SlideShare uma empresa Scribd logo
São Paulo, 23/03/2008

Jornalismo em ano eleitoral
Opinião: Por Carlos Alberto Di Franco

Estamos em ano eleitoral. Campanhas milionárias, promessas irrealizáveis e imagens produzidas
farão parte, mais uma vez, do marketing de alguns candidatos. Assistiremos, diariamente, a um
show de efeitos especiais capazes de seduzir o grande público, mas, no fundo, vazio de conteúdo
e carente de seriedade. O marketing, ferramenta importante para a transmissão da verdade, pode,
infelizmente, ser transformado em instrumento de mistificação. Estamos assistindo à morte da
política e ao advento da era da inconsistência. Os programas eleitorais vendem uma bela
embalagem, mas, de fato, são paupérrimos na discussão das idéias. Nós jornalistas somos (ou
deveríamos ser) o contraponto a essa tendência. Cabe-nos a missão de rasgar a embalagem e
desnudar os candidatos. Só nós, estou certo, podemos minorar os efeitos perniciosos de um
espetáculo audiovisual que, certamente, não contribui para o fortalecimento de uma democracia
verdadeira e amadurecida.

Por isso, uma cobertura de qualidade será, antes de mais nada, uma questão de foco. É preciso
declarar guerra ao jornalismo declaratório e assumir, efetivamente, a agenda do cidadão. Não
basta um painel dos candidatos, mas é preciso cobrir a fundo as questões que influenciam o dia-
a-dia das pessoas. É importante fixar a atenção não nos marqueteiros e em suas estratégias de
imagem, mas na consistência dos programas de governo. É necessário resgatar o inventário das
promessas e cobrar coerência. O drama das cidades (segurança, educação, saúde, saneamento
básico, iluminação, qualidade da pavimentação das ruas, transporte público de qualidade, entre
outros), não pode ficar refém de slogans populistas e de receitas irrealizáveis. Os candidatos
deverão mostrar capacidade de gestão, ousadia e criatividade.

O nosso papel é ouvir as pessoas, conhecer suas queixas, identificar suas carências e cobrar
soluções dos candidatos. Não se pode permitir que as assessorias de comunicação dos políticos
definam o que deve ou não ser coberto. O centro do debate tem de ser o cidadão, as políticas
públicas, não mais o político, tampouco a própria imprensa. O jornalismo de registro, pobre e
simplificador, repercute a nação oficial, mas oculta a verdadeira dimensão do País real.
Precisamos fugir do espetáculo e fazer a opção pela informação. Só assim, com equilíbrio e
didatismo, conseguiremos separar a notícia do lixo declaratório

Outros desvios éticos podem comprometer a qualidade da cobertura eleitoral. Sobressai, entre
eles, o perigoso jornalismo de dossiê. Os riscos de instrumentalização da imprensa são evidentes.
Os protagonistas do teatro político não medirão esforços para fazer com que a mídia, à sua
revelia, destile veneno nos seus adversários. Por isso, é preciso revalorizar, e muito, as clássicas
perguntas que devem ser feitas a qualquer repórter que cumpre uma pauta investigativa: Checou?
Tem provas? A quem interessa essa informação? Trata-se de eficiente terapia no combate ao
vírus da leviandade.

O esforço de isenção, no entanto, não se confunde com a omissão. O leitor espera uma imprensa
combativa, disposta a exercer o seu intransferível dever de denúncia. O leitor quer um quadro
claro, talvez um bom infográfico, que lhe permita formar um perfil dos candidatos: seus
antecedentes, sua evolução patrimonial, seu desempenho em cargos atuais e anteriores, etc.
Impõe-se, também, um bom levantamento das promessas de campanha. É preciso mostrar os
eventuais descompassos entre o discurso e a realidade. Trata-se, no fundo, de levar adiante um
bom jornalismo de serviço.

Os políticos, pródigos em soluções de palanque, não costumam perder o sono com o rotineiro
descumprimento da palavra empenhada. Afinal, para muitos, infelizmente, a política é a arte do
engodo. Além disso, contam com a amnésia coletiva. O jornalismo de qualidade deve assumir o
papel de memória da cidadania. Precisamos falar dos planos e do futuro. Mas devemos também
falar do passado, das coerências e das ambigüidades.

