SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Análise dos motivos para as atuais manifestações de jovens pelo país
Por João Pedro Roriz
O momento inflacionário grave que o Brasil vive é maquiado com gráficos e
explicações superficiais dadas por um ministro da economia escorregadio que tem um
nome propício para o cargo. Já não é de hoje que a população estranha o atual
“esplendor desenvolvimentista”divulgado pelos meios de comunicação.
Se antigamente, os jovens tinham que optar entre comer no restaurante ou na
lanchonete; pegar táxi ou ônibus; era uma opção relacionada ao preço. Hoje optam em
pegar ônibus ou lanchar. Andam a pé ou ficam com fome. Não há primeiro emprego: há
escravidão! Agora, com a Copa do Mundo, estão elitizando os estádios de futebol.
Moradia própria é para os ricos. Em que País viverão os que estão começando a vida
profissional e que nem sempre possuem incentivo dos pais ou da família?
Chico Buarque em uma de suas canções traçou as possibilidades daqueles que
viviam a aurora de suas vidas em plena era ditatorial: “não sou ladrão, eu não sou bom
de bola, nem posso ouvir clarim”. A realidade não mudou. A falta de interesse das
empresas pelo jovem é evidente: preferem padecer com a falta de funcionários do que
treinar novos talentos. Por sua vez, jovens não costumam ser muito fieis a seus
empregos: aprendem um ofício em determinada empresa para, logo em seguida, leiloar
o seu talento entre as empresas concorrentes. E são poucos os interessados a começar
por baixo. São ansiosos, querem reconhecimento e bons salários sem, contudo,
desenvolver seus potenciais.
O tecnicismo nas universidades é um dos estopins incendiários dos jovens que
idealizam o futuro profissional, mas não vivenciam o dia-a-dia acadêmico e não
possuem gosto pelo saber: entram e saem das universidades sem interesse no
aprendizado, apenas com foco na formação que lhes dará um diploma, um pedaço de
papel que o permitirá dar cabeçadas no mercado.
E qual é a recompensa? Os jovens encontram cada vez mais dificuldade de
deixar a casa dos pais; os planos de saúde além de caros não dão certeza de um bom
atendimento. Os consultórios médicos estão lotados, os hospitais públicos inexistem e
até os particulares sofrem com a falta de recursos. As escolas públicas inexistem, as
particulares sofrem para educar os filhos daqueles que trabalham muito e não têm tempo
para a família. Esse conforto, esse ideal de felicidade proposto por pais super protetores,
deixa a população universitária mal acostumada. Trabalho, palavra derivada do latim
“tripalium” – que significa literalmente “roda de tortura” – torna-se uma árdua tarefa
para muitos. Se antes, os jovens iam para a balada nos finais de semana para
descansarem após uma semana exaustiva de trabalho, hoje, equivocados, buscam
trabalhos que paguem por esses momentos de diversão.
Vivemos um momento paradoxal. Muitos jovens estão saindo às ruas sem saber
por que protestam. Falta liderança nesse tipo de movimento. E muitos manifestantes
agem como moleques mal educados que reivindicam mudanças sem, de fato, sentiremse parte importante dessa imensa engrenagem. As lutas travadas entre manifestantes e
policiais refletem a falta de conhecimento da população sobre seus direitos e deveres.
Os governantes mostram sua inabilidade política ao combater frases de efeito
moral com bombas de efeito moral. Da mesma forma, manifestantes tapam o rosto e
aderem à causa não por interesse social ou idealismo, mas por puro desejo de extravasar
seu ódio e depredar o patrimônio público. Veremos universitários, filhinhos de papai
promovendo vandalismos e ocupando espaços públicos de forma violenta; veremos
marginais aproveitando a oportunidade para atacar pessoas inocentes e veremos muitos
jovens confundindo motivação com falta de opção, opinião com desobediência civil.
Precisamos separar o interesse individual do interesse coletivo dos
manifestantes. Sabemos que hoje existem nas universidades públicas e escolas técnicas
“estudantes profissionais” que ganham salário para permanecer matriculados com o
proposito de captar jovens para partidos com ideais extremistas. Muitos olham as
manifestações como forma de promoção de suas carreiras políticas. Alguns dos atuais
governantes começaram assim suas carreiras e estão diante do espelho.
Esse é momento para a reflexão e não para a guerra. Precisamos refletir sobre os
motivos que levam os universitários às ruas, mas também é preciso avaliar a sua relação
com os novos conceitos políticos e econômicos que regem a força monumental de
regras de nosso grandioso País.
___________________________________

