SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
1
Profª. Drª. Adriana Rocha Bruno -
UFJF
Profa. Dra. Lucia Helena Schuchter
arbruno@gmail.com
UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora)
BRASIL
Alfabetização e letramentos:
contribuições para a Educação na
contemporaneidade
Você consegue ler as frases abaixo? Por quê?
• Ler é atribuir sgnfcd a um txt escrito.
• A l*itura pr*ssupõ* um sab*r pr*vio.
ALFABETIZAÇÃO
• “Alfabetizado seria aquele sujeito que adquiriu a
tecnologia de escrita, sabe decodificar os sinais
gráficos do seu idioma, mas ainda não se
apropriou completamente das habilidades de
leitura e de escrita: lê com dificuldade e escreve
com pouca frequência e, quando escreve, produz
textos considerados simples (bilhetes, listas de
compras, preenchimento de proposta de emprego
e coisas do gênero).” (XAVIER, p.01)
MUDANÇA DE COMPETÊNCIAS AO LONGO DA
HISTÓRIA
• 1ª met. Séc. XX: assinar o próprio nome;
• 1958: “ler e escrever com compreensão um enunciado
curto de sua vida cotidiana” (UNESCO, 1958);
• 1978: “funcionalmente alfabetizada: usar a leitura, a
escrita e cálculo para seu próprio desenvolvimento e o
da comunidade” (UNESCO, 1978);
• 1980: reconhecimento da diversidade de níveis e de
práticas de leitura e de escrita para “funcionar” na
comunidade;
• LETRAMENTO (KATO, 1986, KLEIMAN, 1995 e SOARES,
1998)
5
Alfabetização
Alfabetizado: adquiriu a tecnologia de escrita, sabe decodificar os
sinais gráficos do seu idioma...
Não experimentou os benefícios das práticas socioculturais, como:
a) entender textos mais sofisticados, que exigem uma compreensão mais
profunda cujos enunciados contam com informações implícitas, pressupostas ou
subentendidas;
b) elaborar com freqüência relatórios detalhados de trabalho;
c) escrever textos argumentativos que defendam seu ponto de vista de modo
claro e persuasivo;
d) descrever com precisão e sutileza pessoas e ambientes vistos ou imaginados
por ele, entre outros usos mais complexos que podem ser feitos com a escrita.
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
LETRAMENTO
• Termo usado para “esclarecer diferentes níveis de
aquisição da leitura e da escrita.” (VALENTE)
• “O estado ou condição de quem não apenas sabe ler e
escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que
usam a escrita.” (SOARES)
6
• “A capacidade de enxergar além dos limites do código,
fazer relações com informações fora do texto falado ou
escrito e vinculá-las à sua realidade histórica, social e
política são características de um indivíduo plenamente
letrado.” (XAVIER)
• Não basta saber ler ‘Eva viu a uva’. É preciso
compreender qual a posição que Eva ocupa no seu
contexto social, quem trabalha para produzir a uva e
quem lucra com esse trabalho. (PAULO FREIRE)
7
CENTRAL DO BRASIL
Filme brasileiro dirigido por Walter Salles.
Uma professora que sobrevive escrevendo
cartas na Central do Brasil parte em uma
jornada em busca do pai de um garoto cuja
mãe acaba de morrer e está sozinho na
cidade grande.
8
9
TIRINHAS
10
11
12
Letramento
O letramento é uma prática cultural, sócio e historicamente
estabelecida, que permite ao indivíduo apoderar-se das suas
vantagens e assim participar efetivamente e decidir, como cidadão
do seu tempo, os destinos da comunidade à qual pertence e as
tradições, hábitos e costumes com os quais se identifica.
Uma pessoa alfabetizada e letrada
não é necessariamente letrada
digitalmente
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
LETRAMENTO DIGITAL
• “Ser letrado digital pressupõe assumir mudanças nos
modos de ler e escrever os códigos e sinais verbais e não-
verbais, como imagens e desenhos, se compararmos às
formas de leitura e escrita feitas no livro.” (XAVIER, p.02)
• Para se medir e desenvolver o letramento digital é preciso
saber lidar com diferentes interfaces, buscar informações
no computador ou na internet, ler e produzir textos digitais
de forma eficiente, nos mais diferentes contextos de
interação.(COSCARELLI e NOVAIS, 2012) 13
14
Letramento Digital
Tal cenário implica em novas formas de
aprender, em acordo com o contexto dos
sujeitos sociais de hoje.
O “professor saber tudo” não tem mais
espaço na sociedade de hoje, adjetivada de
múltiplas formas: sociedade da informação,
sociedade em rede, sociedade do
conhecimento, sociedade da
aprendizagem...
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
VOCÊ CONCORDA OU DISCORDA?
• “Posso dizer que nem as tecnologias digitais nem os
novos multiletramentos da cultura digital efetivamente
chegaram ainda às práticas escolares, que continuam
aferradas ao impresso e a suas práticas’.(ROXANE
ROJO)
•“Somente o letrado alfabético tem condições de se
apropriar totalmente do letramento digital, pois os
conhecimentos necessários para entender e acompanhar
