4
RESUMO
Este trabalho discorre brevemente sobre a arte virtual, a computação gráfica, a
arte contemporânea. Observo a con...
5
SUMÁRIO
1 – INTRODUÇÃO............................................................................................. Pag....
6
INTRODUÇÃO
Em um espaço universitário encontra-se uma variedade cultural inigualável a
qualquer outro lugar. Existe uma ...
7
de tamanha importância, deixam passar despercebido aos seus olhos.
Muitos dos elementos paisagísticos que são levados a ...
8
Para que não se crie nenhum malentendido, pela leitura das minhas
argumentações, contidas nos próximos capítulos, quero ...
9
Fig. 01, Grafitti,Tiago Fortes ,2009
10
2 - ASPECTOS TEÓRICOS
2.1 - A FOTOMONTAGEM NA ARTE E NA HISTÓRIA
Durante as pesquisas das obras ligadas à fotografia, d...
11
vez que nos encontramos numa era digital e livre, sem abandonar os pincéis, sem
prejudicar a fotografia, sem submeter q...
12
2.2 A MANIPULAÇÃO DIGITAL NO CAMPO ARTÍSTICO-CONTEMPORÂNEO
Em uma abertura, ainda muito estreita, as fotografias digita...
13
algum efeito intencional em sua leitura, a imagem deixa de ser apenas mera figura, e
passa a ser uma imagem artística.
...
14
enfim, pertence ao campo interpretativo, ou vice-versa. Afinal, ela se designa pela sua
maior função: expressar algo em...
15
Outro aspecto que faz levar a arte digital em consideração, é o fato de que
através da imagem sintética, podemos agrupa...
16
Escher procurava fugir do óbvio, podemos observar que sempre existe um clima
misterioso envolvendo suas imagens, provoc...
17
“A computação gráfica vista como ferramenta indicaria que temos um artista
responsável pela arte gerada. Mesmo as image...
18
A imagem digital reúne as possibilidades da pintura (subjetividade, liberdade,
não realidade) e da fotografia (objetivi...
19
3 - DESENVOLVIMENTO
Uma maneira de se entender a área de computação gráfica, é subdividi-la em
três grandes subgrupos, ...
20
3.1 PRIMEIRO ENSAIO
3.1.1 DO PAPEL À MODELAGEM DIGITAL
Antes de chegar ao processamento do computador, há passos muito ...
21
No andamento do trabalho, estes pequenos detalhes se tornam essenciais desde
seu desenvolvimento até o fim da obra.
A p...
22
Em seguida, valho-me de um específico software (3d Studio Max) que
proporciona a modelagem digital do detalhe que carac...
23
Com a iluminação já arranjada, e a escultura feita em sua malha, o passo
imediato que dou no processo de sintetização d...
24
Logo, sobreponho o detalhe tridimensional na fotografia bidimensional,
observando com cuidado a melhor maneira que a im...
25
Ainda usando o Photoshop é feito uma serie de tratamentos para que a imagem
gerada pelo 3D Studio Max se aproxime ao má...
26
O resultado obtido:
Fig. 14, Primeiro resultado obtido
27
3.2 – DEMAIS ENSAIOS
Agora farei uma demonstração de como minhas obras passaram a ser realizadas
depois do curso intens...
28
3.2.1 PRIMEIRO PASSO - A ESCOLHA DA IMAGEM.
Em primeiro lugar é necessario fazer um estudo de imagens, que será a base ...
29
3.2.2 SEGUNDO PASSO - MODELAGEM DIGITAL
A modelagem é feita através de uma malha constituída de polígonos, que irá
simu...
30
3.2.3 TERCEIRO PASSO – A TEXTURIZAÇÃO
Para a texturização é necessário que eu “recorte” e “abra” a imagem, através dos
...
31
Fig.20.1, Mapeamento aplicado na cabeça
Fig.20.2, Mapeamento pintado do spray
Fig.20.3, Mapeamento aplicado no spray
32
3.2.4 QUARTO PASSO – ENQUADRAMENTO
Depois é preciso encaixar as imagens para torná-las convenientes às suas
devidas pro...
33
3.2.5 QUINTO PASSO – ILUMINAÇÃO
Logo depois da modelagem da escultura digital, devo atribuir a iluminação gráfica
que o...
34
Em seguida, usando uma mesa digitalizadora, desenho um cabelo e crio uma
desfocagem na imagem, com o objetivo de desper...
35
4 - Análises das obras
Considerando que cada arte é singular e que cada uma delas tem um significado
especial, optei po...
36
4.2 BONECOS
Esta obra realça um dos váriados elementos espalhados pelo campus. Após
reparar a degradação nesses mosaico...
37
4.3 BELELEU
Seguindo a mesma linha de pensamento da primeira imagem, criei a obra
abaixo. Nela, percebemos também que e...
38
4.3 ARARA
Nesta quarta, e última obra, usufruí de mais um elemento existente da UFMS.
Nela, eu exalto este ambiente, cr...
39
5 - CONCLUSÃO
Aquilo que marca o destino do homem sempre é anunciado através de algum
meio de comunicação. Na margem do...
40
6 - REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica: teoria e prática : P. 3-27. Rio de Janeiro:
Elsevier. 2003.
