SlideShare uma empresa Scribd logo

Atomistica Adnaldo.ppt

IFMT - Pontes e Lacerda
IFMT - Pontes e Lacerda
IFMT - Pontes e LacerdaProfessor de Química em IFMT - Pontes e Lacerda

Breve comentário sobre atomística e sua evolução

Atomistica Adnaldo.ppt

1 de 43
Baixar para ler offline
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E
TECNOLOGIA DE MATO GROSSO.
CAMPUS PONTES E LACERDA/
FRONTEIRA OESTE – MT
DEPARTAMENTO DE ENSINO.
Professor: Adnaldo Brilhante
ATOMÍSTICA
Em 430 a.C, Leucipo formula a primeira teoria científica
sobre a composição da matéria.
Em 400 a.C, Demócrito confirma esta teoria de que a matéria é
constituída por partículas minúsculas e indivisíveis:
Átomo
AS PRIMEIRAS IDÉIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA
Leucipo e Demócrito (400 a.C)
A matéria é descontínua e formada por partículas
indivisíveis os átomos.
(A = não ; tomo = parte).
ÁTOMO = não + divisível
Química
Modelo Grego
Modelo proposto por Demócrito:
Toda a matéria é constituída por
átomos e vazio;
O átomo é uma partícula pequeníssima,
invisível e que não pode ser dividida;
Os átomos encontram-se em constante
movimento;
Universo constituído por um número
infinito de átomos, indivisíveis e eternos;
(384 a.C. - 322 a.C.)
Aristóteles acreditava que a matéria
era contínua e composta por:
O Modelo de Demócrito permaneceu na sombra durante
mais de 20 séculos...
Ar
Água
Terra Fogo
Aristóteles rejeita o modelo de Demócrito
LEI DA CONSERVAÇÃO DAS MASSAS
Lavoisier mediu cuidadosamente as massas de um sistema antes e depois de
uma reação em recipientes fechados.
.
Lavoisier constatou que a massa do sistema antes e depois da reação é a
mesma.
"Numa reação química, não ocorre alteração na massa do sistema".
Soma das massas dos REAGENTES = Soma das massas dos PRODUTOS
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Atomistica Adnaldo.ppt (20)

Apresentação1 1 trabalho- para cd
Apresentação1   1 trabalho- para cdApresentação1   1 trabalho- para cd
Apresentação1 1 trabalho- para cd
 
Modelos atômicos
Modelos atômicos Modelos atômicos
Modelos atômicos
 
Histatomo
HistatomoHistatomo
Histatomo
 
AtomíStica
AtomíSticaAtomíStica
AtomíStica
 
MODELOS ATÔMICOS
MODELOS ATÔMICOS MODELOS ATÔMICOS
MODELOS ATÔMICOS
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Super Modelo Atomico
Super Modelo AtomicoSuper Modelo Atomico
Super Modelo Atomico
 
Natureza atômica da matéria - Profº Márcio Bandeira
Natureza atômica da matéria - Profº Márcio BandeiraNatureza atômica da matéria - Profº Márcio Bandeira
Natureza atômica da matéria - Profº Márcio Bandeira
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Átomo
 
Modelo atomico
Modelo atomicoModelo atomico
Modelo atomico
 
www.centroapoio.com - Química - Número Atômico - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Número Atômico - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Número Atômico - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Número Atômico - Vídeo Aula
 
Teoria atômica
Teoria atômicaTeoria atômica
Teoria atômica
 
Estrutura atômica
Estrutura atômica Estrutura atômica
Estrutura atômica
 
Modelos atomicos
Modelos atomicos Modelos atomicos
Modelos atomicos
 
Modelos atômicos
Modelos atômicosModelos atômicos
Modelos atômicos
 
Quimica organica
Quimica organicaQuimica organica
Quimica organica
 
1 evolucao modelos-atomicos
1   evolucao modelos-atomicos1   evolucao modelos-atomicos
1 evolucao modelos-atomicos
 
Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016Modelos atômicos 2016
Modelos atômicos 2016
 
Modelosatmicos 2016-160819122727
Modelosatmicos 2016-160819122727Modelosatmicos 2016-160819122727
Modelosatmicos 2016-160819122727
 
Modelos atômicos 2013 coc
Modelos  atômicos 2013   cocModelos  atômicos 2013   coc
Modelos atômicos 2013 coc
 

Mais de IFMT - Pontes e Lacerda

Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosAula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosIFMT - Pontes e Lacerda
 
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco VarelaEpistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco VarelaIFMT - Pontes e Lacerda
 
