SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
TRABALHO DE CAMPO
HORTO FLORESTAL – UBÁ – MG
ECOLOGIA II – PROFESSOR MARCIANO QUINELATO
Karina Marques Brandão – nº 15
Maria Cristina Marques Mota – nº 18
Milla Reis Dias – nº 19
Sunamita Reis Paulino – nº 20
Vânia Helena Leão – nº 23
Introdução
A Mata Atlântica é uma floresta tropical que ocupa regiões montanhosas e de
encostas. Anteriormente, esta Mata ocupava todo o Espírito Santo, Rio de Janeiro, São
Paulo e se estendia a áreas do Paraná e Santa Catarina, como também uma grande parte
de Minas Gerais. Esta vasta floresta cobria 12% do território brasileiro. Devido a intensas
queimadas, extração de madeira e expansão das cidades, a Mata Atlântica foi reduzida
para apenas 6% de sua ocupação original.
Setenta por cento da população brasileira vive e sobrevive da mesma, estando
nesta área concentrados grandes pólos industriais, sendo responsável pela geração de 80%
do PIB nacional.
A diversidade de vida na região supera amplamente outras áreas do planeta. Nela
existem mais de 25 mil espécies de plantas, e inclui diversos mamíferos ameaçados de
extinção, como a onça-pintada, a jaguatirica, o mono-carvoeiro, a anta, a paca e o mico-
leão-dourado. Tendo cada espécie um valor inestimável para o equilíbrio ecológico.
Justificativa
Diante do desconhecimento de grande parte da vasta fauna e flora da nossa região
fez-se necessário o trabalho de campo para identificar in locu um pouco da nossa rica
biodiversidade.
No local do trabalho em Campo (Horto Florestal), foi constatada a rica
biodiversidade; tendo a oportunidade de identificar na pratica os vários tipos de plantas e
insetos presentes no local. Diante desta constatação, podemos observar o quão pouco
ainda resta da anteriormente majestosa Mata Atlântica e o quanto é importante preservar
este patrimônio para as futuras gerações.
Objetivos
Incentivar o trabalho em equipe;
Reconhecer na prática os diferentes grupos vegetais em seu ambiente natural;
Observar e compreender como acontece o processo de sucessão ecológica;
Observar os processos de perturbações do ambiente. Incentivar o trabalho em equipe.
Metodologia
O trabalho foi realizado dia 16 de novembro de 2014 no domingo, no Horto Florestal – Ubá.
Sendo utilizada a técnica do quadrateamento, que é a empregada em pesquisas de Ecologia.
Os materiais empregados foram: 4 estacas de madeira, barbante, marreta, trena, caneta, papel,
prancha e tesoura. Foram fotografadas e colhidas amostras das espécies encontradas para
posteriores estudos.
Resultados
Resultados encontrados quanto à Densidade Populacional
Espécies Nº de indivíduos Densidade (m²)
Jabuticabeira 01 0,0625
Quaresmeira 01 0,0625
Ypê 03 0,1875
Barriguda 01 0,0625
Jacaré 01 0,0625
Erythroxylum
(Falsa Cocaína)
21 1,3125
Cutieira 01 0,0625
Cogumelo 01 0,0625
Capim Colonião 01 0,0625
Besouro 01 0,0625
Minhoca 01 0,0625
Aranha 01 0,0625
Larvas 20 1,25
Piolho de Cobra 01 0,0625
Discussão
A vegetação em geral é de extrema importância para o equilíbrio ambiental. Ela
oferece alimento, sombra, equilíbrio da temperatura, purificação do ar, conservação da
umidade e redução da poluição sonora. Além de proporcionar beleza e valorização e
contribuem com a qualidade de vida para os seres vivos.
O objetivo da classificação dos seres vivos, chamada taxonomia, foi inicialmente
de organizar as plantas e animais conhecidos em categorias que pudessem ser referidas.
Posteriormente a classificação passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos,
organização mais natural do que a baseada apenas em características externas. Para isso
se utiliza também características ecológicas, fisiológicas, e de todas as outras que
estiverem disponíveis para os táxons em questão. Esse conjunto de investigações a
respeito dos táxons que se dá o nome de sistemática.
A classificação dos seres vivos é parte da sistemática, ciência que estuda as
relações entre organismos, e que inclui a coleta, preservação e estudo de espécies, e
análise dos dados vindos de várias áreas de pesquisas biológicas.
De acordo com a classificação vigente as espécies descritas são agrupadas em
gêneros. Os gêneros são reunidos se tiverem alguma característica em comum, formando
uma família. Famílias por sua vez são agrupadas em uma ordem. Ordens são reunidas em
uma classe. Classes de seres vivos são reunidas em filos. Filos são, finalmente,
componentes de alguns dos cinco reinos (Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia).
O ambiente pesquisado, observado, analisado encontrava-se em ótima condição
ecológica (IMAGEM 1278), com pássaros atuando naquele local para dispersão de
sementes, os cogumelos interagindo com as raízes das plantas numa relação de simbiose.
Não foi possível ver macaquinhos no quadrat, mas outros indivíduos de outros grupos
constataram que havia ali tais animais convivendo harmoniosamente com frutos, árvores,
e outros animais. Esses macaquinhos ajudam na dispersão das sementes. Foi observado
frutos de leguminosas, tipo vagem, que estava servindo de alimento para as larvas.
(IMAGEM 1266)
As leguminosas encontradas, que captam o nitrogênio atmosférico e juntamente com as
bactérias Rizobium, fixam o nitrogênio no solo, e por serem árvores de grande porte, com
suas raízes chegando a muitos metros, algumas expostas, contribuem para a aeração do
solo, coesão das partículas do mesmo, evitando a erosão (IMAGEM 1188 E 1277). A
vegetação encontrada é de grande, médio e pequeno porte. (IMAGEM 1278, IMAGEM
1183 E 1187)
Na área circunvizinha, foi encontrado uma árvore em estado de decomposição com um
besouro numa interação ecológica de predatismo. (IMAGEM 1253) O cogumelo míscaro
amarelo também estava na área circunvizinha numa interação ecológica tipo simbiose
mutualística. A minhoca estava na parte superficial escondida entre folhas secas como
estava a aranha só que numa posição de camuflagem. O piolho de cobra também se