João Pedro Roriz é escritor e jornalista, autor da obra “Almanaque da Cidadania”, entre outros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014
Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014
Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014ObsDrFurb
 
Manifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferençaManifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferençacarla.carlos
 
Apresentacao slide
Apresentacao slideApresentacao slide
Apresentacao slideVZ
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Elisio Estanque
 
O crescente número de suicídios no Brasil
O crescente número de suicídios no BrasilO crescente número de suicídios no Brasil
O crescente número de suicídios no BrasilJoão Mendonça
 
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?Oxfam Brasil
 
Os desafios de viver em sociedade
Os desafios de viver em sociedadeOs desafios de viver em sociedade
Os desafios de viver em sociedadeJoão Mendonça
 
Artigo - A Mulher no Mercado de Trabalho
Artigo - A Mulher no Mercado de TrabalhoArtigo - A Mulher no Mercado de Trabalho
Artigo - A Mulher no Mercado de TrabalhoCaput Consultoria
 
Desigualdade social e_economica
Desigualdade social e_economicaDesigualdade social e_economica
Desigualdade social e_economicaalessandro
 
Desigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimentoDesigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimentoguestf23b61
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOEstadodedireito
 
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaAula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaProf. Noe Assunção
 
O quanto somos hoje desiguais
O quanto somos hoje desiguaisO quanto somos hoje desiguais
O quanto somos hoje desiguaisAdriana Brito
 
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEM
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEMProposta de Intervenção - Competência 5 ENEM
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEMCynthia Funchal
 

Mais procurados (20)

Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014
Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014
Informativo Nós Podemos Santa Catarina - 2014
 
Manifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferençaManifestações de intolerância à diferença
Manifestações de intolerância à diferença
 
Apresentacao slide
Apresentacao slideApresentacao slide
Apresentacao slide
 
Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?Uma 'geringonça' para o Brasil?
Uma 'geringonça' para o Brasil?
 
O crescente número de suicídios no Brasil
O crescente número de suicídios no BrasilO crescente número de suicídios no Brasil
O crescente número de suicídios no Brasil
 
Carta na escola 2014
Carta na escola 2014Carta na escola 2014
Carta na escola 2014
 
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
 
Redações
RedaçõesRedações
Redações
 
Trabalho academico desigualdade social 30 10 16
Trabalho academico desigualdade social 30 10 16Trabalho academico desigualdade social 30 10 16
Trabalho academico desigualdade social 30 10 16
 
Os desafios de viver em sociedade
Os desafios de viver em sociedadeOs desafios de viver em sociedade
Os desafios de viver em sociedade
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Artigo - A Mulher no Mercado de Trabalho
Artigo - A Mulher no Mercado de TrabalhoArtigo - A Mulher no Mercado de Trabalho
Artigo - A Mulher no Mercado de Trabalho
 
Desigualdade social e_economica
Desigualdade social e_economicaDesigualdade social e_economica
Desigualdade social e_economica
 
Desigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimentoDesigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimento
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
 
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º SociologiaAula 1   O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
Aula 1 O trabalho informal no Brasil - 2º Sociologia
 
Brasil em dados.ppt
Brasil em dados.pptBrasil em dados.ppt
Brasil em dados.ppt
 
O quanto somos hoje desiguais
O quanto somos hoje desiguaisO quanto somos hoje desiguais
O quanto somos hoje desiguais
 
Apresentação Ant3tic
Apresentação Ant3ticApresentação Ant3tic
Apresentação Ant3tic
 
