Assitência ao parto normal

1.304 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.304
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assitência ao parto normal

  1. 1. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL11. CONCEITO”Aquele de início espontâneo, baixo-risco no início do trabalho de parto, permanecendoassim, em todo o processo até o nascimento. O feto nasce espontaneamente, em posiçãocefálica de vértice, entre 37 e 42 semanas completas de gestação. Após o nascimento mãee filho em boas condições”.(OMS)2. ADMISSÃO DE PARTURIENTES2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVAPresença de contrações uterinas regulares, 1 a 3 a cada 10 minutos, associadas àalterações cervicais: apagamento e dilatação de mais de 2 cm na primípara e dilataçãode mais de 3 cm na multípara. No caso de duvida, ré-avaliar a paciente após 2 horaspara constatar ou não a presença de trabalho de parto verdadeiro.2.2. ESTABELECIMENTO CORRETO DA IDADE GESTACIONAL- Utilizar parâmetros como: data da última menstruação normal, ultra-sonografia do 1ºTrimestre, data do início da percepção dos movimentos fetais, 1º Teste de Gravidezpositivo.2.2.1. HISTÓRIA OBSTÉTRICA- Passada e dados da gravidez atual, procurando identificar risco obstétrico.2.2.2. EXAME FÍSICO OBSTÉTRICO- Volume uterino, situação, posição, apresentação fetal, insinuação, ausculta debatimentos cardíacos fetais (antes, durante e após a contração uterina) e examesdas extremidades (edema, varizes).- Dados Vitais2.2.3. LABORATÓRIO- Tipagem Sanguínea, VDRL, HIV - Teste Rápido3. PROCEDIMENTOS NO PRÉ-PARTO3.1. ASSISTÊNCIA AO 1º PERÍODO DO PARTO3.1.1. DADOS VITAIS MATERNOS- Na admissão e a cada 60 minutos.3.1.2. TRICOTOMIA- Só deve ser realizada se esta for a opção da paciente (orientação no Pré-Natal).- Os pelos devem ser aparados à tesoura ou com tosador apropriado, não utilizargiletes, lâminas de bisturi.3.1.3. ENEMA- Só deve ser realizada se esta for a opção da paciente (orientação no Pré-Natal).- Obedecer suas contra-indicações: fase adiantada do trabalho de parto, bolsa rota,paciente sedada.
  2. 2. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL23.1.4. NUTRIÇÃO DA PARTURIENTE- Na fase ativa do trabalho de parto, os alimentos sólidos devem ser suspensos, sendopermitido a ingestão de pequenas quantidades de líquidos claros (água, sucos sempolpa, chás...).- As pacientes com algum risco da necessidade de anestesia devem ser mantidas comdieta zero.3.1.5. PUNÇÃO VENOSA E INFUSÃO DE LÍQUIDOS- Não deve ser utilizada como rotina; 80% das pacientes admitidas em trabalho departo terão parido em 8 horas.- Reservado para aquelas que necessitem de medicações endovenosas.3.1.6. HIGIENE DA PARTURIENTE- A parturiente deve ser estimulada a se higienizar durante o trabalho de parto (banho,troca de camisola e forro de cama), favorecendo o bem estar materno.3.1.7. POSIÇÃO DA PARTURIENTE- De acordo com sua preferência, evitando, adotar o decúbito dorsal.- A posição vertical (andando ou parada) é contra-indicada nos casos de bolsa rota eapresentação não insinuada.3.1.8. SUPORTE EMOCIONAL- Gera segurança e confiança.3.1.9. VIGILÂNCIA DA VITALIDADE FETAL- Ausculta de batimentos cardíacos fetais a cada 30 minutos (durante e logo após ascontrações).- Se contra-indica a monitorização intra-parto de rotina em gestantes de baixo risco(gera maior número de intervenções e na sua maioria, desnecessárias).3.1.10. TOQUES VAGINAIS- Sua freqüência varia de acordo com a evolução do trabalho de parto.- Evitar toques repetidos (desconforto e ansiedade).- No caso de bolsa rota, mãos escovadas e luvas estéreis.3.1.11. AMNIOTOMIA- Seu uso rotineiro no primeiro período do parto deve ser evitado.- Reserva-se seu uso em condições onde sua prática seja claramente benéfica(distócias funcionais).- Condição indispensável: encaixamento do polo cefálico na pelve materna.3.1.12. PARTOGRAMA- Deve ser realizado de rotina na assistência do parto normal, instrumento deimportância fundamental no diagnóstico dos desvios da normalidade.- Ver anexo 6.1.
