Inclusão Digital: TICs em sala de aula II

932 visualizações

Publicada em

Palestra MUHM...
05/11/11

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
932
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inclusão Digital: TICs em sala de aula II

  1. 1. As Tecnologias de Informação e Comunicação Nas Práticas de Ensino. Angela Francisca Mendez de Oliveira
  2. 2. As TIC’s correspondem a todas as tecnologiasque interferem e mediam os processosinformacionais e comunicativos dos seres.Podem também ser entendidas como um conjuntode recursos tecnológicos integrados entre si, queproporcionam, por meio das funções de hardware,software e telecomunicações, a automação ecomunicação dos processos de negócios, depesquisa científica e de ensino e aprendizagem.
  3. 3. O uso da Informática na Educação é discutidadesde a década de 70, quando asuniversidades brasileiras começam apromover seminários para discutir a respeitodo uso de computadores no ensino, adesenvolver experimentos utilizando atecnologia como recurso instrumental e aescrever documentos e artigos a respeito datemática.
  4. 4. No Brasil, o movimento de uso da Informáticana Educação intensifica-se nas décadas de 80e 90, a fim de atender a demanda da novasociedade.Foi elaborado em 1989 o Programa Nacionalde Informática Educativa – PRONINFE,integrado à Secretaria Nacional de EducaçãoTecnológica/MEC, que buscava,prioritariamente:
  5. 5.  “incentivar a capacitação contínua e permanente de professores, técnicos e pesquisadores no domínio da tecnologia de informática educativa, em todos os níveis e modalidades de ensino, reconhecendo sua importância como instrumento capaz de enriquecer as estratégias pedagógicas e de estimular o surgimento de novas metodologias incentivadoras da participação, da criatividade, da colaboração e da iniciativa entre alunos e professores, visando à melhoria da qualidade da educação”. (Brasil, 1993:71)
  6. 6. BRASIL. Comitê Gestor Internet/BR. Disponível: http://www.cg.org.br. BRASIL. Rede Nacional de Pesquisa. Disponível: http://www.rnp.br BRASIL. Programa Nacional de Informática na Educação – Proinfo. Brasília, jul. 1997a. Disponível: http://www.proinfo.gov.br BRASIL. Proinfo. Recomendações gerais para a preparação dos Núcleos de Tecnologia Educacional. Brasília, jul. 1997b. Disponível: http://www.proinfo.gov.br. BRASIL. Lei nº 9.472. Brasília, de 16 de julho de 1997c. Disponível: http://www.anatel.gov.br BRASIL. Rede Nacional de Pesquisa. Disponível: http://www.rnp.br BRASIL. Anatel. Disponível: http://www.anatel.gov.br
  7. 7. Todos os instrumentos disponíveis e os canais deinformação, comunicação e ação social podem contribuir natransmissão de conhecimentos essenciais, bem como nainformação e educação dos indivíduos quanto a questõessociais. Além dos instrumentos tradicionais, as bibliotecas, atelevisão, o rádio e outros meios de comunicação podem sermobilizados em todo o seu potencial, a fim de satisfazer asnecessidades de educação básica para todos. Estescomponentes devem constituir um sistema integrado -complementar, interativo e de padrões comparáveis - edeve contribuir para criar e desenvolver possibilidades deaprendizagem por toda a vida.
  8. 8. “Mais do que oferecer o acesso à tecnologia, énecessário desenvolver ações que garantam aosusuários não só o domínio técnico, mas,principalmente, ações formativas que os possibilitemdesenvolver competências para usar a tecnologiacomo ferramenta de aprendizagem, o que implica em:buscar, armazenar, organizar, analisar e disseminarinformações na Internet; discutir, criticar e avaliar asinformações obtidas em processos interativos ecolaborativos on line; desenvolver estratégias degestão e produção de conhecimento; desenvolver asquatro competências necessárias para a vida: pessoal,relacionais, cognitivas e produtivas” Adriana Martinelli coordenadora da área de Educação e Tecnologia do Instituto Ayrton Senna
