Ano IV    ::   Número 45       ::    Junho de 2011                                                            Maio de     ...
COMÉRCIO EINDÚSTRIA                                 RESIDÊNCIAS                             SERVIÇOSO consumo industrial d...
MAIOR ECONOMIA DE ENERGIA NAS RESIDÊNCIAS COM                   SISTEMAS HÍBRIDOS DE AQUECIMENTO DE ÁGUAO consumo residenc...
ESTATÍSTICA DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (GWh)                                                 EM MAIO                  ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica - junho 2011

526 visualizações

Publicada em

CRESCIMENTO DO CONSUMO DE ELETRICIDADE É SUSTENTADO
PELAS FAMÍLIAS E PELO SETOR DE COMÉRCIO E SERVIÇOS - Fonte EPE

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica - junho 2011

  1. 1. Ano IV :: Número 45 :: Junho de 2011 Maio de Consumo na Rede Mercado Livre Consumo de Energia Elétrica 2011 TWh Var.% TWh Var.% No mês ▲ 35,2 2,8 ▲ 9,3 6,4 Brasil Em 12 meses ▲ 421,8 5,6 ▲ 109,5 25,8 CRESCIMENTO DO CONSUMO DE ELETRICIDADE É SUSTENTADO PELAS FAMÍLIAS E PELO SETOR DE COMÉRCIO E SERVIÇOSO consumo nacional de energia CONSUMO INDUSTRIAL CONSUMO COMERCIALelétrica somou 35.221 gigawatts CRESCIMENTO DO CONSUMO SEGMENTO REGISTRA O-hora (GWh) em maio de 2011, INDUSTRIAL É BAIXO NO SU- MAIOR CRESCIMENTO DOficando 2,8% acima do mesmomês de 2010. No acumulado do DESTE MÊS DE MAIOano, o consumo total aponta pa- O consumo de energia elétrica pelo Entre os principais segmentos dora um aumento de 3,8% e, em 12 setor industrial totalizou 15.168 GWh mercado, a classe comercial regis-meses, de 5,6%. em maio de 2011, aumentando 1,0% trou o maior aumento do mês deO consumo industrial registrouo menor crescimento do ano con- em relação ao ano passado. O baixo maio, com taxa de 6,0%. A expan-dicionado por fatores conjuntu- crescimento foi condicionado pelo são foi puxada pelo desempenhorais como incidentes em planta desempenho negativo no Nordeste no Sul (10,0%) e pelo Centro-no Nordeste e base de compara-ção elevada no Sudeste. (-4,0%) e pelo tímido incremento no Oeste (11,0%), enquanto no Nor-Entre as principais classes de Sudeste (1,2%). O Centro-Oeste, ao deste observou-se estabilidade doconsumo, a comercial registrou contrário, registrou elevação expres- consumo (taxa de -0,1%).o maior crescimento em maio, siva do consumo, com taxa de 16,9%.com taxa de 6,0%. O consumo Leia mais na pág. 2residencial, por sua vez, aumen- Leia mais da pág. 2 EFICIÊNCIA ENERGÉTICAtou 5,0%, sendo responsável por1,3 p.p da taxa global. POSSIBILIDADES DE ECO- CONSUMO RESIDENCIALRegionalmente, a maior expan- NOMIA DE ENERGIA NAS RE-são de demanda ocorreu no Cen- APESAR DA ALTA REDUZIDA SIDÊNCIAS COM SISTEMAStro-Oeste, com 8,6%, puxada pe- NO NORTE E NORDESTE, CON- DE AQUECIMENTO SOLARlo forte desempenho das classes SUMO RESIDENCIAL EXPANDE O uso de aquecedores híbridos deindustrial (16,9%) e comercial 5,0% EM MAIO(11,0%). O Nordeste, por outro água — equipamento que combina O consumo de energia elétrica naslado, apresentou decréscimo do as vantagens do aquecimento so-consumo total (-1,2%), decor- residências brasileiras totalizou lar direto com as do chuveiro elé-rente do desempenho negativo 9.141 GWh em maio de 2011, um au-do segmento industrial. trico — em 20% das residências mento de 5,0% em relação ao mesmoEstes resultados foram apura- da região Sudeste permitiria pou- mês de 2010. O