encontrava na superfície do solo rico em matéria morta que serve de alimento para
microoganismos e ajuda na melhor distribuição das águas da chuva (serrapilheira) –
(IMAGEM 1230). A casca da cigarra estava numa planta de médio porte indicando que
havia acontecido a metamorfose que esses insetos passam em seu ciclo de vida.
Também foi encontrado um formigueiro (lava-pés) com fruto próximo que talvez vá
servir de alimento para as formigas ou outros animais. (IMAGEM 1293)
Minhoca (IMAGEM 1287)
Reino: Animalia/ Filo: Annelida/ Classe: Oligochaeta/ Ordem: Haplotaxida/ Família:
Lumbricidae.
As minhocas se alimentam de organismos, animais mortos e diversos tipos de
vegetação. Elas também são capazes de se regenerar. Quando se deslocam sobre a terra e
constroem túneis, as minhocas tornam o solo mais arejado. Isso facilita a circulação de ar
e permite que a água se infiltre melhor. Estas também são utilizadas para fabricação de
húmus e são comercializadas para enriquecimento do solo, esse tipo de comércio é
chamado de minhocultura.
Piolho de Cobra (IMAGEM 1286)
Reino: Animalia/ Filo: Artrópodes/ Classe: Diplópodes/ Ordem: Juliformia
A função ecológica do piolho de cobra é semelhante ao da minhoca.
Besouro (IMAGEM 1253)
Reino: Animalia/ Filo: Arthropoda/ Classe: Insecta/ Ordem: Orthoptera
Algumas espécies de tenebrionídeos são consideradas pragas agrícolas, devido sua
preferência por habitarem locais secos. No ambiente natural, estes insetos desempenham
um papel importante na transmissão de numerosos agentes patogênicos como vírus,
protozoários, fungos, helmintos e bactérias, assim desempenhando papeis de recicladores
de nutrientes, pois se alimentam de material em decomposição, como fezes e de animais
mortos.
Aranha ( IMAGEM 1254)
Reino: Animalia/ Filo: Arthropoda/ Classe: Arachnida/ Ordem: Araneae
Por serem carnívoras se alimentam de baratas, grilos, e outros insetos. Com isso,
controlam a população desses seres, impedindo que a sua proliferação prejudique o meio
ambiente.
Cigarra (IMAGEM 1220)
Reino: Animalia/ Filo: Arthopoda / Classe: Insecta/ Ordem: Homoptera/ Familia:
Cicadidae
As cigarras são insetos que possuem um longo período de transformação, que
chamamos de metamorfose. Quando ovos da Cigarra eclodem, saem ninfas (insetos
jovens) que descem da planta e se enterram no chão, alimentando-se das seivas das raízes,
provocando ferimentos que servem de porta de entrada pra fungos e bactérias. Essa fase
em que fica enterrada no solo pode durar de quatro a dezessete anos. Depois de passar por
esse período, ela abandona o solo e sobe nas árvores. Uma vez aí, a Cigarra sofre uma
transformação, tornando-se adulta e apresentando-se para o acasalamento.
Existem basicamente dois fatores ambientais que muito interferem nesse ciclo:
temperatura e disponibilidade de nutrientes. A variação de temperatura altera o
metabolismo do animal, o que pode antecipar ou adiar o ciclo. Como o animal necessita
de uma grande quantidade de energia para realizar a muda (ecdise), é preciso haver,
também, uma boa disponibilidade de nutrientes. Se a quantidade de alimento disponível é
insuficiente, a muda é retardada, pois, dessa forma, o animal não consegue suprir os
gastos de energia após o processo. A “ecdise” representa um grande valor adaptativo, uma
vez que possibilita a adequação desses animais a vários tipos diferentes de ambientes.
Conforme o animal cresce ao longo do seu ciclo de vida, esse “exoesqueleto” é
trocado, processo que recebe o nome de “ecdise” ou “muda”. A ecdise pode ocorrer
diversas vezes na vida de um animal, número ilimitado que vária de espécie para espécie.
Sua importância ecológica é de servir de alimento para predadores, e por outro
lado, pode ser negativa por se tornar praga para algumas culturas.
Flamboyant (IMAGEM 1229)
Reino: Plantae/ Filo: Magnoliophyta /Classe: Magnoliopsida/ Ordem: Fabales/
Família: Leguminosas
É uma planta muito cultivada para fins ornamentais; é utilizada também para
arborização de ruas, estradas, propriedades rurais, além de servir de sombra para o gado
nos campos de pastagens. Não há registros científicos para uso medicinal. As suas raízes
são muito agressivas ao ambiente em que vive, crescem bastante, não podendo ser
plantadas perto de edificações frágeis, sob o risco de danificar o alicerce dessas
edificações. Por causa disso, ela é muito utilizada em encostas onde se está
desmoronando, áreas de preservação ambiental que está ameaçada pela erosão.
Jabuticabeira (IMAGEM 1261)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/Subclasse:
Rosidade/ Ordem: Myrtales
Podendo ser cultivada em jardins, quintais, pomares comerciais e também em
vasos como planta ornamental. É uma planta originária de nosso país, sendo nativa da
Mata Atlântica, podendo ser vista em vários estados brasileiros, atingindo até 8 metros de
altura. É rica em cálcio, fósforo, ferro e vitamina C. Sua propagação se dá por sementes,
enxertia ou estaquia.
Quaresmeira (IMAGEM 1185)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/ Ordem: Myrtales/
Família: Melastomataceae
Espécie pioneira em atividades de restauração ambiental e pode ser utilizada para
arborização urbana e projetos de paisagismo. É ótima também para arborização de ruas
estreitas e sob redes elétricas. Sua madeira é moderadamente pesada e alta durabilidade
quando exposta às intempéries. Várias espécies de melastomataceaes apresentam
mudança de cor em suas flores. Aparentemente, essa mudança de cor atua como um aviso
as abelhas para estas não visitarem flores mais velhas. Mas a persistência das pétalas nas
flores não mais receptivas conferem um colorido intenso as plantas atuando na
sinalização aos polinizadores à longa distância. Estas tem esse nome porque parte da
floração mais intensa é próxima ao período religioso da Quaresma. Uma coincidência: a
cor símbolo da páscoa é o roxo, mesma tonalidade de cor das flores da quaresmeira.
Ypê ( IMAGEM 1188)