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEM
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEMProposta de Intervenção - Competência 5 ENEM
Proposta de Intervenção - Competência 5 ENEM
 

Destaque

Destaque (10)

Crônica jornalística slides
Crônica jornalística slidesCrônica jornalística slides
Crônica jornalística slides
 
Crônicas - Português
Crônicas - PortuguêsCrônicas - Português
Crônicas - Português
 
Crónica literária
Crónica literáriaCrónica literária
Crónica literária
 
A Crónica
A CrónicaA Crónica
A Crónica
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
CrôNicas
CrôNicasCrôNicas
CrôNicas
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Crónicas periodísticas
Crónicas periodísticasCrónicas periodísticas
Crónicas periodísticas
 
Principais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratórioPrincipais vidrarias de laboratório
Principais vidrarias de laboratório
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 

Semelhante a Crônica jornalistica

Juventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfJuventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfAlmirFRANCO4
 
As eleições à luz da história antipovo
As eleições à luz da história antipovoAs eleições à luz da história antipovo
As eleições à luz da história antipovoSerginho Sucesso
 
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovensAtividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovensNeusa Lima
 
Aaa políticas educacionais
Aaa políticas educacionaisAaa políticas educacionais
Aaa políticas educacionaisAndré Oliveira
 
Consumismo e ostentação
Consumismo e ostentaçãoConsumismo e ostentação
Consumismo e ostentaçãoYasnna Tostes
 
A crise dos valores no mundo conteporâneo
A crise dos valores no mundo conteporâneoA crise dos valores no mundo conteporâneo
A crise dos valores no mundo conteporâneoRailane Passos
 
Licínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevistaLicínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevistasandrinavalente
 
Ikatu n°2 nov 2010 digital
Ikatu n°2 nov 2010   digitalIkatu n°2 nov 2010   digital
Ikatu n°2 nov 2010 digitalPedro Otoni
 
Ikatu n°2 nov 2010 digital
Ikatu n°2 nov 2010   digitalIkatu n°2 nov 2010   digital
Ikatu n°2 nov 2010 digitalPedro Otoni
 
Ss não queremos seu dinheiro, só seus filhos!
Ss     não queremos seu dinheiro, só seus filhos!Ss     não queremos seu dinheiro, só seus filhos!
Ss não queremos seu dinheiro, só seus filhos!Luiz Roberto Brandao Pires
 
Caderno de resolu€ ¦ções2
Caderno de resolu€ ¦ções2Caderno de resolu€ ¦ções2
Caderno de resolu€ ¦ções2Vicente
 
Acefaleia e o deficit habitacional
Acefaleia e o deficit habitacionalAcefaleia e o deficit habitacional
Acefaleia e o deficit habitacionalFernando Zornitta
 

Semelhante a Crônica jornalistica (20)

"Terceira Carta" Paulo Freire
"Terceira Carta" Paulo Freire"Terceira Carta" Paulo Freire
"Terceira Carta" Paulo Freire
 
Juventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdfJuventudes 1 ano soc.pdf
Juventudes 1 ano soc.pdf
 
As eleições à luz da história antipovo
As eleições à luz da história antipovoAs eleições à luz da história antipovo
As eleições à luz da história antipovo
 
Criança
CriançaCriança
Criança
 
Criança
CriançaCriança
Criança
 
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovensAtividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
 
Aaa políticas educacionais
Aaa políticas educacionaisAaa políticas educacionais
Aaa políticas educacionais
 
Consumismo e ostentação
Consumismo e ostentaçãoConsumismo e ostentação
Consumismo e ostentação
 
A crise dos valores no mundo conteporâneo
A crise dos valores no mundo conteporâneoA crise dos valores no mundo conteporâneo
A crise dos valores no mundo conteporâneo
 
Licínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevistaLicínio Lima - entrevista
Licínio Lima - entrevista
 
Ikatu n°2 nov 2010 digital
Ikatu n°2 nov 2010   digitalIkatu n°2 nov 2010   digital
Ikatu n°2 nov 2010 digital
 
Ikatu n°2 nov 2010 digital
Ikatu n°2 nov 2010   digitalIkatu n°2 nov 2010   digital
Ikatu n°2 nov 2010 digital
 
Correio
CorreioCorreio
Correio
 
Ss não queremos seu dinheiro, só seus filhos!
Ss     não queremos seu dinheiro, só seus filhos!Ss     não queremos seu dinheiro, só seus filhos!
Ss não queremos seu dinheiro, só seus filhos!
 
