Recomenda es luisa s kinoshita apocynaceae

333 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Recomenda es luisa s kinoshita apocynaceae

  1. 1. Dados da solicitação Número Tipo da solitação Titulo do projeto Levantamento florístico de Autorização para atividades com10331 Apocynaceae s.str. do Parque finalidade científica Nacional da Serra da Canastra Dados do pesquisador Nome Nacionalidade CPF Fone E-mailLuiza Sumiko (0xx19) 3287- luizakin@unicam Brasileira 27697070863Kinoshita 4732 p.br Dados do relatório Data da liberaçãoNúmero Situação das informações5037 Submetido25/06/2012 Atividades Descrição das atividades cadastradasPesquisa em unidade de conservação federalColeta/transporte de amostras biológicas in situ Resultados/Discussão Pergunta/Item Resposta O levantamento florístico desenvolvido neste estudo revelou a existência de 30 espécies de Apocynaceae s. str. no Parque Nacional da Serra da Canatra (PNSC) distribuídas em 14 gêneros:Resultados / Discussão: Aspidosperma australe Müll. Arg., Aspidosperma cylindrocarpon Müll. Arg., Aspidosperma macrocarpon Mart., Aspidosperma ramiflorum Müll. Arg., Aspidosperma spruceanum Benth. ex Müll. Arg.,
  2. 2. Aspidosperma subincanum Mart., Aspidosperma tomentosum Mart., Condylocarpon isthmicum (Vell.) A.DC., Forsteronia pubescens A. DC., Forsteronia velloziana (A.DC.) Woodson, Hancornia speciosa B.A. Gomes, Himatanthus obovatus (Müll. Arg.) Woodson, Mandevilla hirsuta (A. Rich.) K. Schum., Mandevilla illustris (Vell.) Woodson, Mandevilla longiflora (Desf.) Pichon, Mandevilla martii (Müll. Arg.) Pichon, Mandevilla novocapitalis Markgr., Mandevilla pohliana (Stadelm) Gentry, Mandevilla tenuifolia (J.C. Mikan) Woodson, Mandevilla velame (A. St.-Hil.) Pichon, Mesechites mansoanus (A. DC.) Woodson, Odontadenia lutea (Vell.) Woodson, Peltastes peltatus (Vell.) Woodson, Prestonia coalita (Vell.) Woodson, Prestonia riedelii (Müll. Arg.) Markgr., Prestonia tomentosa R. Br., Rhodocalyx rotundifolius Müll. Arg., Secondatia densiflora A. DC., Tabernaemontana catharinensis A. DC., Temnadenia violacea (Vell.) Miers. A subfamília Apocynoideae está representada por 19 espécies distribuídas em nove gêneros, enquanto a subfamília Rauvolfioideae esta representada por 11 espécies pertencentes a cinco gêneros. O PNSC possui uma diversidade de formações vegetacionas o que propicia uma ausência de um hábito predominante. As espécies de hábito liana somam 40% das espécies levantadas e estão distribuídas preferencialmente em matas. As espécies de hábito arbóreo somam 33,3% das espécies levantadas, são encontradas somente em matas ou somente em cerrado com exceção de duas espécies (A. subincanum, A. tomentosum) que ocorrem tanto em mata como em cerrado. O hábito arbustivo é de 26,7% e quase a totalidade das espécies arbustivas pertencentes ao gênero Mandevilla, ocorrem principalmente em cerrado e suas subformações. O PNSC apresentou maior similaridade de Apocynaceae s. str. com a região de Carrancas, em Minas Gerais. Isso pode ser decorrente da similaridade de formações vegetais, da proximidade entre as duas regiões ou do esforço amostral. Informações para UC Unidade de conservação Pergunta/Item Resposta Recomendações ao Algumas espécies ocorremPARQUE NACIONAL DA manejo/gestão da unidade de somente na região nãoSERRA DA CANASTRA conservação federal ou à legalizada do PNSC. Essas
  3. 3. proteção das espécies, como espécies são geralmente detambém à(s) cavidade(s) cerrado como Aspidospermasubterrânea(s) (se houver). macrocarpon, Hancornia speciosa, Himatanthus obovatus, Mandevilla martii e Rhodocalyx rotundifolius, outras são de mata como Aspidosperma cylindrocarpon, A. australe, A. ramiflorum, A. subincanum, Prestonia coalita, Prestonia riedelii e Tabernaemontana catharinensis. Uma das possíveis explicações para a ocorrência de espécies de cerrado na região não legalizada do parque, e sua aparente ausência na parte legalizada seria a não existência de um cerrado mais desenvolvido nesta última. Este fato sugere que essas duas regiões, além de apresentarem uma geomorfologia diferente, também possuem uma composição florística diferente, ao menos no que diz respeito à família Apocynaceae. Estudos florísticos com outras famílias de angiospermas abrangendo a área total do parque poderiam fornecer novas evidências para comprovar esta hipótese. Com esse resultado seria interessante que a área proposta no plano de manejo inicial (200.000 ha) do Parque fosse preservado por abrigar diferente espécies e garantir a conservação da biodiversidade.

×