Reino: Plantae/Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/Ordem: Lamiales/
Família: Bignoniáceas/ Gênero: Tabebuia spp
É uma árvore nativa do Brasil e sua madeira é extremamente valorizada por sua
resistência, dureza e flexibilidade. Sempre foi considerada uma madeira de lei e é cada
vez mais popular como um material de decking devido a sua resistência e durabilidade.
Uma outra vantagem que ela possui é de agüentar bastante umidade. É plantado em
parques e jardins, servindo para arborização urbana. A casca, entrecasca e folhas possuem
propriedades medicinais. E estas leguminosas possuem várias espécies (Ypê-amarelo,
Ypê-rosa, Ypê-branco, dentre outros.)
Barriguda (IMAGEM 1238)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita
Não muito comum ocorre principalmente na Caatinga, mas é encontrada nos estados de
Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Sua madeira é empregada em caixotaria, sua casca é
usada na medicina caseira contra inflamação do fígado e para tratar hérnias, planta
ornamental, principalmente por causa de sua floração, servindo para arborização de
praças e paisagismo urbano, pode ser utilizada para enriquecer capoeiras e vegetação
empobrecida e na segunda fase de recomposição florestal de áreas degradadas, os pêlos
que envolvem as sementes são empregados no enchimento de almofadas, travesseiros,
colchões, selas e estofamento de móveis, nas estradas vicinais do Nordeste brasileiro,
pode ser usada como cerca viva.
Pau-Jacaré (IMAGEM 1190)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsida/
Ordem: Fabales/Família: Fabaceae/ Subfamília: Mimosoideae/ Gênero: Piptadenia/
Espécie: P. gonoacantha
No Brasil existem 52 famílias com espécies trepadeiras que são pouco estudadas e
na maioria das vezes consideradas como plantas daninhas e prejudiciais as árvores. A
função ecológica das trepadeiras ou cipós é que ajudam a floresta a permanecer de pé,
além de beneficiar o transito dos animais arborícolas, são ótimo abrigo para animais e
pássaros morarem, dormirem ou fazer ninho. A mais importante é que grande parte das
trepadeiras produzem folhas, flores e frutos ou sementes comestíveis.
Erythroxylum - Falsa coca - (IMAGEM 1184)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsida/ Ordem:
Malpighiales/ Família: Erythroxylum
Nativa da Bolívia e do Peru, alguns refrigerantes como a Coca-Cola utilizam
extrato de espécies do mesmo gênero, com menores teores de cocaína, e outros imitavam
sua composição. Porém, tais refrigerantes passaram a ser produzidos de “noz-de-cola” e
não possuem folhas de coca em sua formulação. As propriedades analgésicas da coca,
foram descobertas pelos incas e até hoje as suas folhas são mascadas na região dos Andes.
Cutieira (IMAGEM 1277)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe:Magnoliopsida/ Ordem:
Malpighiales/ Família: Euphorbiaceae
Prefere terrenos secos. A madeira é útil para a produção de celulose e canoas. O
óleo das sementes é medicinal e pode substituir o óleo de linhaça. Esta espécie pode ser
usada para sombreamento de pastos. A floração se dá junto com o surgimento da
folhagem nova. É desaconselhada para arborização urbana, por virtude do tamanho e peso
dos frutos.
Cogumelo Míscaro Amarelo (IMAGEM 1226)
Reino: Fungi/ Filo: Basidiomycota/ Classe: Agaricomycetes/ Ordem: Agaricales
São verdadeiros guardiões da floresta. São responsáveis pela recirculação dos
nutrientes, pelo bom estado sanitário das florestas e, tal como todos os outros pela
formação do solo. O micélio desses fungos envolve as raízes das àrvores formando as
denominadas micorrizas. Explora o solo em àreas muito superiores às raízes das
àrvores,transferindo água e nutrientes fundamentais para as àrvores. Em troca as àrvores
fornecem-lhes açúcares sintetizados a partir do carbono atmosférico que os fungos são
incapazes de sintetizar. É uma relação de simbiose.
Capim Colonião (IMAGEM 1301)
Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Liliopsida/ Ordem: Poales/ Família:
Poaceae/ Gênero: Panicum
Planta perene, reproduzida por sementes e vegetativamente com floração e
fertilização durante a maior parte do ano; adaptada às varias condições de clima e sol,
encontra-se disseminado nas regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, está presente
em quase todo o território, exceto nas regiões frias. É uma planta daninha bastante
agressiva, com grande capacidade de disseminação, o que foi comprovado pela
observação da área circunvizinha. (IMAGEM 1305)
Conclusão
A atividade de campo proporcionou uma melhor compreensão e conhecimento do que
foi estudado em sala de aula sobre os grupos vegetais (briófitas, pteridófitas,
gimnospermas e angiospermas). O local estava em ótimo estado de conservação e
interação ecológica entre fauna e flora – observado no quadrat e na área circunvizinha
um total de 17 espécies. Além da grande quantidade e diversidade nota-se a qualidade
do ambiente devido a dispersão de flores, frutos e sementes.
Isto possibilitou que os alunos tivessem um aprendizado da taxonomia. A classificação
passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos, utilizando características
ecológicas, fisiológicas e de todas as outras que estiverem disponíveis para os táxons
em questão. Foi observado que o ambiente estudado possui uma grande variedade de
angiospermas o que leva a conclusão que é uma comunidade clímax.
Referências Bibliográficas:
www.florestasnativas.com.br
www.revistagloborural.com.br
www.infoescola.com
www.sobiologia.com.br
www.qualibio.ufba.br
www.wikipedia.org
www.vacineoplaneta.com.br
www.ecologia.info
www.tambu.sp.gov.br
www.ninha.bio.br/biologia
www.escolakids.com
www.jabuticabeira.com.br
www.vegetal.com.br
www.guiadoscuriosos.com.br
tundaj.gov.br/pesquisaescolar
fotossonatureza.blogspot.com
FOTOS ANEXAS:
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto Florestal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantesunesp
 
