Cadeira 2 alfredo de esgragnoll taunay

297 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cadeira 2 alfredo de esgragnoll taunay

  1. 1. Grande Oriente do Estado do Rio de Janeiro Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro Fundada em 19 de novembro de 2004 Alfredo D’Esgragnolle Taunay Patrono da Cadeira nº. 02 Escritor, engenheiro militar e político brasileiro, pintor, músico, jornalista, criticoliterário. Nasceu no Rio de janeiro a 22/02/1843 e faleceu na mesma cidade a 25/01/1889.Matriculou-se aos 12 anos no Colégio Pedro II, onde se bacharelou em Letras (1858). Em1861 assentou praça no 4º Batalhão de Artilharia da antiga Escola Central. Encetou no anoseguinte o curso de Engenharia Militar, que teve de interromper em razão da guerra,completando-o em 1870, ao regressar da campanha, alcançando então a promoção a 1ºTenente do quadro efetivo. Fez parte do Corpo de Engenharia da expedição enviada a MatoGrosso para invadir o Paraguai pelo Norte. Depois de dois anos de marchas eacantonamentos, sobretudo em Coxim entrou a Coluna em país inimigo, mas, foi a mesmaforçada a empreender a retirada de Laguna ao Aquidauana. Dizimado pela peste e pelosincêndios ateados aos campos, falho de víveres e sem rumo, esse punhado de homenssuportou galhardamente a dolorosa odisséia. Narrou Taunay esse glorioso feito em “ARetirada de Laguna” (1871). Enviado ao Paraguai, secretariou o Conde D’Eu até o termo dacampanha. O ambiente de Mato Grosso está retratado em “Inocência” (1872), precedida por“A Mocidade de Trajano”. Revelara-se um grande escritor nesses livros, seguindo-se“Ouro Sobre Azul” e “Histórias Brasileiras”, em 1874. Foi deputado provincialfluminense, presidente de Santa Catarina e do Paraná, deixando a carreira militar no posto deMajor, ao ser eleito Senador do Império por Santa Catarina. O Imperador nomeou-oVisconde. Colaborou em vários jornais e na “Revista Brasileira”. A sua obra foi reunidapelo filho Afonso em cerca de 30 volumes.Bibliografia:“Vultos do Brasil”, de Eli Behar.

×