SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
José Eduardo Agualusa foi o escritor escolhido pela equipa para representar a
Angola e a Lusofonia.
Escolhemos alguns dos seus textos, a opinião lúcida e
objetiva patente em alguns dos seus textos.
Reflitamos sobre as suas palavras (umas mais
longínquas outras mais próximas no tempo), sempre
pertinentes e atuais.1
Não esqueçamos que pertencermos à “lusofonia” é muito mais do que falarmos
a mesma língua: é a sua cultura que lhe é intrínseca, é a nossa luta, enquanto
portugueses e orgulhosos na nossa língua e nessa mesma cultura que urge
NUNCA ESQUECER…Afinal, como muito bem diz Pessoa “A minha pátria é a
língua portuguesa”.
A quem (não) interessa a lusofonia?

José Eduardo Agualusa

Na tomada de posse do novo Governo português2, José Sócrates3 reservou um curto
parágrafo, já no final do seu discurso, para assegurar que a lusofonia constituirá um
dos vértices do triângulo estratégico da política externa portuguesa, sendo os outros
dois a União Europeia e os Estados Unidos. Não explicou porquê. Creio, no entanto,

1

Os textos transcritos têm supressões, sublinhados e itálicos da responsabilidade da equipa.

2

Realizou-se a 12 de Março de 2005 a cerimónia da entrada em funções do XVII Governo Constitucional português.

3

Primeiro-ministro português, desde esta data.

Página1

que vale a pena fazer a pergunta: para que serve aos portugueses a lusofonia?
Ainda antes – o que diabo é isso?
Finalmente, resta uma terceira questão a considerar: estarão os chamados
países lusófonos interessados na lusofonia?
Viajei bastante, ao longo dos últimos anos, pelos países e territórios onde se
fala a nossa língua. Verifiquei durante essas viagens que a palavra lusofonia não
significa exactamente a mesma coisa em todos esses lugares. Creio, inclusive,
que a maioria dos cidadãos lusófonos não sabe muito bem o que ela significa.
Mesmo no Brasil, cujos habitantes, na sua esmagadora maioria, falam português
como língua materna, inúmeras vezes me achei na situação de ter de explicar o
que se pode entender (ou o que eu entendo) por lusofonia. Já em Angola, em
Moçambique, e até em Goa, a palavra desperta frequentemente suspeitas ferozes.
Não significa isto que se deva abandonar o termo – muito menos o conceito – até
porque já não é provável que entretanto se consiga forjar outro melhor. Mas
talvez devêssemos começar por investir no esclarecimento e no debate.

A lusofonia é, simultaneamente, mais, e menos, do que o conjunto dos
países onde se fala português. É mais, porque inclui os imigrantes lusófonos,
cujo número, em países como os Estados Unidos, a França ou a África do Sul,
ultrapassa até, por exemplo, a população do arquipélago de São Tomé e
Príncipe. Inclui ainda fragmentos dispersos de populações de matriz
portuguesa, que, não obstante o isolamento, continuam a falar português

de língua portuguesa, como em Timor ou em Moçambique, só uma reduzida

Página2

desde o berço, como acontece em Diu. É menos, porque em alguns dos países
percentagem da população se comunica em português. Importa ainda referir
que em todos os países de língua portuguesa, incluindo em Portugal, se falam
outras línguas nacionais.
(…) Obviamente não será fácil para Portugal manter uma identidade forte,
dentro de uma Europa alargada, se perder a ligação ao espaço lusófono. O
desafio para Portugal passa pois por construir, a partir da lusofonia, enquanto
memória histórica, um novo rosto para o futuro, e isto sem comprometer nem a
sua segurança nem a sua prosperidade.
A última questão talvez seja a mais difícil de responder. Creio que os maiores
inimigos de um projecto lusófono moderno não estão fora das fronteiras dos
nossos países. Vivem entre nós, e são milhões. Muitas das pessoas que em
Angola, em Moçambique ou em Timor, reagem com desconfiança, senão
mesmo com violência, à simples menção da palavra lusofonia, fazem-no por
receio de que a sua própria identidade linguística e cultural possa ser
ameaçada pela afirmação e crescimento de um tal projecto. Convém escutar e
dialogar com estas pessoas, ao invés de combatê-las. São receios fundados. A
língua portuguesa enraizou-se em Angola, após a independência, com uma
rapidez absolutamente extraordinária, devendo ser já o principal idioma materno
dos angolanos, mas isso fez-se de forma brutal e implicou resistências. As
correntes xenófobas, racistas e ruidosamente antiportuguesas que hoje prosperam

