UM MUNDO,  MUITAS CULTURAS CULTURA MULÇUMANA
 
Trabalho realizado por: <ul><li>Helena Augusta Martins Aïd </li></ul>Escola José Belchior Viegas, São Brás de Alportel Cur...
Introdução <ul><li>O Tema de vida: “Um Mundo, Muitas Culturas” é muito vasto e abrangente. Escolhi o subtema: “A Cultura M...
Religião <ul><li>A África do Norte é composta por cinco países muçulmanos: Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Egipto. Par...
Religião <ul><li>1º- Aceitar Deus (Allah) como único e Maomé (Muhammad) como seu profeta; </li></ul><ul><li>2º- Dar esmola...
Os Locais Sagrados <ul><li>Para os Muçulmanos existem três locais sagrados:  </li></ul><ul><li>• A cidade de Meca, onde fi...
O Corão <ul><li>O Corão é a mais importante fonte da jurisprudência islâmica, sendo a segunda a “Suna” (obra que narra a v...
A “Charia” <ul><li>A “Charia” é o corpo da lei religiosa islâmica. O termo significa «caminho» ou «rota» para a fonte de á...
O Ramadão e a Festa de “L’Aïd el Kebir” <ul><li>O Ramadão é um mês sagrado e muito importante para os Muçulmanos (também é...
A Circuncisão <ul><li>A cerimónia da circuncisão é muito importante na religião muçulmana, assemelha-se ao baptismo. Prati...
O Casamento  <ul><li>O casamento marroquino é diferente em vários sentidos das cerimónias ocidentais. Hoje em dia, ainda m...
O Casamento   <ul><li>“ Henna” é o nome duma planta donde se extrai o corante que tem o mesmo nome. Com esse corante prepa...
A Poligamia <ul><li>A lei muçulmana permite o casamento poligâmico. Um muçulmano pode casar legalmente com quatro mulheres...
O Vestuário <ul><li>O vestuário tradicional muçulmano varia de país para país. Por essa razão vou falar especialmente da m...
A Culinária <ul><li>A culinária muçulmana (marroquina) é muito variada, mas a base desta é o “cuscuz”, uma massa de trigo ...
A Culinária <ul><li>Para confeccionar esses pratos, as especiarias são muito importantes para dar o paladar característico...
As Receitas <ul><li>“ Cuscuz” </li></ul><ul><li>Receita para 6 pessoas, ingredientes: </li></ul><ul><li>750g de mão de bor...
“ Cuscuz” <ul><li>Numa panela meia de água, juntar os grãos, a cebola, o tomate, os dentes de alho, previamente cortados a...
“ Tajine” de frango do campo <ul><li>Receita   para 6 pessoas, Ingredientes </li></ul><ul><li>:1 frango do campo  </li></u...
“ Tajine” de frango do campo <ul><li>Num caldeirão de barro pôr o azeite, a cebola, o alho, o pimento aos bocados, juntar ...
Harira A Sopa do Ramadão <ul><li>Receita para 6 pessoas, Ingredientes </li></ul><ul><li>500g de carne de borrego </li></ul...
Harira A Sopa do Ramadão <ul><li>Pôr numa panela a carne, os grãos (sem pele), as cebolas picadas, a pimenta, metade da qu...
Provérbios Árabes <ul><li>1- Ainda que o burro vá a Meca, nem por isso é peregrino. </li></ul><ul><li>2- Se Maomé não vai ...
Provérbios Árabes <ul><li>13- A esmola fecha setenta portas ao mal. </li></ul><ul><li>14-Contribui para purificar a tua co...
Provérbios Árabes <ul><li>21- A morte é a consolação do pobre. </li></ul><ul><li>22- Confia em Deus, mas amarra o teu came...
Conclusão <ul><li>No início, eu não estava muito inspirada para fazer este Tema de Vida – “Um Mundo, Muitas Culturas”. Mas...
Este trabalho é dedicado: <ul><li>   À minha família: </li></ul><ul><ul><li>Ao meu marido Ahmed </li></ul></ul><ul><ul><li...
