SlideShare uma empresa Scribd logo

N 2608

Adriano Andrea
Adriano Andrea
Adriano AndreaSafety Officer em Vopak

N 2608

1 de 10
Baixar para ler offline
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
PROPRIEDADE DA PETROBRAS 7 páginas, 1 formulário, Índice de Revisões e GT
Retificadores para Proteção Catódica
Especificação
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.
Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do
texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a
responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e
enumerações.
CONTEC
Comissão de Normalização
Técnica
Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que
deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma
eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve
ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela
Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de
caráter impositivo.
Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições
previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de
alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da
PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter
não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].
SC - 15
Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam
contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a
CONTEC - Subcomissão Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC -
Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a
seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a
justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os
trabalhos para alteração desta Norma.
Proteção Catódica
“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer
reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e
expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da
legislação pertinente, através da qual serão imputadas as
responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante
cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito
intelectual e propriedade industrial.”
Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho
- GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são
comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas
Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as
Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos
representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS
está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a
cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são
elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas
sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
2
1 Escopo
1.1 Esta Norma fixa as condições mínimas exigíveis para o projeto, fabricação, realização de ensaios
de retificadores utilizados em sistemas de proteção catódica de instalações terrestres e marítimas da
PETROBRAS.
1.2 As prescrições desta Norma se aplicam a projetos iniciados a partir da data de sua edição.
1.3 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.
2 Referências Normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-
se as edições mais recentes dos referidos documentos.
Norma Regulamentadora NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
PETROBRAS N-1021 - Pintura de Superfícies Galvanizadas, Ligas Ferrosas e não
Ferrosas, Materiais Compósitos e Poliméricos;
PETROBRAS N-1735 - Pintura de Máquinas, Equipamentos Elétricos e Instrumentos;
PETROBRAS N-1219 - Cores;
ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão;
ABNT NBR IEC 60529 - Graus de Proteção para Invólucros de Equipamentos Elétricos
(Código IP).
3 Condições Gerais
3.1 Folha de Dados
3.1.1 As características específicas de cada retificador estão indicadas nas suas respectivas Folhas
de Dados.
3.1.2 Quando houver divergência entre a Folha de Dados do Anexo A e esta Norma prevalece às
informações contidas na primeira.
3.1.3 O fornecedor deve preencher todos os itens em branco da Folha de Dados do Anexo A (dados
técnicos, relação de normas usadas no projeto, na fabricação e nos ensaios bem como a relação dos
ensaios).
3.2 O retificador deve possuir um sistema de retificação do tipo onda completa em ponte, para
operação a plena carga, em regime contínuo.
3.3 O retificador para instalações terrestres deve estar em conformidade com a NR-10.
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
3
3.4 O retificador para instalações marítimas deve atender as recomendações das Sociedades
Classificadoras.
4 Condições Ambientais
4.1 Recomenda-se que o retificador opere em local abrigado e em área não classificada. [Prática
Recomendada]
4.2 A faixa de temperatura ambiente é de 0 ºC a 50 ºC ou conforme definido na Folha de Dados do
Anexo A.
4.3 A umidade relativa do ar máxima sem condensação é 95 %.
5 Características Construtivas
5.1 O retificador deve ser construído de modo a facilitar a manutenção e minimizar o tempo de
reparo e permitir fácil acesso aos componentes internos.
5.2 O retificador deve ser resistente à corrosão causada pela atmosfera característica do ambiente
da instalação. Quando for indicado na Folha de Dados (Anexo A) atmosfera corrosiva, os circuitos
eletrônicos devem receber tratamento protetor denominado “tropicalização” (cobertura total com
verniz protetor).
5.3 O equipamento deve possuir sinalização visual de advertência quanto ao acesso de pessoas aos
componentes internos.
5.4 O gabinete do retificador deve possuir as características citadas em 5.4.1 a 5.4.4, quando não
estiver indicado na Folha de Dados do Anexo A.
5.4.1 O grau de proteção mínimo, conforme a ABNT NBR IEC 60529, deve ser IP-23, quando
instalado em locais abrigados, ou IP-43, quando instalado ao tempo.
NOTA Equipamentos em instalações marítimas devem atender as recomendações das
Sociedades Classificadoras.
5.4.2 O material do gabinete deve ser o aço-carbono, aço inox ou alumínio, com pintura
anticorrosiva, de acordo com as PETROBRAS N-1735 e N-1021.
5.4.3 A cor de acabamento do gabinete deve ser a cinza clara, código 0065 (“Munsell” N 6.5) da
PETROBRAS N-1219.
5.4.4 O retificador deve ser montado sobre chassi removível, e o gabinete adequado para fixação em
poste, em parede ou auto-sustentado.
5.5 O retificador deve possuir em sua estrutura metálica, janela (colar) ou prensa-cabos adequados à
passagem dos cabos elétricos. Quando na Folha de Dados for especificada “furação pelo campo”, o
retificador deve ser fornecido com uma tampa flange removível.
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
4
5.6 Os isoladores das barras, suportes e peças de junção devem ser de material não higroscópico e