Página3

em Angola aproveitam-se, naturalmente, do rancor resultante deste fenómeno.
No Brasil, país gigantesco, em larga medida ignorante de si mesmo, quanto
mais do que lhe é exterior, a indiferença costuma ser o principal sentimento
quando se fala de lusofonia. Alguma coisa, todavia, está a mudar. A nível
institucional o Brasil começou a desenhar, com o Governo de Lula, uma política
externa que passa pela sua afirmação no espaço da língua portuguesa. A nível
cultural assiste-se a um claro florescimento das relações entre o Brasil e Portugal,
por um lado, e o Brasil e África, por outro.
Infelizmente há ainda em Portugal quem veja no Brasil um concorrente no que
respeita à cooperação com os países africanos onde se fala a nossa língua, ao
invés de um parceiro. Por outro lado, a forma, digamos, pouco firme, como os
sucessivos governos portugueses, desde 1975, têm lidado com os regimes
africanos não democráticos também não contribuiu em nada para o
desenvolvimento nesses países de uma simpatia para com os ideais da
lusofonia.
(…)
Crónica saída na revista dominical do jornal português “Público”, do dia 20 de Março de

Página4

2005, com o título original "Deveria ser a base, José, e não um vértice".
Discurso sobre o fulgor da língua
José Eduardo Agualusa
O Velho Firmino rondava-nos vagamente por ali, sempre absorto, extraviado,
soprando no ar ensopado misteriosas ladainhas. Eu via-o descer as escadas
tropeçando em aliterações:
“E fria, fluente, frouxa claridade
Flutua como as brumas de um letargo.”
(…)

A Fernando Pessoa, esse, amava-o ainda com maior fervor. A ele e a toda a sua
legião de heterónimos. Rezava-os:

“Mas em torno à tarde se entorna
A atordoar o ar que arde
Que a eterna tarde já não torna!
E em tom de atoarda todo o alarde
Do adornado ardor transtorna
No ar de torpor da tarda tarde.”
Eu deixava-me afundar no ar de torpor da tarda tarde. (…)
Chegara ali como um náufrago, de mochila às costas, e logo me fascinara o
improvável alfarrabista, ou sebo, nome mais comum no Brasil, ocupando por inteiro
os dois andares de um fatigado casarão colonial. (…) No sebo do Velho Firmino

Carrapatos haviam contribuído com o seu demorado labor para aquele esplêndido

Página5

Carrapato, porém, a desordem era legítima e muito antiga. Três gerações de
caos. Os livros multiplicavam-se, empilhados pelo chão, ou desalinhados por metros
e metros de incertas estantes em alumínio, sem outra lógica que não fosse a da sua
chegada ali. O Velho Firmino dispusera cinco ou seis redes amarradas às colunas,
junto às largas portadas abertas para a rua, de forma que era possível folhear os
livros com alguma comodidade, rezando para que a brisa da tarde fosse capaz de
abrandar o calor, sim, mas não forte o suficiente para transformar em irremediável
pó, pura poeira erudita, os papéis antigos.
Firmino gostava de mim. Estranhara ao princípio o meu sotaque – de onde vinha
eu? Angola?! –, olhara-me perplexo:
“Na África?! E lá falam português?...”
Disse-lhe que sim, que falávamos português, tal como muita gente em
Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor, e, é claro,
em Portugal. Não, isso não, contestou o velho, em Portugal não. Os portugueses já
mal falam português. Na verdade, acrescentou, nem sequer se pode dizer que
falem, isso carece de demonstração. Ele vira, meses atrás, um filme português e não
compreendera uma única palavra. Os actores emitiam uns vagos murmúrios,
mantendo a boca fechada, como se fossem ventríloquos, com a diferença de que os
bons ventríloquos falam pelo próprio umbigo, ou o alheio, falam pelos cotovelos,
falam inclusive pela boca fechada de um português, e sempre com relativa clareza.
Argumentei, já um pouco irritado, que isso tinha a ver com a deficiente qualidade

alguns dos actores, e depois dei o braço a torcer, e concordei que sim, que os filmes

Página6

técnica do som dos filmes portugueses, bem como, é certo, com a má dicção de
portugueses deviam ser exibidos com legendas, não apenas no Brasil mas também
em Portugal. Estávamos nisto quando, sereno como um milagre, entrou na loja um
português. Era um homem franzino, e no entanto sólido e elegante, com o crânio
rapado, uma barbicha rala, bem desenhada, uns óculos de aros redondos, em prata,
que deviam ser herança de algum remoto antepassado.
“Boa tarde! Posso entrar?”
Também ele falava sem abrir a boca, mas parecia simpático, de forma que o
chamei, apresentei-lhe o alfarrabista, e em breves palavras dei-lhe conta da nossa
querela. Um pequeno clarão iluminou os óculos do português e ele sorriu. A questão
recordava-lhe uma tese que Agostinho da Silva defendia. Talvez a tese de Agostinho
nos parecesse um tanto bizarra e sem suporte científico – mas era poética. Disse
isto e ficou muito sério:
“A poesia acerta mais do que a ciência. Na natureza, por exemplo, a beleza é
utilitária, isto é, não existe no universo fulgor sem serventia. Se os cientistas
fossem à procura da beleza ao invés da funcionalidade chegariam mais depressa
à funcionalidade.”
Segundo Agostinho da Silva as línguas
afeiçoam-se às geografias que colonizam. Num
horizonte amplo, desafogado, o sotaque é mais
aberto, e numa paisagem fechada ele tende a fechar-se. Assim, no Brasil, em

