No nível da sequência

449 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

No nível da sequência

  1. 1. Lendo as Imagens do Cinema – Laurent Jullier e Michel MarieNO NÍVEL DA SEQUÊNCIA
  2. 2. No nível da sequência Uma sequência pode ser definida como o conjunto de planos que apresenta uma unidade espacial, temporal, espaço temporal, narrativa. O poder da montagem – “A montagem, efetivamente, é antes de tudo a elipse” (JULLIER & MARIE, 2009, p. 44)
  3. 3. Montagem Entre as funções, a montagem precisa manter a fluidez da narrativa, sobretudo no caso do cinema clássico. Raccord de movimento – Ligação entre dois pontos em deslocamento. Raccord de olhar – O espectador vê pelo ponto de vista do personagem. Reaction shot – Plano de reação.
  4. 4. Cenografia Vitrine – Ação em profundidade, no sentido do eixo da objetiva. A câmera pode avançar ou recuar ao longo do eixo. Galeria – Deslocamento dos personagens ocorre lateralmente. Tribunal – Baseada em geral no campo e contracampo. Circo – Giro, muitas vezes expressa pelo travelling circular.
  5. 5. Cenografia Parque – Câmera mais livre, destacando enquadramentos diversos e múltiplos pontos de vista. Preferência de cineastas pós- modernos.
  6. 6. Suspense O espectador formula hipóteses: uma saída esperada e outra saída temida. Depende muito do gênero. “Mais que o suspense, a surpresa exige um conhecimento específico do gênero e do estilo que caracterizam o filme considerado” (JULLIER & MARIE, 2009, p. 53). Surpresa automática – Evento audiovisual brusco, violento. Ex: explosão, acidente de carro.
  7. 7. Música Efeito clipe - A música recebe papel importante na condução do ritmo da montagem. Efeito circo – Ocorre quando a imagem “dita seus imperativos à faixa-som”.
  8. 8. Metáforas audiovisuais Imagens simbólicas, analogias, fazem parte da tradição do cinema. No entanto, os autores destacam que as metáforas só funcionam no respectivo contexto. As metáforas também podem ser estilísticas – conectadas às potencialidades estéticas do aparato fílmico.
  9. 9. Referências bibliográficas JULLIER, Laurent; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: Senac, 2009.

×