não inflamável.
5.7 O retificador deve possuir barramento de eqüipotencialização (aterramento), conforme ABNT
NBR 5410, localizado na parte inferior interna do retificador.
5.7.1 Todas as partes metálicas que compõem o retificador, não previstas para condução de
corrente, devem possuir continuidade elétrica e serem ligadas individualmente ao barramento de
eqüipotencialização.
5.7.2 O barramento deve possuir quantidade suficiente de conectores para as ligações previstas em
5.7.1, assim como para os dispositivos de proteção, medição, aterramento da concessionária de
energia elétrica e cabo de interligação (seção nominal de até 25 mm2
) com a malha de terra local.
5.8 Externamente ao retificador deve ser fixada a placa de identificação, de material resistente a
corrosão (aço inox ou acrílico) contendo as seguintes informações:
a) PETROLEO BRASILEIRO S/A – PETROBRAS ou subsidiária;
b) nome do fabricante;
c) modelo do retificador;
d) características elétricas nominais (tensão de alimentação, número de fases e freqüência,
tensão de saída, corrente de saída e potência);
e) massa total;
f) data de fabricação;
g) número de série.
5.9 Todos os componentes do retificador devem ser devidamente identificados de forma indelével.
5.9.1 Adicionalmente na saída do retificador devem ser informadas as estruturas as quais os
terminais devem ser interligados (terminal positivo - anodos e terminal negativo - estrutura a
proteger).
5.9.2 Deve ser fornecido com uma cópia dos esquemas elétricos, protegida contra umidade e
manuseio, alocada em um escaninho na parte interna da porta.
6 Características Elétricas
6.1 As partes energizadas devem ser protegidas contra toques acidentais.
6.2 Todos os componentes devem ser dimensionados para suportar o ensaio da resistência de
isolamento elétrico conforme 7.2.
6.3 O rendimento do equipamento deve ser igual ou superior a 60 % para retificadores monofásicos
e a 80 % para os trifásicos, para uma carga variando de 50 % a 100 % de seu valor nominal.
6.4 O transformador de entrada deve ser seco com classe de temperatura máxima B.
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
5
6.5 A seleção de tensão de saída deve ser feita:
a) por meio de ajustes (“taps”) grossos e finos nos equipamentos manuais;
b) através de um circuito de controle nos equipamentos automáticos.
6.6 Uma tomada elétrica universal, instalada no painel frontal, com tensão de saída 127 ou 220 VCA,
pode ser requerida, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A.
6.7 O retificador deve possuir sinalização luminosa para indicação de equipamento energizado,
localizada no painel frontal do equipamento, com identificação “Equipamento Energizado”.
6.8 O retificador deve conter proteções que inibam o seu funcionamento na ocorrência de falhas que
possam causar danos físicos ao equipamento.
6.8.1 Disjuntor com elemento térmico para proteção contra sobrecorrente e chaveamento do
retificador, adequado à tensão de alimentação.
6.8.2 Fusíveis tipo NH para proteção da entrada, da saída e da coluna retificadora.
6.8.3 Fusíveis cilíndricos para proteção de instrumentos.
6.8.4 Dispositivos protetores contra surtos de tensão (DPS) para proteção da entrada e saída dos
equipamentos terrestres, com as seguintes características:
a) tecnologia de varistor de óxido de zinco (MOV) ou centelhador a gás (GCL);
b) máxima tensão de operação contínua UC: 275 V;
c) mínima corrente nominal de descarga IN (8/20 μs): 30 kA;
d) sinalização de falha.
6.8.5 Os DPS devem ser instalados:
a) na entrada do retificador entre cada fase e o barramento de eqüipotencialização;
b) na saída do equipamento entre os terminais positivo e negativo e entre o terminal
negativo e o barramento de eqüipotencialização.
6.8.6 Circuito Resistor-Capacitor (RC) para proteção individual de cada componente da coluna
retificadora.
6.8.7 Proteções adicionais podem ser requeridas, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A.
6.9 O retificador deve conter instrumentos de medição com precisão de 1,5 % de fundo de escala.
Deve haver indicação local de tensão de saída, corrente de saída e horas trabalhadas. Modelos de
indicadores devem ser especificados na Folha de Dados do Anexo A.
NOTA Se o indicador for multifunção, o contador de horas trabalhadas deve ser redundante.
6.9.1 A indicação local da tensão de entrada pode ser requerida, de acordo com a Folha de Dados
do Anexo A.
-PÚBLICO-
N-2608 REV. B 12 / 2011
6
6.9.2 O horímetro (contador de horas trabalhadas) deve possuir registro de, no mínimo, 05 dígitos
inteiros. A contagem deve ser interrompida por ocasião de ausência de corrente de saída do
retificador.
6.9.3 O retificador deve ser fornecido com uma resistência “shunt”, para aferição da corrente de
saída.
6.9.4 A indicação local da corrente de saída individual dos anodos pode ser requerida, de acordo
com a Folha de Dados do Anexo A.
6.10 Cada retificador deve ser fornecido com os sobressalentes:
a) um jogo completo de dispositivos de proteção: fusíveis, DPS e circuito RC;
b) conjunto de diodos / tiristores.
6.11 Retificador Automático
6.11.1 Deve permitir a operação nos modos manual e automática.
6.11.2 Além das grandezas citadas em 6.9 também deve haver indicação local do potencial
estrutura-eletrólito.
6.11.3 O modo de operação automático deve permitir o controle do potencial estrutura-eletrólito, a
partir de um valor de referência pré-ajustado. A faixa de regulagem do potencial de referência e a
quantidade de eletrodos devem ser conforme indicados na Folha de Dados do Anexo A.
6.11.4 O valor da referência deve ficar indicado no painel frontal do equipamento.
6.11.5 O equipamento deve possuir sistema limitador de tensão e corrente de saída a valores
nominais.
6.12 O retificador deve disponibilizar, para monitoração remota, as variáveis analógicas corrente de
saída, tensão de saída e potencial estrutura-eletrólito, assim como, a variável de estado existência de
tensão de alimentação.
6.13 O retificador para instalações terrestres deve possuir também a variável de estado abertura de
porta de equipamento.
6.14 O retificador para instalações marítimas deve possuir alarmes de sub e super proteção, sub e
sobre corrente, falha de alimentação e saída para alarme comum (geral). Além disso, deve possuir
registro das ocorrências de alarmes e das variáveis analógicas corrente de saída, tensão de saída e
potencial estrutura-eletrólito.
7 Inspeção e Ensaios
7.1 Devem ser realizadas a inspeção visual e dimensional e a verificação das partes móveis do
retificador (portas, chassi etc.) e da pintura (cor, espessura e aderência).

