Parte 4 – Integração entre microeconomia e macroeconomia e implicações sobre as políticas econômicas Construções mais comp...
Capítulo 13 A Função Oferta de Moeda
Aula Anterior <ul><li>CAPÍTULO  12 – A função demanda de moeda </li></ul>12.1 O modelo clássico sobre a demanda de moeda; ...
Nesta Aula <ul><li>CAPÍTULO  13 – A função oferta de moeda </li></ul>13.1 Estimativas da equação de oferta de moeda no Bra...
<ul><li>Considerou-se, até agora, a oferta de moeda como sendo determinada fora do modelo macroeconômico.  </li></ul><ul><...
<ul><li>Por definição, tem-se: </li></ul><ul><li>M 1  = P 0  + D  e  B = P 0  + Z </li></ul><ul><li>Em que  </li></ul><ul>...
A função oferta de moeda <ul><li>M 1  = P 0  + D </li></ul>
A função oferta de moeda <ul><li>M 1  = P 0  + D </li></ul>
A função oferta de moeda <ul><li>B = P 0  + Z </li></ul>
A função oferta de moeda <ul><li>B = P 0  + Z </li></ul>
<ul><li>Considere as seguintes relações: </li></ul><ul><ul><li>c = P 0 /M 1   (papel-moeda em poder do público não-bancári...
A função oferta de moeda <ul><li>R = Z/D  (encaixe total dos bancos comerciais  / depósitos a vista nos bancos comerciais)...
A função oferta de moeda <ul><li>1  =  c  +  d </li></ul>P 0 M 1   c = Z D  R = B = c  ·  M 1  + R  ·  d  ·  M 1 B = P 0  ...
A função oferta de moeda <ul><li>função da oferta de moeda </li></ul><ul><li>M 1  sobe se: </li></ul><ul><ul><li>B subir <...
A função oferta de moeda <ul><li>Z 1  = caixa dos bancos </li></ul><ul><li>Encaixes: </li></ul>R 1  = Z 1 D D = depósitos ...
A função oferta de moeda <ul><li>As alterações de B e R 3  são decisões de política econômica e, portanto, os valores dess...
A função oferta de moeda <ul><li>Dependendo da taxa de juros, os bancos poderão manter (Z 1  + Z 2 ) em volume alto ou bai...
A função oferta de moeda <ul><li>Assim, Z 1  + Z 2   = f(r – rd) em que r = taxa de juros de mercado e rd = taxa de redesc...
A função oferta de moeda <ul><li>Logo, quanto maior for r, maior será M 1 . Então, o aumento de r causa o aumento de M 1  ...
A função oferta de moeda M 1  = M(B, r, rd, R 3 )  Essa função define que parte da oferta de moeda é exógena ao modelo (e ...
A função oferta de moeda M 1  = M(B, r, rd, R 3 ) <ul><li>em que  </li></ul><ul><ul><li>m s  = oferta real de moeda (ou se...
A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM r 0 r 1 r m 0 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 m(y 0 ) r...
A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L...
A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L...
A função oferta de moeda <ul><li>Considere que a demanda de moeda se faz para fins de transação e para especulação.  </li>...
A função oferta de moeda <ul><li>Uma variação em y (  y) alterará a demanda de moeda em k  y. </li></ul><ul><li>Uma var...
A função oferta de moeda <ul><li>k  y + l´(r)  r = 0 </li></ul><ul><li>A inclinação da curva LM é  .  </li></ul><ul><l...
A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L...
A função oferta de moeda <ul><li>Se a oferta de moeda variar com a taxa de juros: </li></ul><ul><li>Ms = M(r – rd) </li></...
A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L...
A função oferta de moeda Inclinação Inclinação O fato da curva LM ser menos inclinada – quando a oferta de moeda depende d...
<ul><li>Nos estudos sobre a oferta de moeda no Brasil observa-se a preocupação com a exogeneidade dessa variável (o que le...
