1
A mulher em Mensagem: ventre revitalizador de uma nação adormecida
João Miguel Carneiro dos Santos
Considerando a célebr...
2
vida, se foi compondo e projetando. Já não falamos, pois, de um projeto material e
contemporâneo do seu escritor como fo...
3
de um exercício de inventariação daqueles que foram os principais edificadores da nossa
identidade nacional.
É com Mensa...
4
A primeira figura feminina enquanto presença real e civil em Mensagem é
“D.Tareja”. Afastando-se da Europa de “Os castel...
5
papel de “D.Tareja” para além de o de progenitora. Foi ela cujo “seio augusto
amamentou/ Com bruta e natural certeza/O q...
6
É, pois, a partir da faceta histórico-mítica desta segunda figura que o nosso poeta
consegue consolidar, uma vez mais, a...
7
interpretação deste verso: “Ao chamar a D.Philippa de Lencastre «Princeza do Santo
Gral»,está o poeta a acenar para três...
8
outra, mas que seja nossa!”(vv.9-12) Estamos no poema final da segunda parte de
Mensagem, e aqui balançam duas vozes – a...
9
Bibliografia
1. Ativa
PESSOA, Fernando
1915
“Carta a Armando Côrtes-Rodrigues”, in Arquivo Pessoa:
http://arquivopessoa....
10
SERRÃO, Joel
1981, Fernando Pessoa Cidadão do Imaginário, Lisboa, Livros Horizonte(2007)
SILVESTRE, Vilma F.S.de Albuqu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A mulher em mensagem ventre revitalizador de uma nação adormecida

257 visualizações

Publicada em

Ensaio sobre «Mensagem».
Trabalho para a disciplina de Temas de Literatura Portuguesa.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
257
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A mulher em mensagem ventre revitalizador de uma nação adormecida

  1. 1. 1 A mulher em Mensagem: ventre revitalizador de uma nação adormecida João Miguel Carneiro dos Santos Considerando a célebre frase de Bernardo Soares - «Minha pátria é a língua portuguesa.» -, não será, talvez, arriscado dizer que nela está consignado todo um sentimento patriótico por Portugal e pela sua língua. Arriscado também não será, decerto, afirmarmos que esse patriotismo é já precoce em Fernando Pessoa, sendo esta ideia de imediato corroborada pelos versos que ele inocentemente dedicou à sua mãe: Ó terras de Portugal Ó terras onde eu nasci Por muito que goste delas Ainda gosto mais de ti. (PESSOA, 1951:55) Complexa que é a sua persona, torna-se difícil a tarefa de nomear qual a verdadeira pátria de Pessoa, pelas múltiplas perspetivas por ele oferecidas na sua prática poética. Por isso mesmo, talvez seja fundamental não apenas o exercício de identificação desse complexo e indefinido amor a uma Pátria, mas o de atentar naquele que é, em si mesmo, o maior desígnio de “erguer alto o nome português”: a escrita de um livro como Mensagem. A confirmá-lo, citamos o que diz José Augusto Seabra em A Pátria de Pessoa ou a Língua Mátria: “(…)Pessoa escreveria em tom exaltante:«Ninguém suspeita do meu amor patriótico, mais intenso do que o de quem quer que eu encontre, de quem quer que eu conheça»”. (SEABRA, 1985:14) Antes de avançarmos neste breve exercício de exegese relativamente ao tema a que nos propomos tratar, convém clarificar, uma vez mais, o valor que este autor atribui à Nação Portuguesa. Considera ele que “Ser intensamente patriota (…) É, primeiro, valorizar em nós o indivíduo que somos, e fazer o possível por que se valorizem os nossos compatriotas, para que assim a Nação, que é a suma vida dos indivíduos que a compõem, e não o amontoado de pedras e areia que compõem o seu território,(…) possa orgulhar-se de nós, porque ela nos criou, somos seus filhos, e seus pais, porque a vamos criando.(…)”.