Recomendados

Sodramar Desinfecção UVC para Piscinas
Sodramar Desinfecção UVC para PiscinasSodramar Desinfecção UVC para Piscinas
Sodramar Desinfecção UVC para PiscinasSol e Lazer Piscinas
 
24sh manual gerador de cloro gs 45
24sh manual gerador de cloro gs 4524sh manual gerador de cloro gs 45
24sh manual gerador de cloro gs 45Show de Piscinas
 
cilindro-laminador-gastromaq-ep-xi-bandeja-em-inox-clpi-390-bivolt.pdf
cilindro-laminador-gastromaq-ep-xi-bandeja-em-inox-clpi-390-bivolt.pdfcilindro-laminador-gastromaq-ep-xi-bandeja-em-inox-clpi-390-bivolt.pdf
cilindro-laminador-gastromaq-ep-xi-bandeja-em-inox-clpi-390-bivolt.pdfGastrotecRefrigerao
 
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87fluidotronica
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de manutenção preventiva para elevadores jonas
Plano de manutenção preventiva para elevadores jonasPlano de manutenção preventiva para elevadores jonas
Plano de manutenção preventiva para elevadores jonaslusilvas
 
NR 18 Anexo 04
NR 18 Anexo 04NR 18 Anexo 04
NR 18 Anexo 04shasha00
 
Manual de Esterilizador de piscina UVC Sodramar
Manual de Esterilizador de piscina UVC SodramarManual de Esterilizador de piscina UVC Sodramar
Manual de Esterilizador de piscina UVC SodramarCottage Casa E Lazer
 
Manual Do Ar Cond Do Pt
Manual Do Ar Cond Do PtManual Do Ar Cond Do Pt
Manual Do Ar Cond Do Ptjose luiz
 
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição de ater...
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição  de ater...Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição  de ater...
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição de ater...Alexandre Grossi
 
Análise preditiva em cabos de média tensão
Análise preditiva em cabos de média tensão Análise preditiva em cabos de média tensão
Análise preditiva em cabos de média tensão Alexandre Grossi
 
Chaves 2014 2015-holec
Chaves 2014 2015-holecChaves 2014 2015-holec
Chaves 2014 2015-holecviana4002
 
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKII
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKIIManual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKII
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKIIHabro Group
 
Schneider manual altivar 312
Schneider  manual altivar 312Schneider  manual altivar 312
Schneider manual altivar 312Marcelo Lobo
 
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BTEstudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BTAlexandre Grossi
 
