1
Os Desafios da Implementação do
CBTC
Communication Based Train Control
Fábio Siqueira Netto
2
• Apresentar breve histórico do sistema
CBTC, sua evolução e estado atual
• Discutir a troca de experiências com
outros ...
3
Tópicos
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementaç...
4
1.1 Introdutório Sistema CBTC
• O CBTC é um sistema normatizado pelo padrão 1474 do IEEE,
que define:
“Sistema automátic...
5
• Em meados da década de 1980, Alcatel (Thales) e Bombardier
desenvolveram para o Canadá a primeira alternativa ao siste...
6
1.1 Introdutório Sistema CBTC
Comparação entre os sistemas de Blocos Fixos (Circuitos
de Via) e Blocos Móveis (CBTC)
7
1.1 Introdutório Sistema CBTC
CCO
VIA
TREM
Arquitetura do CBTC segundo o padrão 1474 do IEEE
Fonte: Análise Preliminar d...
8
• Aumento da capacidade de transporte das operadoras
• Menor distância entre trens
• Menor headway
• Maior disponibilida...
9
1.3 O CBTC no Mundo
Fonte: Wikipédia. Status CBTC 2012.
10
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementação do C...
11
• Desde 2009, a CMSP tem trocado experiências com outras
operadoras por meio de visitas, reuniões específicas, fóruns
t...
12
• Visões Gerais das demais operadoras (1):
• Nenhuma operadora tem a demanda e a estrutura de trabalho da
CMSP. Os cená...
13
• Visões Gerais das demais operadoras (2):
• Para as operadoras mais antigas, o CBTC representa uma
grande evolução e i...
14
• Visões Gerais das demais operadoras (3):
• Impôs mudanças na filosofia da operação e nos procedimentos
• Operação e M...
15
• Visões Gerais das demais operadoras (4):
• Muitas versões de software até a considerada final
• Tempo de implementaçã...
16
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementação do C...
17
3.1 Estratégias de Implementação CBTC
• Em linhas operacionais as atividades de manutenção e de
implementação são confl...
18
3.1 Estratégias de Implementação CBTC
X
Implementação
Manutenção
19
3.2 Planejamento e Estratégias (1)
• Deve ser feito planejamento antes do início de quaisquer
atividades de implementaç...
20
3.2 Planejamento e Estratégias (2)
Aplicar técnicas de
gerenciamento de
projetos
Dedicar Hxh de
engenharia em
revisões ...
21
3.2 Planejamento e Estratégias (3)
• Integrador Geral:
– Preferencialmente da área de manutenção ou de
operação
– Preci...
22
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementação do C...
23
• Atividades do CBTC devem ser planejadas entre diversas
áreas da contratada e da operadora:
• Reduz conflitos com as a...
24
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementação do C...
25
5. Sistemas Baseados em Software
• Os sistemas evoluíram mesmo, ou apenas
sofreram pequenas mudanças?
• Se houve evoluç...
26
5. Sistemas Baseados em Software
CCO década 1970 CCO anos 2000
Console trem década 1970 Console trem em 2014
27
5. Sistemas Baseados em Software
Trem década 1970 O mesmo trem em 2014
Sinalização década 1970 Sinalização em 2014
28
5. Sistemas Baseados em Software
• Desafios estratégicos:
– Capacitar equipes de O&M na mesma velocidade da evolução
te...
29
5. Sistemas Baseados em Software
• Exemplo: trens do Metrô de São Paulo
– 15 frotas diferentes, da década de 1970 até h...
30
5. Sistemas Baseados em Software
• Pontos de atenção:
– A lógica de operação dos novos sistemas está no software
– A se...
31
5. Sistemas Baseados em Software
• Características dos softwares utilizados em metroferrovias:
– Requisitos rígidos de ...
32
1. Introdutório Sistema CBTC
2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras
3. Estratégia de implementação do C...
33
1. A percepção do CBTC para boa parte das operadoras mais
antigas é de evolução, pois elas partem de sistemas simples
d...