(PESSOA, 1996:433) Foi, decerto, dessa necessidade de valorização do indivíduo que, um ano antes da sua morte, Fernando Pessoa dá à estampa aquela que será a sua única obra publicada em vida, que já mencionamos anteriormente. Mas Mensagem não é apenas fruto de uma apologia de valores nacionalistas; é antes o gesto de uma certa ousadia daquele que se dizia criador de uma “Super-Nação futura”. O tom profético que se deixa escorrer por entre as suas páginas pode, talvez, relacionar-se com essa experiência inventiva de uma “Super-Nação”, povoada por criaturas superiores, dado que o que está em causa é a ressureição de uma Nação moribunda. É, pois, pelo investimento nessa recuperação da alma portuguesa, que se torna necessário encontrar o cálice que unirá passado, presente e futuro, numa visão unificadora da História e de quem nela é personagem, como algo necessário ao progresso. Se atentarmos no conjunto poético da obra a que nos referimos, não é difícil vermos nele todo um desejo de regeneração desse país adormecido que, ao longo da sua
  2. 2. 2 vida, se foi compondo e projetando. Já não falamos, pois, de um projeto material e contemporâneo do seu escritor como foram Os Lusíadas de Camões, mas sim de uma empresa espiritual assente na restauração de valores patrióticos edificados numa base mítica. Isto é, o que estava em causa para o autor de uma obra como Mensagem, não era já o mero canto das Armas e das Letras, mas sim o de (re)criação de mitos. Ele mesmo acredita que não há já a necessidade de se criar mitos para a Nação Portuguesa, mas sim de investir na sua recuperação. Não queremos com isto dizer que foi objetivo de Pessoa a total isenção de uma apoteose de personalidades e feitos históricos, mas antes explicar que a dimensão a eles conferida já não é equivalente à oferecida por Camões. Isto é evidente se nos apercebermos que a figura histórica concreta com que nos debatemos na epopeia quinhentista está, em Mensagem, totalmente apagada, restando apenas a sua funcionalidade e vivência míticas. Por forma a não nos desviarmos do assunto a que nos propomos neste breve ensaio, torna-se necessária a tarefa de nos encaminharmos para aquilo que se prende com o papel da figura feminina nesta obra. Ao abrirmos Mensagem deparamo-nos, desde logo, com uma figura envolta em mistério qual princesa adormecida de “Eros e Psique”. Referimo-nos, claro está, ao poema “O dos castellos” e à figura da Europa, cujo rosto é, como sabemos, Portugal. É certo que não se trata de uma figura histórica como outras a que faremos referência mais adiante, mas de uma representação algo alegórica de um território geográfico como figura feminina. Importante será também não esquecer o seu olhar esfíngico, porque é a partir dele que se reconfigurará o projeto de reinvenção de um futuro voltado para o passado. Desde logo, vemos que a figura feminina se encontra numa posição estratégica desse projeto pessoano que é Mensagem, porque é a ela que se entrega a tarefa de estar vigilante e contemplativa; a ela cabe carregar nos seus ombros o império espiritual português ainda não totalmente letárgico. Sobre isto, diz-nos António Cirurgião, em O «olhar esfíngico» da Mensagem de Pessoa: “[A Europa] como a esfinge, vive numa eterna vigília, a andar o mistério dos tempos e dos espaços.” (CIRURGIÃO, 1990:42) Avancemos, porém, algumas páginas da obra e atentemos no poema “Mar Portuguez”. Estamos já na segunda parte de Mensagem e podemos reparar que, mais uma vez, a figura feminina - ainda que esteja aqui representada de forma coletiva - se apresenta como figuração de um drama, também ele coletivo, encabeçado por essa empresa territorial que foram os Descobrimentos. O sofrimento e a espera dessas mulheres – mães e esposas – serão sempre tomados como algo que só a elas lhes cabe. Não estamos decerto longe do episódio das “Despedidas em Belém” de Os Lusíadas, em que também se procurou representar esse “drama da humanidade em toda a sua grandeza, ao mostrar o poeta que o homem só se realiza pela renúncia, pelo sacrifício.” (1990:187). É, pois, pela invocação do papel dessas mulheres enquanto figuras maternais e protetoras, que se consegue representar esse veículo de investimento e afirmação de uma (re)conquista patriótica não apenas conseguido pela figura masculina e, essencialmente, ativa. Contudo, não se pode apartar o imenso papel que tiveram os herois masculinos na demanda construtiva de um forte poder imperial aqui consubstanciado na recriação do Quinto Império. Essa procura reconquistadora interior controi-se, em Pessoa, através
