SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudançaFunções do professor bibliotecárioO que a minha biblioteca já fazFactores favoráveis/ 0bstáculos à mudançaO que é preciso mudar. Acções a implementar1.Integração na escola e no processo de ensino-aprendizagemA – Intervenção pedagógica e curricular1.Coordenar e colaborar com os professores na planificação, implementação e avaliação de actividades de ensino-aprendizagem com os docentes e que envolvam os serviços e os recursos da BE:a)- proporcionar uma acção didáctica em torno da BE; o bibliotecário planifica, implementa e avaliam em conjunto com o docente as actividades a desenvolver, definindo objectivos e avaliação;b) – dinamizar e integrar a tecnologia (Web 2.0) nas actividades de ensino-aprendizagem, apresentando a alunos e professores a diversidade de recursos em diferentes formatos que integram a Web 2.0; c) – especialista em informação: - tratar, organizar, recuperar e difundir informação; - desenvolver as literacias críticas e  da informação - programar intervenções formais, sistemáticas e contextualizadas de aprendizagem que promovam o  desenvolvimento de competências e de valores e atitudes relacionados com o uso adequado da informação (ensinar a usar correctamente a  informação), tornando possível a introdução de novos métodos de aprendizagem; A – Apoio ao Desenvolvimento Curricular: Seguindo a tipologia definida por Montiel – Overall, (2005 e apud Campello, 2009): 1. Coordenação: actividades de formação dos utilizadores; exposições, feira do livro, semana da leitura, actividades de leitura…2. Cooperação: na área de projecto do 12º ano, são planificadas em conjunto, com todos os docentes, as sessões de trabalho na BE, definindo-se objectivos e metodologias de trabalho; a BE fornece instruções para a metodologia da investigação, definindo as fases de trabalho e os procedimentos para a pesquisa, tratamento e comunicação da informação. - O Projecto Educativo da escola contempla a adopção de um modelo de literacia da informação para toda a escola, bem como o ensino de competências da informação, integradas no currículo; - a professora bibliotecária e a equipa da BE constituem-se como  referências para os alunos na pesquisa, tratamento e comunicação da informação;  - o espaço da BE é utilizado pelos alunos na apresentação de trabalhos, exposições, palestras e outras actividades realizadas pelos alunos; - a BE colabora com o Conselho Pedagógico ( a professora bibliotecária integra este órgão pedagógico); - a professora bibliotecária integra a equipa PTE, tendo desenhado um programa PTE para a BE e que integra o Plano TIC da Escola; - o blogue da BE constitui um dos instrumentos de divulgação e comunicação entre a BE e os seus utentes; B - Leitura e Literacia: 1.A BE possui guiões de literacia de informação disponíveis para apoio às aprendizagens e à pesquisa autónoma; 2.A BE realiza formação para os utilizadores (alunos que entram de novo na escola); 3. Apoio aos alunos na pesquisa e tratamento da informação; 4. Realização da Semana da Leitura ; 5. Presença de escritores na BE para apresentação e divulgação de livros/obras6. A BE realiza sessões de leitura em voz alta, leitura partilhada, poesia; 7. A BE planifica com os docentes de Línguas as actividades e projectos a desenvolver na promoção da leitura; 8. A BE planifica actividades no âmbito da leitura para novos públicos: CNO; EFA; 9. O horário da BE foi alargado, de forma a servir os novos públicos da escola; 10. A BE é rentabilizada pelos docentes na utilização das TIC e o desenvolvimento de outros programas e projectos (Projectos/Clubes) 11. A utilização da BE é rentabilizada em actividades de substituição relacionadas com a OTE; Factores favoráveis: - Existência da figura do professor bibliotecário, apoiado por uma equipa interdisciplinar e com formação específica na área das bibliotecas escolares; - Consolidação das BE’s a nível legislativo e institucional; - PTE: ao proporcionar acesso generalizado a novas tecnologias, permite a criação de redes cooperativas de trabalho entre os docentes; . a integração do professor bibliotecário na equipa PTE permite desenhar um programa pedagógico para a escola baseado nas literacias digitais e na criação de ambientes virtuais de aprendizagem; - Gestão da BE baseada na recolha de evidências (Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares); - PNL: permite desenhar um programa de leitura centrado na BE, articulado a partir dela e envolvendo vários docentes do departamento de Línguas e/ou docentes de outras áreas disciplinares; - Institucionalização da BE nos Instrumentos de autonomia da escola: Regulamento Interno, Projecto Educativo e Projecto Curricular de Escola; Obstáculos à mudança: Factores externos: - alterações legislativas que impedem a afectação de recursos humanos e materiais à BE; - Reunir com os Departamentos Curriculares para articular a aprendizagem de conteúdos programáticos com os serviços e recursos disponíveis na BE; - Planificar em conjunto unidades programáticas, apresentando sugestões de tratamento de diferentes unidades de ensino ou temas; - Recolher, organizar e difundir