Texto 1 e 2

85 visualizações

Publicada em

TEXTOS SOBRE PROFESSOR

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
85
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto 1 e 2

  1. 1. Paiestra de António Nóvoa professor
  2. 2. Nada substitui o bom professor 0 meu último livro, que foi bastante polêmico em Portugal, tem um título enigmático: "Evidentementef. 0 ponto final no titulo e' importante. E o título tem muitas razões, porque há várias maneiras de se desconstruir a palavra. Mas a razão principal e a critica à maneira como se discute a educação hoje em dia. Em particular, como se discute a educação na midia, como certos intelectuais, que aliás re- conhecemos como pessoas prestigiadas, dizem tanta banalidade, tanta coisa falsa sobre a educação. A maneira como se intervém publicamente nos debates sobre a educação e pobre atualmente. Então, escolhi o titulo para dizer: tudo que e evidente, mente. Isto e, há uma evidência nos debates educativos, Todos parecem ter soluções para questões educativas. Os professores, enquanto pessoas preocu- padas com a educação, precisam fazer um exercício de grande humildade. Estou cansado de tanta certeza, tantos dogmas, tantos escritos no jornal, tantas coisas ditas na televisão, e ditas muitas vezes por pessoas de referencia nas suas áreas respectivas, muitas vezes na política, nas ciências, na arte, mas que quando falam de educação parecem esquecer tudo e dizem coisas sem sentido. Como se, de repente, todas as soluções consistissem em regressar a uma mítica escola de 3D, 40 ou 50 anos atrás. Escola que, aliás, nunca existiu, mas que as pessoas mitiñcam. Abordarei aqui tres dilemas. Dilema é qualquer coisa que não tem uma resposta boa ou má. Não há uma resposta certa ou erraÍlaÍÊ uma dúvida, uma hesitação. Dilemas são coisas que podem ser argumentadas num sentido e em outro, são decisões que só conseguimos ponderar através do conhecimento, mas também através dos nossos valores. Portanto, o que sugiro como dilemas e a maneira como os entendo poderia ter outras respostas na análise de outras pessoas.
  3. 3. Escola centrada no aluno ou na aprendizagem? O primeiro dilema é: a escola centrada no aluno ou na aprendizagem. ? É um dilema muito impor- tante, porque todos nõs partilharemos a ideia de que a escola deve estar centrada no aluno. Mas vou defender aqui a escola centrada na aprendizagem. No meu último livro, faço urna critica ao que chamo de "transbordamento da escola". Há hoje [na escola] um excesso de missões. A sociedade foi lançando para dentro da escola muitas tarefas - que foram aos poucos apropriadas pelos professores com grande generosidade, com grande voluntarismo -, o que tem levado em muitos casos a um excesso de dispersão, à dificuldade de defi- nir prioridades, como se tudo fosse importante. Muitas das nossas escolas são instituições distraídas, dispersivas, incapazes de um foco, de deñnir estrategias claras. E quando se enuncia cada uma dessas missões ninguem ousa dizer que não são importantes. Mas a pergunta que se deve fazer e: a escola pode fazer tudo? É preciso combater esse "transbordamento". Tudo e' importante, desde que não se esqueça que a prioridade primeira dos docentes e' a aprendizagem dos alunos. A pedagogia tradicional era baseada nos conhecimentos e na transmissão dos conhecimentos. A grande ruptura provocada pela pedagogia moderna foi colocar os alunos no centro do sis- tema. Mas a pedagogia moderna precisa ser reinventada na sociedade contemporânea. Não se trata de centrar na escola nem nos conhecimentos, como advogava a pedagogia tradicional, nem nos alunos, como advogava a pedagogia moderna, mas, sim, na aprendizagem. É evidente que a aprendizagem implica alunos. A aprendizagem implica uma pessoa, um aluno concreto, implica o seu desenvolvimento, o seu bem-estar. Mas uma coisa é dizer que nosso objetivo está centrado no aluno e outra coisa na aprendizagem do aluno. E definirmos isso como nossa prioridade no trabalho dentro das escolas. A aprendizagem necessita também dos conhecimentos. E os conhecimentos, e preciso reconhecer, durante algum tempo foram uma especie de paradigma ausente de muitas práticas pedagógicas. A melhor expressão que deñne isso e "aprender a aprender", a ideia de que se poderia aprender num vazio de conhecimentos. É preciso insistir na ideia de centrar o foco na aprendizagem e que essa aprendizagem implica em alunos e conhecimentos. Ela não se faz sem pessoas e uma referencia às suas subjetividades, sem referências aos seus contextos sociais, suas sociabilídades. Mas ela também não se faz sem conhecimentos e sem a aprendizagem desses conhecimentos, sem o dominio das 6
  4. 4. ferramentas do saber que são essenciais para as sociedades do século XXI, que todos querem ver definidas como sociedades do conhecimento. É necessário enriquecer a aprendizagem com as ciências mais estimulantes do seculo XXl. A peda- gogia e o trabalho do professor estão ainda muito fechados nas psicologias do desenvolvimento, nas psicologias de Piaget, em certas socêologias do seculo XX. A pedagogia precisa respirar. Os profes- sores precisam se apropriar de um conjunto de novas áreas çientiñcas que são muito mais estimulantes das que serviram de base e fundamento para a pedagogia moderna. Como, por exemplo_ todas as descobertas das neurociências, sobre o funcionamento do cérebro, as questões dos sentimentos e da aprendizagem_ sobre a maneira de produzir a memória, sobre as questões da consciência. Trata-se de um conjunto de temas que temos integrado mal à pedagogia. Falo da psicologia cognitiva, das teo- rias da complexidade - que dizem, contrariamente às nossas convicções, que nem sempre se aprende . .___________ de maneira linear, nem sem re se aprende do mais sim les ara o mais dificil, do mais concreto ara o mais abstrato gue aprendizagem é de uma enorme complexidad_e. A profissão docente está ainda muito prisioneira da pedagogia moderna, fundamentada nas ciências psicológicas e sociológicas do século XX, não consegue se enriquecer com os contributos, que são, no século XXI, os mais interes- santes das ciências contemporâneas. Defendo hoje uma escola centrada na aprendizagem. Defendo mais: uma separação, dificil de se fazer na realidade, entre o conceito de escola e o conceito de espaço publico da educação. Esses conceitos estão neste momento confundidos. A educação e' feita na escola, formal e informal, a educação escolar e não-escolar, as atividades livres, lúdicas, tempos livres. Há uma grande confusão. porque a escola "transbordou", assumiu muitas missões, de tal maneira que os dois conceitos estão hoje quase confundidos. Sempre que surge um novo problema, é votada uma nova Iei no parlamento e esse problema e' lançado para dentro da escola. Em Portugal, por exemplo, houve dois grandes debates recentes, um sobre os problemas das epidemias, em particular a gripe das aves, e outro sobre os problemas do terrorismo global. A maneira como a sociedade portuguesa resolveu esses problemas foi introduzindo no currículo das escolas esses dois componentes e lançando para dentro da escola o essencial de resolução desses dois problemas. Passa a ser problema da escola. Ao defender uma escola centrada na aprendizagem, defendo uma escola menos "transbordante", mais direcionada e que permita o espaço público da educação respirar.
  5. 5. No espaço público tem que haver mais responsabilidade das famílias, das comunidades locais, dos grupos culturais, das empresas, das diversas igrejas. entidades cientificas etc. Só é possível defender uma escola centrada na aprendizagem se defendermos o reforço desse espaço público da educação, onde se possa exercer um conjunto de atividades que estão jogadas para dentro das escolas. Édifícil colocar isso em prática, mas sugiro [isso] como meta para o futuro, como direção das politicas edu- cativas, da prática docente e das instituições que se ocupam do debate educativo. A escola centrada na aprendizagem tem que saber fazer, inevitavelmente, três coisas, entre muitas outras. A primeira foi o grande debate frances dos últimos dois anos, baseado na ideia de um pa_t_a_- mar comum de conhecimentos. Os franceses deram o titulo a sua nova reforma de "fazer com que todos os alunos tenham verdadeiramente sucesso". A chave dessa reforma são as palavras "todos" e "verdadeiramente". Isto e, não se pode continuar a apregoar, como se tem feito nos últimos cem anos, uma escola unica, obrigatória, inclusiva, que no fundo está permanentemente a excluir. É importante que as crianças saiam da escola com um patamar comum de conhecimentos. Mas será isso possível? Sim, se os professores mudarem suas práticas e identidades profissionais. Durante muito tempo nas escolas normais fo¡ ensinado que numa turma há sempre um terço de crianças boas, um terço de crianças "assim assim" e um terço de crianças más. Portanto, um terço estava condenado ao insucesso inevitavelmente. Isto e impossivel de aceitar dentro de um processo de inclusão. A ideia de que se pode alcançar um patamar comum de conhecimentos, que se pode atingir verdadeiramente sucesso, deve ser uma exigência dos docentes, e uma exigência civilizatória conseguir isso. Não se consegue isso por várias razões históricas, de resignação ou por questões de identidade da profissão. Falar de um patamar comum de conhecimentos e' também falar de um compromisso ético dos professores, compromisso ético com esse sucesso. E os professores muitas vezes, infelizmente, não tiveram esse compromisso ético. Ainda hoje em Portugal, a proñssão de professor muitas vezes reconhece como os melhores aqueles que reprovam mais alunos. Cabe falar também da importância dos resulta- dos escolares. Não há patamar comum de conhecimento se não houver a avaliação dos resultados escolares. Uma escola centrada na aprendizagem é aquela que o professor dá a melhor atenção aos resultados escolares dos alunos. É também uma escola capaz de colocar em prática mecanismos de diferenciação pedagógica_ a des- coberta mais importante da pedagogia moderna, feita no principio do seculo XX, quando se saiu da ideia da pedagogia simultânea, que era a pedagogia tradicional mais básica, isto e, tratar todos os alunos como se fossem um só, como uma massa uniforme, e passar a dizer que é preciso que cada 8
  6. 6. 2° dilema Escola como comunidade ou Escola como sociedade? aluno receba um tratamento diferenciado, especifico. Mas as práticas dos professores continuam a ser excessivamente homogêneas e uniformes, e a considerarem pouco a capacidade de diferenciação pedagógica. isso porque muitas vezes os professores tem dificuldade em recorrer ao elemento cen- tral da diferenciação pedagógica: a possibilidade (grifo do autor) do trabalho em cooperação dos alunos dentro da sala de aula. Se não houver o trabalho de cooperação entre os alunos mais e menos avançados, entre os alunos que tem maior predisposição para certas disciplinas e os que tem para outras, enfim, se não houver a possibilidade do professor não ser o único ensinante dentro da sala de aula, é impossivel conseguir práticas de diferenciação pedagógica. A experiencia da Escola da Ponte, em Portugal, que tem sido muito divulgada no Brasil, e um exemplo do trabalho de diferenciação pedagógica. Na sala de aula, o professor é mais um organizador das diversas situações de aprendi- zagem. Trata-se de uma escola extraordinariamente focada na aprendizagem.