Juventude e mercado de trabalho
Juventude e mercado de trabalhoJuventude e mercado de trabalho
Juventude e mercado de trabalho
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?
 
Pelas criancas
Pelas criancasPelas criancas
Pelas criancas
 
Caderno de resolu€ ¦ções2
Caderno de resolu€ ¦ções2Caderno de resolu€ ¦ções2
Caderno de resolu€ ¦ções2
 
Acefaleia e o deficit habitacional
Acefaleia e o deficit habitacionalAcefaleia e o deficit habitacional
Acefaleia e o deficit habitacional
 

Mais de Renally Arruda

Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Renally Arruda
 
Peça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaPeça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaRenally Arruda
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloRenally Arruda
 
Esquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaEsquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaRenally Arruda
 
Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Renally Arruda
 
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASQUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASRenally Arruda
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasRenally Arruda
 
Análise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalAnálise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalRenally Arruda
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevistaRenally Arruda
 
Artigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalArtigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalRenally Arruda
 
Revisao produção pibid
Revisao produção pibidRevisao produção pibid
Revisao produção pibidRenally Arruda
 
Slide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidSlide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidRenally Arruda
 
Slide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidSlide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidRenally Arruda
 

Mais de Renally Arruda (20)

Módulo 2015.2
Módulo 2015.2 Módulo 2015.2
Módulo 2015.2
 
Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2 Sequencia pibid 2015.2
Sequencia pibid 2015.2
 
Memórias literárias
Memórias literáriasMemórias literárias
Memórias literárias
 
Peça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíbaPeça teatral representação da paraíba
Peça teatral representação da paraíba
 
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola griloEntrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
Entrevistas a membros da comunidade quilombola grilo
 
Esquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevistaEsquema para realização da entrevista
Esquema para realização da entrevista
 
Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2Caderno de atividades.2015.2
Caderno de atividades.2015.2
 
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIASQUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
QUIZ MEMÓRIAS LITERÁRIAS
 
Vamos ler
Vamos lerVamos ler
Vamos ler
 
Textualização
TextualizaçãoTextualização
Textualização
 
Slides maquetes
Slides maquetesSlides maquetes
Slides maquetes
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
 
Análise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão finalAnálise das-perguntas versão final
Análise das-perguntas versão final
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Artigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão finalArtigo de opinião dos alunos versão final
Artigo de opinião dos alunos versão final
 
Revisao produção pibid
Revisao produção pibidRevisao produção pibid
Revisao produção pibid
 
Slide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibidSlide sobre coerencia pibid
Slide sobre coerencia pibid
 
O jogo da vida
O jogo da vidaO jogo da vida
O jogo da vida
 
Quem sabe mais
Quem sabe maisQuem sabe mais
Quem sabe mais
 
Slide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibidSlide sobre coerência pibid
Slide sobre coerência pibid
 

