UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE
ROSANA DA SILVA CIATTI
A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA
NAS ESCO...
ROSANA DA SILVA CIATTI
A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA
NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL I ...
ROSANA DA SILVA CIATTI
A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA
NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL I ...
À memória do meu pai, um homem simples, que apesar de não ter tido
oportunidade para continuar os estudos, tinha consciênc...
AGRADECIMENTOS
À Deus, fonte de toda sabedoria e amor, pela força e coragem para enfrentar todas as
dificuldades e consegu...
A leitura não é prática neutra. Ela é campo de
disputa, é espaço de poder.
(Márcia Abreu, 2000)
Resumo
O trabalho a seguir aborda o conceito de leitura sob diferentes aspectos, destacando a
importância dos processos qu...
Abstract
The following work approaches, under multiple aspects, the concept of reading, emphasizing
the importance of the ...
Sumário
Introdução ..........................................................................................................
6 Caracterizações e análise de dados .............................................................................. 82
6.1...
INTRODUÇÃO
A experiência de ouvir e contar histórias sempre encantou e continua encantando
pessoas de diversas gerações, e...
metodológica, desvinculando-se, em parte, do processo de alfabetização e de aprendizagem da
escrita, ampliando, assim, seu...
específica. Para tanto, utilizam-se atividades centradas no lúdico, ou seja, jogos, brincadeiras,
faz-de-conta, teatro, en...
Nessa perspectiva, conforme o aluno avança em seus estudos, ampliam-se seu
conhecimento e sua capacidade de compreensão, j...
desenvolvimento humano, assim como a classificação dos leitores e as leituras feitas pelos
mesmos, além de relacionar os f...
1 – A HISTÓRIA DA LEITURA
1.1 - A CRIAÇÃO DA ESCRITA
O homem é um ser histórico-social, isto é, faz história e se faz dent...
pictogramas para se comunicarem, após mil anos esses pictogramas foram substituídos por
uma forma de cunha, originando-se ...
O alfabeto era formado apenas de letras maiúsculas, somente no ano 800 é que as letras
minúsculas foram inventadas graças ...
A argila cozida, material muito resistente, foi usada por muito tempo pelos
mesopotâmicos como suporte para a escrita – es...
couro de animais facilitava a escrita na frente e no verso dele, permitia ainda o uso da pena
emergida de tinta, além de p...
E, assim, essa indústria infiltra-se, expandindo-se por vários países da Europa como
França, Alemanha e outros, os quais t...
antigos não possuíam separação entre palavras ou pontuação, nem diferenciação da letra
maiúscula para a minúscula. As fras...
como conscientização e questionamento da realidade manifesta-se, contraditoriamente, entre o
incentivo e a depreciação.
Co...
alta, no dia 22 de outubro de 1865. O leitor era um dos trabalhadores da própria fábrica que,
com boa vontade e um salário...
escrever, era açoitado com um relho de couro cru; na segunda, com um chicote de nove tiras;
e, na terceira, cortavam a pon...
2 - A LEITURA NO BRASIL
Segundo Zilberman (1999) a história do leitor, no Brasil, iniciou-se graças à expansão
da imprensa...
Artistas dessa época, como o cronista John Luccoch (In ZILBERMAN, 1999, p. 240),
que viveu no Brasil entre 1808 e 1818, de...
Estávamos um dia numa fazenda, quando avistei um livro em cima de um
piano. Um livro é coisa tão rara nos aposentos ocupad...
vão pontuando, mesmo que em fantasia ou utopia, a longa caminhada da mulher brasileira ao
mundo dos livros e da leitura.
A...
O conto de Monteiro Lobato o “Romance do chopim” (In ZILBERMAN, 1999, p. 287)
mostra, como personagem principal, a profess...
Não quero namorar necessariamente um doutor, mas precisa ser um homem
companheiro, que não seja competitivo e que entenda ...
A partir desse momento, a infância passa a ser vista de modo especial, com interesse
peculiar e necessidade de proteção. A...
clavas a nos esmagar o senso estético, embrutecer o raciocínio e estragar o
caráter. (...). Era o ler por ler, sem incenti...
iniciativa ou oportunidade, limitando-se às leituras escolares. Esta situação foi se modificando
com o passar do tempo, à ...
2.3 – O SURGIMENTO DOS LIVROS NO BRASIL
Segundo Zilberman (1999) até 1808 não existia história da imprensa no Brasil, graç...
Surgem, então, novas oportunidades de leitura, através da publicação de várias tipografias,
tais como: a imprensa do Diári...
conhecimento da história de uma nação, que, por intermédio de sua trajetória de publicação de
leitura, dá a entender que r...
3 - LEITURA: CONCEITO E APRENDIZAGEM
Escrever, eu já andava rabiscando mesmo antes de entrar para a
escola. Escrevia nas p...
3.1 - CONCEITO
Ao contrário do senso comum, a leitura não se inicia pelo entendimento do
código escrito, mas desde os prim...
Quando terminada, essa leitura deixa cenas, pessoas e momentos gravados na memória
do leitor que, mais tarde, vão servir d...
Para os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997, p.53):
Leitura é o processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de...
leitura é um dos meios de aquisição de informações e a escrita, uma das formas de divulgá-
las. Assim, como a alimentação ...
3.2 - A APRENDIZAGEM DA LEITURA
Art. 205 A educação, direito de todos e dever do estado e da família,
será promovida e inc...
Porém, a partir da constituição de 1988, uma das maiores preocupações, na área da
Educação, é fazer com que a escola cumpr...
devem ser os seus alicerces. Nele, espera-se que a criança esteja receptível para a aquisição do
conhecimento (CHARMEUX, 2...
Todavia, mais do que método de trabalho, o ato de ler envolve uma série de fatores
externos e internos, que é enfrentada p...
Após a confirmação do problema, a criança recebia os óculos ou era encaminhada para
outro(s) especialista(s).
Os fatores e...
for objeto de atenção e memorizado. A inteligência influencia no ritmo e na velocidade com
que se aprende. Quanto mais mad...
O que alguns autores chamam de pré-requisitos, Freire (2006) denomina “conhecimento
de mundo”, ou seja, toda a experiência...
Segundo ainda a autora, além de transmitir conhecimento, o ensino tem seis tarefas:
favorecer o encontro motivado com obst...
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii

408 visualizações

Publicada em

A experiência de ouvir e contar histórias sempre encantou e continua encantando pessoas de diversas gerações, entretanto é na magia do texto escrito que o ser humano pode transformar-se em outros seres, transportar-se para lugares longínquos e exóticos, em diferentes épocas, bastando para isso apenas usar a imaginação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A dificuldade da construção do interesse pela leitura nas escolas públicas de ensino fundamental i e ii

  1. 1. UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ROSANA DA SILVA CIATTI A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL I E II São Paulo 2007
  2. 2. ROSANA DA SILVA CIATTI A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL I E II Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Letras Orientadora: Profa. Dra. Rosemeire Leão da Silva Faccina São Paulo 2007
  3. 3. ROSANA DA SILVA CIATTI A DIFICULDADE DA CONSTRUÇÃO DO INTERESSE PELA LEITURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL I E II Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Letras Aprovada em BANCA EXAMINADORA ___________________________________________________________________________ Profª. Drª Rosemeire Leão da Silva Faccina Universidade Presbiteriana Mackenzie ___________________________________________________________________________ Profª. Drª Vera Lúcia Crevin da Silva Universidade de São Paulo ___________________________________________________________________________ Profª. Drª Elisa Guimarães Pinto Universidade Presbiteriana Mackenzie
  4. 4. À memória do meu pai, um homem simples, que apesar de não ter tido oportunidade para continuar os estudos, tinha consciência da importância disso na vida de uma pessoa. Assim, com o objetivo de auxiliar sua filha, na época com 8 anos de idade e muita dificuldade na leitura, seguiu a recomendação da professora e presenteou-a com um belo livro infantil: João e Maria e outras histórias bonitas.
  5. 5. AGRADECIMENTOS À Deus, fonte de toda sabedoria e amor, pela força e coragem para enfrentar todas as dificuldades e conseguir chegar ao término deste trabalho. À Profª. Drª Rosemeire Leão da Silva Faccina, por ter sido uma orientadora paciente e persistente, que confiou na capacidade da sua orientanda. À Profª. Drª Elisa Guimarães e à Profª. Drª Vera Lúcia Crevin da Silva , por suas preciosas contribuições para a melhoria desse trabalho. À toda minha família, em especial minha irmã e mãe, por todo o apóio e incentivo dado durante todas as etapas dessa pesquisa. Ao meu companheiro, Neury, por ter feito valer a palavra “companheirismo”, auxiliando e apoiando a sua companheira em todos os momentos. Aos diretores e vice-diretores das escolas pesquisadas, que permitiram que essa pesquisa ocorresse em suas unidades escolares sem nenhuma restrição. Aos coordenadores, professores e alunos das escolas pesquisadas, por sua cooperação e participação na execução da pesquisa. Ao coordenador e amigo Elício, pelos momentos de discussão, troca de idéias e sugestões para o desenvolvimento desse trabalho.
  6. 6. A leitura não é prática neutra. Ela é campo de disputa, é espaço de poder. (Márcia Abreu, 2000)
  7. 7. Resumo O trabalho a seguir aborda o conceito de leitura sob diferentes aspectos, destacando a importância dos processos que abrangem sua aquisição, como a alfabetização e o letramento, bem como os fatores envolvidos, direta ou indiretamente, na construção do interesse pela leitura na escola. Apresenta um histórico da criação da escrita e, conseqüentemente, da leitura no mundo, no Brasil e na escola, enfatizando as lutas das camadas sociais menos favorecidas pelo direito ao conhecimento. Demonstra a situação da leitura nas escolas públicas estaduais e municipais de Ensino Fundamental I e II na periferia da cidade de São Paulo, com o objetivo de justificar a crise da leitura na Educação. Verifica como é feita a escolha dos livros didáticos e paradidáticos na escola publica, assim como sua distribuição e acesso pelos alunos. Analisa o trabalho desenvolvido em quatro destas escolas em relação à aquisição e manutenção do hábito pela leitura. Avalia e conclui que o problema da construção do interesse pela leitura reside na falta de conhecimento, por parte do leitor, e do distanciamento das práticas sociais da leitura, pela escola. Palavras-chave: Leitura. Interesse. Prática Social. Alfabetização. Letramento.
  8. 8. Abstract The following work approaches, under multiple aspects, the concept of reading, emphasizing the importance of the related acquisition processes, such as literacy and the writing learning, as wells as the factors directly or indirectly included in the construction of the reading interest at school. It presents a chronology of the writing history and, therefore, of the reading in the world, in Brazil and at school, emphasizing the struggle of low income classes for the right of knowledge. Shows the situation of reading at public – city and state – schools during Basic Education I and II in the outskirts of the city of São Paulo, aiming at justifying the reading crisis on education. It checks the selection criteria of school and reading support books, as well as its distribution and access by the students. Analyses the poll developed on four different public schools in relation to the acquisition and preservation of the reading habit. Evaluates and concludes that the poor construction of the reading interest is a problem caused by the lack of knowledge by the reader and the detachment of the social practices, by the school. Keywords: Reading. Interest. Social Practices. Literacy. Writing Learning.