  7. 7. Por fim, uma escola focada na aprendizagem deve ser um local onde as crianças aprendem a estudar, a rendem a trab ar. Hoje há um déficit claro: nossas crianças aprendem pouco a estudar e a trabalhar. É um problema que se pode veriñcar nos países do sul da Europa, nas escolas portuguesas, italianas, gregas, em parte das francesas, e também nos paises da America do Sul, diferentemente do que se vê nos países do norte da Europa, cujas escolas estão bastante focadas na a rendiza em estudo, do trabalho, do trabalho autônomo, em no lho coo erativo. É central dispormos dessas ferramen as, principalmente quando se discute a importância da aprendizagem por toda a vida. Escola como comunidade ou como sociedade? 0 segundo dilema e' talvez o mais dificil, pois é o que traz muitos equívocos: escola como comunidade ou como sociedade? A palavra comunidade e' dificilima, porque e de um enorme equívoco, e vista para muitas coisas e utilizadas de modos diferentes. E uma palavra que tem um conceito essencial- mente positivo junto aos educadores. Mas há também alguns aspectos negativos. 0 problema da comunitarização da escola tem levado a um debate muito difícil que atravessa cor- rentes que vão praticamente da extrema direita à extrema esquerda, do ponto de vista ideológico. A ideia de que as comunidades têm o direito de impor os seus valores, suas crenças, seus principios a um determinado programa de educação. E isto leva a certas caricaturas extremas. Por exemplo, há comunidades religiosas nos EUA, muito poderosas, que se recusam terminantemente que seus ñlhos aprendam na escola um conjunto de matérias que fazem parte do nosso patrimônio cultural. Existe uma Iei nos EUA que lhes dá esse direito. Oral Ensinar, educar é justamente ir alem das frontei- ras que a criança vive, respeitando as origens, mas indo além. Por isso, essa agenda comunitarista é, na minha visão, muito perigosa. Outra caricatura grave - que vai contra o fundamento da escola pública, tal como ela se desenvolveu a partir do seculo XIX - e a idéia de que as crianças e jovens devem ser ensinados em casa. Hoje em dia dois milhões de crianças norte-americanas não vão à escola. São ensinadas em casa. E o argumento e evitar o contato com outros grupos outras ra as evitar ue a rendam coisas que não deviam, garantir ue sejam educadas nos valores das familias etc. Está a se criar nos EUA, mas não só lã, um sistema educativo paralelo, baseado no argumento comunitário e de preservação dessas comunidades. Outra caricatura é uma escola de Nova York que aceita apenas jovens de tendencia homossexual. A ideia e de que e' preciso proteger essesjovens de um conjunto de coisas a que estariam sujeitos nas 10
  8. 8. escolas normais. Para mim, tudo que esteja a fechar as crianças, por uma ou outra razão, fechar em comunidades onde as fronteiras estão muito deñnidas, e' um erro. É um dilema que tera de ser enfrentado no futuro dentro das discussões sobre as politicas públicas de educação. As políticas de privatização e liberalização do ensino, a ideia de que não se deve ñnanciar as escolas e, sim, os pais, e eles colocam as crianças na escola em que quiserem, vai certamente arrastar esse principio de que cada grupo social vai ter a sua própria escola, que vai ser mais disciplinada, mais coeren- te, mais ordeira, mas vai ser uma escola infinitamente mais pobre [do que] onde há um diálogo entre vários grupos. Defendo _aescola muito mais como sociedade do que [como] comunidade. Uma sociedade e qualquer coisa que tem regras. Só se pode viverem sociedade com regras. Em comunidades, no limite, e possível viver sem regras, a partir de tradições, ligações simbólicas. Citando Philippe Meirieu, muito dos jovens que designamos como problemáticos, pré-delinqüentes tem comunidade a mais. Muitas vezes estão inseridos em gangues, onde ha' uma enorme solidarie- dade, onde há uma liderança carismática. A escola tem que dar a esses jovens mais sociedade, mais regras de vida em comum, mais regras do diálogo, de vida em sociedade. A escola deve ser mais critica a essa comunitarização. lsso se faz com a escola como sociedade e não como comunidade. Segundo Philippe Meirieu, "e preciso que as crianças se sintam suñcientemente semelhantes para 1/ poderem falar umas com as outras e suñcientemente diferentes para terem qualquer coisa a dize- j rem umas às outras". Escola como serviço ou como instituição? O terceiro dilema e: a escola como serviço ou como instituição? Grande parte dos debates e das politicas educativas hoje tende a ver a escola como um serviço que se presta às familias, às crianças, menos como uma instituição. O que e mais grave: a agenda comunitarista por um lado, a agenda liberal por outro e ainda a agenda da privatização tendem a ver a escola como um serviço que se presta a alguém e não como um lugar onde se se institui a sociedade, a cultura, onde nos instituimos como pessoas, onde nos instituímos dos nossos direitos próprios, e conseguirmos, a partir dai, criar uma palavra livre, autônoma nas sociedades contemporâneas. É preciso recusar todas as tendencias que apontam a escola como um serviço e afirma-la como uma instituição. Em torno dos três dilemas, que resolvo pelo lado da aprendizagem, da sociedade e da instituição, e que se pode configurar uma nova identidade profissional. É nesse tripe' que deve estar baseada i1
  9. 9. a identidade do professor. É a partir dele que se configura um conjunto de desafios a serem enfrentados pelos docentes nos próximos anos. Esse tripe' e que define verdadeiramente a possi- bilidade de uma escola baseada na inclusão. Na sociedade do conhecimento, só há uma maneira de incluir: é conseguir que as crianças adquiram o conhecimento. A pior discriminação, a pior forma de exclusão é deixar a criança sair da escola sem ter adquirido nenhuma aprendizagem, nenhum conhecimento, sem as ferramentas minimas para se integrar e participar ativamente das sociedades do conhecimento. Depois de ter feito muitos estudos sobre vários países em todo mundo, percebo que há uma tendencia terrivel: escolas para os meninos ricos centradas na aprendizagem e escolas para os meninos pobres centradas em tarefas sociais e assistenciais. Essa divisão, que tem aumentado nos últimos anos, configura a possibilidade de duas escolas diferentes para dois mundos sociais diferentes. Aceitar isso seria, definitivamente, o fim do programa historico da escola pública, o fim de tudo aquilo que tentamos construir nos últimos 150 anos. Se não formos capazes de reverter esse ciclo, prestaremos o pior serviço possível as causas da inclusão e às causas dos mais desfavorecidos. Paradoxos da profissão docente Ha um paradoxo entre o excesso das missões da escola, o _excesso de pedidos gue a sociedade nos faz e, ao mesmo tempo, uma cada vez maior fragilidade do estatuto docente. Os professores tem perdido presti io, a profissão docente é mais frágil hoje do que era há alguns anos. Eis um enorme paradoxo. Como e' possível a escola nos pedir tantas coisas, atribuir-nos tantas missões e, ao mesmo __. ._§______________ tempo, fragilizar nosso estatuto profissional. É também um paradoxo a glorificação da sociedade do conhecimento em contraste com o despres- tigio com que são tratados os professores. Como se por um lado achássemos que tudo se resolve dentro das escolas e. por outro. achássemos que quem está nas escolas são os profissionais razoavel- mente nggggçres, que não recisam de rande forma ão rande ' ' riais ue uai uer coisa serve para ser professor. E por fim há um outro paradoxo entre a retórica do professor reflexivo e, ao mesmo tempo, a inexis- tência de condições de trabalho concretas - desde condições de tempo, a materia-prima mais 12
  10. 10. importante da reflexão - e desenvolvimento proñssional que possam, de fato, alimentar a ideia do professor reflexivo. São paradoxos que precisamos saber ultrapassar e, para isso, e importante a mobilização, o combate coletivo dos professores. Desafios para o futuro 0 primeiro desafio e a ideia de uma melhor organização da profissão. Os modelos de organização dos professores, e em particular muitos dos modelos sindicais - falo da Europa, que conheço melhor -. não tem sido capazes de atender aos grandes debates da profissão e aos grandes debates da escola. Isto e_ eles não se renovaram suficientemente ao longo dos últimos 30 ou 40 anos. Ficaram um pouco prisioneiros de um combate num piano mais macro, que e um plano importante, sobre questões sala- riais, sobre determinadas conquistas dos professores, um plano absolutamente essencial. Mas eles não conseguiram criar um modelo de organização mais centrado nas escolas. A profissão tem um deñcit grande de organização no interior das escolas. Enquanto que outras pro- fissões conseguiram manter as duas camadas, uma mais macro, a exemplo das grandes ordens dos médicos, dos farmacêuticos ou engenheiros, [que] conseguiram manter um nivel de debate politico macro muito forte, mas isso não os impediu de terem modelos de organização nas instituições muito mais fortes do que os nossos. Os modelos de organização dçntro das escolas são muito díreis, muito burocráticos. E isso nos tem prejudicado muito. É preciso buscar modelos de organização nas escolas que mudem as formas como os profes- sores se organizam, como a profissão esta organizada. A quem e' que temos que prestar contas de nosso trabalho? Como é possível encontrar outro modelo de trabalho profissional, mais pró- ximo da realidade institucional e que permita à profissão ter uma capacidade de intervenção que hoje em dia, é preciso reconhecer, ela não tem? Tem no nivel politico mais geral, na maior parte dos paises, mas não no nível da organização da instituição concreta. E não tem no plano do reforço do que designamos por colegialidade docente, o grupo de professores daquela escola, em que seja possível cpnsolidar formas de colaboração muito mais fortes. Continuamos a ser uma das profissões onde se colabora menos, do ponto de vista profissional. Não digo do ponto de vista sindical, porque muitas vezes e bastante mobilizada. Mas do ponto de vista do gesto profissional, do día-a-dia profissional, da rotina, ha' um grande déficit de colaboração. E isso e fatal para nossa organização como profissão. 13
