ALEITAMENTO MATERNO
O leite materno é o alimento ideal para o recém-nascido, já que também atende às necessidades físicas ...
sucção do bebê. Todo o processo de produção e descida do leite está diretamente relacionado ao sistema
nervoso. O “reflexo...
4. Posição invertida
É indicada para bebês pequenos e para mulheres com mamas grandes. Procure sentar de forma
confortável...
5) INTERVALO DAS MAMADAS
A amamentação não requer horários rígidos. Nos primeiros dias, provavelmente o bebê será amamenta...
o polegar e o indicador. Repita o movimento de forma rítmica, até conseguir drenar o leite e deixar a região
areolar flexí...
acompanhamento da amamentação, padronizar condutas e capacitar os profissionais que atuam na
assistência às mães. Maiores ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aleitamento materno nos hospitais

186 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aleitamento materno nos hospitais

  1. 1. ALEITAMENTO MATERNO O leite materno é o alimento ideal para o recém-nascido, já que também atende às necessidades físicas e psíquicas do bebê. A Sociedade Brasileira de Pediatria e a Academia Americana de Pediatria recomendam que toda criança deva ser alimentada exclusivamente com leite materno nos primeiros 6 meses de vida, devendo, se possível, continuar a mamar por um ano ou mais. Durante as primeiras mamadas, o organismo da mãe produz o colostro. O colostro modifica-se para leite de transição entre o 5? e o 7? dia após o nascimento. Ao final do primeiro mês, o leite é chamado maduro devido à estabilização de seus componentes. A composição química (proteínas, gorduras, carboidratos, sais minerais) do leite materno é perfeitamente adequada ao bebê e independe do estado nutricional da mãe, exceto em casos de desnutrição grave. O colostro e o leite materno transmitem anticorpos maternos que são importantes defesas imunológicas contra infecções e alergias alimentares. A digestão do leite materno é fácil, o que implica o melhor e mais rápido aproveitamento dos nutrientes pelo organismo do bebê, quando comparado ao do leite artificial. A sucção promove estimulação oral e ajuda a desenvolver os músculos da face e os dentes. A amamentação também traz benefícios à mulher, pois favorece o vínculo com o bebê, promove a involução uterina e facilita o retorno do corpo materno à sua forma original. 1) LACTAÇÃO A mama pode ser comparada a um conjunto de cacho de uvas. Cada uva representa um alvéolo, responsável pela produção do leite. Os alvéolos se abrem nos ductos que se unem e formam os seios lactófaros, onde o leite é acumulado. Um conjunto de 10 a 100 alvéolos é chamado de lóbulo. Um conjunto de lóbulos, canalículos e seios lactófaros são denominados lobo. A mama contém de 15 a 20 lobos, envoltos em tecido adiposo e conjuntivo. O processo de lactação é comandado por uma glândula denominada hipófise, localizada no cérebro da mãe. Quando o bebê suga, é enviada uma mensagem para a hipófise, que libera os hormônios prolactina (responsável pela produção do leite) e ocitocina (responsável por sua liberação). A principal regra para o aumento da produção de leite materno é o estímulo à glândula mamária com a
  2. 2. sucção do bebê. Todo o processo de produção e descida do leite está diretamente relacionado ao sistema nervoso. O “reflexo de descida” pode ser estimulado pela presença ou choro do bebê e ser inibido pela fadiga ou estresse materno. Se você estiver cansada ou tensa, procure relaxar para não interferir na produção e saída do leite. A apojadura, que é o preparo da mama para descida do leite, ocorre aproximadamente 48 horas após o parto. As mamas se tornam volumosas, sensíveis e quentes. 2) POSIÇÕES PARA AMAMENTAR O bebê deve estar acordado para mamar adequadamente. Se estiver chorando, procure acalentá-lo antes de colocar para mamar. Existem várias posições para amamentar seu bebê. Procure aquela que lhe pareça a mais confortável. Pode ser usado um travesseiro para ajudar um melhor posicionamento. Existem 4 posições básicas para amamentar: 1. Sentada É a posição tradicional na qual a mulher carrega seu bebê no colo. O bebê deve ser posicionado de lado, olhando a mama (barriga do bebê junto ao corpo da mãe). A mão que estiver livre posiciona a mama para o bebê. 2. Deitada É a posição mais apropriada para o primeiro dia se o parto foi por cesariana. Eleve a cabeceira da cama e coloque o bebê lateralmente e com apoio de um travesseiro (a cabeça do bebê deve ficar mais elevada que o corpo). Desta forma, a região operada não é comprimida. 3. Posição de “Cavalinho” É adequada para mulheres com mamas grandes. Procure sentar de forma confortável e posicione o bebê sentado sobre a sua perna. Apóie a cabeça do bebê com uma mão e com a mão livre posicione a mama para o bebê.