Bibliografia <ul><li>http:// ptwikipédia.org / wiki / henna </li></ul><ul><li>http:// ptwikipédia.org / wiki / charia </li...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Um Mundo, Muitas Culturas Final

6.212 visualizações

Publicada em

Helena Aid

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um Mundo, Muitas Culturas Final

  1. 1. UM MUNDO, MUITAS CULTURAS CULTURA MULÇUMANA
  2. 3. Trabalho realizado por: <ul><li>Helena Augusta Martins Aïd </li></ul>Escola José Belchior Viegas, São Brás de Alportel Curso E F A – B 2 + 3 2º Ano 4º Tema de Vida Ano Lectivo 2009 -2010
  3. 4. Introdução <ul><li>O Tema de vida: “Um Mundo, Muitas Culturas” é muito vasto e abrangente. Escolhi o subtema: “A Cultura Muçulmana”, porque está relacionada com a minha experiência de vida. Visto ser casada com um muçulmano argelino e já ter vivido em Marrocos durante seis anos, estou de alguma maneira familiarizada com esta cultura. A religião, as festividades, a culinária, o vestuário e o papel do homem e da mulher são a base desta sociedade, como de tantas outras. Baseei os meus conhecimentos nas minhas experiências e contactos com esta cultura. Vou retratar alguns dos tópicos acima mencionados. </li></ul>
  4. 5. Religião <ul><li>A África do Norte é composta por cinco países muçulmanos: Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Egipto. Para estes povos, a religião é muito importante na vida do dia-a-dia. A religião muçulmana é composta por dois grupos principais: os Sunitas e os Xiitas. A população muçulmana, ao nível mundial, é composta por 85% de Sunitas. O livro sagrado dos muçulmanos é o Corão. Um verdadeiro crente e praticante deve basear os seus comportamentos e atitudes na “Sharia”, ou seja, o código das leis do islamismo. Os cinco pilares da religião muçulmana são retirados desse código, a saber: </li></ul>
  5. 6. Religião <ul><li>1º- Aceitar Deus (Allah) como único e Maomé (Muhammad) como seu profeta; </li></ul><ul><li>2º- Dar esmola (zakat) no mínimo de 2,5% dos seus rendimentos para os mais necessitados; </li></ul><ul><li>3º- Fazer a peregrinação à cidade de Meca, pelo menos uma vez na vida, desde que para isso possua recursos; </li></ul><ul><li>4º- A realização diária das cinco orações; </li></ul><ul><li>5º- O jejum, no mês de Ramadão, com o objectivo de desenvolver a paciência e a reflexão. </li></ul>
  6. 7. Os Locais Sagrados <ul><li>Para os Muçulmanos existem três locais sagrados: </li></ul><ul><li>• A cidade de Meca, onde fica a pedra negra, também conhecida como «Caaba»; </li></ul><ul><li>• A cidade de Medina, o local onde Maomé construiu a primeira Mesquita (templo religioso muçulmano) </li></ul><ul><li>• E a cidade de Jerusalém, o lugar onde o profeta Maomé subiu ao céu e se encontrou no paraíso com Moisés e Jesus. </li></ul>
  7. 8. O Corão <ul><li>O Corão é a mais importante fonte da jurisprudência islâmica, sendo a segunda a “Suna” (obra que narra a vida e os caminhos do profeta Maomé). Não é possível praticar o islão sem consultar ambos os textos. A partir da “Suna” vêm os “Ahadith”, ou seja, as narrações do profeta sobre a sua vida ou o que ele aprovava. Ainda há o “Ijma”, que é o consenso da comunidade. </li></ul>
  8. 9. A “Charia” <ul><li>A “Charia” é o corpo da lei religiosa islâmica. O termo significa «caminho» ou «rota» para a fonte de água e é a estrutura legal dentro da qual os aspectos públicos e privados da vida do praticante do islamismo são regulados. A “Charia” engloba diversos aspectos da vida quotidiana, tais como: a política, a economia, os bancos, os negócios, os contratos, a família, a sexualidade, a higiene e as questões sociais. </li></ul>