Página7

Angola ou em Moçambique as pessoas falam a nossa língua abrindo mais as
vogais, e nos Açores, na Madeira, em Portugal continental, mas também em Cabo
Verde, fecham-nas.
Foi assim, através da poesia, que o português conquistou o árduo coração de
Firmino Carrapato. Naquela tarde fossou tranquilamente pelos salões, sem pressa,
não hesitando em desfazer e refazer as pilhas poeirentas. Quando a luz já começava
a declinar chamou o velho. Firmino foi estudando com vagar os livros que o
português escolhera. Lia alto o título, via o estado da lombada, sopesava-os. Um
deles, um grosso volume ricamente encadernado, pareceu intrigá-lo:
“Discurso sobre o Fulgor da Língua? Foi um doutor daqui, do Maranhão, que
escreveu isso, mas nunca ninguém o leu. Tem a certeza que quer levar?”
O português assentiu com a cabeça. O velho murmurou qualquer coisa (pareceume reconhecer um verso de Pessoa) e depois encolheu os ombros:
“Tá bom. Esse eu ofereço...”
Uma semana depois dei com o português sentado num bar de rastafáris. Estava
feliz como um rio. Antes que eu lhe perguntasse alguma coisa mostrou-me um
papel:
"Quem achar este bilhete queira por favor dirigir-se ao meu advogado, em São
Luís do Maranhão, com o exemplar do livro onde o encontrou”. Vinha depois o nome
e o endereço do advogado.
O português sorriu:

Página8

“Você não vai acreditar: herdei um casarão em Alcântara!”
O bilhete fora escrito pelo autor do grosso volume que o Velho Firmino lhe
oferecera. O infeliz falecera anos atrás, desiludido com a desatenção do mundo, mas
não sem antes ter redigido um testamento em que doava o palacete da família a
quem quer que provasse ter comprado e lido o seu único livro. O português exultou:
“E sabe uma coisa? O livro é bom!”
in Catálogo de Sombras: Contos, Lisboa, Dom Quixote, 2003, pp. 51-58 : 13/03/2003

Acorda, Acordo,
ou dorme para sempre
José Eduardo Agualusa

Participei [no dia 31 de Janeiro p. p.], na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa,
num debate sobre o Acordo Ortográfico — que o Brasil prometeu aplicar este ano,
e Portugal também, tendo Portugal depois recuado de forma inexplicável.
Pela experiência que ganhei participando em debates públicos cheguei à
conclusão de que as opiniões contrárias ao Acordo Ortográfico resultam:
1) da confusão entre ortografia, as regras da escrita, e linguagem. O Acordo
Ortográfico tem por objectivo a existência de uma única ortografia no espaço da
língua portuguesa, não pretende, o que aliás seria absurdo, unificar as diferentes
variantes da nossa língua.
2) no caso de Portugal, de um enraizado sentimento imperial em relação à língua.
No referido debate, na Casa Fernando Pessoa, este sentimento ficou explícito
quando um espectador se levantou aos gritos: "A língua é nossa!" A História
situa Portugal — na Galiza. Por outro lado, a língua portuguesa tem sido sempre,

Página9

desmente-o. A língua portuguesa formou-se fora do espaço geográfico onde se
ao

longo dos

séculos, uma

criação

colectiva

de

portugueses, africanos, brasileiros e povos asiáticos.
Basta pensar na influência árabe. Se retirarmos todas as
palavras de origem árabe e banto à língua portuguesa,
deixaremos de a conseguir utilizar.
3) de uma série de objecções técnicas ao presente acordo. Muitas delas fazem
sentido. Neste caso parece-me que o mais correcto seria corrigir essas deficiências
e depois aplicar o acordo.
Angola tem mais a ganhar com a existência de uma ortografia única do que
Portugal

ou

o

Brasil.

Não

produzimos

livros.

