SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
bE In- PARTICIPAR PARA
        CRESCER

   VISITANDO LISBOA,
      ANOS DEPOIS
“Lisboa: uma Ancora na Globalização”


                       José Félix Ribeiro
                       13/12/2012 – AIP (Junqueira)
esquema
 1.CIDADES,SUSTENTABILIDADE &
    COMPETITVIDADE
   2.PORTUGAL : RETOMANDO O CRESCIMENTO,
    REPOSICIONANDO-SE NA GLOBALIZAÇÃO
   3.LISBOA COMO ANCORA NA GLOBALIZAÇÃO
   4.LISBOA- METRÓPOLE INCLUSIVA &
    COSMOPOLITA
   5.LISBOA-CONSTRUIR UM CAPITAL SIMBÓLICO
    DISTINTIVO
1.
CIDADES,SUSTENTABILIDADE
    ECOMPETITVIDADE
INTERROGAÇÕES A RESPONDER


EM QUE ELEMENTOS DAS CIDADES INCIDIRÁ A SUA
SUSTENTABILIDADE FUTURA , DO PONTO DE VISTA
AMBIENTAL?

QUE FACTORES SERÃO DECISIVOS PARA A
COMPETITVIDADE FUTURA DAS CIDADES ?

 COMO SE PODEM ARTICULAR COMPETITIVIDADE E
SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS CIDADES?
AS PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS
     CIDADES, QUE SÃO
OUTROS TANTOS FATORES DE
      DIFERENCIAÇÃO &
  HIERARQUIZAÇÃO URBANA
FUNÇÕES PERMANENTES DAS CIDADES

Polarização de um Espaço Transacional de Âmbito
Regional/Nacional
Concentração de Funções de Valorização do Capital
Humano
Inserção em Redes de Conectividade que contribuam
para a articulação com o resto do território nacional e para
mais fácil acessibilidade ao exterior

Formação de Clusters de Competências e Atividades
para Mercados exteriores à Cidade

Oferta Multifacetada de Proteção
Multiplicação de Serviços Oferecidos ás Famílias
Centralização de Funções de Comando, Controlo e
Informação – Públicas e Privadas
AS PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS CIDADES, QUE SÃO
OUTROS TANTOS FATORES DE DIFERENCIAÇÃO &
HIERARQUIZAÇÃO URBANA        Formação de
                                                     Clusters de
                                                    Competências
 Organização de um Espaço                            p/Mercados
     de Conectividade                                Exteriores à
                                                       Cidade
                 Criação de um
                    Espaço
                 Transaccional
                   de Âmbito
                    Regional
                                                    Centralização
                              Ampliação do Pool
                                                     de Funções
                                Diversificado de
                                                     de Comando
                                    Recursos
                                                     & Controlo &
                                    Humanos
                            Espaço                    Informação
                                                        (Privadas &
                         Diversificado                   Públicas)
                           de Lazer
                               &            Concentração
             Oferta     Entretenimento       Actividades
          Multifacetada                        Ensino/
          de Protecção                       Qualificação
A Globalização, a Economia do
 Conhecimento ,o Choque Demográfico e
     os Novos Desafios Ambientais:
Forçam uma revisão na conceção da cidade -
das “cidades” de hoje para as regiões urbanas
do futuro que disponham das capacidades
múltiplas para competir e das condições para ser
inclusivas e resilientes

Exigem, mas também tornam possíveis,
alterações no modo de conceber a “forma” das
cidades e o seu funcionamento
A SUSTENTABILIDADE DAS
       CIDADES :
 QUATRO ÁREAS CHAVE
A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES .
           QUATRO ÁREAS CHAVE
        O FUNCIONAMENTO DA CIDADE




AS FORMAS                           A EDIFICAÇÃ
DA CIDADE     A IMAGEM DA CIDADE    NA CIDADE




            A PROTECÇÃO DA CIDADE
A
  O FUNCIONAMENTO DA CIDADE

                COMUNI
               CAÇÕES &
  ENERGIA      VIRTUALI       MOBILI
DISTRIBUIDA      DADE         DADE
      &                      HÍBRIDA
 EFICIÊNCIA                 &ELÉTRICA
              INTEGRAÇÃO
                DO CICLO
               URBANO DA
                 ÁGUA




                RISCO
               INUNDA
                ÇÕES
ELEVAÇÃO
                           STRESS
  NÍVEL
                           HÍDRICO
 DOMAR
               RISCO
              SÍSMICO



      A PROTECÇÃO DA CIDADE
A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES –
       QUATRO ÁREAS CHAVE

                        A EDIFICAÇÃO
      DENSIFICAÇÃO
                        NA CIDADE
       DO ESPAÇO
        URBANO             OFERTA DE
                           ESPAÇO E
                          HORIZONTES
                              AOS
     PLURALIDADE          RESIDENTES
     DE ESPAÇOS
       URBANOS
        MULTI
      FUNCIONAIS         INTELIGENCIA
                         E AUTONOMIA
                         DOS EDIFICIOS
      INTEGRAÇÃO
        DO VERDE
       NO ESPÇAO
         URBANO
                          CONVIVÊNCIA
                          DOS EDIFICIOS
AS FORMAS                  COM A ÁGUA

DA CIDADE
A COMPETITIVIDADE DAS
      CIDADES
VETORES FUNDAMENTAIS PARA A
      COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE

Os bens e serviços que o território tem para oferecer
ao exterior – outras regiões do País ou exportação, e
que diretamente:

   Dos clusters e empresas que asseguram a
   presença da região nos mercados externos e onde
   se concentram as competências internacionalmente
   reconhecidas