  9. 10. O Ramadão e a Festa de “L’Aïd el Kebir” <ul><li>O Ramadão é um mês sagrado e muito importante para os Muçulmanos (também é o nome do próprio mês). Nesse mês, as pessoas praticam o jejum do nascer ao pôr-do-sol. Só se alimentam durante a noite, fazem ementas especiais, uma delas é a “Harira”, também chamada a Sopa do Ramadão. Há muitos doces e pratos variados. Nesse período, as pessoas vão à mesquita (templo muçulmano) e dedicam-se à oração, dão esmolas aos mais necessitados, visitam os doentes, bem como os seus familiares. Nessa época, há muitas pessoas a passear pela rua, à noite, nas vilas e nas cidades. No fim do mês do Ramadão é a grande festa de “L’Aïd el Kebir”. Essa festa faz lembrar as festividades natalícias dos católicos. Nesse dia, as famílias matam um borrego para festejarem, as pessoas vestem roupas novas e as crianças recebem presentes. Os familiares aproveitam para se visitarem entre eles. </li></ul>
  10. 11. A Circuncisão <ul><li>A cerimónia da circuncisão é muito importante na religião muçulmana, assemelha-se ao baptismo. Pratica-se a partir dos sete anos, mas também noutras idades. Consiste em extrair o prepúcio do órgão sexual dos rapazes. Actualmente, isso faz-se por meio de uma intervenção cirúrgica, com anestesia. Mas, antigamente, fazia-se em casa, a sangue frio, por uma pessoa perita na matéria. Depois da intervenção, o menino é vestido com uma túnica e calças brancas. A seguir o menino, vai montado num cavalo, com o pai, pelas ruas, para mostrar às pessoas a sua iniciação como muçulmano. Atrás vai um cortejo, cantando e tocando instrumentos musicais. Depois de várias voltas pelas ruas, os convidados vão para a casa do circuncisado festejar. Há muitos pratos diferentes e várias doçarias. Está também presente um grupo tradicional de músicos, a cantar e a tocar. Os homens ficam separados das senhoras, em salas diferentes e todos fazem a festa. </li></ul>
  11. 12. O Casamento <ul><li>O casamento marroquino é diferente em vários sentidos das cerimónias ocidentais. Hoje em dia, ainda muitos casamentos são feitos pelos familiares. O noivo tem de dar um dote à noiva, o valor depende dos meios financeiros da família. Esse dote é constituído por jóias, vestuário, calçado, géneros alimentícios, artigos para o lar e também animais como carneiros e cabritos. Antes da festa do casamento, as mulheres da família da noiva e amigas vão pelas ruas mostrar os presentes que foram oferecidos pelo noivo. É tudo exposto numa carroça puxada por um cavalo. Atrás, no cortejo, vão cantando e tocando instrumentos musicais. Esta tradição ainda se usa nos arredores da capital Rabat, numa vila chamada Salé e, certamente, noutros sítios. A noiva é preparada para a cerimónia, pintam-lhe as mãos e os pés com “henna” e às convidadas também. </li></ul>
  12. 13. O Casamento <ul><li>“ Henna” é o nome duma planta donde se extrai o corante que tem o mesmo nome. Com esse corante prepara-se a pintura para os cabelos, as mãos e os pés. Essa pintura faz-se com a ajuda de uma seringa ou “stencil”. A duração da tatuagem pode ir até cerca de uma semana. Dependendo do nível financeiro da família, na noite da cerimónia, a noiva troca várias vezes de vestidos, com os acessórios a condizer. Depois há música e as bailarinas dançam a típica dança do ventre. </li></ul><ul><li>A dança do ventre remonta há muitos séculos atrás, onde os vizires, para se distraírem, tinham o seu harém com as suas bailarinas. </li></ul>
