Poemas eternizados por Autores                           Maranhenses.                              “deixa que a dor se exe...
Ferreira Gullar                  Aprendizado     Do mesmo modo que te abriste à alegria            abre-te agora ao sofrim...
"Não chores, meu         filho;Não chores, que a vida    É luta renhida:     Viver é lutar.  A vida é combate, Que os frac...
Nauro Machado              O Parto Meu corpo está completo, o homem - não o poeta. Mas eu quero e é necessário que me sofr...
Raimundo CorreiaSaudade  Aqui outrora retumbaram hinos;  Muito coche real nestas calçadas  E nestas praças, hoje abandonad...
Poéticacurvos e curvas soprammais que males no cordãodos ares da verdade nuanua e crua como a palidezdo sono quando a natu...
Maranhão                  SatãSobrinho    Nas margens de cristal do Danúbio           do sonho, cromadas de rubis, de     ...
Referências Bibliográficas• http://www.revista.agulha.nom.br/gula.html#aprendizado• http://pensador.uol.com.br/autor/gonca...
Trabalho de açao e mediaçao
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de açao e mediaçao

614 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de açao e mediaçao

  1. 1. Poemas eternizados por Autores Maranhenses. “deixa que a dor se exerça agora sem mentiras nem desculpas e em tua carne vaporize toda ilusão ”"Não chores, meu filho” “...Mas eu quero e é necessário que me sofra e me solidifique em poeta” “E em torno os olhos úmidos, tristonhos, Espraia, e chora, como Jeremias...
  2. 2. Ferreira Gullar Aprendizado Do mesmo modo que te abriste à alegria abre-te agora ao sofrimento que é fruto dela e seu avesso ardente. Do mesmo modo que da alegria foste ao fundo e te perdeste nela e te achaste nessa perda deixa que a dor se exerça agora sem mentiras nem desculpas e em tua carne vaporize toda ilusão que a vida só consome o que a alimenta.
  3. 3. "Não chores, meu filho;Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos Só pode exaltar!“ Gonçalves Dias
  4. 4. Nauro Machado O Parto Meu corpo está completo, o homem - não o poeta. Mas eu quero e é necessário que me sofra e me solidifique em poeta, que destrua desde já o supérfluo e o ilusório e me alucine na essência de mim e das coisas, para depois, feliz e sofrido, mas verdadeiro, trazer-me à tona do poema com um grito de alarma e de alarde: ser poeta é duro e dura e consome toda uma existência.
  5. 5. Raimundo CorreiaSaudade Aqui outrora retumbaram hinos; Muito coche real nestas calçadas E nestas praças, hoje abandonadas, Rodou por entre os ouropéis mais finos... Arcos de flores, fachos purpurinos, Trons festivais, bandeiras desfraldadas, Girândolas, clarins, atropeladas Legiões de povo, bimbalhar de sinos... Tudo passou! Mas dessas arcarias Negras, e desses torreões medonhos, Alguém se assenta sobre as lájeas frias; E em torno os olhos úmidos, tristonhos, Espraia, e chora, como Jeremias, Sobre a Jerusalém de tantos sonhos!...
  6. 6. Poéticacurvos e curvas soprammais que males no cordãodos ares da verdade nuanua e crua como a palidezdo sono quando a naturezados pés à cabeça nospergunta: como? palhagralha linda calvo favoaceso lâmpada do nadasobre o pó desfeito de umchão fugido por bicar umpássaro maçã tarde e calmaAh! eu adormeço... longe elongo tomo um farolsumido nos confins danoite grito, coração, quegrito? fala para a ala dúbioalvorecer fala parasia antesde morrer do capim Raimundodourado morivigerando noverdor da lua salta o sol dequando tudo era na erva o Fontenelefluxo de existir vida-taça, gota do ser no devir.
  7. 7. Maranhão SatãSobrinho Nas margens de cristal do Danúbio do sonho, cromadas de rubis, de pérolas purpúreas, vê-se o imenso solar sonolento e medonho do dragão infernal das Princesas espúrias... Guarda o nobre portal de alabastro tristonho desse antigo solar, de malditas luxúrias, em que fulge o brasão heráldico do sonho não sei quantas legiões de duendes e fúrias! Sobre o mármore azul das colunas austeras, que, em noivados de luz, o luar engrinalda brilha o vivo cristal de alígeras quimeras... Velam desse dragão o oriental tesoiro, sobre um trono de rei, de maciça esmeralda, dois soberbos leões, de grandes patas de oiro...
  8. 8. Referências Bibliográficas• http://www.revista.agulha.nom.br/gula.html#aprendizado• http://pensador.uol.com.br/autor/goncalves_dias/• http://www.jornaldepoesia.jor.br/nauro.html#parto• http://pt.wikipedia.org/wiki/Raimundo_Correia• http://www.jornaldepoesia.jor.br/@ms01.html

×