Pinturas Intumescentes em cabos MT
Pinturas Intumescentes em cabos MTPinturas Intumescentes em cabos MT
Pinturas Intumescentes em cabos MTAlexandre Grossi
 

Mais procurados (17)

Plano de manutenção preventiva para elevadores jonas
Plano de manutenção preventiva para elevadores jonasPlano de manutenção preventiva para elevadores jonas
Plano de manutenção preventiva para elevadores jonas
 
NR 18 Anexo 04
NR 18 Anexo 04NR 18 Anexo 04
NR 18 Anexo 04
 
Guia de-instalacao
Guia de-instalacaoGuia de-instalacao
Guia de-instalacao
 
Manual de Esterilizador de piscina UVC Sodramar
Manual de Esterilizador de piscina UVC SodramarManual de Esterilizador de piscina UVC Sodramar
Manual de Esterilizador de piscina UVC Sodramar
 
Manual Do Ar Cond Do Pt
Manual Do Ar Cond Do PtManual Do Ar Cond Do Pt
Manual Do Ar Cond Do Pt
 
Comissionamento de Subestacoes
Comissionamento de SubestacoesComissionamento de Subestacoes
Comissionamento de Subestacoes
 
13 verificacao final
13 verificacao final13 verificacao final
13 verificacao final
 
Como avaliar barreiras is
Como avaliar barreiras isComo avaliar barreiras is
Como avaliar barreiras is
 
0206950 rev-0 lhe-425-pt (1)
0206950 rev-0 lhe-425-pt (1)0206950 rev-0 lhe-425-pt (1)
0206950 rev-0 lhe-425-pt (1)
 
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição de ater...
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição  de ater...Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição  de ater...
Procedimentos de rotina para recuperação, verificação e substituição de ater...
 
Análise preditiva em cabos de média tensão
Análise preditiva em cabos de média tensão Análise preditiva em cabos de média tensão
Análise preditiva em cabos de média tensão
 
Chaves 2014 2015-holec
Chaves 2014 2015-holecChaves 2014 2015-holec
Chaves 2014 2015-holec
 
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKII
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKIIManual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKII
Manual do Pré-Amplificador FOCUSRITE Octopre MKII
 
Nbr 13534 2008 hospitais
Nbr 13534 2008 hospitaisNbr 13534 2008 hospitais
Nbr 13534 2008 hospitais
 
Schneider manual altivar 312
Schneider  manual altivar 312Schneider  manual altivar 312
Schneider manual altivar 312
 
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BTEstudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
 
Pinturas Intumescentes em cabos MT
Pinturas Intumescentes em cabos MTPinturas Intumescentes em cabos MT
Pinturas Intumescentes em cabos MT
 

Destaque

Apresentação de slid tecnologico
Apresentação de slid tecnologicoApresentação de slid tecnologico
Apresentação de slid tecnologicogercinocvieira
 
01.01 moleiros & carvoeiros
01.01   moleiros & carvoeiros01.01   moleiros & carvoeiros
01.01 moleiros & carvoeirossofiapereira93
 
Apresentação oficina diagnóstico urbanismo
Apresentação oficina diagnóstico urbanismoApresentação oficina diagnóstico urbanismo
Apresentação oficina diagnóstico urbanismoCamila Bittar
 
Grandioso... reflexão
Grandioso...  reflexãoGrandioso...  reflexão
Grandioso... reflexãoeschappy
 
Apresentao uno e avivamento na igreja ii
Apresentao   uno e avivamento na igreja iiApresentao   uno e avivamento na igreja ii
Apresentao uno e avivamento na igreja iieschappy
 
1, 2, 3 macaquinho do chinês jogo
1, 2, 3 macaquinho do chinês   jogo1, 2, 3 macaquinho do chinês   jogo
1, 2, 3 macaquinho do chinês jogosofiapereira93
 
Regulamento Férias Verão 2011
Regulamento Férias Verão 2011Regulamento Férias Verão 2011
Regulamento Férias Verão 2011Andreia Margarido
 
CIborgues e Literatura
CIborgues e LiteraturaCIborgues e Literatura
CIborgues e LiteraturaMiguel Peixe
 
Trabalho de matemática geovani
Trabalho de matemática geovaniTrabalho de matemática geovani
Trabalho de matemática geovaniMartaMolossi
 
Tutorial acceso glossi
Tutorial acceso glossiTutorial acceso glossi
Tutorial acceso glossiMaru D. B.
 
