DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO MELANOMA CUTÂNEO (MC)Prof. Dr. Alfio José TincaniDr. André Del NegroDisciplina de Cirurgia de ...
Tratamento dos Linfonodos:Na presença de linfonodo regional clinicamente positivo (N +), a dissecção linfonodal terapêutic...
Figura 2 – Dissecção do linfonodo sentinela na região inguinal do paciente. Nota-selinfático corado pelo azul patente inje...
que absorve a luz ultravioleta, ou material opaco que reflete a luz, ou ainda a combinação deambos (6D).* O FPS é uma medi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Diagnóstico e tratamento do melanoma cutâneo (mc)

968 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
968
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diagnóstico e tratamento do melanoma cutâneo (mc)

  1. 1. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO MELANOMA CUTÂNEO (MC)Prof. Dr. Alfio José TincaniDr. André Del NegroDisciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Depto. Cirurgia- FCM UnicampO melanoma cutâneo (MC) representa 6% dos tumores de pele, com incidência crescentede aproximadamente 70.000 casos novos por ano na população mundial (1D) .Por se tratar de tumor agressivo, o diagnóstico precoce e o tratamento adequadoconstituem as melhores armas terapêuticas para seu controle devido a altos riscos de metástaseslinfáticas e hematogênicas.Aspectos ClínicosOs dois fatores mais importantes na etiologia do melanoma são: exposição solar e tipo depele do indivíduo. Pacientes caucasóides com pele, cabelos e olhos claros que apresentamqueimaduras solares em vez de bronzear-se (pele avermelhada ou com formação de bolhasprecocemente), têm maior fator de risco para ocorrência de tumores na pele (também chamado“grupo de risco”), ao se exporem cronicamente aos raios ultravioleta tipo A e B (2D).O MC acomete ambos os sexos em igual proporção, sendo no homem mais comum nodorso e na mulher nos membros inferiores .Lesões cutâneas pigmentadas em que ocorram alterações no tamanho, cor, aspecto dosbordos, principalmente se associados a prurido e/ou sangramento devem ter alto índice desuspeição. História familiar de MC e presença de nevos displásicos também são fatores de risco(5D) .Aspectos histopatológicosO microestadiamento após biópsia da lesão, é feito através das medidas de Breslow (3A)(espessura vertical da lesão em milímetros em que se mede a partir da camada granulosa até oponto de maior penetração na profundidade) e da invasão do tumor nas diferentes camadas dapele (da epiderme até o subcutâneo) chamados de níveis de Clark, que vão de I a V (4A).DiagnósticoNa vigência de lesão suspeita, realizamos biópsia. Esta deve ser profunda o suficiente para seumicroestadiamento sempre baseado nos níveis de Clark(4A) e Breslow (3A). Deve-se darpreferência à biópsia excisional para tumores com até 2 cm de extensão na superfície da pele. Asmargens desta biópsia deve ser entre 1 e 3 mm das bordas da lesão. Tumores em face, palma damão, sola do pé, subungueal e lesões maiores que 2,0cm, deve-se realizar biópsia incisional(5,6D).TratamentoTratamento do Tumor PrimárioEspessura do Tumor em mm Excisão em cm das margens da lesãoin situ 0,5 a 1.0≤ 1,0; não ulcerado; Clark II ou III 1,0 a 2,01,0 a 2,0 1,0 a 2,0> 2,0 2,01