  9. 9. Sumário Introdução ...............................................................................................................................09 1 A História da leitura .......................................................................................................14 1.1 A criação da escrita ...........................................................................................................14 1.2 Materiais usados na escrita da pedra ao papel ..................................................................16 1.3 O nascimento da leitura silenciosa............. .......................................................................19 1.4 Contradições: incentivos e depreciação do ato de ler .......................................................20 2 A leitura no Brasil ............................................................................................................24 2.1 A leitura e a mulher no Brasil colônia ..............................................................................24 2.2 Infância, o direito à leitura ............................................................................................... 29 2.3 O surgimento dos livros no Brasil ....................................................................................33 3 Leitura: conceito e aprendizagem .................................................................................36 3.1 Conceito ........................................................................................................................... 37 3.2 A aprendizagem da leitura ................................................................................................41 3.3 Leitura: fases e tipos de leitores........................................................................................ 48 3.4 Os fatores que interferem no interesse pela leitura .......................................................... 51 4 A leitura na escola ......................................................................................................... 57 4.1 A situação atual da leitura na escola ............................................................................... 58 4.2 As recomendações dos Parâmetros Curriculares Nacionais na formação de leitores no Ensino fundamental I e II ....................................................................................................... 62 4.2.1 Objetivos de Língua Portuguesa referentes à leitura no segundo ciclo.......................... 63 4.2.2 Objetivos de Língua Portuguesa referentes à leitura no quarto ciclo .............................65 4.3 Os tipos de leitura na escola ............................................................................................ 68 4.4 A literatura Infantil e Juvenil na escola ........................................................................... 71 5 A escolha de livros nas escolas públicas ........................................................................ 73
  10. 10. 6 Caracterizações e análise de dados .............................................................................. 82 6.1 Caracterização da comunidade e dos alunos .................................................................... 83 6.2 Caracterização das escolas ............................................................................................... 85 6.3 Perfil dos professores ........................................................................................................87 6.4 Análise dos dados obtidos: teoria x prática ..................................................................... 89 7 Considerações finais ........................................................................................................106 Bibliografia ........................................................................................................................111 Anexox ..............................................................................................................................114
  11. 11. INTRODUÇÃO A experiência de ouvir e contar histórias sempre encantou e continua encantando pessoas de diversas gerações, entretanto é na magia do texto escrito que o ser humano pode transformar-se em outros seres, transportar-se para lugares longínquos e exóticos, em diferentes épocas, bastando para isso apenas usar a imaginação. O texto literário possibilita ao indivíduo olhar para o outro – personagem ficcional – e, nele, reconhecer-se, criando assim uma intimidade entre o leitor e a obra lida. Inicialmente, a leitura de textos literários possibilita a descoberta do prazer de ler histórias inventadas, fantásticas ou não; em seguida, amplia-se o conhecimento, pois aprende-se, conhecendo outros modos de ver e viver no mundo. A literatura também está presente no cotidiano do sujeito, uma vez que ela atua na maneira como ele pensa, provocando mudanças e transformações a partir de reflexões do texto lido. Cabe aqui ressaltar que o texto inexiste sem a presença do leitor, pois é ele que lhe dá voz e vida, independente do campo de atuação em que está inscrito. A leitura é uma prática social que envolve atitudes, gestos e habilidades que são mobilizadas pelo leitor, antes, durante e depois desse ato. As atitudes como gostar de ler e interessar-se pela leitura de livros são construídas, seja no convívio familiar através do exemplo dos pais e outros parentes; ou na escola, instituição oficial de divulgação do conhecimento, por meio da mediação do professor e de atividades voltadas para as práticas de leitura. Nesse contato com o prazer literário, não é pré-requisito saber ler, pois a criança pode acompanhar leituras feitas pelo professor, manusear livros e outros impressos, tentando ler ou adivinhar o que está escrito; nesse momento, o nível de interesse é muito grande porque abarca a curiosidade de conhecer o desconhecido. Nos últimos anos, a leitura tem sido tema de debate e pesquisa entre muitos estudiosos da Educação. Desde a década de 70, ela alcançou a condição de campo de pesquisa teórica e
  12. 12. metodológica, desvinculando-se, em parte, do processo de alfabetização e de aprendizagem da escrita, ampliando, assim, seu âmbito de atuação e abrangência, graças às contribuições de outras áreas como a psicolingüística, a sociolingüística e a análise do discurso. Na escola, um dos principais problemas reside em transformar o interesse ou gosto pela leitura em paixão pelas letras. Em outras palavras, a meta é levar o educando à condição de sujeito-leitor, ou seja, torná-lo competente para compreender, interpretar e criar, a partir de sua visão de mundo, o seu próprio texto. Essa tarefa inicia-se, formalmente, nas primeiras séries do Ensino Fundamental I e continua durante todo o processo de escolarização do sujeito. Ela está vinculada à alfabetização, processo específico e indispensável de apropriação do sistema de escrita, domínio dos princípios alfabéticos e ortográficos que possibilitam ao sujeito ler e escrever com autonomia, como também ao letramento, processo de inserção e participação do sujeito na cultura escrita. Apesar de serem processos diferentes, tendo cada um a sua especificidade, eles são inseparáveis e indispensáveis na formação do sujeito-leitor. Nessa perspectiva, no dizer de Lerner (2002), participar da cultura escrita significa apropriar-se de uma tradição de leitura e escrita, assumindo uma herança cultural que envolve o trabalho de diversas operações com os textos, colocando em prática os conhecimentos adquiridos através dos mesmos. Como professora da rede pública estadual, trabalhando na periferia da cidade de São Paulo, com o Ensino Fundamental I e II, desde 1992, observou-se que o estudante vai, aos poucos, perdendo o interesse pela leitura na escola e, conseqüentemente, na sua vida. O problema parece se agravar com a mudança dos ciclos, ou seja, na passagem do Ensino Fundamental I para o II, já que, além de trabalhar com outra metodologia, coincide com uma das fases do desenvolvimento humano mais difícil: a adolescência. No Ensino Fundamental I, a criança tem, na leitura, um grande foco de atenção, interesse e prazer. Como o objetivo principal desse período é a alfabetização e o letramento, trabalha-se com a diversidade de objetivos, modalidades de textos e leituras, porque diferentes objetivos exigem diferentes textos, que, por sua vez, exigem uma modalidade de leitura
  13. 13. específica. Para tanto, utilizam-se atividades centradas no lúdico, ou seja, jogos, brincadeiras, faz-de-conta, teatro, entre outras. Já no Ensino Fundamental II, aos treze ou catorze anos, essa mesma criança/adolescente, não mantém nem o mesmo grau de interesse, nem de prazer, ficando a leitura abandonada e relegada a último plano. As possíveis causas dessa mudança podem estar nas modificações hormonais e conceituais, por parte do educando; nas metodológicas, por parte da escola; ou nas de “valorização da leitura” por parte da sociedade. O fato é que a leitura, a esse tempo, vira tarefa escolar, obrigação; portanto, foco de desinteresse, tornando o trabalho do professor cada vez mais difícil, já que os outros meios de comunicação audiovisuais tornam-se mais atrativos que o livro; no entanto, é apenas nesse ato que o indivíduo tem liberdade de escolher o lugar, o tempo e a modalidade que queira e julgue conveniente, conforme seu interesse ou necessidade, seguindo seu próprio ritmo ou velocidade. Assim, ao terminar o Ensino Fundamental II, o educando desmotiva-se de forma tão acentuada que chega a fazer apenas o mínimo necessário, ou seja, passa a ler textos ou livros por imposição, cumprindo assim as tarefas propostas pelos professores em sala de aula, sendo que alguns, nem isso fazem. O professor, por sua vez, também se sente desmotivado, visto que dedica parte de seu tempo na preparação da aula, selecionando textos e atividades, para um aluno que nada faz, quase nada objetiva, uma vez que é um aluno apático, sem perspectiva ou sonhos. Outra hipótese que pode justificar as possíveis causas desse desinteresse está na dificuldade de compreensão leitora por parte do estudante. Segundo Alliende e Condemarín (2005), a compreensão leitora constitui a principal meta da leitura, envolvendo um processo de pensamento multidimensional que ocorre na interação entre sujeito, texto e leitor. Assim, é necessário que o leitor estabeleça relações entre seus conhecimentos prévios e as informações novas obtidas pelo texto, fazendo inferências, estabelecendo comparações e formulando hipóteses sobre o texto. Este processo, pela sua complexidade, envolve uma série de fatores derivados do leitor, do escritor, do texto e do conteúdo do mesmo, que juntos e dominados proporcionam a compreensão global do texto, porém separados e não entendidos levam o leitor a perder o sentido do texto.
  14. 14. Nessa perspectiva, conforme o aluno avança em seus estudos, ampliam-se seu conhecimento e sua capacidade de compreensão, já que a aquisição de novos conhecimentos possibilita novas leituras e releituras; não obstante, observou-se que esse processo não estava acontecendo como deveria, isto é, apesar de continuar os estudos, o aluno não desenvolvia sua habilidade leitora. A relevância desses fatores, na prática pedagógica da pesquisadora, foi a causa desta pesquisa, que tem como objetivo principal verificar por que um adolescente de classe baixa, tendo na escola seu único meio de ascensão social, não se interessa pela leitura de qualquer tipologia. Como objetivos secundários, propõem-se: identificar quais são os fatores externos e internos à escola que contribuem para esse processo; verificar qual a participação da escola no processo de aquisição da leitura no ensino Fundamental I e sua manutenção, enquanto “hábito de leitura” no decorrer do Ensino Fundamental II. Para tanto, buscou-se a leitura de obras que abordam a Leitura sob diferentes aspectos didáticos e metodológicos dentro da instituição oficial de ensino: a escola; e a constatação da teoria levantada por meio da pesquisa de campo, tabulação e análise dos dados. Portanto, o trabalho estrutura-se em seis (6) capítulos: O capítulo 1 apresenta um pequeno histórico do nascimento da escrita, mostrando as contribuições de vários povos na criação do alfabeto, assim como no desenvolvimento da superfície oficial da escrita: o papel. Em seguida, aborda o nascimento da leitura silenciosa e as lutas enfrentadas por diversos sujeitos na busca da aquisição da leitura e da escrita. O capítulo 2 narra a formação do leitor no Brasil, passando pela luta da mulher em libertar-se da sua condição de ignorância e total submissão, antes e depois da Proclamação da Independência, seguindo pela criação da Literatura Infantil brasileira e terminando com a escolarização do livro didático. O capítulo 3 apresenta o conceito de leitura sob o ponto de vista de diversos autores; sua aprendizagem na instituição oficial de ensino: a escola; e os fatores externos e internos que envolvem o ato de ler. Em seguida, apresenta a divisão da leitura, seguindo as fases de
  15. 15. desenvolvimento humano, assim como a classificação dos leitores e as leituras feitas pelos mesmos, além de relacionar os fatores internos e externos que interferem, direta ou indiretamente, no interesse pela leitura. O capítulo 4 traz uma visão geral da situação da leitura na escola, identificando os principais problemas e as possíveis soluções para os mesmos, em uma ação de três níveis: o Real, o Possível e o Necessário. Apresenta, também, as recomendações dos Parâmetros Curriculares Nacionais na formação de leitores no Ensino Fundamental I e II, assim como os diversos tipos de leitura presentes na escola e o envolvimento da Literatura Infantil e Infanto- juvenil na instituição de ensino. O capítulo 5 relata como são feitas as escolhas dos livros didáticos e paradidáticos nas escolas públicas estaduais e municipais, por meio de programas mantidos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Escolar (FNDE). O capítulo 6 apresenta as caracterizações da comunidade, dos alunos, dos professores e das escolas que participaram dessa pesquisa, seguindo com uma análise dos resultados apresentados na pesquisa de campo, por meio de questionários aplicados a alunos e professores, comparados com as teorias presentes no corpus do trabalho. Por fim, são retomados os objetivos e tecidas as considerações finais. Além disso, o trabalho conta com uma amostra dos questionários aplicados (anexos), mais uma referência bibliográfica.
