2014
Carlos Souza/Adriana Melo
Coordenação Pedagógica
PROJETO LER E ESCREVER
UM GRANDE PRAZER
(COMPROMISSO DE TODAS AS ÁRE...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 2 de 23
“É preciso que a educação seja mai...
Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas
Secretaria Municipal de Educação
Unidade de Ensino: Escola Municipal Vida Nova
Co...
Sumário
APRESENTAÇÃO.........................................................................................................
JUSTIFICATIVA
Sabe-se que a leitura é algo imprescindível para todos. No entanto, muitos ainda a
encaram como um “bicho de...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 6 de 23
Então, para que isso ocorra de fat...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 7 de 23
uma vez que todos os professores f...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 8 de 23
compreensão e produção são ligadas...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 9 de 23
• Antecipe informações que o autor...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 10 de 23
existe? Na verdade, existe sim, m...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 11 de 23
• Envolver os alunos em atividade...
ESTRATÉGIAS PARA ÁREAS ESPECÍFICAS
Leitura nas aulas de Artes
Uma formação cultural e estética é direito dos alunos e deve...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 13 de 23
Sendo assim, a leitura nas aulas ...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 14 de 23
Obra: Os retirantes, de Cândido P...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 15 de 23
Julgamento:
• Você acha que a obr...
OBJETIVOS
GERAL: Desenvolver habilidades relacionadas à leitura, interpretação e produção de texto
estimulando no educando...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 17 de 23
META:
O projeto tem como meta alc...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 18 de 23
RECURSOS HUMANOS:
Professores de ...
REFERÊNCIAS
SEVERINO, Antônio Joaquim. Filosofia da Educação: Construindo a Cidadania. Ed. FTD,
1994.
Caderno AMAE-Pedagog...
Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas
Secretaria Municipal de Educação
Unidade de Ensino: Escola Municipal Vida Nova
Co...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 21 de 23
EQUIPE 03
COMPONENTES
TÍTULO DO
L...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 22 de 23
EQUIPE 05
COMPONENTES
TÍTULO DO
L...
Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 23 de 23
EQUIPE 07
COMPONENTES
TÍTULO DO
L...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas ARTES

13.533 visualizações

Publicada em

Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas ARTES

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas ARTES

  1. 1. 2014 Carlos Souza/Adriana Melo Coordenação Pedagógica PROJETO LER E ESCREVER UM GRANDE PRAZER (COMPROMISSO DE TODAS AS ÁREAS_ARTES)
  2. 2. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 2 de 23 “É preciso que a educação seja mais significativa, mais prazerosa e o que se aborda faça algum sentido para o educando, seja do seu interesse, satisfaça suas necessidades biopsicossociais e que o prepare para o mundo de hoje.” (Maria Augusta Sanches Rossini)
  3. 3. Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas Secretaria Municipal de Educação Unidade de Ensino: Escola Municipal Vida Nova Coordenação Pedagógica: Carlos Souza/Adriana Melo APRESENTAÇÃO O presente projeto de aprendizagem intitulado “Ler e Escrever um Grande Prazer” tem a pretensão de contribuir para a formação dos alunos da Escola Municipal Vida Nova como sujeitos, leitores, críticos e participativos, capazes de interagirem em sua realidade na condição de cidadãos consciente de sua atuação na sociedade, entendida como pré-condição do exercício pleno da cidadania. A nossa escola sempre se preocupou em desenvolver uma educação verdadeiramente comprometida com o ensino de qualidade para todos. No entanto, nem todos os educandos estão conseguindo concluir o ano letivo desenvolvendo uma leitura fluente e compreendendo aquilo que estão lendo com segurança e autonomia. Creditamos, assim, que a implementação deste projeto vem favorecer significativamente o processo ensino e aprendizagem, visto que, se propõe a colaboração para o estímulo da leitura e escrita no interior do espaço escolar e, consequentemente, melhorar o desempenho (rendimento) dos alunos em outras disciplinas, já que a leitura está inserida em todo o processo de ensino e no dia a dia dos educandos. Envolver os alunos cada vez mais no universo que é a leitura de uma forma prazerosa requer muita disposição e compromisso por parte daqueles que desejam construir uma sociedade mais justa e humana. Entretanto, isso exigirá engajamento profundo de muitos: Professores, alunos, pais e comunidade de modo geral, parceiros nessa luta por uma educação de qualidade para todos segurando assim o que dispõe a lei em vigor (LDB nº 9394/96 art. 32 que visa “O desenvolvimento da capacidade de aprender tendo como meio básico o pleno desenvolvimento da leitura, da escrita e do cálculo”).
