Texto 3

634 visualizações

Publicada em

Projeto Cinema e Infância
Texto escrito pelas articuladoras: Profª Daniela Odete de Oliveira e Profª Graziela Maffezzolli
Filme: Quanto Vale ou É Por Quilo?
Conteúdo: exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
634
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
339
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto 3

  1. 1. NEICA - Núcleo de Estudos Interdisciplinar da Criança e do Adolescente / Blumenau-SC. 3º ENCONTRO Local: Escola Básica Municipal Professora Hella Altenburg Data: 09/05/2013; Horário: 18h30min. Articuladoras: Daniela Odete de Oliveira e Graziela Maffezzolli Filme: Quanto Vale ou É Por Quilo? Conteúdo: exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. Informações sobre o filme: Direção: Sérgio Bianchi Roteiro: Eduardo Benaim, Newton Cannito e Sergio Bianchi Duração: 108 min. Ano: 2005 Cidade: Rio de Janeiro País: Brasil Gênero: Drama Cor: Colorido Classificação indicativa: 14 anos SINOPSE: Adaptação livre do diretor Sérgio Bianchi para o conto "Pai contra Mãe", de Machado de Assis. “Quanto Vale ou É Por Quilo?” desenha um painel de duas épocas aparentemente distintas, mas, no fundo semelhantes, na manutenção de uma perversa dinâmica socioeconômica, embalada pela corrupção impune, pela violência e pelas enormes diferenças sociais. No século XVIII, época da escravidão explícita, os capitães do mato caçavam negros para vendê-los aos senhores de terra com um único objetivo: o lucro. Nos dias atuais, o chamado Terceiro Setor explora a miséria, preenchendo a ausência do Estado em atividades assistenciais, que na verdade também são fontes de muito lucro. Com humor afinado e um elenco poucas vezes reunido pelo cinema nacional, “Quanto Vale ou É Por Quilo?” mostra que o tempo passa e nada muda. O Brasil é um país em permanente crise de valores.
  2. 2. Considerações e indagações “Quanto vale ou é por quilo?” é um filme que nos remete a alguns desconfortos, instigando reflexões e críticas acerca da mobilização dos diferentes atores sociais presentes na trama - negros, crianças, idosos - em torno das problemáticas abordadas: violência, escravidão e exploração da miséria pelo marketing social (resultando numa solidariedade de aparências). No filme, de maneira geral, estes atores mostram-se inertes às situações impostas e vivenciadas. As relações de poder socialmente estabelecidas contribuem para silenciar os sujeitos, visando à conservação dos interesses particulares burgueses e do Estado. Nesta perspectiva, o filme apresenta o terceiro setor como um reprodutor da lógica estatal. É pertinente salientar que o pioneirismo das pesquisas interpretativas foi proposto a partir de Max Weber (1864-1920) que institui na Sociologia a abordagem subjetiva das relações sociais (sociologia compreensiva). Seu objeto de estudo é a ação social, ou seja, a ação humana em situações de interação social, Assim, a Sociologia é levada a prestar mais atenção nas problemáticas de atores sociais até então pouco considerados ou sem direito à palavra na sociedade: crianças, mulheres, idosos, índios, homossexuais, entre outros. Contemporaneamente, as discussões que se apresentam acerca da condição infantil na sociedade e as suas transformações ao longo da história vêm despertando interesse entre os profissionais da educação e outros que, através dos estudos sociais da infância (Antropologia da Criança e Sociologia da Infância), buscam repensar os conceitos de criança, de infância e de educação. O surgimento da Sociologia da Infância dá-se como um novo campo disciplinar que está se solidificando no campo científico. Ele está refletido no intenso debate e no movimento de pesquisadores que, desde os anos 80, procuram ressignificar as perspectivas de investigação com as crianças e consolidar os estudos da infância para além das fronteiras disciplinares (MARCHI, 2010; ROCHA, 2011). Ao afirmar que as crianças têm “voz”, a Sociologia da Infância as reconhece como atores sociais, como sendo produzidas, mas também como produtoras de cultura, isto é, como atores sociais que possuem opiniões, ideias, críticas e vivências a expressar aos adultos. Ao afirmar que a criança expressa o que sente, pensa e deseja através da sua fala e de outras manifestações não verbais, reconhece-se na criança um sujeito ativo, capaz de refletir e atuar a partir das chamadas “culturas infantis”, mas também da realidade social que a cerca. O modelo de infância construído socialmente tornou-se hegemônico, alcançou grande reconhecimento no nível simbólico, norteando as políticas para a sua implantação. Todavia,
  3. 3. no que se refere ao plano empírico das infâncias concretas, considerando as grandes diferenças econômicas, sociais e culturais presentes na sociedade, este modelo não se universalizou, não obteve êxito, pois não deu conta de compreender a diversidade de infâncias existentes (MARCHI, 2007a). Desta forma as crianças que não se enquadram neste modelo “idealizado” de infância são colocadas à margem social, ocupando um lugar que Marchi (2007b, p.555) denomina em sua tese de “não-criança”, ou seja “[...]aquela que não tem socialmente reconhecida sua identidade ou condição infantil [...]” e, portanto, não tem acesso aos direitos atualmente atribuído a todas as crianças. O que se sabe hoje sobre a infância foi construído ao longo dos tempos considerando as significativas modificações que ocorreram na sociedade: na composição da família, na ressignificação do papel social desempenhado pela mulher/mãe, com o processo de institucionalização escolar, com a inserção das mídias eletrônicas, enfim, com os diversos fatores que influenciam o cotidiano da vida das crianças em seus diversos contextos. Em tempos de transformação social o mundo e a cultura das crianças também se encontram em mudança e cabe a todos nós que lidamos com a infância e as crianças tentarmos compreender essas mudanças. Referências: MARCHI, Rita de Cássia. Os sentidos (paradoxais) da infância nas ciências sociais: um estudo de sociologia de infância crítica sobre a “não criança” no Brasil. Florianópolis, 2007a. MARCHI, Rita de Cássia. A infância não reconhecida: as crianças “de rua” como atores sociais. Anais do II Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia. Florianópolis, UFSC, 2007b. p.552-572. Disponível em: http://www.sociologia.ufsc.br/npms/rita_de_cassia_marchi.pdf. Acesso em o4/05/2013 MARCHI, Rita de Cássia. O “ofício de aluno” e o “ofício de criança”: articulações entre a sociologia da educação e a sociologia da infância. Revista Portuguesa de Educação. Universidade do Minho, 2010, p. 183-202. Quanto Vale ou é por quilo? Produção de Sérgio Bianchi, Rio de Janeiro: Europa Filmes, 2005 (108 min). ROCHA, Eloísa Acires Candal. Prefácio. In: Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

×