RI04 LiderançaModelo de Chefiardo Mundo CorporativoPOR MARCOS MORIRA08 Em PautaMídias Sociais & InvestidoresPOR ELISA SOARE...
GOVERNANÇA CORPORATIVA32   REVISTA RI   Abril 2012
PINEAMPLIA PRÁTICASDE GOVERNANÇAO Banco Pine completa este ano 15 anos de fundação com umatrajetória de conquistas. A mais...
GOVERNANÇA CORPORATIVA                                 A migração do Pine para o Nível 2                          Além dis...
FOTO: FLÁVIO GUARNIERI                                                                                            O objeti...
GOVERNANÇA CORPORATIVA                                                               FOTO: ARTHUR NOBREO Brasil está no ra...
escassas no Brasil. Além disso, as operações com o banco ale-mão são isentas de imposto de renda.”No mercado local, o dest...
Revista RI 162 - PINE - Abril 2012
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista RI 162 - PINE - Abril 2012

1.069 visualizações

Publicada em

PINE é destaque na edição de nr 162 da Revista RI por conta de seus 15 anos de atividades e de sua migração ao nível 2 de governança corporativa na BM&FBOVESPA.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.069
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista RI 162 - PINE - Abril 2012

  1. 1. RI04 LiderançaModelo de Chefiardo Mundo CorporativoPOR MARCOS MORIRA08 Em PautaMídias Sociais & InvestidoresPOR ELISA SOARES16 Fusões & 04AquisiçõesOtimismo no movimento 28 Enfoque 38 Tributaçãode Fusões & Aquisições O Profissional de RI Escolha de Sofia:no Brasil como agente de mudança Arrecadação ouPOR LÚCIA REBOUÇAS no Brasil de hoje Desenvolvimento? POR SILVIO GUERRA POR ROBERTO GOLDSTAJN24 Melhores PráticasCielo: sinônimo 32 Governança 42 Registrode transparência Corporativa Período de Silêncio:POR ANA BORGES 38 Banco Pine amplia práticas de Governança Esclarecimento do Codim POR HAROLDO LEVY E POR LÚCIA REBOUÇAS MARCO ANTONIO MUZILLI 45 IBRI Notícias Codim abre audiência pública sobre elaboração de Relatório Anual 56 Opinião Quando chegaremos ao reporte integrado? POR RICARDO ZIBASREVISTA RI ©É uma publicação mensal da IMF Editora Ltda. Diretor Editorial: Ronnie Nogueira | Editor Internacional: William F. MahoneyAv. Erasmo Braga, 227 - Grupo 404 Editor Responsável: Ronaldo A. da Frota Nogueira | Diagramação e Arte-final: Marta Gauze20020-000 - Rio de Janeiro, RJTel.: (21) 2240-4347 Fax: (21) 2262-7570 Os artigos aqui publicados não pretendem induzir a nenhuma modalidade de investimento. Os dados e reportagens são apurados com todo o rigor,ri@imf.com.br porém não devem ser considerados perfeitos e acima de falhas involuntárias. Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores.www.revistaRI.com.br É proibida a reprodução desse volume, ou parte do mesmo, sob quaisquer meios, sem a autorização prévia e expressa da IMF Editora.