<ul><li>Assis (1983) estimou uma equação excluindo a variável rd (taxa de redesconto de liquidez) e tomando valores nomina...
<ul><li>estatística t  (37,75)  (2,88)  (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade  (0,96)  (0,08)  (-0,07) </li></ul><ul><l...
<ul><li>estatística t  (37,75)  (2,88)  (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade  (0,96)  (0,08)  (-0,07) </li></ul><ul><l...
<ul><li>estatística t  (37,75)  (2,88)  (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade  (0,96)  (0,08)  (-0,07) </li></ul><ul><l...
Próxima Aula <ul><li>CAPÍTULO  14 – Modelo IS/LM ampliado </li></ul>14.1 As modificações causadas pelas novas definições d...
Referências Bibliográficas <ul><li>ASSIS, M. A estrutura e o mecanismo de transmissão de um modelo macroeconométrico para ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap13 macro

2.579 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
119
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap13 macro

  1. 1. Parte 4 – Integração entre microeconomia e macroeconomia e implicações sobre as políticas econômicas Construções mais complexas das funções consumo, investimento, demanda e oferta de moeda, fazendo uso do instrumental microeconômico convencional na definição delas, permitem uma integração entre a microeconomia e a macroeconomia. Verifica-se como o modelo IS/LM se comporta com essas novas funções.
  2. 2. Capítulo 13 A Função Oferta de Moeda
  3. 3. Aula Anterior <ul><li>CAPÍTULO 12 – A função demanda de moeda </li></ul>12.1 O modelo clássico sobre a demanda de moeda; 12.2 O modelo de expectativas regressivas; 12.3 O modelo da composição ótima dos ativos; 12.4 O modelo da demanda de moeda para transações; 12.5 O modelo de Friedman para demanda de moeda; 12.6 Comparação e sintetização dos modelos de demanda de moeda e impactos na curva LM; 12.7 Estimativas de equação de demanda de moeda no Brasil.
  4. 4. Nesta Aula <ul><li>CAPÍTULO 13 – A função oferta de moeda </li></ul>13.1 Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil.
  5. 5. <ul><li>Considerou-se, até agora, a oferta de moeda como sendo determinada fora do modelo macroeconômico. </li></ul><ul><li> Esta é uma hipótese muito forte. </li></ul><ul><li>Na verdade, parcela da oferta de moeda é determinada fora do modelo macroeconômico, mas outra parcela não o é. </li></ul>Introdução
  6. 6. <ul><li>Por definição, tem-se: </li></ul><ul><li>M 1 = P 0 + D e B = P 0 + Z </li></ul><ul><li>Em que </li></ul><ul><ul><li>M 1 = papel-moeda em poder do público não-bancário mais depósitos a vista nos bancos comerciais </li></ul></ul><ul><ul><li>P 0 = papel-moeda em poder do público não-bancário </li></ul></ul><ul><ul><li>D = depósitos a vista nos bancos comerciais </li></ul></ul><ul><ul><li>B = base monetária </li></ul></ul><ul><ul><li>Z = encaixes dos bancos </li></ul></ul>A função oferta de moeda
  7. 7. A função oferta de moeda <ul><li>M 1 = P 0 + D </li></ul>
