SlideShare uma empresa Scribd logo

Canto viii 96_99

Este documento resume estrofes de um poema que discutem o poder corrupto do dinheiro. O poema usa exemplos da mitologia para mostrar como o desejo por ouro levou à traição no passado. Também lista várias maneiras como o dinheiro pode corromper, incluindo corromper amigos, nobres, e distorcer a justiça e religião.

1 de 5
Baixar para ler offline
Esquemas-síntese de
«Reflexões do Poeta.
O dinheiro enquanto
fonte de corrupção» —
Canto VIII,
estâncias 96-99
(p. 207)
Estas estrofes constituem um comentário sobre o poder perverso
do dinheiro, indicando o Poeta que a avidez deprava quer os ricos quer
os pobres.
Origem da reflexão:
Esta análise do Poeta surge no seguimento das ciladas sofridas por Vasco
da Gama em Calecute. O nauta é detido pelo Catual de Calecute quando
regressa às naus. O Catual, corrompido pelos muçulmanos, não permite que
a troca das fazendas portuguesas por especiarias da Índia seja efetuada.
Os portugueses apenas podem partir quando entregam as fazendas.
• Permanece nas naus, «vagaroso»
• Decide não tornar a desembarcar
• Desconfia do Catual
Vasco da Gama:
a figura da prudência
Estância 96
Caracterização do Catual
de Calecute:
• traidor «cobiçoso»
• «corrompido e pouco nobre»
1.ª parte
Tripla
adjetivação
Aviso do Poeta:
o poder do dinheiro
(de que nem ricos
nem pobres se libertam)
é fatal
2.ª parte
Exemplos da mitologia clássica
que comprovam a afirmação inicial:
o desejo do ouro leva à traição
Estância 97
• Rei da Trácia
• Assassinou Polidoro, filho de Príamo, rei de Troia
• Desejava roubar o ouro que Polidoro transportava
• Acrísio encerrou a sua filha numa torre para a impedir de ter filhos
• Júpiter penetra na torre sob a forma de uma chuva de ouro e seduz a jovem
• Jovem romana que abriu as portas da cidade aos Sabinos, inimigos de Roma
• Esperava ser recompensada com pulseiras de ouro
• Os Sabinos esmagaram-na com os seus escudos
Rei Treício,
Polimnestor
Filha de Acrísio,
Dánae
Tarpeia
3.ª parte
O poder do dinheiro:
consequências negativas
Estâncias 98 e 99
• Faz entregar fortalezas bem guardadas
• Transforma os amigos em falsos e traidores
• Leva os mais nobres a perder a sua virtude
• Corrompe a pureza e a consciência
• Distorce a interpretação de textos (legais ou sagrados)
• Provoca alterações nas leis e na aplicação da justiça
• Incita ao perjúrio e a testemunhos falsos
• Conduz à tirania dos reis
• Corrompe os elementos do clero que assumem uma imagem
de virtude (espalha a hipocrisia)
Enumeração

Recomendados

Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCatarina Sousa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesAnaGomes40
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lurdes Augusto
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteHelena Coutinho
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 

Mais procurados (20)

Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do PoetaCanto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
Canto IX - estâncias 88-95, Reflexões do Poeta
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 

Semelhante a Canto viii 96_99

Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ixKaryn XP
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesAntónio Fraga
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)António Fraga
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125luisprista
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Maria João C. Conde
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29luisprista
 
Canto viii os lusidas
Canto viii os lusidasCanto viii os lusidas
Canto viii os lusidasRui Ferreira
 
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.pptSandra Ameixinha
 
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)LauraMoreira94
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132luisprista
 
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência.
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência. Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência.
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência. PIBID HISTÓRIA
 

Semelhante a Canto viii 96_99 (13)

Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 124-125
 
Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"Categorias da Narrativa em "A Aia"
Categorias da Narrativa em "A Aia"
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
 
Canto viii os lusidas
Canto viii os lusidasCanto viii os lusidas
Canto viii os lusidas
 
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt
_Os Lusíadas__ reflexões do poeta.ppt
 
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)
Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Lenda Taa
Lenda TaaLenda Taa
Lenda Taa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 132
 
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência.
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência. Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência.
Slide - Trechos Cecília Meireles, o Romanceiro da Inconfidência.
 

Último

A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...azulassessoriaacadem3
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 

Último (20)

A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 

Canto viii 96_99

  • 1. Esquemas-síntese de «Reflexões do Poeta. O dinheiro enquanto fonte de corrupção» — Canto VIII, estâncias 96-99 (p. 207)
  • 2. Estas estrofes constituem um comentário sobre o poder perverso do dinheiro, indicando o Poeta que a avidez deprava quer os ricos quer os pobres. Origem da reflexão: Esta análise do Poeta surge no seguimento das ciladas sofridas por Vasco da Gama em Calecute. O nauta é detido pelo Catual de Calecute quando regressa às naus. O Catual, corrompido pelos muçulmanos, não permite que a troca das fazendas portuguesas por especiarias da Índia seja efetuada. Os portugueses apenas podem partir quando entregam as fazendas.
  • 3. • Permanece nas naus, «vagaroso» • Decide não tornar a desembarcar • Desconfia do Catual Vasco da Gama: a figura da prudência Estância 96 Caracterização do Catual de Calecute: • traidor «cobiçoso» • «corrompido e pouco nobre» 1.ª parte Tripla adjetivação Aviso do Poeta: o poder do dinheiro (de que nem ricos nem pobres se libertam) é fatal
  • 4. 2.ª parte Exemplos da mitologia clássica que comprovam a afirmação inicial: o desejo do ouro leva à traição Estância 97 • Rei da Trácia • Assassinou Polidoro, filho de Príamo, rei de Troia • Desejava roubar o ouro que Polidoro transportava • Acrísio encerrou a sua filha numa torre para a impedir de ter filhos • Júpiter penetra na torre sob a forma de uma chuva de ouro e seduz a jovem • Jovem romana que abriu as portas da cidade aos Sabinos, inimigos de Roma • Esperava ser recompensada com pulseiras de ouro • Os Sabinos esmagaram-na com os seus escudos Rei Treício, Polimnestor Filha de Acrísio, Dánae Tarpeia
  • 5. 3.ª parte O poder do dinheiro: consequências negativas Estâncias 98 e 99 • Faz entregar fortalezas bem guardadas • Transforma os amigos em falsos e traidores • Leva os mais nobres a perder a sua virtude • Corrompe a pureza e a consciência • Distorce a interpretação de textos (legais ou sagrados) • Provoca alterações nas leis e na aplicação da justiça • Incita ao perjúrio e a testemunhos falsos • Conduz à tirania dos reis • Corrompe os elementos do clero que assumem uma imagem de virtude (espalha a hipocrisia) Enumeração