34
5. A Figura do Integrador Geral tem forte relação com o sucesso
na logística de implementação ou modernização de sistem...
35
6. Considerações Finais (3)
9. A diferente cultura entre CMSP e demais operadoras fazem
com que o conhecimento técnico ...
36
Agradecemos a atenção
Fábio Siqueira Netto
Fone: +55-11-5060-4518
fabio.siqueira@metrosp.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AEAMESP Tecnologia - Palestra "Os Desafios da Implementação do CBTC"

655 visualizações

Publicada em

Palestra organizada pela AEAMESP e realizada no Auditório no Metrô, dia 15/07/14, ministrada por Fabio Siqueira Netto

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
126
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AEAMESP Tecnologia - Palestra "Os Desafios da Implementação do CBTC"

  1. 1. 1 Os Desafios da Implementação do CBTC Communication Based Train Control Fábio Siqueira Netto
  2. 2. 2 • Apresentar breve histórico do sistema CBTC, sua evolução e estado atual • Discutir a troca de experiências com outros Metrôs do Mundo • Apontar os desafios de implementa-lo em linhas operacionais Objetivo
  3. 3. 3 Tópicos 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  4. 4. 4 1.1 Introdutório Sistema CBTC • O CBTC é um sistema normatizado pelo padrão 1474 do IEEE, que define: “Sistema automático contínuo de controle de trens de alta precisão utilizando a determinação da localização do trem, independente dos circuitos de via, de alta capacidade, com comunicações bidirecionais contínuas de dados entre o trem e controladores da via, capazes de implementar as funções de: Automatic Train Protection (ATP) ; Automatic Train Supervisor (ATS) e; opcionalmente as funções de Automatic Train Operation (ATO) .”
  5. 5. 5 • Em meados da década de 1980, Alcatel (Thales) e Bombardier desenvolveram para o Canadá a primeira alternativa ao sistemas baseados em circuito de vias, o TBTC (Transmission-Based Train Control) • A criação do Rádio Digital no início dos anos 90 incentivou a criação de novas tecnologias de controle, entre elas o melhoramento do TBTC, rebatizado para CBTC • Surge o primeiro CBTC operacional em 2003, na linha do Aeroporto de São Francisco – EUA (Automated People Mover - APM) 1.1 Introdutório Sistema CBTC
  6. 6. 6 1.1 Introdutório Sistema CBTC Comparação entre os sistemas de Blocos Fixos (Circuitos de Via) e Blocos Móveis (CBTC)
  7. 7. 7 1.1 Introdutório Sistema CBTC CCO VIA TREM Arquitetura do CBTC segundo o padrão 1474 do IEEE Fonte: Análise Preliminar de Risco do Sistema de Sinalização CBTC: Camargo Jr, J. B.; Almeida Jr, J. R.; Cugnasca, P. S. 12a Semana de Tecnologia Metroferroviária
  8. 8. 8 • Aumento da capacidade de transporte das operadoras • Menor distância entre trens • Menor headway • Maior disponibilidade e confiabilidade • Redução do tempo e dos custos de implementação • Incremento de segurança – safety e security • Novas funções operacionais e ferramentas de manutenção • Interoperabilidade entre plataformas diferentes • Menor consumo de energia 1.2 Expectativas Iniciais do CBTC
  9. 9. 9 1.3 O CBTC no Mundo Fonte: Wikipédia. Status CBTC 2012.
