O mar

251 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mar

  1. 1. O MAR Concurso de poesiaEscola Básica de Moure e Ribeira de Neiva Grupos de português do 2.º e 3.º ciclos
  2. 2. MAR
  3. 3. O MarO “Mar”, Vários descobrimentosUma palavra normal, Foram feitos a navegar,Mas vais reparar Por grandes aventureiros,Que pode ser algo fora do habitual! Amantes do mar.No fundo do mar, Por vezes, o marHá tanto por descobrir: Ajuda a pensar...Espécies por encontrar, As suas ondas calmas,E motivo para sorrir. Aliviam as nossas almas. Catarina Macedo, nº10, 7ºD
  4. 4. Doçura das manhãs salgadas,Gestos e braços no azul do mar.Sou poema líquido do infinito,A máscara do homem polvoque navega na brisa do mar.Sereias navegam incessantemente sentido ao sol,Eu sou homem, percorro as marítimas águas sem fim…Riacho, rio, lago vêm a mim pararAlgas frias e soltas correm para mim chegar.Sol brilha nos peixes no mar a saltar ,Olhos postos em tudo issopois eu sou homem,E chego ao infinito… Daniela Silva 9ºD nº11
  5. 5. MARÉ como se me prendesse,me prendesse numa teia É como se o mar Para uns é um assuntoe me fizesse escutar compusesse uma canção sem nenhum rodeio.o bater da onda e o grito da sereia. ou como se as ondas Para uns é lindo estivessem em invasão. para outros feio.É como se num pensamento Para uns é umo mar me dissesse “escuta”, Mas pedem com o mar copo de água cheio.e eu escutava a onda que eu rime, Para os mais apressadose o vento em luta. mas não há melhor tema, é um transporte, é um meio. tema tão sublime. Para mim é uma dádivaE a onda de sublime branco quando veio,como se um véu É com fantasia, ou como um abrigo de um bebée o mar azul, é com segredo. na sua mãe, no seu seio.tão azul como o do céu. Para uns é assim, para outos é medo. E se cantaÉ como se o pôr-do-sol então, que cante.iluminasse o mar como uma tocha, Para mim é só umenquanto eu escutava lugar reconfortante.a música dos “Soja” numa rocha. Bruno Duarte, nº5, 8ºD
  6. 6. Escritores portugueses

×