já foram apreendidos pelo aprendiz.” (ANTÔNIO XAVIER)
15
Depoimento retirado da Dissertação Biblioteca escolar
e laboratório de informática (SCHUCHTER, 2010)
O que eu tenho tentado passar pra eles aqui na
biblioteca... que sem a leitura eles não conseguem
informática. Se eles não tiverem a prática de parar,
de ler aqui, eles não vão conseguir lá.
(Professora-bibliotecária A1)
16
Eu tenho uma neta de quatro anos que aprendeu a
mexer no computador, antes de aprender a ler. No
fim, ela tá lendo no computador. Eu não posso falar
que o computador é uma coisa ruim.
(Professor-bibliotecário B1)
17
Reflita...
• A pessoa pode ser letrada em determinados contextos e
ser iletrada em outros?
18
19
Escrita e letramento digital
A escola
• Consolidação da escrita ➔ meios de
comunicação tradicionais (rádio, TV,
jornais, revistas etc.) e modernos (Internet,
CD, CD-Rom, DVD);
• letramento alfabético torna-se indispensável
à sociedade.
Qual seria a diferença entre
um indivíduo que é apenas alfabetizado de um outro
indivíduo que é alfabetizado e também
letrado?
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
“Os tipos de letramentos mudam porque são situados na
história e acompanham a mudança de cada contexto
tecnológico, social, político, econômico ou cultural em uma
dada sociedade.” (XAVIER, p.04)
Para conceituar letramentos deve-se considerar as
necessidades emergentes das práticas sociais e
considerá-los como processos e não estados ou
condições. (RANGEL, 2009)
20
Música: Apesar de você, de Chico Buarque
• Essa música foi feita na época da ditadura, no final da
década de 1960. A música parece falar de um amor que
não deu certo, de uma mulher autoritária; mas na
verdade o cantor externou seu desapontamento com a
situação sofrida pelo país, onde a crítica à ditadura era
disfarçada como uma briga entre namorados. A canção,
por lidar implicitamente com a falta de liberdade durante
a ditadura militar, foi proibida de ser executada pelas
rádios brasileiras pelo governo do general Emílio
Garrastazu Médici. No entanto, seria liberada oito anos
mais tarde, durante o final do governo de Ernesto Geisel.
21
22
O que se constitui como um letramento escolar
adequado num contexto de conectividade global?
O contexto atual
➔Denominado: do conhecimento, da aprendizagem
colaborativa, autoral, cibercultural, neoliberal, pós-moderna,
neurocultural, líquida etc.
➔ Pontos fortes: excesso de informações, o apelo imagético
e audiovisual, incorporação de tecnologias digitais.
➔ sujeitos: se relacionam por redes sociais presenciais e
virtuais / intersticiais (Santaella -2011) – são consumidores
e produtores do conhecimento.
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
23
1. Quem é o estudante das Universidades Hoje?
2. Quem ensina? Quem é o docente hoje?
3. Como aprendem os estudantes, jovens e adultos, nestes
ambientes?
4. Como se desenvolve a docência e, por conseguinte, a
mediação, nestes espaços de aprendizagem?
Profª.Drª.AdrianaRochaBrunoProfª.Drª.AdrianaRochaBruno
Quem são os
jovens e
adultos desta
sociedade
cibercultural?
Docentes e
discentes
COEXISTEM NESTE CENÁRIO
Falar e ditar do
mestre
Ouvir passivo
Salas interativas e
sujeitos conectados
Perfil do “novo” professor
• pesquisador, não mais repetidor de informação;
• articulador do saber, não mais fornecedor único do
conhecimento;
• gestor de aprendizagens, não mais instrutor de regras;
• consultor que sugere, não mais chefe autoritário que
manda;
• motivador da “aprendizagem pela descoberta”, não mais
avaliador de informações empacotadas a serem
assimiladas e reproduzidas pelo aluno. (XAVIER, p.03)
30
31
Cenário
O crescente aumento na utilização recursos
tecnológicos digitais e em rede ➔ aprendizagem de
comportamentos e raciocínios específicos
➔ novo tipo, paradigma ou modalidade de
letramento
➔ Multiplos Letramentos
• FOCO SOCIAL: alfabetizar e letrar pessoas
Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
32
Os jovens e as tecnologias digitais
Resumo da pesquisa de Tapscott, in: Xavier, 200__
JEITO NOVISSIMO (BRUNO, 2007, 2010, 2012...)
Integração e descentralidade
A partir dos processos de ensino e de
aprendizagem ➔ foco nos sujeitos em
movimento de conhecer
Redes colaborativas, plásticas, Educação
Hibrida
As questões aqui apresentadas não se referem especificamente
às tecnologias e midias, à cibercultura etc...
Mas às concepções de educação, de ensino, de aprendizagem,
de sociedade que temos...
Incorporar tecnologias, trabalhar com ambientes virtuais de
aprendizagem, mídias interativas, móveis etc é um
desdobramento desse processo e não o centro do processo....
Permanecem as questões: que docente desejo ser? Que
profissional desejo formar? Como formar no Ensino Superior
na contemporaneidade ou pós-modernidade?
35Mais o Conhecimento é
GRUPAR
MUITO GRATA!
Obrigada.
Adriana.
36