  8. 8. A função oferta de moeda <ul><li>M 1 = P 0 + D </li></ul>
  9. 9. A função oferta de moeda <ul><li>B = P 0 + Z </li></ul>
  10. 10. A função oferta de moeda <ul><li>B = P 0 + Z </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Considere as seguintes relações: </li></ul><ul><ul><li>c = P 0 /M 1 (papel-moeda em poder do público não-bancário/meios de pagamento) </li></ul></ul><ul><ul><li>d = D/M 1 (depósitos a vista nos bancos comerciais/meios de pagamento) </li></ul></ul><ul><ul><li>R = Z/D (encaixe total dos bancos comerciais/depósitos a vista nos bancos comerciais) </li></ul></ul><ul><li>Observe que c + d = 1 </li></ul>A função oferta de moeda
  12. 12. A função oferta de moeda <ul><li>R = Z/D (encaixe total dos bancos comerciais / depósitos a vista nos bancos comerciais) </li></ul>
  13. 13. A função oferta de moeda <ul><li>1 = c + d </li></ul>P 0 M 1 c = Z D R = B = c · M 1 + R · d · M 1 B = P 0 + Z  P 0 = c · M 1  Z = R · D D M 1 d =  D = d · M 1 B = M 1 (c + R · d)
  14. 14. A função oferta de moeda <ul><li>função da oferta de moeda </li></ul><ul><li>M 1 sobe se: </li></ul><ul><ul><li>B subir </li></ul></ul><ul><ul><li>R diminuir </li></ul></ul><ul><ul><li>d subir </li></ul></ul><ul><li>Para se alterar R deve-se analisar como se compõem os encaixes bancários (Z). </li></ul>
  15. 15. A função oferta de moeda <ul><li>Z 1 = caixa dos bancos </li></ul><ul><li>Encaixes: </li></ul>R 1 = Z 1 D D = depósitos a vista Z 2 = depósitos voluntários dos bancos comerciais Z 3 = depósitos compulsórios dos bancos comerciais R 2 = Z 2 D R 3 = Z 3 D
  16. 16. A função oferta de moeda <ul><li>As alterações de B e R 3 são decisões de política econômica e, portanto, os valores dessas variáveis são determinados fora do modelo macroeconômico. </li></ul><ul><li>Z 1 e Z 2 são encaixes voluntários dos bancos comerciais. </li></ul>
  17. 17. A função oferta de moeda <ul><li>Dependendo da taxa de juros, os bancos poderão manter (Z 1 + Z 2 ) em volume alto ou baixo. </li></ul><ul><li>A alternativa dos bancos é colocar parte dos recursos em títulos e apelar para o redesconto junto ao Banco Central se houver falta de liquidez. </li></ul>
  18. 18. A função oferta de moeda <ul><li>Assim, Z 1 + Z 2 = f(r – rd) em que r = taxa de juros de mercado e rd = taxa de redesconto de liquidez. </li></ul><ul><li>Quanto maior for r, para dada rd, menor será (Z 1 + Z 2 ), pois os bancos preferem colocar os recursos na forma de títulos que pagam juros. </li></ul>
  19. 19. A função oferta de moeda <ul><li>Logo, quanto maior for r, maior será M 1 . Então, o aumento de r causa o aumento de M 1 (ou seja, r   M 1  ). </li></ul><ul><li>M 1 = M(B, r, rd, R 3 ) </li></ul>
  20. 20. A função oferta de moeda M 1 = M(B, r, rd, R 3 ) Essa função define que parte da oferta de moeda é exógena ao modelo (e depende dos valores de B, rd e R 3 ) e a outra parte é endógena ao modelo (pois depende da taxa de juros, r, que é determinada no modelo).