  4. 4. Sumário APRESENTAÇÃO.....................................................................................................................................3 JUSTIFICATIVA...................................................................................................................................5 Leitura significativa em todas as áreas ........................................................................................6 ESTRATÉGIAS DE LEITURA ...........................................................................................................8 Como trabalhar com alunos que não sabem ler e escrever ou que têm pouco domínio da leitura e escrita?.................................................................................................................................10 Tabela de sugestões de atividades lectoescritoras .....................................................................11 ESTRATÉGIAS PARA ÁREAS ESPECÍFICAS............................................................................12 Leitura nas aulas de Artes............................................................................................................12 Estágios a serem seguidos para a leitura de uma imagem:...................................................13 A ESCRITA .....................................................................................................................................15 OBJETIVOS........................................................................................................................................16 GERAL:............................................................................................................................................16 ESPECÍFICOS: ..............................................................................................................................16 PÚBLICO ALVO:................................................................................................................................16 META:..................................................................................................................................................17 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:.....................................................................................17 RECURSOS HUMANOS:.................................................................................................................18 AVALIAÇÃO .......................................................................................................................................18 REFERÊNCIAS..................................................................................................................................19 FICHA DE ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES DO PROJETO DE LEITURA E ESCRITA.............................................................................................................................................20
  5. 5. JUSTIFICATIVA Sabe-se que a leitura é algo imprescindível para todos. No entanto, muitos ainda a encaram como um “bicho de sete cabeças”, visto que não conseguem entender, compreender e interpretar o que leem. “Aprender a ler é antes de tudo aprender a ler o mundo, compreender o seu contexto, não numa manipulação mecânica de palavras, mas numa relação dinâmica que vincula linguagem e realidade. Ademais, a aprendizagem da leitura é um ato de educação e educação é um ato profundamente político.” (Antônio Joaquim Severino). Ao observar à afirmação do referido autor, fica claro que não é possível pensar a educação desvinculada da leitura, pois é esta uma ferramenta de suma importância/ indispensável pois compreendemos que através da leitura os educandos terão várias possibilidades de adquirir conhecimento, informação, lazer, cultura e integração social, possibilitando transformações tanto individuais como coletivas. Ademais, a leitura e a escrita são valores importantes para o homem tornar-se cidadão consciente de seu discurso e do poder que tem. Sem esses valores tão indispensáveis nos tornamos seres incapazes de exercer plenamente nossa cidadania. Ao olharmos para o interior de nossa escola, podemos observar que muitos de nossos alunos, leem pouco ou quase nada. Ora, tão importante quanto ler, é compreender o significado do texto lido. Há grande queixa por parte dos Professores dos Anos Finais sobre o desinteresse que muitos alunos expressam quando a atividade envolve a leitura, pois muitos decodificam palavras sem a preocupação de entender realmente o que se está lendo. E isso reflete negativamente no baixo rendimento do aluno e, consequentemente, na qualidade do ensino. O projeto “Ler e Escrever um Grande Prazer” vem com a intenção de proporcionar aos nossos educando condições reais de interação ao mundo letrado, aonde estes venham a descobrir que a leitura traz prazer e emoção aquele que ler. No entanto, não basta apenas se ter a consciência de que a leitura é indispensável à formação do homem, é necessário criar meios para que o ato de ler venha se tornar uma realidade concreta na vida desse indivíduo. Sabemos, assim, que não será uma tarefa fácil. Mas uma luta constante que exigirá esforço e empenho coletivo por parte dos nossos alunos, professores e, pais de nossa instituição os quais, juntamente conosco, estimularão os educandos a se envolver cada vez mais a fim de assegurar, a estes, as condições essenciais para o desenvolvimento e exercício da sua cidadania.
