SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
EDIFICAÇÕES
SUSTENTÁVEIS
Florianópolis18/09/2014
UNIESP – Faculdade de Florianópolis
Arquitetura e Urbanismo
Tecnologias / Prof. NAppi
Acadêmicos:
François Urban
Frank Urban
Ariane Araújo
Kamila Rosa
INTRODUÇÃO
 Podemos definir sustentabilidade como dispor o melhor para as pessoas
e para o ambiente, tanto agora como para um futuro indefinido.
 Projetos arquitetônicos são uma grande oportunidade de atuação
preventiva frente aos possíveis impactos ambientais decorrentes das
atividades desenvolvidas ao longo do ciclo de vida de um edifício.
REQUISITOS
Para ser sustentável, o empreendimento humano deve ser:
 Ecologicamente correto;
 Economicamente viável;
 Culturalmente aceito;
 Socialmente justo.
BENEFÍCIOS
Podemos exemplificar os seguintes itens, como sendo os principais
benefícios para o uso de uma arquitetura sustentável:
 Preservação do meio ambiente;
 Economia financeira;
 Qualidade de vida;
 Diferencial de negócio;
 Valorização imobiliária;
 Desenvolvimento da consciência ambiental.
DADOS
 economia de energia, que situa-se em um patamar 10,00% inferior aos
edifícios comuns.
 reaproveitamento da água da chuva, que deve ser armazenada para
aproveitamento nos sanitários e irrigação das plantas, consumo deve ser
reduzido em, pelo menos, 20,00% em relação aos edifícios
convencionais.
TECNOLOGIAS
Captação e
reuso da
água
Materiais
reciclados e
naturais
Bioclimática Tratamento
de resíduos
Energia Paisagismo
Produtivo
Atualmente temos a disponibilidade uma diversidade ampla de tecnologias
para aplicarmos num empreendimento sustentável. Custo de implantação
varia de 1% a 7% a mais de um empreendimento
convencional.
CAPTAÇÃO ÁGUA DA CHUVA
• A água é captada em caixas de
coleta, filtrada e armazenada.
• A água dos lavatórios e dos
chuveiros passa por uma estação
de tratamento e é armazenada
para uso nos vasos sanitários
CAPTAÇÃO ÁGUA DA CHUVA
CAPTAÇÃO E REDUÇÃO DE ENERGIA
Energia eólica
Cata-ventos no topo produzem a energia consumida pelo edifício. A
tecnologia ainda é cara em alguns países.
Energia solar
Painéis de captação são instalados no topo para aquecer a água ou
para transformar o calor em energia elétrica.
Aparelhos econômicos
Lâmpadas de baixo consumo nas áreas de uso comum e motores de
alta performance diminuem o consumo.
Sensores de presença
Nas áreas comuns do condomínio, diminuem os gastos de energia.
ENERGIA SOLARTÉRMICA
ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA
ENERGIA EÓLICA
TRATAMENTO DE RESÍDUOS
TRATAMENTO DE RESÍDUOS
MATERIAIS RECICLADOS E NATURAIS
Prefira os de baixo impacto ambiental, não
só na sua produção mas também ao longo da
sua vida útil. Informese sobre a questão da
reciclagem, prefira aqueles vindos de
processos que utilizem material reciclado
e/ou que gerem resíduos não agressivos ao
ambiente e que possam ser reciclados
posteriormente.
MATERIAIS RECICLADOS E NATURAIS
Ecovative: material
isolante a base de
fungos que substitui
a utilização de
espumas plásticas.
Cobertura GR Green: restos de pedra calcária
e plástico reciclado (garrafas de leite e
sacolinhas plásticas) compõem o produto
que custa menos que os concorrentes, tem
longa duração (pelo menos 50 anos)
Dutch Design Initiative: painel
reforçado de cimento, madeira
e lã, é resistente ao fogo, à
água, a insetos, não apodrece e
ainda por cima é um isolante
térmico e acústico.
BIOCLIMÁTICA
As cores das fachadas e das coberturas influenciam diretamente o conforto térmico.
Considere que as cores claras não absorvem tanto calor como as mais escuras, uma fachada
branca absorver só 25% do calor do sol enquanto que a mesma fachada na cor preta pode
absorver até 90% de calor.
A energia solar é importante, mas na medida certa. Aqui no hemisfério Sul, o ideal é ter os
ambientes nobres voltados para a face norte, que são frias no verãoe quentes no inverno.
O lado Sul da habitação deve ser reservado a ambientes transitórios como banheiros,
despensas, cozinhas.
Áreas envidraçadas causam grandes ganhos térmicos na estação quente e perdas
térmicas muito consideráveis durante a estação fria, o que implica sistemas de climatização
adicionais para corrigir o efeito. Como sugestão, a área envidraçada de um ambiente não
deve ultrapassar 15% de sua área de pavimento.
BIOCLIMÁTICA
PAISAGISMO FUNCIONAL
OUTRASTECNOLOGIAS
REFERÊNCIAS
 G1 Globo. A Busca de SeloVerde em Prédios. Disponível em:
<http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/03/com-atrativo-ambiental-e-
economico-sobe-busca-de-selo-verde-em-predios.html>.Acesso em: 15 de
setembro de 2014.
 Atitudes Sustentáveis. Transformando Edificios Comuns em Edificios
Verdes. Disponível em: <http://www.atitudessustentaveis.com.br/imoveis-
sustentaveis/transformando-edificios-comuns-em-edificios-verdes/>.
Acesso em: 15 de setembro de 2014.
 Desenhar. Edifícios Sustentáveis. Disponível em:
<http://desenhar.arq.br/wp-content/uploads/2012/10/edificio-
sustentável.pdf>. Acesso em: 15 de setembro de 2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentveljaneibe
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCproftstsergioetm
 