Apresentação redes sociais o direito achado na rua_recife 2010[1]_final
Apresentação redes sociais  o direito achado na rua_recife 2010[1]_finalApresentação redes sociais  o direito achado na rua_recife 2010[1]_final
Apresentação redes sociais o direito achado na rua_recife 2010[1]_finalipeclab
 
Café com letras
Café com letrasCafé com letras
Café com letrascefriopreto
 
Transmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagaçãoTransmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagaçãoNayane Santos
 
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988Ivo Maioli
 

Destaque (20)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
São Paulo
São PauloSão Paulo
São Paulo
 
Cuadros Pequeños
Cuadros PequeñosCuadros Pequeños
Cuadros Pequeños
 
Apresentação de slid tecnologico
Apresentação de slid tecnologicoApresentação de slid tecnologico
Apresentação de slid tecnologico
 
01.01 moleiros & carvoeiros
01.01   moleiros & carvoeiros01.01   moleiros & carvoeiros
01.01 moleiros & carvoeiros
 
Apresentação oficina diagnóstico urbanismo
Apresentação oficina diagnóstico urbanismoApresentação oficina diagnóstico urbanismo
Apresentação oficina diagnóstico urbanismo
 
Projeto pde
Projeto pdeProjeto pde
Projeto pde
 
Tecnologia
TecnologiaTecnologia
Tecnologia
 
Grandioso... reflexão
Grandioso...  reflexãoGrandioso...  reflexão
Grandioso... reflexão
 
Apresentao uno e avivamento na igreja ii
Apresentao   uno e avivamento na igreja iiApresentao   uno e avivamento na igreja ii
Apresentao uno e avivamento na igreja ii
 
1, 2, 3 macaquinho do chinês jogo
1, 2, 3 macaquinho do chinês   jogo1, 2, 3 macaquinho do chinês   jogo
1, 2, 3 macaquinho do chinês jogo
 
Regulamento Férias Verão 2011
Regulamento Férias Verão 2011Regulamento Férias Verão 2011
Regulamento Férias Verão 2011
 
CIborgues e Literatura
CIborgues e LiteraturaCIborgues e Literatura
CIborgues e Literatura
 
Trabalho de matemática geovani
Trabalho de matemática geovaniTrabalho de matemática geovani
Trabalho de matemática geovani
 
Açucar
AçucarAçucar
Açucar
 
Tutorial acceso glossi
Tutorial acceso glossiTutorial acceso glossi
Tutorial acceso glossi
 
Apresentação redes sociais o direito achado na rua_recife 2010[1]_final
Apresentação redes sociais  o direito achado na rua_recife 2010[1]_finalApresentação redes sociais  o direito achado na rua_recife 2010[1]_final
Apresentação redes sociais o direito achado na rua_recife 2010[1]_final
 
Café com letras
Café com letrasCafé com letras
Café com letras
 
Transmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagaçãoTransmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagação
 
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988
Revista CPU MSX AMIGA - No. 34 - 1988
 

Semelhante a N 2608

N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dirN 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dirHigor Bastos
 
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfWendellCampos5
 
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdf
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdfESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdf
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdfRogerio Dias Gimenes
 
N 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetranteN 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetranterestinho
 
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdf
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdfcatalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdf
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdfThiagoFariasFarias1
 
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacaoN 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacaoJunior Black
 
Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de PiscinasPreços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de PiscinasShow de Piscinas
 
Vy4vmanual bmsafe
Vy4vmanual bmsafeVy4vmanual bmsafe
Vy4vmanual bmsafeCocab Pools
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de Kamilla Tavares
 
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentosJupira Silva
 

Semelhante a N 2608 (20)

NBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra AntipanicoNBR 11785 - Barra Antipanico
NBR 11785 - Barra Antipanico
 
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dirN 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
 
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
 
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdf
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdfESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdf
ESPECIF TECNICA TRANSFORMADOR POTENCIA TRI ISOL A SECO 15 Kv.pdf
 
N 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetranteN 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetrante
 
N 0002 - Petrobras
N 0002 - PetrobrasN 0002 - Petrobras
N 0002 - Petrobras
 
Ntc47
Ntc47Ntc47
Ntc47
 
Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808
 
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdf
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdfcatalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdf
catalogo-minidisjuntores_2016_pt-v1.pdf
 
Manual-Compressor.pdf
Manual-Compressor.pdfManual-Compressor.pdf
Manual-Compressor.pdf
 
Manual uvc
Manual uvcManual uvc
Manual uvc
 
55721368497959fc0bfd923ef7
55721368497959fc0bfd923ef755721368497959fc0bfd923ef7
55721368497959fc0bfd923ef7
 
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacaoN 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
 
Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de PiscinasPreços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
 
Disjuntores Siemens
Disjuntores SiemensDisjuntores Siemens
Disjuntores Siemens
 
Vy4vmanual bmsafe
Vy4vmanual bmsafeVy4vmanual bmsafe
Vy4vmanual bmsafe
 
Apostilha Schneider
Apostilha SchneiderApostilha Schneider
Apostilha Schneider
 
Alternadores stanford pv7
Alternadores stanford pv7Alternadores stanford pv7
Alternadores stanford pv7
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
 