  16. 16. 1 – A HISTÓRIA DA LEITURA 1.1 - A CRIAÇÃO DA ESCRITA O homem é um ser histórico-social, isto é, faz história e se faz dentro da própria história, interagindo-se com outros sujeitos, construindo, trocando e aprimorando os seus conhecimentos através de experiências e relações com o meio em que vive, no entanto, sua maior força de criação é a “necessidade”, mãe de todas as invenções, capaz de transformar a “ausência de” em uma grande invenção. Dessa forma, desde os primórdios da humanidade, o homem primitivo registrou suas experiências e descobertas por meio de sinais ou pinturas feitas no interior das cavernas para comunicar sua visão de mundo. Estes registros, em alguns casos, apresentavam uma grande precisão de imagens, como por exemplo, os trogloditas da Europa, do período paleolítico, que deixaram, nas cavernas em que habitavam, pinturas de animais como o bisão, o rangífer, o cavalo selvagem e outros. Essa forma de comunicação foi se aprimorando conforme o desenvolvimento de cada comunidade. A necessidade de armazenar comida, para a chegada do inverno ou para épocas de baixa produção, levou o homem primitivo a desenvolver técnicas de criação de animais e plantio de alimentos. O excedente da produção possibilitou as trocas por outros objetos e mercadorias, como ainda, para quantificar a sua produção de bens e produtos, passou-se a fazer registros. No princípio, as anotações eram feitas através de desenhos dos objetos trocados, depois criaram desenhos específicos e mais simples, facilitando os registros e a identificação. Essa invenção foi chamada de escrita pictográfica. Os pictogramas representavam seres e objetos, e a combinação de vários pictogramas representava uma idéia. A escrita, propriamente dita, nasceu por volta de 6.000 anos atrás, na Mesopotâmia, atual Iraque, entre os rios Tigre e Eufrades. Os mesopotâmios utilizavam cerca de 1.500
  17. 17. pictogramas para se comunicarem, após mil anos esses pictogramas foram substituídos por uma forma de cunha, originando-se o cuneiforme – um mesmo sinal apresentava vários significados, dependendo de sua posição ou forma de agrupamento. Devida à complexidade que aparentava esse tipo de escrita, poucos sabiam lê-la e escreve-la; então, surgiu a profissão de escriba: pessoa encarregada de ler e escrever como forma de ofício. Os escribas faziam parte de uma corporação de ofício encarregada de gravar os símbolos do poder (a linguagem escrita), em argila ou pedra, pintar em seda, em tabuinhas de bambu, em papiro ou em muros. As funções dos escribas, nesse grupo, eram bem especificas: havia aqueles que dominavam o discurso escrito, todavia não eram os mesmos que o escreviam; os que escreviam não eram leitores autorizados e estes não escreviam. Tão antiga quanto à escrita da Mesopotâmia é a escrita egípcia, que nasceu, aproximadamente, há cerca de 6.000 anos, no antigo Egito. Neste, destacava-se a escrita hieroglífica como a mais importante, sendo ainda a mais antiga. Sua origem grega significa “escrita dos deuses”. Ela era a forma mais usada de registro: conselhos para a agricultura, medicina, educação e comércio, orações, cerimônias como ainda detalhes da vida dos deuses e dos faraós, os antigos deuses egípcios. No Egito, a aprendizagem da leitura e da escrita era permitida apenas aos filhos dos nobres e dos sacerdotes, que iniciavam seus estudos aos dez anos de idade. Sua aprendizagem baseava-se em exercícios de leitura e memória, cópia e ditado dos hieróglifos. Segundo a crença dos egípcios, a escrita era mágica, pois colocar textos sagrados ao lado dos corpos dos mortos, esses garantiriam vida após a morte. O primeiro livro da humanidade foi o Livro dos Mortos, em que estão reunidos os textos egípcios sagrados (VISCONTI; JUNQUEIRA, 1995). O alfabeto, na contemporaneidade (evolução no tempo e espaço), surgiu com os fenícios, povo que vivia no território onde hoje é o Líbano, há quase 4.000 anos. Os fenícios possuíam um comércio intenso e sua necessidade de registrar o que comercializavam criou um conjunto de sinais que deram origem às atuais consoantes. Das relações comerciais com os gregos, surgiram as vogais. E, cerca de 2.200 anos depois, os romanos deram sua contribuição ao alfabeto, depois de aprendê-lo com os gregos.
  18. 18. O alfabeto era formado apenas de letras maiúsculas, somente no ano 800 é que as letras minúsculas foram inventadas graças aos funcionários do Imperador Carlos Magno, na região onde hoje está a França. Assim sendo, criou-se o alfabeto latino, que é o usado atualmente; possibilitando, assim, o registro de qualquer coisa em várias línguas (ABREU, 2000). 1.2 - MATERIAIS USADOS NA ESCRITA: DA PEDRA AO PAPEL Antes da invenção do papel, lugar oficial da escrita, o homem teve de experimentar várias superfícies diferentes, até desenvolver uma que fosse a mais adequada. Os primitivos iniciaram seus registros nas paredes das cavernas e, para tanto, desenvolveram técnicas como também habilidades para preparar essa superfície. A escrita em blocos grandes ou pequenos de pedras perdurou durante séculos. Algumas culturas chegaram a utilizar pedras pequenas para fazer seus registros, o que facilitava o seu transporte, quando necessário; outras preferiam as grandes, deixando à vista as marcas de sua cultura para as gerações futuras ou para os possíveis visitantes. O que pode ser confirmado em McMurtrie (1997): Também se utilizavam pedras pequenas. Possivelmente, os mais antigos espécies de escrita autêntica até hoje descobertos, são os que se encontraram em dois blocos de basalto bem trabalhado, com cerca de quatro polegadas quadrada: uma (a placa de Hoffman) está no seminário teológico de Nova Iorque, e a outra, no museu da universidade da Pensilvânia, em Filadelfia. (idem, p.24). Outros materiais, não permanentes, também serviram de base para o registro da escrita: peles de animais, madeiras, cascas de árvores, ossos de animais entre outros tipos. Dentre os outros materiais que se configuram como parte do processo evolutivo da escrita, pôde destacar-se a importância da argila, do papiro, da tinta, dos pergaminhos e, finalmente, do papel.
  19. 19. A argila cozida, material muito resistente, foi usada por muito tempo pelos mesopotâmicos como suporte para a escrita – este processo era feito com estilete, enquanto a argila ainda estava mole, em seguida era queimada para tornar-se resistente. As placas de argila traziam marcas em forma de cunha que, ainda hoje, testificam a capacidade e a atividade criadora daquela civilização. O papiro, forma mais próxima do papel, foi inventado pelos egípcios por volta de 2200 a.C. Para eles, o papiro era uma planta sagrada, pois sua flor era formada por hastes finas que lembravam o sol, divindade adorada por aquela civilização. O papiro era uma planta aquática que estava disponível em grande quantidade no delta do Nilo, com ela, era confeccionado o material para a escrita. Este material foi o suporte para a origem do papel e, conseqüentemente, do livro, sendo esse material muito utilizado até os primeiros séculos da era cristã em toda a Europa. Entre todos os materiais exigidos e utilizados para o desenvolvimento do processo da escrita, seja manuscrita ou de imprensa, a tinta é, sem dúvida, o mais antigo. Por volta de 5.000 a 3.000 a.C., os homens primitivos, pela litografia, já a utilizavam para descobrir suas pinturas rupestres feitas nas paredes das cavernas. A tinta era obtida através de produtos minerais, animais, como também de produtos vegetais. Com a raspagem e a trituração de pedras, obtinha-se um pó fino, o qual era adicionado à resina vegetal e, em seguida, à cera de abelha. Deste processo, extraia-se uma substância viscosa e colorida, pronta para aplicar-se sobre a superfície das pedras, nas paredes das cavernas. Com o passar do tempo, as tintas foram sendo aperfeiçoadas, de acordo com as necessidades e diversas formas de utilização sobre as mais diferentes superfícies, tais como: pedras, ossos, madeiras, tecidos, papiro, pergaminhos, cerâmicas, etc. Com a intensificação do uso do suporte de papel, desenvolveram-se tintas mais adequadas para o uso em sua superfície. O advento da imprensa fez os homens produzirem tintas as quais atendessem, satisfatoriamente, a utilização da escrita da imprensa, feita com os tipos de metal. O resultado desse processo possibilitou a produção de material de leitura, ampliando a quantidade e a qualidade dos materiais escritos antes da imprensa. O pergaminho foi utilizado pelos escribas de Pérgamo no século II a.C. como suporte para sua escrita, material que apresentava vantagens em relação ao papiro. Por ser feito de
  20. 20. couro de animais facilitava a escrita na frente e no verso dele, permitia ainda o uso da pena emergida de tinta, além de poder ser dobrado, abrindo caminho para o futuro códice. Através de transações comerciais, o pergaminho invadiu a Europa; dessa forma, no século IV da era cristã, já predominava como material usado para a escrita dos manuscritos. O pergaminho revolucionou a escrita, pois permitiu aos escribas o uso da pena de ganso como instrumento facilitador da arte de escrever, deitando a tinta já conhecida sobre uma superfície macia. Segundo pesquisas historiográficas, a China fabricava um tipo de papel rudimentar e de qualidade bem inferior ao pergaminho. Os povos árabes, por sua vez, conheceram esse material e foram os principais agentes na difusão inicial do mesmo, por meio de suas viagens comerciais. Entretanto, o papel só ganharia destaque e se tornaria um produto revolucionário após entrar na Europa no século XII. Antes dessa mudança, o pergaminho era soberano no mundo da escrita, predominando na preferência dos escribas, mas a partir do momento em que a Itália passou a produzir o papel em escala industrial para exportação, ele se tornou popular e o material mais usado para a produção da escrita por seu baixo preço e pela alta qualidade. O papel é de origem chinesa, datado de 105 da era cristã, no entanto, no século V, seu uso já era expressivo entre os chineses. Através de guerras, viagens, religiões e relações políticas, diferenciadas culturas exercem trocas mútuas, incorporando inovações e mudanças. Desse modo, o papel movimentou-se pelo oriente, onde três religiões dominantes – os missionários budistas, os cristãos nestorianos e os maometanos (árabes) – exerceram influência na sua história, restringindo essa inovação tecnológica para que não se propagasse além de seus domínios e alcançasse a Europa. Essa hegemonia foi quebrada graças aos eventos militares, permitindo que o papel se fundisse, no início, na Arábia, Egito e, posteriormente, alcançasse o mundo europeu. No princípio, por meio da Espanha que cria e amplia os primeiros moinhos em nível de produção industrial em grande escala para a exportação e, depois, na Itália, a partir de 1270, pois a indústria do papel aperfeiçoa-se e expande-se, produzindo-o em grande escala para atender grande parte da Europa.