Aula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentávelAula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentávelCarlos Priante
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental sionara14
 
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.Waender Soares
 
Coleta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientizaçãoColeta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientizaçãoAne Pimentel
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos IndustriaisOdair Medrado
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasDenise Marinho
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção CivilTania Barboza
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSMayke Jhonatha
 
1 educação ambiental
1 educação ambiental1 educação ambiental
1 educação ambientalPelo Siro
 

Mais procurados (20)

gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Aula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentávelAula 1 desenvolvimento sustentável
Aula 1 desenvolvimento sustentável
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.
 
Coleta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientizaçãoColeta seletiva conscientização
Coleta seletiva conscientização
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
Tecnologia social
Tecnologia socialTecnologia social
Tecnologia social
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
1 educação ambiental
1 educação ambiental1 educação ambiental
1 educação ambiental
 

Destaque

Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.
Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.
Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.Frank Caramelo
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)François Urban, MBA
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCArc Engenharia
 
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis? Ana Rocha Melhado
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis?  Ana Rocha MelhadoPor que Desenvolver Projetos Sustentáveis?  Ana Rocha Melhado
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis? Ana Rocha MelhadoproActive Consultoria
 
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.Marcos Carvalho
 
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosConstrução Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosCarla Angelo Santos
 
Edificacoes sustentaveis
Edificacoes sustentaveisEdificacoes sustentaveis
Edificacoes sustentaveisBruno Nóbrega
 
SISTEMAS OPERACIONAIS
SISTEMAS OPERACIONAISSISTEMAS OPERACIONAIS
SISTEMAS OPERACIONAISJota Sousa
 
OPENOFFICE WRITER BARRAS
OPENOFFICE WRITER BARRASOPENOFFICE WRITER BARRAS
OPENOFFICE WRITER BARRASJota Sousa
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadoresJota Sousa
 
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPBruna Fonseca
 
Análise climática - Casa Bettega
Análise climática - Casa BettegaAnálise climática - Casa Bettega
Análise climática - Casa BettegaGeovanaAlvesA
 
Dicas windows 7
Dicas windows 7Dicas windows 7
Dicas windows 7Jota Sousa
 
Casa Bacopari - Análise Conforto Térmico
Casa Bacopari - Análise Conforto TérmicoCasa Bacopari - Análise Conforto Térmico
Casa Bacopari - Análise Conforto TérmicoJordana Souza
 

Destaque (20)

Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.
Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.
Edificações Inteligentes - Soluções Sustentáveis, Tecnologias, Tendências.
 