  2. 2. GOVERNANÇA CORPORATIVA32 REVISTA RI Abril 2012
  3. 3. PINEAMPLIA PRÁTICASDE GOVERNANÇAO Banco Pine completa este ano 15 anos de fundação com umatrajetória de conquistas. A mais recente foi a migração do Nível 1 parao Nível 2 de Governança Corporativa da BM&F Bovespa, o que amplia abase potencial de acionistas do banco. Presidido por Noberto NogueiraPinheiro Júnior, o Pine, cuja origem remonta à criação do Banco Centraldo Nordeste, foi o primeiro banco de médio porte brasileiro a abrir ocapital, sendo pioneiro na realização de operações em formato islâmicono Brasil; também foi a primeira instituição da América Latina a terparticipação da agência multilateral alemã DEG em seu capital.por LÚCIA REBOUÇAS Abril 2012 REVISTA RI 33
  4. 4. GOVERNANÇA CORPORATIVA A migração do Pine para o Nível 2 Além disso, conforme Norberto Zaiet Junior, vice-presidente de finanças e diretor de RI do Pine, a mudança de nível traz – que foi comemorada em evento mais valor para o banco ao mostrar a importância que dá para as boas práticas de governança corporativa. realizado no último dia 29 de Para a diretora da bolsa, ao ascender ao Nível 2, o Pine deu ao março na BM&FBovespa e contou mercado mais uma demonstração de seu compromisso com a com a presença da diretora de transparência, a equidade e a liquidez que formam os alicer- ces das melhores práticas de governança. Com a entrada do relacionamento com empresas e banco, sobe para 180 o número de empresas integrantes dos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa da bolsa dis- institucionais da bolsa, Cristiana tribuídas da seguinte forma: 125 no Novo Mercado, 35 no Ní- Pereira - vai permitir que o banco vel 1 e 20 no Nível 2. Juntas elas representam 65,90% do valor de mercado e 76,02% do volume financeiro, segundo a bolsa. entre para o portfólio de ações O Pine abriu o capital, em 2007, com uma oferta de ações na dos fundos de pensão, o que não é Bovespa, o que lhe rendeu R$ 517 milhões com a venda de permitido para empresas do Nível ações preferenciais. Hoje 26,6% do seu capital estão no mer- cado e o banco conta com a cobertura de analistas de impor- 1 que abriram capital após 2001. tantes instituições como os bancos Santander, HSBC, Bank ofFOTO: DIVULGAÇÃO / BM&FBOVESPA Da esquerda para a direita: GABRIELA CHISTE, CLIVE BOTELHO, NIRA BESSLER, ALEJANDRA HIDALGO, NORBERTO ZAIET e SÉRGIO PATRÍCIO, na cerimônia de migração para o Nível 2 de Governança, ocorrido no dia 29/03/2012 na BM&FBovespa. 34 REVISTA RI Abril 2012
  5. 5. FOTO: FLÁVIO GUARNIERI O objetivo do Pine é ter um relacionamento o mais próximo possível com as empresas clientes”. Para preencher este requisito, Zaiet cita como exemplo que cada gerente de conta tem entre 10 e 12 clientes, no máximo, que é uma média baixa para o mercado. “Essa prática nos permite conhecer bem o cliente para poder oferecer os produtos adequados, que façam sentido para sua atividade. NORBERTO ZAIET America, e as corretoras Coinvalores, Ágora e Planner, revela os investidores e de realizar roadshows nos mais diversos o diretor de RI. O banco tem como seu formador de mercado a mercados”. Este ano, já fizeram roadshows em Boston, Lon- corretora XP Investimentos. dres, Edimburgo e Nova York e tem agendadas mais duas visitas aos Estados Unidos. Com atuação específica no ramo “Corporate”, composto por empresas com faturamento anual entre R$ 500 milhões e R$ As iniciativas do banco junto aos investidores não se limitam 2,5 bilhões, a instituição se destaca por seu relacionamento di- a mercados mais tradicionais. Em 2011 visitaram três vezes ferenciado com os clientes e pela presença marcante junto aos a Ásia e estiveram também no Oriente Médio. Na Ásia, Zaiet investidores, afirma Zaiet. “O objetivo do Pine é ter um relacio- conta que as negociações ocorrem por meio do trade finance namento o mais próximo possível com as empresas clientes”. (linhas de crédito à