  13. 14. A Poligamia <ul><li>A lei muçulmana permite o casamento poligâmico. Um muçulmano pode casar legalmente com quatro mulheres. Essa lei ainda está em vigor na maioria dos países muçulmanos. Actualmente, só os homens abastados ou nobres podem ter várias esposas. De acordo com a sabedoria popular esta lei é muito antiga. Conta-se que, antigamente, havia muitas guerras das quais poucos homens voltavam, deixando assim mulheres e filhos sem meios de subsistência. Para pôr fim a essa situação, os que regressavam, eram autorizados a casar com mais do que uma esposa. Hoje em dia, ainda se constata, em alguns países muçulmanos a existência de uma lei que prevê o apedrejamento da mulher que cometer adultério. </li></ul>
  14. 15. O Vestuário <ul><li>O vestuário tradicional muçulmano varia de país para país. Por essa razão vou falar especialmente da moda marroquina. O traje masculino é composto por uma túnica comprida com capuz, a “djellaba”. Essa túnica simples é usada no dia-a-dia. Nas cerimónias, é mais elaborada; também usam um chapéu redondo, vermelho com cadilhos pretos e chinelos (as babuchas) em pele, bicudas, que existem em várias cores e feitios. As senhoras e as raparigas também usam uma túnica, um lenço na cabeça (ainda se vê senhoras com véu a tapar a cara.) Nas cerimónias, usam igualmente uma túnica (o “caftan”) comprida, bordada, em tecidos acetinados e de cores variadas e os acessórios a condizer, a saber: cintos, pulseiras, brincos, colares, tiaras e anéis (quase sempre estes objectos são em ouro). Para completar a indumentária, há os acessórios, como as carteiras, os sapatos e os chinelos ornamentados (as babuchas.) Na cultura muçulmana, a cor do luto é o branco . </li></ul>
  15. 16. A Culinária <ul><li>A culinária muçulmana (marroquina) é muito variada, mas a base desta é o “cuscuz”, uma massa de trigo duro. O “cuscuz” pode ser acompanhado de carne ou peixe com legumes. Os muçulmanos consomem todas as carnes, excepto a de porco, pois este é considerado um animal impuro. Também não bebem bebidas alcoólicas. </li></ul><ul><li>O “tajine” também é um prato típico marroquino. Essa especialidade é cozinhada num recipiente de barro com uma tampa em forma de chaminé, a qual tem o mesmo nome do prato. Nele podem ser cozinhados carne, peixe e legumes. </li></ul><ul><li>Além destas especialidades também há a “Harira” ou Sopa do Ramadão. É uma sopa que leva muitos ingredientes, bastante nutritivos, como a carne, o grão, as lentilhas, o tomate, a cebola, a farinha, as ervas aromáticas e as especiarias. Esta sopa é tomada à noite, ao romper do jejum, no mês do Ramadão, antes das outras iguarias. </li></ul>
  16. 17. A Culinária <ul><li>Para confeccionar esses pratos, as especiarias são muito importantes para dar o paladar característico a cada um deles. As especiarias mais utilizadas nos pratos típicos são: a pimenta, o açafrão, os cominhos, o gengibre, a canela, o pimentão, o cravinho, o piripiri, o caril, a noz-moscada, o “ras-el-ranut” (a cabeça do merceeiro, que é a mistura de várias especiarias), entre outras. Não podemos falar da culinária marroquina sem nos lembrar da famosa doçaria, na qual estão incluídos: o mel, as tâmaras, as sementes de sésamo e a canela. Esses doces são quase sempre feitos na fritura e também encontramos as “nossas filhós”. O chá de menta bem açucarado também é muito famoso nesta cultura, pois um marroquino que se preze oferece-o aos seus convidados. </li></ul>
  17. 18. As Receitas <ul><li>“ Cuscuz” </li></ul><ul><li>Receita para 6 pessoas, ingredientes: </li></ul><ul><li>750g de mão de borrego </li></ul><ul><li>750g de “cuscuz” </li></ul><ul><li>250g de curgete </li></ul><ul><li>250g de frade </li></ul><ul><li>250g de nabo </li></ul><ul><li>1 repolho pequeno </li></ul><ul><li>2 tomates </li></ul><ul><li>I cebola grande </li></ul><ul><li>3 dentes de alho </li></ul><ul><li>3 colheres de sopa de azeite </li></ul><ul><li>½ colher de chá de pimenta </li></ul><ul><li>½ colher de chá gengibre </li></ul><ul><li>½ colher de chá de açafrão </li></ul><ul><li>½ colher de chá de pimentão </li></ul><ul><li>½ colher de chá de “ras-el-ranut” </li></ul><ul><li>1 molho de coentros </li></ul><ul><li>Sal q.b. </li></ul><ul><li>Água q.b. </li></ul>