Armação da imprensa. Distorção da mídia. Patrulhamento de jornalista. Quantas vezes, amigo
leitor, você registrou essas reações nas páginas dos jornais? Inúmeras, estou certo. Irritam-se os
políticos apanhados com a boca na botija. Inconformados, se referem à imprensa que
desencadeia a pressão popular contra homens públicos aéticos, comparando-a, com cinismo, à
“ditadura”. Tais declarações, marca registrada desses homens de palha, não nos devem
preocupar. Afinal, todos, independentemente do seu colorido ideológico, procuram o bode
expiatório para justificar seus deslizes éticos e morais. A culpa é da imprensa! O grito é uma
manifestação vergonhosa de desprezo pela verdade.

Personalidades públicas, inúmeras, têm procurado usar a mídia. Afirmam e depois, cinicamente,
desmentem o que afirmaram. Nós não podemos ficar reféns desse jogo. Os meios de
comunicação existem para incomodar. Um jornalismo cortesão do poder é o antijornalismo. A
imprensa, sem injustos prejulgamentos, tem o dever de desempenhar importante papel na
recuperação da ética na vida pública. Nosso compromisso não é com os políticos, mas com a
verdade, com a informação bem apurada e com os leitores.

Transparência nos negócios públicos, ética, qualificação e competência são as principais
demandas da sociedade. E são também as pautas de uma boa cobertura eleitoral. Deixemos de
lado a pirotecnia do marketing e não nos deixemos aprisionar pelas necessárias pesquisas
eleitorais. Nosso papel, único e intransferível, é ir mais fundo. A pergunta inteligente faz a
diferença. E é o que o leitor espera.

Carlos Alberto Di Franco, diretor do Master em Jornalismo, professor de Ética e doutor em
Comunicação pela Universidade de Navarra, é diretor da Di Franco – Consultoria em Estratégia
de Mídia. E-mail: difranco@ceu.org.br. O presente artigo é publicado em O Estado de S. Paulo
e mais 13 jornais brasileiros.



Fonte: http://www.masteremjornalismo.org.br/opiniao_view.php?id=88

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Conquiste a rede_blog
Conquiste a rede_blogConquiste a rede_blog
Conquiste a rede_blog
Amorim Albert
 
Zong 3ª Edição
Zong 3ª EdiçãoZong 3ª Edição
Zong 3ª Edição
revistazong
 
1158005454 conquiste a_rede_blog
1158005454 conquiste a_rede_blog1158005454 conquiste a_rede_blog
1158005454 conquiste a_rede_blog
LuanaPaulinha
 
Oficina blog
Oficina blogOficina blog
Oficina blog
guest2204e95
 
Artigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
Artigo Jornalistico Lei Cidade LimpaArtigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
Artigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
ana
 
Relatorio missão argus 23 09-2013
Relatorio missão argus 23 09-2013Relatorio missão argus 23 09-2013
Relatorio missão argus 23 09-2013
Amorim Albert
 

Destaque (6)

Conquiste a rede_blog
Conquiste a rede_blogConquiste a rede_blog
Conquiste a rede_blog
 
Zong 3ª Edição
Zong 3ª EdiçãoZong 3ª Edição
Zong 3ª Edição
 
1158005454 conquiste a_rede_blog
1158005454 conquiste a_rede_blog1158005454 conquiste a_rede_blog
1158005454 conquiste a_rede_blog
 
Oficina blog
Oficina blogOficina blog
Oficina blog
 
Artigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
Artigo Jornalistico Lei Cidade LimpaArtigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
Artigo Jornalistico Lei Cidade Limpa
 
Relatorio missão argus 23 09-2013
Relatorio missão argus 23 09-2013Relatorio missão argus 23 09-2013
Relatorio missão argus 23 09-2013
 

Semelhante a Artigo Jornalistico Opiniao

AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2     AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
Cíntia Dal Bello
 
Especializações do marketing 2a aula - 16/02/2011
Especializações do marketing   2a aula - 16/02/2011Especializações do marketing   2a aula - 16/02/2011
Especializações do marketing 2a aula - 16/02/2011
Unip e Uniplan
 