Sudeste liderou essados na pesquisa mensal realiza- par o equivalente à geração anualda pela EPE junto aos agentes expansão, com taxa de 5,7%, enquan- de uma usina hidrelétrica comque atuam no país. As estatísti- to no Norte e no Nordeste o consumocas do consumo por região e por capacidade de 400 MW, ou ainda apresentou modestos crescimentos,classe de consumidores são a- adiar investimentos em geraçãopresentadas integralmente no respectivamente de 1,3% e 2,7%. de energia de R$ 1,4 bilhão.quadro da página 4. Leia mais na pág. 2 Leia mais na pág. 3
  2. 2. COMÉRCIO EINDÚSTRIA RESIDÊNCIAS SERVIÇOSO consumo industrial de energia elé- O consumo residencial de energia O consumo comercial nacionaltrica em maio totalizou, no país, elétrica totalizou, em maio de 2011, de energia elétrica totalizou o15.168 GWh, valor 1,0% superior ao 9.141 GWh, ficando 5,0% acima do montante de 5.998 GWh em maiodo mesmo mês de 2010. mesmo mês de 2010. de 2011, registrando acréscimo O Sudeste liderou essa expansão, sen- de 6,0% em relação a igual mêsO Nordeste impactou bastante o re- de 2010.sultado global, com taxa no mês de - do responsável por 3,0 p.p da taxa4,0%. Em Alagoas, o consumo decres- global, crescendo 5,7% no mês. O comportamento desse segmen-ceu 41% na comparação com o ano to se assemelha ao da classe resi- O destaque foi o Rio de Janeiro, compassado, reflexo, principalmente, da dencial, com resultados modestos incremento da ordem de 11%, emparada temporária da unidade da no Norte e no Nordeste em con- grande parte devido às temperaturasBraskem após acidente ocorrido em trapartida a elevações mais signi- elevadas (acima da média histórica)suas instalações. Em maio, o consumo ficativas no Sudeste, Sul e Centro- na segunda quinzena de abril, perío-dessa indústria foi quase 50% menor Oeste. do contemplado no faturamento deque o seu consumo médio mensal. maio. No Nordeste, inclusive, o consu-Simulando-se a retirada do consumo mo foi praticamente o mesmo do Por outro lado, o consumo residencialde Alagoas da estatística do Nordeste ano passado (variação de -0,1%). no Norte e no Nordeste expandiuobtém-se uma alteração da taxa regi- Pernambuco, cujo consumo co- pouco, com taxas respectivas de 1,3%onal no mês dos -4,0% para -1,3%. mercial representa cerca de 20% e 2,7%. do consumo comercial regional,A Bahia seguiu com variação negativa apresentou variação negativa, No Nordeste, houve antecipação dona comparação com o ano 2010 (taxa com taxa de -1,5%. Ceará, Rio período chuvoso para maio. Com isso,de -8,6%), causada pelo fechamento Grande do Norte e Alagoas tam- a temperatura média nos estadosda planta da Novelis (alumínio primá- bém acusaram retração do consu- nordestinos foi predominantementerio) no estado. mo frente a 2010 (taxas respecti- mais baixa na comparação com o anoO Sudeste, responsável por 55% do passado, explicando um consumo me- vas de -4,9%, -3,0%, -2,1%) e, nosconsumo industrial nacional, também nor de eletricidade nas residências. demais estados, os aumentos fo-exerceu forte influência no resultado Assim foram observadas variações ram tímidos, entre 1,5%global, crescendo apenas 1,2% em negativas do consumo em Pernambu- (Maranhão) e 4,6% (Sergipe).maio, sendo o Rio de Janeiro o maior co (-1,2%), Rio Grande do Norte (- 0,9%) e Alagoas (-4,6%) e crescimen- No Sul, o consumo comercial a-responsável pelo desempenho, com pontou expressivo crescimentovariação negativa da