DONDI...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dornelles; tiago fortes modificando possibilidades artísticas manipulando estímulos visuais através da tecnologia digital

388 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dornelles; tiago fortes modificando possibilidades artísticas manipulando estímulos visuais através da tecnologia digital

  1. 1. 4 RESUMO Este trabalho discorre brevemente sobre a arte virtual, a computação gráfica, a arte contemporânea. Observo a contemporaneidade sob a visão da tecnologia digital e faço uma analogia estabelecendo uma relação comum entre estes dois universos (digital e real) que aparentemente mostram-se paralelos, com a possibilidade de representação do mundo que a computação gráfica adquiriu. Mostro através de argumentos, que a arte é o resultado daquilo que o homem conquistou através de descobertas ferramentais para traçar seus registros do mundo em que ele se depara. E neste contexto, assevero que os computadores são as mais novas ferramentas que acrescentam novas possibilidades a arte, através das imagens sintéticas e manipuladas. Mostro também, através dos meus trabalhos, que a arte faz parte do homem e que agora, este faz parte de um mundo virtual. Com o objetivo de despertar a importância de cada detalhe artístico neste ambiente, ressaltando detalhes dentro de intervenções fotigraficas. Para validar meus argumentos, utilizo-me de imagens sintéticas e intervenções fotograficas de minha autoria feitas a partir do campus da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Palavras-chave: Imagens Sintéticas, Arte contemporânea, Manipulação Digital de Fotografias.
  2. 2. 5 SUMÁRIO 1 – INTRODUÇÃO............................................................................................. Pag.06 2 - ASPECTOS TÉORICOS................................................................................ Pag.10 2.1 A fotomontagem incorporada na Arte e na História............................................. Pag.10 2.2 A Manipulação Digital no Campo Artístico-Contemporâneo................................ Pag.12 2.3 Virtual: Um Caminho entre a Complexidade e a Arte.................................. Pag.15 2.4 O Jogo entre o real e o ficcional na sintetização das imagens............................ Pag.17 3 – DESENVOLVIMENTO.................................................................................. Pag.19 3.1 Primeiro ensaio...................................................................................................Pag.20 3.1.1 Do papel ao modelagem digital.......................................................... Pag.20 3.1.2 Fotomontagem....................................................................................Pag.24 3.2 Demais ensaios..................................................................................................Pag.27 3.2.1 Primeiro passo - A escolha da imagem..............................................Pag.28 3.2.2 Segundo passo - Modelagem Digital..................................................Pag.29 3.2.3 Terceiro passo – A texturização......................................................... Pag.30 3.2.4 Quarto passo – Enquadramento........................................................ Pag.32 3.2.5 Quinto passo – Iluminação................................................................. Pag.33 3.2.6 Sexto passo – Arte final......................................................................Pag.33 4 – ANALIZE DAS OBRAS.................................................................................. Pag.35 4.1 Graffiti.................................................................................................................Pag.35 4.2 Bonecos..............................................................................................................Pag.36 4.3 Beleleu................................................................................................................Pag.37 4.4 Arara...................................................................................................................Pag.38 5 – CONCLUSÃO..............................................................................................Pag.39 6 – REFERÊNCIAS............................................................................................Pag.40
  3. 3. 6 INTRODUÇÃO Em um espaço universitário encontra-se uma variedade cultural inigualável a qualquer outro lugar. Existe uma riqueza cultural que vai das comunidades estrangeiras (africanos, turcos, americanos, paraguaios, argentinos) como também de outros estados (sejam paulistas, gaúchos, paranaense, mato-grossenses), além do povo nativo. Todos misturados em um único ambiente, que no fim acaba tendo uma identidade só, uma comunidade acadêmica. Porém, aqueles que desfrutam deste ambiente, nunca repararam na intensidade significante o produto desta miscigenação, a beleza deste conjunto de personalidades. E nestas condições, passam diariamente pelos corredores, departamentos e blocos de aulas, milhares de acadêmicos, de diversos cursos, que além de estarem estudando estão em um ponto determinante de suas vidas onde a emoção, razão e responsabilidade, podem tornar o ambiente confuso e talvez desgastante e cansativo, podendo causar um grande número de desistências. O que e como a arte pode representar esta realidade? Optei por um método original e dinâmico, aproveitar o ambiente acadêmico, a fim de torná-lo um ambiente mais estimulante e menos tedioso a se encarar nestes anos, explorando os detalhes artísticos que se encontram neste mesmo espaço. E, fazer com que os olhos dos estudantes se voltem e valorizem o patrimônio que é dado a todos. Expandir nossa capacidade de ver significa expandir nossa capacidade de compreender uma mensagem visual, e, o que é ainda mais importante, de criar uma mensagem visual. A visão envolve algo mais do que o mero fato de ver ou de que algo nos seja mostrado (DONDIS, 2004, p. 13). Através da tecnologia da imagem digital, apresentarei ao longo deste TCC, que representei um mundo entre o real e o ficcional, naquilo que já era existente e que antes passava despercebidamente aos olhos daqueles que freqüentam o meio acadêmico. A proposta dos meus trabalhos é gerar um novo olhar sobre o campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Fazer surgir um olhar que ressalte o conteúdo e as riquezas que este ambiente possui e, que por muitas vezes é desvalorizado, até mesmo pelos próprios universitários que, desconhecendo detalhes
  4. 4. 7 de tamanha importância, deixam passar despercebido aos seus olhos. Muitos dos elementos paisagísticos que são levados a total descaso, são obras feitas por artistas, inclusive muitas delas são feitas pelos próprios acadêmicos e, compõem parte do ambiente da universidade, podendo ser considerado, como um marco cultural na universidade. Sugiro como exemplo os grafites feitos nas paredes externas do Estádio Morenão, criados pelos acadêmicos de Artes Visuais que foram levados a descaso em 2008, a ponto de serem ameaçados a ser cobertos por tinta branca, sem notar que desta forma, talvez até agressiva, anularíamos totalmente uma força de expressão artística que caracteriza de maneira tão pessoal a composição do cenário da UFMS. Neste trabalho, meu objetivo é despertar o olhar de contemplação dos acadêmicos ao cenário natural, de convívio diretamente ligado ao cotidiano deles, apartir de uma intervenção fotográfica e inserindo através de softwares, imagens sintéticas, compondo uma imagem a partir de elementos já existentes no contexto paisagístico deste ambiente. Através deste processo, tento chamar a atenção dos universitários e freqüentadores deste campus, numa linguagem dinâmica e jovial, para os elementos artísticos que constituem este espaço. E, desta forma, venho lembrar da existência e do porquê de cada detalhe artístico nesta universidade, e também que por trás de cada expressão existe um artista que a criou com um determinado propósito, valorizando assim, cada minucioso espaço conquistado pelos estudantes e cada autor em sua integridade. Além disso, tento desbloquear, por via de minha pesquisa e com argumentos (históricos, artísticos e matemáticos) que os valham, superando as balizas que barram a manipulação digital e que são contrárias a sua presença no círculo da arte, em especial dentro do Curso de Artes Visuais da UFMS. Também tento defender por meio destas mesmas obras que, a partir da compreensão do potencial criativo ampliado pelas ferramentas fornecidas pelo ambiente digital, uma nova linguagem irá aos poucos se integrar, criando novas expressões e novos espaços, sem inibir o sentido criativo do artista.