materiais relacionados com os temas e necessidades formativas dos docentes envolvidos nos diferentes programas e projectos. - Promover reuniões da BE com a equipa responsável pela sala de estudo (responsável pelas actividades de OTE); - Produzir em colaboração com a equipa da sala de estudo, materiais, recursos e sugestões de actividades que sirvam a OTE; - Melhorar a apresentação dos guiões produzidos e diversificar a forma de difusão dos materiais criados pela BE (página Web; twitter; facebook; bookmarks, etc.); -Criar um programa progressivo e articulado para os vários anos de escolaridade para o desenvolvimento das competências da informação; - Realizar acções de formação (com carácter informal) junto dos docentes para promover o papel pedagógico da BE; Realizar acções de formação (com carácter informal) junto dos docentes sobre literacias da informação, tecnológicas e digitais (articular com a restante equipa PTE); - reforçar a articulação entre a BE e o trabalho da sala de aula; - convidar especialistas e organizar colóquios/seminários sobre a leitura, a literacia e o papel da BE; - planificar um conjunto de actividades direccionadas para os pais e encarregados de educação; - promover a formação da equipa da BE; - elaborar o documento que orienta a gestão da colecção e envolver a escola no processo;  2. Condições de acesso.Factores internos: Qualidade da colecçãoB – Gestão da BE/ Colecção 1.Organizar e equipar a BE de acordo com os standards definidos, facultando condições de acesso e de trabalho individual e em grupo; 12. Os docentes valorizam a BE e integram-na nas actividades de ensino-aprendizagem; 13. O órgão de administraçãoatribui uma verba anual para a renovação da colecção e para as despesas correntes;  14. A BE utiliza vários formatos e canais na difusão da informação; - desvalorização da figura do professor bibliotecário por parte do órgão de gestão e da maioria dos docentes;  - ausência de um orçamento próprio, gerido pela BE; - práticas pedagógicas alicerçadas em modelos que não promovem a autonomia do aluno e a aprendizagem baseada em recursos (resourced- based learning); 2. Disponibilizar um conjunto de recursos de informação em diferentes ambientes e suportes, actualizada e em extensão e qualidade adequadas às necessidades dos utilizadores; - culturas de escola caracterizadas pela “balcanização”, assentes em práticas individualistas de trabalho, dificultando por isso a colaboração e a cooperação entre a BE e o corpo docente; 3. Gestão da BE 3. Assegurar as rotinas inerentes à gestão, articulando e trabalhando com a escola, professores e alunos; 14. A professora bibliotecária possui formação especializada de acordo com a legislação vigente; - a BE possui uma equipa multidisciplinar; a sub-directora da escola integra a equipa, funcionando como elemento estratégico no diálogo e cooperação com o órgão de gestão; - a equipa integra dois elementos do pessoal não docente, que asseguram de forma permanente o serviço da BE; este pessoal possui experiência na área das BE’s e formação contínua neste domínio; - não cumprimento por parte do órgão de gestão e dos docentes, das linhas orientadoras definidas no PE no que concerne à BE;  - incapacidade por parte da professora bibliotecária em cumprir todas as funções ligadas à BE, por falta de tempo e dispersão em inúmeras tarefas e responsabilidades. 4. Desenvolver estratégias de gestão baseadas na recolha sistemática de evidências – evidence based practice. 5. Implementar um sistema de auto-avaliação contínuo. <br />TABELA MATRIZ (Acrescente as linhas à tabela que considere necessárias)<br />Bibliografia: <br />Texto da sessão, disponibilizado na plataforma.<br />APRENDIZAGEM NA ESCOLA DA ERA DA INFORMAÇÃO: OPORTUNIDADES,RESULTADOS E CAMINHOS POSSÍVEIS. Todd, Ross (2003). Disponível em http://www.dgidc.min-edu.pt/revista_noesis/Documents/Revista%20Noesis/Noesis%2082/dossier.quest%C3%B5es_e_raz%C3%B5es.82.pdf. [Acedido a 27 de Outubro de 2010].<br /> HYPERLINK quot;
http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=13262quot;
 A Biblioteca Escolar 2.0: novas funções para o professor bibliotecário  Cardoso, Ana Amélia (2009).Disponível em   HYPERLINK quot;
http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/140/BIB_2.0.pdfquot;
 http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/140/BIB_2.0.pdf [ acedido a 28 de Outubro de 2010].<br />El profesional de la información en los contextos educativos de la sociedad del aprendizaje: espacios y competencias, Tarragó, Nancy Sánchez (2005). Disponível em: http://mail.udgvirtual.udg.mx/biblioteca/html/123456789/433/aci02_05.htm. [Acedido a 28 de Outubro de 2010].<br />Modelo de auto-avaliação da biblioteca escolar . Rede de Bibliotecas Escolares, Ministério da Educação. Disponível em http://www.rbe.min-edu.pt. [Acedido em Outubro de 2010]. <br />
Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança
Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança
Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança
Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança
Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acçãogracabib
 