  21. 21. E, assim, essa indústria infiltra-se, expandindo-se por vários países da Europa como França, Alemanha e outros, os quais também instalam moinhos para a fabricação do procurado e lucrativo produto – o papel. Dessa forma, esse produto generaliza-se como material usado na produção da escrita, ocupando todos os espaços, já que a alta produção possibilitou o preço baixo do produto: papel (MCMURTRIE, 1997). 1.3 - O NASCIMENTO DA LEITURA SILENCIOSA Segundo Manguel (2004), a leitura silenciosa nasceu no ano de 383 d.C., no reino do Imperador Constantino, o Grande, primeiro imperador do mundo cristão. Santo Ambrósio, bispo de Milão em Roma, foi o primeiro leitor a praticar a leitura silenciosa em uma época onde o normal era ler em voz alta. Essa prática, no Ocidente, tornou-se usual apenas no século X. Santo Agostinho – amigo e admirador do bispo Ambrósio – apresenta a descrição de sua leitura, em sua obra “Confissões”: Quando ele lia, seus olhos perscrutavam a página e seu coração buscava o sentido, mas sua voz ficava em silêncio e sua língua quieta. Qualquer um podia aproximar-se dele livremente, e em geral os convidados não eram anunciados; assim, com freqüência, quando chegávamos para visitá-lo nós o encontrávamos lendo em silêncio, pois jamais lia em voz alta. (idem, 2004, p. 58). Nas bibliotecas antigas, as consultas eram feitas em meio ao barulho das vozes; o manuseio dos pergaminhos e tabuletas antigas, entre as conversas variadas; e os pedidos dos pesquisadores aos bibliotecários, sempre em voz alta. Julian Jaynes (apud MANGUEL, 2004), psicólogo americano, em seu estudo sobre a origem da consciência, afirma que a mente bicameral – na qual um dos hemisférios torna-se especializado em leitura silenciosa – é um desenvolvimento tardio da evolução da humanidade e que o processo pelo qual essa função se desenvolve ainda está mudando. Para ele, a leitura pode ter se iniciado como uma percepção aural e não visual. Nessa perspectiva, a forma interfere no conteúdo, já que o desenvolvimento da escrita foi lento, modificando-se conforme a necessidade das culturas e sociedades, ou seja, os textos
  22. 22. antigos não possuíam separação entre palavras ou pontuação, nem diferenciação da letra maiúscula para a minúscula. As frases eram contínuas, o que ocasionava muitos erros de interpretação, principalmente se o leitor não treinasse sua leitura antes de apresentá-la ao público. Era o ouvido que fazia a separação das frases e conduzia à interpretação da leitura. A pontuação foi iniciada por Aristófanes de Bizâncio (cerca de 200 a.C.) e desenvolvida por outros eruditos da biblioteca de Alexandria, porém não havia ainda exatidão na interpretação. Em Atenas, Filácio, inventou uma cola para unir papiros e pergaminhos, desta forma os tamanhos dos rolos variavam, dependendo do assunto em questão. Com o códice (folhas dobradas ao meio), inventado pelo imperador romano, Júlio César, as páginas passaram a ser numeradas e os textos separados como Epístolas ou salmos, facilitando sua localização. Saber ler, nessas condições, exigia muita habilidade e conhecimento por parte do leitor. Para facilitar a leitura daqueles que não possuíam essa habilidade, os monges do Scriptorium dos conventos passaram a usar um método chamado er cola et commata – dividia-se o texto em linhas de significado – essa divisão auxiliava o leitor a baixar ou elevar a voz no final de um bloco de pensamento, além de ajudar os estudiosos a encontrarem um trecho que estivessem buscando. Dessa maneira, por mais que se dominasse o código, um indivíduo pouco compreendia um texto, cujos conteúdos e forma de organização não se articulavam aos seus conhecimentos de mundo. Portanto, as leituras possíveis em certas épocas não eram em outras, variavam no tempo, no espaço, em condições diferentes. Entre fatos históricos e psicológicos, concorda-se com Julian Jaynes (idem) que considera o processo da leitura uma evolução da humanidade que passa da leitura em voz alta para a leitura silenciosa. 1.4 - CONTRADIÇÕES: INCENTIVOS E DEPRECIAÇÃO DO ATO DE LER Em todas as épocas, o acesso e as condições para a leitura desempenharam um papel político, mítico e social dentro das relações de poder. Nesse espaço de contradições, a leitura
  23. 23. como conscientização e questionamento da realidade manifesta-se, contraditoriamente, entre o incentivo e a depreciação. Como incentivo o final do século XX, na França, foi o período propício para a criação de um programa de desenvolvimento da leitura, pois se acreditava que, por meio da leitura, o indivíduo se tornaria mais culto, crítico, verdadeiro e, acima de tudo, um cidadão revestido de direitos e deveres. Partindo-se dessa idéia, iniciou-se uma série de programas de incentivo ao “hábito de ler”. Fundaram-se clubes de livros, associações de desenvolvimento da leitura, elaboração de propostas pedagógicas que aproximassem o educando do livro (ABREU, 2000). Em se tratando de depreciação, o médico André Simom Tissot (apud ABREU, 2000), em seu livro, A Saúde dos homens de letras, procura advertir a população para os problemas causados pelo excesso de leitura. Segundo ele, a leitura causava uma série de problemas físicos e espirituais para quem a praticasse. Problemas físicos: cansaço da vista e esgotamento dos nervos, causados pela concentração e meditação durante a leitura. Problemas espirituais: divulgação de idéias falsas, que pareciam verdadeiras, estimulando a imaginação, o combate ao poder e à honestidade. No entanto, o mais grave, salientava o médico, era a intemperança literária, que causava a perda de apetite, dificuldades digestivas, enfraquecimento geral, espasmos, convulsões, irritabilidade, atordoamento, taquicardia, podendo conduzir à privação de todos os sentidos. Os textos literários, mais precisamente os romances, eram os mais perigosos, pois apresentavam cenas e situações imorais, corrompendo o sistema básico de valores em que a sociedade estava inserida. Um outro exemplo de incentivo à leitura, que se pode citar, ocorreu em 1865, na Cuba Espanhola. O charuteiro e poeta, Saturnino Martinez, com o apoio de vários intelectuais cubanos, publicou um jornal específico para trabalhadores da indústria de charutos, o La Aurora, abordando vários assuntos: política, ciências, literatura, poemas e contos. Entretanto, o jornal não teve muito sucesso, uma vez que apenas 15% da população sabiam ler. Na tentativa de tornar o jornal acessível a todos os trabalhadores, surgiu a idéia de realizar leituras públicas, no interior das fábricas. Com a ajuda do diretor do ginásio de Guanabara e a permissão do dono de uma das fábricas, a El Fígaro, iniciou-se a leitura em voz
  24. 24. alta, no dia 22 de outubro de 1865. O leitor era um dos trabalhadores da própria fábrica que, com boa vontade e um salário diferenciado, lia todas as informações e reportagens contidas no jornal. Com o tempo e o sucesso, outras fábricas seguiram o exemplo. Dentro do mesmo processo de incentivo à leitura, houve a depreciação e o desestímulo, pois o esforço para iluminar a mente dos trabalhadores, através do conhecimento, foi barrado pelo governador de Cuba, que caracterizou o ato como subversivo e baixou, em 14 de maio de 1866, um decreto proibindo todas as fábricas de executarem qualquer tipo de leitura que não fosse referente ao trabalho. Assim, a voz do opressor se fez presente mais uma vez, tentando impedir o avanço cultural das classes menos favorecidas. Todavia, ela não impediu a luta, nem inibiu aqueles que tiveram sede de conhecimento. Apenas fez a conquista ter um valor e um sabor maior. Portanto, a construção da leitura expressou transformação da própria sociedade na mobilização do desejo individual para agir e participar das relações de poder estabelecidas, mas isso se deu por meio das lutas entre dominados e dominadores. De todas as lutas pela aquisição da leitura e escrita, ao longo da história, nenhuma foi mais difícil e dolorosa do que a dos escravos negros. Alguns casos valem ser lembrados, como exemplo de persistência e vitória dessa luta; além de incentivo para aqueles que acreditavam que aprender a ler, efetivamente, não faria diferença em suas vidas. Em 1660, Carlos II da Inglaterra decretou que o conselho para as Propriedades Rurais no exterior deveria instruir os nativos, servos e escravos das colônias britânicas nos preceitos do cristianismo. Contudo, os donos de escravos não aceitaram a idéia, pois temiam que se a população negra fosse alfabetizada para a religião, poderia ser também para os movimentos abolicionistas e revolucionários, já que eles sabiam a força da palavra escrita. A oposição ao decreto foi tão forte que, um século depois, criaram leis rigorosas proibindo todos os negros, escravos ou homens livres, de aprenderem a ler. Segundo relatos de ex-escravos afro-americanos, as condições de aprendizagem eram as mais difíceis possíveis. Os negros arriscavam a vida em um processo que levava vários anos, sob severas penas: a primeira vez que o negro era surpreendido tentando aprender a ler ou
  25. 25. escrever, era açoitado com um relho de couro cru; na segunda, com um chicote de nove tiras; e, na terceira, cortavam a ponta do seu dedo indicador. Alguns casos comprovam essas dificuldades, como o de Belle Myers Carolthers (In MANGUEL, 2004, p. 312) que aprendeu as letras enquanto cuidava do bebê do dono da fazenda onde morava, pois este brincava com cubos alfabéticos. Ao presenciar a cena, seu dono chutou-a várias vezes, mas não a impediu de continuar estudando, às escondidas, as letras do alfabeto. Achei um hinário (...) e soletrei: Quando Posso Ler Meu Título Claro. Fiquei tão contente quando vi que podia realmente ler que fui correndo contar para todos os outros escravos. Outro herói dessa luta foi Thomas Johnson (In MANGUEL, 2004, p. 313), que, após a abolição, se tornou pregador missionário na Inglaterra. Sua aprendizagem se deu por meio de uma bíblia roubada de seu dono. Todas as noites, seu dono lia em voz alta um capítulo do Novo Testamento e ele o persuadia a ler o mesmo capítulo várias vezes, até que o soubesse de cor e pudesse achar as mesmas palavras no livro. A mesma estratégia ele usou com o filho do seu dono, encorajando o menino a ler e fingindo admiração no seu desempenho. Assim, por meio da repetição, aprendeu o suficiente para ler jornais e, após a guerra civil, ensinar outros negros. Mais do que uma luta pelo direito à aquisição do conhecimento, a história da leitura e da escrita retratou a luta de duas forças antagônicas, presentes estas nos dois tipos de sociedades: a dominante, tentando manter a dominada na mais profunda ignorância, pois assim poderia ser conduzida facilmente; e a dominada, buscando o saber como arma para conquistar seu lugar na sociedade.
  26. 26. 2 - A LEITURA NO BRASIL Segundo Zilberman (1999) a história do leitor, no Brasil, iniciou-se graças à expansão da imprensa, à ampliação do mercado do livro, à difusão da escola, à alfabetização em massa, à valorização da família e da privacidade doméstica, como também à necessidade urgente de lazer. Sua emancipação está ligada à história da modernização da sociedade, assim como sua função, que deixou de ser individual – um decodificador de signos, ou um mero apreciador de histórias – e passou a ser social, para a qual se direcionam ações individuais, esforços coletivos e necessidades econômicas. A emancipação do leitor encena, de certo modo, o processo da libertação de que se originou a sociedade moderna. Nesse sentido, narrar a formação da leitura no Brasil, significa narrar também a história da sociedade brasileira, que tem como personagens coadjuvantes: a mulher e a criança. 2.1 - A LEITURA E A MULHER NO BRASIL COLÔNIA Um dos fatores mais importantes, citados por Zilberman (idem), para que a leitura se expandisse ao ponto de se transformar em prática social, foi a valorização da família, pois ela era a miniatura da sociedade idealizada pela burguesia. E uma das atividades mais adequadas ao seu contexto privativo era a leitura de livros ou folhetins de orações para mulheres e histórias infantis para crianças. Antes da valorização da família, a prática da leitura quase não existia para as mulheres. No século XIX, após a independência do Brasil, a presença feminina se fez presente no campo da produção e circulação das obras literárias, graças à criação de um projeto educacional para a nova nação, que incluía a instrução da mulher, até então muito precária, principalmente, em relação à cultura escrita.