exportação) e bilaterais com bancos de Cin- Para preencher este requisito, Zaiet cita como exemplo que gapura, Hong Kong, China, entre outros. No Oriente Médio, o cada gerente de conta tem entre 10 e 12 clientes, no máximo, banco realizou roadshows na Arábia Saudita, Kwait, Barém, que é uma média baixa para o mercado. “Essa prática nos per- Dubai e em Abu Dabi. “Na América Latina estudamos opera- mite conhecer bem o cliente para poder oferecer os produtos ções com o Chile e Peru.” adequados, que façam sentido para sua atividade”, reforça. Segundo ele, é crescente o interesse dos asiáticos e de países Junto aos investidores, a atuação do banco também está di- do oriente médio tanto no financiamento do comércio exter- recionada para a busca de proximidade. “O banco está bas- no, como na participação em empresas brasileiras com boa tante atento ao mercado e aos investidores. Procuramos par- história de crescimento. Atualmente, 40% das ações do banco ticipar dos eventos do setor e tomamos a iniciativa de visitar negociadas na bolsa (free float) estão nas mãos de estrangei- Abril 2012 REVISTA RI 35
  6. 6. GOVERNANÇA CORPORATIVA FOTO: ARTHUR NOBREO Brasil está no radardos bancos islâmicos.A grande dificuldadeé traduzir os produtosque eles oferecempara a linguagem donosso mercado. Quemvai conversar comeles, tem que estarbem preparado. ANGELA MARTINSros, com a maior parcela entre americanos e europeus. Mas “O Brasil está no radar dos bancos islâmicos. A grande dificul-a tendência é de crescimento da participação de investidores dade é traduzir os produtos que eles oferecem para a lingua-asiáticos e do Oriente Médio, aponta. gem do nosso mercado. Quem vai conversar com eles, tem que estar bem preparado”, afirma a diretora. Conforme An-FORMATO ISLÂMICO gela, há cinco anos seria impossível fechar uma operação noO Pine destacou-se como o primeiro banco de controle bra- formato islâmico.sileiro a realizar uma operação de captação de recursos noformato islâmico. Como a religião islâmica condena o paga- Outro destaque nas operações externas do banco foi a com-mento de juros e a operação precisa atender à Sharia, con- pra de cerca de 3% do seu capital pelo alemão DEG (Deuts-junto de leis do mundo islâmico, nesse formato os recursos che Investitions - Und Entwicklungsgesellschaft mbH),vêm do lucro obtido na compra e venda de ativos. A opera- membro do KfW Bankengruppe, que financia investimen-ção, no valor de US$ 37,5 milhões, foi realizada com o Al tos em companhias privadas em países em desenvolvimen-Rajhi Bank, da Arábia Saudita. to. Foi o primeiro investimento em ações do DEG, um dos cinco maiores bancos da Alemanha, no Brasil. O aporte deSegundo Angela Martins, diretora do Pine, a captação en- capital foi de R$ 43,7 milhões.volveu contratos de commodities (no caso metais), um doslastros mais populares usado por bancos islâmicos para a De acordo com Zaiet, a parceira com DEG, que começou desdeconcessão de empréstimos. Autora do livro “A Banca Islâmi- a realização do IPO, foi um diferencial para o banco. “Facilitouca” (ed. Qualitymark), Angela é uma das principais especia- operações nos setores de infraestrutura e agronegócio, quelistas nesse mercado no Brasil. Ela descobriu esse mercado precisam de prazos mais longos de financiamento. O DEG temquando trabalhou no banco árabe ABC. linhas de financiamento de longo prazo (quatro anos) ainda36 REVISTA RI Abril 2012