  3. 3. 3 de um exercício de inventariação daqueles que foram os principais edificadores da nossa identidade nacional. É com Mensagem que esse desejo melhor se consegue projetar, pois temos de olhá-la como um projeto de reconstrução dessa tal “Super-Nação futura” apenas e só alicerçado na essência do ser português, a que anteriormente já aludimos. Porém, o problema que, desde logo, salta à vista do autor é o facto de estarmos mergulhados numa profunda crise de identidade(nacional) como o comprovam os derradeiros versos desta obra: “Ninguém sabe que coisa quer./Ninguém conhece que alma tem,/Nem o que é mal nem o que é bem. (2013:96, vv.7-9)” Para Pessoa, a única forma de conseguir despertar também o seu leitor e fazê-lo entender o projeto colossal que tem em mãos, apenas se logrará, como já dissemos, através da inventariação de figuras históricas estruturantes que Mensagem procura restaurar e restituir-lhes a grandeza. Cabe a esta nova epopeia resgatar e devolver a Portugal uma resposta satisfatória ao problema do esquecimento e da desagregação das suas potências individuais. Logo depois de “Os castellos” e, claro, da figura da Europa que funciona como incipit deste projeto nacionalista, o nosso Pessoa-guia conduz-nos a uma revisitação daquelas que são as figuras de elenco do nosso passado histórico já sedimentado, e a partir daí entregar-nos-emos àquelas que se destacam não pelo seu papel enquanto figura ativa e combatente na edificação do nosso império, mas pela sua função como motor de criação e, logicamente, de impulso transcendente. Lemos numa obra de Joel Serrão - Fernando Pessoa Cidadão do Imaginário: “Uma coisa, todavia, para nós é certa: o Super-Camões alimenta-se, em última instância, do mesmo húmus nacional e nacionalizante do Marânus”.(1981:149). Esta referência última à epopeia saudosista de Teixeira de Pascoaes que, tal como Pessoa, procurou recuperar da trama histórica os seus protagonistas, releva-nos, uma vez mais, a importância da conceção unificadora daqueles que construíram o nosso império, ora mais terrritorial ora mais espiritual e transcendente. Por seu turno, em Saudade e Profetismo em Fernando Pessoa, vamos ao encontro desta mesma ideia, dizendo-nos que “Pessoa e Pascoaes, encontravam-se, assim, na consciência nacional de redescoberta. Mudava apenas a formulação dos meios: para Pessoa será o «Espírito Civilizador» que há-de operar a travessia e o milagre; para Pascoaes, essas Índias Espirituais serão conquista da Saudade transcendente." (ANTUNES,1983:435) Antes, porém, de nos debruçarmos sobre as figuras femininas revisitadas em Mensagem, é importante também que entendamos que elas estão presentes em muitos textos pessoanos. Basta recordarmos poemas que aludem, por exemplo, à nostalgia da infância para neles depararmos com a presença de uma figura feminina, que se assume como materna. A título de exemplo, a ama de “Não sei, ama, onde era”, a mãe de “O menino de sua mãe” ou, ainda, a noite enquanto figura feminina e, sobretudo, materna de “Passagem das horas”, de Álvaro de Campos, aparecem, na perspetiva de Vilma de Albuquerque Silvestre, num artigo intitulado Representação do feminino em Fernando Pessoa: uma introdução, (…) como a mulher, a virgem, a mãe, despojada de sensualidade ou de sexualidade, e interditada ao desejo e às volúpias dos prazeres.”. Sempre que essa figura feminina se apresenta como materna, a sua projeção nunca é deixada de lado, querendo antes tê-la por perto, como proteção e amparo.
