A arte do século XVII
Com o Renascimento, o Homem ganhou o papel 
de senhor dos mares, dos conhecimentos, etc. 
Esse era o Antropocentrismo. 
Co...
O Barroco ou Seiscentismo é um estilo 
artístico que predominou no século XVII, e que, 
portanto, se refletiu na pintura, ...
 O Barroco marca um período de crise espiritual; 
 Havia duas mentalidades diferentes: o pensamento 
antropocêntrico do ...
Características da pintura 
 Claro e escuro; 
 Expressão de 
sentimentos; 
 Luz projetada 
para direcionar o 
observado...
 Conflito antropocentrismo x teocentrismo 
 Mundo material x mundo espiritual 
 Fé x razão 
 Corpo e alma 
 Idealizaç...
 Antítese: jogo de ideias opostas 
 Nasce o sol, e não dura mais que um dia, / Depois da Luz se segue a noite 
escura. 
...
 Cultismo: gosto pelo rebuscamento formal, 
jogos de palavras, grande uso de figuras de 
linguagem e vocabulário sofistic...
Precursor do Barroco no Brasil
 Foi a obra que propagou o estilo barroco no 
Brasil e é, também, a primeira obra 
realmente literária entre nós, sendo, ...
I 
Cantem Poetas o Poder Romano, 
Sobmetendo Nações ao jugo 
duro; 
O Mantuano pinte o Rei Troiano, 
Descendo à confusão d...
 Esse poema, além de traçar elogios aos 
primeiros donatários da capitania de 
Pernambuco, narra o naufrágio sofrido por ...
O orador barroco português no Brasil
 Antônio Vieira nasceu em Portugal, em 1608. 
Veio para o Brasil com 7 anos e começou a 
estudar com os jesuítas. 
 Entr...
 Pe. Antônio pode ser visto como orador, por 
causa de seus sermões, mas também como 
visionário e “homem de ação”, por t...
 Antônio Vieira ligava sua formação jesuítica 
à estética barroca, produzindo sermões que 
tiveram grande repercussão, co...
 Antônio Vieira escreveu três obras com um 
tema profético, sonhador, baseado em 
textos bíblicos e nas professias. 
 Hi...
 Antônio Vieira pôs seus sermões no ramo 
político. 
 Aproveitando-se do púlpito e da catequese 
(únicas formas de propa...
O “Boca do Inferno”
 Gregório nasceu em Salvador, em 1633. Estudou no 
Colégio dos Jesuítas e em Coimbra. Lá, formou-se e 
tornou-se juiz. 
...
 Gregório foi extremamente irreverente, ao 
apontar as contradições da sociedade, a 
falsa moral baiana; e ao criticar to...
POESIA 
LÍRICA SATÍRICA 
AMOROSA FILOSÓFICA RELIGIOSA
 O amor é 
retratado como 
fonte de prazer e 
sofrimento; 
 A mulher é 
retratada como um 
anjo e fonte de 
perdição (po...
 Angústia diante da 
vida 
 Temas abordando o 
desconcerto do mundo 
e a instabilidade dos 
bens materiais 
 Efemeridad...
 O autor está dividido 
entre pecado e virtude 
(sente culpa por pecar e 
busca a salvação) 
 O autor vê o pecado como 
...
 O autor critica a situação 
econômica da Bahia; 
 Há críticas aos moradores 
e ao governo em geral. 
 Vocabulário: 
 ...
Anielly Santos 
Luiz Pedro Mendes 
Matheus Henrique 
Rikally Vitória Cordeiro
Barroco literatura
Barroco literatura
Barroco literatura
Barroco literatura
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Barroco literatura