ordem de 6%. to muito baixo no Ceará (1,3%). Jun- tos, esses estados representam quase de 10,0% em maio. O Paraná vol-Trata-se de uma base de comparação 47% de todo o consumo residencial tou a ser destaque, anotando taxabastante elevada, pois em maio de do Nordeste. mensal de 14,3%. O resultado é2010 uma grande indústria siderúrgi- reflexo, também, do ajuste no pe-ca iniciou parada para manutenção No Sul, o consumo residencial ampli- ríodo de faturamento dos consu-em sua unidade geradora, passando a ou 5,6%, basicamente devido ao re- midores atendidos pela distribui-puxar da rede elétrica de distribuição. sultado observado no Paraná: 14,2%. dora local. Trata-se de um efeito pontual, moti-A região Centro-Oeste registrou au- vado pela mudança do sistema de No Centro-Oeste o consumo co-mento da ordem de 17% para o con- gestão de consumidores, que provo- mercial expandiu 11,0%, o maiorsumo industrial em maio. Goiás, que cou alongamento no período de fatu- crescimento entre as regiões. To-concentra aproximadamente 50% do ramento para adaptação do novo sis- dos os estados registraram au-consumo industrial da região, ampli- tema. mento, com as taxas variando en-ou o consumo em 23% no mês, refle- tre 7,4% (Mato Grosso) e 13,4%tindo, em grande parte, a agregação No acumulado do ano, o consumo (Distrito Federal).do consumo de mineradora que en- residencial em nível nacional susten-trou em operação em meados de ta expansão de 4,4%, puxada pelo2010, portanto não compondo a base Sudeste que, nesta comparação, a- SISTEMA SIMPLESde comparação. Pelo mesmo motivo, ponta aumento de 5,1%. Em julho a EPE iniciará novoo estado se destaca no dado acumula- ciclo de coleta das projeçõesdo do ano, com taxa próxima dos 1- decenais dos agentes do setor4%. elétrico. 2
  3. 3. MAIOR ECONOMIA DE ENERGIA NAS RESIDÊNCIAS COM SISTEMAS HÍBRIDOS DE AQUECIMENTO DE ÁGUAO consumo residencial de energia aumento no consumo. Em qualquer mento em que se usa o chuveiroelétrica no Brasil ainda se encontra caso, parte do ganho de eficiência é “inverno” ou “verão”) e a potênciaem um patamar relativamente baixo consumida com aumento do conforto do chuveiro em cada uma dessasse comparado ao de outros países. A e do uso dos serviços oferecidos por posições, e fazendo ainda suposi-explicação para isto está, em grande tais equipamentos, o que significa que ções complementares, como núme-medida, no nível de renda da popu- não haverá necessariamente redução ro de banhos por dia, número delação brasileira. Assim, sempre que do consumo de energia, ou pelo me- pessoas na residência, duração mé-se observa, por um lado, aumento na nos não na proporção que poderia dia de um banho, número de horasrenda da população — especialmen- sugerir o aumento da eficiência. (ou dias) de insolação por ano, po-te quando associado a sua melhor de-se calcular um potencial de eco- Cada residência brasileira já consu-distribuição — observa-se, por ou- nomia de energia por residência de miu, em média, algo comotro, elevação no consumo de energia 33 kWh/mês se um aquecedor so- 180 kWh/mês. Isso se deu até o racio-elétrica nos lares nacionais. De fato, lar híbrido fosse usado em substi- namento vivenciado em 2001, quandoseja no período do Plano Cruzado, tuição aos chuveiros elétricos do o consumo médio mensal despencouseja durante o Plano Real, e especi- domicílio. O valor calculado equi- para 130 kWh. O espanto se justificaalmente no período mais