  6. 6. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 6 de 23 Então, para que isso ocorra de fato, é de fundamental importância que a escola se veja como instituição responsável por despertar no aluno o interesse e o prazer pela leitura e mais, que ela seja um exemplo de leitor, isto é, que todos os sujeitos envolvidos no espaço escolar tenham comportamento leitor, para que possam estimular aqueles que ainda não têm tal hábito. É necessário também buscar formas de conscientizar as famílias dos educandos para a importância do ato de ler e quem sabe até, tornar aqueles pais que são indiferentes à leitura, em pais leitores. Portanto estimular alguém a ler exige esforço, requer parcerias e compromisso sério por parte de todos os envolvidos no processo educacional. Para tanto, partiremos de interrogações básicas, tais como: “O que é ler?”, “O que é escrever?”, “O que é um professor (não de Português ou de Matemática, mas no sentido, lato)?”, entre outras. Também pretendemos desmistificar alguns (pré) conceitos utilizados justificar a falta de compromisso com o ensino de leitura e escrita. O professor deve operar na lógica de ajudar o aluno a compreender o que se está trabalhando, independente da área que atua. Por isso, sugerimos algumas sequências didáticas com estratégias de leitura, certamente, já conhecidas por muitos, em todas as áreas, pois na maioria das escolas, o trabalho com leitura, compreensão e interpretação é deixado apenas a cargo dos professores de Língua Portuguesa, por isso, percebeu-se a necessidade de envolver-se nesse contexto, no intuito de propor metodologias de acordo com as necessidades dos professores de todas as disciplinas, objetivando o processo de ensino- aprendizagem significativo por meio da leitura. Leitura significativa em todas as áreas É preciso esclarecer que para a leitura ser significativa, as informações que o aluno encontra no texto precisam contribuir para ampliar seus conhecimentos, seus interesses e atingir seus objetivos. Além disso, os alunos precisam perceber que os textos são uma forma de comunicação e de interação social, torna-se “[...] primordial no ensino da leitura o desenvolvimento da consciência crítica de como a linguagem reflete as relações de poder na sociedade por meio das quais se defrontam leitores e escritores.” (MOITA LOPES, 2002, p. 143). Também, é responsabilidade dos professores incentivar os alunos a criarem o hábito de ler, pois, por meio dessa atividade, os alunos tornam-se capazes de buscar novos conhecimentos, aprimorar os já possuídos, fazer uso desses para compreender a sociedade e interagir nela. Outro ponto importante a ser ressaltado é que a formação de leitores não pode ficar somente a cargo do professor de Língua Portuguesa, mas abranger a todas as disciplinas,
  7. 7. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 7 de 23 uma vez que todos os professores fazem uso da leitura em suas aulas. Além disso, deve-se envolver os bibliotecários, pois precisam tornar o ambiente da biblioteca atrativo e interessante para proporcionar o gosto e o hábito pela leitura. Quanto à questão de como tornar a leitura significativa é importante lembrar que não é uma questão exclusivamente de métodos, é necessário que os professores criem condições para que os alunos desenvolvam o aprendizado, analisando as conexões entre textos e realidade, entre textos e conhecimento de mundo, conhecimento prévio, intertextualidade, ideologias. A leitura significativa requer análise do discurso. Outro ponto que se ressalta é a importância de partir do estudo da realidade no intuito de buscar soluções para que a leitura seja significativa, pois “[...] não podemos esperar que ‘especialistas’ distantes tomem decisões pelos professores” (SMITH, 1997, p. 136), dizendo o que fazer, e o que não fazer. As teorias existem para contribuir e são importantes, no entanto, a análise da realidade é indispensável para que os professores saibam como agir em relação à leitura. Todos os professores, de todas as disciplinas, precisam saber como acontece o processo da leitura significativa, e partir desse conhecimento e da análise de seus alunos para optar por atividades a serem trabalhadas em sala de aula, pois não há um método único a ser desenvolvido para tornar a leitura significativa. A partir do momento em