Crônica jornalistica

  • 1. Análise dos motivos para as atuais manifestações de jovens pelo país Por João Pedro Roriz O momento inflacionário grave que o Brasil vive é maquiado com gráficos e explicações superficiais dadas por um ministro da economia escorregadio que tem um nome propício para o cargo. Já não é de hoje que a população estranha o atual “esplendor desenvolvimentista”divulgado pelos meios de comunicação. Se antigamente, os jovens tinham que optar entre comer no restaurante ou na lanchonete; pegar táxi ou ônibus; era uma opção relacionada ao preço. Hoje optam em pegar ônibus ou lanchar. Andam a pé ou ficam com fome. Não há primeiro emprego: há escravidão! Agora, com a Copa do Mundo, estão elitizando os estádios de futebol. Moradia própria é para os ricos. Em que País viverão os que estão começando a vida profissional e que nem sempre possuem incentivo dos pais ou da família? Chico Buarque em uma de suas canções traçou as possibilidades daqueles que viviam a aurora de suas vidas em plena era ditatorial: “não sou ladrão, eu não sou bom de bola, nem posso ouvir clarim”. A realidade não mudou. A falta de interesse das empresas pelo jovem é evidente: preferem padecer com a falta de funcionários do que treinar novos talentos. Por sua vez, jovens não costumam ser muito fieis a seus empregos: aprendem um ofício em determinada empresa para, logo em seguida, leiloar o seu talento entre as empresas concorrentes. E são poucos os interessados a começar por baixo. São ansiosos, querem reconhecimento e bons salários sem, contudo, desenvolver seus potenciais. O tecnicismo nas universidades é um dos estopins incendiários dos jovens que idealizam o futuro profissional, mas não vivenciam o dia-a-dia acadêmico e não possuem gosto pelo saber: entram e saem das universidades sem interesse no aprendizado, apenas com foco na formação que lhes dará um diploma, um pedaço de papel que o permitirá dar cabeçadas no mercado. E qual é a recompensa? Os jovens encontram cada vez mais dificuldade de deixar a casa dos pais; os planos de saúde além de caros não dão certeza de um bom atendimento. Os consultórios médicos estão lotados, os hospitais públicos inexistem e até os particulares sofrem com a falta de recursos. As escolas públicas inexistem, as particulares sofrem para educar os filhos daqueles que trabalham muito e não têm tempo para a família. Esse conforto, esse ideal de felicidade proposto por pais super protetores, deixa a população universitária mal acostumada. Trabalho, palavra derivada do latim “tripalium” – que significa literalmente “roda de tortura” – torna-se uma árdua tarefa para muitos. Se antes, os jovens iam para a balada nos finais de semana para descansarem após uma semana exaustiva de trabalho, hoje, equivocados, buscam trabalhos que paguem por esses momentos de diversão. Vivemos um momento paradoxal. Muitos jovens estão saindo às ruas sem saber por que protestam. Falta liderança nesse tipo de movimento. E muitos manifestantes agem como moleques mal educados que reivindicam mudanças sem, de fato, sentiremse parte importante dessa imensa engrenagem. As lutas travadas entre manifestantes e policiais refletem a falta de conhecimento da população sobre seus direitos e deveres. Os governantes mostram sua inabilidade política ao combater frases de efeito moral com bombas de efeito moral. Da mesma forma, manifestantes tapam o rosto e aderem à causa não por interesse social ou idealismo, mas por puro desejo de extravasar
  • 2. seu ódio e depredar o patrimônio público. Veremos universitários, filhinhos de papai promovendo vandalismos e ocupando espaços públicos de forma violenta; veremos marginais aproveitando a oportunidade para atacar pessoas inocentes e veremos muitos jovens confundindo motivação com falta de opção, opinião com desobediência civil. Precisamos separar o interesse individual do interesse coletivo dos manifestantes. Sabemos que hoje existem nas universidades públicas e escolas técnicas “estudantes profissionais” que ganham salário para permanecer matriculados com o proposito de captar jovens para partidos com ideais extremistas. Muitos olham as manifestações como forma de promoção de suas carreiras políticas. Alguns dos atuais governantes começaram assim suas carreiras e estão diante do espelho. Esse é momento para a reflexão e não para a guerra. Precisamos refletir sobre os motivos que levam os universitários às ruas, mas também é preciso avaliar a sua relação com os novos conceitos políticos e econômicos que regem a força monumental de regras de nosso grandioso País. ___________________________________ João Pedro Roriz é escritor e jornalista, autor da obra “Almanaque da Cidadania”, entre outros.