  27. 27. Artistas dessa época, como o cronista John Luccoch (In ZILBERMAN, 1999, p. 240), que viveu no Brasil entre 1808 e 1818, denunciam o tratamento dado à mulher pela sociedade local no início do século XIX. Segundo ele, entre as mulheres predominava a ignorância, a má aparência, a frivolidade e a violência sobre os escravos, uma vez que sua educação se limitava à alfabetização. Estava assentado que o saber ler para elas não deveria ir além do livro de rezar, pois que isso lhes seria inútil, nem tão pouco se desejava que escrevessem, a fim de que não fizessem, como sabiamente se observava um mau uso dessa arte. (idem, 1999, p. 241). Debret (In ZILBERMAN, 1999, p. 241), pintor que observou o cotidiano brasileiro entre 1816 e 1831, mostra os meios pelos quais as mulheres conseguiam burlar a vigilância dos pais: Pais e maridos favoreciam esta ignorância a fim de destruir pela raiz os meios de correspondência amorosa. Essa preocupação, tão nociva, aliás, ao desenvolvimento da instrução, levou as brasileiras a inventarem uma combinação engenhosa de interpretação simbólica das diferentes flores, construindo uma linguagem. Luccock e Debret referem-se ao Brasil ainda como colônia portuguesa, no entanto, após a proclamação da independência, a situação continuou a mesma. As mulheres brasileiras eram condenadas a uma vida de repressão e constrangimento. Só podiam sair de casa, sem provocar escândalos, acompanhadas de seus maridos, negras ou de seus filhos. Os passeios restringiam- se à missa e para ver a vida, fora de suas casas, observavam a cidade pela janela de suas casas, quando possível. O acesso aos livros era restrito e controlado, assim como sua educação. Pouca coisa elas sabiam da história do seu próprio país e quase nada de outras nações. Como a maioria era analfabeta, o mundo letrado não tinha significado para elas. Aquelas, que sabiam ler, recebiam de seus maridos ou pais livros sobre moral e bons costumes; as mais ousadas liam romances de folhetins ou romances franceses, sendo alguns considerados mundanos e inadequados para mulheres. Elizabeth Agassiz (In ZILBERMAN 1999, p. 245) mostra essa dura realidade em determinados trechos de Viagem ao Brasil 1865-1866:
  28. 28. Estávamos um dia numa fazenda, quando avistei um livro em cima de um piano. Um livro é coisa tão rara nos aposentos ocupados pelas famílias que fiquei curiosa em saber qual seria o conteúdo dele. Era um romance, e, ao virar-lhe as páginas, veio o dono da casa e disse em alta voz que aquela não era uma leitura conveniente para mulheres. – “Aqui está (entregando-me um pequeno volume) uma excelente obra que comprei para minha mulher e minhas filhas”. Abri o precioso volume, era uma espécie de tratado de moral, cheio de banalidades sentimentais e de frases feitas em que reinava um tom de condescência e proteção à pobre inteligência feminina (...) Em uma tentativa de amenizar o verdadeiro retrato da situação da mulher brasileira, mostrado por Debret e Luccoock entre outros, alguns escritores brasileiros criam narrativas protagonizadas por moças educadas, finas e capazes de discutir com homens em nível de igualdade, conforme se pode comprovar nas obras de José de Alencar e Machado de Assis através das personagens Lúcia, Emília, Aurélia, Guiomar e Helena, donzelas de uma personalidade forte, mulheres batalhadoras e acima de tudo vencedoras, apesar da opressão masculina. No entanto, essas narrativas não mostram nenhum desencontro ente os depoimentos dos observadores estrangeiros e os textos de ficção, uma vez que as preferências literárias e os hábitos de leitura das personagens seguem os mesmos padrões já citados. Autores respeitados como Shakespeare e Chateaubriand, misturam-se com Balzac, George Sand e Alexandre Dumas, considerados menores, fazendo parte dos livros de cabeceiras dessas grandes mulheres ficcionais. Os hábitos sociais e a ideologia patriarcal, que favorece a dominação do homem sobre a mulher, também são reforçados nas narrativas, através do casamento, da dedicação ao lar, à família como também dos desfechos de submissão e resignação de suas personagens. Como, por exemplo, a personagem Aurélia, na obra Senhora de José de Alencar, que apesar de toda sua rebeldia, riqueza e superioridade, ajoelha-se diante do marido e pede perdão pelos seus atos. Assim, enquanto registro de uma situação social complexa, o romance adorna e idealiza uma circunstância histórica, fazendo surgir uma dialética entre testemunho e fantasia, sendo esta última a que possibilita à literatura esboçar uma utopia para as mulheres do século XIX: desafiar o universo masculino. Os escritores desse século tentaram, através de seus romances, transmitir uma imagem mais positiva da mulher em relação à sua cultura e vida social. Eles
  29. 29. vão pontuando, mesmo que em fantasia ou utopia, a longa caminhada da mulher brasileira ao mundo dos livros e da leitura. Abreu (In ZILBERMAN, 1999, p. 259) defende que compete à mulher, enquanto mãe, educar os filhos, e é em função disso que se devem tomar providências no sentido de sua formação. Ela diz: Só a mulher culta e moral saberia resolver com vantagem os difíceis problemas da instrução universal, do luxo em relação à posição pecuniária do indivíduo e que só ela poderia plantar no coração da mocidade os são princípios da ordem na liberdade. Luiz e Verney (In ZILBERMAN, 1999, p. 238) postulam também a necessidade de se instruir mulheres, alegando que enquanto mães de família elas: São as nossas primeiras mestras nos primeiros anos de vida. Elas ensinam a língua e nos dão as primeiras idéias das coisas, acrescentando que, elas governam a casa e a direção do econômico fica na esfera da sua jurisdição. Ele recomenda que leiam e que tanto as casadas quanto solteiras podem achar grande utilidade na notícia dos livros. No final do século XIX, ocorreram várias campanhas em favor da instrução feminina. Lideradas por militantes como Nísia Floresta, Luciana de Abreu e Júlia Lopes de Almeida, elas reforçavam a idéia de se formar e instruir a mulher, uma vez que eram mães e cuidavam da instrução e formação de seus filhos, além de terem o direito de assumir seu lugar na sociedade. No entanto, essa reivindicação só foi atendida graças ao enriquecimento brasileiro decorrente da exportação do café, pois os novos grupos sociais (classe média e produtores rurais) insatisfeitos com a imagem política, econômica e cultural do Brasil, propõem mudanças para modernizar e civilizar a nação, entre elas, estão a educação da mulher e a obrigatoriedade do ensino para crianças. Já, no século XX, a relação da mulher com a leitura tomou novos rumos. Conforme a nova situação, o acesso ao mundo dos livros e da cultura estava conquistado, porém isso não garantia o respeito e os seus direitos na sociedade machista. Os romances passam a mostrar uma mulher privilegiada pela instrução, porém vítima de sua nova posição social.
  30. 30. O conto de Monteiro Lobato o “Romance do chopim” (In ZILBERMAN, 1999, p. 287) mostra, como personagem principal, a professora Dona Zenóbia em pleno exercício de sua profissão, desempenhando com competência seu trabalho em uma cidadezinha do interior paulista. Entretanto, essa personagem nada mais é do que um bom partido para alguns homens, já que tem salário, dinheiro aplicado e economias, como mostra o trecho a seguir: Meu amigo apontou o homem com o beiço e murmurou: - Um chopim. - Chopim? Repeti interrogativamente, estranhando a palavra que ouvia pela primeira vez. -Quer dizer marido de professor. O povo alcunha-o desse modo por analogia com o passarinho preto que vive à custa do tico-tico. Conheces? Raquel de Queiroz, no romance O Quinze, mostra o alto preço pago pela dedicação aos livros através da personagem Conceição. A protagonista do romance é moça, solteira, professora e grande leitora de todo tipo de livro, principalmente os ideológicos, além de se aventurar pelo mundo da escrita. No entanto, ela se mantém solteira por não conciliar o seu grande conhecimento com seu grande amor Vicente, fazendeiro e homem de pouca cultura. Em suma, o espaço de leitura, na vida da mulher, foi conquistado aos poucos e com muito sacrifício pessoal. Hoje ele é amplo e impõe respeito. Traz a segurança do conhecimento e a identificação das próprias capacidades, integrando-a de forma definitiva na sociedade moderna. Entretanto, tanta excepcionalidade, ainda é motivo de preconceito e discriminação, por parte de grupos de homens que ainda estão arraigados à mentalidade machista do século passado. Como exemplo, da atual condição da mulher, cita-se a revista do jornal Folha de São Paulo, de 22 de novembro de 1998, em uma reportagem sobre relacionamento, mostrou a dificuldade de várias mulheres com alto grau de instrução em conseguir um companheiro. Segundo elas, tanta cultura assusta os homens e os faz sentir-se inferior. Elas dificilmente conseguem encontrar alguém com o mesmo grau de estudo ou equivalente, logo preferem ficar sozinhas. Como mostra o depoimento de Teresa Ancora Lopez, 55 anos, desquitada, professora-doutora de direito civil da USP e autora de seis livros:
  31. 31. Não quero namorar necessariamente um doutor, mas precisa ser um homem companheiro, que não seja competitivo e que entenda o sucesso. O alto grau de instrução não significa que a parte emocional também esteja desenvolvida. Apesar de todos os pontos negativos e dificuldades, atualmente, o interesse pelos estudos é maior no sexo feminino. Em uma sala de ensino fundamental ou médio, com 45 alunos, cerca de 60% a 65% são do sexo feminino. E esta situação não é diferente nos cursos de graduação ou pós-graduação, ou seja, a mulher continua sua luta pela independência intelectual e financeira. 2.2 – INFÂNCIA, DIREITO À LEITURA Assim como a mulher, a criança também teve de travar sua luta, porém, mais do que um direito à leitura, foi uma conquista pelo reconhecimento de sua classe, uma vez que não se escrevia para crianças porque não existia infância. Esta faixa etária não era percebida como um tempo diferente, nem o mundo da criança como um espaço separado. Segundo Coelho (1991), os primeiros livros para crianças surgiram ao final do século XVII e durante o século XVIII, em decorrência do aparecimento de uma nova noção de família centrada em um núcleo unicelular, voltado para a manutenção de sua privacidade e do afeto entre seus membros. Antes desse modelo não existia qualquer atenção em relação à infância e os laços amorosos entre adultos e crianças eram quase inexistentes, o que dificultava, em muito, sua relação. Os adultos e as crianças participavam dos mesmos eventos, sem traços afetivos especiais no tratamento entre eles, como comenta Zilberman (In CUNHA, 1990, p. 23). Antes da constituição deste modelo familiar burguês, inexistia uma consideração especial para a infância. Essa faixa etária não era percebida como um tempo diferente, nem o mundo da criança como um espaço separado. Pequenos e grandes compartilham dos mesmos eventos, porém nenhum laço amoroso especial os aproxima. A nova valorização da infância gerou maior união familiar, mas igualmente os meios de controle de desenvolvimento intelectual da criança manipulação de suas emoções. Literatura infantil e escola, inventada a primeira e reformada a segunda, são convocadas para cumprir esta missão.
  32. 32. A partir desse momento, a infância passa a ser vista de modo especial, com interesse peculiar e necessidade de proteção. A situação da criança começa a mudar, pois até então o seu acesso às leituras era completamente restrito, limitava-se a ouvir histórias dos mais velhos, contos de fadas que encantavam e iam despertando nelas o prazer de ouvir e aprender. Este horizonte, apesar de limitado, vai se ampliando vagarosamente e, com o passar do tempo, a criança passa a ter acesso à leitura. Na Europa, os primeiros livros infantis de sucesso, iniciadores da literatura infantil, resultam da apropriação dos contos de populares que circulavam entre os homens do campo. Muitos deles existem entre nós em versões diferentes. A criança nos séculos passados era vista como um adulto em miniatura, cujo período de maturidade (a infância) devia ser encurtado o mais rápido possível. Sua educação era rigidamente disciplinadora e punitiva; e a literatura exemplar procurava levar o pequeno leitor a assumir, precocemente, atitudes consideradas adultas. No Brasil, essa situação não foi muito diferente. A literatura infantil tem início com obras pedagógicas e adaptações portuguesas, observando duas tendências: a dos clássicos, como adaptações; e a do folclore, como apropriação dos contos de fadas. Os contos de Perrault e dos irmãos Grimm foram republicados e adaptados várias vezes, perdendo-se da história original. Somente com Monteiro Lobato é que o Brasil iniciou a produção da literatura infantil (CUNHA, 1990, p.24). A educação brasileira passou por uma série de problemas, entre eles a carência e a inadequação dos livros escolares, o improviso, a monotonia de uma escola centrada apenas em aulas expositivas, na mão de professores despreparados e desassistidos; prejudicando, assim, a construção de leitores. Muitos alunos se limitavam a assistir ao professor, pois só ele era a autoridade, ficando apenas com as lições impostas na sala de aula, uma vez que não havia diálogo ou questionamento sobre as mesmas. Sílvio Romero (In ZILBERMAN, 1999, p.57) mostra está situação através do seu depoimento: Ainda alcancei o tempo em que nas aulas de primeiras letras aprendia-se a ler em velhos autos, velhas sentenças fornecidas pelos cartórios dos escrivãos forenses. Histórias detestáveis e, enfadonhas na sua impertinente banalidade, eram nos ministradas nestes poeirentos cartapácios. Eram como
  33. 33. clavas a nos esmagar o senso estético, embrutecer o raciocínio e estragar o caráter. (...). Era o ler por ler, sem incentivo, sem préstimo, sem estímulos nenhuns. Alguns alunos insatisfeitos e mais ousados buscavam, a todo custo, conseguir livros diferentes para ler, surgiram, então, as leituras clandestinas. A clandestinidade tornou-se condição para que a leitura pudesse ser realizada a contento, sem a interferência de adultos. Aranha (In ZILBERMAN, 1999, p.218) conta como fazia, quando criança, para ler livros diferentes: (...) O meu desvio foi para os livros, da estante do meu pai. Eu os carregava comigo para o telhado da casa onde eu passava pela janela do meu quarto de estudos. Fechava por fora cautelosamente a janela e sentado nas telhas lia desbragadamente (...) e vivia o mundo picaresco e tenebroso de Gil Blás. Para mim, que vinha me alimentando de fábulas, de magias, de prosa poética e que tinha sede de realidade, Gil Blás foi regalo substancial, que me nutriu para sempre. O escritor Graciliano Ramos também descobriu na leitura encantos raros, diversos de sua vida marcada por frustrações, inclusive escolares. Em “infância”, ele conta que alfabetizado à força, mas enfim leitor, depara com uma dificuldade insolúvel: como adquirir livros? Afinal escreve o romancista, “eu precisava ler, não os compêndios escolares, insossos, mas aventuras, justiça, amor, vinganças, coisas até então desconhecidas”. Quando pôde fazê- lo, procura lugares escondidos: Escapulia-me com o romance debaixo do paletó, (...) ia esconder-me na sala. Mergulhava-me numa espreguiçadeira e (...) passava horas adivinhando a narrativa, à luz que se coava pelos vidros baços. À medida que o gosto pela leitura aumentava, o problema crescia: onde conseguir livros? (Ramos apud ZILBERMAN, 1999, p.226) O fornecedor do escritor foi o tabelião Jerônimo Barreto, que lhe emprestou todas as suas coleções, para que ele pudesse se aventurar no mundo da escrita. As práticas de leitura cresceram e expressaram-se ao longo de sua história ao multiplicarem-se sujeitos e forças, nela envolvidos e ao diversificarem-se modos de leitura. Hoje, eles são admirados por suas obras. As suas conquistas foram devidas ao grande espaço que a leitura ocupou em suas vidas, ainda na infância, proporcionando-lhes integrar-se na sociedade como cidadãos e bons escritores. Infelizmente, muitos não tiveram a mesma
  34. 34. iniciativa ou oportunidade, limitando-se às leituras escolares. Esta situação foi se modificando com o passar do tempo, à medida que os métodos de ensino também foram se desenvolvendo, com relação à prática de leitura. No início da República, uma nova formação ideológica era o desejo do Estado. Nos colégios onde se instruíam os filhos da burguesia, o ministro recomendava aos professores que incentivassem seus alunos a ler. Em uma circular de 1872, Jules Simon pedia aos diretores das escolas que favorecessem “as leituras particulares” de seus alunos. Os professores, pouco propensos a se meter no lazer de seus alunos, permaneciam reticentes com relação a essas incitações. Mas o ministério insistiu e o tema foi retomado durante a reforma de 1902. Os professores podem ser de grande valia para despertar a curiosidade intelectual (...) incitando os alunos a ler, sem outra indicação além de uma lista, tão extensa e tão variada quanto possível, de livros apropriados à idade, à inteligência dos jovens leitores e através da qual farão sua escolha livremente, com o propósito de aprender mais e de se distraírem. O essencial é despertar o gosto pela leitura. (ZILBERMAN, 1999, p.66) Assim sendo, desde o início do século XX, faz parte das missões legítimas dos professores era aconselhar leituras de puro prazer. Ferry (apud ARACY, In ZILBERMAN,1999, p.68) exprime essa fé inabalável no poder emancipador da leitura. Ele afirma que: Para nós, o livro entenda-nos, qualquer que seja o livro é o instrumento fundamental e irresistível da inteligência. Alves (In ZILBERMAN, 1999) relata que o movimento de particularização social decorrente da ordem capitalista estabelecida facilitou a distinção entre o público e o privado, como ainda as novas posturas do homem burguês incentivaram sentimentos de propriedade e livre iniciativa de escolha do livro. A difusão da leitura pela imprensa correspondeu à popularização crescente do livro. O diagnóstico das condições necessárias à formação do leitor pretende contribuir para a melhoria do processo de incentivo à leitura, na certeza de que sua prática, alargando horizontes, permite ao indivíduo a descoberta de novas formas de ser e viver, interna e externamente.