  4. 4. 4 A primeira figura feminina enquanto presença real e civil em Mensagem é “D.Tareja”. Afastando-se da Europa de “Os castellos”, que apenas existia como figuração antropomorfizada de um território imperial, a figura de “D.Tareja” apresenta, ainda assim, ligações àquela. Começando por situar o poema na estrutura da obra, teremos de o colocar na primeira parte da divisão tripartida de Mensagem: «Brasão». Não é, como em toda a poesia pessoana, despropositado o lugar votado a este poema. É em «Brasão» que conflui todo o diagrama histórico subdividido nas suas personalidades, e mais ainda, nele está presente toda a memória coletiva que se pretende resgatar do esquecimento da História. Isto é, nesta parte inicial estão depositados, quase em forma de políptico, os símbolos potenciadores daquele mistério a que aludimos com a referência ao poema “O dos castellos”. A presença quase iniciática de “D.Tareja”, como sabemos mãe de D. Afonso Henriques, numa obra como esta, tem, em si mesma, distintas funcionalidades. A primeira surge ligada àquela revisitação histórica necessária a um despertar de consciência para um passado pleno de valores patrióticos, que se espera ver alcançados no futuro. É fazendo uma recuperação desse passado que se consegue elencar os principais exemplos que se pretendem ver projetados e espelhados na desejada “Super- Nação futura”. Por isso mesmo, esta figura surge, desde logo, no princípio de Mensagem, por se querer fazer notar que é imprenscindível voltar aos primórdios do império português. Mas que importância terá esta figura feminina, que quase passa despercebida entre as figuras maioritariamente masculinas, para o projeto que Pessoa quer desenvolver? Talvez, e como se explica desde logo no primeiro verso de “D.Tareja”(pp.22-23) – “As nações todas são mysterios.”(vv.1-2) – seja necessário um impulso de mistério para que as Nações, e em particular, a portuguesa, partam em busca de um sentido para a missão que lhes cabe. O verso seguinte é também ele quase axiomático. Confere a essas nações uma certa individualidade na tarefa de seguir em frente, procurando o sentido do seu destino. É como se cada uma fosse sagrada por Deus - ou por um impulso divino - no momento do seu nascimento ou no despertar do sono eterno, pela ressurreição, cumprindo, assim, outra funcionalidade naquela tarefa mística. O destino está muito evidentemente para além do alcance do heroi, na medida em que o submete aos seus desígnios, fazendo com que os seus atos futuros sejam forçosamente resultado dessa força oculta que o domina. Não falamos, pois, de atos puramente materiais e, quiçá, passíveis de ser votados ao esquecimento. Falamos, pois, da conquista daquele “porto sempre por achar”(v.16) de que fala “Padrão”(p.54). Em “D. Tareja” não se incentiva a um encorajamento para a conquista da espada ou da luz da chama que repelirá a sombra, mas antes se procede a uma invocação quase precatória do seu poder enquanto mãe misteriosa da nossa nação: “Ó mãe de reis e avó de imperios/Vella por nós!”(vv.3-4). Repare-se no tom oracional da apóstrofe que se coaduna com o imperativo verbal seguinte, num claro pedido de proteção e vigília para o que somos hoje. Vemos, de novo, aqui um apelo à ternura maternal que em Pessoa é totalmente sinónimo de felicidade e de segurança. É “D.Tareja” a mãe real e civil de Portugal porque dela nasceu o nosso primeiro rei e dela brotou toda a luz e exemplo de criação. Na opinião de António Cirurgião, “é de certa maneira a transformação de D.Tareja na Magna Mater do império que foi Portugal, no tempo das grandes descobertas marítimas e conquistas, nos séculos XV e XVI, e do império que virá a ser: o Quinto Império, feito tema fundamental da Mensagem.”(1990:71). A considerarmos isto como verdadeiro, podemos desde logo estabelecer outro paralelo, justificando, assim, a importância da figura feminina no universo de Mensagem. Se passarmos à estrofe seguinte, vemos de imediato qual foi o principal