Práticas jornalísticas fora da grande imprensa
Práticas jornalísticas fora da grande imprensaPráticas jornalísticas fora da grande imprensa
Práticas jornalísticas fora da grande imprensa
Sérgio Miguel Buarque
 
O quinto poder – ignácio ramonet
O quinto poder – ignácio ramonetO quinto poder – ignácio ramonet
O quinto poder – ignácio ramonet
Geralda Ferraz
 
O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?
Ministério Público de Santa Catarina
 
Ética no Jornalismo
Ética no JornalismoÉtica no Jornalismo
Ética no Jornalismo
isisnogueira
 
Revista Surrealista
Revista SurrealistaRevista Surrealista
Revista Surrealista
Fernanda Terena
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
nanasimao
 
Revista Estação - Edição 32 de Novembro
Revista Estação - Edição 32 de NovembroRevista Estação - Edição 32 de Novembro
Revista Estação - Edição 32 de Novembro
Michael Yoo
 
Sobre assessoria de_imprensa
Sobre assessoria de_imprensaSobre assessoria de_imprensa
Sobre assessoria de_imprensa
CEMP2010
 
Per ceber 271 09.08.12
Per ceber 271   09.08.12Per ceber 271   09.08.12
Per ceber 271 09.08.12
jeancomunista
 
Entrev Guilherme d'Oliveira Martins
Entrev Guilherme d'Oliveira MartinsEntrev Guilherme d'Oliveira Martins
Entrev Guilherme d'Oliveira Martins
Marta Rangel
 
O papel da midia
O papel da midiaO papel da midia
O papel da midia
Rodrigo Costa
 
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Ricardo Costa
 
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Fabio Lira
 
Diz Jornal Edição 171
Diz Jornal Edição 171Diz Jornal Edição 171
Diz Jornal Edição 171
dizjornal jornal
 
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
Diane Lourenço
 
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
Estadodedireito
 
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações comLilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
ICCO Cooperation
 
Jornalismo na era virtual
Jornalismo na era virtualJornalismo na era virtual
Jornalismo na era virtual
Amanda Santos
 

Semelhante a Artigo Jornalistico Opiniao (20)

AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2     AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
AV3 - 6 sem - ROTEIRO DE ESTUDOS - 2014/2
 
Especializações do marketing 2a aula - 16/02/2011
Especializações do marketing   2a aula - 16/02/2011Especializações do marketing   2a aula - 16/02/2011
Especializações do marketing 2a aula - 16/02/2011
 
Práticas jornalísticas fora da grande imprensa
Práticas jornalísticas fora da grande imprensaPráticas jornalísticas fora da grande imprensa
Práticas jornalísticas fora da grande imprensa
 
O quinto poder – ignácio ramonet
O quinto poder – ignácio ramonetO quinto poder – ignácio ramonet
O quinto poder – ignácio ramonet
 
O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?O que você tem a ver com a corrupção?
O que você tem a ver com a corrupção?
 
Ética no Jornalismo
Ética no JornalismoÉtica no Jornalismo
Ética no Jornalismo
 
Revista Surrealista
Revista SurrealistaRevista Surrealista
Revista Surrealista
 
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís FelipeA imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
A imprensa escrita e o poder potilico- texto de Luís Felipe
 
Revista Estação - Edição 32 de Novembro
Revista Estação - Edição 32 de NovembroRevista Estação - Edição 32 de Novembro
Revista Estação - Edição 32 de Novembro
 
Sobre assessoria de_imprensa
Sobre assessoria de_imprensaSobre assessoria de_imprensa
Sobre assessoria de_imprensa
 
Per ceber 271 09.08.12
Per ceber 271   09.08.12Per ceber 271   09.08.12
Per ceber 271 09.08.12
 
Entrev Guilherme d'Oliveira Martins
Entrev Guilherme d'Oliveira MartinsEntrev Guilherme d'Oliveira Martins
Entrev Guilherme d'Oliveira Martins
 
O papel da midia
O papel da midiaO papel da midia
O papel da midia
 
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
 
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11Palestra arcoverde   rosângela araújo - 11.11.11
Palestra arcoverde rosângela araújo - 11.11.11
 
Diz Jornal Edição 171
Diz Jornal Edição 171Diz Jornal Edição 171
Diz Jornal Edição 171
 
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
Comunicação Pública e Qualidade no Gasto Público – Uma abordagem da cobertura...
 