Produção de conhaque de ameixa europeia
Produção de conhaque de ameixa europeiaProdução de conhaque de ameixa europeia
Produção de conhaque de ameixa europeiaIFMT - Pontes e Lacerda
 
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteína
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteínaSequenciamento e métodos em metabolômica de proteína
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteínaIFMT - Pontes e Lacerda
 
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael Abalos
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael AbalosGrimpow o eleito dos templarios - Rafael Abalos
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael AbalosIFMT - Pontes e Lacerda
 

Mais de IFMT - Pontes e Lacerda (20)

Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
percepção ambiental.ppt
percepção ambiental.pptpercepção ambiental.ppt
percepção ambiental.ppt
 
Introdução a Cromatografia.ppt
Introdução a Cromatografia.pptIntrodução a Cromatografia.ppt
Introdução a Cromatografia.ppt
 
caracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.pptcaracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.ppt
 
Águas e Efluentes.ppt
Águas e Efluentes.pptÁguas e Efluentes.ppt
Águas e Efluentes.ppt
 
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicosAula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
Aula de reatividade, toxicologia e incompatibilidade de produtos quimicos
 
Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05
 
Negros nas hqs parte 04
Negros nas hqs parte 04Negros nas hqs parte 04
Negros nas hqs parte 04
 
Negros nas hqs parte 03
Negros nas hqs parte 03Negros nas hqs parte 03
Negros nas hqs parte 03
 
Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02Negros nas hqs parte 02
Negros nas hqs parte 02
 
Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01
 
Epistemologia de Stephen Toulmin
Epistemologia de Stephen ToulminEpistemologia de Stephen Toulmin
Epistemologia de Stephen Toulmin
 
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco VarelaEpistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
Epistemologia da Ciencia de Huberto Maturana e Francisco Varela
 
A ciência tem cor
A ciência tem corA ciência tem cor
A ciência tem cor
 
My family
My familyMy family
My family
 
Produção de conhaque de ameixa europeia
Produção de conhaque de ameixa europeiaProdução de conhaque de ameixa europeia
Produção de conhaque de ameixa europeia
 
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteína
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteínaSequenciamento e métodos em metabolômica de proteína
Sequenciamento e métodos em metabolômica de proteína
 
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael Abalos
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael AbalosGrimpow o eleito dos templarios - Rafael Abalos
Grimpow o eleito dos templarios - Rafael Abalos
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Decantanção e separação
Decantanção e separaçãoDecantanção e separação
Decantanção e separação
 

Último

Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptx
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptxTEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptx
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptxAssisTeixeira2
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...Colaborar Educacional
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)Adriano De Souza Sobrenome
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfPedroGual4
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...excellenceeducaciona
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 

Último (20)

Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptx
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptxTEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptx
TEMPLATE relatório de praticas por aluno.pptx
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
A extensão universitária do curso de Ciências Contábeis, por meio do Programa...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
RUGAS: MARCAS DE EXPRESSÃO DA VIDA (UM ULTIMATO SOBRE O TEMPO!)
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdfQ20 - Reações fotoquímicas.pdf
Q20 - Reações fotoquímicas.pdf
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
As relações entre empregador e empregado passaram por diversas transformações...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
MAPA - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 