  5. 5. 8 Para que não se crie nenhum malentendido, pela leitura das minhas argumentações, contidas nos próximos capítulos, quero destacar que a arte digital é considerada uma das vanguardas da produção artística atual. De acordo com Arlindo Machado: “Nos últimos anos, no terreno das práticas significantes designadas pela rubrica geral da media art, começaram a se delinear algumas características estruturais e determinados modos construtivos que parecem marcar, de maneira cada vez mais nítida as formas expressivas deste final de século. Tais formas estão sendo definidas em primeiro lugar pela inserção de tecnologias de informática na produção, na distribuição e no consumo de bens audiovisuais e, em segundo lugar pelos progressos no terreno das telecomunicações com consequente estreitamento do tempo e do espaço em que se move o homem contemporâneo.” (Machado, 1997, pag 236) Assim deixo claro que considero que a Arte caminha para o digital apesar da existência de preconceitos dentre algumas pessoas que apenas “lidam” com técnicas e linguagens de uma arte tradicional (cerâmica, pintura, escultura). Esse é o contexto no qual minha obra é criada dentro do Curso de Artes Visuais da UFMS. Portanto, quando cito o preconceito contra a arte digital, ou virtual, estou me referindo às condições que esse curso criou, priorizando apenas as artes tradicionais em detrimento das artes digitais. Isso pode ser visto no pequeno espaço de cargas horárias destinadas para as disciplinas de cunho tecnológico, bem como pelo número reduzido de professores especializados nessas técnicas. No mais, minha argumentação procura dar conta da importância da expressão artística através do uso de sistemas de computadores e de suas regras matemáticas, localizando no mundo das artes, artístas que anteriormente já se utilizavam dessas regras matemáticas como é o caso de Escher.
  6. 6. 9 Fig. 01, Grafitti,Tiago Fortes ,2009
  7. 7. 10 2 - ASPECTOS TEÓRICOS 2.1 - A FOTOMONTAGEM NA ARTE E NA HISTÓRIA Durante as pesquisas das obras ligadas à fotografia, deparei-me com as imagens de Jerry Uelsmann, artista norte americano que produzia fotomontagens a partir de filmes fotográficos. Suas fotografias foram categorizadas como arte de estética surrealista. Seu trabalho consistia na montagem com captura de imagens em preto e branco. Ele unificava partes de fotos diferentes, transformando-as em uma só imagem, valendo-se de filmes e ampliação, sem o uso de computadores ou qualquer artifício digital, causando um efeito surpreendentemente real. Com o decorrer do tempo, e agora, em nossa contemporaneidade, os processos estilísticos semelhantes a essas obras passaram a ser digitalizados, sem perder sua essência artística, mas garantindo, assim, uma facilidade para o artista em seus procedimentos, tornando o computador uma nova ferramenta para suas criações. Uma Fig. 2.1, The Committee Fig. 2.2, Untitled, 1982
  8. 8. 11 vez que nos encontramos numa era digital e livre, sem abandonar os pincéis, sem prejudicar a fotografia, sem submeter qualquer arte a um processo de declínio, a imagem sintética trata-se de um somatório de tudo aquilo que o artista foi capaz de produzir desde seus primórdios até a nossa contemporaneidade, mesclando a arte e a tecnologia, apontando uma nova etapa da arte. A arte e o significado da arte, a forma e a função do componente visual da expressão e da comunicação, passaram por uma profunda transformação na era tecnológica, sem que tenha se verificado uma modificação correspondente na estética da arte. Enquanto o caráter das artes visuais e de suas relações com a sociedade e a educação sofreram transformações radicais, a estética da arte permaneceu inalterada, anacronicamente presa à idéia de que a influencia fundamental para o entendimento e a conformação de qualquer nível da mensagem visual deve basear-se na inspiração não-cerebral. (DONDIS, 2004, p. 01). Na produção de uma fotografia digital, o processo de capturar e produzir imagens ainda são os mesmos que o processo da fotografia fotoquímica: o objeto reflete a luz que passa por uma lente, e entra em uma câmara escura. É no processo de registro da imagem que esses dois métodos se diferenciam, nos quais, a câmara fotoquímica registra suas imagens em filme fotográfico enquanto a câmara digital as registra em um sensor fotossensível. Outra conveniência da fotografia digital é o armazenamento da imagem. Enquanto no meio fotoquímico a imagem fica registrada em películas plásticas, no meio digital a imagem é registrada, dividida em pixels e codificada em sinais elétricos, correspondentes a equações numéricas.