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
70397172 n-0108-suspiro-e-drenos-para-tubulacoes-e-equipamentos
 

Último

CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOAnderson Souza
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024taynaradl79
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Unicesumar
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...Unicesumar
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...sdl192405
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\Renandantas16
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...sdl192405
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...sdl192405
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024dlalicia08
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfomelhordashoppeestaa
 
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"josianispflia
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024dlp391622
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...taynaradl79
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.Unicesumar
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...Unicesumar
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024dlkauana81
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024dlkauana81
 

Último (17)

CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPOCONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
CONHEÇA 7 SUPER DICAS DE GERENCIAMENTO DO TEMPO
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA: SABERES DIGITAIS - 51/2024
 
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
Antes de tudo, pesquise, levante informações para elaborar a sua resposta - F...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
Quando planejamos uma aula, estamos pensando em todo o processo que envolve e...
 
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
FDFDSDSDSFA\DcDSsdfAVFVDss\\sf\\\fb\b\b\b\b\b\b\b\
 
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
“Para além do conceito de Administração Pública, é preciso conceituar sua div...
 
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
Para melhor compreendermos as relações em sociedade e suas formas de organiza...
 
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - IFPC - TEORIA DO DIREITO - 51/2024
 
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdfGuia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
Guia Completo Como Lucrar com a Páscoa em 2024.pdf
 
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer""Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
"Guia Completo: Tipos de Cortes de Cabelo Fade e Como Fazer"
 
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - PED - METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA DE ENSINO: ETNOMATEMÁTICA E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA - 51...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51 2024.
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
ATIVIDADE 1 - GAMB - ADMINISTRAÇÃO EMPREENDEDORA E QUALIDADE - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024ATIVIDADE 1 - DIDÁTICA - 51/2024
 