Atomistica Adnaldo.ppt

  • 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO. CAMPUS PONTES E LACERDA/ FRONTEIRA OESTE – MT DEPARTAMENTO DE ENSINO. Professor: Adnaldo Brilhante ATOMÍSTICA
  • 2. Em 430 a.C, Leucipo formula a primeira teoria científica sobre a composição da matéria. Em 400 a.C, Demócrito confirma esta teoria de que a matéria é constituída por partículas minúsculas e indivisíveis: Átomo AS PRIMEIRAS IDÉIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA
  • 3. Leucipo e Demócrito (400 a.C) A matéria é descontínua e formada por partículas indivisíveis os átomos. (A = não ; tomo = parte). ÁTOMO = não + divisível Química Modelo Grego
  • 4. Modelo proposto por Demócrito: Toda a matéria é constituída por átomos e vazio; O átomo é uma partícula pequeníssima, invisível e que não pode ser dividida; Os átomos encontram-se em constante movimento; Universo constituído por um número infinito de átomos, indivisíveis e eternos;
  • 5. (384 a.C. - 322 a.C.) Aristóteles acreditava que a matéria era contínua e composta por: O Modelo de Demócrito permaneceu na sombra durante mais de 20 séculos... Ar Água Terra Fogo Aristóteles rejeita o modelo de Demócrito
  • 6. LEI DA CONSERVAÇÃO DAS MASSAS Lavoisier mediu cuidadosamente as massas de um sistema antes e depois de uma reação em recipientes fechados. . Lavoisier constatou que a massa do sistema antes e depois da reação é a mesma. "Numa reação química, não ocorre alteração na massa do sistema". Soma das massas dos REAGENTES = Soma das massas dos PRODUTOS
  • 7. Química  Esfera maciça;  Indivisível;  Indestrutível;  Imperecível;  Sem carga elétrica; Modelo de Dalton •“Bola De Bilhar” Baseado nas “Leis Ponderais” (1808) John Dalton
  • 8. JOHN DALTON 1803 Química “Bola de bilhar Modelo de Dalton
  • 9. A matéria é constituída de diminutas partículas amontoadas como laranjas. Para DALTON
  • 10. JOHN DALTON Com base em estudos de outros cientistas, anteriores a ele, criou um modelo de átomo onde pregava as seguintes idéias:  toda matéria é composta por átomos;  os átomos são indivisíveis;  os átomos não se transformam uns nos outros;  os átomos não podem ser criados nem destruídos;  os elementos químicos são formados por átomos simples;  os átomos de determinado elemento são idênticos entre si em tamanho, forma, massa e demais propriedades;  átomos de elementos diferentes são diferentes entre si;
  • 11.  toda reação química consiste na união ou separação de átomos;  átomos iguais entre si se repelem e átomos diferentes se atraem;  substâncias compostas são formadas por átomos compostos (as atuais moléculas);  átomos compostos são formados a partir de elementos diferentes, em uma relação numérica simples.
  • 13. Fenômenos elétricos Radioatividade Descargas elétricas em gases a baixa pressão Química
  • 14. William Crooques (1886) Criou o tubo de raios catódicos (tubo c/ gás em baixas pressões e voltagem elevadíssima) que deu um impulso ao estudo atômico e possibilitou a descoberta do ELÉTRON (e-)
  • 15. J. J. THOMSON (1856 - 1940)
  • 16. JOSEPH JOHN THOMSON Em 1896, na Universidade de Princeton, numa série de conferências aborda os fenômenos produzidos pelas descargas elétricas nos gases. Seus estudos sobre as descargas através desses gases tinham conduzido à descoberta de uma radiação que emanava do tubo de descarga, propagava-se em linha reta, era detida por um obstáculo fino e transmitia um impulso aos corpos contra os quais se lançava. Foram chamados de raios porque se propagavam em linha reta, e católicos porque pareciam emanar do cátodo da descarga elétrica.
  • 17. OS RAIOS CATÓDICOS No interior do tubo existe gás submetido a uma descarga elétrica superior a 10 000 volts. Do cátodo parte um fluxo de elétrons denominado raios catódicos.
  • 18. Os raios catódicos Os raios catódicos, quando incidem sobre um anteparo, produzem uma sombra na parede oposta do tubo, permitindo concluir que se propagam em linha reta.
  • 19. OS RAIOS CATÓDICOS Os raios catódicos movimentam um molinete ou catavento de mica, permitindo concluir que são dotados de massa.
  • 20. Os raios catódicos são desviados por um campo de carga elétrica positiva, permitindo concluir que são dotados de carga elétrica negativa. Os raios catódicos
  • 22. Sendo os raios catódicos um fluxo de elétrons, podemos concluir finalmente que: - os elétrons se propagam em linha reta, - os elétrons possuem massa (são corpusculares) e - os elétrons possuem carga elétrica de natureza negativa. Química