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8amlisss
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8anoLeonardo Alves
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaRita Pereira
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticosruiricardobg
 
Fatores abio limitantes
Fatores abio limitantesFatores abio limitantes
Fatores abio limitantesAndrea Barreto
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Jade
 
Cap 5 biomas e consrvação ambiental
Cap 5 biomas e consrvação ambientalCap 5 biomas e consrvação ambiental
Cap 5 biomas e consrvação ambientalSarah Lemes
 
MetapopulaçõEs
MetapopulaçõEsMetapopulaçõEs
MetapopulaçõEsern
 

Mais procurados (20)

Aula 2 biodiversidade
Aula 2   biodiversidadeAula 2   biodiversidade
Aula 2 biodiversidade
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantes
 
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8
Animais Em ExtinçãO 8°F.Alexandre Leonardo Edilson Vandernilson Paulo 1M8
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte1-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte1-cn8ano
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 
06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos06 ecossistemas e fatores abioticos
06 ecossistemas e fatores abioticos
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Conservação X Extinção
Conservação X  ExtinçãoConservação X  Extinção
Conservação X Extinção
 
Fatores abio limitantes
Fatores abio limitantesFatores abio limitantes
Fatores abio limitantes
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
6a SéRie Ecologia
6a SéRie   Ecologia6a SéRie   Ecologia
6a SéRie Ecologia
 
Biodiversidade biologia
Biodiversidade   biologiaBiodiversidade   biologia
Biodiversidade biologia
 
Biologia da Conservação
Biologia da ConservaçãoBiologia da Conservação
Biologia da Conservação
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
 
Cap 5 biomas e consrvação ambiental
Cap 5 biomas e consrvação ambientalCap 5 biomas e consrvação ambiental
Cap 5 biomas e consrvação ambiental
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Aula 1 ecologia
Aula 1   ecologiaAula 1   ecologia
Aula 1 ecologia
 
