Anúncio
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Similar a FILIPENSES, O EVANGELHO DA ALEGRIA ESTUDO 3.pptx(20)

Anúncio

Último(20)

FILIPENSES, O EVANGELHO DA ALEGRIA ESTUDO 3.pptx

  1. ESBOÇO • CAPÍTULO 1: A ALEGRIA EM GLORIFICAR A CRISTO NA ATITUDE E NO SOFRIMENTO • CAPÍTULO 2: A ALEGRIA EM IMITAR A CRISTO, O MODELO E NA PRÁTICA • CAPÍTULO 3: A ALEGRIA NA SALVAÇÃO E NO GALARDÃO EM CRISTO • CAPÍTULO 4: A ALEGRIA DE SERVIR A CRISTO
  2. CAPÍTULO 3 – A ALEGRIA NA SALVAÇÃO E NO GALARDÃO 1) A JUSTIFICAÇÃO - A justificação é um ato judicial de via dupla. A justificação é também uma declaração de que somos justos, porque também envolve a imputação a nossa conta da justiça de Cristo. Paulo o expressa assim: “E ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus baseada na fé”
  3. 2) JUSTIFICAÇÃO FALSA X VERDADEIRA: Paulo enfrenta pessoas que tem um mal conceito da justificação, igual ao conceito mal que ele tinha antes de sua conversão. Paulo enfrenta cara a cara os falsos mestres em base precisamente ao tema da justificação falsa e a justificação verdadeira. São os judaizantes que insistiam que para obter salvação teria que guardar a lei de Moisés, com ênfase na circuncisão. Eles atacavam a doutrina da justificação somente pela graça, intentando mesclar a iniciativa de Deus com os méritos humanos como base da justificação.
  4. QUEM SÃO? CÃES MAUS OBREIROS MUTILADORES Os judeus odiavam cães. Esta palavra costumava ser usada com relação aos gentios, mas neste contexto se refere a mestres judeus excessivamente zelosos, que eram vorazes como animais comedores de carniça. Os chamam obreiros porque formavam parte da igreja. Mas não eram obreiros de justiça, senão obreiros do mal. Distraíam as pessoas da obra de Cristo para enfocar no valor das obras humanas Mutilação se refere à circuncisão deles. Paulo usou um trocadilho com os termos gregos correspondentes a “circuncisão” e “mutilação. circuncisão por motivos falsos era nada mais que uma mutilação do corpo.
  5. SOMOS A CIRCUNCISÃO 1) No lugar da circuncisão física, Paulo faz referência a uma circuncisão interna do coração. Para ele, isso era uma circuncisão mais legítima que a circuncisão física. 2) “Em espírito servimos a Deus” – Paulo insiste que o enfoque não deve ser em rituais externos senão em culto espiritual. A evidência de nossa fé não é tanto nos ritos religiosos senão em nossas atitudes e nosso testemunho cristão e nosso serviço a Deus
  6. 3) “Nos gloriamos em Cristo Jesus” – Os inimigos do evangelho gloriam em si mesmos, buscando fazer coisas que atraem atenção para eles mesmos. Mas Paulo nota um contraste profundo no cristão quando indica que nossa glória deve ser enfocada não para adentro em alguém mesmo, senão para fora em Cristo Jesus. 4) “Não tendo confiança na carne” – Aqui está a chave de seu argumento contra os falsos mestres. Paulo estava falando da confiança que os judeus tinham “na carne” por meio de um rito físico de cortar um pedaço da carne. Vive-se ou segundo o Espírito ou segundo a carne. Os dois não podem co-existir.
  7. CONFIANÇA CARNAL DE PAULO CREDENCIAIS POR HERANÇA CREDENCIAIS POR ESFORÇO PRÓPRIO 1) “Circuncidado ao oitavo dia” – a justificação não é por rito 2) “Da linhagem de Israel” – a justificação não é por raça 3) “Da tribo de Benjamim” – a justificação não é por herença 4) “Hebreu de hebreus” - a justificação não é por tradição 5) “Quanto a lei, fariseu” – a justificação não é por religião 6) “Quanto ao zelo, perseguidor da igreja” – a justificação não é por mera sinceridade 7) “Quanto a justiça que é na lei, irrepreensível” – a justificação não é por obediência à lei
  8. JUSTIFICAÇÃO VERDADEIRA EM CRISTO • Paulo enfatiza que seus credenciais para adquirir a justificação dependem não de alguma coisa que ele havia feito nem tampouco do que ele havia sido, mas que depende unicamente da plena obra de Jesus Cristo a seu favor • Paulo considera necessário para obter a salvação:
  9. 1) CONVERSÃO – Conhecimento de Cristo (v.8) – Definida como a ‘excelência’ do conhecimento para quem está disposto a perder tudo do que tem em troca por tudo o que Cristo oferece. É uma salvação, e é de Cristo. Não é um conhecimento geral das coisas de Deus, senão que se refere ao conhecimento de Cristo. É um conhecimento que resulta em uma fé prática e não somente em discurso e emoção. 2) JUSTIFICAÇÃO - Justiça de Cristo (v.9) – Paulo está propondo uma mudança radical da auto-justiça legalista a justiça “que é de Deus mediante a fé”. É uma salvação não por obras senão por graça de Deus, recebido por fé. É uma aclaração de que Deus não ‘faz’ justo ao pecador senão ‘declara’ justo ao pecador. A justificação tem sua origem em Deus, e sua base na fé em Cristo.
  10. 3) SANTIFICAÇÃO IMEDIATA – Poder de Cristo (v.10a) – Na santificação imediata o pecador é declarado santo e separado por Deus. A ênfase é no contraste na fonte do poder. Não é na lei (legalismo). Tampouco é na carne (boas obras). É no poder do Espírito Santo que aplica a obra redentora (a justificação) de Cristo. 4) SANTIFICAÇÃO PROGRESSIVA - Companheirismo com Cristo (v.10b) – Na santificação progressiva o pecador chega a imitar a Cristo cada dia mais e mais durante sua peregrinação terrenal. 5) GLORIFICAÇÃO - A ressurreição em Cristo (v.11) – A referência é “chegar a ressurreição dentre os mortos” quando Cristo vir ou quando o cristão morrer e assim passa da vida terrenal a vida celestial como um dos benefícios da ressurreição de Cristo. Aqui Paulo reflete seu desejo profundo de superar o pecado para poder ser ainda mais efetivo como servo fiel de Deus
  11. CONCLUSÃO • Paulo apresenta o seu exemplo de judeu e também de fariseu, lembrando de que o novo nascimento em Cristo o fez perceber o quanto suas glórias não valiam absolutamente nada, entendimento tão profundo que o leva a dizer: “considero tudo como perda, eu as considero como esterco”. • A cultura da época valorizava o desempenho intelectual e também físico. Ele finaliza ensinando que deveriam viver de modo excelente em Cristo, padrão apresentado por ele mesmo. • Mas, assim como nós nos dias de hoje, eles não deveriam viver apenas à procura de mais e mais conhecimento, mas que deveriam praticar o que sabiam, através de atitudes reais
Anúncio