  18. 19. “ Cuscuz” <ul><li>Numa panela meia de água, juntar os grãos, a cebola, o tomate, os dentes de alho, previamente cortados aos bocadinhos, a que se acrescenta os coentros, as especiarias e o sal. Assim que ferver, pôr a carne. Quando estiver quase cozido, misturar os legumes aos bocadinhos. </li></ul><ul><li>Preparação da massa “cuscuz”: </li></ul><ul><li>Pôr numa frigideira funda, o “cuscuz” regado com um pouco de água, azeite e sal, depois mexer para não colar. Deixar cozer durante 15 minutos. Servir a massa com os legumes e a carne com molho por cima. </li></ul>
  19. 20. “ Tajine” de frango do campo <ul><li>Receita para 6 pessoas, Ingredientes </li></ul><ul><li>:1 frango do campo </li></ul><ul><li>2 curgetes </li></ul><ul><li>2 nabos </li></ul><ul><li>1 alho francês </li></ul><ul><li>3 batatas </li></ul><ul><li>3 cenouras </li></ul><ul><li>2 tomates </li></ul><ul><li>1cebola </li></ul><ul><li>3 dentes de alho </li></ul><ul><li>1 pimento verde </li></ul><ul><li>1 molho de coentros </li></ul><ul><li>1 molho de poejos </li></ul><ul><li>1/2 colher de chá de pimenta </li></ul><ul><li>1/2colher de chá de cominhos </li></ul><ul><li>½ colher de chá de pimentão </li></ul><ul><li>Sal q. b. </li></ul><ul><li>Água q. b. </li></ul><ul><li>3 colheres de azeite </li></ul><ul><li>100g de azeitonas verdes </li></ul>
  20. 21. “ Tajine” de frango do campo <ul><li>Num caldeirão de barro pôr o azeite, a cebola, o alho, o pimento aos bocados, juntar o frango aos bocados sem parar de mexer (colher de pau). Quando o frango estiver lourinho, juntar o tomate e os alhos, os coentros, os poejos e as especiarias. Mexer, depois acrescentar o sal e a água. Quando o frango estiver meio cozido, pôr as cenouras e os nabos; mais tarde, acrescentar as batatas, as azeitonas e as curgetes. </li></ul><ul><li>Deixar cozer tudo e servir. </li></ul><ul><li>(O caldeirão substitui o «tajine», recipiente próprio em barro, marroquino). </li></ul>
  21. 22. Harira A Sopa do Ramadão <ul><li>Receita para 6 pessoas, Ingredientes </li></ul><ul><li>500g de carne de borrego </li></ul><ul><li>250g de grãos </li></ul><ul><li>250g de lentilhas </li></ul><ul><li>250g de cebolas </li></ul><ul><li>250g de tomates </li></ul><ul><li>50g de farinha </li></ul><ul><li>50g de manteiga </li></ul><ul><li>½ bisnaga de concentrado de tomate </li></ul><ul><li>½ de chá de pimenta </li></ul><ul><li>½ de chá de açafrão </li></ul><ul><li>1 molho de coentros </li></ul><ul><li>1 molho de salsa </li></ul><ul><li>1 limão </li></ul><ul><li>Sal q.b </li></ul><ul><li>Água q.b. </li></ul>
  22. 23. Harira A Sopa do Ramadão <ul><li>Pôr numa panela a carne, os grãos (sem pele), as cebolas picadas, a pimenta, metade da quantidade da manteiga, o açafrão, o sal e a água. Deixar cozer e pôr de lado. Noutra panela, cozer as lentilhas com um pouco de sal, reservar e regar com sumo de limão e reservar. Ainda noutra panela, pôr os tomates pelados e moídos, com o resto da manteiga, a calda de tomate e um pouco de água, deixar cozer durante 15 minutos. Depois tirar do fogo, juntar a farinha e pôr novamente ao fogo sem parar de mexer até ficar consistente. No final, juntar na panela dos grãos e da carne, as lentilhas, o molho de tomate já preparado, as ervas aromáticas picadas e deixar cozer 10 minutos. Está pronto a servir. </li></ul>
