Em um antigo  mosteiro budista, um jovem monge questiona o mestre ...
Mestre, como faço para não  me aborrecer? Algumas pessoas falam demais,  outras são ignorantes.
Algumas são indiferentes. Sinto ódio das  que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.
- Pois viva como as flores!  - advertiu o mestre. - Como é viver como as flores? - perguntou o discípulo.
Repare nas flores, continuou o mestre, apontando  os lírios que cresciam no jardim.
Elas nascem no esterco,  entretanto, são puras e perfumadas.
Extraem do adubo malcheiroso tudo que  lhes é útil e saudável...  ...mas não permitem que o azedume da terra  manche o fre...
É justo angustiar-se com as próprias culpas,  mas não é sábio permitir que os vícios  dos outros o importunem.
Os defeitos deles são deles e não seus.  Se não são seus,  não há razão para aborrecimento.
Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora. Isso é viver como as flores.   
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MENSAGEM BUDISTA DAS FLORES

8.776 visualizações

Publicada em

MENSAGEM BUDISTA DAS FLORES

Publicada em: Espiritual, Negócios
3 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.776
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.148
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
3
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MENSAGEM BUDISTA DAS FLORES

  1. 1. Em um antigo mosteiro budista, um jovem monge questiona o mestre ...
  2. 2. Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes.
  3. 3. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.
  4. 4. - Pois viva como as flores! - advertiu o mestre. - Como é viver como as flores? - perguntou o discípulo.
  5. 5. Repare nas flores, continuou o mestre, apontando os lírios que cresciam no jardim.
  6. 6. Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas.
  7. 7. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável... ...mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas. 
  8. 8. É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem.
  9. 9. Os defeitos deles são deles e não seus.  Se não são seus,  não há razão para aborrecimento.
  10. 10. Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora. Isso é viver como as flores.   

×