  21. 21. A função oferta de moeda M 1 = M(B, r, rd, R 3 ) <ul><li>em que </li></ul><ul><ul><li>m s = oferta real de moeda (ou seja, M s /P) </li></ul></ul><ul><ul><li>B = valor nominal da base monetária </li></ul></ul><ul><ul><li>r = taxa de juros de mercado </li></ul></ul><ul><ul><li>rd = taxa de juros de redesconto de liquidez do Banco Central </li></ul></ul><ul><ul><li>R 3 = taxa do depósito compulsório </li></ul></ul><ul><li>Espera-se que: f 1 > 0, f 2 > 0, f 3 < 0 e f 4 < 0. </li></ul>fórmula genérica da oferta de moeda Fórmula específica da oferta de moeda (exemplo)
  22. 22. A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM r 0 r 1 r m 0 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 m(y 0 ) r 0 r 1 M 0 Considerado a oferta de moeda como sendo fixa A A B B MP
  23. 23. A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L 1 m(y 0 ) r 0 r 1 r 2 M 1 M 0 Considerado que a oferta de moeda é positivamente relacionada à taxa de juros A A B B C C y 1 M(r – rd) P MP
  24. 24. A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L 1 m(y 0 ) r 0 r 1 r 2 M 1 M 0 Um dos efeitos de se fazer a oferta de moeda depender da taxa de juros é tornar a curva LM menos inclinada A A B B C C M(r – rd) P MP
  25. 25. A função oferta de moeda <ul><li>Considere que a demanda de moeda se faz para fins de transação e para especulação. </li></ul><ul><li>A demanda de moeda para transação tem a seguinte especificação: , em que k > 0. </li></ul><ul><li>E a demanda de moeda para especulação tem a seguinte especificação: , em que </li></ul><ul><li>Portanto, a demanda total por moeda é: </li></ul>
  26. 26. A função oferta de moeda <ul><li>Uma variação em y (  y) alterará a demanda de moeda em k  y. </li></ul><ul><li>Uma variação em r (  r) leva à variação na demanda de moeda de l´(r)  r. </li></ul><ul><li>Se a oferta de moeda não variar, tem-se a seguinte expressão necessária para manter o mercado de moeda em equilíbrio: </li></ul><ul><li>k  y + l´(r)  r = 0 </li></ul><ul><li>em que k > 0 e l´(r) < 0 </li></ul>
  27. 27. A função oferta de moeda <ul><li>k  y + l´(r)  r = 0 </li></ul><ul><li>A inclinação da curva LM é . </li></ul><ul><li>No caso da expressão acima tem-se: </li></ul><ul><li>l´(r)   r =  k   y </li></ul><ul><li> ou </li></ul>
  28. 28. A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L 1 m(y 0 ) r 0 r 1 r 2 M 1 M 0 A A B B C C Inclinação = M(r – rd) P MP
  29. 29. A função oferta de moeda <ul><li>Se a oferta de moeda variar com a taxa de juros: </li></ul><ul><li>Ms = M(r – rd) </li></ul><ul><li>M’ > 0 </li></ul><ul><li>Tem-se a seguinte expressão necessária para manter o mercado de moeda em equilíbrio: </li></ul><ul><li>k   y + l´(r)   r = M´(r)   r </li></ul><ul><li>Logo, [l´(r) – M´(r)]   r =  k   y, ou </li></ul>
  30. 30. A função oferta de moeda Curvas de oferta e demanda de moeda Curvas LM m 1 r 0 r 1 r m 0 r 2 m 0 m(y 1 ) y 0 y y 1 r L 0 L 1 m(y 0 ) r 0 r 1 r 2 M 1 M 0 A A B B C C Inclinação = M(r – rd) P MP
  31. 31. A função oferta de moeda Inclinação Inclinação O fato da curva LM ser menos inclinada – quando a oferta de moeda depende da taxa de juros – do que quando a oferta de moeda é fixa provoca mudança na eficácia da política fiscal. (Ver exercício 3 do livro) Curvas LM y 0 y y 1 r L 0 L 1 r 0 r 1 r 2 M 1 M 0 A B C
  32. 32. <ul><li>Nos estudos sobre a oferta de moeda no Brasil observa-se a preocupação com a exogeneidade dessa variável (o que leva ao formato vertical ou positivamente inclinado da curva de oferta de moeda) ou a endogeneidade da oferta de moeda (o que leva ao formato horizontal da curva de oferta de moeda) no plano cartesiano M versus r. </li></ul><ul><li>Junto a essa discussão está a análise da eficácia ou não da política monetária em alterar a oferta de moeda. </li></ul>Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil
  33. 33. <ul><li>Assis (1983) estimou uma equação excluindo a variável rd (taxa de redesconto de liquidez) e tomando valores nominais para a oferta de moeda e para a base monetária. </li></ul><ul><li>Isto permitiu ao autor ressaltar a eficácia da política monetária, destacando que parte da oferta de moeda é exógena. </li></ul>Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil
  34. 34. <ul><li>estatística t (37,75) (2,88) (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade (0,96) (0,08) (-0,07) </li></ul><ul><li>R² = 0,9986 DW = 1,21 n = 10 </li></ul><ul><li>em que: </li></ul><ul><ul><li>MOEDA= oferta de moeda em preços correntes </li></ul></ul><ul><ul><li>BASE = base monetária em preços correntes </li></ul></ul><ul><ul><li>TJLTN = taxa de juros das Letras do Tesouro Nacional </li></ul></ul><ul><ul><li>TRESBC = taxa de reserva obrigatória cobrada sobre depósitos à vista feitos nos bancos comerciais </li></ul></ul>Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil
  35. 35. <ul><li>estatística t (37,75) (2,88) (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade (0,96) (0,08) (-0,07) </li></ul><ul><li>R² = 0,9986 DW = 1,21 n = 10 </li></ul><ul><li>Como previsto pela teoria: </li></ul><ul><ul><li>o aumento da base monetária e da taxa de juros aumenta a oferta de moeda, </li></ul></ul><ul><ul><li>o aumento da taxa do depósito compulsório diminui a oferta de moeda. </li></ul></ul>Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil
  36. 36. <ul><li>estatística t (37,75) (2,88) (  2,28) </li></ul><ul><li>elasticidade (0,96) (0,08) (-0,07) </li></ul><ul><li>R² = 0,9986 DW = 1,21 n = 10 </li></ul><ul><li>Na equação acima, constata-se serem pequenas as elasticidades da variação da oferta de moeda em relação a variações na taxa de juros e na taxa do depósito compulsório. </li></ul><ul><li>Pode-se concluir que, na década de 1970, a política monetária era eficaz em alterar a oferta de moeda, existindo uma curva de oferta de moeda positivamente inclinada no plano cartesiano M/P versus r. </li></ul>Estimativas da equação de oferta de moeda no Brasil
  37. 37. Próxima Aula <ul><li>CAPÍTULO 14 – Modelo IS/LM ampliado </li></ul>14.1 As modificações causadas pelas novas definições das funções consumo, investimento e oferta de moeda sobre as curvas IS, LM e de demanda agregada; 14.2 O modelo básico ampliado da síntese neoclássica; 14.3 Modelo macroeconômico geral ampliado dos novos keynesianos; 14.3.1 Efeitos da política fiscal no modelo geral ampliado dos novos keynesianos.
  38. 38. Referências Bibliográficas <ul><li>ASSIS, M. A estrutura e o mecanismo de transmissão de um modelo macroeconométrico para o Brasil (MEB). In: Revista Brasileira de Economia , 37(4): 483-512, out./dez. 1983. </li></ul><ul><li>BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia : Teorias e Aplicações à Economia Brasileira. Campinas: Alínea, 2006 </li></ul><ul><li>CONTADOR, C. R. A exogeneidade da oferta de moeda no Brasil Pesquisa e Planejamento Econômico , Rio de Janeiro, v. 8, n.2, Ago. 1978, pp. 475-504. </li></ul><ul><li>BLANCHARD, O. Macroeconomia : teoria e política econômica. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001. </li></ul><ul><li>DORNBUSCH, R. & FISCHER, S. Macroeconomia . 5 a edição. São Paulo: Makron/Mcgraw-Hill, 1991. </li></ul><ul><li>MANKIW, N.G. Macroeconomia : Rio de Janeiro: LTC, 2004. </li></ul><ul><li>PAULA, G. M. As duas teorias da endogeneidade da oferta de moeda. Economia Ensaios , Uberlândia, v. 8, n.2, Jul. 1994, pp. 69-87. </li></ul>

×