  11. 11. Podemos saber o nivel de humanitude de uma sociedade perguntando como e' que ela cuida de suas crianças. E na maneira como essa sociedade cuida de suas crianças podemos apreender a humani- dade daqueia sociedade, a forma como ela progrediu ao longo dos tempos. Temos que fazer exata- mente a mesma pergunta para a ppm) e julgar o nivel de profissionalidade pela maneira como ela cuida dos mais jovens, dos seus mais 'ovens colegas. Como cuidamos dos jovens professores? O pior possivel. Eles vão para as piores escolas, têm os piores horarios, vão para as piores turmas, não há qualquer tipo de apoio. Eles são "lançados às feras" totalmente desprotegidos. E nós fazemos de conta gue o problema não e conosco. É um problema talvez do Estado, talvez de alguem, das autoridades, mas não um problema nosso. Mas este e', sim, um problema nosso e dramático da profissão, Porque se não formos capa- zes de construir formas de integração mais harmoniosas, mais coerentes desses professores, nós vamos justamente acentuar nesses primeiros anos de profissão dinâmicas de sobrevivência individual que conduzem necessariamente a um fechamento individualista dos professores. Ê um problema dramático da organização da profissão: o modo cgmo nos organizamos na escola. como nos organizamos com os colegas e como integramos os jovens professores. Se não for possivel resolver isso, haverá muita dificuldade em resolver muito dos outros problemas que temos pela frente. Formação centrada nas práticas O segundo desafio e' a formação mais centrada nas práticas e na análise das práticas. A forma- ção do professor é, por vezes, excessivamente teórica, outras vezes excessivamente metodológica. mas ha' um déficit de práticas, de_ pefietir sobre as_práticas, d_e trabalhar sobre asprfátiças, de sabg_ como fazer. É desesperante ver certos professores que tem genuinamente uma enorme vontade ______ de fazer de outro modo e não sabem como. Têm o corpo e a cabeça cheios de teoria, de livros, de teses, de autores, mas não sabem como aguilo tudo se transforma em prática, como aquilo tudo se organiza numa prática coerente. Por isso, tenho defendido, há muitos anos, a necessidade de uma formação centrada nas práticas e na análise dessas práticas. O momento mais dramático da minha vida profissional foi aos 25 anos de idade. Durante a Revo- Iução Portuguesa, tornei-me professor de escola normal. Nunca tinha pensado nisso - minha orientação era na área de História e Artes - mas como estava desempregado e os professores 14
  12. 12. das escolas normais que estavam muito ligados à ditadura foram expulsos das escolas, foi preciso criar um novo corpo docente. Entre os 21 e 24 anos, fiz parte de uma geração de profes- sores das escolas normais que ensinaram o conjunto das teorias mais revolucionárias que se pode imaginar. Ensinamos tudo que era moderno, que era moda, tudo que era inovação, tudo que era teoria revolucionária. No final nesse ciclo de formação, fui ver a aula de uma das alunas mestres que eu mais apreciava, hoje uma professora do ensino primário. E eu me espantei: nunca tinha visto uma aula tão tradici- onal, tão conservadora, tão estupidamente rotineira. Perguntei o que estava a acontecer. Afinal, havíamos passado três anos a analisar as coisas mais extraordinárias do mundo. E ela disse que 15
  13. 13. gostava tanto de fazer coisas inovadoras, "mas [vocês] não me ensinaram nada sobre isso" e quando entrou na aula, só se lembrava de sua professora primária. E reproduziu as mesmas práticas. Devo dizer que isso foi marcante de tal forma na minha vida profissional que, na semana seguinte, pedi demissão. Logo depois fui para Suiça e fíz uma formação de outra ordem. Há um déficit de práticas na formação. E atenção: e também de reflexão dessas práticas. Citando John Devve ão sobre as praticas. E Dewey tinha aquela velha história que no final de uma palestra - ele que nos anos 1930 inventa o conceito de professor reflexivo - um professor virou-se para ele e disse "o senhor abordou várias teorias, mas eu sou professor há dez anos, eu sei muito mais sobre isso, tenho muito mais experiencia nessas matérias. Então, Dewey perguntou: "tem mesmo dez anos de experiência profissional ou apenas um ano de experiência repetida dez vezes? ". Não é a prática gue é formadora, mas sim a reflexão sobre a prática. É a capa- cidade de refletirmospe analisarmos. A formação dos professores continua hoje muito prisioneira de modelos tradicionais, de modelos teóricos muito formais, que dão pouca importância a essa prática e à sua reflexão. Este e um enorme desafio para profissão, se quisermos aprender a fazer de outro modo. Da mesma maneira que é difícil mudar de práticas para práticas de outro tipo, o caminho contrário é muito difícil de fazer. Se pedirem a um professor da Escola da Ponte, por exemplo, para dar uma aula tradicional ele é totalmente incapaz, não consegue, não sabe como é que se faz. Esse caminho uma vez ultrapassado, como se atravessado uma ponte para o outro lado, torna dificil voltar ao lado de cá das margens. Credibilidade da profissão O terceiro desafio é difícil. Hà um problema de cleolibilidade da profissão hoje em dia. Temos que olhar nos olhos esse problema de credibilidade, que está ligado a algumas coisas que ja' falei, mas também, a pelo menos três outras coisas que vou falar. A primeira está ligada a avaliação e prestação de contas do trabalho profissional. É um tema que não gostamos de falar. Achamos que avaliar tem a ver com controle, com mecanismos e dispositivos de controle politico, com agendas politicas diversas. E na verdade, muitas vezes tem. Mas o problema e' que nas socie- dades de hoje, seja em que patamar for, não se pode deixar de ter uma dinâmica de abertura das profissões. uma dinâmica de transparência, de rigor, de prestação de contas. E essa dinâmica de avaliação e prestação de contas e', em primeiro lugar, uma dinâmica de prestação de contas para nós mesmos e para os nossos colegas. 1B
  14. 14. Muitas vezes os professores são capazes de conviver por anos com colegas em salas ao lado que sabem que são irresponsáveis, que são medíocres e incompetentes, que tém comportamentos éticos inaceitáveis com os alunos e nada se faz a respeto. Não há mecanismos na proñssão para intervir. É preciso ter. Porque se não existirem mecanismos entre os próprios professores, certamente, virão de fora. E vão vir cada vez mais. Eis um exemplo. Esta em discussão em Portugal neste momento a avalia ão dos rofessores elos pais dos alunos. A avaliação do desempenho profissional dos professores. E o argumento para intro- rofesso não foram c ' e re ula ão de fato, haver uma avaliação efetiva do trabalho. Não se pode ser complacente corn isso. Como não são os out-ros profissionais. É claro que fazemos por um"razão de sobrevivência. Fazemos porque só vamos encontrar chatices, trabalhos. Razões compreensiveis. Mas do ponto de vista da profissão e de sua credibilidade é absolutamente dramático. Q_ C »n n: O a n¡ m V1 m LT n¡ . n c rn O v1 7°. E e dramática uma segunda coisa que também não gostamos de falar. É que os professores tem p Têm lideranças sindicais, lideranças diversas, mas há pouca liderança profissional. Uma grande maioria dos rrlçlhores professores das escolas portuguesas vive escondida dentro das escolas. isto é, sobrevivem por conta de uma espécie de apagamento, e de uma espécie de isolamento para não arranjarem problemas. Não sõ pãpsão rieiconhecidos pelos outros prpfessoreg, não são muitas vezes reconhecidos pelas estruturas institucionais, como nãp tem nenhum papel a. Como por exemplo a integração de jovens professores, que tanto precisariam deles, da sua experiência, do bom senso, do seu saber. Como muitas vezes, para serem melhores professores e continuarem a fazer o que fazem tem quase que se esconder dentro das instituições. A nossa credibilidade passa muito por qualquer coisa que os professores perderam hà alguns anos que é a capacidade de intervenção politica. Temos uma capacidade de intervenção pública em ni- vel sindical, mas os professores falam pouco. Numa sociedade midiática, fortemente comunicativa, temos que aprender a falar mais, temos que ter uma voz pública mais forte e temos que aprender a comunicar melhor com o exterior. Na area das ciências, quais são as mais prestigiadas do mundo? São aquelas que nos últimos 30 ou 40 anos tiveram grande capacidade de comunicação com o público, de atração com o público. As ciências do ambiente, as ligadas à astronomia, as ligadas ao cerebro. Vejam que parte significativa daqueles cientistas dedica parte de seu trabalho a comunicar com o exterior, a divulgar cientiñcamente suas descobertas. A intervir na TV, a produzir programas. 17
  15. 15. Os professores fazem isso muito mal. Fala-se muito de educação, mas em regra geral não são os professores que falam. A nossa voz hoje é muito ausente do debate educativo. E se quisermos criar uma melhor credibilidade profissional, temos que aprender a ter uma voz e uma inter- venção pública mais forte, mais critica, mais decisiva em função da educação. Creio que e' essa voz que nos permite em parte ganhar esse espaço público da educação. Ganhar essa dimensão do apoio da sociedade ao trabalho da escola. É preciso ganhar a confiança da sociedade para o nosso trabalho, ganhar maior credibilidade pública. É preciso conquistar a sociedade para o nosso trabalho. Temos que construir uma nova profissêonalidade docente e que esteja também baseada numa forte pessoalidade. Na educação não é possível separar a dimensão da profissionalidade da dimensão de pessoalidade e isso implica em um compromisso pessoal, de valores, do ponto de vista da profissão. É nesse sentido que julgo que nós podemos e devemos caminhar no sentido de celebrar um novo contrato educativo com a sociedade, que passa também pela reformulação da profissão. Pois com certeza, não haverá sociedade do conhecimento sem escolas e sem professores. Não haverá futuro melhor, sem a presença forte dos professores e da nossa profissão. Podem inventar tecnologias, serviços. programas, máquinas diversas, umas a distância outras menos, mas n_a_cla substitui um bom professor. Nada substitui o bom senso, a capacidade de incen- tivo e de motivação que só os bons professores conseguem despertar. Nada substitui o encontro humano, a importância do diálogo, a vontade de aprender que só os bons professores conseguem promover. É necessário que tenhamos professores reconhecidos e prestigiados; competentes, e que sejam apoiados no seu trabalho, o apoio da aldeia toda. lsto é, o apoio de toda a sociedade. São esses professores que fazem a diferença. É necessário que eles sejam pessoas de corpo inteiro, que sejam profissionais de corpo inteiro, capazes de se mobilizarem, de mobilizarem seus colegas e mobilizarem a sociedade, apesar de todas as dificuldades. Conseguiremos? Certamente que sim. Conseguiremos ultrapassar essa fronteira da profissão. Na vossa presença, no vosso compromisso, sinto também esses desafios da profissão, esse com- promisso com uma educação melhor, com uma escola melhor. Sabemos que os problemas atuais da escola e da profissão não nos autorizam a cultivar ilusões. Mas sabemos também que denunciar as ilusões não significa renunciar à esperança, à pedagogia da esperança de que nos falava Paulo Freire. É ela, em definitivo, que nos alimenta como pessoas e como educadores. 18