MetapopulaçõEs
MetapopulaçõEsMetapopulaçõEs
MetapopulaçõEs
 
3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia3 4 intro ecologia
3 4 intro ecologia
 

Destaque

iWON PowerPoint Presentation
iWON PowerPoint PresentationiWON PowerPoint Presentation
iWON PowerPoint PresentationJade Ramos
 
Biologia sistema respiratório
Biologia   sistema respiratórioBiologia   sistema respiratório
Biologia sistema respiratórioEdwin Juan
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratóriocarlotabuchi
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaFabiano Reis
 

Destaque (6)

iWON PowerPoint Presentation
iWON PowerPoint PresentationiWON PowerPoint Presentation
iWON PowerPoint Presentation
 
IWON BUSINESS PRESENTATION
IWON BUSINESS PRESENTATIONIWON BUSINESS PRESENTATION
IWON BUSINESS PRESENTATION
 
Biologia sistema respiratório
Biologia   sistema respiratórioBiologia   sistema respiratório
Biologia sistema respiratório
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 

Semelhante a Trabalho a campo - Horto Florestal

Semelhante a Trabalho a campo - Horto Florestal (20)

Relatório de campo
Relatório de campoRelatório de campo
Relatório de campo
 
3-Biologia_e_sistematica_das_plantas_vasculares.pdf
3-Biologia_e_sistematica_das_plantas_vasculares.pdf3-Biologia_e_sistematica_das_plantas_vasculares.pdf
3-Biologia_e_sistematica_das_plantas_vasculares.pdf
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
 
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodosEstudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptOs anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Projeto trilha2007
 
Resumo Ecologia - Parte I
Resumo Ecologia - Parte IResumo Ecologia - Parte I
Resumo Ecologia - Parte I
 
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Ecologia.pptx
Ecologia.pptxEcologia.pptx
Ecologia.pptx
 
A Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaA Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - Biologia
 
Apostilamd 2-110608134456-phpapp01
Apostilamd 2-110608134456-phpapp01Apostilamd 2-110608134456-phpapp01
Apostilamd 2-110608134456-phpapp01
 
Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Artigo bioterra v18_n1_07
Artigo bioterra v18_n1_07Artigo bioterra v18_n1_07
Artigo bioterra v18_n1_07
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
R0746 1
R0746 1R0746 1
R0746 1
 
entomologia 1C.docx
entomologia 1C.docxentomologia 1C.docx
entomologia 1C.docx
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 