  5. 5. 5 papel de “D.Tareja” para além de o de progenitora. Foi ela cujo “seio augusto amamentou/ Com bruta e natural certeza/O que, imprevisto, Deus fadou”(vv.5-7). Isto significa tão-somente que, como a loba que amamentou os irmãos Rómulo e Remo, também a nossa rainha amamentou de forma destinada e, por isso, certeiramente, o seu filho, futuro criador de impérios. Mais ainda, não podemos descurar de atentar no adjetivo que carateriza o seu seio, representando etimologicamente algo divino, superior e, por isso mesmo, digno de veneração. Porém, convém deixar claro que não é por ser apresentada como figura a quem se invoca auxílio e, por isso mesmo, detentora de poder, que se pode afirmar solidamente que aquela figura é toda ela divina, intocável. Não o é, pelo seguinte: ao realçar, em forma de contraste, o seio divino com que amamenta o seu descendente com a “bruta e natural certeza” com que o faz, Pessoa dá logo a conhecer o lado humano e instintivo da figura. É esse estímulo natural na tarefa de amamentação de um futuro rei, também de certa forma feito como algo inconsciente e, por isso, “imprevisto” que se passa do plano do desejo e da vontade divina, para o plano daqueles que os cumprem. O nosso profeta, se assim podemos chamar-lhe, invoca a atenção da rainha para que esteja vigilante perante aquele seu filho – aqui, obviamente, representando Portugal – que envelheceu: “O homem que foi teu menino/Envelheceu.”(vv.11-12). Novamente, estamos diante duas situações: uma, é a de que nem mesmo regressando à nossa origem, nos encontramos totalmente sãos e rejuvenescidos; outra, é a da urgência de se tentar ainda combater esse estado exânime a que a alma portuguesa está votada. Porém, Pessoa acredita na possibilidade de ainda se poder escapar a essa condição: através do diálogo entre a mãe do nosso fundador e Deus, a força superior: “Dê tua prece outro destino/A quem fadou o instincto teu”(vv.9-10). Essa possível solução apenas se consolidará se se conseguir que a força divina conceda um outro destino àquele que está moribundo. Esta hipótese é quase dada como adquirida por Pessoa: “Mas todo vivo é eterno infante”(vv.13-14). Portugal está no fim da sua vida, mas ainda é capaz de se reerguer, se assim o conceder Deus por intermédio de “D. Tareja”, a quem o poeta se dirige. Dela não se espera já o resgate por inteiro da imagem presencial do seu filho enquanto jovem “infante”, mas a da sua existência espiritual ressuscitada. À tarefa de alimentar o filho com o seu “antigo seio” cabe ainda a de vigília na noite “onde está e não ha o dia”, por forma a não nos olvidarmos do instinto patriótico há muito perdido. De novo, e de acordo com a visão de António Cirurgião, podemos decerto afirmar que “Semanticamente, a poesia gira à volta de três conceitos fundamentais ou núcleos sémicos: o da maternidade, o da intervenção do sobrenatural, e o do renascimento” (1990:73). Acreditamos ser esse o leitmotiv de que se ocupa a figura feminina nesta obra, sendo a sua subtil presença um jogo dialético entre o caráter humano e a sua projeção divina, a sua vontade de intervenção entre Deus e a sua humanidade e o diálogo entre o efémero e o sempiterno. É, também, pela presença da figura feminina que a seguir faremos referência, que se justifica a relevância do seu semblante no panorama de revisão histórica de que «Brasão» e, mais especificamente, “Os castellos”, se ocupa. Avançamos três poemas ao de “D. Tareja” e vamos, novamente, encontrar uma outra figura feminina – “D. Philippa de Lencastre”. É ela, como se sabe, a esposa do rei D. João I, fundador da segunda dinastia, e mãe da nossa Ínclita Geração. Este conhecimento histórico é tanto mais importante, quanto é certo que é a partir dele que se constroi esse novo rosto solidamente mítico desenhado por Fernando Pessoa, e, evidentemente, muito importante para o reaver do nosso passado pleno de valores simbólicos.