  9. 9. 12 2.2 A MANIPULAÇÃO DIGITAL NO CAMPO ARTÍSTICO-CONTEMPORÂNEO Em uma abertura, ainda muito estreita, as fotografias digitais (que vieram não para substituir o que já foi conquistado, mas para facilitar as condições do fotógrafo) passaram a ser aceitas como arte recentemente, atravessando as barreiras preconceituosas que tentam intimidá-las e conquistando o espaço contemporâneo. A mesma evolução deve ocorrer com todas as capacidades humanas envolvidas na pré-visualização, no planejamento, no desenho e na criação de objetos visuais, da simples fabricação de ferramentas e dos ofícios até a criação de símbolos, e, finalmente, à criação de imagens, no passado uma prerrogativa exclusiva do artista talentoso e instruído, mas hoje, graças às incríveis possibilidades da câmera, uma opção para qualquer pessoa interessada em aprender em reduzido número de regras mecânicas. (DONDIS, 2004, p. 02). Avante a tudo isto, outras artes estão dominando também o espaço contemporâneo, estas são as manipulações fotográficas através de softwares. Porém, elas ainda não estão libertas das críticas contrárias que provocam uma polêmica discussão entre os artistas. Muitos puristas se prendem ao fato de que a manipulação digital não preserva a originalidade da imagem e se esquecem que a arte não significa somente a representação do real, mas na verdade, é a transmissão de uma mensagem específica. Afinal, essa concepção limita uma nova linguagem artística desprezando, sem notar, a expressão que caracteriza em alto grau a geração deste século. Porém: Há o consenso que o artista contemporâneo deve viver o seu tempo, sua produção artística deve refletir, instigar e interferir no presente. Vivemos numa era imersa na tecnologia digital, que transformou a sociedade nos últimos 50 anos. A arte contemporânea não poderia passar por esta experiência, intocada. (FERRAZ, 2008, p. 4) No entanto, a intenção da imagem manipulada não é aproximar a realidade factual como é o objetivo da fotografia, mas sim provocar uma percepção de universos diferentes, o que é o objetivo da chamada livre expressão, Segundo Donis A. Dondis (DONDIS, 2004), “Por si só, a reprodução do meio ambiente não constitui uma boa expressão visual”. Quando o artista transpassa sua idéia-alvo ao expectador, causando
  10. 10. 13 algum efeito intencional em sua leitura, a imagem deixa de ser apenas mera figura, e passa a ser uma imagem artística. Em qualquer nível de avaliação sempre inconstante do que constitui a arte aplicada ou belas-artes, toda forma concebível tem uma capacidade incomparável de informar o observador sobre si mesma e seu próprio mundo, ou ainda sobre outros tempo e lugares, distantes e desconhecidos. Essa característica mais exclusiva e inestimável de uma vasta gama de formatos visuais aparentemente dissociados. (DONDIS, 2004, p. 184). É conveniente também considerar que, numa civilização, onde aquele que não tem o conhecimento fundamental computacional é apontado como analfabeto e é excluído ou substituído por outra pessoa que possua esta informação. Denota-se que a arte digital é uma tendência de tranformação e que ela está se infiltrando no século XXI, mesmo se deparando com uma série de preconceitos estéticos que a abominam. E são nestas condições que venho demonstrar, por via dos meus trabalhos, os valores da arte digital, pois: O cinema, a televisão e os computadores visuais são extensões modernas de um desenhar e de um fazer que têm sido, historicamente, uma capacidade natural de todo ser humano, e que agora parece ter-se apartado da experiência do homem. (DONDIS, 2004, p. 01). Aristóteles diz que arte é “o conjunto de meios e procedimentos através dos quais é possível a obtenção de finalidades práticas ou a produção de objetos; técnica.” ( ARISTÓTELES apud FERRAZ, 2009), porém, esta visão exprime uma conclusão absolutamente racional e pouco abrangente. Tanto que se tenta traduzir o que é arte, banalizamo-a, pois não existe uma descrição exata para se dizer afinal o que ela é, pois ao qualificá-la, limitaríamos a importância do sentido visual que ela exerce sobre nossas vidas e a nossa capacidade de observação. Dondis afirma que: “O maior perigo que pode ameaçar o desenvolvimento de uma abordagem do alfabetismo visual é tentar envolve-lo num excesso de definições.” (DONDIS, 2004). Apesar de poder ser interpretada pela ciência e pela estético, ela não pertence a nenhum deles, mas na verdade, os engloba em sua imensurável definição. A arte
  11. 11. 14 enfim, pertence ao campo interpretativo, ou vice-versa. Afinal, ela se designa pela sua maior função: expressar algo em específico. E, desta forma, para encontrar onde a imagem sintética poderia se localizar neste vasto conceito que é a arte, é necessário conhecer as definições que existem para a bela-arte e para a arte aplicada. É claro que em nenhum momento da história a definição da arte se desloca ou se define, mas podemos conceituá-la como uma arte de contemplação ou aplicada. Neste parâmetro, elegi, para conceituar a arte digital, o diagrama mais próximo deste princípio, extraido da obra de Donis A. Dondis, que tenta expressar as tendências artísticas atuais da seguinte forma: Encontraríamos então, a arte virtual, mais especificamente, as minhas obras, em uma combinação dos dois tipos de conceitos, pois nelas reúno diversas possibilidades da pintura (subjetividade, liberdade, irreal) e da fotografia (objetividade, mecânica, real). Por sua vez, Ruskin, representante do grupo artístico-filosófico da Bauhaus, afirmava que: “A arte é una, e qualquer separação entre belas-artes e artes aplicadas é destrutiva e artificial.”. Deveras, já que a concepção contemporânea das artes visuais tem de avançar para além desta polaridade, uma vez que esta limita o horizonte do artista e causa intermináveis discussões que ocasionam uma atmosfera alienada e aflita. Se aceitarmos este ponto de vista, estaremos abdicando a importância da comunicação visual e analisando de forma preconceituosa e superficial. Fig. 3