que os professores pensarem em elaborar metodologias de leitura que promovam o crescimento pessoal, possibilitem melhor organização social dos estudantes, e mais elevado nível intelectual, em todas as disciplinas, a leitura será significativa e os conhecimentos relevantes para os alunos. Os alunos precisam saber “[...] localizar a nova informação pela leitura de mundo, e expressá-la, escrevendo para o mundo” (NEVES, 1999, p. 11); sendo assim, uma leitura significativa gera escrita significativa e somente sabemos que um aluno realmente entendeu o que leu quando é capaz de expressar as ideias com suas próprias palavras, seja oral, seja por escrito. Outro ponto a se ressaltar quanto à leitura é que: [...] uma leitura chama o uso de outras fontes de informação, de outras leituras, possibilitando a articulação de outras áreas da escola. Uma leitura remete a diferentes fontes de conhecimentos, da história à matemática. Nesse sentido, leitura e escrita são tarefas fundamentais da escola e, portanto, de todas as áreas. Estudar é ler e escrever. (NEVES, 1999, p. 117) Desse modo, é um compromisso que precisa ser assumido por todos os professores e, também, por todos os alunos diante de todas as disciplinas. Muitas vezes, além dos professores das diversas disciplinas pensarem que as tarefas de leitura, interpretação,
  8. 8. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 8 de 23 compreensão e produção são ligadas à disciplina de Língua Portuguesa, essa ideia também já está internalizada nos alunos, que reclamam quando um professor de outra disciplina se propõe a fazer um trabalho de interpretação. É por isso que os trabalhos com a leitura significativa em todas as disciplinas terão de iniciar com uma conscientização dos professores e dos alunos quanto à importância da leitura, para um trabalho de formação de leitores. Todavia, essa formação de leitores não ocorrerá em curto espaço de tempo, irá se construir ao longo do período em que os alunos permanecerem na escola. Parafraseando Smith (1997), o significado está além das palavras, ou seja, não são as palavras impressas ou oralizadas que dão sentido a um texto, mas sim, o leitor, a partir de seus conhecimentos prévios, de suas informações não visuais, que atribui sentido ao texto ou às palavras que lê. Sendo assim, para tornar a leitura significativa, o professor precisa mostrar aos alunos como ocorre essa formação de sentidos, mediar as interpretações, mostrando as entrelinhas, os subentendidos, as ideologias, contextualizando os textos, e, com o passar do tempo, reduzir a mediação, a fim de que os alunos desenvolvam essa capacidade e interpretem cada vez de forma mais autônoma. ESTRATÉGIAS DE LEITURA O que o professor deve fazer para que os alunos tenham autonomia como leitor em todas as áreas? Em primeiro lugar, o professor não deve sucumbir à tentação de querer contornar as dificuldades de leitura dos alunos fazendo uma espécie de tradução do texto escrito. O aluno tem que aprender a ler sozinho (autonomamente), porque, caso contrário, dependerá sempre do professor ou de outrem para interpretar o que está escrito. Seja no Ensino Fundamental ou no Ensino Médio, as estratégias para ensinar os alunos a serem leitores proficientes são simples e, certamente, já conhecidas pela maioria dos docentes (porém, pouco postas em prática). Elas estão divididas em três períodos: antes, durante e depois da leitura. ANTES • Encaminhe os objetivos da leitura: faça um levantamento do que os alunos já sabem sobre o conteúdo a ser ministrado, isto é, do material que deve ser lido. • Examine o texto como um todo: título, subtítulo, ilustrações, tabelas etc. A partir disso, os alunos depreenderão o tema do texto e construirão expectativas sobre o que será lido.