  6. 6. 6 É, pois, a partir da faceta histórico-mítica desta segunda figura que o nosso poeta consegue consolidar, uma vez mais, a matriz unificadora daquele seu projeto futuro. Isto é, torna-se imperativa a recuperação do mistério iniciático que abre a epopeia moderna. Conseguimos comprová-lo, desde logo, com a leitura do primeiro verso de “D.Philippa de Lencastre”(p.27): “Que enigma havia em teu seio/Que só genios concebia?”(vv.1-2). De novo, estamos no domínio do onírico, do fantástico, do inexplicável; estamos como que mergulhados no feitiço da História e das suas mágicas façanhas. Pessoa volta a questionar, em jeito algo retórico, a presença daquela mulher e do seu papel no desenredar do nosso fio histórico. É ele conhecedor de que, uma vez mais, não é conferido ao feminino o poder de se revelar afirmativamente como alguém que intervém de forma ativa na consecução de qualquer desígnio. Não é por acaso que se responde de imediato – embora ainda de forma interrogativa – à questão anteriormente levantada: “Que archanjo teus sonhos veio/Vellar, maternos, um dia?”(vv.3-4). Uma vez mais, estamos no plano do divino e do maravilhoso, ao querer suspeitar que, tal como à Virgem Maria, aparecera, a certa altura, um anjo, também a «D.Philippa de Lencastre» isso tenha sucedido. Nesta primeira de duas quadras que compõem o poema que trazemos a texto, não é possível apartar esse pendor para o enigmático e para o misterioso que já, em «D.Tareja», se fazia presente. A permanência da vigília e do ato de “vellar” surge, desta feita, imediatamente correlacionada com o nascimento e a proteção não apenas de um “infante” futuro rei, mas já de um plural de infantes predestinados – a que Camões conferirá o epíteto de “Ínclita Geração”. A sua genialidade, se quisermos parafrasear o cognome oferecido por Fernando Pessoa, ou a sua celebridade, no dizer do poeta quinhentista são, em si mesmas, o grande impulso criador daquele, já antes nomeado, império territorial que trouxera a expansão marítima. Porém, atentemos ainda noutra palavra que compõe esta primeira quadra: “seio”. Podemos, de facto, entendê-lo como lugar de conceção – o útero –, ou podemos ainda ir mais longe e, recuando umas páginas, ao encontro do mesmo “seio” já gravado no poema dedicado à mãe do nosso primeiro rei. Como vemos, torna-se inevitável, nesta obra, a associação a uma figura maternal, a partir daquele que é o seu elemento corporal mais alusivo e figurado. Isto é, não podemos deixar de associar ao papel materno o seu seio vigilante e o seu ato de amamentação. Doravante, começa a tornar-se mais elucidativa a funcionalidade revisitadora do rosto feminino em Mensagem, ao mesmo tempo que se tenta fazer entender que, não obstante o seu papel algo passivo, é também com ele – e a partir dele – que se começa a reconduzir a sua dimensão não apenas maternal, mas também a da sua esfera portadora de outros mitos. A «D.Philippa de Lencastre», Pessoa confere-lhe, simultaneamente, a função de progenitora, de testemunha de uma fé, e de maga. Para o entendermos, basta que atentemos na segunda quadra do poema, “(…) Princeza do Santo Gral,/Humano ventre do Imperio/Madrinha de Portugal.”(vv.6-8). Embora tenha associado estas três funcionalidades da revivência histórico-mítica conferidas à esposa do nosso Príncipe de Avis, podemos compará-las de forma invertida à que surge nos versos de Pessoa. Isto é, o seu desígnio enquanto progenitora está imediatamente associada ao epíteto “Humano ventre do Imperio”(v.7). Aqui, e também à semelhança do que acontecia em «D.Tareja» confluem num mesmo verso duas realidades distintas: uma, condicionada à sua presença civil, e a outra, ligada à sua dimensão magnificente e imperial. Por outro lado, a sua presença enquanto testemunha desse país ainda algo neófito, pelo atribuído epíteto “Madrinha de Portugal”(v.8), prende-se com o seu gesto de proteção e de vigília, como se Portugal fosse ainda o pequeno infante que segura nas suas mãos para o conduzir à pia da fé. Já o seu papel de maga, justifica-o o verso “Princeza do Santo Gral”(v.6). Para isso, vejamos o que nos propõe, de novo, António Cirurgião, como possível