   Dos polos de conhecimento – as atividades de
   ensino superior e investigação

   Da disponibilidade de um pool alargado e diverso
   de qualificações e de talentos
VETORES FUNDAMENTAIS PARA A
       COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE
Os ativos que poderão tornar a região mais atrativa
para quem nela reside, trabalha e investe, de que se
podem destacar os seguintes:

   Acessibilidades nacionais e internacionais e
   mobilidade sustentável,
   Conectividade digital e utilização intensiva da
   virtualidade,
   Serviços de Educação & Formação ao longo da vida
   Qualidade dos serviços de Saúde
   Atividade cultural vibrante e amplamente participada
   Boa gestão ambiental, Amenidades & Paisagem
   Disponibilidade de habitação a custos acessíveis &
   qualidade da estética urbana
   Reduzida criminalidade e marginalidade social
VETORES FUNDAMENTAIS PARA A
      COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE

 A Rede de Conexões, Parcerias e Geminações que
estabelecer com cidades estrangeiras prósperas,
inovadoras e dinâmicas – para tal contribuindo
Autarquias, Universidades, Empresas multinacionais
presentes na cidade, clubes desportivos etc
VETORES FUNDAMENTAIS PARA A
COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE



          Polos de                         Clusters de
          Conhecimento                     Atividades


                            Qualificações &
Arte, Cultura&                 Talentos                  Património
Entretenimento                                           Histórico/ cultural
                 Ensino&    Comércio &     Saúde &
                 Formação    Serviços      Proteção Social
                             Pessoais

                  Conetividade
                  Digital

                                         Acessibilidades
SUSTENTABILIDADE &
  COMPETITVIDADE
    Interações e
 complementaridades
COMPETITIVIDADE

             Polos de                      Clusters de
           Conhecimento                    Atividades
                                          Exportadoras
                            Qualificações &
Arte, Cultura&                 Talentos                  Património
Entretenimento                                           Histórico/ cultural
                 Ensino&    Comércio &     Saúde &
                 Formação    Serviços      Proteção Social
                             Pessoais

                  Conetividade
                  Digital

                                         Acessibilidades

                      SUSTENTABILIDADE
2.
  PORTUGAL : RETOMANDO O
CRESCIMENTO, REPOSICIONANDO-
    SE NA GLOBALIZAÇÃO
PORTUGAL: UMA PEQUENA ECONOMIA
   QUE SE “VIROU PARA DENTRO”,
 DEIXOU DE CRESCER, SE ENDIVIDOU
       E FOI APANHADA PELA
    TURBULÊNCIA NA ZONA EURO
UMA ABORDAGEM UNIFICADORA
PARA OS DESAFIOS QUE SECOLOCAM
     À ECONOMIA PORTUGUESA:

    ENCONTRAR FUNÇÕES NA
  GLOBALIZAÇÃO QUE FUNCIONEM
 COMO MOTORES DE CRESCIMENTO
PORTUGAL: QUATRO MOTORES PARA SAIR
DA CRISE

 1) Reposicionar-se nos mercados dos países
  desenvolvidos – EUA/CANADA E EUROPA DO
  NORTE - em segmentos de serviços e de bens cuja
  procura esteja em crescimento e em que estejam
  em curso processos de outsourcing para a
  proximidade – exemplos: serviços ás empresas,
  software e serviços para o ciberespaço, industrias
  criativas, turismo sénior, serviços de saúde e
  reabilitação, dispositivos médicos e produtos
  hospitalares ?

 2) Estimular o mercado interno captando
  rendimento do exterior pela atração em larga escala
  de novos residentes com poder de compra, e que
  estimulem imobiliário e serviços de qualidade
PORTUGAL: QUATRO MOTORES PARA SAIR
DA CRISE
3) Explorar mercados de economias emergentes ,
em torno de competências industriais,, tecnológicas
e de serviços, que funcionando em conjunto,
permitam aproveitar a grande vaga de
infraestruturação e urbanização que neles vai
continuar a ocorrer

4 ) Redescobrir as valências da Geografia - desde o
cruzamento de rotas de movimentação de
passageiros e carga, ao aproveitamento da
disponibilidade de espaço - para localização de
investimentos industriais, de serviços logísticos e
energéticos, de exploração de recursos oceânicos,
etc
3.
LISBOA COMO ANCORA NA
     GLOBALIZAÇÃO
O DESAFIO PARA LISBOA

DEIXAR DE SER APENAS A CIDADE
CAPITAL PARA SE TORNAR NUMA
            NUMA
ÂNCORA PARA A GLOBALIZAÇÃO
             QUE
     PERMITA A PORTUGAL
REPOSICIONAR-SE NA ECONOMIA
           MUNDIAL
PORTUGAL- AS METRÓPOLES COMO AS
 “CIDADES ANCORA” NA GLOBALIZAÇÃO

 “CIDADES ÂNCORA” – são cidades que participam
  diretamente nos fluxos que estruturam a
  GLOBALIZAÇÃO e deles tiram a principal base da sua
  prosperidade - exportando serviços e/ou bens
  industriais, atraindo turistas, e liderando a captação de
  capitais e de talentos do exterior

 “CIDADES ÂNCORA” - num País estas cidades serão
  num pequeno número e terão cada vez mais
  vantagens em integrar-se administrativamente em
  Metrópoles que maximizem a atratividade face ao
  exterior, organizem uma divisão de trabalho evolutiva
  no seu interior e sejam capazes de gerir em comum ,
  com o mínimo investimento possível as infra estruturas
  de mobilidade, conectividade e ambiente.
PORTUGAL- AS METRÓPOLES COMO AS
    “CIDADES ANCORA” NA GLOBALIZAÇÃO
    Estas “Cidades Âncora “ – têm de apresentar cinco
    características chave:

   Uma excecional conectividade digital e bons aceso saos mercados
    internacionais (proximidade de aeroportos internacionais, portos e nós
    ferroviários de acesso à Europa

   Uma variedade de competências reconhecidas internacionalmente
    traduzidas por diferentes clusters exportadores, e os respetivos pools de
    recurso humanos qualificados bem como as instituições de elevada
    qualidade que assegurem a qualificação dos recursos humanos

   Uma atratividade assente em fatores que se sustentem no tempo e que
    combinem amenidades com polos de conhecimento e de criatividade e
    com um funcionamento que permita qualidade de vida

   Uma boa acessibilidade entre e as cidades que integram las, com
    soluções de mobilidade que sejam sustentáveis financeira e
    ambientalmente
   Um capital simbólico que as distinga no contexto europeu
AS TRÊS LISBOAS QUE PODEM CONSTITUIR,
JUNTAS, UMA “CIDADE ÂNCORA”

 LISBOA- UM CONCELHO assente no Terciário,
 virado para o exterior e oferecendo a base do
 capital simbólico

 LISBOA- UMA ÁREA METROPOLITANA –uma
 “cidade virtual” com duas margens,
 combinando serviços, espaços residenciais
 ,industrias não poluentes e logística

 LISBOA- UMA REGIÃO METROPOLITANA –
 com indústria ,logística, agricultura, turismo e
 patrimónios únicos em redor da Área
 Metropolitana
AS “TRÊS LISBOAS” – UM ATRACTOR
 DE ACTIVIDADES,INVESTIMENTOS,
 TALENTOS E NOVOS RESIDENTES
 QUE PROJETEM PORTUGAL NOS
 MERCADOS GLOBAIS
OS DESAFIOS

•EXPORTAR BENS, SERVIÇOS,
CONTEUDOS & CONCEITOS

•ATRAIR RENDIMENTO DO EXTERIOR

•ATRAIR TALENTOS

           VER EXEMPLOS
LISBOA(S) - QUE ATIVIDADES DISTINTIVAS
NO PAÍS E NA GLOBALIZAÇÃO ?
                                                                 LISBOA- UM CONCELHO
                                                         Plataforma de
                                                         Serviços e de
                                           Serviços de   Competência
                                          Comunicações
                                           & Multimédia
                                                        de Multinacionais
LISBOA- UMA REGIÃO                                            Serviços Financeiros
METROPOLITANA                           Ensino Superior &
                             Transporte   Investigação
                               Aéreo                     Artes, Espetáculo &
                      Industria                          Indústrias Criativas
                     Aeronáutica
                                          Serviços de Saúde
                               Industria
                                automóvel                            LISBOA- UMA ÁREA
                Materiais de                                         METROPOLITANA
                Construção                   Industria
                                              naval&
               Agricultura                   oceânica
Prospeção &Exploração        Recursos
                               Hídricos
 Petróleo & Gás Natural Indústrias
                       da Energia
FATORES CHAVE PARA ATRAIR NOVAS
  ATIVIDADES E NOVOS TALENTOS ,
QUE TORNEM LISBOA CONHECIDA NO
  MUNDO GARANTINDO , AO MESMO
 TEMPO, QUALIDADE DE VIDA A QUEM
         RESIDE EMLISBOA
LISBOA –UMA CIDADE
CAPITAL NO SÉCULO XXI
LISBOA –UMA CIDADE CAPITAL ,
   ORGANIZADORA DA PRESENÇA
DOPAÍS NOS ESPAÇOS ESTRATÉGICOS
 LISBOA, LIDERAR , COM PARCEIROS
 INTERNACIONAIS SELECIONADOS, A
 OCUPAÇÃO DO ESPAÇO OCEANICO QUE SE
 ABRE APORTUGAL

 LISBOA & AÇORES -UM EIXO
 FUNDAMENTAL PARA A OCUPAÇÃO DO
 ESPAÇO OCEANICO E PARA ACESSO AO
 ESPAÇO EXTERIOR

 LISBOA - DINAMIZADORA DA PRESENÇA
 PORTUGUESA NO CIBERESPAÇO
E, Desde já - preparar as condições para
participar na exploração sustentável do
oceano profundo
E, Desde já - preparar as condições para
participar na exploração sustentável do
            oceano profundo
4.
LISBOA- METRÓPOLE INCLUSIVA
      & COSMOPOLITA
METRÓPOLE INCLUSIVA
PROTEÇÃO &INTEGRAÇÃO DA POPULAÇÃO IDOSA ,
COMBATENDO O ABANDONO

EXIGÊNCIA DE QUALIFICAÇÃO & CRIAÇÃO DE EMPREGO
PARA JOVENS QUALIFCADOS

CIDADE ABERTA Á IMIGRAÇÃO E Á CONVIVÊNCIA DE
CULTURAS, RESPEITANDO AS INSTITUIÇÕES
DO PAIS

OFERTA DE SERVIÇOS DE SAUDE, EDUCAÇÃO E APOIO
SOCIAL DIVERSIFICADA,COMPETITVA E ACESSIVEL
METRÓPOLE COSMOPOLITA

 REGIÃO COM EMPRESAS,UNIVERSIDADES E
 FUNDAÇÕES RECONHECIDAS NO MUNDO

 CIDADE ACOLHEDORA DAS CLASSES
 CRIATIVAS, DAS SUAS EMPRESAS E DOS
 SEUS EVENTOS

 CIDADE TURISTICA ATRATIVA DE ASIÁTICOS,
 NORTE AMERICANOS EEUROPEUS

 REGIÃO ATRATIVA PARA TURISMO SÉNIOR
5.
LISBOA-CONSTRUIR UM CAPITAL
    SIMBÓLICO DISTINTIVO
UM IMPERATIVO:
     CONSTRUIR UMA IMAGEM
UNIFICADORA DO QUE QUEREMOS
QUE DISTINGA LISBOA NO MUNDO
   - NOMEADAMENTE QUE NOS
    DISTINGA NA PENÍNSULA E
  NAEUROPA, LIGANDO-NOS AO
MUNDO QUE INOVA, CRESCE E SE
              ABRE
A PERCEÇPÇÃO DA CIDADE A PARTIR DO
    EXTERIOR: O SEU CAPITAL SIMBÓLICO


