Memorial do Convento<br />José Saramago<br />Capítulo XVIII<br />Trabalho realizado por:<br /> Constança Branco; nº6; 12ºA...
Capítulo XVIII<br />D. João V estava sentado numa cadeira escrevendo os seus bens e riquezas no rol. El-rei meditou acerca...
Capítulo XVIII<br />Descrição de uma missa realizada “(…)entre a obra e  a Ilha da Madeira(…)”. <br />Blimunda, Inês Antón...
Capítulo XVIII<br />Enquanto conta a história da sua vida, Baltasar Sete-Soís afirma que “nem sei se perdi a mão na guerra...
Resumindo…<br /><ul><li> Enumeração dos bens do Império de D. João V.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Memorial do convento capitulo xviii

49.003 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
49.003
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36.892
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do convento capitulo xviii

  1. 1. Memorial do Convento<br />José Saramago<br />Capítulo XVIII<br />Trabalho realizado por:<br /> Constança Branco; nº6; 12ºA<br />
  2. 2. Capítulo XVIII<br />D. João V estava sentado numa cadeira escrevendo os seus bens e riquezas no rol. El-rei meditou acerca do que iria fazer às tão grandes somas de dinheiro, chegando à conclusão que “(…) a alma há-de ser a primeira consideração(…)”, decidindo por isso que os dinheiro vindo das suas minas e fazendas deveria destinar-se à construção do Convento de Mafra.<br />Todos os materiais utilizados no convento eram de qualidade e bastante dispendiosos uma vez que eram na sua grande maioria importados: “De Portugal não se requeira mais que pedra, tijolo e lenha para queimar, e homens para a força bruta (…)”.<br /> O convento levou 8 anos a ser construído.<br />
  3. 3. Capítulo XVIII<br />Descrição de uma missa realizada “(…)entre a obra e a Ilha da Madeira(…)”. <br />Blimunda, Inês Antónia, Álvaro Diogo e o filho esperavam Baltasar, para jantarem com o velho João Francisco que mal mexe as suas pernas. Desde que soube da morte do padre Bartolomeu Lourenço, Baltasar adquiriu o hábito de beber vinho no fim de jantar. <br />Baltasar e os seus colegas conversam acerca das suas vidas e falam de como eram as suas vidas antes de trabalharem na obra do Convento de Mafra. Baltasar tem 40 anos, sua mãe já morreu e seu pai mal pode andar. Esteve na guerra e aí perdeu a sua mão, voltando a Mafra mais tarde.<br />
  4. 4. Capítulo XVIII<br />Enquanto conta a história da sua vida, Baltasar Sete-Soís afirma que “nem sei se perdi a mão na guerra ou se foi o Sol que ma queimou”, já que assegura que subiu uma serra tão alta que quando estendeu a mão tocou no Sol e queimou-a. <br />Os seus colegas comentaram que era impossível visto que só tocaria no Sol se voasse como os pássaros, ou então seria bruxo. Baltasar nega dizendo que não é bruxo e que nunca ninguém o ouviu dizer que voou.<br />
  5. 5. Resumindo…<br /><ul><li> Enumeração dos bens do Império de D. João V.
  6. 6. Enumeração dos bens comprados para a construção do convento.
  7. 7. Realização de uma missa numa capela situada “entre o local da obra e a Ilha da Madeira”.
  8. 8. Descrição de um jantar em família.
  9. 9. Apresentação dos trabalhadores do convento e de Baltasar Mateus (já com 40 anos). </li>

×