  16. 16. A escola nos próximos 10 anos Nos últimos anos, integre¡ um grupo de intelectuais convidados pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), órgão ligado à ONU, para discutir cenários do futuro para edu- cação. Não gosto particularmente das reflexões excessivamente prospectivas, que às vezes são muito tecnicas, mas esse grupo foi muito interessante, muito estimulante. Depois de muitos agrupamentos, chegou-se à definição de seis cenários: t! ss manutenção de sistemas escolares fortemente burocratizados; 29 » expansão de um modelo de mercado (privatização do ensino); 39 ss a escola no centro do espaço social e comunitário; 49 » a escola como organização centrada na aprendizagem; ss expansão das tecnologias e das redes digitais de formação; 6¡ » desintegração e substituição da escola por outras instituições. Os cenários foram submetidos a professores de vários paises. Perguntamos, então. quais seriam os desejáveis. E quase 90% acharam que eram desejáveis o 39 ou o 49 cenário. Houve uma especie de divisão entre os dois. Como mencionei, defendo uma escola centrada na aprendizagem. Creio que a profissão docente mantem uma parte de seu prestígio. Mas esse prestígio tem caído, apesar de tudo. Era normal que caísse. É muito diferente vivermos numa aldeia em que há um padre, um professor e um medico e que por definição aquele professor e' uma referen- cia daquela comunidade local. Ou vivermos em grandes urbes como São Paulo ou outras em que há uma diluição dos professores. A democratização do ensino, a expansão, era inevitável que trouxesse uma parte desse desprestigio. Todavia, e muito interessante ver algumas pesquisas encaminhadas em alguns paises, que são divididas em duas partes. A primeira parte e' sobre o prestígio da escola e o dos professores, em geral. Pegunta-se às pessoas da rua. E normalmente as respostas são muito negativas. E na segunda parte da pesquisa fazem-se exatamente as mes- mas perguntas, mas não formuladas em termos gerais, mas em termos concretos. Falam da escola concreta de seu filho e do professor concreto de seu filho. E nessa segunda parte as opiniões são muito mais positivas. lsto e', existe uma divisão do tal "evidentemente", da evidência geral de que está tudo muito mal. E depois a percepção de sua escola concreta e do professor concreto de seu ñlho. E aqui o prestígio da proñssão e' bem mais elevado. Não há maneira de se substituir os professores. 19
  17. 17. Há uma parte do prestígio na profissão que se mantém e que temos trabalhar com isso para promover uma reorganização da profissão. Hoje em dia há dois conceitossocijgicos. Um que fala de um processo de proletarização dos professores que está diretamente ligado à intensificação do trabalho docente, isto e', um trabalho que é cada vez mais pautado por ingúmeros afazeres, inúmeros relatórios, inumeras coisas. E isso dificulta muito o trabalho dos professores. Eu acho que isso é verdade. Mas sendo verdade, o contrário tam- bém é verdade. Os professores não podem viver numa lógica isolada, fechados na sua sala de aula, sem prestarem contas a ninguem, sem ter uma parte dessa reflexao mars coletiva. ., __ _; __. - Cito um exemplo. Quando começou a haver cursos de formação contínua em Portugal, os profes- sores sentiram esses cursos como mais uma exigência para seu trabalho. Aehavam que eles não lhes traziam nada. Havia imensa relutância em ir a esses cursos. Ao mesmo tempo, esses mesmos professores que se recusavam a fazer esses cursos, alguns deles criaram comigo, no quadro do movimento que chamamos de movimento da escola moderna, "os sábados de reflexão", quando nos encontrávamos para trabalhar em conjunto, em que não havia créditos, cursos, não havia formação continua, não havia relatórios. Praticamente nenhum professor faltava naqueles sábados. No primeiro caso, as tarefas eram consideradas constrangedoras, e tarefas que eles deñniam conosco, tarefas que facilitavam sipibíalhg. 0 ponto e' esse. Como conseguirmos fazer dessas tarefas não tarefas burocráticas mas tarefas faci- litadoras, que ajudem em suas aulas a lidar com alunos. Essa e' a volta que ainda não conseguimos dar. É central para a credibilidade da proñssão. Podemos não gostar muito. Que os trabalhos univer- sitáríos, por exemplo, sejam medidos muitas vezes pelo número de trabalhos cíentiñcos publicados, pelo número de artigos citados etc. Mas isso e' uma componente importante para a credibilidade dos cientistas. Precisamos encontrar elementos do mesmo tipo para dar credibilidade ao trabalho docente. Ou fazemos nós, a partir de uma reflexão da proñssão, ou alguem vai fazer por nos. 20
  18. 18. mmxawwõoou atacama. oc mLcmmmÊLa w nmàüe: ma. . onumuauu E» P533_ a . a mxEBDH En. .. ugmqs_ uv oàcuo um . ammzoâ a nmxvê: : mu onomoãm E» oumàmuã romumaumcuaan_ mn mEmLmSn_ ou oucmànoã . . n. QUÊ: : i mmàoqhmcommuoacn_ ou omumEcou mn «Encanta ou 2333:_ u nas: : sua omumuaum Em MLQWWE a . n. mãe: : . owumuaum E0 owumanmàYmoa ou mEFñEn_ ou mLcmmuÊÉ a . a wÊuED mv onumuaum_ Eu ovmnumwã l omunavmnwàoa au mãmumoâ ou mucmeumwã u . QMÉUEJ I 23cm onm vu mnmuõ muanücvz: : mn onuwuavm Em 059.35_ r omuaavmxwàoa ou «ESSE ou mcommmzoí _ . mopawããân no55 ou owuzowxo . mv #Em . n «E50 w nÉoEã: .Adu . .mBmcE n: mtooo @da ov 39:93 a nâcumw wvnÉâEou . NU mouzmãwwm mai. ? m0 Eco 695w _omega . atacama oEoo . uommouona ou amou o owxwcwn «Han owüvzoo oEou . xoücmmuwa aoawñ oEoo . §:= n_omw: wa: _ Swen . ammwun oEoo owoawü “consuma 2o 2a mmvauãamwmoa mai. ? mamã ovñmâmãwü . owoãã ou 050a Em owxouwu «Ez @nuca ozxrãno 3mm_ . Snow ou mmamõ mtmã mas. mÉi_ ousado . amem . .nascem aoumcumã SES m: _m__um «oscmm camino mu 2m_ mamã uma: mtmã mzwu aszaosuu musa. .. m: 952!: s. 2228 a . .__v . ax szngguauj. . i2'~'4A4.u-_|4.. (:_. _». )A4›_: ,2 . - J__^«›~' . g. ,, a w M
  19. 19. 2 HOuÇOGHNUG-_C 05mm: : O EWu awãí 0 WOHEUÚW . grão a m: : manaívñ mau movõwmo ma moiwvnom NEQ- R: : Eua . $55.59. mv w mvwvzñãoaw m: .. Swãu : om a Nzvouao: .ovãoupom : w @adam Ea «adam m: 3:wE: oGÉ w SE: «virá v: : . mâsvmoa u: aãwzãvã . .nana a uavouaw: En_ . secam . aE owuawumgi m. .. mu: : a mobza nom . ñuíaãoa a . aãtaxo ou 2a. .: avi: o _amami . mana . .boa . Em amoãu o 6.o mEmwE _m m mmãoamw: a . Scswuwa 5.5.» . m and Em : atBE ãwaÊa E: draw: : Em m um. : «ER a asd 0850.08 E: @ã w ouzvãva ataoua o u: : Éwãwnou amami _ma_ . a . mas ozãââ ousãwm Awm: .ô . .amaaoamau a HNÉFmuwQ E: amo_ _mahso ma: a aEmvE _w a: oazdmmwo: : ? taxa E: w . oauwõom oâoocaa o avcamwm . wav «não . mma an. _ou ommmwuaxo . a m. . Sã: : awãammv a: Eawouw a o 950a a nzvâaa: 2a aaa: : o w omega. . o . moPCumo moñsoâv wo 0.35 : :Emma . Ama . e . .mama : oa Sua a: pagava: : om em: and mov now: : @Ema aEaa EOUCGUEMEOU ma mau mov mam: : um: SRS . OUOE oãmwã. . a: «tda «v8 E0 5359.5 mautomo wo and . n›$_vw: a< . utwãwã d «uma cão: :HD moatama ma ? Éomxwzoa m_oa @web35 wo Emas a Eoaãoamo: ow: moutamm na . vam Ema . .mtavanam a am: a : :acusam «a amuãmwua m @Q5500 Btumw amuzam: : a o: : «Suas Em . ..m2 É: ou 95a. . . m _ou »R$55 om amami mão: : awosvaaa saw Em . QE . a . a . _o› _nã_ . oãzwapnà 05mm: : aw_m: au aEaa . maazõ ma Eau oaãêou named: : E: ou aus. : : um wnwvaa om . ownwhzoa cama _mvmvumcvrzmã_ «zm ou acusava caiam. . o: .. .andam o nmuoãoo maca ow: nasua um o: : ou 89% ÉQÉE < . am _m : aa 32a . m3 vaca ow: EwEa: a mauüoom «una . waaovaãoa masmoaaza momma: Em moãmbcouzw n35 Eua a o . wSoE o woàuwwno mamae: maÊoawÉnÉma 0d d_w>w. ~ am (aàuaaa O . manga am . .m: =a_um_u: wu5 Quanta E: m: : «uma _wàwmãaamnã_ w owwzaãm a o: : woãoownzouo: maãczaümmzwu: : maauwã ma z . Ea : mao: man . NES : uma uhoEta awuwucaa a w SEE 258.89 a: a: : : :aa o . oãoãüoaãou O , moaoâu ma Eau w 3:30: : agua u: 23mm 2.8.: : sã. .. m: :sedã 2. ea: : o _ . _ _ a -mvooa amam: : ahoãta a a: : aEuwãa mo: Eva. mw: : nana mm: : : oa mãozd : :oa ãwoÊQ . ãmonsv . m wovzaaã_ maEam . mamwwuau ENUO> É. : . EaEwmüBñ. .E3095 . ..amami . saaâwc me: m: : mamona¡ Eau »Éoãmqsuüao mais: : . .aauaawoaa u: do: mono. .. 0:50 . ouuaoñam . a a : :como a . .suga m . maEÊ no : :ao wmtoaãa : ooüonaumm muECwa m: : . oÉvÊoosaoo ou 352a @Ezra NEE w Em a: : : :Hace . amarga a uma. : oEaa 8:3 »ovmvimnnamomzuuwgi c . Ewãoa ou : E32: &uacpa S. amassado. a w . oEwEÊ 0:5:: o: Qmwnhmiav a: o w sua: : ê . ...73 a asc maãvvzwuam eo: .amamaa a: :agua mazãâamaa ãzzañmzzwã_ 350a: amou nã: Em maãwa «uma . mamã m . .ÊLHNOSUQ moswaa oEaa amam: : o . ãmzma mana 855.53 caíam E: maia: Awmm: .Nzohwnõ : NEOEHNF a : a samãuzgco ou . ãasnoa v: amazon a n32.? Eau . maâaníoo 2a dwEEaa ma _mima_ ou awmwnõm: : : a auch. . oEaa owoãv moãwuiâcw um homo: : o: cercam o _.25 3 amou: : o &Ezm Eu . oõãm : oa 3mm: o casa Boa : a ao QmumÊmÉoa a n58 . m5 mm _and «aaa mouzaa amos . ao auoãoa o wa mm 3:0 0395 a @boca m: : um w ózu «Ea ou «Em . na : avããã aaaauata o Ewoaãaa avwãaa mv o omega o: .cantavam au _casinha_ «RÉÊÉEW . W225 ma Eau w o : :E o : :ou among. ou a atacama: a: _n53 _.35 -. m_. à=o_. u2o›B amam» _Sã ou @Em . maaawãvi ma: :: vom «tapas na : En: a 53:3. ou mowgwz: : «São Eco mmaãoa mau ÊÊBmÉw aum: : . osavncã. ou «v3 a: unção: : 353m5_ o . maoàmmoa n59.: no: @acentos o _Qzoozau ou mnãwwuwão a: magna . w . .mia a: 2mm. . m 6.o . CS . a . mama : me: nã: .sua ou «Em m Sã amanhã. . anna: maãmâ? »moüomavva 339a oEoa amada: : a wozboaaaa o< 9.33333: 33mm . ..Emwnmzoã av . .ong E: _zmmoa ou: : . cassa : a ma: : . sã . ovsvrâwã : a QUNUÊÉN _ãaãaãoa ou ou: _oàmmoaã_ m. . omaín a . .mucuokrsau atuavam» . sua O o . .Raw O UÉHWSMÉQG
