SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
ESBOÇO
• CAPÍTULO 1: A ALEGRIA EM GLORIFICAR A
CRISTO NA ATITUDE E NO SOFRIMENTO
• CAPÍTULO 2: A ALEGRIA EM IMITAR A CRISTO,
O MODELO E NA PRÁTICA
• CAPÍTULO 3: A ALEGRIA NA SALVAÇÃO E NO
GALARDÃO EM CRISTO
• CAPÍTULO 4: A ALEGRIA DE SERVIR A CRISTO
CAPÍTULO 2 - INTRODUÇÃO
• Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, está ensinando algo
que contradiz tudo o que os gregos criam. A perspectiva
grega da humanidade exaltava a liberdade e denegria
submissão.
• Para eles a humildade era uma característica negativa. Mas
na Bíblia é dado ao conceito de humildade um sentido
positivo.
• Em sua humilhação Cristo se fez homem na encarnação
quando nasceu como bebê em Belém, e se submeteu
morrer de uma morte escandalosa e mais vergonhosa que
podia haver: a crucificação.
• Cristo tinha que passar por esta humilhação para chegar a
passar pela experiência ao outro extremo, a exaltação
ALEGRIA DE IMITAR A CRISTO NO
MODELO E NA PRÁTICA
1) MODELO DE IMITAÇÃO – HUMILDADE
Os 5 C da humildade cristã:
• CONSOLO
• CONSOLAÇÃO
• COMUNHÃO
• CARINHO
• COMPAIXÃO
• Através da epístola, Paulo dá graças pela união
da qual gozam os irmãos da igreja em Filipos,
e os convida a seguir gozando dela.
• A união entre irmãos é a chave para um
testemunho fiel na comunidade. Mas esta
união é baseada não em termos humanos, e
sim na união que temos em Cristo. A união é
possível apenas quando há uma disposição
em ser humilde
ALEGRIA DE IMITAR A CRISTO NO
MODELO E NA PRÁTICA
2) MODELO DE IMITAÇÃO – SUBMISSÃO
• O mais difícil para o cristão é se esforçar em seguir a
Deus fielmente sem murmurações nem contendas ”
tal como está presente no versículo 14. O gozo é
experimentado quando submetemo-nos
voluntariamente, e não com por pura obrigação.
• Quando nossos motivos são “irrepreensíveis e
sinceros” e “sem mácula”, tal como Paulo o
apresenta, então “resplandeceremos como luzeiros
no mundo”.
• Paulo usa a imagem de sacrifício para indicar a
profundidade da submissão que devemos oferecer.
• É Cristo, e não nós, quem é o exemplo de
submissão que devemos seguir.
• Três palavras usadas no v. 17 mostram o exemplo
de Cristo e os seguintes exemplo que eles devem
seguir:
1) “derramou em libação” – uma reflexão no Antigo
Testamento onde o aroma da libação ascendia a
Deus.
2) “sacrificio” – A ênfase não é o processo e sim
naquilo que é
3) “serviço” – A palavra em seu original é leitourgia
significava o serviço que um cidadão presta a seu
país, mas também ao serviço que prestavam os
sacerdotes nas atividades do templo.
TIMÓTEO E EPAFRODITO – DOIS
EXEMPLOS DE SUBMISSÃO
TIMÓTEO
• de mesmo ânimo: ambos pensavam igual em todas as
coisas. Se sentiam unidos em sua forma de ser e em
seus pensamentos. Havia unidade de espírito.
• Servo aprovado: Paulo, servindo como seu mentor, o
considerava de qualidade, de liderato maduro, pelo
qual o ordenou como pastor em Éfeso
• Genuína preocupação pelos demais: tinha um coração
compassivo e compreensivo
• Coração solícito: se punha à disposição dos demais
sempre.
EPAFRODITO
• Cooperador e companheiro de lutas: evar
comida e um pacote com algumas coisas de
necesidades básicas (podendo até ser
dinheiro!) para o apóstolo da parte da igreja
• Arriscava a vida por Cristo - corria risco ao
identificar-se com um que estava encarcerado
• Mesmo enfermo servia ao Senhor em
qualquer situação.
ALEGRANDO-SE NA SUBMISSÃO
• Paulo enfatiza que no final de tudo sempre os
Filipenses devem se regozijar no Senhor. Uma vez
mais Paulo reitera o tema de gozo inserida a cada
momento como o fio principal da carta.
• Quando Paulo insista “ alegrai-vos no Senhor”
significa que a natureza do regozijo é um gozo
baseado no conhecimento do amor de Cristo,
com quem se uniu e quem é o motivo do gozo
Cristão de que se trata a carta.
• O gozo vem de ter companheirismo com Cristo
CONCLUSÃO
• A humildade, o antídoto das condutas erradas, faz com que
consideremos os outros melhores a nós mesmos.
• A humildade também leva em consideração as coisas dos
outros. Bons relacionamentos sempre têm o contraste “não
só… mas também”. Devemos levar em conta nossas
responsabilidades pessoais, mas o interesse dos outros tem
a mesma importância.
• A expressão Que haja em vós a mesma mente (v. 2) manda
que a igreja valorize e imite o caráter de Cristo.
• Devemos sempre orar e pedir sabedoria e direcionamento
a Deus, para saber quando recuar e evitar atritos com
nossos irmãos, mantendo assim a paz e a unidade do nosso
meio.
• A humildade está intrinsecamente ligada ao altruísmo
e em colocar as necessidades dos outros acima de
nossas próprias necessidades (v.3).
• Conheça a fórmula da alegria: Coloque Jesus em
primeiro lugar, em seguida, os outros, e a si mesmo por
último
• A alegria nasce quando decidimos mudar de sermos
centrados em nós mesmos para nos tornarmos
centrados em Cristo. Alguém disse uma vez: “Aquele
que escolhe a si mesmo como companhia e busca
agradar a si mesmo está pronto a ser corrompido pela
companhia que escolheu.” Em contraste, o cristão
convida continuamente Jesus a ser seu companheiro e
modelo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a FILIPENSES, O EVANGELHO DA ALEGRIA ESTUDO 2.pptx

Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasAilton da Silva
 
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...Pr. Andre Luiz
 
culto_cristão
culto_cristãoculto_cristão
culto_cristãoMw M
 
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEONLUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEONTeol. Sandra Ferreira
 
28.4 por quem cristo morreu - johm owen
28.4  por quem cristo morreu - johm owen28.4  por quem cristo morreu - johm owen
28.4 por quem cristo morreu - johm owenlevibanez
 
Por quem Cristo morreu - Johm Owen
Por quem Cristo morreu - Johm OwenPor quem Cristo morreu - Johm Owen
Por quem Cristo morreu - Johm Owenlevibanez
 
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãsNatalino das Neves Neves
 
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externos
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externosEBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externos
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externosAndre Nascimento
 
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptx
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptxA SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptx
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptxDanielMarcus29
 
Cristão passa por tribulação
Cristão passa por tribulaçãoCristão passa por tribulação
Cristão passa por tribulaçãoTiago Vieira
 
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1Andre Nascimento
 

Semelhante a FILIPENSES, O EVANGELHO DA ALEGRIA ESTUDO 2.pptx (20)

Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfiasLição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
Lição 7 - Benignidade - um escudo protetor contra as porfias
 
Estudo 01 santos e servos
Estudo 01   santos e servosEstudo 01   santos e servos
Estudo 01 santos e servos
 
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
 
Boletim 2 jun 2013
Boletim 2 jun 2013Boletim 2 jun 2013
Boletim 2 jun 2013
 
culto_cristão
culto_cristãoculto_cristão
culto_cristão
 
Lição 07 artigo
Lição 07   artigoLição 07   artigo
Lição 07 artigo
 
LBA Lição 9 - A nova vida em cristo
LBA Lição 9 - A nova vida em cristoLBA Lição 9 - A nova vida em cristo
LBA Lição 9 - A nova vida em cristo
 
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEONLUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
LUTERO, A FÉ QUE OPERA PELO AMOR - SPURGEON
 
9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios
 
28.4 por quem cristo morreu - johm owen
28.4  por quem cristo morreu - johm owen28.4  por quem cristo morreu - johm owen
28.4 por quem cristo morreu - johm owen
 
Por quem Cristo morreu - Johm Owen
Por quem Cristo morreu - Johm OwenPor quem Cristo morreu - Johm Owen
Por quem Cristo morreu - Johm Owen
 
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristãLBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
 
Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20
 
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs2015 3 tri lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
2015 3 tri lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
 
Epistola de efeso
Epistola de efesoEpistola de efeso
Epistola de efeso
 
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externos
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externosEBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externos
EBD Revista Palavra e Vida: Aula 8: A igreja sob os olhares externos
 
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptx
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptxA SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptx
A SERVIÇO D - Sa aos Coríntios - Apresentação 1.pptx
 
Cristão passa por tribulação
Cristão passa por tribulaçãoCristão passa por tribulação
Cristão passa por tribulação
 
O valor do corpo na educacao crista - Autor: Prof. Fernando Albano
O valor do corpo na educacao crista - Autor: Prof. Fernando AlbanoO valor do corpo na educacao crista - Autor: Prof. Fernando Albano
O valor do corpo na educacao crista - Autor: Prof. Fernando Albano
 
