Artrose vertebral

301 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artrose vertebral

  1. 1. Telefone: (11) 2825-0440E-mail: contato@marcialobo.com.brEndereço: Al. Jurupis, 470 - MoemaFonte: Nib Unicamp Online - http://www.pharmecum.com.br/WWW.MARCIALOBO.COM.BRArtrose vertebral*Imagem: A)Bico de Papagaio ;B)Disco degenerado + diminuição do espaçointervetebralEstado de progressiva deteriorização daarticulação vertebral, caracterizando por erosãoda cartilagem articular e neoformação óssea nasbordas articulares (osteófitos).Etiopatogenia:Há muitos anos atrás achava-se que a artrose eraunicamente uma doença senil, isto é o indivíduoobrigatoriamente apresentaria essa doença apartir de certa idade e de forma mais ou menossevera.Segundo este conceito a artrose não representariaum processo mórbido , mais ao contrário, umprocesso fisiológico evolutivo do ser humano.Através de estudos em autópsias descobriu-seque as primeiras alterações da artrose representam um envelhecimento sistêmico dascartilagens. Descobriu-se também através desses estudos que este processo pode ocorrerjá a partir da terceira idade.Alguns autores empregam o termo "envelhecimento da articulação" e expõem doisaspectos fundamentais da doença: a perda da capacidade de auto-duplicação doscondrócitos e alterações fisico-químicas da matriz da cartilagem que surgemindependente das funções celulares.Já outros autores consideram a ação de estresses mecânicos sobre a articulação comofatores causadores da artrose. Eles consideram as juntas como rolamentos, e explicamseu desgaste pela deficiência da lubrificação (líquido sinovial).Patologia:As primeiras alterações osteoartríticas consistem no aparecimento de irregulariedades(osteófitos) ou perda das camadas da superfície articular da cartilagem articular efissuras nas zona tangencial.Durante o processo evolutivo haverá uma crescente erosão da superfície e umaprofundamento das superfícies verticais (fibrilação), até atingirem a zona calcificada.Radiologicamente o osso subjacente revelará uma hipertrofia e um aumento de
  2. 2. Telefone: (11) 2825-0440E-mail: contato@marcialobo.com.brEndereço: Al. Jurupis, 470 - MoemaFonte: Nib Unicamp Online - http://www.pharmecum.com.br/WWW.MARCIALOBO.COM.BRdensidade.No estágio final do processo a cartilagem desaparece quase completamente dasuperfície articular e a lâmina terminal óssea permanece em contato direto com o ossoou com a cartilagem da superfície da junta adjacente.A artrose pode em algumas oportunidades produzir algias interescapsulares, dorespseudopleurais, algias dorsais em cinta, dores episgástricas, pseudovesiculres e pseudoapendiculares.Ao Raio-X observa-se pinçamento discal principalmente anterior em várias alturas,explicando a cifose e osteofitose.Pode acometer um grupo de articulações devido a sua permanente mobilidade edegeneração das cartilagens articulares e neoformação óssea.Alterações Osteoartríticas (Doença articular degenerativa)1- Quadro clínico:a- Os sintomas de artrite são comuns em doenças degenerativas de disco ou emarticulações continuamente expostas a trauma.b- Podem se desenvolver osteófitos e invadir o canal espinhal e forame intervertebral,causando assim sinais neurológicos.c- A articulação em degeneração é vulnerável a compressão de faceta, torção einflamação, como é qualquer articulação artrítica.d- Em alguns pacientes, o movimento alivia os sintomas; em outros, o movimento irritaas articulações e os sintomas dolorosos aumentam.2- Manejo durante o período de dor aumentada:a- Para reduzir a tensão1- Exercícios de relaxamento.2- Tração mantida com força suficiente para abrir o forame intervertebral ealiviar a pressão nas raízes nervosas. Se causar irritação, não deve ser usada.b- Para aumentar a mobilidade use técnicas de amplitude de movimento econtração-relaxamento dentro da tolerância dos pacientes.c- Ensine ao paciente medidas preventivas e posturas para aliviar as sobrecargasmecânicas.d- Se o movimento agrava os sintomas, reduza o movimento com suportepassivo (colar cervical, colete dorsal ou lombar para diminuir o sintoma levandoem conta a altura em que se encontram os osteófitos, e os pontos de dor), eaumente a força muscular começando com exercícios isométricos.
  3. 3. Telefone: (11) 2825-0440E-mail: contato@marcialobo.com.brEndereço: Al. Jurupis, 470 - MoemaFonte: Nib Unicamp Online - http://www.pharmecum.com.br/WWW.MARCIALOBO.COM.BRe- Precauções: Devido ao estreitamento do forame e canal espinhal, deve serevitada inclinação para trás e inclinação para trás com rotação, já que essesmovimentos estreitam ainda mais o forame.

×