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaMárcia Varolo
 
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXIA lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXIAntonio Dias de Figueiredo
 
Mostra Cultural
Mostra CulturalMostra Cultural
Mostra CulturalUFSC
 
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...Rita Gonçalves
 
Mirza seabra os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aula
Mirza seabra   os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aulaMirza seabra   os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aula
Mirza seabra os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aulaLívia Neiva
 
Conversa sobre jornal
Conversa sobre jornalConversa sobre jornal
Conversa sobre jornallabteotonio
 
Comunicação, comunidades e memória
Comunicação, comunidades e memóriaComunicação, comunidades e memória
Comunicação, comunidades e memóriaDeborah Cattani
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Norma Almeida
 
Ppt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrcPpt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrcAlice Costa
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilRosemary Batista
 
Educomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosEducomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosAntonia Alves
 
Texto singularidades do envelhecimento grupo 4 - dia 04 de novembro
Texto singularidades do envelhecimento   grupo 4 - dia 04 de novembroTexto singularidades do envelhecimento   grupo 4 - dia 04 de novembro
Texto singularidades do envelhecimento grupo 4 - dia 04 de novembroProfesonline
 

Mais procurados (15)

O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escrita
 
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXIA lingua portuguesa e as literacias do século XXI
A lingua portuguesa e as literacias do século XXI
 
Mostra Cultural
Mostra CulturalMostra Cultural
Mostra Cultural
 
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené   maurice holbwac...
Fichamento (3) memória e patrimônio cultural professor rené maurice holbwac...
 
A Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na EscolaA Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na Escola
 
Mirza seabra os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aula
Mirza seabra   os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aulaMirza seabra   os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aula
Mirza seabra os sujeitos e as novas tecnologias na sala de aula
 
Bibliotecas E Literacias Sec X X I
Bibliotecas E Literacias Sec X X IBibliotecas E Literacias Sec X X I
Bibliotecas E Literacias Sec X X I
 
Conversa sobre jornal
Conversa sobre jornalConversa sobre jornal
Conversa sobre jornal
 
Comunicação, comunidades e memória
Comunicação, comunidades e memóriaComunicação, comunidades e memória
Comunicação, comunidades e memória
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
 
Ppt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrcPpt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrc
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
 
Educomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosEducomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátios
 
Texto singularidades do envelhecimento grupo 4 - dia 04 de novembro
Texto singularidades do envelhecimento   grupo 4 - dia 04 de novembroTexto singularidades do envelhecimento   grupo 4 - dia 04 de novembro
Texto singularidades do envelhecimento grupo 4 - dia 04 de novembro
 
LITERATURA
LITERATURALITERATURA
LITERATURA
 

Semelhante a Alfabetização e letramentos na contemporaneidade

Considerações sobre o letramento na cultura do papel
Considerações sobre o letramento na cultura do papelConsiderações sobre o letramento na cultura do papel
Considerações sobre o letramento na cultura do papelUNOPAR, UNEB
 
texto do Percival Brito
texto do Percival Britotexto do Percival Brito
texto do Percival BritoMiriam Camargo
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docelannialins
 
O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaMárcia Varolo
 
O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaMárcia Varolo
 
Inglês na educação básica
Inglês na educação básicaInglês na educação básica
Inglês na educação básicaFALE - UFMG
 
PNAIC - Palestra alfabetização e letramento
PNAIC - Palestra alfabetização e letramentoPNAIC - Palestra alfabetização e letramento
PNAIC - Palestra alfabetização e letramentoElieneDias
 
Projeto - Samuel e Dalva
Projeto - Samuel e DalvaProjeto - Samuel e Dalva
Projeto - Samuel e DalvaAdão Lourenço
 
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.doc
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.docA biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.doc
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.docCassia Furtado
 
Apresentação modulo i
Apresentação   modulo iApresentação   modulo i
Apresentação modulo ihsurdez
 
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSA
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSALITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSA
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSAJoyce Fettermann
 

Semelhante a Alfabetização e letramentos na contemporaneidade (20)

Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Considerações sobre o letramento na cultura do papel
Considerações sobre o letramento na cultura do papelConsiderações sobre o letramento na cultura do papel
Considerações sobre o letramento na cultura do papel
 
texto do Percival Brito
texto do Percival Britotexto do Percival Brito
texto do Percival Brito
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
A linguagem virtual
A linguagem virtualA linguagem virtual
A linguagem virtual
 
SLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptxSLIDE JAYSLA.pptx
SLIDE JAYSLA.pptx
 
O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escrita
 
O papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escritaO papel social da leitura e da escrita
O papel social da leitura e da escrita
 
Inglês na educação básica
Inglês na educação básicaInglês na educação básica
Inglês na educação básica
 
PNAIC - Palestra alfabetização e letramento
PNAIC - Palestra alfabetização e letramentoPNAIC - Palestra alfabetização e letramento
PNAIC - Palestra alfabetização e letramento
 
Artigo selfie perfil corrigido.docx
Artigo selfie perfil corrigido.docxArtigo selfie perfil corrigido.docx
Artigo selfie perfil corrigido.docx
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Informática e mídias
Informática e mídiasInformática e mídias
Informática e mídias
 
Informática e mídias
Informática e mídiasInformática e mídias
Informática e mídias
 
Projeto - Samuel e Dalva
Projeto - Samuel e DalvaProjeto - Samuel e Dalva
Projeto - Samuel e Dalva
 