  9. 9. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 9 de 23 • Antecipe informações que o autor do texto pressupõe que os leitores conheçam, porém que seus alunos talvez ignorem. DURANTE • Encoraje os alunos a inferir o sentido de termos ou expressões cujo sentido ele desconheçam. Porém, atenção: não lhes peça que assinalem as palavras difíceis, porque isso pode lhes tirar a concentração no conteúdo. Simulado: “Madame Natasha confunde Daslu com Telemar e adora CPI. No combate ao caixa dois do idioma, concedeu uma de suas bolsas de estudo ao deputado Osmar Serraglio, pelo seguinte trecho do seu relatório: “Como é de sabença, não incide, aqui, responsabilidade objetiva do chefe maior da nação, simplesmente, por ocupar a cúspide da estrutura do Poder Executivo, o que significaria ser responsabilizado independentemente de ciência ou não. Em sede de responsabilidade subjetiva, não parece que havia dificuldade par que pudesse lobrigar a anormalidade com que a maioria parlamentar se forjava.” Natasha acredita que ele quis dizer o seguinte: ‘Nosso guia’ sabia, mas vocês sabem que essas coisas não devem ser ditas assim.” À medida que a leitura for avançando, ajude os alunos na compreensão global do texto: a idéia principal e as secundárias. Ajude-os a sanar a dificuldade muito comum de estabelecer relações entre as partes do texto. • Chame atenção para os trechos que revelam posição pessoal do autor do texto. • A cada novo texto lido, use truques que ajudam a melhorar a compreensão (sublinhado, anotações etc.). Posteriormente, cada aluno será capaz de escolher o método que mais lhe agrada. • Procure relacionar sempre o conteúdo lido ao conhecimento prévio dos alunos. Com isso, os alunos poderão confirmar informações, ampliar conhecimentos ou reformular conceitos equivocados. Comumente, quando tomam conhecimento de que estudamos línguas indígenas, as pessoas costumam nos perguntar como é tal palavra ou tal expressão na língua Tupi-Guarani. Esse tipo de curiosidade não é problema, aliás, é até previsível. O problema é que nessa pergunta há uma impropriedade de conteúdo que pode ser sanada pela leitura atenta de um texto de História ou Lingüística. É que, na realidade, o nome “Tupi-Guarani” não é adequado, porque nunca existiu uma língua chamada “Tupi-Guarani”, mas sim a língua Tupinambá, a qual foi falada na costa do Brasil do sul ao nordeste. Então, a expressão Tupi-Guarani não
  10. 10. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 10 de 23 existe? Na verdade, existe sim, mas como o nome da família lingüística à qual pertencia a língua Tupinambá. Fazendo uma analogia, assim como não podemos falar em uma língua Português-Espanhol, mas, sim, em línguas Português e Espanhol da família lingüística Latina, também não podemos falar em língua Tupi-Guarani. Falamos, então, na língua Tupinambá que, infelizmente não é mais falada, embora tenha sido usada por três dentre quatro habitantes do Brasil até que o Marquês de Pombal a tornou proibida em todo o Brasil em meados do século XVIII. A propósito, se não fosse a atitude autoritária de Pombal, talvez hoje o Tupinambá fosse uma das línguas nacionais, tal como o é o Guarani (uma outra língua da família Tupi-Guarani) no Paraguai, onde reparte com o Espanhol o papel de língua oficial. DEPOIS • Ajude os alunos a fazer uma síntese do material trabalhado. Use diferentes técnicas de assimilar o conteúdo lido por meio da escrita: fichamento, resumos, etc. • Faça avaliações do que foi lido com os alunos. Procure identificar valores e crenças que possam inspirar uma reflexão sobre o assunto. Com isso os alunos começarão a formar uma opinião própria sobre o assunto lido e a organizar críticas e comentários. • Estabeleça conexões com outros textos, livros ou mesmo filmes. Isto é, estimule os alunos a lerem mais sobre o assunto fora da sala de aula. Eis a grande questão... Como trabalhar com alunos que não sabem ler e escrever ou que têm pouco domínio da leitura e escrita? Há em nossas turmas alunos que, embora conheçam o sistema alfabético, apresentam pouco domínio da leitura e escrita: produzem escritas sem segmentação, têm baixo desempenho na ortografia das palavras de uso constante, elaboram textos sem coesão e coerência, lêem sem fluência, não conseguem recuperar informações durante a leitura de um texto etc. A coordenação pedagógica planejou algumas ações voltadas para o desenvolvimento das aprendizagens necessárias para o avanço desses alunos. No entanto, é fundamental que todos os professores contribuam para que esses sejam incluídos nas atividades que propõem para suas turmas. Para que isso ocorra, é preciso: • Favorecer o acesso ao assunto ou tema tratado nos textos, permitindo que os alunos arrisquem e façam antecipações bastante aproximadas sobre as informações que trazem. • Centrar a leitura na construção de significado, e não na pura decodificação.