  3. 3. 4. Posição invertida É indicada para bebês pequenos e para mulheres com mamas grandes. Procure sentar de forma confortável. Segure o bebê em posição invertida, posicionando os pezinhos em direção à cabeceira da cama ou do sofá. Pode ser usado um travesseiro para apoio. 3) PEGA Antes de amamentar, verifique se a aréola está macia e flexível. Caso esteja endurecida, realize uma massagem suave com movimentos circulares, com a ponta dos dedos ao redor da aréola. A seguir, faça uma ordenha manual. Para ordenhar, coloque seus dedos aproximadamente 1,5 cm acima da região areolar, com o polegar na parte superior da mama e o indicador sob a mesma . Pressione suavemente contra o tórax e gentilmente comprima a região próxima à aréola com o polegar e o indicador. Repita o movimento de forma rítmica, até conseguir drenar o leite e deixar a região areolar flexível. Ao amamentar, sustente a mama com a sua mão em forma de “C”, apoiando os 4 dedos sob a mama e posicionando o polegar afastado da aréola. Faça uma suave compressão para sair algumas gotas de leite, a seguir toque seu mamilo no lábio inferior do bebê. Desta forma, o bebê abre a boca e abocanha o mamilo e parte da aréola. A “pega” correta evita lesões nos mamilos. Se o bebê apresentar dificuldades na mamada, solicite acompanhamento da enfermagem. Ao término da mamada, posicione o bebê para arrotar e depois acomode-o no berço, de lado e com apoio nas costas. 4) TEMPO DE MAMADA Em geral a duração é de 15 a 20 minutos em cada mama. Após sugar em uma mama, coloque o bebê em posição vertical para arrotar. A seguir coloque na outra mama. Lembre-se de iniciar pela última mama oferecida na mamada anterior. Caso o bebê adormeça, ofereça esta mama na próxima mamada. Se necessitar interromper a mamada, coloque seu dedo mínimo no canto da boca do bebê para facilitar a retirada do mamilo. Evite retirar bruscamente o bebê da mama para evitar traumas no mamilo. Mamadas excessivamente prolongadas devem ser interrompidas.
  4. 4. 5) INTERVALO DAS MAMADAS A amamentação não requer horários rígidos. Nos primeiros dias, provavelmente o bebê será amamentado sem muita regularidade. Se o bebê ficou satisfeito em uma mamada, ele poderá solicitar outra após um intervalo de 2 a 4 horas, totalizando 8 a 12 mamadas em 24 horas nas primeiras semanas de vida. Progressivamente o bebê estabelecerá naturalmente intervalos regulares entre as mamadas. Se o intervalo entre as mamadas ultrapassar 4 horas, desperte o bebê e coloque para mamar. O ideal é oferecer leite materno como alimento exclusivo até o sexto mês, isto é, sem água, chá, sucos, sopas ou papinhas. Após esse período, haverá necessidade de se introduzirem outros alimentos, conforme orientação de seu pediatra. 6) CUIDADOS COM AS MAMAS Durante o período de amamentação utilize sutiãs de algodão, com alças largas e de tamanho apropriado. Evite o uso de absorventes para mamas, conchas e intermediários de silicone. Só utilize esses produtos sob orientação profissional. Lave as mãos antes de cada mamada. Não é recomendada a limpeza dos mamilos antes ou após amamentar; o banho diário é a higiene suficiente. Retire algumas gotas do colostro antes e após a mamada e espalhe no mamilo e aréola. Este cuidado auxilia a proteger o mamilo. Pode ocorrer maior sensibilidade nos mamilos e ingurgitamento mamário durante o período inicial da amamentação. O ingurgitamento é caracterizado pelo acúmulo de leite nos alvéolos e pelo inchaço dos tecidos. A mama apresenta áreas de “encaroçamento”. Se isso ocorrer durante o período de internação, solicite avaliação da enfermeira. Caso o ingurgitamento ocorra após a alta hospitalar, realize massagem com as pontas dos dedos, em movimentos circulares, nos pontos endurecidos das mamas. Proceda à ordenha, colocando seus dedos aproximadamente 1,5 cm acima da região areolar, com o polegar na parte superior da mama e o indicador sob a mesma. Pressione suavemente contra o tórax e gentilmente comprima a região próxima à aréola com
  5. 5. o polegar e o indicador. Repita o movimento de forma rítmica, até conseguir drenar o leite e deixar a região areolar flexível. Se preferir, você poderá agendar uma consulta de enfermagem através do telefone 37472255 (Clínica de Especialidades Pediátricas) para obter atendimento e orientação em relação à amamentação com Enfermeiras Obstetras da Maternidade Albert Einstein. 7) COMO ARMAZENAR O LEITE MATERNO O leite materno pode ser coletado em casa para posterior oferta ao bebê e armazenado por 24h sob refrigeração. A localização correta do frasco dentro do refrigerador é na prateleira e próximo ao fundo; a porta do refrigerador não garante uma temperatura constante. Para armazenamento prolongado, o freezer é indicado e conserva o leite até 15 dias. Este tipo de armazenamento deve ser realizado em recipientes de vidro. Uma dica útil é utilizar vidros de café solúvel ou de maionese. Para utilizá-los, retire o alumínio que protege a tampa, lave com escova e sabão e ferva por 10 min. Para o descongelamento, retire do freezer e deixe sob refrigeração até o leite retornar ao estado líquido. O frasco deve ser colocado sob corrente de água fria quando o descongelamento tenha de ser rápido. O aquecimento deve ser rápido e o leite materno não deve ser aquecido em banho-maria ou em microondas. O frasco com o leite deve ser colocado sob corrente de água quente por alguns segundos, retirado e agitado. Repetir este procedimento até o leite ficar morno. Caso não seja possível a corrente de água quente, uma panela com água fervida pode ser outra opção, porém o frasco deve ser mantido alguns segundos dentro da água. Retirar e agitar até que o leite amorne. Não deixá-lo em banho-maria. 8) GAAM O Grupo de Apoio ao Aleitamento Materno (GAAM) é composto por uma equipe multiprofissional formada por enfermeiros, pediatras, obstetras e nutricionistas. O objetivo é estimular o aleitamento materno, oferecer
  6. 6. acompanhamento da amamentação, padronizar condutas e capacitar os profissionais que atuam na assistência às mães. Maiores informações através do telefone 37472821.

×