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.doc
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.docA biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.doc
A biblioteca escolar na formação de comunidades de leitores autores via web.doc
 
Gêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.pptGêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.ppt
 
Gêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.pptGêneros Textuais.ppt
Gêneros Textuais.ppt
 
Apresentação modulo i
Apresentação   modulo iApresentação   modulo i
Apresentação modulo i
 
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSA
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSALITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSA
LITERATURA E REDES SOCIAIS: UMA CONVIVÊNCIA HARMONIOSA
 

Mais de Adriana Bruno

Live: Entre a raiz e a flor
Live: Entre a raiz e a florLive: Entre a raiz e a flor
Live: Entre a raiz e a florAdriana Bruno
 
Edu online didaticaonline
Edu online didaticaonlineEdu online didaticaonline
Edu online didaticaonlineAdriana Bruno
 
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santosDo pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santosAdriana Bruno
 
Edu online introducao abordagens
Edu online introducao abordagensEdu online introducao abordagens
Edu online introducao abordagensAdriana Bruno
 
Criacao do site trabalho final
Criacao do site   trabalho finalCriacao do site   trabalho final
Criacao do site trabalho finalAdriana Bruno
 
Rotina de trabalho - EI - crianças especiais
Rotina de trabalho - EI - crianças especiaisRotina de trabalho - EI - crianças especiais
Rotina de trabalho - EI - crianças especiaisAdriana Bruno
 
As tic e as neurociencias
As tic e as neurociencias As tic e as neurociencias
As tic e as neurociencias Adriana Bruno
 
Modelo Roteiro curta
Modelo Roteiro curtaModelo Roteiro curta
Modelo Roteiro curtaAdriana Bruno
 
Como criar um_curta
Como criar um_curta Como criar um_curta
Como criar um_curta Adriana Bruno
 
Atividade Caminhada Fotografica
Atividade Caminhada FotograficaAtividade Caminhada Fotografica
Atividade Caminhada FotograficaAdriana Bruno
 
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)Adriana Bruno
 
Apresentacao oficina-iespe-mai2018
Apresentacao oficina-iespe-mai2018Apresentacao oficina-iespe-mai2018
Apresentacao oficina-iespe-mai2018Adriana Bruno
 
Como criar um_curta - ok2017-Dri
Como criar um_curta - ok2017-DriComo criar um_curta - ok2017-Dri
Como criar um_curta - ok2017-DriAdriana Bruno
 
#Partiuprofessor docência-s contemporâneas no ensino (2)
 #Partiuprofessor  docência-s contemporâneas no ensino  (2) #Partiuprofessor  docência-s contemporâneas no ensino  (2)
#Partiuprofessor docência-s contemporâneas no ensino (2)Adriana Bruno
 
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)Adriana Bruno
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Adriana Bruno
 
II Semana da FACED 2014 - GRUPAR
II Semana da FACED 2014 - GRUPARII Semana da FACED 2014 - GRUPAR
II Semana da FACED 2014 - GRUPARAdriana Bruno
 

Mais de Adriana Bruno (20)

Live: Entre a raiz e a flor
Live: Entre a raiz e a florLive: Entre a raiz e a flor
Live: Entre a raiz e a flor
 
Edu online didaticaonline
Edu online didaticaonlineEdu online didaticaonline
Edu online didaticaonline
 
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santosDo pos moderno pos colonial boaventura_santos
Do pos moderno pos colonial boaventura_santos
 
Edu online introducao abordagens
Edu online introducao abordagensEdu online introducao abordagens
Edu online introducao abordagens
 
Atividade memes
Atividade   memes Atividade   memes
Atividade memes
 
Criacao do site trabalho final
Criacao do site   trabalho finalCriacao do site   trabalho final
Criacao do site trabalho final
 
Rotina de trabalho - EI - crianças especiais
Rotina de trabalho - EI - crianças especiaisRotina de trabalho - EI - crianças especiais
Rotina de trabalho - EI - crianças especiais
 
