INFORMATIVO AMARLE - Nº 5 - PORTO ALEGRE/RS 
EDITORIAL 
Mais um número do nosso informativo 
chegando até suas mãos e as n...
Como fazer parte da feira? 
A Feira de Economia Solidária - Arte e Arte-sanato 
e Bazar de Garagem da Praça Piratini 
tem ...
POR DENTRO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA 
Economia Solidária é um jeito diferente de 
produzir, vender, comprar e trocar o que pre...
Presidente: Milton Santana 
Vice-presidente Interino: Rudnei Pinto 
Primeira Secretária: Solange Maria Giacobo 
Segunda Se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Informativo amarle 5

587 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Informativo amarle 5

  1. 1. INFORMATIVO AMARLE - Nº 5 - PORTO ALEGRE/RS EDITORIAL Mais um número do nosso informativo chegando até suas mãos e as novidades não param. Nossa Feira de Economia So-lidária – Arte, Artesanato e Bazar de Ga-ragem da Praça Piratini já é uma realida-de e o espaço está aberto para os exposi-tores. Além do blog da AMARLE (www. amarleinformes.blogspot.com.br), as in-formações podem ser conseguidas em outro espaço virtual criado especialmen-te para a Feira (feiradapiratini.blogsp ot.com.br). Para quem não possui internet, as informações e contatos são através do nosso telefone (3029-8354). R e u n i ã o com candi-datos a ex-positores- 11 de julho Feira de Economia Solidária – Arte, Artesanato e Bazar de Garagem da Praça Piratini No dia 21 de Setembro de 2014 aconteceu, na Praça Piratini, a inauguração da nossa feira de Economia Solidária. Agora, todos os do-mingos, das 10h às 17h, Porto Alegre contará com mais esse evento. A Feira é o marco dos projetos da Associação, uma prova de que é possível construir o novo a partir da união entre a comunidade, entidades e o poder pú-blico. O projeto nasceu com a fundação da Associação, em abril de 2012 e, desde então, buscou-se viabilizá-lo por meio de parcerias e muito trabalho. Foram aliados fundamen-tais nesse processo o Fórum Municipal de Economia Solidária de Porto Alegre-FMESPA e a Secretaria da Economia Solidária de Apoio à Micro e Pequena Empresa- SESAMPE/Go-verno do Estado do RS, que contribuíram com a abordagem técnica ao projeto e com recur-sos de infraestrutura por meio do repasse de R$ 10.000,00 via chamada pública. Também a Prefeitura de Porto Alegre, por meio da SMIC e SMAM, na cedência da Praça para realiza-ção da Feira, e o Colégio Estadual Júlio de Castilhos e sua Fundação foram essenciais em termos de apoio e desenvolvimento do projeto.
  2. 2. Como fazer parte da feira? A Feira de Economia Solidária - Arte e Arte-sanato e Bazar de Garagem da Praça Piratini tem como característica a exposição e co-mércio de artes plásticas e artesanato; pelo comércio e troca de bens reutilizáveis, e por atrações paralelas: artísticas-culturais, es-portivas, recreativas e oficinas temáticas. A Feira está na primeira etapa de sua implan-tação, visto que o projeto original contem-pla maior número de barracas e, por conse-guinte, maior número de expositores. Bus-ca- se agora obter recursos da iniciativa pri-vada para darmos continuidade e chegarmos à segunda etapa. Interessados em participar da Feira deverão procurar a AMARLE para obter maiores informações e realizar o cadastramento. Poderão cadastrar-se para participar da Feira: - Artistas plásticos, preferencialmente resi-dentes na Rua Laurindo e entorno; - Artesãos, preferencialmente residentes na Rua Laurindo e entorno; - Empreendimentos Econômicos Solidários participantes do FMESPA; - Pessoas físicas que desejam comercializar ou trocar objetos como: livros, discos, CDs, peças decorativas, utilidades domésticas, eletrônicos, móveis, entre outros; - Integrantes da Associação dos Moradores e Amigos da Rua Laurindo e Entorno desde que sejam artesãos, artistas plásticos ou queiram integrar o Bazar de Garagem. Os artistas plásticos e artesãos selecionados para participar da Feira deverão, neces-sariamente, associar-se à AMARLE. Nossos objetivos - Fortalecer a Economia Solidária como um novo sistema politicamente eficaz na esfe-ra econômica da sociedade; - Possibilitar a geração de trabalho e renda para o contingente de expositores; - Promover a reeducação para um novo olhar na busca da autogestão, inclusão social, solidariedade e sustentabilidade; - Promover a revitalização da Praça Piratini e a reutilização desse espaço público pela sua comunidade, numa ação integradora envolvendo arte, cultura, convívio social, recreação e lazer; - Auxiliar nas ações de sustentabilidade ambiental, especialmente por meio do Ba-zar de Garagem, que incentiva a prática de reutilização de produtos por meio de tro-ca, compra ou venda; - Tornar a Feira um atrativo turístico-cultu-ral, integrando-a ao calendário de eventos permanentes da capital gaúcha. - Promover a inclusão de pessoas sem moradia que vivem ao longo dos últimos anos naPraça Piratini, bem como pessoas idosas e comunidades que vivem em área de extrema vulnerabilidade social. Segunda apresentação do projeto realizada no Julinho (14/08) com expositores, empresas e entidades.