Edificações
EdificaçõesEdificações
Edificações
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
 
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARCPráticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
Práticas de sustentabilidade aplicadas na construção civil - Case ARC
 
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SPEstudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
 
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis? Ana Rocha Melhado
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis?  Ana Rocha MelhadoPor que Desenvolver Projetos Sustentáveis?  Ana Rocha Melhado
Por que Desenvolver Projetos Sustentáveis? Ana Rocha Melhado
 
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.
Executive Report_IBM Empreendimentos Sust.
 
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica MatosConstrução Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
Construção Sustentável - Trabalho realizado por Elsa Santos e Verónica Matos
 
Edificacoes sustentaveis
Edificacoes sustentaveisEdificacoes sustentaveis
Edificacoes sustentaveis
 
SISTEMAS OPERACIONAIS
SISTEMAS OPERACIONAISSISTEMAS OPERACIONAIS
SISTEMAS OPERACIONAIS
 
OPENOFFICE WRITER BARRAS
OPENOFFICE WRITER BARRASOPENOFFICE WRITER BARRAS
OPENOFFICE WRITER BARRAS
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
 
Análise climática - Casa Bettega
Análise climática - Casa BettegaAnálise climática - Casa Bettega
Análise climática - Casa Bettega
 
Dicas windows 7
Dicas windows 7Dicas windows 7
Dicas windows 7
 
Apresentação atelie
Apresentação atelieApresentação atelie
Apresentação atelie
 
Arquitetura Sustentável
Arquitetura SustentávelArquitetura Sustentável
Arquitetura Sustentável
 
Aula conforto termico
Aula conforto termicoAula conforto termico
Aula conforto termico
 
Casa Bacopari - Análise Conforto Térmico
Casa Bacopari - Análise Conforto TérmicoCasa Bacopari - Análise Conforto Térmico
Casa Bacopari - Análise Conforto Térmico
 
Eco rio 92
Eco rio 92Eco rio 92
Eco rio 92
 

Semelhante a Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)

Stark Haus Construções Inteligentes
Stark Haus Construções InteligentesStark Haus Construções Inteligentes
Stark Haus Construções InteligentesMarcelo Botte
 
Solucoes sustentaveis
Solucoes sustentaveisSolucoes sustentaveis
Solucoes sustentaveisMônica Sales
 
Personal green apresentação de produtos - dez 2010
Personal green   apresentação de produtos - dez 2010Personal green   apresentação de produtos - dez 2010
Personal green apresentação de produtos - dez 2010Maurício Filho
 
Arquitetura sustentável
Arquitetura sustentávelArquitetura sustentável
Arquitetura sustentávelEduardo Amaral
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDVkliisnj
 
Condomínios eco-sustentáveis
Condomínios eco-sustentáveisCondomínios eco-sustentáveis
Condomínios eco-sustentáveisfardsp
 
Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoEficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoPedro Hijo
 
Sustentabilidade e o Paço Municipal de Itu-Otero
Sustentabilidade  e o Paço Municipal de Itu-OteroSustentabilidade  e o Paço Municipal de Itu-Otero
Sustentabilidade e o Paço Municipal de Itu-OteroICLEI
 
Casas ecológicas
Casas ecológicasCasas ecológicas
Casas ecológicasMahcell
 
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável 8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável artedasustentabilidade
 
Livia Tirone - Construção Sustentável
Livia Tirone - Construção SustentávelLivia Tirone - Construção Sustentável
Livia Tirone - Construção Sustentávelken.nunes
 
04 APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt
04  APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt04  APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt
04 APA ICS Livia Tirone 17 02 09.pptken.nunes
 
