CÂNCER DE PELE: PROTEÇÃO X INFORMAÇÃOTOMAZZI, Rita1; KUHN, Fernanda1;CECCHIN,Rita1; SCHMITT, Bruna Aimée Meinen1; COSER, J...
na pele; história clínica de câncer de pele e se possui algum membro da família com a doença.Resultados e DiscussãoA amost...
atividades recreativa, 30% respondeu se submeter ainda nos finais de semana ao sol forte, masapenas 2% da amostra tem o há...
SPENCE RAJ, JOHNSTON PG. Oncologia: Câncer de Pele. Rio de Janeiro(RJ): GuanabaraKoogan, 2003; 125-134.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Câncer de pele proteção x informação

287 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
287
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de pele proteção x informação

  1. 1. CÂNCER DE PELE: PROTEÇÃO X INFORMAÇÃOTOMAZZI, Rita1; KUHN, Fernanda1;CECCHIN,Rita1; SCHMITT, Bruna Aimée Meinen1; COSER, Janaina2;BAIOTTO, Cléia Rosani2Palavras-chaves: Neoplasia. Prevenção. Grau de conhecimento.IntroduçãoAs estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) de 2010 apontam que o câncer de pele,não melanoma é o mais incidente na população brasileira, tanto em homens quanto em mulheres. Aelevada incidência do câncer de pele (cerca de 25% de todos os tumores malignos registrados no país) serelaciona, principalmente, a trabalhadores que se expõem à radiação solar, tais como fazendeiros,pescadores, agricultores, guardas de trânsito, garis, carteiros e outros. Tal fato se deve principalmente àcaracterística carcinogênica do espectro ultravioleta (UV) (SPENCE & JOHNSTON, 2003).Mudanças no estilo de vida decorrentes das modernidades também podem contribuir para a maiorincidência do câncer. Considera-se ao menos que um terço dos novos casos de câncer que ocorrem,anualmente, no mundo poderia ser prevenido. Por isso, é de fundamental importância que as pessoassejam orientadas sobre prevenção desta doença e como identificá-la precocemente. Diante desses fatos, oprojeto teve por objetivos identificar em um grupo de risco (trabalhadores de rua: garis, vendedoresambulantes e trabalhadores de construção civil) sua exposição aos raios solares, bem como o seuconhecimento a respeito do câncer de pele e de medidas preventivas.Materiais e MétodosDe uma população que trabalha diariamente na rua, expostos ao sol, como garis, vendedoresambulantes e trabalhadores de construção civil do centro da cidade de Cruz Alta/RS foram convidadas 50pessoas aleatoriamente para participar da pesquisa. Após serem informadas dos objetivos da mesma eassinarem o termo de consentimento livre e esclarecido os participantes foram entrevistados. O critériopara inclusão na amostra estava relacionado a uma exposição diária ao sol em função da sua atividadeprofissional.O instrumento para a coleta dos dados consistiu de questões abertas e fechadas envolvendo osseguintes aspectos; tempo de exposição ao sol diariamente; se usa ou não equipamentos de proteção;quais são os cuidados tomados antes de se expor ao sol; se há ou se já houve evidencias de manchas__________________1 Acadêmicos - Curso de Biomedicina – UNICRUZ2 Professores – Centro de Ciências da Saúde - UNICRUZ - cleia@comnet.com.br
  2. 2. na pele; história clínica de câncer de pele e se possui algum membro da família com a doença.Resultados e DiscussãoA amostra foi escolhida aleatoriamente entre indivíduos que se expõe ao sol durante o seutrabalho e 50 pessoas assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido e responderam a todasas questões do instrumento. Entre os indivíduos avaliados, 44% são do sexo feminino e 56% do sexomasculino. Com relação á idade 30% tem de 21 a 30 anos, 24% tem de 41 a 50 anos, 20% tem entre21 e 30 anos, 14% tem entre 51 e 60 anos e o restante dividido entre os indivíduos com menos de 20anos e com mais de 60. A idade média do diagnóstico de melanoma na população geral é de 57 anospara os homens, e 50 anos para as mulheres (DIEPGEN TL, MAHLER V, 2002).O trabalho dos entrevistados exige uma exposição rotineira ao sol, como pode ser vista nosresultados: 31% são vendedores ambulantes, 30% fazem a limpeza das ruas, 10% são operários daconstrução civil, 8% são taxistas, 4% são catadores de lixo e os demais são carteiros, seguranças,recenseadores