  7. 7. 7 interpretação deste verso: “Ao chamar a D.Philippa de Lencastre «Princeza do Santo Gral»,está o poeta a acenar para três realidades: a primeira de carácter histórico, a segunda de carácter lendário, e a terceira de carácter profético.”(1990:91) Porém, acreditamos que, em Mensagem, são talvez estas duas últimas realidades as que mais se coadunam com o seu propósito literário: o de fazer entender qual é, efetivamente, o papel da mulher ainda que a sua presença figurativa seja algo minoritária na dinâmica textual. É certo que, desde o princípio dos tempos, houve a necessidade de encontrar algo que pudesse transceder a banal vida do ser humano, por forma a libertá-lo da sua condição efémera, alimentando a sua fé e reconfortando-o na sua dor. É certo, também, que várias têm sido as crenças que têm acompanhado o Homem na sua temporária jornada, sendo a vinda de um Messias aquela que mais facilmente tem unido os crentes. E, em Mensagem não estamos, de maneira alguma, longe de esgotar essa fé, nem é sequer esse o desejo do seu autor. Porém, para o que aqui importa comentar, a configuração e a perpetuação da Lenda do Santo Gral, assumem especial relevância, cabendo-lhes, uma vez mais, uma funcionalidade universal e agrupadora no aparato profético da obra. Sabemos, diz-nos a História, que aquela importante figura terá tido berço em Inglaterra e, coincidência ou não, também ali terá nascido a secreta demanda do Gral, simbólica verdade há muito perdida, porém à espera de ser reencontrada. Não querendo depauperar a base simbólica desta tradição de raiz medieval, confinando-a apenas a uma dimensão, podemos estabelecer como sendo a sua principal substância o reencontro, já antes nomeado, entre o humano e o divino, entre a matéria e a alma. A inequívoca certeza de que tenha existido – ou que exista ainda – um rei Artur ou um seu Galaaz cavaleiro, não é, de todo, motivo relevante no núcleo profético que comanda toda a obra. A este respeito, citemos a leitura de Alfredo Antunes, em Saudade e Profetismo em Fernando Pessoa: «A Mensagem está toda ela construída sobre uma estrutura de símbolos e de mitos. São estas as formas mais certas para atingir a universalidade, já que só pelo símbolo se transcende o mero nível conceitual. O símbolo dirige-se mais ao subconsciente do que ao intelecto de um povo.» (1983: 462) Isto é, não importa saber qual é, efetivamente, o verdadeiro caminho por onde se deva seguir, mas antes ter a vontade de o querer percorrer; não basta que acreditemos apenas no que está para além de nós, mas que nos atrevamos a olhar-nos e a rever-nos por dentro. Talvez, por isso mesmo, Pessoa tenha querido trazer a figura feminina para o interior do seu projeto futuro, para nos incentivar que não cabe somente o combate sanguinolento, mas muito para além dele, o combate entre o que fomos, o que somos, e o que seremos. E essa é a tarefa mais difícil para os portugueses, no entendimento de Pessoa, como lemos ainda na obra já anteriormente citada: «(…) o profetismo lusíada comporta o risco das situações novas, o saber sem saber, o esperar contra os dados, ou um viver por antecipação, onde a fé e a esperança suplantam a antevisão. Tal profetismo é sempre o transbordar para o messianismo, sebástico ou não; é falar antes do tempo sobre o inexistente que nem sequer se prepara.».(1983:433-434) Parecemos estar, novamente, no princípio deste ensaio. Justifica-se, assim, o velado mistério representado naquelas mulheres de quem nós nascemos como pátria, «e porque envolve a escuta de vagos anseios nacionalistas é, também, campo para uma verdadeira saudade colectiva marcada pelo distanciamento entre a lembrança da grandeza passada e a grandeza antevista na profecia.». (1983:434) Ao abrir “Prece”(p.67), Pessoa, de novo, invoca rogadamente: “Senhor, a noite veio e a alma é vil.(v.1) // Dá o sopro, a aragem - ou a desgraça ou ancia -, /Com que a chamma do exforço se remoça. / E outra vez conquistemos a Distancia - / Do mar ou