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
EBD Revista Palavra e Vida (CB Fluminense) - Aula 1
 

Mais de Adina Silva

A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptx
A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptxA Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptx
A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptx
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptxA Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptx
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptx
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptxA Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptx
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - ANA.pptx
A Mulher que Deus usa - ANA.pptxA Mulher que Deus usa - ANA.pptx
A Mulher que Deus usa - ANA.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptx
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptxA Mulher que Deus usa - RUTE.pptx
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptx
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptxA Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptx
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptx
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptxA Mulher que Deus usa - RAABE.pptx
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - LIA.pptx
A Mulher que Deus usa - LIA.pptxA Mulher que Deus usa - LIA.pptx
A Mulher que Deus usa - LIA.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa - EVA.pptx
A Mulher que Deus usa - EVA.pptxA Mulher que Deus usa - EVA.pptx
A Mulher que Deus usa - EVA.pptxAdina Silva
 
A Mulher que Deus usa.pptx
A Mulher que Deus usa.pptxA Mulher que Deus usa.pptx
A Mulher que Deus usa.pptxAdina Silva
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptxAdina Silva
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptxAdina Silva
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptxAdina Silva
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptxAdina Silva
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptxAdina Silva
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptxAdina Silva
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptxAdina Silva
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptxAdina Silva
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptxAdina Silva
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptxAdina Silva
 

Mais de Adina Silva (20)

A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptx
A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptxA Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptx
A Mulher que Deus usa - HULDA E MIRIÃ.pptx
 
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptx
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptxA Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptx
A Mulher que Deus usa - A VIÚVA DE SEREPTA.pptx
 
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptx
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptxA Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptx
A Mulher que Deus usa - ABIGAIL.pptx
 
A Mulher que Deus usa - ANA.pptx
A Mulher que Deus usa - ANA.pptxA Mulher que Deus usa - ANA.pptx
A Mulher que Deus usa - ANA.pptx
 
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptx
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptxA Mulher que Deus usa - RUTE.pptx
A Mulher que Deus usa - RUTE.pptx
 
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptx
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptxA Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptx
A Mulher que Deus usa - DÉBORA.pptx
 
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptx
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptxA Mulher que Deus usa - RAABE.pptx
A Mulher que Deus usa - RAABE.pptx
 
A Mulher que Deus usa - LIA.pptx
A Mulher que Deus usa - LIA.pptxA Mulher que Deus usa - LIA.pptx
A Mulher que Deus usa - LIA.pptx
 
A Mulher que Deus usa - EVA.pptx
A Mulher que Deus usa - EVA.pptxA Mulher que Deus usa - EVA.pptx
A Mulher que Deus usa - EVA.pptx
 
A Mulher que Deus usa.pptx
A Mulher que Deus usa.pptxA Mulher que Deus usa.pptx
A Mulher que Deus usa.pptx
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 4.pptx
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 3.pptx
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 5.pptx
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 2.pptx
 
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptxSÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptx
SÉRIE VIDA QUE VENCE - ESTUDO 1.pptx
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 2.pptx
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 5.pptx
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 6.pptx
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 7.pptx
 
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptxSÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptx
SÉRIE MULHERES COM ESPADAS - ESTUDO 4.pptx
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptxFabianoHaider1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 

Último (8)

