Atuação da Enfermagem na Prevenção do Câncer de Próstata

2.028 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atuação da Enfermagem na Prevenção do Câncer de Próstata

  1. 1. 1    ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM NAPREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATAPROFESSIONAL NURSING PRACTICEIN PROSTATE CANCER PREVENTION1ALVES, Niltom D. S.; 2FRANCISCO, Odair1e2Curso de Enfermagem - Faculdades Integradas de Ourinhos FIO/FEMMRESUMOO câncer de próstata é uma das patologias mais comuns na população masculina e a discussãosobre a sua prevenção torna-se então de suma importância no contexto da saúde pública. O objetivodo presente estudo é avaliar a assistência de enfermagem na prevenção do câncer de próstata. Aavaliação baseou-se em revisões bibliográficas. Assim, este estudo constitui-se, portanto, de umarevisão bibliográfica analítica. Optou-se por usar como fonte de análise, artigos científicos indexadosna biblioteca virtual BIREME. Para a busca dos artigos, foram utilizados os unitermos: Câncer dePróstata; Saúde do Homem e Assistência de Enfermagem. Finalmente, foram utilizados naelaboração deste estudo, um total de 10 artigos científicos publicados na língua portuguesa. Conclui-se com a realização deste estudo que a discussão sobre a prevenção do câncer de próstata podegerar polêmica, principalmente pelo preconceito existente por parte dos homens em relação ao toqueretal, exame importante no rastreamento da doença. Quanto às respostas ao objetivo deste estudo,afirma-se que o profissional de enfermagem enquanto educador possui papel fundamental napromoção da prevenção do câncer de próstata, devendo recorrer a todas as oportunidades decontato com a população masculina como oportunidades de abordagem.  Palavras-chave: Câncer de Próstata. Saúde do Homem. Assistência de Enfermagem.ABSTRATProstate cancer is one of the most common diseases in the male population and the discussion aboutits prevention then becomes of paramount importance in the context of public health. The aim of thisstudy is to evaluate the nursing care in the prevention of prostate cancer. The review will be based onliterature reviews. This study is, therefore, an analytical literature review. We chose to use as a sourceof analysis, scientific articles indexed in the virtual library BIREME. To search for articles, key wordswere used: Prostate Cancer, Mens Health and Nursing Care. Finally, were used in preparing thisstudy, a total of 10 scientific articles published in Portuguese. It concludes with this study that thediscussion on the prevention of prostate cancer may generate controversy, mainly because existingprejudice on the part of men in relation to digital rectal examination important in tracking the disease.As for the answers to the purpose of this study, it is stated that the professional nursing as aneducator has key role in promoting the prevention of prostate cancer and should use every opportunityof contact with the male population as opportunities approach.Keywords: Prostate Cancer. Mens Health. Nursing Care.INTRODUÇÃOO câncer é a “doença da célula”, que causa desvio do seu comportamentonormal. O câncer de próstata é uma doença de evolução lenta, cuja história natural épouco conhecida e que atinge em maior escala os homens com idade acima de 50
  2. 2. 2    anos. (BRAWLEY; ANKERST; THOMPSON, 2009; CARROLL et al., 2009 apudAMORIM et al., 2011).Um dos principais problemas de saúde do homem é o câncer de próstata,porém, existe a possibilidade de detecção precoce da doença a partir deprocedimentos simples, o que melhora o prognóstico. (PAIVA; MOTTA; GRIEP,2010).As causas do câncer de próstata são ainda hoje pouco conhecidas. “Emborapossa haver uma maior incidência de câncer de próstata nos homens que têmparentes em primeiro grau com esse problema, até hoje não se encontrou nenhumgene que possa ser responsabilizado”. (VIEIRA et al., 2008).A prevenção do câncer de próstata está diretamente relacionada à detecçãoprecoce da doença. Neste contexto, torna-se essencial o estabelecimento deestratégias