As tic e as neurociencias
As tic e as neurociencias As tic e as neurociencias
As tic e as neurociencias
 
Modelo Roteiro curta
Modelo Roteiro curtaModelo Roteiro curta
Modelo Roteiro curta
 
Como criar um_curta
Como criar um_curta Como criar um_curta
Como criar um_curta
 
Atividade Caminhada Fotografica
Atividade Caminhada FotograficaAtividade Caminhada Fotografica
Atividade Caminhada Fotografica
 
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)
Conteudo programatico oficinas-et-iespe-2018 (1)
 
Apresentacao oficina-iespe-mai2018
Apresentacao oficina-iespe-mai2018Apresentacao oficina-iespe-mai2018
Apresentacao oficina-iespe-mai2018
 
Como criar um_curta - ok2017-Dri
Como criar um_curta - ok2017-DriComo criar um_curta - ok2017-Dri
Como criar um_curta - ok2017-Dri
 
#Partiuprofessor docência-s contemporâneas no ensino (2)
 #Partiuprofessor  docência-s contemporâneas no ensino  (2) #Partiuprofessor  docência-s contemporâneas no ensino  (2)
#Partiuprofessor docência-s contemporâneas no ensino (2)
 
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)
Texto teorias educ dri_lu_joao_bertomeu_rev teias_ppge (2)
 
Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015Grupar conceitos 2015
Grupar conceitos 2015
 
Ensinar aprender
Ensinar aprenderEnsinar aprender
Ensinar aprender
 
Didatica dri
Didatica driDidatica dri
Didatica dri
 
II Semana da FACED 2014 - GRUPAR
II Semana da FACED 2014 - GRUPARII Semana da FACED 2014 - GRUPAR
II Semana da FACED 2014 - GRUPAR
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Alfabetização e letramentos na contemporaneidade