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]bibliotecaesla
 
Minha tabela
Minha tabelaMinha tabela
Minha tabelaeb23am
 
Tabela sessao mod._escola-_trab_1
Tabela sessao mod._escola-_trab_1Tabela sessao mod._escola-_trab_1
Tabela sessao mod._escola-_trab_1mariasalgueiro
 
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]Teresa Semedo
 
Tabela SessãO 6 Raquel
Tabela SessãO 6 RaquelTabela SessãO 6 Raquel
Tabela SessãO 6 Raquelrapscasg
 
Plano melhoria be da ESAS- 2013
Plano melhoria be da ESAS- 2013Plano melhoria be da ESAS- 2013
Plano melhoria be da ESAS- 2013bepedronunes
 
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_candidamatos
 
1ª Parte Da 1ª Tarefa
1ª Parte Da 1ª Tarefa1ª Parte Da 1ª Tarefa
1ª Parte Da 1ª Tarefajoana56
 
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca EscolarRelatório de auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca EscolarCarlos Pinheiro
 
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2Sintese Desafios Oportunidades Turma 2
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2franciscamonteiro
 
Articulação BE / Escola
Articulação BE / EscolaArticulação BE / Escola
Articulação BE / Escolalurdesbenigno
 

Mais procurados (17)

Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acção
 
Autoavaliacao da biblioteca escolar 2011/2012
Autoavaliacao da biblioteca escolar 2011/2012Autoavaliacao da biblioteca escolar 2011/2012
Autoavaliacao da biblioteca escolar 2011/2012
 
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]
Plano%20 de%20actividades%202010 2011%20-%20para%20integrar%20informação[2]
 
Minha tabela
Minha tabelaMinha tabela
Minha tabela
 
Tabela sessao mod._escola-_trab_1
Tabela sessao mod._escola-_trab_1Tabela sessao mod._escola-_trab_1
Tabela sessao mod._escola-_trab_1
 
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]
Oficina%20 Forma%C3%87%C3%83 O%20 %20 Teresa%20 Semedo[1]
 
Tabela SessãO 6 Raquel
Tabela SessãO 6 RaquelTabela SessãO 6 Raquel
Tabela SessãO 6 Raquel
 
Tabela sessao mod._esc...
Tabela sessao mod._esc...Tabela sessao mod._esc...
Tabela sessao mod._esc...
 
Plano melhoria be da ESAS- 2013
Plano melhoria be da ESAS- 2013Plano melhoria be da ESAS- 2013
Plano melhoria be da ESAS- 2013
 
Plano de ação da biblioteca escolar 2009(2013
Plano de ação da biblioteca escolar 2009(2013Plano de ação da biblioteca escolar 2009(2013
Plano de ação da biblioteca escolar 2009(2013
 
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_
Tabela sessao mod._escola-_trab_1_1_
 
1ª Parte Da 1ª Tarefa
1ª Parte Da 1ª Tarefa1ª Parte Da 1ª Tarefa
1ª Parte Da 1ª Tarefa
 
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca EscolarRelatório de auto-avaliação da Biblioteca Escolar
Relatório de auto-avaliação da Biblioteca Escolar
 
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2Sintese Desafios Oportunidades Turma 2
Sintese Desafios Oportunidades Turma 2
 
Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]Tabela sessao2[1]
Tabela sessao2[1]
 
Articulação BE / Escola
Articulação BE / EscolaArticulação BE / Escola
Articulação BE / Escola
 