  • 23. DESCOBERTA DOS PRÓTONS: (EUGEN GOLDSTEIN) No interior da ampola de descarga em gases rarefeitos é colocado um cátodo perfurado. Do cátodo perfurado partem os elétrons ou raios catódicos (representados em vermelho), que se chocam com as moléculas do gás (em azul claro) contido no interior do tubo. Com o choque, as moléculas do gás perdem um ou mais elétrons, originando íons positivos (em azul escuro) que repelidos pelo ânodo, são atraídos pelo cátodo, atravessam os furos e colidem com a parede do tubo de vidro, enquanto os elétrons são atraídos pelo ânodo e ao colidirem com a parede de vidro do tubo produzem fluorescência.
  • 24. No interior da ampola de descarga em gases rarefeitos é colocado um cátodo perfurado. Química Do cátodo perfurado partem os elétrons catódicos (representados em vermelho), que se chocam com as moléculas do gás (em azul claro) no interior do tubo.
  • 25. Com o choque, as moléculas do gás perdem um ou mais elétrons, originando íons positivos (em azul escuro), que repelidos pelo ânodo, são atraídos pelo cátodo. Química
  • 26. Os íons positivos atravessam os furos e colidem com a parede do tubo de vidro, enquanto os elétrons são atraídos pelo ânodo e ao colidirem com a parede de vidro do tubo produzem fluorescência. Os raios canais são, na realidade, prótons.
  • 27.  Esfera maciça;  Divisível;  Indestrutível;  Imperecível;  Com carga elétrica; Modelo de Thomson Experiências com “Raios Catódicos” (1903) •“Pudim de passas” Esfera positiva Modelo de Thomson J.J.Thomson
  • 30. Modelo de Rutherford Experiência da “Lâmina de ouro” (1911)
  • 31. Modelo de Rutherford Experiência da “Lâmina de ouro” (1911) Modelo de Rutherford
  • 32. Experiência da “Lâmina de ouro”  Núcleo e eletrosfera  Planetas em volta do sol Núcleo pequeno e denso •“Planetário” Eletrosfera de 10.000 à 100.000 vezes maior que o núcleo e vazia. Modelo de Rutherford Modelo de Rutherford Ernest Rutherford
  • 33. Modelo de Rutherford ÁTOMO QUANTIZADO • Elétron como partícula/onda (dualidade); • Elaborado por uma cúpula de cientistas; • Elétrons situados em regiões prováveis da eletrosfera (orbitais) (Heisenberg/incerteza); • Importante é a energia dos e-; • Quantizado.
  • 34. Modelo de Bohr K L M N O P Q ) ) ) ) ) ) ) Núcleo Eletrosfera Efeito Fotoelétrico ) ) ) Fóton “Modelo com Níveis de energia” (1913) Modelo de Bohr Niels Bohr
  • 35. Niels Bohr (1913) • Elétrons em órbitas constantes (Camadas ou níveis e subníveis) • Cada nível tem um valor de energia (quanto+afastado do núcleo>a energia e-) • Elétrons s/ alteração espontânea de níveis; • Um e- só muda de camada por aumento (excitação) ou diminuição de energia do mesmo (emissão de luz ou UV); • A diminuição de energia de um e- se dá de forma descontínua(Quântun/fóton);
  • 36. Em 1916 , Linus Pauling elaborou um diagrama representativo da ordem crescente de energia dos níveis e subníveis de energia dos elétrons de um átomo. •Elevada estabilidade nuclear.
  • 37. 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 4d10 4f14 5s2 5p6 5d10 5f14 6s2 6p6 6d10 7s2 7p6 Os nºs grandes são a camada (1,2,3,4,5,6,7 ou K,L,M,N,O,P,K) As letras são os subníveis (s,p,d,f ou 0,1,2,3) Os nºs pequenos são nºs de e- nos subníveis. Diagrama de Linnus Pauling (P/ conhecermos a energia dos e- dos átomos )
  • 38. • P/ fazer a distribuição eletrônica de um íon , retira-se ou acrescenta-se os elétrons na última camada / nível, também chamada de camada de valência. Se a”CV” tiver subníveis,retira-se e- do + energético. • Átomos no “estado fundamental” têm os e- com menor energia.(configuração normal) • Átomos excitados possuem configuração  do estado fundamental. • Íons têm sobra ou falta de e- em relação ao átomo neutro.
  • 39. • Configuração e orbitais e- buscam orbitais vazios c/spin = (Hund) • Configuração e n° magnético • Orbitais e spin Num átomo 2e- nunca terão os 4 n°s quânticos iguais (Pauli) • Configurações irregulares
  • 40. Número Quântico Enquanto o “n” de 1 a 7 me dizer O número quântico principal Mostrando o nível legal O “L” me mostra com s,p,d,f, O subnível orbitário Do número quântico secundário Estudando coisa pra chuchu O “m” é o número magneticú Vou mostrar , Que com o Spin –1/2 O orbital não está cheio
  • 41. OUTROS COLABORADORES P/ O DESENVOLVIMENTO DO MODELO ATÔMICO •1924 – Luis de Broglie –”O e- se comporta como partícula e onda (dualidade). •1926 –Schrodinger,princípio da incerteza; •1931 – Dirac confirmou existência das anti partículas abrindo caminho p/ estudos no campo do teletransporte , holografia , computadores quânticos , supercondutores , e outros ... •1937 – Confirmação de mais 8 partículas subatômicas .
  • 42. Fórmulas importantes • Cavendish relacionou a frequência (f) de onda emitida por um átomo excitado e o seu tamanho (Z). f=3/4R (Z-1)2 • Relação entre comprimento de onda (), (f) , e velocidade de propagação ()  = . f • Relação entre massa de uma partícula, sua  e  (comportando-se como onda).  = h / m.  • Energia de um e- emitido (fóton) E = h.f
  • 43. Química Modelo de Bohr Salto Quântico