  • 1. 1 Profª. Drª. Adriana Rocha Bruno - UFJF Profa. Dra. Lucia Helena Schuchter arbruno@gmail.com UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) BRASIL Alfabetização e letramentos: contribuições para a Educação na contemporaneidade
  • 2. Você consegue ler as frases abaixo? Por quê? • Ler é atribuir sgnfcd a um txt escrito. • A l*itura pr*ssupõ* um sab*r pr*vio.
  • 3. ALFABETIZAÇÃO • “Alfabetizado seria aquele sujeito que adquiriu a tecnologia de escrita, sabe decodificar os sinais gráficos do seu idioma, mas ainda não se apropriou completamente das habilidades de leitura e de escrita: lê com dificuldade e escreve com pouca frequência e, quando escreve, produz textos considerados simples (bilhetes, listas de compras, preenchimento de proposta de emprego e coisas do gênero).” (XAVIER, p.01)
  • 4. MUDANÇA DE COMPETÊNCIAS AO LONGO DA HISTÓRIA • 1ª met. Séc. XX: assinar o próprio nome; • 1958: “ler e escrever com compreensão um enunciado curto de sua vida cotidiana” (UNESCO, 1958); • 1978: “funcionalmente alfabetizada: usar a leitura, a escrita e cálculo para seu próprio desenvolvimento e o da comunidade” (UNESCO, 1978); • 1980: reconhecimento da diversidade de níveis e de práticas de leitura e de escrita para “funcionar” na comunidade; • LETRAMENTO (KATO, 1986, KLEIMAN, 1995 e SOARES, 1998)
  • 5. 5 Alfabetização Alfabetizado: adquiriu a tecnologia de escrita, sabe decodificar os sinais gráficos do seu idioma... Não experimentou os benefícios das práticas socioculturais, como: a) entender textos mais sofisticados, que exigem uma compreensão mais profunda cujos enunciados contam com informações implícitas, pressupostas ou subentendidas; b) elaborar com freqüência relatórios detalhados de trabalho; c) escrever textos argumentativos que defendam seu ponto de vista de modo claro e persuasivo; d) descrever com precisão e sutileza pessoas e ambientes vistos ou imaginados por ele, entre outros usos mais complexos que podem ser feitos com a escrita. Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 6. LETRAMENTO • Termo usado para “esclarecer diferentes níveis de aquisição da leitura e da escrita.” (VALENTE) • “O estado ou condição de quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita.” (SOARES) 6
  • 7. • “A capacidade de enxergar além dos limites do código, fazer relações com informações fora do texto falado ou escrito e vinculá-las à sua realidade histórica, social e política são características de um indivíduo plenamente letrado.” (XAVIER) • Não basta saber ler ‘Eva viu a uva’. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho. (PAULO FREIRE) 7
  • 8. CENTRAL DO BRASIL Filme brasileiro dirigido por Walter Salles. Uma professora que sobrevive escrevendo cartas na Central do Brasil parte em uma jornada em busca do pai de um garoto cuja mãe acaba de morrer e está sozinho na cidade grande. 8
  • 9. 9
  • 11. 11
  • 12. 12 Letramento O letramento é uma prática cultural, sócio e historicamente estabelecida, que permite ao indivíduo apoderar-se das suas vantagens e assim participar efetivamente e decidir, como cidadão do seu tempo, os destinos da comunidade à qual pertence e as tradições, hábitos e costumes com os quais se identifica. Uma pessoa alfabetizada e letrada não é necessariamente letrada digitalmente Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 13. LETRAMENTO DIGITAL • “Ser letrado digital pressupõe assumir mudanças nos modos de ler e escrever os códigos e sinais verbais e não- verbais, como imagens e desenhos, se compararmos às formas de leitura e escrita feitas no livro.” (XAVIER, p.02) • Para se medir e desenvolver o letramento digital é preciso saber lidar com diferentes interfaces, buscar informações no computador ou na internet, ler e produzir textos digitais de forma eficiente, nos mais diferentes contextos de interação.(COSCARELLI e NOVAIS, 2012) 13
  • 14. 14 Letramento Digital Tal cenário implica em novas formas de aprender, em acordo com o contexto dos sujeitos sociais de hoje. O “professor saber tudo” não tem mais espaço na sociedade de hoje, adjetivada de múltiplas formas: sociedade da informação, sociedade em rede, sociedade do conhecimento, sociedade da aprendizagem... Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 15. VOCÊ CONCORDA OU DISCORDA? • “Posso dizer que nem as tecnologias digitais nem os novos multiletramentos da cultura digital efetivamente chegaram ainda às práticas escolares, que continuam aferradas ao impresso e a suas práticas’.(ROXANE ROJO) •“Somente o letrado alfabético tem condições de se apropriar totalmente do letramento digital, pois os conhecimentos necessários para entender e acompanhar já foram apreendidos pelo aprendiz.” (ANTÔNIO XAVIER) 15