  35. 35. 2.3 – O SURGIMENTO DOS LIVROS NO BRASIL Segundo Zilberman (1999) até 1808 não existia história da imprensa no Brasil, graças ao alvará de 20 de março de 1720, impedindo a instalação, na colônia, de manufaturas, inclusive as dedicadas às “letras impressas”, o que retardou o desenvolvimento da imprensa no país, e, por conseqüência, a implantação de prática de leitura mais intensa e consciente. Em 1808, quando D’João transferiu-se para o Rio de Janeiro, a administração real precisou de um instrumento para publicar seus atos e proclamações, logo o modelo de colonização implantado teve de ser modificado para atender à demanda. Segundo Rubens Borba Moraes (apud ZILBERMAN 1999, p.123), o acaso ajudou a contornar a situação: A transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, foi o começo de tudo. Nos porões da nau Medusa, veio de Lisboa prelo com seus pertences. Era uma tipografia completa encomendada na Inglaterra por D. Rodrigo de Souza Coutinho, futuro Conde de Linhares, para servir à sua Secretaria de Estado dos negócios Estrangeiros e da Guerra. Não tendo sido usada, encontrava-se ainda encaixada na ocasião do embarque para o Rio de Janeiro. Com este fato, o Brasil teve a permissão de imprimir a página de um livro, introduzindo assim, a tipografia no país. Durante três séculos, esse instrumento foi proibido no Brasil, por ser capaz de divulgarem manifestos e idéias contrárias ao governo vigente. Um dos maiores problemas da imprensa, durante os seus primeiros anos, foi a atuação da censura governamental, que controlava a circulação de todos os impressos no país por meio de uma comissão nomeada Mesa Censória. Assim todos os avisos, anúncios e notícias de livros e obras existentes à venda, estrangeiros ou nacionais, não eram publicados sem que fossem examinados e previamente aprovados, sob pena de prisão e multa para seus divulgadores e responsáveis pelas vendas. Só a partir de 1821, por decorrência da constituição imposta a D’ João, após a revolução do porto, em 1820, abole-se a censura e termina o monopólio estatal, possibilitando o funcionamento de outras tipografias que entravam em concorrência com a imprensa nacional.
  36. 36. Surgem, então, novas oportunidades de leitura, através da publicação de várias tipografias, tais como: a imprensa do Diário, fundada por Zeferino Victor de Meireles; a Oficina de Silva Porto & C., de Manuel Joaquim da Silva Porto (livreiro, poeta) e de Felizardo Joaquim da Silva Moraes, entre outras. No entanto, não bastava ter autorização para funcionar e dispor de pessoal e equipamento, pois os custos ultrapassavam os lucros, uma vez que havia pouca leitura e pouco consumo de letras no país. Para aliviar os gastos, alguns acordos com o governo eram inevitáveis. As obras didáticas passaram a constituir parte considerável do catálogo da impressão régia e de outras tipografias particulares. Apesar da abolição da censura, o governo ainda controlava alguns impressos, principalmente, os didáticos. Sua influência era inevitável, sendo encontrada em todas as etapas de escolarização de um indivíduo. Luccock (apud ZILBERMAN, 1999, p.127) relata o aparecimento de publicações utilitárias, destinadas à formação dos jovens: A imprensa licenciada (...) produziu mais algumas obras úteis, além das que se referem às questões militares. Entre estas, estimamos como a de maior valia, o “Tesouro dos Meninos” que trata de “Moral, virtude e boas maneiras”. Com muita propriedade foi ela dedicada a Dom Miguel, segundo filho do Rei, pois que não há menino que tanto necessite dos seus ensinamentos como esse: sua educação foi mui limitada e infeliz... No início da escolarização do livro didático, as tipografias existentes não conseguiam atender a demanda, assim, fez-se necessário a importação dos mesmos. Porém seus textos e temas eram inadequados para a juventude brasileira. Para sanar o problema, temporariamente, exigia-se que a tradução fosse feita por autores nativos. Desses elementos fundadores, cria-se a história do livro didático nacional, que ocupa papel central na configuração das questões relativas à leitura e leitores no Brasil. O livro didático talvez seja uma das modalidades mais antigas da expressão escrita, já que é uma das condições de funcionamento da escola. Ele interessa igualmente a uma história da leitura, pois forma o leitor e sua influência é inevitável, uma vez que está ao lado do educando durante todo o período da aula. Além de ser uma poderosa fonte de
  37. 37. conhecimento da história de uma nação, que, por intermédio de sua trajetória de publicação de leitura, dá a entender que rumos seus governantes escolheram para a educação, desenvolvimento, mas ainda capacitação intelectual e profissional dos habitantes de um país. Macaúbas (apud ZILBERMAN, 1999, p.195), na introdução escrita em 1871 para seu terceiro livro de leitura “para uso das escolas brasileiras”, critica a qualidade do livro didático, quanto à insuficiência de sua distribuição. Relata a improvisação e a inadequação das obras escolares, identificando seu espanto ao sentimento que desalentou os constituintes logo após a independência e que retoma em tantos depoimentos: Na província da Bahia, como tive ocasião de verificar o ano passado, a proporção de livros distribuídos nos nove anos foi aproximadamente de um para quinhentos meninos. Quer isso dizer que a maior parte dos meninos aprendem (sic) a ler sem livros, servindo-se, principalmente nas localidades centrais ou pouco consideráveis, das cartilhas do pé. Inácio, de bilhetes e cartas (às vezes, oh Deus!, com que letra e ortografia!) ou de gazetas que seus pais lhes fornecem, ou de velhos autos, pelo comum indecifráveis, que os próprios mestres alcançam dos tabeliões do lugar! Com o passar do tempo, os livros foram aumentando em número e qualidade, adequando-se às novas formas de ensino que, apesar de lentas, foram surgindo. A luta pela incorporação de temas ou textos, mais próximos da realidade das práticas sociais de leitura, continua presente. Atualmente, a leitura ocupa um espaço concreto na vida do indivíduo; no entanto, falta a conscientização da sua importância na transformação do indivíduo em cidadão, consciente e participativo de uma sociedade.
  38. 38. 3 - LEITURA: CONCEITO E APRENDIZAGEM Escrever, eu já andava rabiscando mesmo antes de entrar para a escola. Escrevia nas paredes do galinheiro, no cimento do tanque ou no passeio da rua. Arranjava um pedaço de carvão, de tijolo, de caco de telha, pedra de cal. Minhas irmãs me pediram para traçar amarelinha no quintal. Eu caprichava. Usava uma vareta de bambu sobre a terra batida. Além de fazer casas bem quadradas e certas, ainda escrevia os números e as palavras céu e inferno. De tanto as meninas pularem em cima, as palavras se apagavam, aos poucos, mas escrever não era sacrifício para mim. Comecei a escrever um nome feio e pequeno, por onde passava. Descontava minha raiva na parede da igreja ou nos muros do cemitério. Escrevia na maior rapidez. Meu irmão, José, ia atrás arrumando minha indecência e desrespeito. Crescia em mim uma inveja grande de sua inteligência. Ele puxava mais uma perninha no u e fazia uma voltinha em outra perna e virava e. Então ele botava um acento, e pronto! A palavra feia e imoral se transformava na palavra “céu”. (Bartolomeu Queirós, 1997)
  39. 39. 3.1 - CONCEITO Ao contrário do senso comum, a leitura não se inicia pelo entendimento do código escrito, mas desde os primeiros instantes da vida humana e por todo o seu cotidiano. Através dos órgãos do sentido e motivado pela curiosidade e necessidade, um bebê inicia sua aprendizagem lendo e interagindo com o mundo à sua volta. Esta experiência pessoal exige a interação do sujeito leitor com o objeto, em um determinado tempo, espaço e circunstância. Observando, então, a interação de uma criança com o universo de formas, cores, sensações e situações que a cerca, Freire (1997) e Martins (1994) concluíram que a leitura está intimamente relacionada a esta interação. Enquanto Freire avalia que a aprendizagem da leitura das palavras é uma continuação da leitura do mundo e deve ocorrer de forma natural e tranqüila; Martins foi mais além, classificando os níveis de leitura como sensorial, emocional e racional. A leitura sensorial começa muito cedo e acompanha o sujeito por toda a vida. É o primeiro contato da criança, para conhecer o mundo à sua volta, está relacionado com as escolhas que ela faz. Portanto, segundo Martins as experiências vão construindo o gosto pela leitura, à medida que ela vai interagindo com o mundo. Antes de iniciar a leitura do código escrito, a criança faz a leitura do objeto. Ela é despertada, através da leitura sensorial, pelo colorido da capa e das imagens, pelo formato, cheiro, tamanho e textura do livro; o abrir e fechar, a possibilidade de virar e desvirar as páginas, tudo possibilita a sensação de prazer e desejo pelo objeto. Um livro abundante em ilustrações coloridas é muito mais atraente do que um com poucas. Já a leitura emocional é aquela que desperta desde a mais simples até a mais complexa emoção. Ela estabelece um diálogo íntimo entre o leitor e os personagens, os lugares e as situações encontradas, seja em um livro, filme, em uma música ou em um objeto de arte. É capaz de levar o leitor a lugares e tempos inimagináveis, respondendo sempre à sua necessidade em certo momento específico.