O Capital simbólico distintivo que a
cidade/região conseguir criar pode assentar:

  No seu Património Histórico-Cultural
  Nas Amenidades & Paisagem de que
  dispõe
  Nas Artes, Cultura & Espetáculo que nela
  se desenvolvem
  Nas instituições que nela se distinguem
LISBOA – “MATÉRIAS PRIMAS” PARA UM CAPITAL
SIMBÓLICO INEGUALÁVEL NA EUROPA




Os Oceanos e a exploração               A convivência de culturas
do fundo do mar                         e o espaço lusófono
                             CAPITAL
                            SIMBÓLICO

A s relações históricas                 O estuário e a relação
 com a(s) Ásia(s)                       da cidade com a água
E OS CIDADÃOS?

    O DESAFIO: TRABALHAREM,
  COOPERAREM, INOVAREM, SEREM
CRIATIVOS E EXIGENTES PARA TORNAR
 LISBOA UMA CIDADE QUE OUTROS –
MUITOS OUTROS- NÃO POSSAM DEIXAR
DE QUERER CONHECER, ONDE GOSTEM
DE TRABALHAR E ONDE PREFERIRIAM
               VIVER
fim da Apresentação
Apresentação de José Félix Ribeiro no Fórum "be IN" Lisboa

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Comportamiento del profesional
Comportamiento del profesionalComportamiento del profesional
Comportamiento del profesionalJuan Vega
 
Luiz carlos Ead Unirio
Luiz carlos Ead UnirioLuiz carlos Ead Unirio
Luiz carlos Ead UnirioLucaigeo
 
resume_pdoutt_Linkedin
resume_pdoutt_Linkedinresume_pdoutt_Linkedin
resume_pdoutt_LinkedinPhill Doutt
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raizrrodrigues57
 
Deborah Peters Biography 2016
Deborah Peters Biography 2016Deborah Peters Biography 2016
Deborah Peters Biography 2016Deborah Peters
 
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...Marlon Rios A
 
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012 XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012 CBE2012
 
Slide so rafael
Slide so rafaelSlide so rafael
Slide so rafaelrafael105
 
Museu Geólogico da Bahia
Museu Geólogico da BahiaMuseu Geólogico da Bahia
Museu Geólogico da BahiaÍcaro Ferreira
 
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier ABC_Canarias
 

Destaque (20)

Entretejiendo clasicos literarios
Entretejiendo clasicos literariosEntretejiendo clasicos literarios
Entretejiendo clasicos literarios
 
Estilos de aprendizaje
Estilos de aprendizajeEstilos de aprendizaje
Estilos de aprendizaje
 
Codis QR en la Comunicació d’empresa
Codis QRen la Comunicació d’empresaCodis QRen la Comunicació d’empresa
Codis QR en la Comunicació d’empresa
 
Comportamiento del profesional
Comportamiento del profesionalComportamiento del profesional
Comportamiento del profesional
 
La tablet
La tabletLa tablet
La tablet
 
Luiz carlos Ead Unirio
Luiz carlos Ead UnirioLuiz carlos Ead Unirio
Luiz carlos Ead Unirio
 
resume_pdoutt_Linkedin
resume_pdoutt_Linkedinresume_pdoutt_Linkedin
resume_pdoutt_Linkedin
 
Autoridad y poder
Autoridad y poderAutoridad y poder
Autoridad y poder
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
 
Ads Click
Ads ClickAds Click
Ads Click
 
Deborah Peters Biography 2016
Deborah Peters Biography 2016Deborah Peters Biography 2016
Deborah Peters Biography 2016
 
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...
Seguridad Ciudadana en Venezuela. Normas sobre la Actuación de la Fuerza Arma...
 
Chateau Marista
Chateau MaristaChateau Marista
Chateau Marista
 
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012 XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012
XIV CBE - MESA 5 - Fernando Perrone - 25 outubro 2012
 
Slide so rafael
Slide so rafaelSlide so rafael
Slide so rafael
 
Carlos Santos - be IN Minho
Carlos Santos - be IN MinhoCarlos Santos - be IN Minho
Carlos Santos - be IN Minho
 
Bruno Ferreira - be IN Lisboa
Bruno Ferreira - be IN LisboaBruno Ferreira - be IN Lisboa
Bruno Ferreira - be IN Lisboa
 
Museu Geólogico da Bahia
Museu Geólogico da BahiaMuseu Geólogico da Bahia
Museu Geólogico da Bahia
 
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier
Festival de Ópera de Las Palmas 2014. Dossier
 
Descripcion chacalcay.
Descripcion chacalcay.Descripcion chacalcay.
Descripcion chacalcay.
 