  12. 12. 15 Outro aspecto que faz levar a arte digital em consideração, é o fato de que através da imagem sintética, podemos agrupar a arte em suas diversas categorizações em uma única técnica. Por exemplo, é possível fazer uma disposição de formas e de cores de maneira fantasiosa, como no abstracionismo; causar o efeito de estranheza do maneirismo; fazer distorções e transformações de objetos como era muito comum no surrealismo, e; a audácia abstrativa do futurismo, com sua a idéia de movimento e de dinamismo da realidade. Não utilizando estes caracteres como um plágio ideológico, mas utilizando-me deles como referência para inspirações. E isso, comprova a adaptação da arte aos tempos tecnológicos e digitais que hoje vivemos. A partir deste ponto de vista, é fácil reconhecer que a manipulação digital, não mais que uma arte e não só um movimento, é um culminar da capacidade criativa e imaginativa de um artista, compreendida em campos como o abstrato e o inconsciente. 2.3 VIRTUAL: UM CAMINHO ENTRE A COMPLEXIDADE E A ARTE A arte virtual pode também ser uma visão para além do real e autêntico, transbordado de expressividade, reflexão, e técnicas matematicamente complexas. Sim, matemática. É totalmente complacente a união entre a arte, a história e a ciência. Mesmo as imagens geradas a partir de equações podem ser consideradas arte, se essas equações forem fruto da criatividade e da capacidade do descobridor que manifesta sua habilidade e originalidade inventiva. (AZEVEDO, 2003, p.4) E isso foi o que Maurits Cornélio Escher (aponto-o como um nobre exemplo) desafiou e comprovou, com suas esplendorosas obras de arte. Ele foi primeiramente contemplado e aceito pelos matemáticos e cientistas (mesmo não tendo qualquer noção da matemática aplicada), e só posteriormente respeitado como um verdadeiro artista. Uma das principais contribuições da obra deste artista está em sua capacidade de gerar imagens com impressionantes efeitos de ilusões de óptica, com notável qualidade técnica e estética. Tudo isto, respeitando as regras geométricas do desenho e da perspectiva, mas em um intuito que lhe fazia desviar da exatidão.
  13. 13. 16 Escher procurava fugir do óbvio, podemos observar que sempre existe um clima misterioso envolvendo suas imagens, provocando a sensação de um mundo real, e, simultaneamente impossível. Em síntese, o que a obra de Escher nos fez perceber é que o mundo da Matemática e o mundo da Arte não são tão distintos quanto possa parecer. Embora por vezes se estabeleça uma oposição entre a Arte como emoção e Matemática como razão, a verdade que Escher nos dá a ver é que os domínios estético e racional não são passíveis de ser separáveis (PAPPAS, 1998). A arte se trata da consolidação universal de todos os modos de enxergar aquilo que vivenciamos nos nossos mais diversos âmbitos e concepções. E para provar que a arte é um somatório de interdisciplinaridades, invoquei o nome deste grandioso artista, a fim de expandir o pensamento e o olhar puritano que, preconceituosamente, rejeita a arte matemática que contemporaneamente é aplicada através de ferramentas virtuais. Fig 4, Auto-Retrato de Escher
  14. 14. 17 “A computação gráfica vista como ferramenta indicaria que temos um artista responsável pela arte gerada. Mesmo as imagens geradas a partir de equações podem ser consideradas arte, se essas equações forem fruto da criatividade e da capacidade do descobridor que manifesta sua habilidade e originalidade inventiva.” (AZEVEDO, 2003, p.4) O que ainda falta é a aceitação das ferramentas digitais, próprias de nossa contemporaneidade. O artista contemporâneo, ao contrário do artista moderno, que busca o novo, busca a experimentação de técnicas e instrumentos novos visando à produção de outros significados e, mais além, a arte contemporânea, por sua vez, pretende propor um pensamento sobre a própria arte, sobre sua linguagem e função. Contemporâneo quer dizer pertencente ao nosso tempo, o que se produz agora. A ênfase está no termo nosso tempo, agora, não no “fazer”. É aqui que entram as divergências na definição do termo Arte Contemporânea. Muita gente acha que quem faz arte hoje já é artista contemporâneo. Outros exigem uma atitude diferente. Definem a arte como lidando com ciência, pesquisas, com novas mídias, com o mundo virtual, instalações, performances, happenings, flash-mobs etc. A querem efêmera, passageira, sobrevivente apenas nos vestígios que deixa, em forma de documentação. (TOMASELLI, 2008) Enfim, existem contestações que apresentam propositores das mais variadas teses, ora defendendo o desenho tradicional, ora o desenho assistido por computador. Mas, o que nos parece importante acima de tudo, é que a discussão seja ampliada, e que se quebrem os paradigmas, mas sem retirá-los de debate. Na verdade, acredito que as novas gerações deveriam criar suas obras nas mais variadas opções e escolhas que o mundo e seu desenvolvimento podem lhes oferecer. Isso em função de suas capacidades pessoais, e de adaptação aos métodos propostos. 2.4 O JOGO ENTRE O REAL E O FICCIONAL NA SINTETIZAÇÃO DAS IMAGENS Voltando a sintetização da imagem, podemos traduzir que sua efemeridade, atemporalidade e o ambiente que recria a realidade com tamanha perfeição, a ponto de chegar a por em questão a sua própria legitimidade, é o que define suas mais importantes características estéticas. Pierre Levy alega: “A virtualização é oposta à atualização, pois não se trata de uma solução, mas sim uma “mutação de entidade”, uma deslocação da entidade no espaço” (LEVY, 1996, p. 16).