  23. 24. Provérbios Árabes <ul><li>1- Ainda que o burro vá a Meca, nem por isso é peregrino. </li></ul><ul><li>2- Se Maomé não vai até à montanha, vai a montanha até Maomé. </li></ul><ul><li>3- Quem procura instrução é mais querido de Alá do que combater numa guerra santa. </li></ul><ul><li>4- A verdadeira mesquita é a que se constrói no fundo da alma. </li></ul><ul><li>5-Os sábios são herdeiros dos profetas. </li></ul><ul><li>6- O camelo é herdeiro da sua bossa. </li></ul><ul><li>7-A palavra é de prata, mas o silêncio é de ouro. </li></ul><ul><li>8-Pelo esterco, reconhecerás o camelo. </li></ul><ul><li>9- 0 camelo transporta açúcar, mas come espinhos. </li></ul><ul><li>10-Teme aquele que não teme a deus. </li></ul><ul><li>11- Não reveles os teus segredos nem num deserto rodeado de colinas, pois o eco poderia propagá-los. </li></ul><ul><li>12- Faz-te pó debaixo dos passos da tua mãe, pois o paraíso estará onde pisarem os seus pés. </li></ul>
  24. 25. Provérbios Árabes <ul><li>13- A esmola fecha setenta portas ao mal. </li></ul><ul><li>14-Contribui para purificar a tua consciência e poderás dormir até no deserto. </li></ul><ul><li>15- Trabalha como se tivesses de viver sempre e come como se tivesses de morrer amanhã. </li></ul><ul><li>16-O maior inimigo do homem é a sua barriga. </li></ul><ul><li>17- O velho deitado, avista o que o jovem em pé não vê. </li></ul><ul><li>18- Quando se está ameaçado de morte, fica-se contente por ser apenas atingido pela cegueira. </li></ul><ul><li>19- Uma égua de raça nobre não tem vergonha do seu estrume. </li></ul><ul><li>20- Prende o teu burro com outros burros e ele aprenderá a zurrar. </li></ul>
  25. 26. Provérbios Árabes <ul><li>21- A morte é a consolação do pobre. </li></ul><ul><li>22- Confia em Deus, mas amarra o teu camelo. </li></ul><ul><li>23- O camelo deita-se sempre nos buracos de areia onde outros camelos se deitaram antes. </li></ul><ul><li>24- O camelo que caminha à frente da caravana, não se preocupa com o que acontece atrás de si. </li></ul><ul><li>25- A desgraça pode chegar pelo camelo, pelo condutor do camelo ou pelo dono do camelo. </li></ul>
  26. 27. Conclusão <ul><li>No início, eu não estava muito inspirada para fazer este Tema de Vida – “Um Mundo, Muitas Culturas”. Mas, à medida que fui desenvolvendo o trabalho, fiquei mais motivada. Pois comecei a lembrar-me das minhas convivências com a Cultura Muçulmana. Então foi como se eu voltasse atrás e vivesse tudo de novo. Os pormenores começaram a vir uns após os outros e cheguei à conclusão que a minha memória tinha armazenado mais informação do que eu imaginava. Completando com alguma pesquisa na Internet, consegui atingir os objectivos que impus a mim própria. Acabei por gostar muito deste trabalho e por achá-lo muito interessante e proveitoso. Só espero que partilhem a minha opinião, especialmente as pessoas a quem o dedico. </li></ul>
  27. 28. Este trabalho é dedicado: <ul><li>  À minha família: </li></ul><ul><ul><li>Ao meu marido Ahmed </li></ul></ul><ul><ul><li>À minha filha Sabrina </li></ul></ul><ul><ul><li>Ao meu filho Sami </li></ul></ul><ul><li>E aos meus formadores e mediadora: </li></ul><ul><ul><li>Margarida Barros </li></ul></ul><ul><ul><li>Sónia Correia </li></ul></ul><ul><ul><li>Lina Guerreiro </li></ul></ul><ul><ul><li>Anabela Santos </li></ul></ul><ul><ul><li>Luís Bárbara </li></ul></ul><ul><ul><li>Armando Estrela </li></ul></ul>
  28. 29. Bibliografia <ul><li>http:// ptwikipédia.org / wiki / henna </li></ul><ul><li>http:// ptwikipédia.org / wiki / charia </li></ul><ul><li>http:// wwwsuapesquisa.com /islamismo </li></ul><ul><li>Provérbios Árabes , de Rosa Sha, Arte Plural Edições. </li></ul><ul><li>Outros textos da própria autoria </li></ul>

×