Semelhante a Apresentação de José Félix Ribeiro no Fórum "be IN" Lisboa

Metodologia para gerar ideias low cost em cidades
Metodologia para gerar ideias low cost em cidadesMetodologia para gerar ideias low cost em cidades
Metodologia para gerar ideias low cost em cidadescidadespelaretoma
 
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights GroupSymnetics Business Transformation
 
Hiria Smart Cities Summit 2013
Hiria Smart Cities Summit 2013Hiria Smart Cities Summit 2013
Hiria Smart Cities Summit 2013Vinnicius Vieira
 
Ideias low cost para animar as cidades
Ideias low cost para animar as cidadesIdeias low cost para animar as cidades
Ideias low cost para animar as cidadescidadespelaretoma
 
Programa candidatura análise estratégica vf
Programa candidatura   análise estratégica vfPrograma candidatura   análise estratégica vf
Programa candidatura análise estratégica vfPSD-SOP
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaIlda Bicacro
 
Presentazione Sao Paulo SHORT
Presentazione Sao Paulo  SHORT Presentazione Sao Paulo  SHORT
Presentazione Sao Paulo SHORT FGV
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?Idalina Leite
 
Agente de desenvolvimento
Agente de desenvolvimentoAgente de desenvolvimento
Agente de desenvolvimentoCONGESP
 
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)Guilherme Resende Muniz
 
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadas
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadasSlides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadas
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadasClube House
 
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Motabe Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos MotaPlataforma Empreendedor
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013José Carlos Mota
 

Semelhante a Apresentação de José Félix Ribeiro no Fórum "be IN" Lisboa (20)

Metodologia para gerar ideias low cost em cidades
Metodologia para gerar ideias low cost em cidadesMetodologia para gerar ideias low cost em cidades
Metodologia para gerar ideias low cost em cidades
 
Cidades pela Retoma
Cidades pela RetomaCidades pela Retoma
Cidades pela Retoma
 
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido para o Terceiro encontro do BIG - Business Insights Group
 
Hiria Smart Cities Summit 2013
Hiria Smart Cities Summit 2013Hiria Smart Cities Summit 2013
Hiria Smart Cities Summit 2013
 
Ideias low cost para animar as cidades
Ideias low cost para animar as cidadesIdeias low cost para animar as cidades
Ideias low cost para animar as cidades
 
Cidades pela retoma agueda
Cidades pela retoma aguedaCidades pela retoma agueda
Cidades pela retoma agueda
 
Programa candidatura análise estratégica vf
Programa candidatura   análise estratégica vfPrograma candidatura   análise estratégica vf
Programa candidatura análise estratégica vf
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbana
 
Presentazione Sao Paulo SHORT
Presentazione Sao Paulo  SHORT Presentazione Sao Paulo  SHORT
Presentazione Sao Paulo SHORT
 
Urban system
Urban systemUrban system
Urban system
 
Londrina Smart City
Londrina Smart CityLondrina Smart City
Londrina Smart City
 
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
CIDADES INTELIGENTES, "SMART CITIES", um novo paradigma urbano?
 
Apresentação Futurópolis
Apresentação FuturópolisApresentação Futurópolis
Apresentação Futurópolis
 
Agente de desenvolvimento
Agente de desenvolvimentoAgente de desenvolvimento
Agente de desenvolvimento
 
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)
Apresentação projeto congresso das cidades(v2.0)
 
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadas
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadasSlides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadas
Slides desenvolvimento de loteamentos e comunidades planejadas
 
Global city 2 0
Global city 2 0Global city 2 0
Global city 2 0
 
Conversasnotanque 28abr
Conversasnotanque 28abrConversasnotanque 28abr
Conversasnotanque 28abr
 
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Motabe Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
 
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
Apresentação be in aveiro 13 abr 2013
 

Mais de Plataforma Empreendedor

Guia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemGuia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemPlataforma Empreendedor
 
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemManual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemPlataforma Empreendedor
 
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlataforma Empreendedor
 
Apresentação bx alentejo e alentejo litoral
Apresentação bx alentejo e alentejo litoralApresentação bx alentejo e alentejo litoral
Apresentação bx alentejo e alentejo litoralPlataforma Empreendedor
 
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serrabe Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz SerraPlataforma Empreendedor
 
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriquesbe Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António HenriquesPlataforma Empreendedor
 
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarveLuís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarvePlataforma Empreendedor
 
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreirabe Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca FerreiraPlataforma Empreendedor
 
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICObe Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICOPlataforma Empreendedor
 

Mais de Plataforma Empreendedor (20)

Guia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemGuia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender Jovem
 
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemManual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
 
Sara nerbe
Sara nerbeSara nerbe
Sara nerbe
 
Ppt trienal alentejo_template
Ppt trienal alentejo_templatePpt trienal alentejo_template
Ppt trienal alentejo_template
 
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
 
Cefpe sessão de_23_abril_2013
Cefpe sessão de_23_abril_2013Cefpe sessão de_23_abril_2013
Cefpe sessão de_23_abril_2013
 
Apresentação bx alentejo e alentejo litoral
Apresentação bx alentejo e alentejo litoralApresentação bx alentejo e alentejo litoral
Apresentação bx alentejo e alentejo litoral
 
Maisfitness essência
Maisfitness  essênciaMaisfitness  essência
Maisfitness essência
 
Iluztra apresentação be-in
Iluztra apresentação be-inIluztra apresentação be-in
Iluztra apresentação be-in
 
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serrabe Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
 
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriquesbe Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
 
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarveLuís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
 
Jânio Monteiro - be IN Algarve
Jânio Monteiro - be IN AlgarveJânio Monteiro - be IN Algarve
Jânio Monteiro - be IN Algarve
 
be IN - Apresentção Algarve
be IN - Apresentção Algarvebe IN - Apresentção Algarve
be IN - Apresentção Algarve
 
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreirabe Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
 
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICObe Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
 
Apresentação apgico
Apresentação apgicoApresentação apgico
Apresentação apgico
 
Sandra Vicente - be IN Coimbra
Sandra Vicente - be IN Coimbra Sandra Vicente - be IN Coimbra
Sandra Vicente - be IN Coimbra
 
Joana Ramos - be IN Coimbra
Joana Ramos - be IN CoimbraJoana Ramos - be IN Coimbra
Joana Ramos - be IN Coimbra
 