  15. 15. 18 A imagem digital reúne as possibilidades da pintura (subjetividade, liberdade, não realidade) e da fotografia (objetividade, mecânica, realidade), que trazem um ar tenro de uma sobrenaturalidade ilusória e, simultaneamente real. O virtual existe como potência, não é, portanto, um conceito oposto ao real, mas é oposto ao conceito atual. A atualização e a virtualização são dois conceitos diferentes. A atualização é uma solução de um determinado problema, um resultado de fatores que se conjugam e originam uma solução. (LEVY, 1996, p. 16) É esta a sensação que desejo provocar nos observadores de minhas obras. E é este o objetivo a ser traçado com as imagens que produzo a partir de softwares específicos no espaço acadêmico já referido.
  16. 16. 19 3 - DESENVOLVIMENTO Uma maneira de se entender a área de computação gráfica, é subdividi-la em três grandes subgrupos, que, resumidamente, são de acordo com Azevedo (2003): a) a síntese: as representações visuais de objetos criados pelo computador a partir das especificações geométricas e visuais de seus componentes; b) o processamento: é o processamento das imagens na forma digital e suas transformações; c) a análise de imagens: para a obtenção de características desejadas Posso dizer que meu trabalho foi executado em duas etapas as quais apresentarei ao longo deste tópico que explicará minha metodologia. Na primeira fase, meu trabalho se constituiu como uma simples fotomontagem, no qual criei uma escultura digital e a inseri em uma fotografia que indicava uma parte do cenário natural da UFMS, que mistura a imagem bidimensional com a imagem sintética tridimensional. Na segunda fase apresento maior amadurecimento na criação da obra. Com o estímulo de um projeto científico, orientado pelo Professor Dr°Helio Augusto Godoy de Souza, pelo qual recebi uma bolsa pela UFMS, pude recorrer a um curso especialização de computação gráfica em Curitiba. Este curso intensivo do software 3D Studio Max, realizado pela Cadritec (curso autorizado pela Autodesk), foi essencial para transformar todo o aspecto visual e criativo do meu trabalho de conclusão de curso (TCC). Com a ampliação de conhecimento deste software obtive uma maior liberdade para a criação de obras artísticas. Pude recriar as dimensões do mundo dentro do computador, abrindo um leque de possibilidades jamais imaginado, principalmente no que se diz respeito à modelagem digital e iluminação. Nesta segunda etapa, eu crio uma modelagem digital, e recrio o espaço, aproveitando-me de elementos que já existiam e dando ênfase a eles. Desta forma, envolvo o espectador de forma que o faça sentir a confusa idéia de um espaço entre o real e o ficcional coincidentemente.
  17. 17. 20 3.1 PRIMEIRO ENSAIO 3.1.1 DO PAPEL À MODELAGEM DIGITAL Antes de chegar ao processamento do computador, há passos muito importantes a serem realizados e indispensáveis para levantar a defesa da imagem digital no campo da arte. Em primeiro lugar é necessário o planejamento da fotografia. Para se ter melhor a perspectiva de como seria uma foto e o efeito que ela poderia causar com um detalhe tridimensionalizado. É importante ter um history-board, um projeto em desenho, técnica muito importante e usada até hoje no cinema e pode ser vista na imagem que se segue: A partir dessa idéia, o próximo passo é ir a campo e registrar e coletar o máximo número de fotos, até que se escolha a melhor imagem, valendo-me do conceito de enquadramento, iluminação, limpeza da imagem e todos aqueles quesitos que se faz julgar o que deve ser uma boa qualidade fotográfica. Fig. 5, History-board
  18. 18. 21 No andamento do trabalho, estes pequenos detalhes se tornam essenciais desde seu desenvolvimento até o fim da obra. A partir da imagem escolhida, enfatizo a iluminação da foto e, para isso, é necessário realizar um estudo de luz e sombra na imagem. Devo discernir a qualidade da luz, apontando a luz incidente, difusa e a luz direta ,para isso utilizo-me do software Adobe Photoshop ( Programa de manipulação de imagem digital). A figura seguinte é derivada da imagem escolhida. Pode-se notar que as áreas brancas são as sombras, permitindo a idéia da direção da luz na imagem, uso a imagem em negativo por ser mais fácil de indentificar as aréas com sombra Fig. 6, Estudo fotográfico Fig. 7.1, Fotografia escolhida Fig. 7.2 Estudo de luz e sombra
  19. 19. 22 Em seguida, valho-me de um específico software (3d Studio Max) que proporciona a modelagem digital do detalhe que caracterizará a ornamentação principal da obra e que surtirá o efeito desejado. Este processo equivale ao que chamamos de escultura digital e é modelado através de malhas que se assemelham a um bloco de argila, usando os princípios de escultura, cuja matéria faz parte da grade curricular do curso de Artes Visuais-UFMS, esse “bloco de argila digital”, criada a partir de cálculos matemáticos, tem as mesmas propiedades da argila natural, assim o Mouse do computador se transforma em um espátula, cortando e modelando a “argila digital”. Com a escultura concluída no processo de modelagem digital, é preciso criar a luz precisa para tornar a escultura selecionada conveniente e coerente com o ambiente em que ela se situará. E, é aí que se aplica o conhecimento adquirido em aulas de fotografia, das luzes incidente, difusa e direta e sua determinada direção. Fig. 8, Modelagem digital