Tabela sessao nº 4_ abilio
Tabela sessao  nº 4_ abilioTabela sessao  nº 4_ abilio
Tabela sessao nº 4_ abilio
 

Semelhante a Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança

MABE - Operacionalização
MABE - OperacionalizaçãoMABE - Operacionalização
MABE - OperacionalizaçãoOdete Almeida
 
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2Ana Cristina Matias
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudançaanabelavalentim
 
Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acçãogracabib
 
Plano de acção quadrienio13 17
Plano de acção quadrienio13 17Plano de acção quadrienio13 17
Plano de acção quadrienio13 17florinda almeida
 
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]Zélia Maria
 
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escola
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escolaSessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escola
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escolaVirginia Sousa
 
GestãO Da Be Trabalho Final
GestãO Da Be   Trabalho FinalGestãO Da Be   Trabalho Final
GestãO Da Be Trabalho FinalNoemiaMaria
 
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamento
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamentoO Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamento
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamentoTeresa Gonçalves
 
Workshop De Grupo
Workshop De GrupoWorkshop De Grupo
Workshop De GrupoNoemiaMaria
 
Biblioteca escolar desafios e oportunidades no contexto da mudança
Biblioteca escolar   desafios e oportunidades no contexto da mudançaBiblioteca escolar   desafios e oportunidades no contexto da mudança
Biblioteca escolar desafios e oportunidades no contexto da mudançaantoniopadeira
 
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteTarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteAntonio Tavares
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOclaudinapires
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_beBe Moinho Das Leituras
 

Semelhante a Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança (20)

MABE - Operacionalização
MABE - OperacionalizaçãoMABE - Operacionalização
MABE - Operacionalização
 
Regimento Interno da BECRE José Fanha
Regimento Interno da BECRE José FanhaRegimento Interno da BECRE José Fanha
Regimento Interno da BECRE José Fanha
 
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2Sintese1  Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
Sintese1 Desafios Oportunidades Drealg Turma 2
 
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudançaA biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
A biblioteca escolar. desafios e oportunidades no contexto da mudança
 
Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acção
 
Plano de acção quadrienio13 17
Plano de acção quadrienio13 17Plano de acção quadrienio13 17
Plano de acção quadrienio13 17
 
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]
2009 2010 apresentacao-de_relatorio_de_auto_be_agrup.[1]
 
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escola
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escolaSessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escola
Sessao 3 trabalho 2 maabe no contexto da escola
 
Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3Ppt Mav SessãO3
Ppt Mav SessãO3
 
GestãO Da Be Trabalho Final
GestãO Da Be   Trabalho FinalGestãO Da Be   Trabalho Final
GestãO Da Be Trabalho Final
 
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamento
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamentoO Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamento
O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da escola/ agrupamento
 
Workshop De Grupo
Workshop De GrupoWorkshop De Grupo
Workshop De Grupo
 
Biblioteca escolar desafios e oportunidades no contexto da mudança
Biblioteca escolar   desafios e oportunidades no contexto da mudançaBiblioteca escolar   desafios e oportunidades no contexto da mudança
Biblioteca escolar desafios e oportunidades no contexto da mudança
 
Tabela 1 27_10
Tabela 1 27_10Tabela 1 27_10
Tabela 1 27_10
 
Tabela 1 27_10
Tabela 1 27_10Tabela 1 27_10
Tabela 1 27_10
 
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª ParteTarefa SessãO 4 1ª Parte
Tarefa SessãO 4 1ª Parte
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
 
Tabela 1
Tabela 1Tabela 1
Tabela 1
 
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be2   workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
2 workshop formativo--_modelo_de_aa_da_be
 