  20. 20. _N . mon mmvuiom Ea: wmamv_ mv noob m: mono: : . movEoÊm mo novo: ov owumasãa n: aozoã_ Boo . ocê «vão ommamcnv . NES «E2 owoaav O , mãom mam 2a ovmvEaEoo m m ozuwnmaaãvm 095o o @Em amam: .a3 mm 0mm_ nãoomm 3x3:oo oz . wuommmã mumÉ. .ao 33v ? sem Saad w _ax_ . Cv . mov . a . n55 S35: Eoo oEoã m0 : mtooo Emamm mm 2a m ãoãoa woman mm mau não. : mmv OEPJÊUU m Qãoãâozuommv 2mm _miwmzoammu w mad Bmon ; Saõaãvaã w . .nmoomm m: Emomazoqm mau mmvumam: mm magnum: m5 âmoomm 3035 Ea mv ohímv Ewuooo mau mwmuãw: md: awuzwcudvnau w ÊBUmÊEE . NÊOWQHNU oEoo amava. O . .mean 2. o_. ~u___. ____m o . Êoom _mama amm m oãmzowv mmvuaauüma_ wav ommvywa a : Emo moãazozâ mac . goiano . .ÊÊE mamão: Smomoua N: m . omoamv o : nãuov mad mmwuavão mm Emmmm no23 : Suzuki m . G50 m : Fac m amvnmumm omBPa w . .m5 . Ema . m amv o< . ooüwwmvmm : manu o . não wmvauoamxoã wmvmvãâmmoa omm_ Eco OUGdÊU . mozoonun mo moveu . m «baseou . m . wv . mmonawka mañm> «uma mgaaEmâu n55: . nabaooao mago: oaEoQ : Boato w mvmv . vwczagvumoã 4 . moñmnoommv : mm 53mm: : »mvaawuam m . animam mv moâmnmoã: m mavanñnmv 0mm mnumtoo mm Em Z . muããñmam m moão . oÊua . muovgoanm w ãanâommvkmua_ «Bwvwmvoa Smoao: : NED . ovaoãaam . Umãhêa mv 05:53 o : mvãmunim ov_omv mm ovaaav ommmooa_ ov mooooama mobao : onmouoa _màmmon w mana? mo Eoo oozovdgu conosco oz . mmvuobv mmbao Em : mommzo av mvwvãnammoa oEoo _owuaavmummwa mv o 39.23% mv moi: : mamE Eoo OMOHÉU o muumhozoo mm : :mma 6.o 25% 9m . a . zac acusa: . moHÊ mommo: .mobozãnãoo mommo: .moaavw mommo: .mobao mo Eco . chao o : So HOUEUHQN moazmvoa . não mmvoasaaa_ mwmmo: ovaoowzaoom: .mowoÊv : :são n23; n: .. ação 2. 255m o à : mapumzoo . a . omoamv om metano moEHBmm EGUQHNUGSH w . ooamüom . ozÊoo o woman mm mad RavÉvE ov w max_ . mmwüvmbão mmam moveu Eco . oóvEEammd : :m o . avwaovãnm : Em WE. : . RavÊvE mova: : mv owwmumnam . o @mim wvmvwnmanamomzuumai dv Qmuamuñ . N Eco nommouooa : mw . owoÊv Em : amam: w mvmviwãaaomvhoaã Em : amam: .owoq . Hmzmnaoüvõuã . woüwwavoa oww» «Ea mv Qmuãmooo «mana Qwuaãoo a w owomuv o . owxmama mv ommoooua o Z . movia mam mv 3:03 omwmaoomñm a m_ . emma Nam mv Qwmammaníoo u adnümEmammm m 555m5 mv mmmõmvaoo Emo . .ommmmoan o . m>_o>: momv mad ovmvFum a »Smhbooñ o< . com . womamm Bããaomãoo : B mv omuabmaoo mv . ami Ea oEoo novata mv oo: m:: om: .:ooma o w . owxmumu «v a dàvãomnxm «mma . m>vnmum: oovwum NE: .õmmooâa o: :mzoxãmmmv mmàoman Samaanâd . cama 02m -mou amava: o w ommomw . m. . movB : ou ovümamm _ovmnvoê mv EWÊ . ovo : Roxo Ea Q0550.. . mm Em› mÊmoov dogma m mEom : como: :: Em/ w . Sma_. m3.: o mamã: : m5: mvmvmõom S: : mv owuaàmzoo Soa maãwmãamm: movS nã mo: .Sêoa . mad o . Emãoz ov mmomaomv 9mm EwnES manto: m ão: m4 dããas Qmum «v ovwaamm: w ooamãwomszoo o mad : mvaõmum . Eoo «uma ovvaom m mmuoam> 509005 mv ommxvaoo m EwoES : :ama . ovSmb ou: o:: vo: :oo ov mmúuiaoaam om . mad m . oaavw emma: «uma aaomnmm ovwowãmñ Ea : :a3 ovaãdnnb ovvmÊoo o mad «uma . ..má Eaoaim: a o oaãmãzoampcm ou mSmF Eoo moêmvaosà o moovumuao mommoâ mv »moovamo mv . movümuãoo mommo: mov _mamã_ mv Qmmmaoav 6.o. . ov mvmvãmmmmoa «Ea oãoo : Em mv «Em Em ovacoâoo owoaav O 6:5: o Eoo cwoaav Ea w &ozwoov a . mocmaããamaãvcau 6x5 . mvaÉS mv m : mnmm ov «É m Hmhaooam ovÃmÉ , mobao mov m moEmmE mv: mv mcawxm ou gm_ mo: mac noñvãv . novata . NEE . constem . w amo -cwoov 4 . mouaam ovEÊÊoo . ..moon o 0:2.: ov ovaawbxm . ovãBaam . uma sawmcm . mouaoowm oEoo . m oiwumBmE om _ou EwÉa. : mm amami @u . a aaa. .mma 2mm mmmmamoa_ o m Baãumm o «oãañoo mm 35% avo: nñmao mm owz dãEa: «v3 mv mvmvãm: a m ovmomaamw o : :n63 màmv «uma . wmEmíooo mo mocmãoacmmmooa_ mamona 2a owommnmoña. «Ea md: : , wÊÊaov mv &Emummm Ea w ow: mmomoa. . a wav ov owuoÊaoo m uãoocc . .usam e o : :Em a . .casting
  21. 21. na . o:: wmmwa moEwumw E: : Sw: otoÊoomw: o: own: : w Eo: ow: w wm w: :o : wãwmno nã: .oÉwãwàhww _wEawo 5.3: w: moãzmmwow: moEwEoE mwmmwZ . wuwnwu w 3:5: Saw: mo: n05:: :: E ommo: mwnw> um w mão: : mwmmw 3:8 : o: momowonww moñãmm . mwmoãom w: : mwãuuaw mHE Ewowuw: mo: mwuw> mw w: : mwuouwâ: w mw: o:w: w:. _oow mo: :nã: Ewm . moEwwoEÉ wunEwm Ew: Ew: : Eoo É: : w: «Em Ew mosãd mo Eow wmwm . .$352 w: mohwwãa mommo: owm w: : mwuommwkouo mo Eco wmwm . oÊwEoE o: ou w : .63 a : amou w w: w:: _n_xwc wmmo Z mmwÉmüonE_ : não: Cunha-EN. w não: : . oww São. : om: n22: mwmmo: waogom : Pau: .BEE Eow 0:3: 6:5: . moEwEwa : O . ..Edawuzoh moàoo mo w: : mwowãncêoo mw Eoo mo: .woa_: oE moEou w: : w : :wa w : wnws w: : w: owuwâwm w Eow owmm: : m: : : E: w: :Em Ewmmon mo:8 w: : su: : 33:80 Eon o wHEoo 5:. moEwnwm : O mmñoam. : wSEE w mowoã: mouÉE Sw: Whübdm mamão. . . Eowmw w: oHEw: amou: : o w: wm oEoO mmwogwu: : maos Eco w . wãmêw . NUÉOEHNS 5:25: w: wwwãoww cuca. : o w: : wnwm ma. : w: w.__m w Em. . Smw: w : :ENQEMU a Em. . . .Em on . mo: wou_: oE MOUSO mo EwnES m9: . moEmwE mo mu: : moEom ow: : w. . m6: . .NÉUTMNÊÊE mwmmo: w: oêoawboow o: mOSÓEMUGSMOHQN ao: : wÉoQw o : um: momôiwawow: : 6:9: wmmwn. .mwwuãomE MNÊUHNQ w : caca mõnw: .não owmozow amora: : o moÊwuw. -wASmw . wàmwoo : :mm : :Bonham w. w: w 0226 . amam o uwñwmoo od. . mwoowuwãuoa w mwmuw: w:. m:oo . mwowwumwm w: mooEwa um ow: : moEtnw Sw: 2:3:: oàzo : :Sum &Twâwã : :na 6.550 : ma: MES : wwmw: não ooEwu E: m: w: : wmáwõz . wEwEwEw: Eoo: oo 0:3 wwe. wm wEEwm Ew: 32mm: : w Ewãrmãw mwmzw: w mwouEMQmw: .moãwwmwuu »mwwuwÉwFã ma: : . moEom mai? w: 3:# : wm w: om v: : . otwnãow o wowÉoow . oEEwm wmmw: _w 0.550 o w: wa omorwm: O 3mm_ _üwãwmw 30:55:00 : :m o: :.w: E: : . .vga mo:3 w: : Ew . sua. o oÊwEoE 05:0 E: Ew w : E8 E: w: . E3262 uouwww n: emma. : a: 253m o . . . _ . . . . â owümoaxw w 85:: : Som o : :da oÉwEoE E: w: w: : Ew . gozou : :com w wEEw. mo: w: : _o: w:om_›w: w o: .ow: o_: :w . o:w_: :mw: o. a:o E: wmàiu . E_mm< . n39 : :wmv mãw whã «web w oEwEÊBuSw: w: mouwamw : HERE: monwamuwaã no.5: . mwubmwwhoü mwoüw: mw: m Eoo Ewan. : mw: : 66:9”. oEoo : :Eng mw w: : 2:5.: .wnwm : o _mwâwãouu ngm Eoo wmãw: : : E: «uma mg. .. 3.o: mon: : mo: w o: wm: 0:9: o: .mwnuwE mwmmw: .owuãoããz wmmw: Ewoõmtwoáõ mwwumãwü m: : : ABB: m: mão: w: : Ew »wEBEm . NES : o : :São . NES : wm w: o: w: : . Romã. wEwb wmmw wunEw. wnummotdãwuomxzwuã w . o:: :wm wumwz . ..EUxwBO @M 0 : nwõcwzm . chocou EOUOu . UNEQENMOÊDU . om. :õm. : o Ewãwa w: : oEÊ o w . mwnmvawãa wwbzo . w Ew>w. mo: w: : mwmuw. ::oE mw: m Eco : E952 w . noaEwp oEmwE o: 5:22: mRE : o ma: : : om ou: : oEoownÉowv owñoñwxâ-_E o wwwumtwo -uwnwo oEow «Éwmwãw wwÊwE 4. . mqwãwu mo Eow owowoE: Eow : wo . Bwnãmw w: mwou. ::ow : :oñuooooo o_w: w=m wmmw m . Ew. o:w= m ow: omwo EwÉwo wm mSmw _mwommwn BÉw 095m: : o: wwwEowm oEoo d: :oamw: .wãzmwm Ew .25 : :na oh: : o: :: a w Hmmoãaww 8:25.: .m5 E: w: w: w:_mmwww: wãwãwioawwroo S. ow: omãwm: : wmmw Z . ãwnEoããz wm Romã. : 025mm: o: 0:8 o: w: : . Emma w: w:u: w:_ : :m . wBEU : wm . w.~: o.wE : :m Eoo E: :: ao o: :.: nÊ: ow . ENEwEwEEow wm 8:3 wqãuoo NS_ wm oÉoawLEoo O . mo: wo: o_mw. : m: om w: :Eowowwu 0mm. . @OEWHUEWEOU w: : Ewm . .wwEoõ . Em : :com w: :: MORE Ew: on Eããwww w w: : moÉwEÊmE no99:: mo . wâwãwipwãwn . :.o>w wu_m: E w oEow . Ewmwm _mwng : o moÊwE -Sami mEE : o m3: wb: w : whowo w: o: OWOWE o doía. : Em . owuwoüãwa w: ommwuo: : o: mo:9 NU owmãwã NU OWOÊWEOO N: nñmãwmmw oww Sm: : OU n35.: M0550 mwmmw: o: womw. _ o w w: w:: ::_mw. < . NES w: moEom mgso w: «É : wanna w: :: amou woouoo 58.533 w ooünmossx 382g: : o acusam. .. . ..mass cuca: o . .miau . a . ocê oãzwanâ nã: . E:Eou Em: o S: : moüwzzmw: w: omuwsEoãã: w wÊwEwÉwÊwÊou w mnãwio: : w: causem: o: :wm_> mo: wu: ow w mweãao wzoãã . m_w>. _m 3:83 . .saum a w . .Bum a : ::n= m.›wm
  22. 22. m: N. .«: ovm0mv: am: m m: m5m «Ea ao oãvawn awm m 05m O mmochzwav «:5«u: :«0 mv 05: _dav . mov: am 355mm ow: «v5« mm . m . ..«>_m: m:m0 mo: m:: w 30cm «5m5w5 mv 5.900 moEmvon 0500 . wvãtawwm mv m0:: .. Êmmwwwz 0m wm«v_0w«: :mw . a0 É? mw:0o 500mm «mm0: « «.80 005m: -wav wav mm:00 mm : wâomw: mv m : mwoqâv mv 05050:: 0 w . mvavãaãoo «mam « 05mm: : DUEÊQQ 500mm « 0m m . UUNUEZEOU «v w 300mm « mm : wmmmanmxm mm 50:26 m0:a~« m0 . uo> «am : wwmuoh: :mav Éommwuo: : < : ..«vm0:: 05mm: : «: Em: : 000:: 0 m Em. a3_0›w: mm « movoa 3.3:_ m: m5m « mav www . ..omoãv o: «a3 @mw «ESE mav . o_0:w= m : :manu ow: wav m0:a_« mo 0mm 55:88:00.0 Émw wav O Sã mv «Em : :w «São : mm «uma : ovwumnaã : :a m 0:93:05: : :wma : :mamã Sommmuo: : «Ea , Smvrwhãw «Ea 855v E_ «Em . nSmow : S: 0m: E300. « . no03 wpawãwãmbxw wãaõõ : m>w: o:am5 ov mwwv: : mo: ANOS ow: 3:5:: « mm . mav : wav : :m 535m5 w E«: _vw:0« Emma: : : :om mv mwmm: : mv mwãvümao m0._. a0 . mwaããóâm m0 move: mv . .E5 w Sw m6: Émoamm: « : «v : É o: : 055m < . ..moãwman mav cmo: : 0 : sã: :o: mv: o . owovmv 2m: 05503 w OUÊMGOU : wm «twvon wav 2:: : ov5:amwv w ovñwãawm «0«0« Amo: a_« m mwwa . mwõ wv«v: =a. :o0 «v nm0Iw:50:au m0 60.3 500mm a QUÊ wav owuãuavhüwv: «Ea 3:05 . «:0:0m 0095 m . :«_00mm «: _u0: «v owuâavãukao «: «_a«m«v_vmE : :m 09:0.. o «:0_0«: .« wav . :«N= «5m mv cmg: : «Eav « : E0550 0« . w:m5m «mma . ..So0mw S: move. .. wHEw mmvvãm: m. : Énãavmmwv mav 05m . mm: w« 0m: dv: : mv «.53 . m E5955 . ouwwvwivmavã . o>v_0:m00 0m: «Ewoüm mmmm Emãva: : «uma motwãvãa. : w m0:a_« . mma . m0: . ov«: mv:000 . mm: ommm:0:: .mm:8m5v mv «:0:w. .0:5 553 mav : o: n02:: omoñw: «Swami : waviav nã: mm: :«a . v5 m ow: 8050505 m5w: : : ou mogno «ama . m>«am ow: «om mav 65m o m0:: «=0v: n«n« wav : om »Éwaw «Ea wuãav :05000: mv wave: :: a mmmm>ao: wm 0500 ao mowu«5:w0:00 wv 005m0 : :a : :w Ewmmwñamw msm mm 9:00 mwwãtw m«mm0: 358g mav : on: «,503 «EmwE «: Em: : ãmoamm: < . $055 mwv moummm m0 mm:5«: : . mw: m5m md 3:30: m3:: 3:55 . mwwãiu âmmwv Sum o 0500 . $5.80 05a: : w «08 wav w: w:_m < 03502.5 w299i a: 303.5 cv 035mm o E . aaa m : mtoo 30:30 w«v «BÃHE «v mia: Nm. : : :Em . Ema eva: :: mw 0000.3 w 50v: o: .Bmw : oumhv O . WUUEÉN mmam Em moãimñwmpo m«: w:« . m:m>o_. mâw: w 50:55 não: m_m>wm:0amw: .m0:3« wv mm: o:w0m5 m0 . Ew0wv: am: w motmn mo m mBtw m0 500m5 mm : vw: 0: owmãwavmmwv « m a0n«0« 35:0.: owu«0avw 4. «v: m:m: : w «ama «v«: «mm_v : :w m«0:«t0 nm : :www w. ._mo: a5:: wu5> : :B 50:00: O. . . .._: «0w: :00 : É «Em S. .. ._a0p«0« «vã vu. ENNZU wv 50mm ow: 5m: : mmmwv owwovw «: ao: :: m0: wav w . «Ém: :0:va« : :m moutwa aÉaw: m: :w: :_w>«>0:0 mav _cmo_ . ..av mmmw am0m: :00« 050o movñumm ov wsoomw mn «uma mw: m5m : Sã: :mv: m> «Hà «_0:w: :00:00 . w ao: :«m : :waG mwwamüm ow. : m 35o: -oww ow: .00555. ow: Swv: «mmw 5m> mv: o mn_ . w:w5m « E00 movwn: .