N 2608

  • 1. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 7 páginas, 1 formulário, Índice de Revisões e GT Retificadores para Proteção Catódica Especificação Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e enumerações. CONTEC Comissão de Normalização Técnica Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter impositivo. Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada]. SC - 15 Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão Autora. As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma. Proteção Catódica “A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente, através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade industrial.” Apresentação As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho - GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.
  • 2. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 2 1 Escopo 1.1 Esta Norma fixa as condições mínimas exigíveis para o projeto, fabricação, realização de ensaios de retificadores utilizados em sistemas de proteção catódica de instalações terrestres e marítimas da PETROBRAS. 1.2 As prescrições desta Norma se aplicam a projetos iniciados a partir da data de sua edição. 1.3 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas. 2 Referências Normativas Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam- se as edições mais recentes dos referidos documentos. Norma Regulamentadora NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; PETROBRAS N-1021 - Pintura de Superfícies Galvanizadas, Ligas Ferrosas e não Ferrosas, Materiais Compósitos e Poliméricos; PETROBRAS N-1735 - Pintura de Máquinas, Equipamentos Elétricos e Instrumentos; PETROBRAS N-1219 - Cores; ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão; ABNT NBR IEC 60529 - Graus de Proteção para Invólucros de Equipamentos Elétricos (Código IP). 3 Condições Gerais 3.1 Folha de Dados 3.1.1 As características específicas de cada retificador estão indicadas nas suas respectivas Folhas de Dados. 3.1.2 Quando houver divergência entre a Folha de Dados do Anexo A e esta Norma prevalece às informações contidas na primeira. 3.1.3 O fornecedor deve preencher todos os itens em branco da Folha de Dados do Anexo A (dados técnicos, relação de normas usadas no projeto, na fabricação e nos ensaios bem como a relação dos ensaios). 3.2 O retificador deve possuir um sistema de retificação do tipo onda completa em ponte, para operação a plena carga, em regime contínuo. 3.3 O retificador para instalações terrestres deve estar em conformidade com a NR-10.
  • 3. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 3 3.4 O retificador para instalações marítimas deve atender as recomendações das Sociedades Classificadoras. 4 Condições Ambientais 4.1 Recomenda-se que o retificador opere em local abrigado e em área não classificada. [Prática Recomendada] 4.2 A faixa de temperatura ambiente é de 0 ºC a 50 ºC ou conforme definido na Folha de Dados do Anexo A. 4.3 A umidade relativa do ar máxima sem condensação é 95 %. 5 Características Construtivas 5.1 O retificador deve ser construído de modo a facilitar a manutenção e minimizar o tempo de reparo e permitir fácil acesso aos componentes internos. 5.2 O retificador deve ser resistente à corrosão causada pela atmosfera característica do ambiente da instalação. Quando for indicado na Folha de Dados (Anexo A) atmosfera corrosiva, os circuitos eletrônicos devem receber tratamento protetor denominado “tropicalização” (cobertura total com verniz protetor). 5.3 O equipamento deve possuir sinalização visual de advertência quanto ao acesso de pessoas aos componentes internos. 5.4 O gabinete do retificador deve possuir as características citadas em 5.4.1 a 5.4.4, quando não estiver indicado na Folha de Dados do Anexo A. 5.4.1 O grau de proteção mínimo, conforme a ABNT NBR IEC 60529, deve ser IP-23, quando instalado em locais abrigados, ou IP-43, quando instalado ao tempo. NOTA Equipamentos em instalações marítimas devem atender as recomendações das Sociedades Classificadoras. 5.4.2 O material do gabinete deve ser o aço-carbono, aço inox ou alumínio, com pintura anticorrosiva, de acordo com as PETROBRAS N-1735 e N-1021. 5.4.3 A cor de acabamento do gabinete deve ser a cinza clara, código 0065 (“Munsell” N 6.5) da PETROBRAS N-1219. 5.4.4 O retificador deve ser montado sobre chassi removível, e o gabinete adequado para fixação em poste, em parede ou auto-sustentado. 5.5 O retificador deve possuir em sua estrutura metálica, janela (colar) ou prensa-cabos adequados à passagem dos cabos elétricos. Quando na Folha de Dados for especificada “furação pelo campo”, o retificador deve ser fornecido com uma tampa flange removível.
  • 4. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 4 5.6 Os isoladores das barras, suportes e peças de junção devem ser de material não higroscópico e não inflamável. 5.7 O retificador deve possuir barramento de eqüipotencialização (aterramento), conforme ABNT NBR 5410, localizado na parte inferior interna do retificador. 5.7.1 Todas as partes metálicas que compõem o retificador, não previstas para condução de corrente, devem possuir continuidade elétrica e serem ligadas individualmente ao barramento de eqüipotencialização. 5.7.2 O barramento deve possuir quantidade suficiente de conectores para as ligações previstas em 5.7.1, assim como para os dispositivos de proteção, medição, aterramento da concessionária de energia elétrica e cabo de interligação (seção nominal de até 25 mm2 ) com a malha de terra local. 5.8 Externamente ao retificador deve ser fixada a placa de identificação, de material resistente a corrosão (aço inox ou acrílico) contendo as seguintes informações: a) PETROLEO BRASILEIRO S/A – PETROBRAS ou subsidiária; b) nome do fabricante; c) modelo do retificador; d) características elétricas nominais (tensão de alimentação, número de fases e freqüência, tensão de saída, corrente de saída e potência); e) massa total; f) data de fabricação; g) número de série. 5.9 Todos os componentes do retificador devem ser devidamente identificados de forma indelével. 5.9.1 Adicionalmente na saída do retificador devem ser informadas as estruturas as quais os terminais devem ser interligados (terminal positivo - anodos e terminal negativo - estrutura a proteger). 5.9.2 Deve ser fornecido com uma cópia dos esquemas elétricos, protegida contra umidade e manuseio, alocada em um escaninho na parte interna da porta. 6 Características Elétricas 6.1 As partes energizadas devem ser protegidas contra toques acidentais. 6.2 Todos os componentes devem ser dimensionados para suportar o ensaio da resistência de isolamento elétrico conforme 7.2. 6.3 O rendimento do equipamento deve ser igual ou superior a 60 % para retificadores monofásicos e a 80 % para os trifásicos, para uma carga variando de 50 % a 100 % de seu valor nominal. 6.4 O transformador de entrada deve ser seco com classe de temperatura máxima B.