  9. 9. O Programa Nacional de Banda O projeto Computadores para InclusãoLarga – Brasil Conectado – foi criado recondiciona equipamentos depelo Governo Federal com o objetivo informática usados e os distribui parade ampliar o acesso à internet em iniciativas de inclusão digital de todo obanda larga no país Brasil. Fundação Banco do Brasil desenvolveu o Programa Inclusão Digital. Uma das principais iniciativas implantação de telecentros e de formação de educadores sociais nas comunidades que não têm acesso a essas tecnologias. Através deste sitío você terá É um programa educacional com oportunidade de aprender o objetivo de promover o uso gratuitamente como utilizar os pedagógico da informática na rede programas de computadores, são pública de educação básica.O mais de 270 cursos disponibilizados. programa leva às escolas computadores, recursos digitais e conteúdos educacionais.
  10. 10. Tecnologias da Informação e Comunicação Computador Internet Vídeos TV DVD
  11. 11. PeriféricosImpressoras Scanner Data Show Filmadora Câmera digital Projetor
  12. 12. Software Utilitários Microsoft Office Word(Processador de texto) Power Point (Apresentação Eletrônica) Excel (Folha de Cálculo) Paint / Corel (Software Gráfico)
  13. 13. Software EducativosCD-ROOMDisciplinar Dicionários Enciclopédias Programas outros
  14. 14. Software EducativosCD-ROOMDisciplinar Dicionários Enciclopédias Programas outros
  15. 15. Mecanismos de ComunicaçãoHome Page Website E-mail Blog
  16. 16. A Era da Informação e do Conhecimento quevivemos nos mostra um mundo novo, onde otrabalho humano é feito pelas máquinas, cabendoao homem a tarefa para a qual é insubstituível:ser criativo, ter boas idéias...Há algumas décadas, a era da informação vemsendo superada pela onda do conhecimento. Jáque o aumento de informação disponibilizadapelos meios informatizados vem crescendo, aquestão agora está centrada em como gerir essemundo de informações e retirar dele o subsídiopara a tomada de decisão e o pensamentoreflexivo.
  17. 17. Desenvolver competências e habilidades nabusca, tratamento e armazenamento dainformação transforma-se num diferencialcompetitivo dos indivíduos.Não somente ter uma grande quantidade deinformação torna-se vital, mas também saberpesquisar, analisar e armazenar essasinformações que estão acessíveis hoje.E cabe ao professor orientar essa geraçãopara que façam melhor uso da tecnologia deque dispõem.
  18. 18. O ritmo acelerado das inovações tecnológicas,assimiladas tão rapidamente pelos alunos, exigeque a ducação também acelere o passo,tornandoo ensino mais criativo, estimulando o interessepela aprendizagem.O que se percebe hoje é que a própria tecnologiapode ser uma ferramenta eficaz para o alcancedesse objetivo. Entendendo a escola como umespaço de criação de cultura, essa deveincorporar os produtos culturais e as práticassociais mais avançadas da sociedade em que nosencontramos...
  19. 19. Já foi o tempo em que precisávamos aprendertudo antes para, somente depois, poderdividir um pouco do que sabia com os seusaluno.Os novos paradigmas de que você precisa sãobastante diferentes daqueles que tínhamos.A seguir vão 10 “novos” (talvez nem tanto)paradigmas de que você precisará para osdias atuais: (Fonte: professor digital.com.br)
  20. 20. Você não precisa de um curso para aprender ausar o Twitter, o YouTube, o Google Docs ou asdemais ferramentas para poder utilizá-las. Vocêsó precisa começar a usá-las... Precisa entenderque é mexendo, tentando, usando que vocêaprenderá a utilizá-las cada vez melhor.
  21. 21. As ferramentas da Web 2.0 e as TICs em geral“admitem o erro como parte da aprendizagem”,por isso não se preocupe em fazer tudo certo jáda primeira vez (ou da segunda, ou da terceira).Se você errar, não tem problema, não tempunição, você aprendeu! Se não der certo naprimeira vez, tente de novo. Não tenha medo!!!