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 

FILIPENSES, O EVANGELHO DA ALEGRIA ESTUDO 2.pptx

  • 1.
  • 2. ESBOÇO • CAPÍTULO 1: A ALEGRIA EM GLORIFICAR A CRISTO NA ATITUDE E NO SOFRIMENTO • CAPÍTULO 2: A ALEGRIA EM IMITAR A CRISTO, O MODELO E NA PRÁTICA • CAPÍTULO 3: A ALEGRIA NA SALVAÇÃO E NO GALARDÃO EM CRISTO • CAPÍTULO 4: A ALEGRIA DE SERVIR A CRISTO
  • 3. CAPÍTULO 2 - INTRODUÇÃO • Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, está ensinando algo que contradiz tudo o que os gregos criam. A perspectiva grega da humanidade exaltava a liberdade e denegria submissão. • Para eles a humildade era uma característica negativa. Mas na Bíblia é dado ao conceito de humildade um sentido positivo. • Em sua humilhação Cristo se fez homem na encarnação quando nasceu como bebê em Belém, e se submeteu morrer de uma morte escandalosa e mais vergonhosa que podia haver: a crucificação. • Cristo tinha que passar por esta humilhação para chegar a passar pela experiência ao outro extremo, a exaltação
  • 4. ALEGRIA DE IMITAR A CRISTO NO MODELO E NA PRÁTICA 1) MODELO DE IMITAÇÃO – HUMILDADE Os 5 C da humildade cristã: • CONSOLO • CONSOLAÇÃO • COMUNHÃO • CARINHO • COMPAIXÃO
  • 5. • Através da epístola, Paulo dá graças pela união da qual gozam os irmãos da igreja em Filipos, e os convida a seguir gozando dela. • A união entre irmãos é a chave para um testemunho fiel na comunidade. Mas esta união é baseada não em termos humanos, e sim na união que temos em Cristo. A união é possível apenas quando há uma disposição em ser humilde
  • 6. ALEGRIA DE IMITAR A CRISTO NO MODELO E NA PRÁTICA 2) MODELO DE IMITAÇÃO – SUBMISSÃO • O mais difícil para o cristão é se esforçar em seguir a Deus fielmente sem murmurações nem contendas ” tal como está presente no versículo 14. O gozo é experimentado quando submetemo-nos voluntariamente, e não com por pura obrigação. • Quando nossos motivos são “irrepreensíveis e sinceros” e “sem mácula”, tal como Paulo o apresenta, então “resplandeceremos como luzeiros no mundo”. • Paulo usa a imagem de sacrifício para indicar a profundidade da submissão que devemos oferecer.
  • 7. • É Cristo, e não nós, quem é o exemplo de submissão que devemos seguir. • Três palavras usadas no v. 17 mostram o exemplo de Cristo e os seguintes exemplo que eles devem seguir: 1) “derramou em libação” – uma reflexão no Antigo Testamento onde o aroma da libação ascendia a Deus. 2) “sacrificio” – A ênfase não é o processo e sim naquilo que é 3) “serviço” – A palavra em seu original é leitourgia significava o serviço que um cidadão presta a seu país, mas também ao serviço que prestavam os sacerdotes nas atividades do templo.
  • 8. TIMÓTEO E EPAFRODITO – DOIS EXEMPLOS DE SUBMISSÃO TIMÓTEO • de mesmo ânimo: ambos pensavam igual em todas as coisas. Se sentiam unidos em sua forma de ser e em seus pensamentos. Havia unidade de espírito. • Servo aprovado: Paulo, servindo como seu mentor, o considerava de qualidade, de liderato maduro, pelo qual o ordenou como pastor em Éfeso • Genuína preocupação pelos demais: tinha um coração compassivo e compreensivo • Coração solícito: se punha à disposição dos demais sempre.
  • 9. EPAFRODITO • Cooperador e companheiro de lutas: evar comida e um pacote com algumas coisas de necesidades básicas (podendo até ser dinheiro!) para o apóstolo da parte da igreja • Arriscava a vida por Cristo - corria risco ao identificar-se com um que estava encarcerado • Mesmo enfermo servia ao Senhor em qualquer situação.
  • 10. ALEGRANDO-SE NA SUBMISSÃO • Paulo enfatiza que no final de tudo sempre os Filipenses devem se regozijar no Senhor. Uma vez mais Paulo reitera o tema de gozo inserida a cada momento como o fio principal da carta. • Quando Paulo insista “ alegrai-vos no Senhor” significa que a natureza do regozijo é um gozo baseado no conhecimento do amor de Cristo, com quem se uniu e quem é o motivo do gozo Cristão de que se trata a carta. • O gozo vem de ter companheirismo com Cristo
  • 11. CONCLUSÃO • A humildade, o antídoto das condutas erradas, faz com que consideremos os outros melhores a nós mesmos. • A humildade também leva em consideração as coisas dos outros. Bons relacionamentos sempre têm o contraste “não só… mas também”. Devemos levar em conta nossas responsabilidades pessoais, mas o interesse dos outros tem a mesma importância. • A expressão Que haja em vós a mesma mente (v. 2) manda que a igreja valorize e imite o caráter de Cristo. • Devemos sempre orar e pedir sabedoria e direcionamento a Deus, para saber quando recuar e evitar atritos com nossos irmãos, mantendo assim a paz e a unidade do nosso meio.
  • 12. • A humildade está intrinsecamente ligada ao altruísmo e em colocar as necessidades dos outros acima de nossas próprias necessidades (v.3). • Conheça a fórmula da alegria: Coloque Jesus em primeiro lugar, em seguida, os outros, e a si mesmo por último • A alegria nasce quando decidimos mudar de sermos centrados em nós mesmos para nos tornarmos centrados em Cristo. Alguém disse uma vez: “Aquele que escolhe a si mesmo como companhia e busca agradar a si mesmo está pronto a ser corrompido pela companhia que escolheu.” Em contraste, o cristão convida continuamente Jesus a ser seu companheiro e modelo.