  11. 11. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 11 de 23 • Envolver os alunos em atividades em que a leitura seja significativa, despertando-lhes o desejo de aprender a ler. • Organizar trabalhos em grupo para que os alunos participem dos momentos de leitura com colegas mais experientes. • Envolver os alunos em debates orais para que expressem sua opinião sobre os • temas tratados. Deve-se levar em conta que esses alunos precisam ter sucesso em suas aprendizagens para que se desenvolvam pessoalmente e tenham uma imagem positiva de si mesmos. Isso só será alcançado se o professor tornar possível sua inclusão e acreditar que todos podem aprender, mesmo que tenham tempos e ritmos de aprendizagem diferentes. E, como o professor do ciclo II atua com diversas turmas, sugere-se o registro dessas rotinas para cada uma delas, de modo que a organização do trabalho a ser realizado se torne mais visível. No quadro a seguir, por exemplo, o professor pode fazer os registros à medida que for realizando o trabalho com leitura com suas turmas, sem abandonar a diversidade de propósitos de leitura e de abordagem dos textos. Tabela de sugestões de atividades lectoescritoras
  12. 12. ESTRATÉGIAS PARA ÁREAS ESPECÍFICAS Leitura nas aulas de Artes Uma formação cultural e estética é direito dos alunos e dever da escola. Por meio das artes, pode-se conhecer muito sobre a formação da cultura, não somente regional, mas, também de toda a humanidade; o que acontece em muitos casos é que “[...] permanecemos analfabetos no que se refere ao mundo das imagens que fazem parte do acervo simbólico da humanidade e com a qual podemos aprender sobre o nosso passado, entender e transformar o presente e fazer projeções para o futuro.” (NEVES, 1999, p. 21). Pensando nisso, propõe-se uma abordagem triangular para ensino de Artes nas escolas. Essa abordagem ressalta como pontos principais do ensino de Artes o fazer artístico dos alunos, a leitura da obra de arte e a contextualização histórica. A leitura de uma obra de arte não se dá no âmbito de querer adivinhar o que o autor pretendeu representar, ou seja: [...] não é tentar decifrar ou adivinhar de forma isenta o sentido de um texto, mas é, a partir do texto, atribuir-lhe significados relacionando-o com outros textos na busca da sua compreensão, dos seus sentidos e de outras possíveis leituras. [...] transpondo estas ideias para o ensino da arte, podemos dizer que a leitura das imagens tem objetivos semelhantes e abrange a descrição, interpretação, compreensão, decomposição e recomposição para que se possa apreendê-las como um objeto a conhecer. (NEVES, 1999, p. 22). A leitura precisa acontecer de forma séria, com análise detalhada da obra, observando as “entrelinhas”, o que está implícito, conhecendo o contexto histórico, a vida do autor, e ter como apoio leituras anteriormente feitas sobre a obra, para então inferir novo conhecimento e proporcionar nova leitura. Sendo assim, “[...] ler um texto pictórico é adentrar em suas formas, linhas, cores, volumes, e, particularmente, na tentativa de desvendar um código milenar que, muitas vezes, não está explícito.”(NEVES, 1999, p. 22). Contudo, a leitura nas aulas de Artes vai além da leitura de obras conhecidas e de autores famosos, passando para a leitura de todo o universo de imagens presentes dentro e fora da escola e que fazem parte do dia a dia dos alunos, pois: [...] os outdoors, faixas, placas e outras formas de propagandas nas ruas, adesivos em caros, stickers, figurinhas, revistas, jornais e folhetos a que as crianças têm acesso, além das janelas e ícones do computador e todo universo imagético que a internet oferece, são alguns exemplos de imagens, estáticas ou não, que exercem alguma ou muita influência na construção do nosso senso estético. Essas imagens carregam uma quantidade de informação bem maior do que aquela percebida por um olhar desatento. (NEVES, 1999, p. 23).
  13. 13. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 13 de 23 Sendo assim, a leitura nas aulas de Artes é mais ampla, visa a formar alunos que sejam capazes de perceber as intenções expostas e implícitas nas imagens das obras de arte e, também, naquelas presentes no seu dia a dia e compreender como essas imagens influenciam a maneira de ser e agir das pessoas, ou seja, qual o papel das imagens na formação cultural. Portanto, é importante preparar aulas de envolvam as diferentes formas de perceber e ler o mundo pela leitura, tanto da palavra quanto da imagem. Estágios a serem seguidos para a leitura de uma imagem: • Descrição: o aluno deve prestar atenção ao que está vendo e, a partir daí, listar apenas o que está evidente, isto é, tipos de linhas e formas utilizadas pelo autor da imagem, as cores, os elementos etc. São observados ainda: título da obra, nome do artista que a fez, lugar, época, material utilizado, técnica, estilo ou sistema de representação (figurativo, abstrato etc.). • Análise: o aluno deve refletir sobre o comportamento dos elementos entre si, como se influenciam e se relacionam. Por exemplo: os espaços, os volumes, as cores, as texturas e a disposição na obra criam contrastes, semelhanças e combinações diferentes que neste momento serão analisados. • Interpretação: o aluno procura dar sentido ao que observou, tentando identificar sensações e sentimentos experimentados, buscando estabelecer relações entre a imagem e a realidade no sentido de apropriar-se da primeira. • Julgamento: o aluno emite um juízo de valor a respeito da qualidade da imagem, decidindo se ela merece ou não atenção. Exercício de leitura de imagem proposto por Isabel Kehrwald (1998).