Funções do professor bibliotecário e áreas de intervenção na mudança

  • 1. Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudançaFunções do professor bibliotecárioO que a minha biblioteca já fazFactores favoráveis/ 0bstáculos à mudançaO que é preciso mudar. Acções a implementar1.Integração na escola e no processo de ensino-aprendizagemA – Intervenção pedagógica e curricular1.Coordenar e colaborar com os professores na planificação, implementação e avaliação de actividades de ensino-aprendizagem com os docentes e que envolvam os serviços e os recursos da BE:a)- proporcionar uma acção didáctica em torno da BE; o bibliotecário planifica, implementa e avaliam em conjunto com o docente as actividades a desenvolver, definindo objectivos e avaliação;b) – dinamizar e integrar a tecnologia (Web 2.0) nas actividades de ensino-aprendizagem, apresentando a alunos e professores a diversidade de recursos em diferentes formatos que integram a Web 2.0; c) – especialista em informação: - tratar, organizar, recuperar e difundir informação; - desenvolver as literacias críticas e da informação - programar intervenções formais, sistemáticas e contextualizadas de aprendizagem que promovam o desenvolvimento de competências e de valores e atitudes relacionados com o uso adequado da informação (ensinar a usar correctamente a informação), tornando possível a introdução de novos métodos de aprendizagem; A – Apoio ao Desenvolvimento Curricular: Seguindo a tipologia definida por Montiel – Overall, (2005 e apud Campello, 2009): 1. Coordenação: actividades de formação dos utilizadores; exposições, feira do livro, semana da leitura, actividades de leitura…2. Cooperação: na área de projecto do 12º ano, são planificadas em conjunto, com todos os docentes, as sessões de trabalho na BE, definindo-se objectivos e metodologias de trabalho; a BE fornece instruções para a metodologia da investigação, definindo as fases de trabalho e os procedimentos para a pesquisa, tratamento e comunicação da informação. - O Projecto Educativo da escola contempla a adopção de um modelo de literacia da informação para toda a escola, bem como o ensino de competências da informação, integradas no currículo; - a professora bibliotecária e a equipa da BE constituem-se como referências para os alunos na pesquisa, tratamento e comunicação da informação; - o espaço da BE é utilizado pelos alunos na apresentação de trabalhos, exposições, palestras e outras actividades realizadas pelos alunos; - a BE colabora com o Conselho Pedagógico ( a professora bibliotecária integra este órgão pedagógico); - a professora bibliotecária integra a equipa PTE, tendo desenhado um programa PTE para a BE e que integra o Plano TIC da Escola; - o blogue da BE constitui um dos instrumentos de divulgação e comunicação entre a BE e os seus utentes; B - Leitura e Literacia: 1.A BE possui guiões de literacia de informação disponíveis para apoio às aprendizagens e à pesquisa autónoma; 2.A BE realiza formação para os utilizadores (alunos que entram de novo na escola); 3. Apoio aos alunos na pesquisa e tratamento da informação; 4. Realização da Semana da Leitura ; 5. Presença de escritores na BE para apresentação e divulgação de livros/obras6. A BE realiza sessões de leitura em voz alta, leitura partilhada, poesia; 7. A BE planifica com os docentes de Línguas as actividades e projectos a desenvolver na promoção da leitura; 8. A BE planifica actividades no âmbito da leitura para novos públicos: CNO; EFA; 9. O horário da BE foi alargado, de forma a servir os novos públicos da escola; 10. A BE é rentabilizada pelos docentes na utilização das TIC e o desenvolvimento de outros programas e projectos (Projectos/Clubes) 11. A utilização da BE é rentabilizada em actividades de substituição relacionadas com a OTE; Factores favoráveis: - Existência da figura do professor bibliotecário, apoiado por uma equipa interdisciplinar e com formação específica na área das bibliotecas escolares; - Consolidação das BE’s a nível legislativo e institucional; - PTE: ao proporcionar acesso generalizado a novas tecnologias, permite a criação de redes cooperativas de trabalho entre os docentes; . a integração do professor bibliotecário na equipa PTE permite desenhar um programa pedagógico para a escola baseado nas literacias digitais e na criação de ambientes virtuais de aprendizagem; - Gestão da BE baseada na recolha de evidências (Modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares); - PNL: permite desenhar um programa de leitura centrado na BE, articulado a partir dela e envolvendo vários docentes do departamento de Línguas e/ou docentes de outras áreas disciplinares; - Institucionalização da BE nos Instrumentos de autonomia da escola: Regulamento Interno, Projecto Educativo e Projecto Curricular de Escola; Obstáculos à mudança: Factores externos: - alterações legislativas que impedem a afectação de recursos humanos e materiais à BE; - Reunir com os Departamentos Curriculares para articular a aprendizagem de conteúdos programáticos com os serviços