  8. 8. 8 outra, mas que seja nossa!”(vv.9-12) Estamos no poema final da segunda parte de Mensagem, e aqui balançam duas vozes – a do poeta profeta e a do povo que ele representa simbolicamente. À semelhança do que acontece nos poemas «D.Tareja» e «D.Philippa de Lencastre», a oração e a ladainha repetem-se. Todavia, o que se escuta agora é o que apenas se pode escutar: um lamento por não se ter conseguido cumprir a ressurreição da apagada chama. Vejamos, em jeito de comparação, um excerto do poema “Elegia na Sombra”, também de Pessoa, para melhor entendermos o íntegro enlace entre Mãe e Pátria; patriotismo e amor maternal: Presa da inquietação que não tem nome E nem revolta ou ânsia sabes ter Nem da esperança sentes sede ou fome. Dorme, e a teus pés teus filhos, nós que o somos, Colheremos, inúteis e cansados O agasalho do amor que ainda pomos Em ter teus pés gloriosos por amados. Dorme, mãe Pátria, nula e postergada, E, se um sonho de esperança te surgir, Não creias nele, porque tudo é nada, E nunca vem aquilo que há-de vir. (PESSOA, 1973: est.28-29) Terão sido ouvidas as preces de «D.Tareja» e de «D.Philippa de Lencastre? Serão os seus seios capazes de ainda alimentar qualquer outra esperança? Nada disto terá, porventura, uma resposta íntegra e cabal. Devemos, pois, acreditar ainda nalgum resquício de salvação, sem porém ainda esperarmos que o profeta e a sua Pátria continuem a iludir-se. A propósito, diz-nos Alfredo Antunes: “(…) a Mensagem consagra a curva concreta entre a profecia e a saudade. A Mensagem continua, assim, a marcar o tempo de «advento» na lembrança das profecias. E enquanto tempo de expectação na vigília dos tempos messiânicos assim recordados na memória das profecias, tornou-se particularmente viva.” (1983:475-6). No momento de finalização deste que se propôs ser um esboço crítico sobre a figura feminina em Mensagem, acreditamos ter delineado de forma evidente um percurso que corresponde ao propósito enunciado pelo seu título: o de identificar qual a funcionalidade da mulher no universo ficcional da epopeia moderna de Fernando Pessoa. Por acreditarmos que, como já inicialmente o dissemos, à semelhança do que acontece na sua poesia lírica, também em Mensagem, a evocação da figura maternal, do seu gesto e dos seus carinhos, não representa apenas um sinal de desespero desse presente sem alento, mas antes uma saudade do passado e da sua infância de descoberta. Quisemos mostrar que nem só de homens se faz a História. Mais ainda, apelar ao papel da mulher enquanto figura revitalizadora de uma nação adormecida e inerte oferecendo, conjuntamente com Pessoa, um retrato da heroina portuguesa: mais que o de progenitora, o de mensageira carismática e de inesgotável energia criativa.
  9. 9. 9 Bibliografia 1. Ativa PESSOA, Fernando 1915 “Carta a Armando Côrtes-Rodrigues”, in Arquivo Pessoa: http://arquivopessoa.net/textos/3510). (Última consulta: 20/01/2016) 1934, Mensagem; ed.ut.: edição facsimilada, Coimbra, A Bela e o Monstro, 2013 1918, “Padrão”; ed.ut.: ibidem, p.67 1928, “D.Tareja”; ed.ut.: ibidem, p.22-23 1928, “D.Philippa de Lencastre”; ed.ut.: ibidem, p.27 1928, “Nevoeiro”; ed.ut.:ibidem, p.96 1996, Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação (Textos estabelecidos e prefaciados por George R. Lind e J. do Prado Coelho.); Lisboa, Ática, p. 433 2. Passiva ANTUNES, Alfredo 1983, Saudade e Profetismo em Fernando Pessoa, Braga, Publicações da Faculdade de Filosofia. CIRURGIÃO, António 1990, O «olhar esfíngico» da Mensagem de Pessoa, Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa - Ministério da Educação. PESSOA, Fernando 1935, Páginas íntimas e de auto-interpretação (Textos estabelecidos por Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho), Lisboa, Ática, 1996, p.433 1973, Novas Poesias Inéditas (Direcção, recolha e notas de Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno.) Lisboa, Ática, 1973, p.125 1953, Poemas Dramáticos. (Notas explicativas e notas de Eduardo Freitas da Costa). Lisboa, Ática SEABRA, José Augusto 1985, A Pátria de Pessoa ou a Língua Mátria, Porto, Associação dos jornalistas e homens de letras do Porto.
  10. 10. 10 SERRÃO, Joel 1981, Fernando Pessoa Cidadão do Imaginário, Lisboa, Livros Horizonte(2007) SILVESTRE, Vilma F.S.de Albuquerque s/d, “Representação do feminino em Fernando Pessoa: uma introdução”. Revisitar. A identidade cultural portuguesa.Disponível em: http://revisitar.com/literatura/vilma_silvestre_fernando_pessoa_femenino.pdf SIMÕES, João Gaspar 1951, Vida e obra de Fernando Pessoa – História de uma geração, Lisboa, Bertrand, p. 55 VERÍSSIMO, Artur 2002, Dicionário da Mensagem, Lisboa, Areal Editores

×