  10. 10. 10 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  11. 11. 11 • Desde 2009, a CMSP tem trocado experiências com outras operadoras por meio de visitas, reuniões específicas, fóruns técnicos, congressos e testes em fábricas • Operadoras que a CMSP já teve contato: 2. Troca de Experiências CBTC em operação CBTC em Implementação Milão Santiago Madrid e Barcelona Bruxelas Panamá Toronto Londres Viena* * Viena não tem projetos do CBTC em andamento, apenas conversou sobre a tecnologia
  12. 12. 12 • Visões Gerais das demais operadoras (1): • Nenhuma operadora tem a demanda e a estrutura de trabalho da CMSP. Os cenários operacionais e de manutenção são muitos diferentes, gerando perspectivas também diferentes sobre o CBTC 2. Troca de Experiências CMSP horário de Pico TMB (Barcelona) em horário de pico
  13. 13. 13 • Visões Gerais das demais operadoras (2): • Para as operadoras mais antigas, o CBTC representa uma grande evolução e isto faz com exista maior tolerância com eventuais pendências 2. Troca de Experiências
  14. 14. 14 • Visões Gerais das demais operadoras (3): • Impôs mudanças na filosofia da operação e nos procedimentos • Operação e Manutenção deveriam ter sido integradas ao projeto • A quebra de paradigma mais complexa é no contexto cultural e não nos aspectos técnicos • As funções de regulação do ATS são, neste momento, ponto crítico do CBTC • A substituição de sistemas antigos por CBTC é muito mais complexa que a instalação em linha nova e requer, no mínimo, três vezes mais o tempo 2. Troca de Experiências
  15. 15. 15 • Visões Gerais das demais operadoras (4): • Muitas versões de software até a considerada final • Tempo de implementação superior ao estimado (linhas operac.) • Diferenças culturais: • Entre fornecedores e operadoras: prejudicam o bom andamento dos projetos, mas podem ser contornadas • Equipes de um mesmo fornecimento alocadas em países diferentes dificultam a agilidade na resolução de problemas • Requisitos para sistemas de baixa e alta demanda são totalmente diferentes: UTO (baixas/médias) x Driverless (médias/altas) 2. Troca de Experiências
  16. 16. 16 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  17. 17. 17 3.1 Estratégias de Implementação CBTC • Em linhas operacionais as atividades de manutenção e de implementação são conflitantes por natureza • Pré-requisitos de manutenção: • Obedecer a programação de atividades para se atender os planos de manutenção (desempenho e confiabilidade) • Sistemas e equipamentos devem estar disponíveis para a execução dessas atividades • Pré-requisitos da implementação de sistemas: • Atender escopo, prazo e custo previstos em projeto • Ter acesso irrestrito aos sistemas e equipamentos para a execução do projeto
  18. 18. 18 3.1 Estratégias de Implementação CBTC X Implementação Manutenção
  19. 19. 19 3.2 Planejamento e Estratégias (1) • Deve ser feito planejamento antes do início de quaisquer atividades de implementação • Tal planejamento deve contar com envolvimento de equipes de O&M: • Estabelecimento de acordo de trabalho inicial que defina os horários de trabalho, recursos necessários e quantidade semanal de acesso • Realização de reuniões semanais para estabelecimento das estratégias de convivência com as atividades de O&M • Criar documento que registre os desvios encontrados e sirva de referência para outras implementações
  20. 20. 20 3.2 Planejamento e Estratégias (2) Aplicar técnicas de gerenciamento de projetos Dedicar Hxh de engenharia em revisões de procedimentos Inserir nas especificações as lições aprendidas e restrições inerentes das atividades de O&M Trocar experiências com outras operadoras Definir a figura de um Integrador Geral
  21. 21. 21 3.2 Planejamento e Estratégias (3) • Integrador Geral: – Preferencialmente da área de manutenção ou de operação – Precisa de uma equipe fixa de apoio formada por especialistas – Deve ter respaldo da alta administração – Deve ter habilidade para administrar conflitos
  22. 22. 22 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  23. 23. 23 • Atividades do CBTC devem ser planejadas entre diversas áreas da contratada e da operadora: • Reduz conflitos com as atividades de O&M • Proporciona integração entre os envolvidos no processo • Maior produtividade e qualidade nas atividades de implementação • O processo de implantação do CBTC tem de ser lento, em virtude das mudanças envolvidas • O CBTC não pode ser tratado apenas como uma evolução tecnológica – impõe mudanças culturais 4. Lições aprendidas
  24. 24. 24 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  25. 25. 25 5. Sistemas Baseados em Software • Os sistemas evoluíram mesmo, ou apenas sofreram pequenas mudanças? • Se houve evolução, será que ela é mesmo significativa?