O Mercado das Tecnologias Ambientais
O Mercado das Tecnologias AmbientaisO Mercado das Tecnologias Ambientais
O Mercado das Tecnologias AmbientaisHiago Vilar
 
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2Sérgio Luis Domingues
 
Dicas - Quercus
Dicas - QuercusDicas - Quercus
Dicas - QuercusDawoud666
 

Semelhante a Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias) (20)

Informativo insp 36
Informativo insp   36Informativo insp   36
Informativo insp 36
 
Stark Haus Construções Inteligentes
Stark Haus Construções InteligentesStark Haus Construções Inteligentes
Stark Haus Construções Inteligentes
 
Solucoes sustentaveis
Solucoes sustentaveisSolucoes sustentaveis
Solucoes sustentaveis
 
Personal green apresentação de produtos - dez 2010
Personal green   apresentação de produtos - dez 2010Personal green   apresentação de produtos - dez 2010
Personal green apresentação de produtos - dez 2010
 
Arquitetura sustentável
Arquitetura sustentávelArquitetura sustentável
Arquitetura sustentável
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDV
 
Condomínios eco-sustentáveis
Condomínios eco-sustentáveisCondomínios eco-sustentáveis
Condomínios eco-sustentáveis
 
Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construçãoEficiência energética - Os novos caminhos da construção
Eficiência energética - Os novos caminhos da construção
 
Sustentabilidade e o Paço Municipal de Itu-Otero
Sustentabilidade  e o Paço Municipal de Itu-OteroSustentabilidade  e o Paço Municipal de Itu-Otero
Sustentabilidade e o Paço Municipal de Itu-Otero
 
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - SonnenkraftJoaquim Pescada - Sonnenkraft
Joaquim Pescada - Sonnenkraft
 
Casas ecológicas
Casas ecológicasCasas ecológicas
Casas ecológicas
 
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável 8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
8° ano C - Construção de uma casa ecologicamente sustentável
 
Livia Tirone - Construção Sustentável
Livia Tirone - Construção SustentávelLivia Tirone - Construção Sustentável
Livia Tirone - Construção Sustentável
 
04 APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt
04  APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt04  APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt
04 APA ICS Livia Tirone 17 02 09.ppt
 
Energia conservacao
Energia conservacao   Energia conservacao
Energia conservacao
 
O Mercado das Tecnologias Ambientais
O Mercado das Tecnologias AmbientaisO Mercado das Tecnologias Ambientais
O Mercado das Tecnologias Ambientais
 
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
Manual do-aquecedor-solar-com-tubos-de-pvc-v1-2
 
Dicas - Quercus
Dicas - QuercusDicas - Quercus
Dicas - Quercus
 
Modelo Ecco Eficiente
Modelo Ecco EficienteModelo Ecco Eficiente
Modelo Ecco Eficiente
 

Último

Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (9)

Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Edificações Sustentáveis (Estudo das Tecnologias)