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 26 EDIÇÃO
 
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações comLilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
Lilia Giannotti, sócia-diretora da DaGema Comunicação - sobre relações com
 
Jornalismo na era virtual
Jornalismo na era virtualJornalismo na era virtual
Jornalismo na era virtual
 

Mais de ana

Marketing Digital E -Book
Marketing Digital   E -BookMarketing Digital   E -Book
Marketing Digital E -Book
ana
 
O P I N I A O
O P I N I A OO P I N I A O
O P I N I A O
ana
 
Artigos 10 Dicas Para Marketing Digital
Artigos  10 Dicas Para Marketing DigitalArtigos  10 Dicas Para Marketing Digital
Artigos 10 Dicas Para Marketing Digital
ana
 
Como Estruturar O Departamento De Marketing
Como Estruturar O Departamento De MarketingComo Estruturar O Departamento De Marketing
Como Estruturar O Departamento De Marketing
ana
 
Opinião cada macaco em seu galho
Opinião cada macaco em seu galhoOpinião cada macaco em seu galho
Opinião cada macaco em seu galho
ana
 
Artigo JornalíStic2
Artigo JornalíStic2Artigo JornalíStic2
Artigo JornalíStic2
ana
 

Mais de ana (6)

Marketing Digital E -Book
Marketing Digital   E -BookMarketing Digital   E -Book
Marketing Digital E -Book
 
O P I N I A O
O P I N I A OO P I N I A O
O P I N I A O
 
Artigos 10 Dicas Para Marketing Digital
Artigos  10 Dicas Para Marketing DigitalArtigos  10 Dicas Para Marketing Digital
Artigos 10 Dicas Para Marketing Digital
 
Como Estruturar O Departamento De Marketing
Como Estruturar O Departamento De MarketingComo Estruturar O Departamento De Marketing
Como Estruturar O Departamento De Marketing
 
Opinião cada macaco em seu galho
Opinião cada macaco em seu galhoOpinião cada macaco em seu galho
Opinião cada macaco em seu galho
 