«5m 0mm 50:00: 0 w m«_a« ma. . . w:w. :m «v 0m: Em: 63:0 . mogno . am0wavao: :w . sw> «am : wvã: no: : « mav 30:30: 0m: ovãwc : :.58 mm__: «:«: .o= « m0 . mãowmw m«v 8:00 05:00:00 mmmo: :E0300 nmvaam «Ea mm 0500 m m8:: 552.0 . w ow: E. movo: m6: 6:55:55 « : :ou 35550500 m0: ou: .vw : o: m0:: «:«: ow: n02 . .NOEWUOE . «:av «>«0m wav . «:5«9:«0 «Em 05m mmmm moãwazpmnam . cama 0: 50:00: 0 «E5505 : :BES m «bao mv 000500 0 w «vã «Ea wv 055w: 0 3535.: «Em «>«wo_. Em amis. : wmv 555 0: «›«0o: wav 05m 0 moE«: ov: «n« wav : om m. «v_. «m «: w 05mm o: .«_a« mv «Rm «: .mm: ovw: :o0 m0: «ESE 8:5 35:0:: mm wav : o: . moãmoñv mm wmv: : mawm w momavw m0 500 . ovâ 05:0 : o: . m w: :w00v 09:00 : mm w 500mm « 5:0 Qmvmwvw: : 0500 0:50:02 05:33.00 owo_ . ..av O wmmvammav m«am « «vaR «mmoa : :m : S500 w momvvãb : :Bmw mm : ãmmoa mmHm mav NHNQ moãwã: wav O wm: m>0_. m0mmo: :: ou mocãmovav 050o . omoaav o : :ou m0w: :00« 500mm «v «voEmE « mav m0:: m0«m mmwuãuünb m0 ao 50:0:: 0 . mduããmmm m0 wãowmm wmmo: ov: «v:0: : Bmw : :waG : m0:: mo: a:: w mwmto: .omvmaohm mv mmv«: w mv W550 mato: w 2505:. womvwmm: : : :a a0 m: :«mw:0:00« numa_ : :a mma: : m0: -mowawa 500mm «mmoz wo: awmw. _an« w 950.304. mo5wcbw> _0_w: «E« .00:«: m mowã: : w «n50 ^. .«:00mw «mmo: «E350 : o: wav E00 : oo « w ? a0 . :0:= m5 0:v«av : :a : S5: « ãva? m0: B: : omovkv : :on O 2:08: : ã e ? saum o . .vzãmvam
  23. 23. É WHNBUTÃUGM mmouaoouwa mm EDU 0:53 ou . moêõvãwwmu mn 05:0 . .niãww : uma: 9:00 : mumãooa 000a 200mm u: 05:2. omega O IÍ. Í , ,,. ? com d=3moov . ..ohuãzamw E: 9:00 macdtov w 055mm m _NEDÊNE , k «mão 00:29"? 50330:: Nvmnmumo S. . 0.5:: Swan o : mu om É» na 1 53o Obüüãw o com: : 0:5 Em _owoo 0:00:02 0 . mowazmhnm o wanna: : _ ma: 3:3 . .on : ou ou obqoãmü . ..avãwm 0.500 E: : w $032.. Ewm _ 60:0.. m. omã_ w 2o . owza _Burton . Bam o: ond» o 3:85: E: muco: : , :o: 0.55M: o: : . chao O . ..Senna E: uovmwma w>wv . azia o ou: : . .Em w Em. . õmmã. «wma Em 3mm ou Omã: o «uwhouuwa em. : . no.5 : mou O A, 6:3 mv 07.38 NH: amoo «vao a 09:3 ovãv om . ..êãmumw 3mm o . .m5 T #EEE m: «tem m : :Etna 00:0:: .w 0mm: : nu ovmuãwm a E00 . Ewuon _ _ , , Em>5:ou owz . E58 o ããzmtam ãímwmaoo o mãvaãnm amo: : . wwã 9:: 30:02.55 fumam: ou 093mb : E200 ou 05mm: : m0 o: : : S50 0253?: ou 090o o an: : ? E8 u: : Énoumov Em: .OTwQnNn-N maníaco: : sopas ma. : . muqasinF m0 073mm? «uma 55m NED . a0 o. : : :E25 . E053. a 03a. wÉwEmÉUÊmo 005:: n33: w. .. g9.? , @Sum E: 33o : EP/ mono: ausoumn: mv mowwo amb . N®> 3.50 . _ _mwnzoõmvãgm mwouãpamc_ ma: DMOQÊ o : wooasumo . n 30:? no: »com o: : : :SÉ não: 9:: um _. . moaãw mou . E53 Em: : no: wtnwhwmv S35:: ou 005005: : um 000: ousãm : om E22_ . owuwnãvo . a : um ovo: no03 m : E500 00:6: < dEmwE w m 0.353 Em: amam 2.3.5» wmwov oudvãgonãwai . a . mamada o: : _wPEoE nã. : : o: MGUNUÊHSEOU . mama . wwuovmuonaâoo . moÉoo -É. .moaaooou _mmzoãõotwuã mai. ? m0:: : , Raowuwoaêw oaxmwcoo ou opuãa . cwoãã. ou ouuwuwnmm ou: E: 5320903» om . .no30 : ta: m m: : m @M320 um R: : o E00 : :Em o EDU . mw. õ:: ooiw. ..: _ mov wun0:m: o_u: ou: _ n EDU ouwzoüãw: wuiwF-dãhwi_ «uma owâwzu 0 o: : w0Ew> . I . .Piana cinco o wuãwãgowmmaoaa 053o . oÉwE 0596 48:05.25:: 0525 52H85 099.500 I mocãuwmã: @não : o: mñcoñmguw acusam: mou 0052.00 . owwaoouwa : mma: Em »mãoümâvm momuãuwz_ ma: 0.550 mtooo 0.333 mmmm m: : @Em 9:00 . BEE ÉS». 200a »owmwouako em. mago: 305.5» ngm wa 308 2.53:. : w956i m: sua: : E. . . .usam o yin¡ . ... _.. .-. ma. ... ,_, _.. .-. ... _ â Eco »EWDÊ 090o O amam. : nuno: : m os. : ou. Sovwuonñumm o «m8 -meu mg: :um 000a manu». wSÉE HDhOx/ ÀMWC Emmãw: : m . opíàmbzw 5.8 30a woazoããwa maõm ou Sã: ocswuw mmmwãxw EwEoa O . mmsmvsêsàc web50 mov Qmuãgou wwãwacoÊoo a w oÉwEFEwÊw 0 : :wa muda m0 OMBEOm m: : . owoãã o . mâõiwuzwauwãou . o Em. : a . OWUNHESÊOQ a. «Fumo uu>m>zoo a . õÉõuaw ou muwumw NU ohnuv 0:0 moãdzvmuom . .Sa . .NNWROU 30.550 o . sua $3.95: o mwnnsêâusüa o 903.8.. .? 0 _nm . Sa . a @comu muozwü : oa mvãzwmmaam 03mm: : m 500m5 ou : não: moãwvon ow: .owuwoãuw 050m moiuüsommu ou . dhüu-GDEOU _dam «Z . ..oazuEmnêmuan : o owwsE_xo__n< m. . uuãgízmuou_ no35: uwzoxíwmov mozãnwmou o: : 03:00 Qmuzbmzou a: maçã: mn actuam: : 9:00 : :EBM 2m w 30GB o ovo: wumUtd: =^: om: :$5 < . moEozw 01:0 m: : nã: 60:5? : o mouommwyoum 9:00 : Em _mmÉdEm moãããm m0: m: : : :E _m_ . atuam atuo: : n30: w Em: Em: Ewan. : mzom o: : . .os . mugen «Lda moçoãmouowmo pmsummaão 530mm: : 85563 v0 mwaã . moãwwawoíã : Samu ou ovmãumawo : mma: a moãuuwn m: : musa . movãuãvw mo mono: ou Rumo: : owuwuãw a mm: : . HEMOM omumv -. .um a mucoãom em: ãnmBuS NHNQ mova» vv 0559:» o EDU N. : mm . NQÉCE . o oEou . Eoumw 4 . moããããoo : Human : mato: :mma: .m. :E0533: . Emãamw . ::_.5:: .$22.26 Éwswcaüv mooñã. : no o: : azmmwvw: .suma NE. : . ..S593 ou . abmozvuo nã: 9:00 : :mas _Son : E065: 300mm a m: wunvaztmmo: a o »Sana a w owom: : O _mwãvmma mv o 9:95 ou ouüowmcw: ounoumo : M5013: 090.50 055a: O . moEmwE m0: . Em wãmoamm: moãtnoomwv o moãbuouw: .mOÊNÊOÊOuE_ mo: a m0:? oõcwzm O . oõcwam o o Eom o E00 : u: . .mask . m «Sâo 02mm: : < . Nw> namo: mmmso cuca: : woEmEw m 05:0 o 35:50 ouãã w : Éããmaoo . oaãmp 05mm: : ou : :Sã mono: m8: _wuzmãw um EmÉmE: «Éououao mz , NÕGWEOwEOU m0 0255:: .w : Éououwo . $0.53. 0mm 85: mm ousa: : wuoÊouw amem: : O Samuca . .usam o m . amam o sugira. :
  24. 24. .a haéw wvoa wav Sawãaawwmoã hw>w>oha ou : :mma oaahma. . . mahmwE . w : how «hwãacmaow Ew 35.355 5:3 w . wawvhaaahoo wa mwmhmwwam na Êwâ Em. .. ou wwâaaaaoama_ a waawtowã_ «Ewaxw wa 2mm ea megaman» _mohãwnpo mawm hwuamoñ wmhmaoo wav aaa w _Hõow _wma Ea Ewh Sowmw < . owuwuEaEow . w . nana moaEEwu oahoo . hovwh awm _ o : how ohwahoo ou oww. : hoa canoas . .sua ? av . NG wuwvhaaãow w : how omaha. Ea wa wuã_. =.= wmow w . .Eowmw ovwamw o: moahwoahwawv_ . aos o Naa mmwaawaaw msmo_ Eow wahwahwã . nunw. __h. mhm. h_an= h.ahoo hwvom _ÊOM wmmwv »nham _mohwwah_ Ewowãabwa wa mas. . wnnvhhawv_ «am . w Edñwmwhn wav . mwhawhwhha moaahm moahwh waao . Ãowmw wawoahaEow «a ohahwv wbowo emma wav moahwhwahmaoo . WNEWOE md wÊhw Qwowuhaaãow wa . wwawchwuawavwmaov . w owuwwm . .n35 wa museu ouawhhw: .ouwamw oEmwE o: moaiwmã oahmw mwamw oahâwhham . EmwahaEoo wm om: wav . assuma moowamw . .wa Êmaoahwa . acata mwoBwEoww mwEhoh wwam : how . wahwãwhawãam . waoomw < . momoaa. 8h. hwphowwv o: hwwham owhwvom wav mwawuãâmmoa mw>o= negação mo>oa Ew hwmawa _mohaan »w mwwwawtwhvhw wwam wwawahmauaah ovawwoa . ..n55 . .a w «Ea wa mwmunwwaoo mwam hwwhwhn . hwwmwhu Ewaoa monza w . omohwmw &wa _max_ . ..Sama «own w wav» . ovawaoo . o . aao oa Sawaavawaaw ou w Ea wa aaa «a Éh Ewaon oauawm wa owwmowhahwha_ wa moâmwa 8.a. : . Ea São wa mwaaha mov oaawa . hwàmmoa wm Sã. .wmwc ma. : . auaõanhaz whhwhhwah wa whnahwm Ewa . oaãwwhêa wahwahwahã . maow omumw wav moaanw w meommwhew ovauwhnom . ohãwwauw ommwooha o: mowãohhzw mo mobo» . m ouwmwv Ea hwm . .amem . .wawâãw xweewxàa ou Eãwhoo @E558 w wav mochwho . Éâââwa wm w Éoàwõêw um wav @Sê »às . ..rasgou 55m amenas. .Cm . w . não . .sua ouãwwm . ahwaawwhnahoo o w ahwaawwhaahoo wm mova» wav Hnhamwmmw nham . ommwwoha wmmw: nmahwaawvaau w hommwm Nw> . NED. dama. . w owhhx> «sw 85 mwawawhhg Ema mwhouawâhwaa mo wav 4 - . two Eow ãaw . mwuomnzu amohwawh Ewaho wa mwmamwav mw wav Ew . ãaãsww owww na âmago. .. waoa owo_ . Ea o wav oahwcawmwhw wa mwwãaaêow ma: owãwwmmw maãh ovo. : wa . Saw wa «Em ahw omuwoahaEow «a hwuoa o: mocanauwhwc. Êswwaum awnwhm a: .. woman eu eEÉvm o . _ a_ w, a_ . _ a M , - w›r; 'u'-~-l nlcliVVVv*td= Ów-14ãlnàíflnfi . .-. /.. ... ,,, .. . .u. a . wahwEwauaE hwhwaooo w hhwwhwuah . hwwonwã. .wuawahwahwavwmaoo . w hw>whuww . hSwhÊwhE . hwuawwhaahoo . hwh «hmm whwawv Ewahwmwhaw mwaw “QWUNOESEOU wa wawoaawuhv wEa moaahw mommoa wa «CORE wvawhm a: moaãwamoamwha . waawaawaaw. .WNEOBBQ wa omvhaomwh u: mdom . mwn wa whehw 395o OHSGOU o . wwwhnomwv .85 SEQENÊQOHQ owonwhu oo wanna o: .owuwwhaaahoo «a Buwaww o Qmvwhwahmaow Ew hu>wa ou . ovwhwvaoa ou: oma awm _oñpwwwa ovo_ Ea hS Ewaoa : :whom da? dmmohh wa mwhovãnhqmu oEou w #Haas mo: .Naa owuhmom . mao wmmoa . m mãawannhhwh oEou . omuahwaaon : how movwma ahwnwm momhawwh mwmmw wav wamwu . oàamoa 092 Ea hãawmwhmn waon 0mm_ . mwmamwav WNUNE. ? mhwah mm »Sacha w mwvEwh wwamoamwh «hwamw wm wav Ew w . hwwwahoh Ewvon mw? wav mwvwvãwwh mm _mowhwoaoawwu w mowEÉwhw movhhwhha mod «Uganda Émw mwommwa mma «$0.38 w wav chw I owawaauwaaow wowmnwwm om: wav o I owuwahhoua_ wa wuwvwõom acha Ew 03525 moEhwamw wa Bah o 0mm_ w wmàã . ommwwoha oxwaaaow wmmwc hwnww . hwaw mo: om: moahwaon wvao . Saw wa «Em Ew «vagão owvãwh NED Ew Ewhhooo _avw mouãm_ moaãwwahachow mohawãwaw mo . mañvoe . whhuwwavw owvwhwaa_ wmmo: Ew mou . mama. ahwhwm w moaaahhnw mhw>w>oha ovãhhmoã . OUHNSUà mo: hwamw waon ãhonhoo Ewmwawã_ a . .ENE mo: w ow? .. wa wvoa wanna w oEmwE @É . oavawam o hãwhñhwaha_ w hFao wahmtonch_ . w 9.5._ qwhxhaada_ o oEmwE www ovããaumw . ousada oaawm Emo wav os whawawvhwh» omvawwm ovãwamwha mma: .woawahmhammwa oohhãaomw mwcwaw cuz . ..Sao hwnwm o wãaaaoha w_w maca . owoaao oa oaawo oaoawam ou wvwaammwwwa w m: .wahwaa. whwawzhh a oaaawwm . mmñãwaohaah w wmvwawhñhwua_ 0mm mwouwanoaa mw ohzhwav . owvwwamoàã a «han oiwmmwwwa oaahwa o wz . oahaxhao Bmw wm wav . SSS. mEQEÊ o w . .Êum o mwawaw Ewmmmawaaa wav mouawahww moi? wu wamoaãoo w . NÊaNUÉSEOU owvw w . É . hovwh awm m oaaaE ou NE Ea wuww wav owuwawhahwua_ w mhaaw_ a wahhouaow . wEwh oEmwE Ea wa oahoa Ew mhwhammoa wanna. ? mamã wa . mwmhwña hwm Ewvoa mwowãwha . hwhã mw ma. : . oEmwah o hwm wvoa 092.90 O . movhzoãhw moawaam mov wahwucn hwãa o wwwnam = ouzãviwz