assistenciais e de atividades educativas constantes e persistentesdirecionadas ao público masculino. (PAIVA; MOTTA; GRIEP, 2010).Segundo o Ministério da Saúde o rastreamento da doença é possível a partirdo exame de toque retal e de dosagem de Antígeno Específico Prostático (PSA). Oobjetivo da realização do toque retal é verificar as características gerais da próstatado indivíduo. (BRASIL, 2005; NAGLER et al., 2005 apud AMORIM et al., 2011).O exame de PSA, por sua vez, identifica os níveis de glicoproteína origináriada próstata na corrente sanguínea, portanto, representa um importante marcadorbiológico na identificação do câncer de próstata. (CARROLL et al., 2010;THOMPSON; ANKERST, 2007 apud AMORIM et al., 2011).O Ministério da Saúde não recomenda o rastreamento da populaçãomasculina para detecção das ocorrências do câncer de próstata. O rastreamentodeve ser apenas oportunístico, sendo o homem o principal responsável pelosubmetimento ao exame, devendo desejar realizá-lo por espontânea vontade.Porém, cabe aos profissionais o oferecimento de orientações prévias relacionadasaos benefícios dos exames durante qualquer oportunidade de contato com homens,fato que irá auxiliar na decisão de cada indivíduo pela realização ou não do exame.(AMORIM et al., 2011).Para Gomes et al. (2008) para que seja possível um avanço na discussão demedidas de prevenção do câncer de próstata, “faz-se necessário investigar qual é oestado da arte das recomendações sobre o assunto divulgadas acerca desse tema.”
  3. 3. 3    O objetivo do presente estudo consiste avaliar a atuação do profissional emassistência de enfermagem na prevenção do câncer de próstata. A avaliação serárealizada baseada em revisões bibliográficas.  MATERIAL E MÉTODOSEste estudo trata-se de uma revisão bibliográfica analítica. Optou-se por usarcomo fonte de análise, artigos científicos indexados nas plataformas virtuaisBIREME e SCIELO. Para a busca dos artigos, foram utilizados os unitermos: Câncerde Próstata; Saúde do Homem e Assistência de Enfermagem. Os artigos foramescolhidos mediante a leitura dos respectivos resumos, em seguida seus conteúdosforam analisados através da leitura integral de cada um. Finalmente, foram utilizadosna elaboração deste estudo, um total de 10 artigos científicos recentes publicadosna língua portuguesa.RESULTADOS E DISCUSSÃOAs Metodologias utilizadas para a prevenção do câncer de próstata estãodivididas em prevenção primária e secundária. A prevenção primária está baseadanos fatores de risco para a ocorrência da doença, enquanto a secundária trata dadetecção precoce do câncer. (GOMES et al., 2008).Os serviços de saúde apresentam grandes dificuldades em acompanhar asaúde do homem. A maioria dos homens reprimem suas necessidades epreocupações relacionadas à saúde e procuram muito menos o serviço de saúde doque as mulheres. Alguns homens chegam a acreditar que os ambientes dasunidades básicas sejam exclusivo para o atendimento de mulheres. (FIGUEIREDO;SCHRAIBER, 2011).Apesar de reconhecerem a importância do diagnóstico precoce do câncer depróstata, a maioria dos homens apresentam grande medo e preconceito relacionadoao toque retal, atitude que não deve ser ignorada nem mesmo julgada pelosprofissionais da saúde, já que realmente pode causar constrangimento para ohomem. (GOMES, 2006).Torna-se importante lembrarmos que o toque retal apresenta limitações, poispossibilita a observação tátil de no máximo 50% da próstata, portanto, alguns