Porém,

necessitamos

desesperadamente deles. Se queremos educar as nossas populações, e
desenvolver o país, teremos de importar nos próximos anos muitos milhões de
livros. Espero das nossas autoridades que criem rapidamente legislação
tendente a facilitar a entrada de produtos culturais e, em particular, de livros.
Importamos livros de Portugal e do Brasil. Isso significa que temos livros em duas
ortografias no nosso território, facto que suscita natural confusão, sobretudo aos
leitores recentemente alfabetizados — em particular jovens e crianças.
Acrescente-se que um dos maiores desafios que temos pela frente, nos
próximos anos, é o de alfabetizar toda a nossa população. Ora, uma das
virtudes do actual Acordo Ortográfico é precisamente o de facilitar a escrita.
Caso o Acordo Ortográfico não venha a ser aplicado — por resistência de
Portugal —, entendo que Angola deveria optar pela ortografia brasileira. Somos um
país independente. Não devemos nada a Portugal. O Brasil tem cento e oitenta
milhões de habitantes, e produz muito mais títulos, e a preços mais baratos, do que
Portugal. Assim sendo, parece-me óbvio que temos mais vantagem em importar
livros do Brasil do que de Portugal.
No futuro, Portugal pode sempre unir-se à Galiza. Isto supondo que a Galiza não
tenha entretanto começado a aplicar o Acordo Ortográfico, ou, no caso de o Acordo
http://www.ciberduvidas.com/index.php?page=articles&rid=1602

Página10

não vencer, começado a utilizar a ortografia brasileira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralComo Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralJosé Alemão
 
Regras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralRegras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralBrunoXina
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicosameliapadrao
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Pedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António MotaPedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António MotaSónia Alves
 
Lição 20 - Português para Estrangeiros
Lição 20 - Português para EstrangeirosLição 20 - Português para Estrangeiros
Lição 20 - Português para EstrangeirosRoberta Gomez
 
Critérios de avaliação de exposição oral
Critérios de avaliação de exposição oralCritérios de avaliação de exposição oral
Critérios de avaliação de exposição oralbiblioteca123
 
Literatura oral e tradicional
Literatura oral e tradicionalLiteratura oral e tradicional
Literatura oral e tradicionalCélia Gonçalves
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãOguestacbec3
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativaVanda Marques
 
Proposição
ProposiçãoProposição
ProposiçãoLurdes
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresMargarida Tomaz
 
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º ano
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º anoEmbarcações portuguesas dos descobrimentos 5º ano
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º anoGlória Ferreira
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosRenally Arruda
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Como Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação OralComo Fazer Uma Apresentação Oral
Como Fazer Uma Apresentação Oral
 
Teste crónica
Teste crónicaTeste crónica
Teste crónica
 
Regras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oralRegras de uma boa apresentação oral
Regras de uma boa apresentação oral
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
 
Caminho 10
Caminho 10Caminho 10
Caminho 10
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Pedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António MotaPedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António Mota
 
Lição 20 - Português para Estrangeiros
Lição 20 - Português para EstrangeirosLição 20 - Português para Estrangeiros
Lição 20 - Português para Estrangeiros
 
Critérios de avaliação de exposição oral
Critérios de avaliação de exposição oralCritérios de avaliação de exposição oral
Critérios de avaliação de exposição oral
 
Literatura oral e tradicional
Literatura oral e tradicionalLiteratura oral e tradicional
Literatura oral e tradicional
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãO
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
AnáLise Do Texto PoéTico
AnáLise Do Texto PoéTicoAnáLise Do Texto PoéTico
AnáLise Do Texto PoéTico
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
 
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º ano
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º anoEmbarcações portuguesas dos descobrimentos 5º ano
Embarcações portuguesas dos descobrimentos 5º ano
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
Exercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavrasExercícios sobre classes de palavras
Exercícios sobre classes de palavras
 

Semelhante a O fulgor da língua portuguesa

O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010Marcos Gimenes Salun
 
Bases da ortografia portuguesa.pdf
Bases da ortografia portuguesa.pdfBases da ortografia portuguesa.pdf
Bases da ortografia portuguesa.pdfshootingstar1313
 
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonçaInfluencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonçaDaniel Torquato
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eeElisio Estanque
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Ramon Ferreira
 
Monteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesMonteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesTânia Sampaio
 
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de históriaveraff
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docEdilmaBrando1
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docEdilmaBrando1
 
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptVARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptRildeniceSantos
 
Ed#3 novo acordo ortographico
Ed#3  novo acordo ortographicoEd#3  novo acordo ortographico
Ed#3 novo acordo ortographicoautoresalertas
 
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013Alessandra Zuliani
 
A língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoA língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoaDIRIANA SILVI
 

Semelhante a O fulgor da língua portuguesa (20)

O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
 
Bases da ortografia portuguesa.pdf
Bases da ortografia portuguesa.pdfBases da ortografia portuguesa.pdf
Bases da ortografia portuguesa.pdf
 
Lingua legal
Lingua legalLingua legal
Lingua legal
 
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonçaInfluencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
Influencia africana no_portugues_do_brasil - renato mendonça
 