  26. 26. 26 5. Sistemas Baseados em Software CCO década 1970 CCO anos 2000 Console trem década 1970 Console trem em 2014
  27. 27. 27 5. Sistemas Baseados em Software Trem década 1970 O mesmo trem em 2014 Sinalização década 1970 Sinalização em 2014
  28. 28. 28 5. Sistemas Baseados em Software • Desafios estratégicos: – Capacitar equipes de O&M na mesma velocidade da evolução tecnológica – Preparar o ambiente para novos paradigmas – Criar mecanismos que minimizem a forte dependência de fornecedores • Desafios táticos: – Desenvolver novas estratégias de O&M – Identificar todos os componentes operados por software – Planejar e controlar a obsolescência dos sistemas baseados em software – Desenvolver política de controle de versões de softwares
  29. 29. 29 5. Sistemas Baseados em Software • Exemplo: trens do Metrô de São Paulo – 15 frotas diferentes, da década de 1970 até hoje – 10 frotas possuem números significativos de softwares – 900 é a quantidade aproximada de softwares nessas frotas • 500 estão embarcados (aplicativos) • 400 são para manutenção
  30. 30. 30 5. Sistemas Baseados em Software • Pontos de atenção: – A lógica de operação dos novos sistemas está no software – A segurança de novos sistemas – security e safety – estão no software • Problema: conhecimento de software é de domínio público
  31. 31. 31 5. Sistemas Baseados em Software • Características dos softwares utilizados em metroferrovias: – Requisitos rígidos de segurança – Tempo de resposta baixíssimo – Tolerância à falhas – Alta disponibilidade e confiabilidade • Rotinas de Testes em Softwares: – Assegura o atendimento aos requisitos definidos em projeto – Atende as necessidades operacionais – Procura por problemas para garantir a qualidade do sistema
  32. 32. 32 1. Introdutório Sistema CBTC 2. Troca de experiências da CMSP com outras operadoras 3. Estratégia de implementação do CBTC (linhas operacionais) 4. Lições aprendidas pela CMSP sobre implementação CBTC 5. Adendo: preocupações com as questões de software em sistemas metroferroviários 6. Considerações Finais
  33. 33. 33 1. A percepção do CBTC para boa parte das operadoras mais antigas é de evolução, pois elas partem de sistemas simples de sinalização 2. Tal percepção favorece o aceite do CBTC com pendências funcionais, pois há ganhos mesmo com essas pendências 3. Implementação ou modernização de sistemas em linhas operacionais não são atividades triviais 4. Para que as atividades de O&M não sejam prejudicadas, o planejamento dessas implementações deve ser feito em conjunto entre operadora e contratado 6. Considerações Finais (1)
  34. 34. 34 5. A Figura do Integrador Geral tem forte relação com o sucesso na logística de implementação ou modernização de sistemas em linhas operacionais 6. Preferencialmente, implantar CBTC em uma linha por vez, acumulando conhecimento e experiência para as demais 7. Novos sistemas exigem novas culturas de operação e de manutenção. A transformação é grande e demanda tempo para acontecer 8. Choque cultural da CMSP com outras operadoras: abordagens diferentes sobre segurança do sistema (safety x security) 6. Considerações Finais (2)
  35. 35. 35 6. Considerações Finais (3) 9. A diferente cultura entre CMSP e demais operadoras fazem com que o conhecimento técnico da CMSP nem sempre seja considerado por fornecedores estrangeiros
  36. 36. 36 Agradecemos a atenção Fábio Siqueira Netto Fone: +55-11-5060-4518 fabio.siqueira@metrosp.com.br

×