O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Ações de Controle Básica e Controladores Automáticos Industriais

698 visualizações

Publicada em

Funcionamento dos controladores para automação

Publicada em: Dispositivos e hardware
  • Seja o primeiro a comentar

Ações de Controle Básica e Controladores Automáticos Industriais

  1. 1. Mestrado em Engenharia da Computação Ações de Controle Básica e Controladores Automáticos Industriais Cleber Schroeder Fonseca
  2. 2. Ações de Controle Básicas
  3. 3. • Controladores de duas posições • Controladores proporcionais • Controladores do tipo integral • Controladores do tipo proporcional e integral • Controladores do tipo proporcional e derivativo • Controladores do tipo proporcional, integral e derivativo
  4. 4. Controladores de duas posições
  5. 5. • Em um sistema de controle de duas posições, o elemento atuante possui apenas duas posições fixas. • É um sistema relativamente simples e barato, por isso muito utilizado.
  6. 6. u(t) = U1, para e(t) > 0 u(t) = U2, para e(t) < 0
  7. 7. Controladores proporcionais
  8. 8. Neste tipo de controle a relação entre o sinal de saída é: u(t) = Kp.e(t)
  9. 9. Controladores integrais
  10. 10. Neste controle o valor do sinal de saída é variado segundo um sinal de erro atuante. du(t) dt = Kie(t)
  11. 11. Controladores do tipo proporcional e integral
  12. 12. Neste controle o valor do sinal de saída é variado segundo um sinal de erro atuante. u(t) = Kpe(t)+ Kp Ti e(t)dt t ò 0 U(s) E(s) = Kp (1+ 1 Tis )
  13. 13. Controladores do tipo proporcional e derivativo
  14. 14. Neste controle o valor do sinal de saída é variado segundo um sinal de erro atuante. u(t) = Kpe(t)+KpTd de(t) dt U(s) E(s) = Kp (1+Tds)
  15. 15. Controladores do tipo proporcional, integral e derivativo
  16. 16. Este controle é combinação dos três controles com as principais vantagens de cada um deles. u(t) = Kpe(t)+ Kp Ti t ò e(t)dt +KTpd o de(t) dt U(s) E(s) = Kp (1+ 1 Tis +Tds)
  17. 17. Efeito do sensor no desempenho do sistema • O sensor representa um papel importante na determinação do desempenho global do sistema de controle. • O sensor normalmente determina a função de transferência no ramo de retroação.
  18. 18. Efeito das ações de controle Integral e Derivativa
  19. 19. Ação do controle integral No controle proporcional de um processo, o sinal de controle, em qualquer instante é igual á área sob a curva do sinal de erro atuante até aquele instante. A ação de controle integral, embora remova o erro residual ou erro em regime estacionário, pode resultar em uma resposta oscilatória com amplitude lentamente decrescente ou mesmo com amplitude crescente, ambas usualmente indesejáveis.
  20. 20. Ação de controle derivativa Quando adicionada a um controlador proporcional, propicia um meio de obter um controlador com alta sensibilidade. Antecipa o erro atuante e inicia uma ação corretiva mais cedo, tendendo a aumentar a estabilidade do sistema.
  21. 21. Controladores Pneumáticos e Hidráulicos
  22. 22. • A forma mais versátil de transmitir sinais são os fluidos. • São amplamente usados na indústria. • Pneumáticos descrevem sistemas que utilizam o ar ou gases. • Hidráulicos descrevem sistemas que utilizam líquidos como óleo.
  23. 23. Comparação entre sistemas pneumáticos e hidráulicos 1. O ar e os gases são compreensíveis, enquanto o óleo é incompreensível. 2. O ar é desprovido de propriedades lubrificantes e sempre contém vapor d`água. O óleo funciona como fluido hidráulico e também como lubrificante. 3. A pressão de operação normal de sistemas pneumáticos é muitíssimo mais baixa do que a dos sistemas hidráulicos 4. As potencias de saída dos sistemas pneumáticos são consideravelmente menores do que a dos sistemas hidráulicos 5. A precisão dos atuadores pneumáticos é deficiente nas baixas velocidades, enquanto a precisão dos atuadores hidráulicos pode ser satisfatória em todas as velocidades.
  24. 24. 6. Em sistemas pneumáticos, a fuga externa é permissível até certo ponto, mas a fuga interna deve ser evitada porque a diferença de pressão efetiva é um tanto pequena. Nos sistemas hidráulicos, a fuga interna é permissível até certo ponto, mas a fuga externa deve ser evitada 7. Não são requeridas tubulações de retorno em sistemas pneumáticos que utilizam ar, mas elas são sempre necessárias em sistemas hidráulicos 8. A temperatura de operação normal em sistemas pneumáticos é de 5º a 60ºC, no entanto pode ser operado na faixa de 0º a 200ºC. Os sistemas hidráulicos são muito suscetíveis a temperatura devido ao atrito do fluído, a operação normal se dá de 20º a 70ºC 9. Sistemas pneumáticos são a prova de fogo e de explosão, enquanto os sistemas hidráulicos não o são
  25. 25. Controladores eletrônicos
  26. 26. Amplificadores operacionais São frequentemente utilizados para amplificar sinais em circuitos sensores e em filtros com propósitos de compensação. e0 = K(e2 -e1) = -K(e1 -e2 )
  27. 27. Amplificador Inversor É um amplificador operacional que inverte o sinal de saída
  28. 28. e0 = - R2 R1 e1 i1 = ei - e' R1 i2 = e'- e0 R2 Por definição Uma vez que apenas uma corrente desprezível flui para o amplificador, a corrente i1 deve ser aproximadamente igual à corrente i2 ei - e' R1 = e'- e0 R2 Como K(0-e’)=e0 e K >> 1, o valor de e’ deve ser ≅ 0 ei R1 = -e0 R2 Ou
  29. 29. Amplificador não-inversor
  30. 30. e0 = K(ei - R1 R1 + R2 e0 ) Onde K é o ganho diferencia do amplificador ei = ( R1 R1 + R2 + 1 K )e0 Como K >> 1, se R1/R1+R2 >> 1/K e0 = (1+ R2 R1 )ei
  31. 31. Muito Obrigado a todos!

×