  • 1. EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS Florianópolis18/09/2014 UNIESP – Faculdade de Florianópolis Arquitetura e Urbanismo Tecnologias / Prof. NAppi Acadêmicos: François Urban Frank Urban Ariane Araújo Kamila Rosa
  • 2. INTRODUÇÃO  Podemos definir sustentabilidade como dispor o melhor para as pessoas e para o ambiente, tanto agora como para um futuro indefinido.  Projetos arquitetônicos são uma grande oportunidade de atuação preventiva frente aos possíveis impactos ambientais decorrentes das atividades desenvolvidas ao longo do ciclo de vida de um edifício.
  • 3. REQUISITOS Para ser sustentável, o empreendimento humano deve ser:  Ecologicamente correto;  Economicamente viável;  Culturalmente aceito;  Socialmente justo.
  • 4. BENEFÍCIOS Podemos exemplificar os seguintes itens, como sendo os principais benefícios para o uso de uma arquitetura sustentável:  Preservação do meio ambiente;  Economia financeira;  Qualidade de vida;  Diferencial de negócio;  Valorização imobiliária;  Desenvolvimento da consciência ambiental.
  • 5. DADOS  economia de energia, que situa-se em um patamar 10,00% inferior aos edifícios comuns.  reaproveitamento da água da chuva, que deve ser armazenada para aproveitamento nos sanitários e irrigação das plantas, consumo deve ser reduzido em, pelo menos, 20,00% em relação aos edifícios convencionais.
  • 6. TECNOLOGIAS Captação e reuso da água Materiais reciclados e naturais Bioclimática Tratamento de resíduos Energia Paisagismo Produtivo Atualmente temos a disponibilidade uma diversidade ampla de tecnologias para aplicarmos num empreendimento sustentável. Custo de implantação varia de 1% a 7% a mais de um empreendimento convencional.
  • 7. CAPTAÇÃO ÁGUA DA CHUVA • A água é captada em caixas de coleta, filtrada e armazenada. • A água dos lavatórios e dos chuveiros passa por uma estação de tratamento e é armazenada para uso nos vasos sanitários
  • 9. CAPTAÇÃO E REDUÇÃO DE ENERGIA Energia eólica Cata-ventos no topo produzem a energia consumida pelo edifício. A tecnologia ainda é cara em alguns países. Energia solar Painéis de captação são instalados no topo para aquecer a água ou para transformar o calor em energia elétrica. Aparelhos econômicos Lâmpadas de baixo consumo nas áreas de uso comum e motores de alta performance diminuem o consumo. Sensores de presença Nas áreas comuns do condomínio, diminuem os gastos de energia.
  • 15. MATERIAIS RECICLADOS E NATURAIS Prefira os de baixo impacto ambiental, não só na sua produção mas também ao longo da sua vida útil. Informese sobre a questão da reciclagem, prefira aqueles vindos de processos que utilizem material reciclado e/ou que gerem resíduos não agressivos ao ambiente e que possam ser reciclados posteriormente.
  • 16. MATERIAIS RECICLADOS E NATURAIS Ecovative: material isolante a base de fungos que substitui a utilização de espumas plásticas. Cobertura GR Green: restos de pedra calcária e plástico reciclado (garrafas de leite e sacolinhas plásticas) compõem o produto que custa menos que os concorrentes, tem longa duração (pelo menos 50 anos) Dutch Design Initiative: painel reforçado de cimento, madeira e lã, é resistente ao fogo, à água, a insetos, não apodrece e ainda por cima é um isolante térmico e acústico.
  • 17. BIOCLIMÁTICA As cores das fachadas e das coberturas influenciam diretamente o conforto térmico. Considere que as cores claras não absorvem tanto calor como as mais escuras, uma fachada branca absorver só 25% do calor do sol enquanto que a mesma fachada na cor preta pode absorver até 90% de calor. A energia solar é importante, mas na medida certa. Aqui no hemisfério Sul, o ideal é ter os ambientes nobres voltados para a face norte, que são frias no verãoe quentes no inverno. O lado Sul da habitação deve ser reservado a ambientes transitórios como banheiros, despensas, cozinhas. Áreas envidraçadas causam grandes ganhos térmicos na estação quente e perdas térmicas muito consideráveis durante a estação fria, o que implica sistemas de climatização adicionais para corrigir o efeito. Como sugestão, a área envidraçada de um ambiente não deve ultrapassar 15% de sua área de pavimento.
  • 21. REFERÊNCIAS  G1 Globo. A Busca de SeloVerde em Prédios. Disponível em: <http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/03/com-atrativo-ambiental-e- economico-sobe-busca-de-selo-verde-em-predios.html>.Acesso em: 15 de setembro de 2014.  Atitudes Sustentáveis. Transformando Edificios Comuns em Edificios Verdes. Disponível em: <http://www.atitudessustentaveis.com.br/imoveis- sustentaveis/transformando-edificios-comuns-em-edificios-verdes/>. Acesso em: 15 de setembro de 2014.  Desenhar. Edifícios Sustentáveis. Disponível em: <http://desenhar.arq.br/wp-content/uploads/2012/10/edificio- sustentável.pdf>. Acesso em: 15 de setembro de 2014.