  4. 4. 4    tumores podem estar situados em áreas que não permitem a palpação. Além disso,o exame exige certa experiência por parte do examinador, fato que se torna difícildevido a resistência da população masculina em relação a realização do toque retal.(BRASIL, 2002; NAGLER et al., 2005 apud AMORIM, 2011).O exame deve ser realizado por um “profissional habilitado, médico clínico,geriatra ou urologista, com o paciente em posição genupeitoral ou decúbito lateral,conforme habilidades individuais e limitações físicas do paciente.” (NASCIMENTO;FLORINDO; CHUBACI, 2010).Os resultados dos estudos realizados por Amorim et al. (2011), revelaramalguns fatores relacionados à não realização dos exames de rastreamento do câncerde próstata pela população masculina, sendo eles: idade inferior a 70 anos, menorgrau de escolaridade, pequena renda familiar, ausência de diabetes, limitação visual,entre outros.A pesquisa de Amorim et al. (2011) citada acima, revela alguns resultadoscomuns com a pesquisa realizada por Souza Silva e Pinheiro (2011) que apontou omaior grau de escolaridade e de renda como características sociais comuns entrehomens que realizam os exames de rastreamento do câncer de próstata, ou seja, osque não realizam os exames geralmente apresentam baixa escolaridade e baixarenda.Todo contato com pacientes do sexo masculino nos serviços de saúde devemser considerados como oportunidades de abordagem no que diz respeito ao examedetector do câncer de próstata. Um estudo realizado por Amorim et al. (2011),revelou a existência de uma maior prevalência de realização do exame derastreamento do câncer de próstata entre os homens que passaram por consultaodontológica nos últimos anos, fato que possivelmente esteja relacionado à entradado homem nos locais de atendimento a saúde, onde os mesmos podem receberorientações diretas ou indiretas de profissionais, observar cartazes com conteúdoseducativos que despertem quanto à importância do exame, entre outros.Assim, torna-se de grande relevância a avaliação do conhecimento do homema respeito dos exames de rastreamento do câncer de próstata. Os homens devemser informados pelos serviços de saúde a respeito dos riscos e dos benefícios darealização destes exames. Neste contexto, a Política Nacional de Atenção à Saúdedo Homem auxilia na promoção e no incentivo relacionado à prática de cuidadoscom a saúde. (AMORIM et al., 2011).
  5. 5. 5    Várias dificuldades podem ser encontradas na prevenção do câncer depróstata. Tais dificuldades estão relacionadas principalmente à falta de informação,preconceito contra o exame preventivo e a carência de rotinas nos serviços desaúde. (SOUZA; SILVA; PINHEIRO, 2011).Segundo Leite et al. (2010) o profissional de enfermagem possui capacidadesuficiente para proporcionar todo tipo de conhecimento relacionado à saúde doshomens e orientá-los quanto a prevenção de doenças e a manutenção da saúde.Segundo Medeiros, Menezes e Napoleão (2011):“o enfermeiro não deve perder a oportunidade de abordar os homens,aproveitando as situações cotidianas da assistência de enfermagem, naperspectiva da promoção da saúde e detecção precoce de agravos, nosentido de orientá-los sobre os fatores de risco e medidas de prevençãorelativas ao câncer de próstata, além de identificar a presença ou nãodesses fatores e buscar sinais e sintomas que possam indicar alteraçõesrelacionadas”.Em relação à prevenção do câncer de próstata, o enfermeiro é um profissionalde grande importância, já que está sempre envolvido em processos educativos emsaúde e em assistências preventivas. O profissional de enfermagem deve então,planejar e avaliação a assistência oferecida à população masculina “visandoalcançar o bem-estar e melhores condições para manutenção da saúde”. (VIEIRA etal., 2008).O enfermeiro se destaca como educador entre os profissionais da área dasaúde, pois possui vivência com o processo educativo desde o tempo acadêmico. Aenfermagem em si apresenta como metas o cuidado e o ensino, atuando junto aospacientes, buscando mudança de comportamento e possibilitando a promoção dasaúde. (VIEIRA et al., 2008).“A abordagem dos homens na consulta de enfermagem pode contribuir para aidentificação de fatores de risco, sinais e sintomas de possíveis alterações” queauxiliam na motivação do homem quanto ao exame de rastreamento econsequentemente colaboram com a prevenção. (MEDEIROS; MENEZES;NAPOLEÃO, 2011).  A importância do enfermeiro na atenção à saúde do homem é grande quantopara a mulher, em outras palavras, o câncer de próstata precisa ser tão debatido,respeitado e considerado pelo enfermeiro quanto o câncer cérvico-uterino e o câncerde mama. (MESQUITA; MOREIRA; MALISKI, 2009).