Trabalho a campo - Horto Florestal

  • 1. TRABALHO DE CAMPO HORTO FLORESTAL – UBÁ – MG ECOLOGIA II – PROFESSOR MARCIANO QUINELATO Karina Marques Brandão – nº 15 Maria Cristina Marques Mota – nº 18 Milla Reis Dias – nº 19 Sunamita Reis Paulino – nº 20 Vânia Helena Leão – nº 23
  • 2. Introdução A Mata Atlântica é uma floresta tropical que ocupa regiões montanhosas e de encostas. Anteriormente, esta Mata ocupava todo o Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e se estendia a áreas do Paraná e Santa Catarina, como também uma grande parte de Minas Gerais. Esta vasta floresta cobria 12% do território brasileiro. Devido a intensas queimadas, extração de madeira e expansão das cidades, a Mata Atlântica foi reduzida para apenas 6% de sua ocupação original. Setenta por cento da população brasileira vive e sobrevive da mesma, estando nesta área concentrados grandes pólos industriais, sendo responsável pela geração de 80% do PIB nacional. A diversidade de vida na região supera amplamente outras áreas do planeta. Nela existem mais de 25 mil espécies de plantas, e inclui diversos mamíferos ameaçados de extinção, como a onça-pintada, a jaguatirica, o mono-carvoeiro, a anta, a paca e o mico- leão-dourado. Tendo cada espécie um valor inestimável para o equilíbrio ecológico. Justificativa Diante do desconhecimento de grande parte da vasta fauna e flora da nossa região fez-se necessário o trabalho de campo para identificar in locu um pouco da nossa rica biodiversidade. No local do trabalho em Campo (Horto Florestal), foi constatada a rica biodiversidade; tendo a oportunidade de identificar na pratica os vários tipos de plantas e insetos presentes no local. Diante desta constatação, podemos observar o quão pouco ainda resta da anteriormente majestosa Mata Atlântica e o quanto é importante preservar este patrimônio para as futuras gerações. Objetivos Incentivar o trabalho em equipe; Reconhecer na prática os diferentes grupos vegetais em seu ambiente natural; Observar e compreender como acontece o processo de sucessão ecológica; Observar os processos de perturbações do ambiente. Incentivar o trabalho em equipe.
  • 3. Metodologia O trabalho foi realizado dia 16 de novembro de 2014 no domingo, no Horto Florestal – Ubá. Sendo utilizada a técnica do quadrateamento, que é a empregada em pesquisas de Ecologia. Os materiais empregados foram: 4 estacas de madeira, barbante, marreta, trena, caneta, papel, prancha e tesoura. Foram fotografadas e colhidas amostras das espécies encontradas para posteriores estudos. Resultados Resultados encontrados quanto à Densidade Populacional Espécies Nº de indivíduos Densidade (m²) Jabuticabeira 01 0,0625 Quaresmeira 01 0,0625 Ypê 03 0,1875 Barriguda 01 0,0625 Jacaré 01 0,0625 Erythroxylum (Falsa Cocaína) 21 1,3125 Cutieira 01 0,0625 Cogumelo 01 0,0625 Capim Colonião 01 0,0625 Besouro 01 0,0625 Minhoca 01 0,0625 Aranha 01 0,0625 Larvas 20 1,25 Piolho de Cobra 01 0,0625
  • 4. Discussão A vegetação em geral é de extrema importância para o equilíbrio ambiental. Ela oferece alimento, sombra, equilíbrio da temperatura, purificação do ar, conservação da umidade e redução da poluição sonora. Além de proporcionar beleza e valorização e contribuem com a qualidade de vida para os seres vivos. O objetivo da classificação dos seres vivos, chamada taxonomia, foi inicialmente de organizar as plantas e animais conhecidos em categorias que pudessem ser referidas. Posteriormente a classificação passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos, organização mais natural do que a baseada apenas em características externas. Para isso se utiliza também características ecológicas, fisiológicas, e de todas as outras que estiverem disponíveis para os táxons em questão. Esse conjunto de investigações a respeito dos táxons que se dá o nome de sistemática. A classificação dos seres vivos é parte da sistemática, ciência que estuda as relações entre organismos, e que inclui a coleta, preservação e estudo de espécies, e análise dos dados vindos de várias áreas de pesquisas biológicas. De acordo com a classificação vigente as espécies descritas são agrupadas em gêneros. Os gêneros são reunidos se tiverem alguma característica em comum, formando uma família. Famílias por sua vez são agrupadas em uma ordem. Ordens são reunidas em uma classe. Classes de seres vivos são reunidas em filos. Filos são, finalmente, componentes de alguns dos cinco reinos (Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia). O ambiente pesquisado, observado, analisado encontrava-se em ótima condição ecológica (IMAGEM 1278), com pássaros atuando naquele local para dispersão de sementes, os cogumelos interagindo com as raízes das plantas numa relação de simbiose. Não foi possível ver macaquinhos no quadrat, mas outros indivíduos de outros grupos constataram que havia ali tais animais convivendo harmoniosamente com frutos, árvores, e outros animais. Esses macaquinhos ajudam na dispersão das sementes. Foi observado frutos de leguminosas, tipo vagem, que estava servindo de alimento para as larvas. (IMAGEM 1266)