  25. 25. R _ 5 . .õmmwuoum ou 022.35 w Eoumoa no wuzwowu S533 ÊQBDNÉÂÊS wo w guwuwnoow onñnwb ou &Ênwuww amou «v ommwosm O . ..E353 ovüãaw nwzu o moàzo mov E: «Uau ww o>uuw3o : wa o . award numca om 099% ou WOuDEOE mov E: São wav wmãowmwwa «Zuñwmooo . Bãabmw m. . amu . a _wmmõ «HZ «Em . onzuw ou mwommwa wa wbow nos? ou . owuwwwuã wc wwovwozm . M358 #E9950 . .Boom owQEwu nã: w 939593,. .. Ewmwumvnwkad dq . ..Bouww n: cinema. ou omownãwwoo . nv . NZHBOQEOU w SÉSEEUE @ozono w «vou wêwcããooà «tabaco wa. . o . mãonwuwa . Eoo wc omâmãvw sua 30cm 83:53 6.o ooâwã w w omowwwoooo a ao. .a . mês «az owzsmwm | u|›| .|| ll| ¡¡II| 'l lJl| . . . i . m:wmwn%: w.~aw mm : :com ovuawm OÊHNU . .ÉS a w OUGDE o wSom woÉwÉowÊou motaoa wowm omaha . muco wc wmwmmwãxw wm wo wvwvuwn: Emaxmoozmw m0 deêm wmmw: _mb . .zww oÉwEEw w owunwunznoo < . Rwoom oaxwÊou cv oaowoãzwãuaw , woãwã wo 02.55 Sou «mato owxwuwu wwvaduwnndumqñauu «emma «Eauuwã duda ? Som omuw . whãaw oEow Em? w am. owxvwa 4 . owwâawmwunwn : o oWQmMwHwo oãow ou: w »Bwãu emma w doswaooãwv Qwvwuwoooo wc ommwwoun E: Ew . REQ, -não wbwãE wo wbouo wav . Hzoümuouo 095w ou owxwuw» w wm: .. nã wc wuwzñwcoo munwua w «Éwãwm »wmwzwotom . NEOUOE 23mm do oÉwEÊoS ou opBEw o: .oBmwm oâwom ou 28o à ou omuwn -Éwmuo a ovogwuowwu . mwmmõ an_ Z . owuwnzwnoom w Êuow @una -BE »Hmhdwã omonoooawu ou mowmwuoa n22_ Smoaãoo «Sã» dv aussi. . o: wtooo wzuwuãoãoo owuw w . Qmmc wwcüwnwm numa_ woman» Ew wouwã no uoomaowã oãoo o_ . EE. em: wav ooo . .Fama ouowm . mOvÊQEw mo mono» wbqw mwawnwu w mwwwõmw ovnwcoüuoaoua . Ewâowoasoãwow omwwuoa o: oummmw ovcãwãuzoo Ew> wuwmmwoowv? o 2a 53:03 mwmãvmwm . mcoãoo «gigas 333._ n: oueã o. . @agua O â ma. : mo own wawmmnuowwuw o w . .omSwÊ . o . mwbwoavztn w movwzooio avião. : . msoomw mu: 338mm? a moowmomwuwn momãuwu mo »Bom . mmãwmowêoo waowznwmooowt Sw: w wBwSwwQ wEEwm Ew: .ommwuoaa o: mmuwwonãwwu w $393 oww wav wwosaoo . wEwE . mouzwãzowm . mozwwoou _mwucwwo . mwüzwtwaxw EB wav . naum. -mamã . $525 . no33 moauwãmzw wo wvwãzuw w omuaounzãoo c. . oàuwÉo w amanhã: : . ootÊmE . ÊEOÚÊUUÉE www a amwwa w E95 ommwoooa E: ovwawvüqoo oww wv Snwa . nwhãzoâoom oaxwuzoo o: 335mm_ su? wc wmmwzwtwnxw naum Eow mwwommücw w mwuoumwowu won «Euzwoun . nwzâooãw w 332m8 omusbmoov w owuwãuomwodow oãoo momoñzãmw mâwa onwuwmzmaou w . wwon . ÊGAJONUESEOU owmwuoã O . oñmmwa 055o São caga osuwàoz_ E: wo mwwowccowo_ wo Soowowumãwu wo www: : ommwooua E: oEow Anna . a .59 503v . .Rno_w= .wb_. owuwoEsãoo w . Regua wo ãñwu . mamã _Ewmüwun msoumw 355m3 . moEom w mou -mtu _moàwnwuwu MOSUEUC_ wc anunciou w Eco : awznzboow w mwut . mwÉwZQEw nã: EwEow wm mwoüomwvwa mwowvrzpw mw wav «uma . awesome msm wc Suàwxv ou mooíou wwonwwo wwâoum w moh: : mawn . .HNDÊGUs . mania mov mwüzwiwmww mw nwmtowã w>wv Eoumw < . movwuwonw moãzmmw wo 95cm mwwxwuww Humans_ _NUGÊ . w mamão w: omoawã wv mwvwvãzñoao nato . E3505 wowmwuowm o HwàvEomwunE_ w 6mm_ wom . BwE : wm wmañou wow o eva. ou . sãaw . .nEwEo w OWWÊBD» wv uovãuwmmw . mREon w mehr: wc 3:2 . oàx -wuE . conto contava_ ou owuwcnow wo 388 o own «Éomw m wnmo . NQMUU no: w: OUGSE OU OWMGUOMQEOO a O ONQNOEE _wa w «anima Eomwuaã_ . ow w uw> wx 35:2». mm wwwmwmwmww . . . . . m . . < . wo mwoob mw . wnüwwãm mw Ewowpzoow wav mnsmwmwmÊw. mu: 0mm wãumm w: owwsuws_ w omni: o Em. . a›= w:. _w: < S: : uowmmuêaêeo . .Sumo oww os @mw wav wUwEÊEoo , S. omuwâwñãa wÊwuw w Ewn ooüowwvwoàwumoo 06.85 E: ww 3.525 .53. a o . wnâ e . .encantou
  26. 26. K _ ã mm E: : . Sovmoàãzuvuommououn ouviu: m: ou: oE_›oE o notam. : a : mmvñãwmmc «.89 acao. : 3.5053 o : ou o>wv owonwã o . E54. . oããrou : um ou na. : 2o 2a : Bmw o : :ou : mano: m 365m2:: @www 0:26 o: :Romãoumu Eownu_u: o:amó: _m: o ommwuo: : o: mo: _›_o›: w mo mova» wav oiwmmouo: w mowÉoua oww_ mau «uma . oãsozzm . Eoumo a: :wowããwa ; Emma . o mouonuw mzmw : SEE: «uma among. .. ou owuaãoo «zm «omaha m: : : :ou ovãnã . casi ou Ewwwnqvzwuna a: QMUÊWEOU m: ã: un_om_u. õpi . NÊOM ou 39933: : E0553 woãnwmou mad oa : :nuca oÉwinãaÉo E: ou ouavãnmmoa a w: .mozsmê. w m: w>ow ou omuaonvm «Z . Q . a . Noca . .To 322w _n68 canvas m 03.3%: : ou moêümouw: ma «não . Svsvwí oÉmEoE o m_ . wwvwümuz . NHNQ ouuuüâau S. S: oE_>_o>: omwv o m ommzwoanãou «um a m9: nomes: .SÉ ou ouaoêoña 835m E: w em: owuüzuu w meu. . _omoã -0135 S: : : mas: 83:8 sã. : . ondumzuanã . Eva . moãoumã . ozuaosvm owmmooã o: mov§o›: o mo moveu ou @uma -Ewan a utwmwooo: w . owB _oãwuzvo w wãmããm : um 25 : moon: bow: «$005 Boom» < . oããuou : naum o: owuantoã . mmãuwionxo o: noob . ouso ou 332mm: .owoãv : :em câumozvw ommwooã mania owZ . ozuwusuo owmwooun E: E: : . âuzwãoazn 55:55: eu w @uma ond 3m? .omega ommo: .n33 woãovzm m . OS-HW emma: Anmuawuwmo: oEmoE o moããñ _moÉouoã moEwEm nom Sm? wmmo: So 3a oEwmS . engano. @Emei É: : . ..wãuànãou 68:0 . moãrovom na 25 woES m mansa mommo: WDÊEOOEO doom @M5335 ou Ewwdunêounã mu Eouããto üommwuâ oEoo . mSEBw w mmw>on ou 8392.: a _om «na ovwxsioommv o 5:8 mv «Emma a 8502.. . oucdzv . ouãním oz . mozñãmu moi. : 0:3: oa : aowuwuo wmmwwaa o: : Eowanwnãwunu sã. : oummowãoom ma. . sã: .nom . mwuoã naum mon o owumuzum a mzwuw: ow 2a o: oÉoEnEREu onmo: 3mm ãâtmnãou «Ham woman moEoZu ow: m3: . owoqwã. E: em. : w OMOHOSOE E: mo: õ>_› . n33 mSÊE . mau moãonmouoa I wuñommvwm owumzouãoo o : chamam cinza . otwamümã . Buwã o: _m: m . E55 . .n25 cam: : . E53 owwdonvm I . .São ou moumEEuoE Égua: nã: : W209 moÉwuou oEou moãobouuoa and 05:53 o : M50: o< Êãã aos: : s_ . .usam 2. 25:8 o . ›.-g; ..; ..-. ..Jhu. .mam. .:u. zy, sau. .mmun - . _ â . mREwU mou «Uãawxv om . mwnw> mn _and oámn à. : E: Eau omwawaã : mma: 35d . ãEoa moãouonv ozããmo an: : v: 38:3 w : ow: :: ou . Ewuoa . ozuo _no w woEÉm _ouso oco. : ou aoúwã dama: :oouwxw meigo: »vã _uma_ o w E 2o: .wuuuowo mo: «Em mv «Em wmwo: SE wwudvãnümoa mu: :não: ou : não: moãwcon ow z . no.3 . a . mama . É How: o>o: E: o : Sumo nã: S: : mv 365m3:: :cmi o w EwÉo a w : m: . =a_um_v: wa: _-om: «bao ou aaãnuuâvawu: : 2mm . N55 anãouwkv 2a 03080? o 0.o 35a: ouuvwãñnnomwuhwgz_ a mbzo . ..ami o w 25a . vv damn a m. ..? ma. . 8.62: 06:53 _dbzonmh _adm moãswmvm . ::owma: :w: m.m. o:= nm. :omwomowaàõomo ovmnmw o w and . .murray ouuunaw. . m eSom Qmuzuoimaã sã: :vê wmàoman . achou «numa . ããznommcuwuã owonwqu E: hw>_> : ovo: «Ham mean: mzww naum: : : mao o_. :o: :uw: :oow: wmmo o «Etna ou 8:0: oEoo owauüw: zn_om_u: wu: _ . n 325m: : naum Em auwãouw: :ommwuoun o mac oiwmmooo: w . .oumazouw sumo: 0mm_ and NHNQ mau no59» . E969 _caem Éoomv d: «ÚEWQMÊOQ . .Em w Ewwwnwvzwuna Su owozàmãu a Mamã 05mm. : 2mm E5325:: moãommwuza 25 nã: achavam: mo no.5? wommo: Em mocãumzm . ãmoñõ 52a Eco moãwã_ om: .mEÊmt -magno mv . noob nã: :uma: NHNQ Swami: moãhãoozo ou: oEoO . Scene m: NÊGWENÊMQ . msm . NHNQ _SDEGOO 95H ou . Em . .mnumãwunm . no omusbâou . mv «Evga and uommouoã o Amou_ E: :oa omãâou m: ovEEEEnu rod chao ou mamã: o . Haven o: .CWB É: o: .much. m: às: : moon ãñãümztmu: : 395a o nntmaumãv 05d 6.o omvzom 4.. _ou: w:xu: vm ommwv : Sã mo: sã: mw_ . a . mmmó auãnarm 353.8.. _sua m_ . mozãnom mo: -c:5:vm das? $232,. .. . mooívm o mago_ m: owomuzvm n: moãtpoomov no: mas moãwüoouwa moaããmo no23:: woãmnoâoa . aiÊwmãu namo: moÊPÊ: v mwb mana woãâo 04 magna_ u 326-. uu owmmuzuu u: suzmvzãxu E: : : m=__. __um_u. _m~= _ macaco: no59.. . a E3 omBwE 3:25_ . .usam o o . Spam o cogita_
  27. 27. â .00020000000 . moããaommv . moaaamzaaa . wHw E00 0wo:00:_w0:_ a: 20:. . :00 w 05:0 0 00.0500:: .owuaucãoã aw0w : wbowo Sam . nmocw »awaumc 0:50:30:: 00: . wuawaaanw0 00000000 E: Ew 00.0.3000 . OuEOEOE 000w: _w 30:05.53 wawzã 00.8.33 0000200 00:33.: : ma. : . moiaãnoumaaà 0 ow: 60502.0 wav Ew 000295 0: 0w: a:_:0u_: 00:50:00 0:: a:v . wav a:0_0:wE : awEm . auwza m0: 50:00:00.3 a m . FHSGOEÊOQNU wav 000030 w: .0wa: a0:w0 00.30 w: 0:02:50 a000: w: 0950 Nau auãavaã < ,095 w: 00EwE08w0 wav 0w0a0:: m w: _aaoümuoam 0500 a: aEÉ a: a:0w a_w0 09.3.3230 . aIwEwE a000: Ew . wav aEUwE w NEO» w0 amou 0003530 w: 00086 a ahw: .a: :w› owav 00:06:00 428000000 arãwíh a000: 00533030.: 04 000m. &Égwã . ..0:: a:: E E0500 0m: : 0a_w wav ma. : 00005.53 Ea: : ou: a0.. .? .0.. .a: w_ 800.00 0:03 0m: 300000 0a wav _B0_ w 000:: : 0: 00:80 w 8.08.8005 wRE 0 6.o a_. w> 6.5.. : . .E060 O. . _aãguawauu auzwí : Eau 000.05 o 0.33 mwmxwzwz 602:: me: : 0:00 E: Ew . otwmmwuwa aawm o0a0 2.00500:: aua0 0:aua0w:0 080w w : wnam : w0 0a : É w . a E: a~a0 : $0.28 : w: w EWÀÊ w . owxwuwu aE: w: 003.000: 0: .0au: a:: :: ma: .. .Szuwuoa w : a:__0_00:: :w: : 000 E00 .0wHa: =0_00_: .~w0:_ 0w: a_. :a 0:: w>_0>: w0w: 000w .0w: a:= B :0000 wammw E00 015.956 . wav 3500.0000 E: w 00008000 000m . wwhwnam 095: w: owuüâva a: 0000:. ..? aaa0 03:00:09:: 0E00 w0w: :00w: ma w a0:: w: 00:00:03 waam 330w _wna0 0:03 0 wav 00 : :a0 a 0:08:00 : wm 005200.: _0030500 : wm OVÉNNÊOE . mozãa 0:00 E00 00.0%: : 0: 00:05:00 w 30500000 . :w0:w00a .0_: ::a a0 Ew>0_. .oaama 0 #H0 otwmmwow: 00500 0 00:8 -E003 00_mwwa: w0 oãanab awm w>_0>: w0w: wav 00000090 O . ..E8500 no52 a: .. no35 00 : :SEM o m w , . , ., M . . _ . ... .._. ..r. __. ... g.__. _.e. ... ._. .,. ._. .m. _-. ..au. __. 4 M. .. n«n»nm4vi. ¡¡_ rx: .. - . . . Lie 1INZ'›I : m . Ewmau_: :w:0a w: @achou wa>0: . waawãaoutw . ..Eavva 0:2: 0 aha0 0000050500 w owoguoE 0500 05:20:50 w . owuauumaow ammw: 03505500 0200 00:35_ momnamw: 00: w mawob ma: anwavt aE: w: Êw0 aaaa w: aim a: w350i: a _Snauwaam_ .00a: w::0w: :00 00>0: : baga a 0:03:90 : :uawm w0 w_w wav 80:, .OMQNUMSUOE wÉwHaÊw0 Ew ma. : . o0:_. am: o0 3553000 : v0 E: 9:00 0:20 000w : w:: wp: w 0000000000 . .Emma _w EwmaÉEwEa ammw . ana0 moüxammwww: 035000 00 00:00 mwwuaêo: : 0.a>0: mc. . E0000 a: 0:: _a 0: a_0:w: a:= w0 w EwwaB: :w:0a a a~a0 moâan: : : ou w 3009000050:: 330a aE: 09:8 620a . BEE w: 005.003 w ovaãanah : wm 00:w: :0w: :o0 o . ana0 00:20:00 00:22.00 o< . Êaazaãwammm 0 õEwE -_0w: :00 0>o: E: w: w: a:_00w0w: a : aanwwuw0 wav E00 o: :wua. « . NÊOM a00w0 . moãaawm .0_. w:0:0w: v w 0520300 0 »año w: w: a: AÊEOQO 09:00:00 w 0w0a0=a2 waam w: 0000.30 .00:: _.a 00 ana0 gzawuEmü _ou wav 0 E00 9.0500 30.220_ 0mm maia 00000: w: :0 Hama_ E: m_ .950000 Ewm 89.0230.. . w wanwamiu .00::00 . $00.05 w: .. .Bau 50:00 00:00 w: :0 0:00 w 020300 . wuwwna . S300 Em. : E: .oua0mw 0000: . Saw w: amam a: moãwuau _moaãa 0.0000: E00 . wmom . Hw0a0 awm w: :0:a:0u0w: v w 02:00 00:58 9:00 w: a0w_000 a: .na0_0_. ,:a0 w 053a. : o: 00:5: 0: ma. .. -0300008 mw 30:03 a0000 wav a0a0 ma_0:w0w0E00 ma w 03080500: 0a 30: 02020200000 r caía o: Ewwa§: :w:0a a I 00:w: :0w: :00 0: 03:50:00 a: .. a0_0:~a0 w wav 08.0000: 0E00 0›. aw_. n0 0000: E0000? w owwawãaãou . aEa 00020938 aHa0 30:80.: : w mauaan_ -wEw0 mawmw: nasmawuwE 30000000: w wav nw> aE: .I _23005000 w Ha00ww0 a0:: 932m0: 832w: : . E000 00020 . Ewwau_0:w:0a u a_: a w: Sam Ew 033a 000 wauaww: : wa w 05550050 ma E00 00553 . ab 030w w: ÉBHWÊOQE_ a 00:50.50 .00::0< w 0:00:00. w: 0:05:30 a: 500804003:: 8:80: a0:w:0 a000: E00 005m3:: .. Sã . ..âíg @Miva . a:a_00_ Obããâdka 0.30000 E00 _wà0000E_ w wav 0 . $2.30 w: 0:: .a: v a0:: w w0 wÉwãom m. ..? wav aaw nm .0 . moomv 008000002 . Ewwaa_: :w. _0a : Hwã: 0m: 00003950 00 whEw 000.0:: 002.0: o: : 3000.5 HQNGE 9 w : Bam O : :aãmã . . . .,