  40. 40. Quando terminada, essa leitura deixa cenas, pessoas e momentos gravados na memória do leitor que, mais tarde, vão servir de referência para outras leituras, em outro momento da vida. Essas lembranças podem ser desagradáveis ou não, como, por exemplo, a leitura de um livro ou um texto para uma prova. Por mais necessária que seja, ela poderá despertar rejeição se não for devidamente trabalhada. O contrário ocorre quando, em função da identificação do leitor com o objeto, surge a empatia pelo que foi lido. Nesse tipo de leitura, a criança é muito espontânea, chegando a ser, em alguns momentos, exagerada ao demonstrar o quanto gostou e se identificou com o que leu. Diferentemente das anteriores, a leitura racional estabelece uma ponte entre o leitor e o conhecimento, possibilitando tanto atribuir significado ao texto, quanto questioná-lo. Ela enfatiza a superioridade dos fenômenos intelectuais sobre os sentimentos e a vontade. Para esse tipo de leitura, é necessário que o leitor veja o texto de forma isolada, sem interferência do contexto ou envolvimento pessoal, onde o mais importante é salientar seu caráter eminentemente reflexivo e dialético, levando o leitor a perceber no objeto apenas o que interessa ao seu sistema de idéias, limitando a noção de leitura apenas ao texto, exigindo do leitor um alto grau de conhecimento. Outro aspecto importante é captar como se constrói o texto e seu sentido; para tanto, analisa-se os indícios textuais, pequenas unidades de sentido, que auxiliam o leitor a compreender o objeto lido em sua totalidade. Para Martins, esses níveis não existem isoladamente, uma vez que é da natureza humana a interação entre a sensação, a emoção e a razão, tanto na expressão, quanto na busca e compreensão do mundo. Todavia, ocorre a prevalência de um sobre o outro, segundo o tipo de leitor. À proporção que se desenvolvem as capacidades sensoriais, emocionais e racionais, desenvolve-se também a capacidade leitora em todos os níveis, possibilitando o trânsito entre os níveis e a compreensão de algo (um texto, um quadro) que não se compreendia antes. Apesar de haver várias leituras de diferentes linguagens, a da escrita impõe-se em todas as sociedades letradas, pois é por meio dela e sobre ela que se repensa o ato de ler, permitindo voltar inúmeras vezes ao texto, testar a memória, incitar o imaginário, deixar sentidos, emoções e pensamentos serem representados pela variedade de significados que um único vocábulo possui.
  41. 41. Para os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997, p.53): Leitura é o processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de construção do significado do texto, a partir dos seus objetivos, do conhecimento sobre o assunto, sobre o autor, de tudo o que sabe sobre a língua: características do gênero, do portador, do sistema de escrita etc. Dessa forma, leitura não é decodificação de letra, mas uma atividade que envolve compreensão e interpretação das características do texto, ou seja, dependendo de sua estrutura o aluno saberá se é um poema, uma peça de teatro, um diálogo ou outro texto, porque o texto fala com o leitor, ou seja, há um diálogo entre leitor, assunto e autor. Colomer (2002) considera que a leitura é mais do que um simples ato mecânico de decifração de signos gráficos, é antes de tudo um ato de raciocínio, uma vez que vários mecanismos mentais são orientados para a construção da interpretação da mensagem escrita, partindo do conhecimento prévio do leitor e das informações do texto. Já Orlandi (2001) divide a leitura em dois sentidos: amplo e restrito. O amplo é visto como “atribuição de sentidos”, podendo ser utilizada tanto na escrita, como na oralidade; já o restrito, pode significar a construção de um aparato teórico e metodológico de aproximação de um texto; em relação ao aspecto escolar, a leitura está vinculada à alfabetização (aprender a ler e escrever) podendo adquirir um caráter de estrita aprendizagem formal. Antunes (2004) pontua que a atividade da leitura é um complemento da produção da escrita, isto é, interação entre sujeitos que vai além da simples decodificação dos sinais gráficos. O leitor, no processo de interação, participa buscando recuperar, interpretar e compreender o conteúdo e as intenções do autor. Para essa busca, os elementos gráficos (as palavras, os sinais, as anotações) funcionam como indicações do autor para que o leitor descubra significações, elabore suas hipóteses, tire suas conclusões. No entanto, nem toda informação está explícita no texto, faz-se necessário que o leitor tenha algumas informações prévias sobre o assunto, derivadas do seu próprio conhecimento de mundo e das relações simbólicas que se estabelecem na atividade de compreensão do texto. Para Morais (1996), ler é uma arte esquecida, reduzida a processos repetitivos entre os neurônios. Conseqüentemente, lê-se tão automaticamente que, na maioria das vezes, não se reflete sobre a leitura feita, como também perde-se muito de sua beleza e sentido, pois a
  42. 42. leitura é um dos meios de aquisição de informações e a escrita, uma das formas de divulgá- las. Assim, como a alimentação fornece energia ao corpo, a leitura alimenta a alma e a mente com uma série de informações, de diversas áreas, gerando com o leitor, quase uma relação de namoro, como se o texto alimentasse e aumentasse seus desejos e anseios. É interessante salientar que não se lê um mesmo texto da mesma forma, uma vez que a leitura está vinculada à visão de mundo do sujeito leitor. Desta forma, pontua Morais (1996), há vários tipos de leituras: respeitosas, analíticas, debochadas, proibidas, leituras para ouvir, para reescrever, leituras mágicas, de assustar, nem se lê todos os mesmos livros, pois se tem a liberdade de escolher, na maioria das vezes, o que se vai ler. E esse despertar é como uma comunhão do leitor com o texto, ocorre em todas as artes, contudo, ela é desprezada na escola, uma vez que não se respeita a forma como a criança interpreta o texto, determinando qual deve ser a forma correta de interpretá-lo. Assim sendo, pressupõe-se que diminui o prazer e institui o dever da leitura. Nesse sentido, Daniel Pennac (Comm um roman) In Morais,1996 ) diz que “O que lemos de mais belo, devemos quase a um ente querido. E é a um ente querido que falaremos disso primeiro”. Porém, em outras palavras, Charmeux (2000) afirma que a leitura deve ser vista como meio de chegar-se a algum lugar, e não como um fim em si mesmo. Saber ler é ser capaz de servir-se do escrito para a realização de um projeto: a compreensão, ou seja, dar sentido às palavras. Assim, a leitura é uma atividade de acesso ao conhecimento produzido, ao prazer estético e, ainda, às especificidades da escrita. Segundo a autora, há duas razões que levam o indivíduo a ler: achar respostas para o que questionar e para distrair-se. Nessa perspectiva, a leitura é uma atividade individual, entretanto, está inserida em um determinado contexto histórico-econômico-social, envolvendo intenções e atitudes que vão desde a decodificação do sistema de escrita até à compreensão e à produção de sentido do texto lido. Sua meta é a compreensão dos textos (verbais e não-verbais), ou seja, ir além da compreensão linear e fazer inferências, com base na bagagem cultural e no conhecimento lingüístico do leitor.
  43. 43. 3.2 - A APRENDIZAGEM DA LEITURA Art. 205 A educação, direito de todos e dever do estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (Constituição da República Federativa do Brasil, p.252, 1988). Segundo Ferreiro (2000), em relação à aprendizagem da leitura e escrita, as escolas trabalhavam imitando os modelos antigos, ou seja, o ensino das técnicas separadamente: escrever (traçar corretamente as letras), ler (pronunciar adequadamente as palavras) para depois passar para a leitura expressiva (compreensão) e a escrita eficaz (técnica a serviço do produtor). Esse método não obteve bons resultados, criando assim o “fracasso escolar”, ou seja, o fracasso da aprendizagem, tendo como único culpado o aluno. Desta forma, o educando passou a ser tratado como um doente, necessitando de um diagnóstico para um possível prognóstico, objetivando a superação do fracasso da alfabetização. Em uma tentativa de identificar a principal doença responsável por esse fracasso, na década de 60, estudiosos da área da saúde e educação elegeram a dislexia. Em 1970, os estudos sociológicos da educação, transferiram a responsabilidade do problema para o contexto familiar. Assim, a patologia passou a ser social e característica de países pobres ou/e em desenvolvimento: pobreza endógena e hereditária, baixa expectativa de vida com altas taxas de mortalidade infantil, desnutrição, multilingüismo. Já nos anos 80, enquanto os países pobres tentavam vencer o analfabetismo, os desenvolvidos descobriram o iletrismo, ou seja, produção de leitores sem sentido pleno. Atualmente estar alfabetizado para continuar os estudos, não é estar alfabetizado para a vida cidadã. O indivíduo precisa estar alfabetizado para o jornal, a literatura, para os livros, para o computador, para a internet, ou seja, precisa ser capaz de ler e entender vários meios de aquisição de conhecimento. Apesar de viver-se em um mundo repleto de tecnologia, a escola pública não atende essa demanda.
  44. 44. Porém, a partir da constituição de 1988, uma das maiores preocupações, na área da Educação, é fazer com que a escola cumpra seus objetivos mais básicos: ensinar a ler e a escrever, ou seja, alfabetizar o educando. Para tanto, busca-se um método de alfabetização que seja o mais eficiente possível, no entanto, no dizer de Charmeux (2000): “Não é o método, mas o comportamento do professor em face da sua prática pedagógica que faz a diferença”. Em relação à alfabetização – a canalização da informação, as hierarquias de conhecimento e poder – os métodos pelos quais se aprende a ler carregam as convenções da sociedade que os criou, como também as formas pelas quais a capacidade de ler do sujeito é posta em uso. A paixão e o prazer pela leitura estão diretamente ligados ao método por que a criança inicia sua aprendizagem formal na escola. Se o método for agradável e próximo da sua realidade, a aprendizagem será apenas uma continuação das suas tarefas diárias; no entanto, se for muito complexo e distante da sua vivência, poderá causar estranhamento e, até, uma rejeição por parte do educando. A maioria dos professores define método como um conjunto de materiais, técnicas e procedimentos para se atingir uma finalidade, ou seja, um conjunto programado de atividades para o professor e o aluno desenvolverem. Entretanto, todo método, para ser eficaz, precisa ter a ele subjacentes hipóteses claras sobre a natureza da aprendizagem desse objeto. E seu aplicador precisa ter consciência dessas hipóteses (KATO, 1999). Um dos métodos mais usados, atualmente, é o silábico ou sintético, que consiste no reconhecimento e produção de sílabas. Inicia-se com a aprendizagem das letras e segue-se com a produção de sílabas e palavras. É o método mais antigo e tem mais de dois mil anos. Até o século XVII, previa-se, para este método, quatro anos de aprendizagem: o primeiro para as letras, o segundo para as sílabas, o terceiro para as palavras e o quarto para as frases. Desta forma, ele era desencorajador, porque nem todos deviam ter o poder de saber ler e escrever. Segundo esse modelo, a criança é um pote vazio, onde vão ser colocados os conhecimentos de base, como se fossem os alicerces da fundação de uma casa. E sobre esta casa serão levantados tijolos de conhecimento: português, matemática, história, geografia etc. Entretanto, não há um planejamento adequado de como a parede deve ser levantada ou como
  45. 45. devem ser os seus alicerces. Nele, espera-se que a criança esteja receptível para a aquisição do conhecimento (CHARMEUX, 2000). Ampliando o conceito de alfabetização chegou-se ao letramento, que pode ser definido como o processo de inserção e participação na cultura escrita. Trata-se de um processo que tem início quando a criança começa a conviver com as diferentes manifestações da escrita na sociedade (placas, rótulos, embalagens comerciais, revistas, livros) e se prolonga por toda a vida com possibilidade de participação nas práticas sociais que envolvem a língua escrita, como, por exemplo, a leitura e a redação de contratos, de livros científicos e de obras literárias. Infelizmente, é muito comum encontrar, hoje, alunos que passaram ou estão passando pela escola, aprenderam técnicas de decifração do código escrito e são capazes de ler palavras e textos simples e curtos, mas não são capazes de usar a língua escrita em situações sociais que necessitem de habilidades mais complexas. Essas pessoas estão alfabetizadas, mas não letradas, logo apresentam várias dificuldades para entenderem e refletirem a respeito de um texto escrito. Apesar de serem processos diferentes, a alfabetização e o letramento se completam, são indispensáveis e inseparáveis, para tanto, devem ser conciliados na escola, de forma a garantir, ao educando, a apropriação do sistema alfabético/ortográfico e a plena condição de uso da língua nas práticas sociais de leitura. Como a produção da escrita não ocorre na mesma velocidade que a recepção, o educando pode estar pronto para escrever, mas não para ler. Assim, alguns alunos podem adquirir a escrita antes da leitura, porém uma interfere na outra, como mostra Kato (1999) : “Na verdade, uma vez iniciado o processo da aquisição da leitura e da escrita, parece haver uma inferência recíproca, de forma que quanto mais se lê, melhor se escreve, e quanto mais se escreve, melhor se lê”. Em relação ao leitor, os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997) determinam que o leitor é aquele que consegue entender e interpretar o que está implícito na leitura, percebendo o que está por traz de uma frase ou parágrafo, relacionando o texto com outros já lidos por ele, porém, isso somente será possível quando o leitor perceber que a leitura é um meio de aprendizagem e de transmitir conhecimento.