Fernando Mendes - be IN Coimbra
Fernando Mendes - be IN CoimbraFernando Mendes - be IN Coimbra
Fernando Mendes - be IN Coimbra
 

Apresentação de José Félix Ribeiro no Fórum "be IN" Lisboa

  • 1. bE In- PARTICIPAR PARA CRESCER VISITANDO LISBOA, ANOS DEPOIS “Lisboa: uma Ancora na Globalização” José Félix Ribeiro 13/12/2012 – AIP (Junqueira)
  • 2. esquema  1.CIDADES,SUSTENTABILIDADE & COMPETITVIDADE  2.PORTUGAL : RETOMANDO O CRESCIMENTO, REPOSICIONANDO-SE NA GLOBALIZAÇÃO  3.LISBOA COMO ANCORA NA GLOBALIZAÇÃO  4.LISBOA- METRÓPOLE INCLUSIVA & COSMOPOLITA  5.LISBOA-CONSTRUIR UM CAPITAL SIMBÓLICO DISTINTIVO
  • 3. 1. CIDADES,SUSTENTABILIDADE ECOMPETITVIDADE
  • 4. INTERROGAÇÕES A RESPONDER EM QUE ELEMENTOS DAS CIDADES INCIDIRÁ A SUA SUSTENTABILIDADE FUTURA , DO PONTO DE VISTA AMBIENTAL? QUE FACTORES SERÃO DECISIVOS PARA A COMPETITVIDADE FUTURA DAS CIDADES ?  COMO SE PODEM ARTICULAR COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS CIDADES?
  • 5. AS PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS CIDADES, QUE SÃO OUTROS TANTOS FATORES DE DIFERENCIAÇÃO & HIERARQUIZAÇÃO URBANA
  • 6. FUNÇÕES PERMANENTES DAS CIDADES Polarização de um Espaço Transacional de Âmbito Regional/Nacional Concentração de Funções de Valorização do Capital Humano Inserção em Redes de Conectividade que contribuam para a articulação com o resto do território nacional e para mais fácil acessibilidade ao exterior Formação de Clusters de Competências e Atividades para Mercados exteriores à Cidade Oferta Multifacetada de Proteção Multiplicação de Serviços Oferecidos ás Famílias Centralização de Funções de Comando, Controlo e Informação – Públicas e Privadas
  • 7. AS PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS CIDADES, QUE SÃO OUTROS TANTOS FATORES DE DIFERENCIAÇÃO & HIERARQUIZAÇÃO URBANA Formação de Clusters de Competências Organização de um Espaço p/Mercados de Conectividade Exteriores à Cidade Criação de um Espaço Transaccional de Âmbito Regional Centralização Ampliação do Pool de Funções Diversificado de de Comando Recursos & Controlo & Humanos Espaço Informação (Privadas & Diversificado Públicas) de Lazer & Concentração Oferta Entretenimento Actividades Multifacetada Ensino/ de Protecção Qualificação
  • 8. A Globalização, a Economia do Conhecimento ,o Choque Demográfico e os Novos Desafios Ambientais: Forçam uma revisão na conceção da cidade - das “cidades” de hoje para as regiões urbanas do futuro que disponham das capacidades múltiplas para competir e das condições para ser inclusivas e resilientes Exigem, mas também tornam possíveis, alterações no modo de conceber a “forma” das cidades e o seu funcionamento
  • 9. A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES : QUATRO ÁREAS CHAVE
  • 10. A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES . QUATRO ÁREAS CHAVE O FUNCIONAMENTO DA CIDADE AS FORMAS A EDIFICAÇÃ DA CIDADE A IMAGEM DA CIDADE NA CIDADE A PROTECÇÃO DA CIDADE
  • 11. A O FUNCIONAMENTO DA CIDADE COMUNI CAÇÕES & ENERGIA VIRTUALI MOBILI DISTRIBUIDA DADE DADE & HÍBRIDA EFICIÊNCIA &ELÉTRICA INTEGRAÇÃO DO CICLO URBANO DA ÁGUA RISCO INUNDA ÇÕES ELEVAÇÃO STRESS NÍVEL HÍDRICO DOMAR RISCO SÍSMICO A PROTECÇÃO DA CIDADE
  • 12. A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES – QUATRO ÁREAS CHAVE A EDIFICAÇÃO DENSIFICAÇÃO NA CIDADE DO ESPAÇO URBANO OFERTA DE ESPAÇO E HORIZONTES AOS PLURALIDADE RESIDENTES DE ESPAÇOS URBANOS MULTI FUNCIONAIS INTELIGENCIA E AUTONOMIA DOS EDIFICIOS INTEGRAÇÃO DO VERDE NO ESPÇAO URBANO CONVIVÊNCIA DOS EDIFICIOS AS FORMAS COM A ÁGUA DA CIDADE
  • 14. VETORES FUNDAMENTAIS PARA A COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE Os bens e serviços que o território tem para oferecer ao exterior – outras regiões do País ou exportação, e que diretamente: Dos clusters e empresas que asseguram a presença da região nos mercados externos e onde se concentram as competências internacionalmente reconhecidas Dos polos de conhecimento – as atividades de ensino superior e investigação Da disponibilidade de um pool alargado e diverso de qualificações e de talentos