  22. 22. A aprendizagem das novas tecnologias e suasferramentas não é linear. Não há mais “um passoantes do outro”. Assim como você pode navegarna internet por links (hipertexto!), você tambémpode aprender em pequenas doses, em passosnão sequenciais, explorando o que lhe parecermelhor naquele momento e criando seu própriopercurso de aprendizagem. Entenda isso comouma hiperaprendizagem.
  23. 23. Há livros, manuais, tutoriais e mesmo cursos parase aprender qualquer coisa que você quiser, etodos eles estão disponíveis na internet, mas aforma mais eficiente de aprender algo que vocêainda não sabe, e nem sabe onde encontrar aresposta, consiste simplesmente em “perguntarpara outras pessoas”! Quer dar seus primeirospassos no Twitter e não sabe por onde começar?Comece perguntando para alguém que já sabe! Oconhecimento não está mais apenas nos livros,ele também está nas pessoas!
  24. 24. Você pode ler muitos livros sobre o uso de certaferramenta ou TIC, pode assistir a palestras,participar de simpósios, congressos, redes sociais,etc., e trocar idéias com pessoas que já utilizamessa ferramenta ou tecnologia. Tudo isso irá lheajudar bastante a aprender sobre o uso das TICs,mas você poderá obter resultados ainda melhoresse o tempo todo perguntar para si mesmo coisascomo: “o que eu posso fazer com isso? Como euposso usar o Facebook para mim mesmo? E comos meus alunos?”. Só você conhece melhor quetodos os outros a sua realidade e as suasnecessidades.
  25. 25. 6. Ser autônomo, não esperar passivamente por ajuda e nem desistir sem antes tentar!Há pessoas que desistem de algo sem nemmesmo tentar antes. Ficam eternamente à esperade alguém que lhes mostre todos os caminhos,que lhes dê todas as respostas (corretas!). Nãoseja uma delas. Respostas perfeitas e pessoasque as saibam dar já não existem mais. Se tiveruma idéia que “gostaria que desse certo”, tenteimplementá-la. Se algumas tentativas falharem,não desista, isso não se chama “fracasso”,chama-se “aprendizagem”!
  26. 26. Assim como os alunos não aprendem facilmenteaquilo que eles desgostam, os professores tambémreagem da mesma forma. Só aprendemos coisasque queremos aprender, coisas que nos dão algumasatisfação, algum prazer. Por isso, se você nãoaprender a ter prazer em dar uma aula melhorusando um novo recurso, nunca vai aprender a usaro recurso, e nem vai melhorar sua aula. Ensino épaixão e o professor apaixonado pelo bom ensino éa melhor tecnologia que existe para ensinar.
  27. 27. Não basta aprender, não basta ser capaz de fazer;é preciso “fazer” e compartilhar o conhecimentopara que outros aprendam e façam. Se vocêaprendeu como usar o Twitter, experimentou usá-lo e até já colecionou algumas dicas, então é horade usar o potencial dessa ferramenta paracompartilhar! Compartilhar seu conhecimentosobre a ferramenta, mas não só isso, pois agoravocê poderá compartilhar uma infinidade de outrosconhecimentos usando as páginas sociais comoinstrumento de ensino. Você também faz parte daconstrução dos novos conhecimentos...
  28. 28. Para “estar atualizado” não é preciso ter “todas”as informações, mas é preciso aprender aencontrá-las, compreendê-las, utilizá-las,modificá-las, expandi-las e compartilhá-las. E éexatamente isso que precisamos ensinar às novasgerações! E não é nada fácil ensinar ao outroaquilo nem nós mesmos sabemos; por issoprecisamos aprender a aprender antes de tentarensinar isso aos nossos alunos. Se você mesmonão se sentir capaz de aprender, nunca vaidesenvolver essa competência em seus alunos.
  29. 29. Se você acha que esses “novos” paradigmas vãoresolver o seu problema, se acha que elesbastam, ou apenas concorda com eles, semressalvas, então, talvez você não tenha entendidonada! Todos esses paradigmas juntos significamapenas que cabe a você compreendê-los, aplicá-los, reformulá-los, ampliá-los, reconstruí-los e,então, compartilhar com outros a “sua versão”deles. Aceite-os apenas como um desafio paraque você mesmo possa reescrevê-los ecompartilhá-los com outras pessoas.

×