  46. 46. Todavia, mais do que método de trabalho, o ato de ler envolve uma série de fatores externos e internos, que é enfrentada pela maioria dos profissionais da área da educação, que além de prejudicar o aprendizado, cria barreiras para que o sujeito atinja certo nível de conhecimento e desenvolvimento. Alliende e Condemarin (2005) pontuam e classificam esses fatores em físicos e fisiológicos, sociais, emocionais e culturais, perceptivos, cognitivos e lingüísticos. Os fatores físicos e fisiológicos correspondem à idade cronológica da criança - a idade média para se iniciar a leitura formal da escrita e leitura é de seis anos. Dependendo da escola (pública ou privada) essa idade varia, conforme os serviços que ela oferece. A rede pública municipal oferece vagas para crianças a partir de quatro anos na EMEI (Escola Municipal de Educação Infantil), onde a criança inicia o trabalho com processos de socialização e termina com a pré-escola (seis anos). Em seguida, a criança é encaminhada para a primeira série do ensino fundamental na EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental). A rede estadual oferece vagas apenas para crianças a partir de sete anos, na primeira série do ensino fundamental. Contudo, nem sempre o fato da criança ter seis ou sete anos significa estar preparada para iniciar a aprendizagem da leitura e da escrita. Ela pode ter idade e não ter maturidade, o que acarreta dificuldades e falta de interesse para se iniciar o processo de alfabetização. Entendendo maturidade como o processo pelo qual ocorre a mudança e o crescimento progressivo, nas áreas física e psicológica do organismo infantil (BATTO, 1976). Logo para iniciar a aprendizagem formal deve existir um mínimo de maturidade, com o qual ela deve fundamentar-se. Os fatores sensoriais referem-se à deficiência auditiva e visual que pode alterar a percepção das palavras escritas ou faladas durante o processo de aprendizagem. Entre os problemas mais comuns, têm-se a miopia e a hipermetropia. Nas escolas da região da periferia de São Paulo, até o ano de 2002, havia um programa chamado Boa Visão, que tinha como objetivo identificar e oferecer tratamento para crianças com deficiências visuais. Um professor de cada escola era encarregado de fazer os testes básicos, em todas as crianças da primeira série do ensino fundamental. Aquelas que apresentavam alguma deficiência eram levadas para um especialista, conveniado com o programa, para testes mais aprofundados.
  47. 47. Após a confirmação do problema, a criança recebia os óculos ou era encaminhada para outro(s) especialista(s). Os fatores emocionais e sociais – ou seja, a maturidade emocional e social – definem o grau de confiança do educando. Eles dependem da personalidade, da educação e da forma de vida que a criança leva. Aquelas que confiam em si mesmas e em outras são mais independentes, resolvem os seus problemas e exigem pouca atenção dos adultos. São participativas, adoram desafios e se recuperam das atividades negativas com muita facilidade. Já as menos confiantes, precisam de atenção e acompanhamento em quase todas as atividades. Têm pouca iniciativa e dependem do adulto para saber o que fazer. Essa diferença fica muito clara nas séries iniciais do Ensino Fundamental, se prolongando até o Ensino Médio, em alguns casos. Os fatores sócio-econômico-culturais estão, diretamente, ligados à família e à comunidade em que a criança esta inserida, pois determinam o nível de estimulação lingüística que ela vai ter. Pais alfabetizados, com hábitos de leitura e que valorizam a cultura, podem ensinar e incentivar seus filhos por meio de exemplos. A presença de livros, jornais, revistas e gibis de boa qualidade em casa, não garantem que a criança se torne um grande leitor, mas fará com que tenha uma maior disposição para a leitura. Já as famílias com pais analfabetos ou semi-analfabetos, com pouca cultura e baixa situação financeira, oferecem pouco ou nenhum estímulo lingüístico para seus filhos. Mas como toda regra tem uma exceção, alguns pais analfabetos não medem esforços para que seus filhos estudem, uma vez que conhecem e entendem essa necessidade. Já os fatores perceptivos (percepção e discriminação visual) são mais marcantes em leitores intermediários, quando a criança inicia o processo de decodificação. Ela pode ter um bom nível de acuidade visual, porém pode apresentar dificuldade para reparar nas diferenças e semelhanças entre as formas visuais, ou seja, pode apresentar problemas de discriminação visual. Assim, ela cometerá equívocos na grafia, na ortografia, na fonologia, na sintaxe e na semântica. Se uma criança comete muitos erros na leitura, poderá sentir-se envergonhada; diminuindo, assim, o seu interesse e prazer pela leitura. Os fatores cognitivos relacionados diretamente à leitura são a inteligência e as habilidades mentais específicas, como a atenção e a memória, pois aprende-se apenas o que
  48. 48. for objeto de atenção e memorizado. A inteligência influencia no ritmo e na velocidade com que se aprende. Quanto mais madura for a criança, mais facilmente ela reterá e recuperará o que aprendeu, ao contrário de uma criança com baixa idade mental. A memória e a atenção estão intimamente relacionadas e são um pré-requisito para a aprendizagem, uma vez que ela exige, através da memória, retomada de informações apreendidas e atenção para a aquisição de novas. Uma das formas de se aumentar o nível de atenção é intervir por meio da motivação e do interesse, ou seja, quanto mais interessante e atraente for a leitura, maior será o nível de atenção do leitor. Porém, tanto o excesso como a deficiência de atenção, também é prejudicial para a aprendizagem. Crianças hiperativas não conseguem se concentrar apenas em uma tarefa; e as com déficit de atenção levam mais tempo para assimilar as informações. Já os fatores lingüísticos correspondem ao enriquecimento da linguagem e à estimulação precoce da criança ao mundo letrado à sua volta, preparando a mesma para enfrentar com eficiência a aprendizagem de aspectos gráficos, ortográficos, fonológicos, sintáticos e semânticos envolvidos na leitura. Para tanto, é necessário que a criança viva ou freqüente um ambiente cheio de estímulos, verbais e escritos, possibilitando-lhe oportunidades variadas para o seu desenvolvimento. Dando continuidade a essa idéia, Kato (1999) enfatiza a importância de verificar se o educando está pronto para iniciar o processo de ensino aprendizagem da escrita e leitura, ou seja, se a criança já possui os pré-requisitos mínimos para se aventurar no mundo das letras. Dentre eles, a autora destaca: desempenho oral normal para a sua idade; capacidade de distinguir diferentes sistemas de signos, diferenciando os diversos tipos de linguagem (desenho, figura, texto); consciência da natureza simbólica da escrita, ou seja, arbitrariedade do código da escrita; capacidade para análise segmental da fala em nível silábico ou fonológico, isto é, capacidade para aprender sons como unidades abstratas; capacidade para reconhecer a autonomia da escrita, pois a associação que a criança faz entre fala e escrita não a deixa diferenciar fala de leitura e não reconhece a leitura silenciosa como leitura; capacidade de discriminação visual, pois, através dela, a criança distingue, dentro de um texto, sistemas gráficos distintos: letras, números e sinais de pontuação; capacidade de discriminação auditiva; deficiências auditivas não identificáveis levam a erros de leitura e escrita.
  49. 49. O que alguns autores chamam de pré-requisitos, Freire (2006) denomina “conhecimento de mundo”, ou seja, toda a experiência vivida pela criança, em que houve um aprendizado, através da observação, da participação de forma natural e espontânea, proporcionando uma leitura do seu mundo. Desta forma, ao chegar à escola, a criança não terá dificuldades em continuar sua leitura, apenas mudará o objeto de estudo, passaria a ler as letras com o conhecimento adquirido através da leitura do mundo. A curiosidade do menino não iria distorcer-se pelo simples fato de ser exercida, no que fui mais ajudado do que desajudado por meus pais. E foi com eles, precisamente, em certo momento dessa rica experiência de compreensão do meu mundo imediato, sem que tal compreensão tivesse significado malquerenças ao que ele tinha de encantadoramente misterioso, que eu comecei a ser introduzido na leitura da palavra. A decifração da palavra fluía naturalmente da “leitura” do mundo particular. (...) Fui alfabetizado no chão do quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras do meu mundo e não do mundo maior dos meus pais. O chão foi o meu quadro-negro; gravetos, o meu giz. (FREIRE, 2006, p. 15). No entanto, apesar da importância desse conhecimento de mundo, deve observar-se que muitos alunos, principalmente das escolas públicas da periferia de São Paulo, ao iniciarem sua vida escolar, apresentam uma grande pobreza de vivência devido às suas condições sócio- econômico-culturais precárias. Essa deficiência, em muitos casos, afeta o desenvolvimento e o interesse do educando. E a participação dos pais, como fator de motivação para a aprendizagem da leitura e escrita, citado por Freire, é muito pequena, uma vez que a maior parte deles trabalha, fora ou dentro de casa, com serviços terceirizados, além de serem analfabetos ou semi-analfabetos. Desta forma, grande parte das crianças da periferia constrói seu conhecimento sozinha, criando seus próprios valores e formas de encarar o mundo em que vive. Para Charmeux (2000), a construção do conhecimento, pelo sujeito que aprende, ocorre por meio de dois fatores: o encontro com obstáculos que provoca a tomada de consciência de novas necessidades (motivação) e a análise desses obstáculos, assim como das hipóteses propostas pelos pares. Como o indivíduo não pára de aprender, esse processo modifica-se e continua por toda a fase adulta. Entretanto, para transpor esses obstáculos a criança precisa de ajuda, que pode ser de seus pais, nos primeiros anos de vida, e de seus professores na fase escolar.
  50. 50. Segundo ainda a autora, além de transmitir conhecimento, o ensino tem seis tarefas: favorecer o encontro motivado com obstáculos através de projetos, jogos, brincadeiras, possibilitando e estimulando a superação dos mesmos; provocar e guiar a análise do que se passou durante as situações de obstáculos, pois a compreensão da situação é o primeiro passo para a aprendizagem; fornecer a documentação necessária para a interpretação das observações, ou seja, o professor deve registrar os avanços e dificuldades dos seus alunos para poder auxiliá-los adequadamente; facilitar a formulação das leis e das regras construídas pelas crianças, a partir do momento em que a criança formula as normas, ela demonstra o seu entendimento da situação; conduzir as ações de interiorização e de exercitação de forma que elas acrescentem informações ao conhecimento já existente; observar as estratégias das crianças e avaliar suas aquisições. A autora também pontua que essas tarefas ocorrem em três níveis: o nível da ação: só posso aprender verdadeiramente o que faço e só posso estar verdadeiramente seguro do que sei no momento em que me torno capaz de fazer (aprender fazendo); o nível do conhecimento (cognitivo): só posso aprender o que compreendo, no momento em que o faço, logo a análise do que se passa quando se aprende é uma passagem necessária e obrigatória (saber fazer); e o nível da afetividade: trata-se do desejo de aprender que está ligado ao sentimento de insegurança, vivido no momento da aprendizagem, por meio da familiaridade com os objetos e locais nos quais se realiza a aprendizagem (prazer em aprender). 3.3 - LEITURA: FASES E TIPOS DE LEITORES A maioria dos autores divide a leitura por idade, seguindo as fases do desenvolvimento cronológico do ser humano. Para esta pesquisa, escolheu-se a caracterização apresentada por Bamberger (2006). São elas: a) Fase inicial integral-pessoal, egocêntrica (de 2 a 5 anos) – A criança inicia a fase egocêntrica, isto é, tudo está centrado nela; faz pouca distinção entre o mundo interior e exterior, experimentando o meio em que vive em relação a si mesma (idade do pensamento mágico). Nesta fase, os livros mais indicados são os com gravuras de

×