  14. 14. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 14 de 23 Obra: Os retirantes, de Cândido Portinari, de 1944, óleo sobre a tela. MASP, São Paulo. Fonte: Mange, Marily Diggs. Arte Brasileira para crianças. São Paulo, Martins Fontes, 1988. Descrição: • O que você está vendo na imagem? • Quantas pessoas está vendo? E que outros elementos? • Existem linhas nesta imagem? Como são elas (lisas, grossas, retas, onduladas)? • Que cores você vê? São claras, escuras, esfumaçadas? • Que efeitos o artista conseguiu? • Qual estilo e técnica da pintura? Análise: • Você identifica movimento na obra? • Há uma figura central? • Como é o fundo? Interpretação: • Que sentimentos a obra motivou? • A realidade expressa na obra é a mesma de hoje? • Se Portinari fosse vivo será que pintaria o mesmo tema? • Que semelhanças e diferenças é possível identificar no ontem da obra e o hoje?
  15. 15. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 15 de 23 Julgamento: • Você acha que a obra é importante? Por quê? • Por que Portinari a pintou? • Por que as pessoas querem ter obra de arte? A ESCRITA O professor deve privilegiar o percurso criativo do aluno desestimulando os modelos prontos para colorir, as folhas mimeografadas ou xerocopiadas e as imagens estereotipadas que empobrecem a manifestação simbólica da criança rumo ao desenvolvimento de sua identidade como sujeito capaz de criar/recriar, participar/transformar. O professor de qualquer área do conhecimento é responsável também pela educação estética dos alunos.
  16. 16. OBJETIVOS GERAL: Desenvolver habilidades relacionadas à leitura, interpretação e produção de texto estimulando no educando o gosto pela leitura e escrita, ampliando o conhecimento linguístico e cultural dos mesmos, contribuindo dessa forma, na formação de valores e para a construção da cidadania. ESPECÍFICOS: 1- Despertar no aluno do 6º ao 9º ano o interesse e o gosto pela leitura e escrita estimulando o hábito diário da leitura. 2- Ampliar o repertório literário dos alunos por meio da leitura diária. 3- Conhecer e identificar textos diversos (literários e não literários) 4- Identificar e relacionar os diversos gêneros literários. 5- Possibilitar um maior contato entre os alunos e o livro. 6- Desenvolver atividades interdisciplinares, dialogando com as mais diversas áreas do conhecimento, levando a percepção de que o desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita é uma atribuição de todos. 7- Possibilitar momentos de integração e interação entre os alunos e professores. 8- Divulgar e criar campanhas para estimular os empréstimos de livros para outros alunos. 9- Elaborar junto com o educando projetos ligados as Matrizes Curriculares da Escola, visando à discussão dos mesmos e a culminância em eventos da Unidade de Ensino: Atividade Cultural e outras apresentações. 10- Direcionar os textos lidos com a vida diária relacionando teoria e prática. 11- Promover momentos de socialização levando o educando a expressar seus sentimentos, experiências, ideias e opções individuais. 12- Proporcionar aos educandos uma diversidade de opção de leitura que possa contribuir para o desenvolvimento da oralidade e da produção textual. 13- Desenvolver o senso crítico a partir dos livros lidos, relidos e da produção textual. PÚBLICO ALVO: Alunos do 6º ao 9º ano.