  • 5. As leguminosas encontradas, que captam o nitrogênio atmosférico e juntamente com as bactérias Rizobium, fixam o nitrogênio no solo, e por serem árvores de grande porte, com suas raízes chegando a muitos metros, algumas expostas, contribuem para a aeração do solo, coesão das partículas do mesmo, evitando a erosão (IMAGEM 1188 E 1277). A vegetação encontrada é de grande, médio e pequeno porte. (IMAGEM 1278, IMAGEM 1183 E 1187) Na área circunvizinha, foi encontrado uma árvore em estado de decomposição com um besouro numa interação ecológica de predatismo. (IMAGEM 1253) O cogumelo míscaro amarelo também estava na área circunvizinha numa interação ecológica tipo simbiose mutualística. A minhoca estava na parte superficial escondida entre folhas secas como estava a aranha só que numa posição de camuflagem. O piolho de cobra também se encontrava na superfície do solo rico em matéria morta que serve de alimento para microoganismos e ajuda na melhor distribuição das águas da chuva (serrapilheira) – (IMAGEM 1230). A casca da cigarra estava numa planta de médio porte indicando que havia acontecido a metamorfose que esses insetos passam em seu ciclo de vida. Também foi encontrado um formigueiro (lava-pés) com fruto próximo que talvez vá servir de alimento para as formigas ou outros animais. (IMAGEM 1293) Minhoca (IMAGEM 1287) Reino: Animalia/ Filo: Annelida/ Classe: Oligochaeta/ Ordem: Haplotaxida/ Família: Lumbricidae. As minhocas se alimentam de organismos, animais mortos e diversos tipos de vegetação. Elas também são capazes de se regenerar. Quando se deslocam sobre a terra e constroem túneis, as minhocas tornam o solo mais arejado. Isso facilita a circulação de ar e permite que a água se infiltre melhor. Estas também são utilizadas para fabricação de húmus e são comercializadas para enriquecimento do solo, esse tipo de comércio é chamado de minhocultura. Piolho de Cobra (IMAGEM 1286) Reino: Animalia/ Filo: Artrópodes/ Classe: Diplópodes/ Ordem: Juliformia
  • 6. A função ecológica do piolho de cobra é semelhante ao da minhoca. Besouro (IMAGEM 1253) Reino: Animalia/ Filo: Arthropoda/ Classe: Insecta/ Ordem: Orthoptera Algumas espécies de tenebrionídeos são consideradas pragas agrícolas, devido sua preferência por habitarem locais secos. No ambiente natural, estes insetos desempenham um papel importante na transmissão de numerosos agentes patogênicos como vírus, protozoários, fungos, helmintos e bactérias, assim desempenhando papeis de recicladores de nutrientes, pois se alimentam de material em decomposição, como fezes e de animais mortos. Aranha ( IMAGEM 1254) Reino: Animalia/ Filo: Arthropoda/ Classe: Arachnida/ Ordem: Araneae Por serem carnívoras se alimentam de baratas, grilos, e outros insetos. Com isso, controlam a população desses seres, impedindo que a sua proliferação prejudique o meio ambiente. Cigarra (IMAGEM 1220) Reino: Animalia/ Filo: Arthopoda / Classe: Insecta/ Ordem: Homoptera/ Familia: Cicadidae As cigarras são insetos que possuem um longo período de transformação, que chamamos de metamorfose. Quando ovos da Cigarra eclodem, saem ninfas (insetos jovens) que descem da planta e se enterram no chão, alimentando-se das seivas das raízes, provocando ferimentos que servem de porta de entrada pra fungos e bactérias. Essa fase em que fica enterrada no solo pode durar de quatro a dezessete anos. Depois de passar por esse período, ela abandona o solo e sobe nas árvores. Uma vez aí, a Cigarra sofre uma transformação, tornando-se adulta e apresentando-se para o acasalamento. Existem basicamente dois fatores ambientais que muito interferem nesse ciclo: temperatura e disponibilidade de nutrientes. A variação de temperatura altera o metabolismo do animal, o que pode antecipar ou adiar o ciclo. Como o animal necessita
  • 7. de uma grande quantidade de energia para realizar a muda (ecdise), é preciso haver, também, uma boa disponibilidade de nutrientes. Se a quantidade de alimento disponível é insuficiente, a muda é retardada, pois, dessa forma, o animal não consegue suprir os gastos de energia após o processo. A “ecdise” representa um grande valor adaptativo, uma vez que possibilita a adequação desses animais a vários tipos diferentes de ambientes. Conforme o animal cresce ao longo do seu ciclo de vida, esse “exoesqueleto” é trocado, processo que recebe o nome de “ecdise” ou “muda”. A ecdise pode ocorrer diversas vezes na vida de um animal, número ilimitado que vária de espécie para espécie. Sua importância ecológica é de servir de alimento para predadores, e por outro lado, pode ser negativa por se tornar praga para algumas culturas. Flamboyant (IMAGEM 1229) Reino: Plantae/ Filo: Magnoliophyta /Classe: Magnoliopsida/ Ordem: Fabales/ Família: Leguminosas É uma planta muito cultivada para fins ornamentais; é utilizada também para arborização de ruas, estradas, propriedades rurais, além de servir de sombra para o gado nos campos de pastagens. Não há registros científicos para uso medicinal. As suas raízes são muito agressivas ao ambiente em que vive, crescem bastante, não podendo ser plantadas perto de edificações frágeis, sob o risco de danificar o alicerce dessas edificações. Por causa disso, ela é muito utilizada em encostas onde se está desmoronando, áreas de preservação ambiental que está ameaçada pela erosão. Jabuticabeira (IMAGEM 1261) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/Subclasse: Rosidade/ Ordem: Myrtales Podendo ser cultivada em jardins, quintais, pomares comerciais e também em vasos como planta ornamental. É uma planta originária de nosso país, sendo nativa da Mata Atlântica, podendo ser vista em vários estados brasileiros, atingindo até 8 metros de altura. É rica em cálcio, fósforo, ferro e vitamina C. Sua propagação se dá por sementes, enxertia ou estaquia.
  • 8. Quaresmeira (IMAGEM 1185) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/ Ordem: Myrtales/ Família: Melastomataceae Espécie pioneira em atividades de restauração ambiental e pode ser utilizada para arborização urbana e projetos de paisagismo. É ótima também para arborização de ruas estreitas e sob redes elétricas. Sua madeira é moderadamente pesada e alta durabilidade quando exposta às intempéries. Várias espécies de melastomataceaes apresentam mudança de cor em suas flores. Aparentemente, essa mudança de cor atua como um aviso as abelhas para estas não visitarem flores mais velhas. Mas a persistência das pétalas nas flores não mais receptivas conferem um colorido intenso as plantas atuando na sinalização aos polinizadores à longa distância. Estas tem esse nome porque parte da floração mais intensa é próxima ao período religioso da Quaresma. Uma coincidência: a cor símbolo da