  3. 3. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL33.1.13. ANALGOTOCIA- Ver rotina de controle da dor no trabalho de parto.3.2. ASSISTÊNCIA AO 2º PERÍODO DO PARTO3.2.1. POSIÇÃO MATERNA- Horizontal, posição de Laborie-Duncan com decúbito dorsal em mesa de parto eflexão e abdução dos membros inferiores.- Verticalizado, quando disponível cadeira de parto.- Paciente durante o pré-natal deve ser orientada quanto as duas posições, para queesta escolha a que melhor se adapta.3.2.2. VITALIDADE FETAL- Ausculta dos batimentos cardíacos fetais a cada 5 minutos, imediatamente antes,durante e após a contração uterina.3.2.3. MANOBRAS EXTRATIVAS- Provoca maior desconforto materno e suspeita-se que possa ser perigosa para oútero, períneo e feto.- A OMS (1996) a classifica como prática à qual não existem evidencias suficientespara apoiar uma recomendação clara e que devem ser utilizadas com cautela atéque mais pesquisas esclareçam a questão.3.2.4. CUIDADOS COM O PERÍNEO- A literatura preconiza a Manobra de Ritgen, com o objetivo de evitar a deflexão súbitada cabeça fetal (impossível de ser praticada no parto vertical).3.2.5. EPISIOTOMIA - EPISIORRAFIA- Deve ser realizada seletivamente.- Ver capítulo específico.3.2.6. ASSISTÊNCIA AO DESPRENDIMENTO DOS OMBROS- Se não ocorrer espontaneamente, tracionar ligeiramente a cabeça fetal para baixoliberando assim o ombro anterior, e em seguida para cima, liberando por fim o ombroposterior.3.2.7. CLAMPEAMENTO DO CORDÃO- Pode ser realizado de imediato ou momento após o nascimento.- São indicações para o clampeamento imediato: mãe Rh negativo, HIV +, fetodeprimido.
  4. 4. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL43.3. ASSISTÊNCIA AO 3º PERÍODO DO PARTO - SECUNDAMENTO- Expressão simples do útero - Método de Harvey- Evitar: Massagens abdominais vigorosas e tração do cordão umbilical – risco deinversão uterina.- Examinar cuidadosamente placenta e anexos.3.4. ASSISTÊNCIA AO 4º PERÍODO DO PARTO3.4.1. REVISÃO DO TRAJETO- Verificar a presença de laceração em todo o trajeto (vulva, vagina, colo uterino) quepode ser fonte de sangramento significativo.3.4.2. EPISIORRAFIA- Naquelas nas quais se realizou a episiotomia.- Ver protocolo específico - PROTOCOLO-OBS-009.3.4.3. SUTURA DAS LACERAÇÕES – CASO OCORRAM- Lesões de 1º Grau – sem necessidade de sutura.- Lesões de 2º e 3º Grau – sutura por planos, após infiltração de anestésicos.- Utilizar catgut simples ou catgut cromado ou ácido poliglicólico (Dexon) oupoligalactina (Vicryl)- A técnica de sutura fica a cargo do obstetra: pontos separados ou sutura contínua.3.4.4. CUIDADOS GERAIS- Observar sinais vitais e sangramentos através do grau de contratura uterina (Globode segurança de Pinard).4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA4.1. Cuidados en el parto normal: una guía práctica • OMS • 79 • Rev. Hosp. Mat. Inf. RamónSardá 1999, 18 (2)4.2. Cuervo LG, Rodríguez MN, Delgado MB. Enemas en el trabajo de parto (CochraneReview). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford: Update Software.4.3. Fraser WD, Turcot L, Krauss I, Brisson-Carrol G. Amniotomía para la reducción deltrabajo de parto espontáneo (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003.Oxford: Update Software.
  5. 5. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL54.4. Bricker L, Luckas M. Amniotomía como único proceder para la inducción del trabajo departo (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford: UpdateSoftware.4.5. Howarth GR, Botha DJ. Amniotomía más oxitocina intravenosa para la inducción deltrabajo de parto (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2003. Oxford:Update Software4.6. Manual de Assistência ao Parto e Tocurgia – 2002 – Federação Brasileira dasSociedades de Ginecologia e Obstetrícia4.7. Parto, Aborto e Puerpério – Assistência Humanizada à Mulher – 2001 – FEBRASGO –Ministério da Saúde5. ANEXOS5.1. PartogramaElaborado por Editado por Aprovado por Data
  6. 6. INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBAPROTOCOLO - OBS – 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: / 6TÍTULO: ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL6Dr. Omar Ismail Darze CRM 7417Coordenação de Ensino e PesquisaLuciana BrancoCRA-BA N. º 6593Dra. Dolores F. FernandezCoordenação MédicaANEXO 5.1. Partograma

×