e porteiros. Cerca de 25% deles estão neste trabalho há mais de 20 anos.Quando indagados com relação ao número de horas que se expõe ao sol, percebe-se que umaparcela muito elevada deste grupo passa mais de 8 horas no sol (84%) e os demais (16%) trabalhampela manhã ou a tarde no sol. Um número bem significativo, mas ainda não suficiente, afirma utilizaralgum equipamento de proteção (74%). Das formas de proteção, 52% afirmaram utilizar um filtrosolar, destes, cerca de 50% citou o fator de proteção 30. A utilização de chapéus ou bonés foi citadacomo uma forma de proteção diária por 27 indivíduos (54%), 15% citou procurar locais maissombreados para trabalhar e 11,8% utilizam roupas apropriadas para se cobrir do sol.A pele dos indivíduos entrevistados foi caracterizada por eles como pele muito branca, não sebronzeia, queima-se com facilidade quando exposto ao sol por 6%; pele muito branca, bronzeia-semuito pouco ao expor-se ao sol, e se queima com facilidade 10%; pele branca, bronzeado gradual aoexporem-se ao sol, queimaduras solares somente se permanece sob o sol por tempo prolongado por56%; pele morena ou mais escura bronzeia-se facilmente, queimaduras solares são raras 24% e pelemuito escura, queimaduras solares são raras ou nunca se queima por 4%.Os fatores fenotípicos, como o tipo de pele, cor dos olhos e cabelo, tendência abronzeamento, queimaduras e sardas, juntamente com a história pessoal e/ou familiar de câncer depele e a diminuição da capacidade de reparo do DNA, também são fatores de risco para odesenvolvimento do câncer de pele (NORA; RAWASHDEH, 2004).A investigação acerca de terem sofrido queimaduras do sol na infância identificou 12% dosindivíduos com esta característica. Indagados quanto à exposição ao sol por longos períodos em
  3. 3. atividades recreativa, 30% respondeu se submeter ainda nos finais de semana ao sol forte, masapenas 2% da amostra tem o hábito de se bronzear com freqüência.Com relação à evidência de manchas na pele, 29,4% responderam ter manchas, destes 4%citaram que elas coçam, 2% que elas doem, 4% que elas mudam de cor, 2% que elas aumentam detamanho e 2% que elas são maiores que 5mm. No entanto, quando investigados sobre a consulta aomédico, apenas 2% já o fizeram.No grau de conhecimento sobre o câncer de pele, 62% dizem saber do que se trata, 30% nãosaber e 8% ter alguma idéia. Mesmo assim, 80% relatam ter ouvido falar de como se proteger docâncer de pele e, estas informações foram obtidas em: 17% revistas, 67% na televisão, 16% no rádioe 27,5% nas campanhas na cidade. Estas informações demonstram que embora insuficiências asinformações estão chegando e que o veículo ainda de maior penetração ainda é a televisão.Dos indivíduos entrevistados, apenas 6% tem alguém na família com câncer de pele enenhum deles relatou apresentar um diagnóstico de câncer confirmado. Cerca de 8 a 14% dospacientes que recebem o diagnóstico de melanoma apresentam história familiar positiva para essaneoplasia (GRANGE; AVRIL, 1996).ConclusãoOs dados avaliados permitem concluir que embora a população abordada tenha umaexposição diária acentuada ao sol, demonstra algum grau de preocupação e conhecimento sobrefatores risco e proteção com relação ao câncer de pele. Um número reduzido já possui diagnósticosugestivo de uma avaliação médica e que algumas campanhas de prevenção têm chegado a estestrabalhadores. No entanto, como a idade média desta população é ainda baixa considerada à idade derisco de incidência de câncer de pele, faz-se necessário intensificar as campanhas de prevenção.ReferênciasGRANGE F, AVRIL MF. Interactions between genetic and epidemiological risk factors in cutaneousmalignant melanoma in France.Am J Hum Genet 1996; 59: A28.GREENE MH. Update. 1999 Cancer 86:1644-57 1998DIEPGEN TL, MAHLER V. The epidemiology of skin cancer.Br J Dermatol Suppl. 2002;146(61):1-6.NORA AB, PANAROTTO D, LOWATTO L, BONIATTI MM. Freqüência de aconselhamento paraprevenção de câncer da pele entre as diversas especialidades médicas em Caxias do Sul. An BrasDermatol. 2004; 79(1):45-51.
  4. 4. SPENCE RAJ, JOHNSTON PG. Oncologia: Câncer de Pele. Rio de Janeiro(RJ): GuanabaraKoogan, 2003; 125-134.

×