páscoa é o roxo, mesma tonalidade de cor das flores da quaresmeira. Ypê ( IMAGEM 1188) Reino: Plantae/Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita/Ordem: Lamiales/ Família: Bignoniáceas/ Gênero: Tabebuia spp É uma árvore nativa do Brasil e sua madeira é extremamente valorizada por sua resistência, dureza e flexibilidade. Sempre foi considerada uma madeira de lei e é cada vez mais popular como um material de decking devido a sua resistência e durabilidade. Uma outra vantagem que ela possui é de agüentar bastante umidade. É plantado em parques e jardins, servindo para arborização urbana. A casca, entrecasca e folhas possuem propriedades medicinais. E estas leguminosas possuem várias espécies (Ypê-amarelo, Ypê-rosa, Ypê-branco, dentre outros.) Barriguda (IMAGEM 1238) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsita Não muito comum ocorre principalmente na Caatinga, mas é encontrada nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Sua madeira é empregada em caixotaria, sua casca é usada na medicina caseira contra inflamação do fígado e para tratar hérnias, planta
  • 9. ornamental, principalmente por causa de sua floração, servindo para arborização de praças e paisagismo urbano, pode ser utilizada para enriquecer capoeiras e vegetação empobrecida e na segunda fase de recomposição florestal de áreas degradadas, os pêlos que envolvem as sementes são empregados no enchimento de almofadas, travesseiros, colchões, selas e estofamento de móveis, nas estradas vicinais do Nordeste brasileiro, pode ser usada como cerca viva. Pau-Jacaré (IMAGEM 1190) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsida/ Ordem: Fabales/Família: Fabaceae/ Subfamília: Mimosoideae/ Gênero: Piptadenia/ Espécie: P. gonoacantha No Brasil existem 52 famílias com espécies trepadeiras que são pouco estudadas e na maioria das vezes consideradas como plantas daninhas e prejudiciais as árvores. A função ecológica das trepadeiras ou cipós é que ajudam a floresta a permanecer de pé, além de beneficiar o transito dos animais arborícolas, são ótimo abrigo para animais e pássaros morarem, dormirem ou fazer ninho. A mais importante é que grande parte das trepadeiras produzem folhas, flores e frutos ou sementes comestíveis. Erythroxylum - Falsa coca - (IMAGEM 1184) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Magnoliopsida/ Ordem: Malpighiales/ Família: Erythroxylum Nativa da Bolívia e do Peru, alguns refrigerantes como a Coca-Cola utilizam extrato de espécies do mesmo gênero, com menores teores de cocaína, e outros imitavam sua composição. Porém, tais refrigerantes passaram a ser produzidos de “noz-de-cola” e não possuem folhas de coca em sua formulação. As propriedades analgésicas da coca, foram descobertas pelos incas e até hoje as suas folhas são mascadas na região dos Andes. Cutieira (IMAGEM 1277) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe:Magnoliopsida/ Ordem: Malpighiales/ Família: Euphorbiaceae
  • 10. Prefere terrenos secos. A madeira é útil para a produção de celulose e canoas. O óleo das sementes é medicinal e pode substituir o óleo de linhaça. Esta espécie pode ser usada para sombreamento de pastos. A floração se dá junto com o surgimento da folhagem nova. É desaconselhada para arborização urbana, por virtude do tamanho e peso dos frutos. Cogumelo Míscaro Amarelo (IMAGEM 1226) Reino: Fungi/ Filo: Basidiomycota/ Classe: Agaricomycetes/ Ordem: Agaricales São verdadeiros guardiões da floresta. São responsáveis pela recirculação dos nutrientes, pelo bom estado sanitário das florestas e, tal como todos os outros pela formação do solo. O micélio desses fungos envolve as raízes das àrvores formando as denominadas micorrizas. Explora o solo em àreas muito superiores às raízes das àrvores,transferindo água e nutrientes fundamentais para as àrvores. Em troca as àrvores fornecem-lhes açúcares sintetizados a partir do carbono atmosférico que os fungos são incapazes de sintetizar. É uma relação de simbiose. Capim Colonião (IMAGEM 1301) Reino: Plantae/ Divisão: Magnoliophyta/ Classe: Liliopsida/ Ordem: Poales/ Família: Poaceae/ Gênero: Panicum Planta perene, reproduzida por sementes e vegetativamente com floração e fertilização durante a maior parte do ano; adaptada às varias condições de clima e sol, encontra-se disseminado nas regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, está presente em quase todo o território, exceto nas regiões frias. É uma planta daninha bastante agressiva, com grande capacidade de disseminação, o que foi comprovado pela observação da área circunvizinha. (IMAGEM 1305)
  • 11. Conclusão A atividade de campo proporcionou uma melhor compreensão e conhecimento do que foi estudado em sala de aula sobre os grupos vegetais (briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas). O local estava em ótimo estado de conservação e interação ecológica entre fauna e flora – observado no quadrat e na área circunvizinha um total de 17 espécies. Além da grande quantidade e diversidade nota-se a qualidade do ambiente devido a dispersão de flores, frutos e sementes. Isto possibilitou que os alunos tivessem um aprendizado da taxonomia. A classificação passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos, utilizando características ecológicas, fisiológicas e de todas as outras que estiverem disponíveis para os táxons em questão. Foi observado que o ambiente estudado possui uma grande variedade de angiospermas o que leva a conclusão que é uma comunidade clímax. Referências Bibliográficas: www.florestasnativas.com.br www.revistagloborural.com.br www.infoescola.com www.sobiologia.com.br www.qualibio.ufba.br www.wikipedia.org www.vacineoplaneta.com.br www.ecologia.info www.tambu.sp.gov.br www.ninha.bio.br/biologia www.escolakids.com www.jabuticabeira.com.br www.vegetal.com.br www.guiadoscuriosos.com.br tundaj.gov.br/pesquisaescolar fotossonatureza.blogspot.com