recente, vale a uma redução de 19% do con- porque uma casa de dois cômodos,quando a economia brasileira vem sumo médio mensal de uma resi- mais uma cozinha e um banheiro, e-apresentando crescimento sustenta- dência na região Sudeste, que cor- quipada com uma simples geladeirado, com reflexos na expansão do responde a uma economia de de uma porta, uma televisão, um ferroemprego e da renda, é possível veri- R$ 9,20 na conta de energia elétri- elétrico, um chuveiro elétrico e trêsficar a ocorrência de ciclos de ex- ca. lâmpadas eficientes, consome em mé-pansão do consumo residencial de dia 100 kWh/mês. Aliás, foi pouco É verdade que não seria possívelenergia elétrica. Com relação ao pe- maior que isso o consumo médio substituir todos os chuveiros elé-ríodo mais recente, o cenário geral mensal de uma residência na região tricos da região Sudeste. Há dificul-de inflação controlada e a expansão Nordeste em 2010. Desde o raciona- dades de toda ordem: unidadesda oferta de crédito, que tem propi- mento, e principalmente nos últimos residenciais que não estão prepa-ciado condições de financiamento anos, pelas razões expostas, esse con- radas para outro tipo de aqueci-aceitáveis para a maioria da popula- sumo vem subindo progressivamente, mento de água e restrições de es-ção, também contribuem para o au- chegando hoje, em termos médios paço para instalação de coletoresmento do consumo residencial de nacionais, a 155 kWh/mês. solares e reservatórios térmicosenergia elétrica, decorrente do mai-or acesso a bens e serviços domésti- Não obstante o quadro descrito, que são exemplos de algumas dessascos. indica haver, por um lado, um grande dificuldades. Mas, admitindo que potencial de crescimento do consumo 20% das residências da região Su-De acordo com a última edição da deste que usam chuveiro elétrico de energia elétrica nas residências,Pesquisa Nacional por Amostra de para aquecimento de água pudes- devido ao efeito renda mencionado,Domicílios (PNAD) elaborada pelo sem substituí-lo por um aquecedor há, por outro lado, potencial para re-IBGE, em 2009, 95,7% dos domicí- solar híbrido, estima-se que a ener- duzir parte deste consumo, ou, emlios brasileiros tinham televisão, gia total economizada seria equiva- outras palavras, o seu ritmo de cresci-93,4% tinham geladeira e 44,3% lente à geração anual de uma usina mento. Uma das possibilidades é otinham lavadora de roupas. Além hidrelétrica com 400 MW de capa- uso de aquecedores solares híbridosdestes eletrodomésticos constantes cidade, ou a investimentos em ge- de água para banho, que combinem asda PNAD, é possível constatar ex- ração de energia de R$ 1,4 bilhão. vantagens do aquecimento solar dire-pansão nas vendas de equipamentos Nesse cenário, seriam evitadas e- to da água com as vantagens do chu-em geral, como condicionadores de missões de 1,3 milhões de tonela- veiro elétrico.ar, computadores, telefones celula- das de CO2 por ano (na equivalên-res etc. É verdade que muitos desses Apenas para efeito de raciocínio, tome cia com as emissões de uma terme-equipamentos têm sido ofertados ao -se como referência a região Sudeste, létrica a gás natural). ∆mercado em versões progressiva- onde, de acordo com pesquisa realiza-mente mais eficientes em termos do da pela Eletrobras/Procel (2005), 91-consumo de energia. Porém, o cres- % das residências aquecem água paracimento da renda e da oferta do cré- banho usando o chuveiro elétrico,dito possibilitam, muitas vezes, a sendo que, desse universo, apenas 7%substituição dos equipamentos exis- o mantêm desligado, independente-tentes por modelos de maior porte e mente da estação do ano (isto é, pre-potência, e a aquisição de novos, ferem sempre o banho frio). Conside-contribuindo para o aumento da rando outras informações úteis dessaposse média, com o consequente pesquisa (como posição de chavea- 3