Fenomenos
FenomenosFenomenos
Fenomenos
 
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_eePortugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
Portugues com sotaque publico 2014-11jan_ee
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"Caetano Veloso: "Língua"
Caetano Veloso: "Língua"
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas
 
Língua pdf
Língua pdfLíngua pdf
Língua pdf
 
Monteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesMonteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - Urupes
 
Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)Lusofonía (por Jéssica)
Lusofonía (por Jéssica)
 
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra  - revista de história
A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra - revista de história
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
 
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptVARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
 
Ed#3 novo acordo ortographico
Ed#3  novo acordo ortographicoEd#3  novo acordo ortographico
Ed#3 novo acordo ortographico
 
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013
Newsletter Gulbenkian Fevereiro 2013
 
A língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundoA língua portuguesa no mundo
A língua portuguesa no mundo
 

Mais de Maria Manuela Torres Paredes

Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdf
Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdfConcurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdf
Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdfMaria Manuela Torres Paredes
 
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do texto
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do textoAvaliação da fluência da leitura e compreensão do texto
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do textoMaria Manuela Torres Paredes
 

Mais de Maria Manuela Torres Paredes (20)

Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdf
Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdfConcurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdf
Concurso-Nacional-de-Leitura-Regulamento-interno-2022-2023.pdf
 
EM BUSCA DE PAZ.docx
EM BUSCA DE PAZ.docxEM BUSCA DE PAZ.docx
EM BUSCA DE PAZ.docx
 
EM BUSCA DE PAZ.docx
EM BUSCA DE PAZ.docxEM BUSCA DE PAZ.docx
EM BUSCA DE PAZ.docx
 
Food Campaign for Ukraine.2.ppsx
Food Campaign for Ukraine.2.ppsxFood Campaign for Ukraine.2.ppsx
Food Campaign for Ukraine.2.ppsx
 
ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptxALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
 
Au revoir les enfants.pptx
Au revoir les enfants.pptxAu revoir les enfants.pptx
Au revoir les enfants.pptx
 
2. ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
2. ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx2. ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
2. ALISTADESCHINDLER_PPTFINAL.pptx
 
1. Au revoir les enfants.pptx
1. Au revoir les enfants.pptx1. Au revoir les enfants.pptx
1. Au revoir les enfants.pptx
 
Literacia dos média fake news
Literacia dos média   fake newsLiteracia dos média   fake news
Literacia dos média fake news
 
Ohomemqueplantavarvores iv e v caps
Ohomemqueplantavarvores  iv e v capsOhomemqueplantavarvores  iv e v caps
Ohomemqueplantavarvores iv e v caps
 
Ohomemqueplantavarvores ii e iii caps
Ohomemqueplantavarvores  ii e iii capsOhomemqueplantavarvores  ii e iii caps
Ohomemqueplantavarvores ii e iii caps
 
Página de um diário melody
Página de um diário   melodyPágina de um diário   melody
Página de um diário melody
 
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do texto
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do textoAvaliação da fluência da leitura e compreensão do texto
Avaliação da fluência da leitura e compreensão do texto
 
Ficha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integralFicha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integral
 
Ficha de trabalho - As emoções
Ficha de trabalho - As emoçõesFicha de trabalho - As emoções
Ficha de trabalho - As emoções
 
A menina do chapelinho vermelho
 A menina do chapelinho vermelho A menina do chapelinho vermelho
A menina do chapelinho vermelho
 
Os sapatinhos encantados
Os sapatinhos encantadosOs sapatinhos encantados
Os sapatinhos encantados
 
Jogo de memória
Jogo de memóriaJogo de memória
Jogo de memória
 
Avaliação fluência e compreensão da leitura
Avaliação fluência e compreensão da leituraAvaliação fluência e compreensão da leitura
Avaliação fluência e compreensão da leitura
 
O rapaz do caixote de madeira
O rapaz do caixote de madeiraO rapaz do caixote de madeira
O rapaz do caixote de madeira
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