  20. 20. 23 Com a iluminação já arranjada, e a escultura feita em sua malha, o passo imediato que dou no processo de sintetização da imagem é a aplicação de uma textura plausível para o objeto que será editado. Por conseguinte, ainda ulitizando-me do software, faço proveito do recurso da câmera virtual, passando a escolher o melhor ângulo para concretizar a escultura de maneira apropriada ao ambiente aproveitado e, visualmente, plausível ao expectador que contemplará a imagem final. Fig. 10, texturização Fig. 9, Ajuste de iluminação
  21. 21. 24 Logo, sobreponho o detalhe tridimensional na fotografia bidimensional, observando com cuidado a melhor maneira que a imagem garantirá sua composição. 3.1.2 Fotomontagem Eu considerava também o conceito de profundidade e proporção afim de tornar a escultura mais realista, através do que fotomontagem poderá garantir. Posteriormente, usando uma técnica denominada “chroma key” (função que, apartir do reconhecimento de uma determinada cor, é apagado os pixels da cor reconhecida) é retirado o fundo e feita a fotomontagem, com ferramentas do Photoshop, software usado em manipulações fotograficas digitais. Fig. 11, Ajuste de enquadramento e pespectiva
  22. 22. 25 Ainda usando o Photoshop é feito uma serie de tratamentos para que a imagem gerada pelo 3D Studio Max se aproxime ao máximo da imagem base. Fig. 12, Chroma key Fig. 13, ajustes finais
  23. 23. 26 O resultado obtido: Fig. 14, Primeiro resultado obtido
  24. 24. 27 3.2 – DEMAIS ENSAIOS Agora farei uma demonstração de como minhas obras passaram a ser realizadas depois do curso intensivo de 3D Stúdio Max, que tive a oportunidade de participar durante o mês de julho na Cadritec, em Curitiba-PR. E devo citar que a realização do curso foi fundamental para adquirir o conhecimento necessário, e ser possível realizar a obra a seguir. Nesta etapa, como já havia mencionado, aproveito-me de detalhes já existentes dentro da universidade. Dou-lhes certa ênfase a partir do efeito da modelagem digital e envolvo o espectador numa ilusória perspectiva entre o real e o ficcional. A obra se desenvolve, também, a partir da escolha fotográfica de um elemento preterido, e valho-me ainda dos mesmos conceitos de enquadramento. A partir da escolha da imagem, devo criar no 3D Studio Max, a malha que acomodará a modelagem, o dimensionamento e o ângulo. Esta malha proporcionará a visualização total do objeto modelo para aplicar e nela aplico a textura e a iluminação mais próxima do real. Fig.15, Fotografia escolhida como base
  25. 25. 28 3.2.1 PRIMEIRO PASSO - A ESCOLHA DA IMAGEM. Em primeiro lugar é necessario fazer um estudo de imagens, que será a base da obra, capturando de diferentes ângulos a aréa de interesse. Fig.16, Estudo fotográfico
  26. 26. 29 3.2.2 SEGUNDO PASSO - MODELAGEM DIGITAL A modelagem é feita através de uma malha constituída de polígonos, que irá simular uma massa, como a argila usada em técnicas de escultura clássica. Fig.17, Representação dos polígonos Fig.18.1, Modelagem da cabeça Fig.18.2, Modelagem da mão e spray
  27. 27. 30 3.2.3 TERCEIRO PASSO – A TEXTURIZAÇÃO Para a texturização é necessário que eu “recorte” e “abra” a imagem, através dos recursos que o software oferece, para aplicar a malha em cada minucioso detalhe da imagem. Este recorte será uma ferramenta fundamental que me servirá de mapeamento da figura e me orientará ao longo de todo o engenho da obra: Desta forma, a texturização se torna muito mais eficaz e a probabilidade de coerência será muito maior para com os efeitos de iluminação e de texturização, pois assim terei acesso a todos os ângulos da imagem, me aproximando daquilo que seria real. Fig.19.1, Mapeamento da textura Fig.19.2, Mapeamento pintado
  28. 28. 31 Fig.20.1, Mapeamento aplicado na cabeça Fig.20.2, Mapeamento pintado do spray Fig.20.3, Mapeamento aplicado no spray
  29. 29. 32 3.2.4 QUARTO PASSO – ENQUADRAMENTO Depois é preciso encaixar as imagens para torná-las convenientes às suas devidas proporções, ou seja, procuro a proporcional distância e dimensionamento entre a mão e o corpo do objeto e repousarei o olhar do palhaço, a fim de tornar a imagem convincente aos olhos do espectador. Tudo isto também é garantido pelas ferramentas do software: É necessário escolher o melhor ângulo para enquadrar a imagem em sua total perspectiva. Para isso, recorro à câmera virtual existente no próprio software, assim como configurar a lente da camêra digital para que simule a mesma lente usada durate a captura da imagem. Fig.21, Enquadramento Fig.22, Detalhe do ajuste de câmera