  7. 7. escassas no Brasil. Além disso, as operações com o banco ale-mão são isentas de imposto de renda.”No mercado local, o destaque de captação do banco vai para O Pine atua em três grandesas operações privadas em letras financeiras, no valor de R$60 milhões. Já nesse primeiro semestre a instituição realiza a linhas de negócios: créditoprimeira emissão pública no valor entre R$ 200 milhões a R$ corporativo, hedge para mitigar300 milhões. “As mudanças no compulsório, realizadas peloBanco Central, propiciam a entrada mais efetiva e o desenvol- riscos dos balanços dos clientes evimento do mercado de letras financeiras. O que a gente quer banco de investimentos. O créditoé aproveitar essa oportunidade”, informou o diretor de RI. corporativo, que inclui capital deA busca de proximidade com os investidores e clientes permi-tiu à instituição não só a diversificação do seu funding como giro, trade finance, repasses doa expansão de sua atuação com reflexos positivos em seus re- BNDES e fiança bancária, ésultados financeiros. O banco fechou 2011 com uma carteirade clientes composta por 650 grupos econômicos, com R$ 11 o carro chefe do banco.bilhões de ativos totais, dos quais R$ 7 bilhões na carteira de cré-dito, que apresentou uma elevação de 20,5% em relação a 2010.Seu lucro líquido foi de R$ 161,5 milhões, com um retorno so-bre o capital de 17,2%. Segundo Zaiet, para este ano o guidance NOVO MERCADOoficial é de um retorno sobre o capital entre 17% e 20%. A entrada do Pine no Novo Mercado, o nível mais elevado de governança corporativa da bolsa, será outro momento do Ban-CARRO CHEFE co, de acordo com Nira Bessler, superintendente de RI. “A ca-O Pine atua em três grandes linhas de negócios: crédito cor- beça do banco é andar passo a passo, e agora foi o momento doporativo, hedge para mitigar riscos dos balanços dos clientes Nível 2”. Nira diz que quando avaliaram o Nível 2 viram que oe banco de investimentos. Segundo seu vice-presidente finan- banco já estava preparado para fazer a migração. Para passarceiro, o crédito corporativo, que inclui capital de giro, trade para esse nível, a principal mudança que o banco fez foi darfinance, repasses do BNDES e fiança bancária, é o carro chefe aos acionistas preferenciais o direito e voto em decisões dedo banco, respondendo por 65% de suas receitas que em 2011 algumas medidas como venda do controle, acrescenta.atingiram R$ 485 milhões. Em 2012 o banco também instaurou um Comitê de Auditoria.Na carteira de hedge estão R$ 4 bilhões, pelo conceito de valor Antes tinha apenas um Conselho Fiscal. Atualmente, o comitêNocional (total do ativo subjacente controlado pelo derivado), é integrado por Tadeu Machado Zica, William Pereira Pinto,sendo 60% em operações de câmbio, 30% em juros e 10% em Antonio Hermann. A instalação de comitês de auditoria é re-commodities, com presença importante do agronegócio (açú- comendada pelo Código de Boas Práticas de Governança, docar, soja, milho, etanol, café e algodão). Hoje, o Pine é o segun- IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa)do maior integrante do mercado a termo de commodities daCetip, mercado de balcão organizado de ativos e derivativos, Uma das mais importantes práticas de governança, o Con-de acordo com o vice-presidente financeiro. selho de Administração com conselheiros independentes e externos, já fazia parte das práticas do banco, afirma ela. NoEm banco de investimento, a instituição oferece serviços de Conselho de Administração estão: Noberto Nogueira Pinhei-acesso ao mercado de capitais e de renda fixa, assessoria ro, presidente do conselho; Noberto Nogueira Pinheiro Júnior,financeira, fusões e aquisições. Zaiet destaca que em março presidente do banco, que já havia atuado como diretor deúltimo, o Pine foi o único advisor da empresa indiana Su- operações, financeiro e de RI do Pine; Maurizio Mauro, fun-zlon, que produz pás eólicas. Em resumo, a empresa havia dador da Managing Partner, TTLM Gestão e Participações; oinvestido em um parque eólico no Nordeste e contratou o ex-ministro da fazenda, Mailson Ferreira da Nóbrega; Antoniobanco para achar um comprador para o negócio, que resul- Hermann , sócio diretor da Aggrego Consultores; e Gustavotou em um M&A (sigla em inglês para fusões e aquisições) Diniz Junqueira, ex-diretor vice-presidente responsável pelade mais de R$ 500 milhões, conta. Pine Investimentos. RI Abril 2012 REVISTA RI 37

×