564 visualizações

Publicada em

Barroco literatura feito por Luiz pedro Mendes
professora : Neide gata

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barroco literatura

  1. 1. A arte do século XVII
  2. 2. Com o Renascimento, o Homem ganhou o papel de senhor dos mares, dos conhecimentos, etc. Esse era o Antropocentrismo. Com o século XVII, por força de acontecimentos religiosos, como a Contrarreforma, os valores religiosos e espirituais reaparecem. Ressurge o Teocentrismo, que passa a conviver com os valores renascentistas.
  3. 3. O Barroco ou Seiscentismo é um estilo artístico que predominou no século XVII, e que, portanto, se refletiu na pintura, na arquitetura e na literatura. Igreja barroca em Ouro Preto - MG São Jerônimo - Caravaggio
  4. 4.  O Barroco marca um período de crise espiritual;  Havia duas mentalidades diferentes: o pensamento antropocêntrico do Renascimento e a religiosidade teocêntrica;  Confusão de ideias:  Aproveitar a vida x Se preparar para a morte;
  5. 5. Características da pintura  Claro e escuro;  Expressão de sentimentos;  Luz projetada para direcionar o observador para o tema central Judith e Holofernes (Caravaggio)
  6. 6.  Conflito antropocentrismo x teocentrismo  Mundo material x mundo espiritual  Fé x razão  Corpo e alma  Idealização amorosa  Culpa cristã  Raciocínios complexos  Carpe diem  Gosto pelo soneto
  7. 7.  Antítese: jogo de ideias opostas  Nasce o sol, e não dura mais que um dia, / Depois da Luz se segue a noite escura.  Paradoxos: união de ideias que se anulam  Incêndio em mares de água disfarçado; / Rio de neve em fogo convertido.  Metáfora: comparação implícita  Se és fogo, como passas brandamente? / Se és neve, como queimas com porfia?  Inversões: frases com disposição inversa  Ofendido vos tem minha maldade. (Minha maldade vos tem ofendido)
  8. 8.  Cultismo: gosto pelo rebuscamento formal, jogos de palavras, grande uso de figuras de linguagem e vocabulário sofisticado. Usa também elementos sensoriais: som, cor, forma, volume, etc.  Conceptismo: jogo de ideias, sutilezas do pensamento lógico, analogias, paradoxos, etc.
  9. 9. Precursor do Barroco no Brasil
  10. 10.  Foi a obra que propagou o estilo barroco no Brasil e é, também, a primeira obra realmente literária entre nós, sendo, por isto, um marco da nossa literatura.  É um poema épico a Jorge de Albuquerque Coelho, donatário da capitania de Pernambuco, publicado em 1601, em versos decassílabos, dispostos em oitava rima. Frequentemente imita os Lusíadas e reflete pouco o ambiente da Colônia.
  11. 11. I Cantem Poetas o Poder Romano, Sobmetendo Nações ao jugo duro; O Mantuano pinte o Rei Troiano, Descendo à confusão do Reino escuro; Que eu canto um Albuquerque soberano, Da Fé, da cara Pátria firme muro, Cujo valor e ser, que o Ceo lhe inspira, Pode estancar a Lácia e Grega lira. II As Délficas irmãs chamar não quero, que tal invocação é vão estudo; Aquele chamo só, de quem espero A vida que se espera em fim de tudo. Ele fará meu Verso tão sincero, Quanto fora sem ele tosco e rudo, Que per rezão negar não deve o menos Quem deu o mais a míseros terrenos. TEIXEIRA, Bento.
  12. 12.  Esse poema, além de traçar elogios aos primeiros donatários da capitania de Pernambuco, narra o naufrágio sofrido por um deles, o donatário Jorge Albuquerque Coelho. Apesar de os críticos o considerarem de pouco valor literário, o texto tem seu valor histórico.
  13. 13. O orador barroco português no Brasil
  14. 14.  Antônio Vieira nasceu em Portugal, em 1608. Veio para o Brasil com 7 anos e começou a estudar com os jesuítas.  Entrou, por vontade própria, na Companhia de Jesus, iniciando seu noviciado com 15 anos.  Suas obras pertencem tanto à literatura portuguesa quanto à brasileira.
  15. 15.  Pe. Antônio pode ser visto como orador, por causa de seus sermões, mas também como visionário e “homem de ação”, por ter se envolvido em causas políticas.
  16. 16.  Antônio Vieira ligava sua formação jesuítica à estética barroca, produzindo sermões que tiveram grande repercussão, como:  “Sermão da Sexagésima” (arte de pregar)  “Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as da Holanda” (contra a invasão holandesa)  “Sermão de Santo Antônio (aos peixes)” (contra a escravidão indígena)  “Sermão do mandato” (amor místico)