e recursos disponíveis na BE; - Planificar em conjunto unidades programáticas, apresentando sugestões de tratamento de diferentes unidades de ensino ou temas; - Recolher, organizar e difundir materiais relacionados com os temas e necessidades formativas dos docentes envolvidos nos diferentes programas e projectos. - Promover reuniões da BE com a equipa responsável pela sala de estudo (responsável pelas actividades de OTE); - Produzir em colaboração com a equipa da sala de estudo, materiais, recursos e sugestões de actividades que sirvam a OTE; - Melhorar a apresentação dos guiões produzidos e diversificar a forma de difusão dos materiais criados pela BE (página Web; twitter; facebook; bookmarks, etc.); -Criar um programa progressivo e articulado para os vários anos de escolaridade para o desenvolvimento das competências da informação; - Realizar acções de formação (com carácter informal) junto dos docentes para promover o papel pedagógico da BE; Realizar acções de formação (com carácter informal) junto dos docentes sobre literacias da informação, tecnológicas e digitais (articular com a restante equipa PTE); - reforçar a articulação entre a BE e o trabalho da sala de aula; - convidar especialistas e organizar colóquios/seminários sobre a leitura, a literacia e o papel da BE; - planificar um conjunto de actividades direccionadas para os pais e encarregados de educação; - promover a formação da equipa da BE; - elaborar o documento que orienta a gestão da colecção e envolver a escola no processo; 2. Condições de acesso.Factores internos: Qualidade da colecçãoB – Gestão da BE/ Colecção 1.Organizar e equipar a BE de acordo com os standards definidos, facultando condições de acesso e de trabalho individual e em grupo; 12. Os docentes valorizam a BE e integram-na nas actividades de ensino-aprendizagem; 13. O órgão de administraçãoatribui uma verba anual para a renovação da colecção e para as despesas correntes; 14. A BE utiliza vários formatos e canais na difusão da informação; - desvalorização da figura do professor bibliotecário por parte do órgão de gestão e da maioria dos docentes; - ausência de um orçamento próprio, gerido pela BE; - práticas pedagógicas alicerçadas em modelos que não promovem a autonomia do aluno e a aprendizagem baseada em recursos (resourced- based learning); 2. Disponibilizar um conjunto de recursos de informação em diferentes ambientes e suportes, actualizada e em extensão e qualidade adequadas às necessidades dos utilizadores; - culturas de escola caracterizadas pela “balcanização”, assentes em práticas individualistas de trabalho, dificultando por isso a colaboração e a cooperação entre a BE e o corpo docente; 3. Gestão da BE 3. Assegurar as rotinas inerentes à gestão, articulando e trabalhando com a escola, professores e alunos; 14. A professora bibliotecária possui formação especializada de acordo com a legislação vigente; - a BE possui uma equipa multidisciplinar; a sub-directora da escola integra a equipa, funcionando como elemento estratégico no diálogo e cooperação com o órgão de gestão; - a equipa integra dois elementos do pessoal não docente, que asseguram de forma permanente o serviço da BE; este pessoal possui experiência na área das BE’s e formação contínua neste domínio; - não cumprimento por parte do órgão de gestão e dos docentes, das linhas orientadoras definidas no PE no que concerne à BE; - incapacidade por parte da professora bibliotecária em cumprir todas as funções ligadas à BE, por falta de tempo e dispersão em inúmeras tarefas e responsabilidades. 4. Desenvolver estratégias de gestão baseadas na recolha sistemática de evidências – evidence based practice. 5. Implementar um sistema de auto-avaliação contínuo. <br />TABELA MATRIZ (Acrescente as linhas à tabela que considere necessárias)<br />Bibliografia: <br />Texto da sessão, disponibilizado na plataforma.<br />APRENDIZAGEM NA ESCOLA DA ERA DA INFORMAÇÃO: OPORTUNIDADES,RESULTADOS E CAMINHOS POSSÍVEIS. Todd, Ross (2003). Disponível em http://www.dgidc.min-edu.pt/revista_noesis/Documents/Revista%20Noesis/Noesis%2082/dossier.quest%C3%B5es_e_raz%C3%B5es.82.pdf. [Acedido a 27 de Outubro de 2010].<br /> HYPERLINK quot; http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=13262quot; A Biblioteca Escolar 2.0: novas funções para o professor bibliotecário Cardoso, Ana Amélia (2009).Disponível em HYPERLINK quot; http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/140/BIB_2.0.pdfquot; http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/140/BIB_2.0.pdf [ acedido a 28 de Outubro de 2010].<br />El profesional de la información en los contextos educativos de la sociedad del aprendizaje: espacios y competencias, Tarragó, Nancy Sánchez (2005). Disponível em: http://mail.udgvirtual.udg.mx/biblioteca/html/123456789/433/aci02_05.htm. [Acedido a 28 de Outubro de 2010].<br />Modelo de auto-avaliação da biblioteca escolar . Rede de Bibliotecas Escolares, Ministério da Educação. Disponível em http://www.rbe.min-edu.pt. [Acedido em Outubro de 2010]. <br />