  3. 3. POR DENTRO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Economia Solidária é um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que precisamos para viver. Sem explorar os outros, sem querer levar vantagem, sem destruir o ambiente. Cooperando, fortalecendo o grupo, cada um pensando no bem de todos e no próprio bem. Conceito: Compreende-se por Economia Solidária o conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito, organizados sob a forma de autogestão. Essa forma de organização vem se apresentando, nos últimos anos, como uma inovadora alternativa de geração de trabalho e renda e uma resposta a favor da inclusão social. Formas de Organização: A Economia Solidária apresenta uma diversidade de práticas econômicas e sociais organizadas sob a forma de cooperativas, associações, clubes de troca, empresas autogestionárias, redes de cooperação, entre outras, que realizam atividades de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário. Princípios: Os princípios que norteiam essa prática são: cooperação, não competição; preservação dos recursos naturais; não exploração dos trabalhadores; igualdade de poder na tomada de decisões na empresa e responsabilidade com a comunidade local onde o empreendimento está inserido. Seus resultados econômicos, políticos e culturais são compartilhados pelos participantes, sem distinção de gênero, idade e raça. Implica na reversão da lógica capitalista ao se opor à exploração do trabalho e dos recursos naturais, considerando o ser humano na sua integralidade como sujeito e finalidade da atividade econômica. Um pouco de história: A Economia Solidária surgiu na Inglaterra, durante o século 19, como um movimento social de resistência - por parte da população socialmente excluída - ao crescimento desenfreado do capitalismo industrial. No Brasil, o movimento só ganhou força no final do século passado, mas tem crescido consideravelmente nos últimos anos e já faz do país uma referência internacional no assunto. Depois do Fórum Social Mundial, em 2001, quando mais de 1500 pessoas se reuniram em uma oficina sobre empresas autogestionárias e pensaram na possibilidade de articular os empreendimentos solidários foi criado o primeiro Grupo de Trabalho Brasileiro de Economia Solidária que desencadeou na constituição do Fórum Brasileiro de Economia Solidária. Hoje, o Fórum está muito inserido na agenda internacional e quer buscar outras formas de integração econômica com a América Latina e demais continentes. Fazemos parte do Conselho do RIPESS - Rede Intercontinental de Promoção da Economia Social Solidária e
  4. 4. Presidente: Milton Santana Vice-presidente Interino: Rudnei Pinto Primeira Secretária: Solange Maria Giacobo Segunda Secretária: Simone Heck Primeira Tesoureira: Liliaci Franciscatto Campo Segunda Tesoureira: Maria Angélica Teixeira da Silva Diretora de Feiras e Eventos Culturais: Ma-ria Angélica Teixeira da Silva e Liliaci Franciscatto Campo Expediente: Jornalista responsável: Fabio da Silva Barbosa Registro: 31310/RJ Colaboração: Solange Giacobo Acompanhe também a versão digital do nosso informativo www.slideshare.net/AMARLE CONTATOS: e-mail: amarlecontatos@hotmail.com blog: www.amarleinformes.blogspot.com.br twitter: www.twitter.com/amarle1 youtube: www.youtube.com/user/ amarlevideos facebook: Amarle Laurindo telefone: 3029-8354 Diretora de Esportes, Recreação e Lazer: Marle-ne Aguiar Diretor de Serviços de Infraestrutura: Carlos Paulo Walter Diretora Social: Vera Lúcia Peres Assessor de Imprensa: Fabio da Silva Barbosa Conselheiros Fiscais: Hermes Lamotte (Presi-dente do Conselho), Nelson Luis Machado Ri-beiro e Ernane Verran Leite Suplentes do Conselho Fiscal: Marlene Aguiar, Ocilon Freiras Carpes e Valério Miguel Grando. também do Espaço Mercosul Solidário. E você com isso? Suas escolhas como consumidor individual podem contribuir para a sobrevivência e a expansão desses empreendimentos que se preocupam com a sustentabilidade. Os produtos não precisam necessaria-mente ter um selo de economia solidária. Basta que o consumidor tenha um olhar curioso para saber a origem do que com-pra, se vem da economia internacional ou de uma feira de agroecológicos, coope-rativa ou associação de produtores. Quando fazemos escolhas, também esco-lhemos quem vai ser beneficiado e quem vai pagar o preço por isso. Daí a importân-cia de saber de que maneira é feita a produ-ção e sob que condições, se a empresa respeita o trabalhador, qual a origem do produto, que tipo de matéria-prima é utili-zado, qual o destino dado aos resíduos gerados, etc. A decisão de privilegiar o desenvolvimento local gera maior equilí-brio e reduz a concentração de renda. Dica: Para saber quais são os empreendimentos solidários confira a lista das mais de 14 mil organizações no site da Secretaria Nacional de Economia Solidária. Fonte: www.portalmte.gov.br www.planetasustentavelabril.com.br Diretoria:

×