O mundo industrializado no séc

1.541 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.541
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
985
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mundo industrializado no séc

  1. 1. http://www.authorstream.com/Presentation/f15531457169-mundo-industrializado-no-culo-xix/ O MUNDO INDUSTRIALIZADO NO SÉC. XIX http://www.authorstream.com/Presentation/betrue1039653-novos-modelos-culturais/
  2. 2. A EXPANSÃO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  Na segunda metade do Séc. XIX a industrialização estendeu-se a outros países, mas a Inglaterra continua a destacar-se, porque:  Tem matérias primas em quantidade (quer do seu território, quer das colónias)  O seu império permite vender os seus produtos  Grande frota e infraestruturas (pontes, estradas, caminhos de ferro) Os ingleses 1/3 de toda a produção industrial
  3. 3. OUTRAS POTÊNCIAS  Novas potências industrializadas:     França – desenvolveu os transportes ferroviários – permite o desenvolvimento do mercado interno. Alemanha – com a união aduaneira e a unificação politica iniciou o desenvolvimento industrial E.U.A. – Extenso e rico território, população emigrante jovem e ambiciosa Japão – com o fim das estruturas feudais e aumento da população, tornou-se na 1ª nação asiática indusrializada.
  4. 4. REVOLUÇÃO DOS TRANSPORTES  A aplicação da máquina a vapor aos meios de transporte trouxe grandes transformações: Caminhos de ferro – ligação entre as grandes cidades europeias; depois à Ásia ( desenvolvimento de outras infraestruturas: pontes, túneis)  Navegação marítima e fluvial    As pessoas e os produtos são transportados de forma mais rápida e mais económica Desenvolvimento do comércio nacional e mundial.
  5. 5. NOVAS FONTES DE ENERGIA E EVENTOS  Novas Fontes de Energia – Na segunda metade do Séc. XIX:    Eletricidade Petróleo Novas invenções:        Telégrafo (Morse) Telefone (Bell) Transmissão sem fios ( Hertz e Marconi) Lâmpada Fogão a gás Iluminação a gás nas cidades Cinematografo
  6. 6. LIBERALISMO ECONÓMICO E O CAPITALISMO  Séc. XIX politica económica liberal – sem intervenção do Estado – o mercado é o regulador:  livre circulação de produtos Livre-cambismo – redução ou abolição de taxas alfandegárias na importação.  Estas politicas conduzem à SUPERPRODUÇAÕ PROTECCIONISMO –Aumento das taxas alfandegárias para defender a produção nacional.
  7. 7. LIBERALISMO ECONÓMICO E O CAPITALISMO  Com o desenvolvimento das industrias é necessário instalações e máquinas mais complexas mais investimento de capital Formação de organizações empresariais As empresas agrupam-se concentrações horizontais e verticais – Surgem monopólios de produção e venda. Aumenta a influência da banca que concede empréstimos e torna-se acionista das empresas.
  8. 8. CONTRASTES E DIFERENÇAS SOCIAIS  No Séc. XIX deu-se uma EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA  Devido ao aumento da produção agrícola, progressos na medicina e melhoria dos cuidados de higiene, que provocou uma diminuição da mortalidade e maior esperança média de vida.  A população rural, que não tem trabalho no campo vai para as cidades – EXODO RURAL para trabalhar nas indústrias e porque o caminho de ferro permite uma maior circulação de pessoas e mercadorias. CRESCIMENTO DAS CIDADES (criação de infraestruturas – rede de água e esgotos, mercados, ruas, avenidas, recolha de lixo e iluminação publica)
  9. 9. CONTRASTES E DIFERENÇAS SOCIAIS  No Séc. XIX – SOCIEDADE DE CLASSES em oposição à Sociedade de Ordens do Antigo Regime. A Burguesia passa a ter um papel dominante  A classe média (entre a burguesia e operariado) tem um papel determinante.  O proletariado ( os que trabalhavam e recebiam pelo seu trabalho) vive em bairros miseráveis, trabalha muitas horas, tem baixos salários, vivem miseravelmente.
  10. 10. CONTRASTES E DIFERENÇAS SOCIAIS   As duras condições de vida sem qualquer proteção social conduz ao aparecimento de associações operárias que protegiam os associados em caso de desemprego, doença, invalidez ou morte. Mais tarde surgem os sindicatos que reivindicavam melhores condições de trabalho.
  11. 11. CONTRASTES E DIFERENÇAS SOCIAIS   As condições de vida dos trabalhadores eram muito más e muitos pensadores defenderam ideias para a formação de uma sociedade mais justa, com uma melhor distribuição da riqueza. SOCIALISMO – construção de uma sociedade sem classes - doutrina proposta por Karl Marx – para isso acabaria a propriedade privada, retirar o poder da burguesia. A propriedade dos meios de produção seria coletiva e os proletários estaria unidos e conquistavam o poder - MARXISMO
  12. 12. OS NOVOS MODELOS CULTURAIS http://www.authorstream.com/Presentation/betrue-1039653-novosmodelos-culturais/
  13. 13. ROMANTISMO Características       Corrente que rompe com o neoclassicismo. Valoriza o individuo, os sentimentos, as emoções, a imaginação. Rico em emoções, mas dramático. Gosto pelo fantástico, misterioso, trágico (ruínas, naufrágios, amores impossíveis, tempestades) Inspiração no mundo rural e na Natureza Interesse pelas tradições, pela História (Idade Média) Exemplos: Vitor Hugo,William Turner, Delacroix, Almeida Garrett, Camilo Castelo Branco, Tomás de Anunciação,
  14. 14. ROMANTISMO – Imagens
  15. 15. REALISMO Características     Tenta denunciar as desigualdades e as injustiças sociais – segue ideais socialistas. Devia retratar a realidade sem sentimentos. Representação da paisagem e dos costumes. Exemplos: Monet, Millet, Zola, Balzac, Eça de Queirós, Silva Porto e José Malhoa.
  16. 16. REALISMO - Imagens
  17. 17. ROMANTISMO
  18. 18. IMPRESSIONISMO      Capta instantâneos, momentos fugazes. Pinceladas rápidas, curtas, com justaposição de cores para reproduzir efeitos de luz. Pintura ao ar livre, retrata ambientes alegres. Arquitetura do ferro, aço, e vidro. Exemplos: Monet, Degas, renoir

×