  28. 28. ã m: : 00:05:50: OWUNEHOHSSN m ? ovãmm . n20 E00 umvamuam 0 mm_ -. aãmu . mmvos mm: m 003m3.: 055070000 05 dvix _owomxv 00mm 00% -vwmvwa 00mm. : : ou o: .negão naum: : :0 0.3.505. mm m: : E0 oncvcno o: 0.0.0005:: 00:02:00 m5 omxmümu «www . mcioumzmb m m mmmnm: : . owom : :m 0.500 85m. . 20 0:. : sã: ovmm: :mm «Sven . mmãa mumm m . Smmmmomm 0020.50 owoãv 0 35:0 _cãvmdõwmmuoun 03025 0:0 30200260 005m5 0500 OUNUhOQN _ou owoaav o . E00 . v3. . Eowmuzãmaam mv 00:80 0: &Eãov : mw ãmmwmmh: : mv onmmmv 0 . aomÊ nv 209a 0 6:3: ov : mama mv mão: a . ..SmE 69:0 50 0200550 ov Em? à mv mvS:0> .0_E0E_0m: :00 mv onmwmv . OUNUÉOEO nmtonmmv wamvo: vbwmE o 0.52.00 0:0 E00 A05: . fovmzüv 00.500.500 0v amam: : 00:50 E: mv . NHDÊQDN m 8_Êma m: : 20:0: 0E00 . .ommmwona cv 0.50.00 a É: : 520:_ moãmvom 05:0 E: .. mwEm . .manu : o @E0390 E: mv 03:30 m . Ema umboozoo dm: :o 02.005.000 50003: : E: . .mm Emvom Hu_.0m0v d 350v : o 02050083 anne: ovãnmwmumm 00.0035:: .E250 0.52.00 : www . amem . a 555 : x00: E0 0:53: : E: 20v umumamm 0 . E053 m NES: : a 055m . mOvEmm 08v m0: Sozwvzmàmv mv 803m. . . NES : :E05 : :à owoãv E: mv São: : m Swan. .bovmãu. :: uma 9:00 . n20 05:0 mnãwvzmamv 0v 00020: . NES «to 0mm_ . NES . mv 0v: :E 0: . NES : R505: 0:0 mmommoa mm: v 0.500 0mm: : mv ma: : m . ompzo : :uma owogv O . mmvmvvõãv m mmvmvmmmm00: . wàmmã ã0E: E00 ümnvtou m mamão? .mwnêmoi 605.50 . mnzuãomnxm »E0028 mmomuoEm .0000005000 . mmücmtmaxo . M5095 «uma 65:0 0 sem: : m: : EmEo: 0v 00:30:00 mvmvümmom: mE: mtmm ãwonmõ . m0_E0E_0m: :00 0 000030000 . wmvÉvv . mmmxmumm mv: Em 030m5 : Q3252: 00002 . mommnmm 0 mouzmEmmszoo mv 0.060 . umamu ommo: Em 003250 Emmmmàumm 0:0 35mm: : moãtovoa Em: 0:0 moEmExmzwm mv: E0 . ..S05 nã 95:0 0 E00 owofãv 00mm ? ou . a . mvmc . E_E Em: «mamã NEI 9:00 ovramm w . wEmm . mma 0:50:00 @E m: : E0 mEvmE m: 50 . mrãwmã : :m N: 05:0 E0350 0:0 m . mvnzã . mvS mas: : av omvomãw E: mñv Emma. : . mvS 0:58 E0 0_ 00mm: : 000o: 0:0 . ovuouwu o m omoãv ov _Samu @E ovzmnc . wiEmv aãdozvm muzqm. . É : no35 nv : Euamm o L - . . , - ¡. .› . ._ . ., _.. .._, ,.. ... .., ... ... ... _.. ... _.. .› . ..-. ... .._. ... ... ... ... ... ... .a. ... .._ . ..n. ... ... ... ..,4.~. ... m›a: ... .¡. ... _.s. . . ›.= ... ..›__. ¡.. _L. -.. .~_ â mvHS om m : amam: 05.3._ 000: Em 2m . moEmsãmdma 395m 05 : m mm . und Nkmwãã mv : Emma: «Bam ow: :m 0:0 moêmãmmnm: @Endvãuha nã 0:. .. R$02.355 0 0:0 omummno m oãmmã m . mmñm . m 00.0023 0:. :o EUUWSE m: : cmo_ 00:00.50 m0 0.5950 . OÊOM m0 0:: 50 : om 0m: m . m-. õm moêmcamcm: mêmãmuãvmvumm, 0mm m0:: : mov moêmzamzm: m0 . cuzwcnnâva otnoua =0E vv 0:03:09: : om 6850009 omoãu OZ . zuzomàmmaamã : :sem 0800 60:05:05: cimo: : emma: mv mo: -ovãona . Emuqv 02d 0v moãmvuoomwv : o moãmmum . moãzmmam mo 0 mm_m E00 mcãmvcmuaa . m0:.0Em> 0 m0Em> m0 0:. : mvÉmE . m . m. . momzaãQnu 0:0 0080.5:: 0:0 o 0 Hnv: E moãmvoa m: : 0 . m0: Em moEãmow 0m: mmmmv 0:: 0 . m0: Em 030.50 vamo 930v m: : 0 30GB? m 050000 0: 0.050 . m0:. ._00m: :00 .007009300 . movtnoummv . WOTWUEGDMOU 0a das: .woman mommo: E00 owomwmv o mocãuüumxm «v5.0 60500050 9:00 0:02:00 oZ . .E590 0 : S305: 0 0000.3 : E0300 0 wtmhooo 0m: 000000:: o . uoüõoimui E: Eom . oümmmv 0: .83. m: : 0500:_ 0 «tmn . mam Emm , Ezmcãvãw w omovmv 0 . uuwíoom 0mm_ 0:0 mas: .0 E0wmu_v: m.ãm-0:_m: m 000000:: ov mmaovmmvmãuvañ moEom wmv . avãâmmoa . mozñãmu mocãâvã m9.: .mocããwcm 0m: no: .mem . ea . a : às . .âêmmaama ma: »Busca A00: . m mamã 0:0 o . E0030 «uma . sã m . E0340 u : Em: m um o: 0.5.8 m 0.0: . EEEF. »toumno «Eua 0500 _Bom . .aoãvoE 0m 0 : mvããm mv ovmvãnümoa : :m HSUOÊOHE_ m 07002300 . ovtnommmv .0_. wv: m>mmv : uma _mvmíon mv 35:59:00 ommo: _OGUHN o E00 moãdwoaãn . NHDHN mv? 20a 300m9:: mv 03000.5 0 ovamcom u_ .0u:0EmEm_0m:00E :0 35:00:00 .0 QEJHUNEMH 0 0509,00 .0E. Hn_m>m0v _mãmvnoommm . mE . E000E00 nã: .amem . muamârà . .sem m0 . goãmme a a memomazoo. . cv omxwum. . m: ãâoamxm 0E nã: mEwvE owwEoo amas: 005:: : m mmE . ahmzãaãou 6:20 . muomwmuoua mv 2.3 m: 00:03.: : n00 mm omomàv 0 Sã: : o 68:2. mOEHNr-Gmão 0m 0:0 m wow 0:55:30 350v: : ow: 00:0:: 0 moãmmzmãm .0:: _Em0 mmmmz . moãumumu 358a . Baum 0 0 _Bmw 0 0053.. .::
  29. 29. k _ 3 .00 . EAS . Q .080 .000000m 630m oww .00 . m .00000000 000300 000.0 e 00000.50 000k . m . ea âmemoo . E0000 90m 00 000000 00000000250 s n00000m0E0 000030305 doom .000000 9mm 0.0: .00000000000000 0mm0000a 0:: .. sega 000000 0 Êâsetek . m 404mm .32 . .a3 0m00n 60000.00. 00 00m .000005 00 00.0.0095 000.3 0005 . m Famzzmm .0000005050 «com .8008300 80.0.0030 @E8 0008.0 m m: .E 0.0 . maammbaaã . E2 . a . .sem . moãom masa: 60000.0 20m 00o . w 3.08000 00 00.000.085 . ' . _ . > .32 000000005 0m 009m5 . êomâg 30.0350 . Z 02002003000 000.00.00.002_ .8000500000000 0000000 00 000000 .000005000 0 0 030000 0wm0 0:00 000.000.000 0m 0:0 0 A50 00.000 0: 0000005 0m 0 000530000 0m Qm: :F00 : mm E0 000000000 0 S000 0:0 000000050 00:00 E: 0 0:0 .0000000 0.09000 o: 03000 0m $00.50 00000000000 o A20 @m . a . maos , . 000000000 000m .0000000000 OU 000330000 OU . MOCH- NU 0000000 N55.. . 00000020003 omoñnz. 00 0005000900 0000 0:0 0000.00.00 0m.0000 0000000 0mm0Z .0000005 0m 00 00m 00 0005000300 0 0:03 000500000 0000: .0 000000 o 0:00 05:00.00 00 0>00 00moam00 00 00059000 0 0 005090000 00 0000000000000 < .00000000 00 00.000.000 00:00 000000000 00 00000030 0 300000 00 n00 0000.5 00:00 00000:00 0 . mp3 Em 0500003 w 00000000 d 00000000: 0 00000005 0:0 00m 0mw0 . $009. 0 3:00 0:0 00m 00 000000 0 : :$000 00 0.000.003 0 E00 moãdiãwãoo 000000005 0000000 0: : no35 o. . 00.055 o 00m 0:0 0 0m.000:0000m . S00 00 00:3: 00 000.00.050.000 00.0.00 0:0 0.0500 0000000 0:00 00a 00500 0 00:0 00:0:: 96: 0:: 000000005 moñãmw .00005000 00:00 0m: 0 0000900 00:00 00000900005 5005000 N05 00 0000303 m: .m0: 00 00000000 0 0000 :0 00 003000 00 00000500000 . QNQNN .000000000 0 00000000 0:0 3005000000000 0:0: 00 00.00.0880: . .0 0: 6:0 C . a . no30 00000020 000m 0:0 00:: 0 . .M2000 o 00.000.00.000 .00000022000 0.00000 m0 E00 300m0.: 0090020 mu: : m0 0:00 000000093 0500000 20:0 000m 0: $230 00 0.00.0000 000: 0000000000 0.0.0500 mcg -5000000900 0:0 00.0000:: 008 mo_. :0›00m0o 00.000.00.000 0mmo: Em 6020000. 00 3000000000003 00000000: m0: 0m.00:0000000.0 _000m000 0000900 00m: 0m 00H00 0:0 00 0:30 00 . n00 .00000000 00000000000 00000n0mm00 00: 00:00 00000 000m 0 0.0.00 000.00.00.00 0 000000000500002: 0m 0m: 0:0 0005000000: _000009009000 0003000000 0000.00: 000000 000000000. o 00000005000 000000000 .00000005 030m 0m 00 0000000 0 00000 :0m 00 00:. .. 0.00.0000 0:0 000m0» 00:: 0:00 n00: .0000000 0:m . m 00:00 0:: : 00000 00:00 0:00 00.0: 00:00.. : 0 00> 0000 m0000 3.00: m00› 0000.0 0 .0005009000000 0000000 00 00:00 . .n00 0 cw: 0000090000 0:0 00 &000000000 m0 3000000000 .0000000000 000m 0000.0000 000000000 00 000000000 00.000.000 00 0000000000000 00mm .000 000 000000500 000 00:0:: 0:: 0:0 0000000000 0 000.60 0 0 0503000000000 0.0000: . masc. 00: 0000 00mm .00505000500 0005000 000.0 00000000000 03:0 o 00000000 00m: : 00.000_ 00:00 0:0 0:0 000000: 0: 0080000050 0000000 0: n00: 00800000030 000200 0: 0mm009n0 0m ow: 0:0 002000. 000000050 :0: 0:0 . Soon 0005005 00000.00 0m 0 0 00:0:: 0 000000000 000-00.000.000 000m3 0mmm .0000000800 0 000m0.: 0:0 8500000000000 0 08:0 00000000 00.0 000 0:0 0002000000000 000300. 0000000 m0: mo0:.0_00000 .0000000 05 000030000 00 000003000002000 00 00000000200 0: 0054 .0000000000 0058 0m 0m: 00 : :a0 0 000005000000500 0m.00=0>o:00 .000000000 00 000m0 : om 0:0 00:50:00 00 300000000 0000500 00: 000 00.0020: . .$000 o o 020m o 00:50:05.0_ R
  30. 30. k _ . mmma . mEEam _$59.50 . um . m mmmmm w owãâ ea . .dia ê sã. .A98 . m . mãos _E _casaca_ ê owuwvasw . m ousÉnmm Bu dumawã ê "Sam m. . «Em . =o> . < . Z . zmmau 5mm_ _muammmi 239m5 . euuauÉàÉoo S. 3.9.03 . E Ego? . mm . a _wma_ . hNSwED. .mama ao @EPM . D585 «uuãã mwwoõoüm @U whmmmmum wvwtwõom w OÊSMEDV nã. . . w _ao ãuãã wñoõuñm mu : oõwvzzm . .ou ouanwamõ . sSNSÊÊ. _ãoêam Qt oâsuvgcoâwgcú owmsmão ~ En. MMÊÉT _E . ..mooncncnm mos . $885 u managed . waãwãmuma mcÊ: : . ..Emma autwãí. .w . E @Em «zãozua 83.95 m: owoQE ou . .E23 o mas» às 82 "Haoõãaum QmumÊE mv 833m5 . donmã . Êʧ~ SÉ . covas oãmce ou 22.. .. L o: EwWNNÊZmuQN mw 053mb ou : :com Qmuãmko . .w . _ . w ÃNHZ . wmã . magnum _$59.50 . um . m mommw w oumamo mas . .suas me 33m. 698 . m . mãoã . S9 . Sozum momuoã aonmã mmâv ? SÉ wmÊwwmHoÊ . O MMODmDO _ÉN . mwma . .m . m . z uzozauuuoa m_ ou wüorzmãocwaa: .E Nezomaãmqmmã . uma "SSS _utuâz . a . u . ovzouwm Nozwâñ _wzãã . UNC. .HmUom : o_o«~: mzo_u§_ a : Quem a_ @U UNUSNEOMUNOA . .SQÊSQwÊBSSQO . R$396 . S @É @Íomru . ÊWWÊ 65H “musica mmãoã . donmñ ? mau @Ea wmsomwmkã . O HMOQmDO @m3 nabmãoã N>O z . um _chocam ou 2m . um . m . awmàmsgsom BSDSwQ se 03395. ofusêwowü 952 . ||I _amv_ . a . E9 rmàmêogm m>oz _obesa ou 2m _osmâw aíuxosã cao? .m ê . m . < _Êãmmmm . Aowuauzum S_ mgavãvcã mwopmozü owuwmoov . moom . mamada 65mm 0mm mcÊaãw o _ÉS . .NÉGÉÍGÉÉQwUMwBLQQÉN . |¡ . Som hwzbmmm _mmEQEmO . um . N. _smwâuwwn_ m @town _awàxwwc . .müdutaâpãsuwwaswuâkq . dam_ . uwüoo _Baum oww . um . o . S093 u: mmsuââânmwusmqg ÊPSÉÊ ôwpov . .lí . maà . mãaam _cada oww . E . m . awwwãmmã m @Êeww . sÍÊÉc . .mBSuÍc§w3.som. eBÊN: ~ . |I I . S2 6.98._ mmwwam _cama 0mm . cênica ã @saia É: .. wvevfczwgàwomwuà_â~ . H ÂNQZHÉM . .um . a . Som . nuñoo _oñzmm oww do . w . Q5333 m ouwnsuâmwu owêmgfa . ..cwwâuwmk . .m . OEEQ . NA o_ . a . m5 . marco woman_ oww . CNN 039?. o @sua ufawwwom: 638: a : o owuuosum a ».53 Êowuã: : obwwwâcb S. oommâb a 23 ofvàawü . a . mmoqqmm 3:82_ 5.3.» o o : .53 e GEGSÉEM

×