  17. 17.  Antônio Vieira escreveu três obras com um tema profético, sonhador, baseado em textos bíblicos e nas professias.  Histórias do futuro;  Esperanças de Portugal; (ressurreição de D. João IV)  Clavis prophetarum. (chave dos profetas)
  18. 18.  Antônio Vieira pôs seus sermões no ramo político.  Aproveitando-se do púlpito e da catequese (únicas formas de propagação de ideias da época), espalhou sua visão acerca da defesa do índio, da invasão holandesa,
  19. 19. O “Boca do Inferno”
  20. 20.  Gregório nasceu em Salvador, em 1633. Estudou no Colégio dos Jesuítas e em Coimbra. Lá, formou-se e tornou-se juiz.  Ficou conhecido por suas sátiras e, por causa delas, foi perseguido pelo governador da Bahia. Foi exilado em Angola e, ao voltou doente.  Proibido de entrar na Bahia, morreu em Recife, em 1696.
  21. 21.  Gregório foi extremamente irreverente, ao apontar as contradições da sociedade, a falsa moral baiana; e ao criticar todo e qualquer grupo social: comerciantes, governantes, escravos, mulheres, fidalgos, etc.  Por esse motivo, recebeu a alcunha de BOCA DO INFERNO.  Suas obras apresentam críticas, vocábulos indígenas e africanos e palavras de baixo calão
  22. 22. POESIA LÍRICA SATÍRICA AMOROSA FILOSÓFICA RELIGIOSA
  23. 23.  O amor é retratado como fonte de prazer e sofrimento;  A mulher é retratada como um anjo e fonte de perdição (pois desperta o desejo carnal);  Dualismo carne x espírito. Anjo no nome, Angélica na cara, Isso é ser flor, e Anjo juntamente, Ser Angélica flor, e Anjo florente, Em quem, se não em vós se uniformara? Quem veria uma flor, que a não cortara De verde pé, de rama florescente? E quem um Anjo vira tão luzente, Que por seu Deus, o não idolatrara? Se como Anjo sois dos meus altares, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo, que tão bela, e tão galharda, Posto que os Anjos nunca dão pesares, Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. Vocabulário Uniformar: tornar uniforme, com uma só forma Galharda: elegante
  24. 24.  Angústia diante da vida  Temas abordando o desconcerto do mundo e a instabilidade dos bens materiais  Efemeridade das coisas Moraliza o Poeta nos Ocidentes do Sol a Inconstância dos Bens do Mundo Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas a alegria. Porém se acaba o Sol, por que nascia? Se formosa a Luz é, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o gosto da pena assim se fia? Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. Começa o mundo enfim pela ignorância, E tem qualquer dos bens por natureza A firmeza somente na inconstância. Vocabulário: Pena: dor, sofrimento
  25. 25.  O autor está dividido entre pecado e virtude (sente culpa por pecar e busca a salvação)  O autor vê o pecado como um erro humano, mas também, como a única forma de Deus cometer o ato do perdão.  O eu-lírico, muitas vezes, se comporta como advogado que faz a própria defesa diante de Deus (para tal, usava, até mesmo, trechos da Bíblia) Ofendi-vos, meu Deus, bem é verdade; É verdade, meu Senhor, que hei delinquido, Delinquido vos tenho, e ofendido, Ofendido vos tem minha maldade. Maldade, que encaminha à vaidade, Vaidade, que todo me há vencido; Vencido quero ver-me, e arrependido, Arrependido a tanta enormidade. Arrependido estou de coração, De coração vos busco, dai-me abraços, Abraços, que me rendem vossa luz. Luz, que claro me mostra a salvação, A salvação pretendo em tais abraços, Misericórdia, amor, Jesus, Jesus!
  26. 26.  O autor critica a situação econômica da Bahia;  Há críticas aos moradores e ao governo em geral.  Vocabulário:  Carepa: caspa, sujeira;  Vil: ordinário;  Increpar: censurar, repreender;  Garlopa: ferramenta de marcenaria, termo usado como sinônimo de trabalho braçal. Cousas da Vida Neste mundo é mais rico, o que mais rapa: Quem mais limpo se faz, tem mais carepa: Com sua língua ao nobre o vil decepa: O Velhaco maior sempre tem capa. Mostra o patife da nobreza o mapa: Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa Quem menos falar pode, mais increpa: Quem dinheiro tiver, pode ser Papa. A flor baixa se inculca por Tulipa; Bengala hoje na mão, ontem garlopa: Mais isento se mostra, o que mais chupa. Para a tropa do trapo vazo a tripa, E mais não digo, porque a Musa topa Em apa, epa, ipa, opa, upa.
  27. 27. Anielly Santos Luiz Pedro Mendes Matheus Henrique Rikally Vitória Cordeiro

×