  • 16. Depoimento retirado da Dissertação Biblioteca escolar e laboratório de informática (SCHUCHTER, 2010) O que eu tenho tentado passar pra eles aqui na biblioteca... que sem a leitura eles não conseguem informática. Se eles não tiverem a prática de parar, de ler aqui, eles não vão conseguir lá. (Professora-bibliotecária A1) 16
  • 17. Eu tenho uma neta de quatro anos que aprendeu a mexer no computador, antes de aprender a ler. No fim, ela tá lendo no computador. Eu não posso falar que o computador é uma coisa ruim. (Professor-bibliotecário B1) 17
  • 18. Reflita... • A pessoa pode ser letrada em determinados contextos e ser iletrada em outros? 18
  • 19. 19 Escrita e letramento digital A escola • Consolidação da escrita ➔ meios de comunicação tradicionais (rádio, TV, jornais, revistas etc.) e modernos (Internet, CD, CD-Rom, DVD); • letramento alfabético torna-se indispensável à sociedade. Qual seria a diferença entre um indivíduo que é apenas alfabetizado de um outro indivíduo que é alfabetizado e também letrado? Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 20. “Os tipos de letramentos mudam porque são situados na história e acompanham a mudança de cada contexto tecnológico, social, político, econômico ou cultural em uma dada sociedade.” (XAVIER, p.04) Para conceituar letramentos deve-se considerar as necessidades emergentes das práticas sociais e considerá-los como processos e não estados ou condições. (RANGEL, 2009) 20
  • 21. Música: Apesar de você, de Chico Buarque • Essa música foi feita na época da ditadura, no final da década de 1960. A música parece falar de um amor que não deu certo, de uma mulher autoritária; mas na verdade o cantor externou seu desapontamento com a situação sofrida pelo país, onde a crítica à ditadura era disfarçada como uma briga entre namorados. A canção, por lidar implicitamente com a falta de liberdade durante a ditadura militar, foi proibida de ser executada pelas rádios brasileiras pelo governo do general Emílio Garrastazu Médici. No entanto, seria liberada oito anos mais tarde, durante o final do governo de Ernesto Geisel. 21
  • 22. 22 O que se constitui como um letramento escolar adequado num contexto de conectividade global?
  • 23. O contexto atual ➔Denominado: do conhecimento, da aprendizagem colaborativa, autoral, cibercultural, neoliberal, pós-moderna, neurocultural, líquida etc. ➔ Pontos fortes: excesso de informações, o apelo imagético e audiovisual, incorporação de tecnologias digitais. ➔ sujeitos: se relacionam por redes sociais presenciais e virtuais / intersticiais (Santaella -2011) – são consumidores e produtores do conhecimento. Profª.Drª.AdrianaRochaBruno 23
  • 24. 1. Quem é o estudante das Universidades Hoje? 2. Quem ensina? Quem é o docente hoje? 3. Como aprendem os estudantes, jovens e adultos, nestes ambientes? 4. Como se desenvolve a docência e, por conseguinte, a mediação, nestes espaços de aprendizagem? Profª.Drª.AdrianaRochaBrunoProfª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 25. Quem são os jovens e adultos desta sociedade cibercultural? Docentes e discentes
  • 27. Falar e ditar do mestre Ouvir passivo
  • 29.
  • 30. Perfil do “novo” professor • pesquisador, não mais repetidor de informação; • articulador do saber, não mais fornecedor único do conhecimento; • gestor de aprendizagens, não mais instrutor de regras; • consultor que sugere, não mais chefe autoritário que manda; • motivador da “aprendizagem pela descoberta”, não mais avaliador de informações empacotadas a serem assimiladas e reproduzidas pelo aluno. (XAVIER, p.03) 30
  • 31. 31 Cenário O crescente aumento na utilização recursos tecnológicos digitais e em rede ➔ aprendizagem de comportamentos e raciocínios específicos ➔ novo tipo, paradigma ou modalidade de letramento ➔ Multiplos Letramentos • FOCO SOCIAL: alfabetizar e letrar pessoas Profª.Drª.AdrianaRochaBruno
  • 32. 32 Os jovens e as tecnologias digitais Resumo da pesquisa de Tapscott, in: Xavier, 200__
  • 33. JEITO NOVISSIMO (BRUNO, 2007, 2010, 2012...) Integração e descentralidade A partir dos processos de ensino e de aprendizagem ➔ foco nos sujeitos em movimento de conhecer Redes colaborativas, plásticas, Educação Hibrida
  • 34. As questões aqui apresentadas não se referem especificamente às tecnologias e midias, à cibercultura etc... Mas às concepções de educação, de ensino, de aprendizagem, de sociedade que temos... Incorporar tecnologias, trabalhar com ambientes virtuais de aprendizagem, mídias interativas, móveis etc é um desdobramento desse processo e não o centro do processo.... Permanecem as questões: que docente desejo ser? Que profissional desejo formar? Como formar no Ensino Superior na contemporaneidade ou pós-modernidade?
  • 35. 35Mais o Conhecimento é GRUPAR MUITO GRATA!