  • 15. VETORES FUNDAMENTAIS PARA A COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE Os ativos que poderão tornar a região mais atrativa para quem nela reside, trabalha e investe, de que se podem destacar os seguintes: Acessibilidades nacionais e internacionais e mobilidade sustentável, Conectividade digital e utilização intensiva da virtualidade, Serviços de Educação & Formação ao longo da vida Qualidade dos serviços de Saúde Atividade cultural vibrante e amplamente participada Boa gestão ambiental, Amenidades & Paisagem Disponibilidade de habitação a custos acessíveis & qualidade da estética urbana Reduzida criminalidade e marginalidade social
  • 16. VETORES FUNDAMENTAIS PARA A COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE  A Rede de Conexões, Parcerias e Geminações que estabelecer com cidades estrangeiras prósperas, inovadoras e dinâmicas – para tal contribuindo Autarquias, Universidades, Empresas multinacionais presentes na cidade, clubes desportivos etc
  • 17. VETORES FUNDAMENTAIS PARA A COMPETITIVIDADE DE UMA CIDADE Polos de Clusters de Conhecimento Atividades Qualificações & Arte, Cultura& Talentos Património Entretenimento Histórico/ cultural Ensino& Comércio & Saúde & Formação Serviços Proteção Social Pessoais Conetividade Digital Acessibilidades
  • 18. SUSTENTABILIDADE & COMPETITVIDADE Interações e complementaridades
  • 19. COMPETITIVIDADE Polos de Clusters de Conhecimento Atividades Exportadoras Qualificações & Arte, Cultura& Talentos Património Entretenimento Histórico/ cultural Ensino& Comércio & Saúde & Formação Serviços Proteção Social Pessoais Conetividade Digital Acessibilidades SUSTENTABILIDADE
  • 20. 2. PORTUGAL : RETOMANDO O CRESCIMENTO, REPOSICIONANDO- SE NA GLOBALIZAÇÃO
  • 21. PORTUGAL: UMA PEQUENA ECONOMIA QUE SE “VIROU PARA DENTRO”, DEIXOU DE CRESCER, SE ENDIVIDOU E FOI APANHADA PELA TURBULÊNCIA NA ZONA EURO
  • 22. UMA ABORDAGEM UNIFICADORA PARA OS DESAFIOS QUE SECOLOCAM À ECONOMIA PORTUGUESA: ENCONTRAR FUNÇÕES NA GLOBALIZAÇÃO QUE FUNCIONEM COMO MOTORES DE CRESCIMENTO
  • 23. PORTUGAL: QUATRO MOTORES PARA SAIR DA CRISE  1) Reposicionar-se nos mercados dos países desenvolvidos – EUA/CANADA E EUROPA DO NORTE - em segmentos de serviços e de bens cuja procura esteja em crescimento e em que estejam em curso processos de outsourcing para a proximidade – exemplos: serviços ás empresas, software e serviços para o ciberespaço, industrias criativas, turismo sénior, serviços de saúde e reabilitação, dispositivos médicos e produtos hospitalares ?  2) Estimular o mercado interno captando rendimento do exterior pela atração em larga escala de novos residentes com poder de compra, e que estimulem imobiliário e serviços de qualidade
  • 24. PORTUGAL: QUATRO MOTORES PARA SAIR DA CRISE 3) Explorar mercados de economias emergentes , em torno de competências industriais,, tecnológicas e de serviços, que funcionando em conjunto, permitam aproveitar a grande vaga de infraestruturação e urbanização que neles vai continuar a ocorrer 4 ) Redescobrir as valências da Geografia - desde o cruzamento de rotas de movimentação de passageiros e carga, ao aproveitamento da disponibilidade de espaço - para localização de investimentos industriais, de serviços logísticos e energéticos, de exploração de recursos oceânicos, etc
  • 25. 3. LISBOA COMO ANCORA NA GLOBALIZAÇÃO
  • 26. O DESAFIO PARA LISBOA DEIXAR DE SER APENAS A CIDADE CAPITAL PARA SE TORNAR NUMA NUMA ÂNCORA PARA A GLOBALIZAÇÃO QUE PERMITA A PORTUGAL REPOSICIONAR-SE NA ECONOMIA MUNDIAL
  • 27. PORTUGAL- AS METRÓPOLES COMO AS “CIDADES ANCORA” NA GLOBALIZAÇÃO  “CIDADES ÂNCORA” – são cidades que participam diretamente nos fluxos que estruturam a GLOBALIZAÇÃO e deles tiram a principal base da sua prosperidade - exportando serviços e/ou bens industriais, atraindo turistas, e liderando a captação de capitais e de talentos do exterior  “CIDADES ÂNCORA” - num País estas cidades serão num pequeno número e terão cada vez mais vantagens em integrar-se administrativamente em Metrópoles que maximizem a atratividade face ao exterior, organizem uma divisão de trabalho evolutiva no seu interior e sejam capazes de gerir em comum , com o mínimo investimento possível as infra estruturas de mobilidade, conectividade e ambiente.