  30. 30. 33 3.2.5 QUINTO PASSO – ILUMINAÇÃO Logo depois da modelagem da escultura digital, devo atribuir a iluminação gráfica que o software reproduz, respeitando o aspecto visual da luz incidente, difusa e também da luz direta: 3.2.6 SEXTO PASSO – ARTE FINAL Nesta etapa, me utilizo do Photoshop para criar um adorno na imagem que está sendo desenvolvida. Nesse caso começo aplicando um retoque no Céu. Fig.24, Retoque no céu Fig.23, Ajuste da iluminação
  31. 31. 34 Em seguida, usando uma mesa digitalizadora, desenho um cabelo e crio uma desfocagem na imagem, com o objetivo de despertar uma ênfase no trabalho que desenvolvi, chegando assim à conclusão da obra. Fig.25, retoque no cabelo e desfoque ao fundo Fig.26, Trabalho concluido
  32. 32. 35 4 - Análises das obras Considerando que cada arte é singular e que cada uma delas tem um significado especial, optei por desenvolver uma pequena análise de uma a uma para avália-las. 4.1 GRAFFITI No que se diz respeito a constituição física, a obra envolve uma espécie de interação entre os diversos elementos espaciais, tais como manchas, formas, áreas internas e externas em um flexível dinamismo e contraste. Em relação ao índice de temporalidade, é fácil notar que são imagens atuais, primeiramente na percepcção das paisagens as quais elas se encontram, mas o efeito se dá principlamente pelos efeitos digitais. Fig. 27, Composição da primeira obra
  33. 33. 36 4.2 BONECOS Esta obra realça um dos váriados elementos espalhados pelo campus. Após reparar a degradação nesses mosaicos de cerâmica, dei vida a três deles, deixando um no estado original, esperando despertar o interesse de alguém em restaurar, assim o cedendo também uma vida nova. Fig. 28, Composição da segunda obra
  34. 34. 37 4.3 BELELEU Seguindo a mesma linha de pensamento da primeira imagem, criei a obra abaixo. Nela, percebemos também que existe uma manifestação espontânea de pessoas envolvidas na universidade, não deixando de ser artística. Percebemos que os acadêmicos também procuram interagir com o ambiente que estão julgados a habituarem-se até a conclusão de seus cursos. Em específico esse trabalho inicialmente é um lambe-lambe produzido por Denis Feliz, ex-acadêmico do curso de artes visuas. Fig. 29, Composição da terceira obra
  35. 35. 38 4.3 ARARA Nesta quarta, e última obra, usufruí de mais um elemento existente da UFMS. Nela, eu exalto este ambiente, criando vida onde encontramos diversos funcionários de enorme importância para a UFMS, pois também devemos uma preocupação com eles, já que da mesma maneira que existe um desgaste ao estudante, existe um desgaste daqueles que que trabalham para manter o equilíbrio funcional da Universidade. Fig. 30, Composição da quarta obra
  36. 36. 39 5 - CONCLUSÃO Aquilo que marca o destino do homem sempre é anunciado através de algum meio de comunicação. Na margem do confronto entre o paralelismo e o encontro, a complexidade virtual é o que define o século XXI na ciência, na história e na arte. Em uma linha que entrelaça a ciência e a arte, a manipulação digital poetiza a matemática e a transforma em um diálogo harmonioso, vivo e abstrato trazendo sintonia e equilíbrio com ambas as disciplinaridades. E o que seria a arte senão a encorporação universal de todos os pensamentos humanos, racionais e emocionais? A tecnologia proporciona ao homem mais um método alternativo para compor suas obras, sem tirar dele a capacidade imaginativa ou talentosa, mas abrindo mais uma aba do grande leque técnico da arte. Contudo, para aceitar a arte digital, é necessária uma visão atualizada, ampla e maleável da realidade, para que se possa aceitar, absorver e usufruir das novas combinações que as tendências tecnológicas oferecem. Meu trabalho consiste-se em uma ressignificação de elementos. Busco estabelecer relações entre a criação artística manual e o desenho produzido com o auxílio do computador, indicando possíveis mudanças e caminhos a serem seguidos. Em síntese, é com essa relação de integração entre máquina e homem, entre tecnologia e o ambiente, e na idéia de que a arte deve sempre superar seus limites, junto daquilo que o homem é capaz de produzir, que concluo meu trabalho final.
  37. 37. 40 6 - REFERÊNCIAS AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica: teoria e prática : P. 3-27. Rio de Janeiro: Elsevier. 2003. DONDIS, Donis A.. Sintaxe da Linguagem Visual. Trad. Jefferson Luiz Amargo. 4ª tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2003. FERRAZ, Fabrícia Gouveira. Computadores fazem arte: a arte na era digital. São Paulo, 2008 LÉVY, Pierre. O Que é o Virtual? São Paulo: Editora 34, 1996, P.16. MACHADO, Arlindo. Máquina e Imaginário. Edusp: São Paulo, 1993. MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas, Papirus, 1997. TOMASELLI, Maria. O que é arte contemporânea? Disponível em: http://to.plugin.com.br/artcont.htm 2008

×