterminada
Hanseníase Tuberculóide
Hanseníase Tuberculóide
Hanseníase Dimorfa
Hanseníase Dimorfa
Hanseníase Virchowiana
Hanseníase Virchowiana
Deformidades
Deformidades
Úlcera Plantar
Abscesso de nervo
Obrigada!
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Hanseníase   francisca estrela d. maraja
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hanseníase francisca estrela d. maraja

4.645 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.645
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
172
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseníase francisca estrela d. maraja

  1. 1. XXIII Congresso Médico da Paraíba Hanseníase Francisca Estrela D. Maroja
  2. 2. Hanseníase Aspectos epidemiológicos: • Hanseniase é uma doença infecto- contagiosa de evolução lenta, que se manisfesta principalmente através de sintomas dermato-neurológicos: lesões na pele e nos nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés.
  3. 3. Hanseníase Agente Etiológico: • A Hanseníase é causada pelo Mycobacterium leprae, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e nervosas periféricas, instalando-se no organismo da pessoa infectada, podendo se multiplicar em média durando de 11 a 16 dias.
  4. 4. Hanseníase Modo de Transmissão: • O homem é considerado a fonte única de infecção e o contágio dá-se através de uma pessoa doente portadora do bacilo não tratada. A principal via de eliminação do bacilo e a mais provável porta de entrada no organismo são as vias aéreas superiores- o trato respiratório. É necessário contato íntimo e prolongado.
  5. 5. Definição de um caso de Hanseníase Um caso de hanseníase é uma pessoa que apresenta uma ou mais de uma das seguintes características e que requer quimioterapia: • Lesão (ões) de pele com alteração da sensibilidade; • Acometimento de nervo (s) com espessamento neural; • Baciloscopia positiva.
  6. 6. Hanseníase Diagnóstico Clínico: O roteiro de diagnóstico clínico constitui-se das seguintes atividades: • Anamnese- obtenção da história clínica e epidemiológica; • Avaliação dermatológica- identificação de lesões com alteração de sensibilidade; • Avaliação neurológica- identificação de neurites, incapacidades e deformidades; • Diagnóstico dos estados reacionais; • Diagnóstico diferencial; • Classificaçao do grau de incapacidade física.
  7. 7. Hanseníase Classificação: Rabelo – 1948 – Congresso de Madrid (1953) TT TR I V D
  8. 8. Hanseníase Classificação: Ridley e Jopling – década de 60 DTT DD DV V I
  9. 9. Hanseníase Classificação: Ministério da Saúde: • Hanseníase paucibacilar – PB – até 5 lesões I T • Hanseníase multibacilar – MB – mais de 5 lesões V D T
  10. 10. Hanseníase Tratamento: • Esquema PB Rifampicina: 01 dose mensal de 600mg (02 cápsulas de 300mg), com administração supervisionada; Dapsona: uma dose mensal de 100mg supervisionada e uma dose mensal autoadministrada. • Duração: 06 doses em até 9 meses e alta por cura.
  11. 11. Hanseníase Tratamento: • Esquema MB Rifampicina: uma dose mensal de 600mg (2 cápsulas de 300mg), com administração supervisionada; Clofazimina: uma dose mensal de 600mg (3 cápsulas de 100mg), com administração supervisionada e uma dose diária de 50mg autoadministrada; Dapsona: uma dose mensal de 100mg supervisionada e uma dose diária autoadministrada. • Duração: 12 doses em até 18 meses e alta por cura.
  12. 12. Hanseníase Aspectos Clínicos
  13. 13. Hanseníase Indeterminada
  14. 14. Hanseníase Indeterminada
  15. 15. Hanseníase Tuberculóide
  16. 16. Hanseníase Tuberculóide
  17. 17. Hanseníase Dimorfa
  18. 18. Hanseníase Dimorfa
  19. 19. Hanseníase Virchowiana
  20. 20. Hanseníase Virchowiana
  21. 21. Deformidades
  22. 22. Deformidades
  23. 23. Úlcera Plantar
  24. 24. Abscesso de nervo
  25. 25. Obrigada!

×