  • 28. PORTUGAL- AS METRÓPOLES COMO AS “CIDADES ANCORA” NA GLOBALIZAÇÃO Estas “Cidades Âncora “ – têm de apresentar cinco características chave:  Uma excecional conectividade digital e bons aceso saos mercados internacionais (proximidade de aeroportos internacionais, portos e nós ferroviários de acesso à Europa  Uma variedade de competências reconhecidas internacionalmente traduzidas por diferentes clusters exportadores, e os respetivos pools de recurso humanos qualificados bem como as instituições de elevada qualidade que assegurem a qualificação dos recursos humanos  Uma atratividade assente em fatores que se sustentem no tempo e que combinem amenidades com polos de conhecimento e de criatividade e com um funcionamento que permita qualidade de vida  Uma boa acessibilidade entre e as cidades que integram las, com soluções de mobilidade que sejam sustentáveis financeira e ambientalmente  Um capital simbólico que as distinga no contexto europeu
  • 29. AS TRÊS LISBOAS QUE PODEM CONSTITUIR, JUNTAS, UMA “CIDADE ÂNCORA”  LISBOA- UM CONCELHO assente no Terciário, virado para o exterior e oferecendo a base do capital simbólico  LISBOA- UMA ÁREA METROPOLITANA –uma “cidade virtual” com duas margens, combinando serviços, espaços residenciais ,industrias não poluentes e logística  LISBOA- UMA REGIÃO METROPOLITANA – com indústria ,logística, agricultura, turismo e patrimónios únicos em redor da Área Metropolitana
  • 30. AS “TRÊS LISBOAS” – UM ATRACTOR DE ACTIVIDADES,INVESTIMENTOS, TALENTOS E NOVOS RESIDENTES QUE PROJETEM PORTUGAL NOS MERCADOS GLOBAIS
  • 31. OS DESAFIOS •EXPORTAR BENS, SERVIÇOS, CONTEUDOS & CONCEITOS •ATRAIR RENDIMENTO DO EXTERIOR •ATRAIR TALENTOS VER EXEMPLOS
  • 32. LISBOA(S) - QUE ATIVIDADES DISTINTIVAS NO PAÍS E NA GLOBALIZAÇÃO ? LISBOA- UM CONCELHO Plataforma de Serviços e de Serviços de Competência Comunicações & Multimédia de Multinacionais LISBOA- UMA REGIÃO Serviços Financeiros METROPOLITANA Ensino Superior & Transporte Investigação Aéreo Artes, Espetáculo & Industria Indústrias Criativas Aeronáutica Serviços de Saúde Industria automóvel LISBOA- UMA ÁREA Materiais de METROPOLITANA Construção Industria naval& Agricultura oceânica Prospeção &Exploração Recursos Hídricos Petróleo & Gás Natural Indústrias da Energia
  • 33. FATORES CHAVE PARA ATRAIR NOVAS ATIVIDADES E NOVOS TALENTOS , QUE TORNEM LISBOA CONHECIDA NO MUNDO GARANTINDO , AO MESMO TEMPO, QUALIDADE DE VIDA A QUEM RESIDE EMLISBOA
  • 35. LISBOA –UMA CIDADE CAPITAL , ORGANIZADORA DA PRESENÇA DOPAÍS NOS ESPAÇOS ESTRATÉGICOS  LISBOA, LIDERAR , COM PARCEIROS INTERNACIONAIS SELECIONADOS, A OCUPAÇÃO DO ESPAÇO OCEANICO QUE SE ABRE APORTUGAL  LISBOA & AÇORES -UM EIXO FUNDAMENTAL PARA A OCUPAÇÃO DO ESPAÇO OCEANICO E PARA ACESSO AO ESPAÇO EXTERIOR  LISBOA - DINAMIZADORA DA PRESENÇA PORTUGUESA NO CIBERESPAÇO
  • 36. E, Desde já - preparar as condições para participar na exploração sustentável do oceano profundo
  • 37. E, Desde já - preparar as condições para participar na exploração sustentável do oceano profundo
  • 39. METRÓPOLE INCLUSIVA PROTEÇÃO &INTEGRAÇÃO DA POPULAÇÃO IDOSA , COMBATENDO O ABANDONO EXIGÊNCIA DE QUALIFICAÇÃO & CRIAÇÃO DE EMPREGO PARA JOVENS QUALIFCADOS CIDADE ABERTA Á IMIGRAÇÃO E Á CONVIVÊNCIA DE CULTURAS, RESPEITANDO AS INSTITUIÇÕES DO PAIS OFERTA DE SERVIÇOS DE SAUDE, EDUCAÇÃO E APOIO SOCIAL DIVERSIFICADA,COMPETITVA E ACESSIVEL
  • 40. METRÓPOLE COSMOPOLITA  REGIÃO COM EMPRESAS,UNIVERSIDADES E FUNDAÇÕES RECONHECIDAS NO MUNDO  CIDADE ACOLHEDORA DAS CLASSES CRIATIVAS, DAS SUAS EMPRESAS E DOS SEUS EVENTOS  CIDADE TURISTICA ATRATIVA DE ASIÁTICOS, NORTE AMERICANOS EEUROPEUS  REGIÃO ATRATIVA PARA TURISMO SÉNIOR
  • 41. 5. LISBOA-CONSTRUIR UM CAPITAL SIMBÓLICO DISTINTIVO
  • 42. UM IMPERATIVO: CONSTRUIR UMA IMAGEM UNIFICADORA DO QUE QUEREMOS QUE DISTINGA LISBOA NO MUNDO - NOMEADAMENTE QUE NOS DISTINGA NA PENÍNSULA E NAEUROPA, LIGANDO-NOS AO MUNDO QUE INOVA, CRESCE E SE ABRE
  • 43. A PERCEÇPÇÃO DA CIDADE A PARTIR DO EXTERIOR: O SEU CAPITAL SIMBÓLICO O Capital simbólico distintivo que a cidade/região conseguir criar pode assentar: No seu Património Histórico-Cultural Nas Amenidades & Paisagem de que dispõe Nas Artes, Cultura & Espetáculo que nela se desenvolvem Nas instituições que nela se distinguem
  • 44. LISBOA – “MATÉRIAS PRIMAS” PARA UM CAPITAL SIMBÓLICO INEGUALÁVEL NA EUROPA Os Oceanos e a exploração A convivência de culturas do fundo do mar e o espaço lusófono CAPITAL SIMBÓLICO A s relações históricas O estuário e a relação com a(s) Ásia(s) da cidade com a água
  • 45. E OS CIDADÃOS? O DESAFIO: TRABALHAREM, COOPERAREM, INOVAREM, SEREM CRIATIVOS E EXIGENTES PARA TORNAR LISBOA UMA CIDADE QUE OUTROS – MUITOS OUTROS- NÃO POSSAM DEIXAR DE QUERER CONHECER, ONDE GOSTEM DE TRABALHAR E ONDE PREFERIRIAM VIVER