  • 5. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 5 6.5 A seleção de tensão de saída deve ser feita: a) por meio de ajustes (“taps”) grossos e finos nos equipamentos manuais; b) através de um circuito de controle nos equipamentos automáticos. 6.6 Uma tomada elétrica universal, instalada no painel frontal, com tensão de saída 127 ou 220 VCA, pode ser requerida, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A. 6.7 O retificador deve possuir sinalização luminosa para indicação de equipamento energizado, localizada no painel frontal do equipamento, com identificação “Equipamento Energizado”. 6.8 O retificador deve conter proteções que inibam o seu funcionamento na ocorrência de falhas que possam causar danos físicos ao equipamento. 6.8.1 Disjuntor com elemento térmico para proteção contra sobrecorrente e chaveamento do retificador, adequado à tensão de alimentação. 6.8.2 Fusíveis tipo NH para proteção da entrada, da saída e da coluna retificadora. 6.8.3 Fusíveis cilíndricos para proteção de instrumentos. 6.8.4 Dispositivos protetores contra surtos de tensão (DPS) para proteção da entrada e saída dos equipamentos terrestres, com as seguintes características: a) tecnologia de varistor de óxido de zinco (MOV) ou centelhador a gás (GCL); b) máxima tensão de operação contínua UC: 275 V; c) mínima corrente nominal de descarga IN (8/20 μs): 30 kA; d) sinalização de falha. 6.8.5 Os DPS devem ser instalados: a) na entrada do retificador entre cada fase e o barramento de eqüipotencialização; b) na saída do equipamento entre os terminais positivo e negativo e entre o terminal negativo e o barramento de eqüipotencialização. 6.8.6 Circuito Resistor-Capacitor (RC) para proteção individual de cada componente da coluna retificadora. 6.8.7 Proteções adicionais podem ser requeridas, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A. 6.9 O retificador deve conter instrumentos de medição com precisão de 1,5 % de fundo de escala. Deve haver indicação local de tensão de saída, corrente de saída e horas trabalhadas. Modelos de indicadores devem ser especificados na Folha de Dados do Anexo A. NOTA Se o indicador for multifunção, o contador de horas trabalhadas deve ser redundante. 6.9.1 A indicação local da tensão de entrada pode ser requerida, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A.
  • 6. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 6 6.9.2 O horímetro (contador de horas trabalhadas) deve possuir registro de, no mínimo, 05 dígitos inteiros. A contagem deve ser interrompida por ocasião de ausência de corrente de saída do retificador. 6.9.3 O retificador deve ser fornecido com uma resistência “shunt”, para aferição da corrente de saída. 6.9.4 A indicação local da corrente de saída individual dos anodos pode ser requerida, de acordo com a Folha de Dados do Anexo A. 6.10 Cada retificador deve ser fornecido com os sobressalentes: a) um jogo completo de dispositivos de proteção: fusíveis, DPS e circuito RC; b) conjunto de diodos / tiristores. 6.11 Retificador Automático 6.11.1 Deve permitir a operação nos modos manual e automática. 6.11.2 Além das grandezas citadas em 6.9 também deve haver indicação local do potencial estrutura-eletrólito. 6.11.3 O modo de operação automático deve permitir o controle do potencial estrutura-eletrólito, a partir de um valor de referência pré-ajustado. A faixa de regulagem do potencial de referência e a quantidade de eletrodos devem ser conforme indicados na Folha de Dados do Anexo A. 6.11.4 O valor da referência deve ficar indicado no painel frontal do equipamento. 6.11.5 O equipamento deve possuir sistema limitador de tensão e corrente de saída a valores nominais. 6.12 O retificador deve disponibilizar, para monitoração remota, as variáveis analógicas corrente de saída, tensão de saída e potencial estrutura-eletrólito, assim como, a variável de estado existência de tensão de alimentação. 6.13 O retificador para instalações terrestres deve possuir também a variável de estado abertura de porta de equipamento. 6.14 O retificador para instalações marítimas deve possuir alarmes de sub e super proteção, sub e sobre corrente, falha de alimentação e saída para alarme comum (geral). Além disso, deve possuir registro das ocorrências de alarmes e das variáveis analógicas corrente de saída, tensão de saída e potencial estrutura-eletrólito. 7 Inspeção e Ensaios 7.1 Devem ser realizadas a inspeção visual e dimensional e a verificação das partes móveis do retificador (portas, chassi etc.) e da pintura (cor, espessura e aderência).
  • 7. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 7 7.2 Devem ser executados os ensaios de rotina de resistência de isolamento, de tensão aplicada e de funcionamento em conformidade com a ABNT NBR 5410. 7.3 Os ensaios de tipo devem ser os indicados na Folha de Dados do Anexo A. 8 Documentação 8.1 A proposta técnica deve conter os seguintes documentos: a) Folha de Dados do Anexo A devidamente preenchida; b) desenhos dimensionais com vistas laterais, frontal, superior e inferior; c) catálogo do retificador, componentes e acessórios contendo todas as informações e características técnicas; d) relação de peças sobressalentes; e) rede de assistência técnica; f) informação de prazo de garantia, que deve ser de, no mínimo, 1 ano; g) lista de referências de fornecimentos anteriores. 8.2 O equipamento deve ser fornecido com os seguintes documentos: a) certificado de garantia; b) manual de instruções que deve conter: — especificações técnicas para o retificador, bem como para todos os componentes e acessórios solicitados; — desenhos dimensionais com todas as vistas, cortes e detalhes; — esquemas elétricos e eletrônicos; — lista dos componentes, discriminando o fabricante e referência comercial; — procedimentos para armazenamento, instalação, manutenção preventiva e corretiva do retificador; — lista de sobressalentes; c) certificados de todos os testes e ensaios aos quais o retificador foi submetido após afabricação.
  • 10. -PÚBLICO- N-2608 REV. B 12 / 2011 IR 1/1 ÍNDICE DE REVISÕES REV. A Partes Atingidas Descrição da Alteração Todas Revisadas REV. B Partes Atingidas Descrição da Alteração Todas Revisadas