  17. 17. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 17 de 23 META: O projeto tem como meta alcançar pelo menos 90% dos alunos do Ensino Fundamental Anos Finais, estimulando-os a desenvolver o gosto e o prazer pela leitura através do interesse revelado nos empréstimos, nas frequências e participações das atividades propostas pela sala de leitura. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS1 : As propostas metodológicas do projeto serão desenvolvidas durante o segundo semestre do ano letivo e envolverão as seguintes atividades: • Apresentação e esclarecimento de dúvidas para os alunos sobre o projeto; • Reconhecimento do espaço da biblioteca e dos acervos existentes; • Divisão das turmas em sete ou seis grupos; • Sorteio para apresentação dos grupos; • Cada grupo escolhe um ou vários livros na biblioteca; • O Professor durante as suas aulas na semana viabilizará a apresentação do grupo; • Cada grupo apresenta um livro por semana, de forma oral e escrita (entrega do resumo crítico ou outro gênero selecionado pelo professor2 ); • Após a apresentação do grupo, automaticamente, o mesmo deve escolher outro livro para da mesma forma apresentar cinco ou seis semas depois, de forma continua; • O professor vai avaliar os grupos através de uma ficha, observando a oralidade, a importância da entonação e pontuação para a compreensão do mesmo; Toda a produção escrita deverá ser entregue ao professor tendo como finalidade servir de material de estudos para análise lingüística. OBS: Tais atividades poderão ser programadas para terem sua efetivação nos eventos promovidos pela escola, como o dia do livro, a festa do dia das mães, atividade cultural ou em sala de aula com apresentação para os demais alunos da escola. 1 Será anexado ao projeto material complementar para desenvolvimento das atividades; 2 É importante salientar que estamos em período preparatório para as Olimpíadas de Língua Portuguesa e os gêneros trabalhados serão: poesia, para alunos do 6° ano; memórias literárias para alunos do 7° e 8° ano; crônicas para alunos do 9° ano.
  18. 18. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 18 de 23 RECURSOS HUMANOS: Professores de todas as disciplinas; Alunos e Funcionários; Parcerias com a comunidade de Vida Nova. AVALIAÇÃO Será processual e continuada e ocorrerá ao longo do semestre letivo. Em cada etapa do projeto haverá a avaliação formativa e interacional de todas as atividades realizadas e do nível de envolvimento e interesse dos alunos e professores nas atividades propostas. Serão registrados e discutidos coletivamente os avanços e as dificuldades durante o processo ensino-aprendizagem.
  19. 19. REFERÊNCIAS SEVERINO, Antônio Joaquim. Filosofia da Educação: Construindo a Cidadania. Ed. FTD, 1994. Caderno AMAE-Pedagogia de Projetos. Belo Horizonte: Fundação Amae para educação e cultura. Outubro, 2000. Edição Especial. KEHRWALD, Isabel Petry. Ler e escrever em artes visuais. In: NEVES, Iara C. B. et all (orgs.) Ler e escrever. Compromisso de todas as áreas. 6ª ed. Porto Alegre: UFRGS, 1998. p. 23-33. KLEIMAN, Ângela B. & MORAIS, Silvia E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas, SP: Mercado das Letras,1999. KLEIMAN, Angela. Oficina de leitura: teoria e prática. 8. ed. Campinas: Pontes, 2001. LIBANEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: Políticas estrutura e Organização. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2005. NEVE, Iara Conceição et al. Ler e Escrever. Compromisso de Todas as Áreas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais: Fáceis de Aprender. Revista Nova Escola. Edição Especial. ROSSINI, Maria Augusta Sanches; Aprender tem que ser gostoso...Editora Vozes, 2ª Edição. SMITH, Frank. Leitura significativa. Porto Alegre: Artmed, 1997. SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: ArtMed, 1996. 196 pp. SOARE, Magda. Linguagem e Escola: uma perspectiva social. São Paulo, Ática, 1986. Revista Nova Escola. Ed. Abril. Dez/2005.
  20. 20. Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas Secretaria Municipal de Educação Unidade de Ensino: Escola Municipal Vida Nova Coordenação Pedagógica: Carlos Souza/Adriana Melo FICHA DE ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES DO PROJETO DE LEITURA E ESCRITA EQUIPE 01 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO EQUIPE 02 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO
  21. 21. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 21 de 23 EQUIPE 03 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO EQUIPE 04 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO
  22. 22. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 22 de 23 EQUIPE 05 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO EQUIPE 06 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO
  23. 23. Projeto Ler e Escrever, um grande prazer – Compromisso de todas as áreas Página 23 de 23 EQUIPE 07 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO EQUIPE 08 COMPONENTES TÍTULO DO LIVRO DATA DA APRESENTAÇÃO E ENTREGA DESENVOLVIMENTO DO GRUPO AVALIAÇÃO

×