  4. 4. ESTATÍSTICA DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (GWh) EM MAIO ATÉ MAIO 12 MESES REGIÃO/CLASSE 2011 2010 % 2011 2010 % 2011 2010 % BRASIL 35.221 34.277 2,8 178.003 171.457 3,8 421.823 399.636 5,6 RESIDENCIAL 9.141 8.709 5,0 47.132 45.159 4,4 109.187 104.032 5,0 INDUSTRIAL 15.168 15.025 1,0 74.659 72.214 3,4 181.923 170.526 6,7 COMERCIAL 5.998 5.658 6,0 31.260 29.566 5,7 70.864 67.379 5,2 OUTROS 4.914 4.885 0,6 24.953 24.518 1,8 59.849 57.700 3,7 CONSUMO TOTAL POR SUBSISTEMA SISTEMAS ISOLADOS 570 557 2,4 2.795 2.704 3,4 6.927 7.494 -7,6 NORTE INTERLIGADO 2.462 2.374 3,7 11.942 11.489 3,9 28.971 27.369 5,9 NORDESTE 4.869 4.997 -2,5 24.452 24.582 -0,5 59.435 57.036 4,2 SUDESTE/C.OESTE 21.432 20.638 3,8 108.237 103.057 5,0 255.973 240.010 6,7 SUL 5.888 5.712 3,1 30.578 29.624 3,2 70.517 67.727 4,1 REGIÕES GEOGRÁFICAS NORTE 2.227 2.177 2,3 10.932 10.477 4,3 26.692 25.049 6,6 RESIDENCIAL 486 479 1,3 2.383 2.336 2,0 5.970 5.542 7,7 INDUSTRIAL 1.162 1.117 4,1 5.746 5.345 7,5 13.666 12.756 7,1 COMERCIAL 294 285 3,1 1.420 1.374 3,4 3.537 3.308 6,9 OUTROS 285 295 -3,5 1.382 1.423 -2,8 3.519 3.443 2,2 NORDESTE 5.888 5.959 -1,2 29.317 29.289 0,1 71.218 68.205 4,4 RESIDENCIAL 1.660 1.616 2,7 8.392 8.045 4,3 19.631 18.190 7,9 INDUSTRIAL 2.400 2.499 -4,0 11.638 12.174 -4,4 29.052 28.634 1,5 COMERCIAL 871 871 -0,1 4.453 4.290 3,8 10.469 9.875 6,0 OUTROS 958 973 -1,5 4.834 4.780 1,1 12.066 11.507 4,9 SUDESTE 18.838 18.238 3,3 95.782 91.376 4,8 226.383 213.157 6,2 RESIDENCIAL 4.857 4.595 5,7 25.263 24.047 5,1 57.896 55.682 4,0 INDUSTRIAL 8.425 8.325 1,2 41.911 40.046 4,7 102.371 94.217 8,7 COMERCIAL 3.311 3.122 6,1 17.416 16.430 6,0 39.142 37.446 4,5 OUTROS 2.244 2.197 2,2 11.191 10.852 3,1 26.974 25.812 4,5 SUL 5.888 5.712 3,1 30.578 29.624 3,2 70.517 67.727 4,1 RESIDENCIAL 1.425 1.350 5,6 7.551 7.347 2,8 17.325 16.797 3,1 INDUSTRIAL 2.544 2.540 0,2 12.433 11.992 3,7 30.016 28.368 5,8 COMERCIAL 1.023 930 10,0 5.493 5.179 6,1 12.046 11.429 5,4 OUTROS 896 892 0,4 5.101 5.106 -0,1 11.130 11.133 0,0 CENTRO-OESTE 2.380 2.191 8,6 11.394 10.691 6,6 27.013 25.498 5,9 RESIDENCIAL 714 670 6,6 3.543 3.384 4,7 8.365 7.820 7,0 INDUSTRIAL 636 544 16,9 2.931 2.657 10,3 6.818 6.551 4,1 COMERCIAL 498 449 11,0 2.477 2.293 8,0 5.670 5.321 6,6 OUTROS 532 528 0,7 2.443 2.357 3,7 6.160 5.805 6,1 Fonte: Comissão Permanente de Análise e Acompanhamento do Mercado de Energia Elétrica - Copam/EPE. Dados preliminares. Coordenação Geral Equipe Técnica Mauricio Tiomno Tolmasquim Carla da Costa Lopes Achão Amílcar Gonçalves Guerreiro (coordenação de Economia e Estatística) Gustavo Naciff de Andrade Coordenação Executiva Inah Rosa Borges de Holanda Publicação da Diretoria de Estudos Ricardo Gorini de Oliveira José Manuel David Econômico-Energéticos e Luiz Claudio Orleans Ambientais da EPE Assessoria de Comunicação e Imprensa Oldon MachadoEscritório Central: Av.Rio Branco, 1 11º andar Esta Resenha pode ser obtida em <www.epe.gov.br/mercado>CEP 20090 003—Rio de Janeiro—RJ Brasil 4

×