  2. 2. Tratamento dos Linfonodos:Na presença de linfonodo regional clinicamente positivo (N +), a dissecção linfonodal terapêuticadeve ser realizada. Quando não houver linfonodo diagnosticado clinicamente, a pesquisa dolinfonodo sentinela deve ser realizada. Esta é baseada nos seguintes critérios (5D).Pesquisa do Linfonodo Sentinela (LS).Indicação baseada no microestadiamento deve ser realizada nestas condições isoladas ou nacombinação delas:Tumores ulceradosBreslow entre 0,75mm a 1,0mm se houver ulceraçãoBreslow maior que 1,0mmClark IV ou VLinfonodo Sentinela (LS)*É o primeiro linfonodo que drena a cadeia linfonodal acometida pelo tumor. Édeterminado na linfocintilografia pré-operatória (Figura 1), uso do corante vital (azul patente)(Figura 2) e o gama probe intra-operatório (5,6D)..A presença da metástase (ou micrometástase) no LS deve ser avaliada com exame deimunohistoquímica. Caso haja LS positivo a linfadenectomia deve ser realizada (5,6D)..Figura 1 - Linfocintilografia de paciente com MC em pé esquerdo, onde foi injetadoTecnécio 99 na área do melanoma (porção inferior da foto) e evidenciado linfonodosentinela na região inguinal (porção superior).2
  3. 3. Figura 2 – Dissecção do linfonodo sentinela na região inguinal do paciente. Nota-selinfático corado pelo azul patente injetado 15 minutos antes do ato cirúrgico. O Gama-Probe é também utilizado para melhorar a sensibilidade do método.Terapia AdjuvanteÉ muito controvertida. Na presença de metástases à distância, alguns estudos recomendam ouso do interferon alfa 2b em altas doses, porém a sobrevida não tem se mostrado alterada (5,6D).A utilização da radioterapia nos leitos cirúrgicos acometidos por linfonodos positivos,também é controvertida devido tratar-se de tumor resistente a esta terapia. Os casos devem serindividualizados 5 (D).PrognósticoApesar de agressivo, quando diagnosticado precocemente e tratado adequadamente, omelanoma tem bons índices de controle locorregional. Os piores prognósticos para os tumoresprimários são ulceração e espessura da lesão (1D). Para tumores avançados, com presença demetástase à distância, o prognóstico é bastante ruim com sobrevida muito baixa (1,2 D).Proteção SolarPor habitarmos em um país tropical, a proteção ao sol deve ser estimulada pela classemédica aos indivíduos, principalmente àqueles classificados como “grupo de risco” já citadoanteriormente. A vestimenta ideal é aquela que possa trazer conforto a quem a usa e tenha umestilo moderno para que o indivíduo seja estimulado a usá-la. Chapéu de aba larga, roupacomposta por tecido sintético tratado com absorvedores de raios ultravioleta, que permita a saídae a evaporação do suor não retendo umidade, que tenha maior cobertura possível da pele e comcor escura deve ser considerada a ideal (5D).O uso de protetores solar também deve ser estimulado. Cada pele tem sua característica edeve-se usar o fator de protetor solar (FPS*) específico a ela. Os melhores protetores solaresbloqueiam tanto os raios UVB, que queimam a pele, quanto os raios UVA, que podem danificar apele sem causar queimadura. A maioria dos protetores solares contém material químico orgânico3
  4. 4. que absorve a luz ultravioleta, ou material opaco que reflete a luz, ou ainda a combinação deambos (6D).* O FPS é uma medida laboratorial da sua eficiência. Quanto maior for o FPS, maior será a proteção oferecidapelo bloqueador solar contra os raios ultravioletas.Tabela do fator de proteção x bloqueio dos raios ultravioletas:F P S Bloqueio de raios ultravioletas10 90,0%20 95,0%30 96,7%60 98,3%Referências1. Balch CM, Buzaid AC, Soong SJ e cols. Final version of the American Joint Committeeon cancer staging system for cutaneous melanoma. J Clin Oncol. 2001 Aug15;19(16):3635-48.2. McMasters KM, Reintgen DS, Ross MI e cols. Sentinel lymph node biopsy formelanoma: controversy despite widespread agreement. J Clin Oncol. 2001 Jun1;19(11):2851-5.3. Breslow A. Tumor thickness, level of invasion and node dissection in stage I cutaneousmelanoma. Ann Surg 182:572-575, 1975.4. Clark WH Jr, From L, Bernardino EA, Mihm MC. The histogenesis and biologic behaviorof primary human malignant melanomas of the skin. Cancer Res. 1969;29:705-7275. http://www.nccn.org/professionals/physician_gls/PDF/melanoma.pdf6. http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/protetorsolar.asp4

×