Artigo JornalíStic2
Artigo JornalíStic2Artigo JornalíStic2
Artigo JornalíStic2
 

Artigo Jornalistico Opiniao

  • 1. São Paulo, 23/03/2008 Jornalismo em ano eleitoral Opinião: Por Carlos Alberto Di Franco Estamos em ano eleitoral. Campanhas milionárias, promessas irrealizáveis e imagens produzidas farão parte, mais uma vez, do marketing de alguns candidatos. Assistiremos, diariamente, a um show de efeitos especiais capazes de seduzir o grande público, mas, no fundo, vazio de conteúdo e carente de seriedade. O marketing, ferramenta importante para a transmissão da verdade, pode, infelizmente, ser transformado em instrumento de mistificação. Estamos assistindo à morte da política e ao advento da era da inconsistência. Os programas eleitorais vendem uma bela embalagem, mas, de fato, são paupérrimos na discussão das idéias. Nós jornalistas somos (ou deveríamos ser) o contraponto a essa tendência. Cabe-nos a missão de rasgar a embalagem e desnudar os candidatos. Só nós, estou certo, podemos minorar os efeitos perniciosos de um espetáculo audiovisual que, certamente, não contribui para o fortalecimento de uma democracia verdadeira e amadurecida. Por isso, uma cobertura de qualidade será, antes de mais nada, uma questão de foco. É preciso declarar guerra ao jornalismo declaratório e assumir, efetivamente, a agenda do cidadão. Não basta um painel dos candidatos, mas é preciso cobrir a fundo as questões que influenciam o dia- a-dia das pessoas. É importante fixar a atenção não nos marqueteiros e em suas estratégias de imagem, mas na consistência dos programas de governo. É necessário resgatar o inventário das promessas e cobrar coerência. O drama das cidades (segurança, educação, saúde, saneamento básico, iluminação, qualidade da pavimentação das ruas, transporte público de qualidade, entre outros), não pode ficar refém de slogans populistas e de receitas irrealizáveis. Os candidatos deverão mostrar capacidade de gestão, ousadia e criatividade. O nosso papel é ouvir as pessoas, conhecer suas queixas, identificar suas carências e cobrar soluções dos candidatos. Não se pode permitir que as assessorias de comunicação dos políticos definam o que deve ou não ser coberto. O centro do debate tem de ser o cidadão, as políticas públicas, não mais o político, tampouco a própria imprensa. O jornalismo de registro, pobre e simplificador, repercute a nação oficial, mas oculta a verdadeira dimensão do País real. Precisamos fugir do espetáculo e fazer a opção pela informação. Só assim, com equilíbrio e didatismo, conseguiremos separar a notícia do lixo declaratório Outros desvios éticos podem comprometer a qualidade da cobertura eleitoral. Sobressai, entre eles, o perigoso jornalismo de dossiê. Os riscos de instrumentalização da imprensa são evidentes. Os protagonistas do teatro político não medirão esforços para fazer com que a mídia, à sua revelia, destile veneno nos seus adversários. Por isso, é preciso revalorizar, e muito, as clássicas perguntas que devem ser feitas a qualquer repórter que cumpre uma pauta investigativa: Checou? Tem provas? A quem interessa essa informação? Trata-se de eficiente terapia no combate ao vírus da leviandade. O esforço de isenção, no entanto, não se confunde com a omissão. O leitor espera uma imprensa combativa, disposta a exercer o seu intransferível dever de denúncia. O leitor quer um quadro claro, talvez um bom infográfico, que lhe permita formar um perfil dos candidatos: seus antecedentes, sua evolução patrimonial, seu desempenho em cargos atuais e anteriores, etc. Impõe-se, também, um bom levantamento das promessas de campanha. É preciso mostrar os
  • 2. eventuais descompassos entre o discurso e a realidade. Trata-se, no fundo, de levar adiante um bom jornalismo de serviço. Os políticos, pródigos em soluções de palanque, não costumam perder o sono com o rotineiro descumprimento da palavra empenhada. Afinal, para muitos, infelizmente, a política é a arte do engodo. Além disso, contam com a amnésia coletiva. O jornalismo de qualidade deve assumir o papel de memória da cidadania. Precisamos falar dos planos e do futuro. Mas devemos também falar do passado, das coerências e das ambigüidades. Armação da imprensa. Distorção da mídia. Patrulhamento de jornalista. Quantas vezes, amigo leitor, você registrou essas reações nas páginas dos jornais? Inúmeras, estou certo. Irritam-se os políticos apanhados com a boca na botija. Inconformados, se referem à imprensa que desencadeia a pressão popular contra homens públicos aéticos, comparando-a, com cinismo, à “ditadura”. Tais declarações, marca registrada desses homens de palha, não nos devem preocupar. Afinal, todos, independentemente do seu colorido ideológico, procuram o bode expiatório para justificar seus deslizes éticos e morais. A culpa é da imprensa! O grito é uma manifestação vergonhosa de desprezo pela verdade. Personalidades públicas, inúmeras, têm procurado usar a mídia. Afirmam e depois, cinicamente, desmentem o que afirmaram. Nós não podemos ficar reféns desse jogo. Os meios de comunicação existem para incomodar. Um jornalismo cortesão do poder é o antijornalismo. A imprensa, sem injustos prejulgamentos, tem o dever de desempenhar importante papel na recuperação da ética na vida pública. Nosso compromisso não é com os políticos, mas com a verdade, com a informação bem apurada e com os leitores. Transparência nos negócios públicos, ética, qualificação e competência são as principais demandas da sociedade. E são também as pautas de uma boa cobertura eleitoral. Deixemos de lado a pirotecnia do marketing e não nos deixemos aprisionar pelas necessárias pesquisas eleitorais. Nosso papel, único e intransferível, é ir mais fundo. A pergunta inteligente faz a diferença. E é o que o leitor espera. Carlos Alberto Di Franco, diretor do Master em Jornalismo, professor de Ética e doutor em Comunicação pela Universidade de Navarra, é diretor da Di Franco – Consultoria em Estratégia de Mídia. E-mail: difranco@ceu.org.br. O presente artigo é publicado em O Estado de S. Paulo e mais 13 jornais brasileiros. Fonte: http://www.masteremjornalismo.org.br/opiniao_view.php?id=88