  6. 6. 6    CONSIDERAÇÕES FINAISVerificou-se a partir da realização deste estudo de revisão bibliográfica que aprodução de artigos científicos relacionados a temática proposta neste estudo é umpouco escassa.Conclui-se com a realização deste estudo que a discussão sobre a prevençãodo câncer de próstata pode gerar polêmica, principalmente pelo preconceitoexistente por parte dos homens em relação ao toque retal, exame importante norastreamento da doença. Quanto às respostas ao objetivo deste estudo, afirma-seque o profissional de enfermagem, enquanto educador, possui papel fundamental napromoção da prevenção do câncer de próstata, devendo recorrer a todas asoportunidades de contato com a população masculina como oportunidades deabordagem. A assistência de enfermagem na prevenção ao câncer de próstata deveestar baseada na realidade imposta pelo preconceito relacionado ao exame detoque retal, portanto, porém, o enfermeiro deve fornecer aos homens informaçõessobre os fatores de risco e as consequências da doença. Mesmo que os homensnão procurem frequentemente os serviços de saúde, devem receber a devidaatenção dos profissionais no que diz respeito tanto à prevenção quanto àmanutenção e a recuperação de sua saúde.REFERÊNCIASAMORIM, V. M. S. L.; BARROS, M. B. A.; CÉSAR, C. L. G.; GOLDBAUM, M.;CARANDINA, L.; ALVES, M. C. G. P. Fatores associados à realização dos examesde rastreamento para o câncer de próstata: um estudo de base populacional.Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 347-356, 2011.FIGUEIREDO, W. S.; SCHRAIBER, L. B. Concepções de gênero de homensusuários e profissionais de saúde de serviços de atenção primária e os possíveisimpactos na saúde da população masculina, São Paulo, Brasil. Ciência e SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 935-944, 2011.GOMES, R.; REBELLO, L. E. F. S.; ARAÚJO, F. C.; NASCIMENTO, E. F. Aprevenção do câncer de próstata: uma revisão da literatura. Ciência e SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 235-246, 2008.
  7. 7. 7    GOMES, NASCIMENTO, E. R. A produção do conhecimento da saúde pública sobrea relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Caderno de Saúde Pública, Riode Janeiro, v. 22, n. 5, p. 901-911, 2006.MEDEIROS, A. P.; MENEZES, M. F. B.; NAPOLEÃO. Fatores de risco e medidas deprevenção do câncer de próstata: subsídios para a enfermagem. Revista Brasileirade Enfermagem, Brasília, v. 64, n. 2, p. 385-388, 2011.MESQUITA, M. G. R.; MOREIRA, M. C.; MALISK, S. Em busca de conhecimento deenfermagem sobre o homem com câncer: uma experiência internacional. EscolaAnna Nery Revista de Enfermagem, v. 13, n. 2, p. 421-424, 2009.NASCIMENTO, E. P.; FLORINDO, A. A.; CHUBACI, R. Y. S. Exame de detecçãoprecoce do câncer de próstata na terceira idade: conhecendo os motivos que levamou não a sua realização. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 34, n. 1,p.7-18, 2010.PAIVA, E. P. P.; MOTTA, M. C. S.; GRIEP, R. H. Conhecimentos, atitudes e práticasacerca da detecção do câncer de próstata. Acta Paulista de Enfermagem, SãoPaulo, v. 23, n. 1, p. 88-93, 2010.SOUZA, L. M.; SILVA, M. P.; PINHEIRO, I. S. Um toque na masculinidade: aprevenção do câncer de próstata em gaúchos tradicionalistas. Revista Gaúcha deEnfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 151-158, 2011.VIEIRA, L. J. E. S.; SANTOS, Z. M. S. A.; LANDIM, F. L. P.; CAETANO, J. A.; NETA,C. A. S. Prevenção do câncer de próstata na ótica do usuário portador dehipertensão e diabetes. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p.145-152, 2008.

×