O fulgor da língua portuguesa

  • 1. José Eduardo Agualusa foi o escritor escolhido pela equipa para representar a Angola e a Lusofonia. Escolhemos alguns dos seus textos, a opinião lúcida e objetiva patente em alguns dos seus textos. Reflitamos sobre as suas palavras (umas mais longínquas outras mais próximas no tempo), sempre pertinentes e atuais.1 Não esqueçamos que pertencermos à “lusofonia” é muito mais do que falarmos a mesma língua: é a sua cultura que lhe é intrínseca, é a nossa luta, enquanto portugueses e orgulhosos na nossa língua e nessa mesma cultura que urge NUNCA ESQUECER…Afinal, como muito bem diz Pessoa “A minha pátria é a língua portuguesa”. A quem (não) interessa a lusofonia? José Eduardo Agualusa Na tomada de posse do novo Governo português2, José Sócrates3 reservou um curto parágrafo, já no final do seu discurso, para assegurar que a lusofonia constituirá um dos vértices do triângulo estratégico da política externa portuguesa, sendo os outros dois a União Europeia e os Estados Unidos. Não explicou porquê. Creio, no entanto, 1 Os textos transcritos têm supressões, sublinhados e itálicos da responsabilidade da equipa. 2 Realizou-se a 12 de Março de 2005 a cerimónia da entrada em funções do XVII Governo Constitucional português. 3 Primeiro-ministro português, desde esta data. Página1 que vale a pena fazer a pergunta: para que serve aos portugueses a lusofonia?
  • 2. Ainda antes – o que diabo é isso? Finalmente, resta uma terceira questão a considerar: estarão os chamados países lusófonos interessados na lusofonia? Viajei bastante, ao longo dos últimos anos, pelos países e territórios onde se fala a nossa língua. Verifiquei durante essas viagens que a palavra lusofonia não significa exactamente a mesma coisa em todos esses lugares. Creio, inclusive, que a maioria dos cidadãos lusófonos não sabe muito bem o que ela significa. Mesmo no Brasil, cujos habitantes, na sua esmagadora maioria, falam português como língua materna, inúmeras vezes me achei na situação de ter de explicar o que se pode entender (ou o que eu entendo) por lusofonia. Já em Angola, em Moçambique, e até em Goa, a palavra desperta frequentemente suspeitas ferozes. Não significa isto que se deva abandonar o termo – muito menos o conceito – até porque já não é provável que entretanto se consiga forjar outro melhor. Mas talvez devêssemos começar por investir no esclarecimento e no debate. A lusofonia é, simultaneamente, mais, e menos, do que o conjunto dos países onde se fala português. É mais, porque inclui os imigrantes lusófonos, cujo número, em países como os Estados Unidos, a França ou a África do Sul, ultrapassa até, por exemplo, a população do arquipélago de São Tomé e Príncipe. Inclui ainda fragmentos dispersos de populações de matriz portuguesa, que, não obstante o isolamento, continuam a falar português de língua portuguesa, como em Timor ou em Moçambique, só uma reduzida Página2 desde o berço, como acontece em Diu. É menos, porque em alguns dos países
  • 3. percentagem da população se comunica em português. Importa ainda referir que em todos os países de língua portuguesa, incluindo em Portugal, se falam outras línguas nacionais. (…) Obviamente não será fácil para Portugal manter uma identidade forte, dentro de uma Europa alargada, se perder a ligação ao espaço lusófono. O desafio para Portugal passa pois por construir, a partir da lusofonia, enquanto memória histórica, um novo rosto para o futuro, e isto sem comprometer nem a sua segurança nem a sua prosperidade. A última questão talvez seja a mais difícil de responder. Creio que os maiores inimigos de um projecto lusófono moderno não estão fora das fronteiras dos nossos países. Vivem entre nós, e são milhões. Muitas das pessoas que em Angola, em Moçambique ou em Timor, reagem com desconfiança, senão mesmo com violência, à simples menção da palavra lusofonia, fazem-no por receio de que a sua própria identidade linguística e cultural possa ser ameaçada pela afirmação e crescimento de um tal projecto. Convém escutar e dialogar com estas pessoas, ao invés de combatê-las. São receios fundados. A língua portuguesa enraizou-se em Angola, após a independência, com uma rapidez absolutamente extraordinária, devendo ser já o principal idioma materno dos angolanos, mas isso fez-se de forma brutal e implicou resistências. As correntes xenófobas, racistas e ruidosamente antiportuguesas que hoje prosperam Página3 em Angola aproveitam-se, naturalmente, do rancor resultante deste fenómeno.
