ASPECTOS FISIOPATOLOGICOS DO CÂNCER DE PELE – NOVASABORDAGENS TERAPÊUTICAS E DE PREVENÇÃOSTADLER, A.P.S.1; OLIVEIRA, G.G.2...
Quando em processo ativo de divisão, as células passam por uma seqüência deeventos denominada ciclo celular, que apresenta...
Para examiná-las e constatar alguma irregularidade, usa-se a Regra ABCD, quesignifica: Assimetria, Bordas irregulares, Cor...
ALMEIDA, V.L.; LEITÃO, A.; REINA, B.L.C.; MONTANARI, C.A.; DONNICI, C.L.Câncer e agentes antineoplásicos ciclo-celular esp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aspectos fisiopatologicos do câncer de pele

803 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
803
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspectos fisiopatologicos do câncer de pele

  1. 1. ASPECTOS FISIOPATOLOGICOS DO CÂNCER DE PELE – NOVASABORDAGENS TERAPÊUTICAS E DE PREVENÇÃOSTADLER, A.P.S.1; OLIVEIRA, G.G.2.1. Acadêmica do 3º ano do Curso Superior Tecnólogo em Estética e Cosmética do Centro Universitário,UniFil, PR.2. Docente da Disciplina de Farmacologia Curso Superior Tecnólogo em Estética e Cosmética do CentroUniversitário, UniFil, PR.INTRODUÇÃOO câncer de pele é um dos principais cânceres que vem acometendo de formacrescente, o homem. Este fato está relacionado com a redução da camada de ozônio,pois é essa camada que protege a vida da destruição por radiações, responsáveis pelasmudanças fotocutâneas provocadas na pele. O dano intracelular causado pela radiaçãoUV, com alterações bioquímicas e imunológicas que a radiação induz, pode sercarcinogênica. A evolução dessa doença pode culminar em formas graves e levar opaciente a óbito. O objetivo deste trabalho é entender como ocorre o processofisiopatológico do câncer de pele a partir da radiação UV, bem como realizar umlevantamento através de questionário entre os discentes do Centro UniversitárioFiladélfia a cerca de seus conhecimentos sobre a radiação e métodos preventivos.MATERIAIS E MÉTODOSEsta pesquisa está sendo feita através de revisão bibliográfica e estatística doINCA, com objetivo de entender o processo dos cânceres de pele, seu tratamentoincluindo novas terapias e as formas básicas de prevenção. Também se tem realizado aaplicação de questionário entre os discentes do Centro Universitário Filadélfia sobre seunível de conhecimento a respeito dos métodos preventivos contra radiação e câncer depele.REVISÃO DE LITERATURA
  2. 2. Quando em processo ativo de divisão, as células passam por uma seqüência deeventos denominada ciclo celular, que apresenta as fases: G1 (primeira fase decrescimento celular), G0 (período em que a célula mantém sua taxa metabólica, mas nãocresce em tamanho, a não ser que receba sinais extracelulares, portanto é poucovulnerável aos antineoplásicos), S (síntese de DNA, ou seja, duplicação do materialgenético), G2 (segunda fase de crescimento, em que está se preparando para se dividir)e M (fase de divisão mitótica). Porém existem alguns fatores como, radiação, fatoresambientais, produtos químicos, que comprometem o ciclo celular alterando o processode divisão das células normais, levando ao câncer (ALMEIDA, 2004a). Em se tratandode câncer de pele, este se distribui nos tipos descritos a seguir:Carcinoma BasocelularÉ o mais freqüente e com o menor potencial de malignidade. Seu crescimento élento e muito raramente se dissemina à distância, podendo se manifestar de váriasmaneiras, feridas que não cicatrizam ou lesões que sangram com facilidade devido apequenos traumatismos, como o roçar da toalha, podem ser um carcinoma basocelular.Carcinoma EspinocelularCrescimento mais rápido e é bem menos freqüente que o basocelular,correspondendo a cerca de 20% das neoplasias epiteliais malignas. Acomete mais áreasde mucosa aparente, como a boca ou o lábio, cicatrizes de queimaduras antigas ou áreasque sofreram irradiação (raios X). Além disso, lesões pré-cancerosas decorrentes daexposição prolongada e repetida da pele ao sol são acometidas. Lesões maiores podemgerar metástases, que podem ocorrer após meses ou anos, sendo mais freqüentes noscarcinomas das mucosas, dorso das mãos e cicatrizes das queimaduras (SAMPAIO &RIVITTI, 1998; BIGBY et al.,2005).Melanoma CutâneoÉ o mais agressivo e mortal câncer de pele (não existe o melanoma benigno),com alto potencial de produzir metástases. Pode levar à morte se não houverdiagnóstico e tratamento precoces. É mais freqüente em pessoas de pele clara e sensível.Normalmente, inicia-se com uma pinta escura. Felizmente sua incidência é baixa emrelação aos outros tipos de câncer de pele. O diagnóstico do melanoma é feitoexaminando-se as pintas, que podem mostrar sinais como mudança de cor e aspecto.
  3. 3. Para examiná-las e constatar alguma irregularidade, usa-se a Regra ABCD, quesignifica: Assimetria, Bordas irregulares, Cor variável e Diâmetro.Radiação UVÉ dividida em três categorias: UVC, UVB e UVA. Os raios UVC, quecorrespondem à faixa entre 100 e 290 nm. Comprimentos de ondas maiores, entre 290 e320 nm correspondem aos raios UVB, que possuem intensa atividade fisiopatológicasobre a pele, sendo responsáveis pelas queimaduras solares, fotoenvelhecimento ecânceres cutâneos, mesmo não penetrando profundamente nas camadas da pele e sendoem grande parte absorvidas em cima da derme. Já os raios UVA, entre 320 e 400 nm,responsáveis pelo bronzeamento imediato, são menos energéticos, porém estãopresentes em proporções constantes durante o ano todo. Penetram profundamente naderme acreditando-se, atualmente, que sejam responsáveis por danos às membranascelulares e DNA, contribuindo assim, nos fenômenos do fotoenvelhecimento e nagênese de determinados cânceres (OSTERWALDER et al., 2000).Protetores SolaresOs fotoprotetores são agentes que atenuam o efeito da radiação UV (290400nm), prevenindo o eritema solar e o efeito carcinogênico por mecanismos deabsorção, reflexão e dispersão da radiação (SANTOS et al., 1998; SCHUELLER et al.,2000).ConclusãoEste trabalho ainda está em andamento.ReferênciasSAMPAIO, S.A.P.; RIVITTI, E.A. Dermatologia, 1a ed. São Paulo: Artes MédicasS.A., 1998.
  4. 4. ALMEIDA, V.L.; LEITÃO, A.; REINA, B.L.C.; MONTANARI, C.A.; DONNICI, C.L.Câncer e agentes antineoplásicos ciclo-celular específico e ciclo-celular não específicoque interagem com o DNA: Uma introdução. Quim. Nova, v.28, n.1, p.118-129, 2005.FRANÇA, E.R. Filtros Solares: normas de utilização. An. bras. Dermatol., v.73, n.2,p.5-9, 1998SBCD (SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIADERMATOLÓGICA)-INCA Ministério da Saúde. Fotoproteção X Câncer de pele.Disponível na Internet em: http://www.sbcd.org.br.

×