  • 4. No Brasil, país gigantesco, em larga medida ignorante de si mesmo, quanto mais do que lhe é exterior, a indiferença costuma ser o principal sentimento quando se fala de lusofonia. Alguma coisa, todavia, está a mudar. A nível institucional o Brasil começou a desenhar, com o Governo de Lula, uma política externa que passa pela sua afirmação no espaço da língua portuguesa. A nível cultural assiste-se a um claro florescimento das relações entre o Brasil e Portugal, por um lado, e o Brasil e África, por outro. Infelizmente há ainda em Portugal quem veja no Brasil um concorrente no que respeita à cooperação com os países africanos onde se fala a nossa língua, ao invés de um parceiro. Por outro lado, a forma, digamos, pouco firme, como os sucessivos governos portugueses, desde 1975, têm lidado com os regimes africanos não democráticos também não contribuiu em nada para o desenvolvimento nesses países de uma simpatia para com os ideais da lusofonia. (…) Crónica saída na revista dominical do jornal português “Público”, do dia 20 de Março de Página4 2005, com o título original "Deveria ser a base, José, e não um vértice".
  • 5. Discurso sobre o fulgor da língua José Eduardo Agualusa O Velho Firmino rondava-nos vagamente por ali, sempre absorto, extraviado, soprando no ar ensopado misteriosas ladainhas. Eu via-o descer as escadas tropeçando em aliterações: “E fria, fluente, frouxa claridade Flutua como as brumas de um letargo.” (…) A Fernando Pessoa, esse, amava-o ainda com maior fervor. A ele e a toda a sua legião de heterónimos. Rezava-os: “Mas em torno à tarde se entorna A atordoar o ar que arde Que a eterna tarde já não torna! E em tom de atoarda todo o alarde Do adornado ardor transtorna No ar de torpor da tarda tarde.” Eu deixava-me afundar no ar de torpor da tarda tarde. (…) Chegara ali como um náufrago, de mochila às costas, e logo me fascinara o improvável alfarrabista, ou sebo, nome mais comum no Brasil, ocupando por inteiro os dois andares de um fatigado casarão colonial. (…) No sebo do Velho Firmino Carrapatos haviam contribuído com o seu demorado labor para aquele esplêndido Página5 Carrapato, porém, a desordem era legítima e muito antiga. Três gerações de
  • 6. caos. Os livros multiplicavam-se, empilhados pelo chão, ou desalinhados por metros e metros de incertas estantes em alumínio, sem outra lógica que não fosse a da sua chegada ali. O Velho Firmino dispusera cinco ou seis redes amarradas às colunas, junto às largas portadas abertas para a rua, de forma que era possível folhear os livros com alguma comodidade, rezando para que a brisa da tarde fosse capaz de abrandar o calor, sim, mas não forte o suficiente para transformar em irremediável pó, pura poeira erudita, os papéis antigos. Firmino gostava de mim. Estranhara ao princípio o meu sotaque – de onde vinha eu? Angola?! –, olhara-me perplexo: “Na África?! E lá falam português?...” Disse-lhe que sim, que falávamos português, tal como muita gente em Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor, e, é claro, em Portugal. Não, isso não, contestou o velho, em Portugal não. Os portugueses já mal falam português. Na verdade, acrescentou, nem sequer se pode dizer que falem, isso carece de demonstração. Ele vira, meses atrás, um filme português e não compreendera uma única palavra. Os actores emitiam uns vagos murmúrios, mantendo a boca fechada, como se fossem ventríloquos, com a diferença de que os bons ventríloquos falam pelo próprio umbigo, ou o alheio, falam pelos cotovelos, falam inclusive pela boca fechada de um português, e sempre com relativa clareza. Argumentei, já um pouco irritado, que isso tinha a ver com a deficiente qualidade alguns dos actores, e depois dei o braço a torcer, e concordei que sim, que os filmes Página6 técnica do som dos filmes portugueses, bem como, é certo, com a má dicção de
  • 7. portugueses deviam ser exibidos com legendas, não apenas no Brasil mas também em Portugal. Estávamos nisto quando, sereno como um milagre, entrou na loja um português. Era um homem franzino, e no entanto sólido e elegante, com o crânio rapado, uma barbicha rala, bem desenhada, uns óculos de aros redondos, em prata, que deviam ser herança de algum remoto antepassado. “Boa tarde! Posso entrar?” Também ele falava sem abrir a boca, mas parecia simpático, de forma que o chamei, apresentei-lhe o alfarrabista, e em breves palavras dei-lhe conta da nossa querela. Um pequeno clarão iluminou os óculos do português e ele sorriu. A questão recordava-lhe uma tese que Agostinho da Silva defendia. Talvez a tese de Agostinho nos parecesse um tanto bizarra e sem suporte científico – mas era poética. Disse isto e ficou muito sério: “A poesia acerta mais do que a ciência. Na natureza, por exemplo, a beleza é utilitária, isto é, não existe no universo fulgor sem serventia. Se os cientistas fossem à procura da beleza ao invés da funcionalidade chegariam mais depressa à funcionalidade.” Segundo Agostinho da Silva as línguas afeiçoam-se às geografias que colonizam. Num horizonte amplo, desafogado, o sotaque é mais aberto, e numa paisagem fechada ele tende a fechar-se. Assim, no Brasil, em Página7 Angola ou em Moçambique as pessoas falam a nossa língua abrindo mais as
  • 8. vogais, e nos Açores, na Madeira, em Portugal continental, mas também em Cabo Verde, fecham-nas. Foi assim, através da poesia, que o português conquistou o árduo coração de Firmino Carrapato. Naquela tarde fossou tranquilamente pelos salões, sem pressa, não hesitando em desfazer e refazer as pilhas poeirentas. Quando a luz já começava a declinar chamou o velho. Firmino foi estudando com vagar os livros que o português escolhera. Lia alto o título, via o estado da lombada, sopesava-os. Um deles, um grosso volume ricamente encadernado, pareceu intrigá-lo: “Discurso sobre o Fulgor da Língua? Foi um doutor daqui, do Maranhão, que escreveu isso, mas nunca ninguém o leu. Tem a certeza que quer levar?” O português assentiu com a cabeça. O velho murmurou qualquer coisa (pareceume reconhecer um verso de Pessoa) e depois encolheu os ombros: “Tá bom. Esse eu ofereço...” Uma semana depois dei com o português sentado num bar de rastafáris. Estava feliz como um rio. Antes que eu lhe perguntasse alguma coisa mostrou-me um papel: "Quem achar este bilhete queira por favor dirigir-se ao meu advogado, em São Luís do Maranhão, com o exemplar do livro onde o encontrou”. Vinha depois o nome e o endereço do advogado. O português sorriu: Página8 “Você não vai acreditar: herdei um casarão em Alcântara!”
  • 9. O bilhete fora escrito pelo autor do grosso volume que o Velho Firmino lhe oferecera. O infeliz falecera anos atrás, desiludido com a desatenção do mundo, mas não sem antes ter redigido um testamento em que doava o palacete da família a quem quer que provasse ter comprado e lido o seu único livro. O português exultou: “E sabe uma coisa? O livro é bom!” in Catálogo de Sombras: Contos, Lisboa, Dom Quixote, 2003, pp. 51-58 : 13/03/2003 Acorda, Acordo, ou dorme para sempre José Eduardo Agualusa Participei [no dia 31 de Janeiro p. p.], na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, num debate sobre o Acordo Ortográfico — que o Brasil prometeu aplicar este ano, e Portugal também, tendo Portugal depois recuado de forma inexplicável. Pela experiência que ganhei participando em debates públicos cheguei à conclusão de que as opiniões contrárias ao Acordo Ortográfico resultam: 1) da confusão entre ortografia, as regras da escrita, e linguagem. O Acordo Ortográfico tem por objectivo a existência de uma única ortografia no espaço da língua portuguesa, não pretende, o que aliás seria absurdo, unificar as diferentes variantes da nossa língua. 2) no caso de Portugal, de um enraizado sentimento imperial em relação à língua. No referido debate, na Casa Fernando Pessoa, este sentimento ficou explícito quando um espectador se levantou aos gritos: "A língua é nossa!" A História situa Portugal — na Galiza. Por outro lado, a língua portuguesa tem sido sempre, Página9 desmente-o. A língua portuguesa formou-se fora do espaço geográfico onde se
  • 10. ao longo dos séculos, uma criação colectiva de portugueses, africanos, brasileiros e povos asiáticos. Basta pensar na influência árabe. Se retirarmos todas as palavras de origem árabe e banto à língua portuguesa, deixaremos de a conseguir utilizar. 3) de uma série de objecções técnicas ao presente acordo. Muitas delas fazem sentido. Neste caso parece-me que o mais correcto seria corrigir essas deficiências e depois aplicar o acordo. Angola tem mais a ganhar com a existência de uma ortografia única do que Portugal ou o Brasil. Não produzimos livros. Porém, necessitamos desesperadamente deles. Se queremos educar as nossas populações, e desenvolver o país, teremos de importar nos próximos anos muitos milhões de livros. Espero das nossas autoridades que criem rapidamente legislação tendente a facilitar a entrada de produtos culturais e, em particular, de livros. Importamos livros de Portugal e do Brasil. Isso significa que temos livros em duas ortografias no nosso território, facto que suscita natural confusão, sobretudo aos leitores recentemente alfabetizados — em particular jovens e crianças. Acrescente-se que um dos maiores desafios que temos pela frente, nos próximos anos, é o de alfabetizar toda a nossa população. Ora, uma das virtudes do actual Acordo Ortográfico é precisamente o de facilitar a escrita. Caso o Acordo Ortográfico não venha a ser aplicado — por resistência de Portugal —, entendo que Angola deveria optar pela ortografia brasileira. Somos um país independente. Não devemos nada a Portugal. O Brasil tem cento e oitenta milhões de habitantes, e produz muito mais títulos, e a preços mais baratos, do que Portugal. Assim sendo, parece-me óbvio que temos mais vantagem em importar livros do Brasil do que de Portugal. No futuro, Portugal pode sempre unir-se à Galiza. Isto supondo que a Galiza não tenha entretanto começado a aplicar o Acordo Ortográfico, ou, no caso de o Acordo http://www.ciberduvidas.com/index.php?page=articles&rid=1602 Página10 não vencer, começado a utilizar a ortografia brasileira.