Memorial do convento

7.564 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do convento

  1. 1. Memorial do Convento<br />José Saramago<br />Trabalho realizado por:<br />Constança Branco; nº6; 12ºA<br />
  2. 2. Capítulo VI<br />Este capítulo começa com Baltasar Sete-Sóis a realçar a importância do pão para os portugueses e o facto dos estrangeiros que vivem em Portugal estarem fartos de comer pão enquanto os Portugueses passam fome. Depois João Elvas conta a Baltasar a história caricata de uma frota francesa: quando ela chegou a Portugal, os portugueses pensavam que vinha invadir o nosso país, afinal tratava-se apenas de um carregamento de bacalhau.<br />
  3. 3. Capítulo VI<br />Enquanto João Elvas conta a Baltasar a historia da frota francesa chega o padre Bartolomeu Lourenço vindo do Paço, ao qual se tinha dirigido para interceder por Baltasar afim de este receber uma pensão de guerra. João Elvas apresenta o padre Bartolomeu como O Voador explicando a Baltasar que esta alcunha se deve às diversas tentativas levadas a cabo pelo padre para voar. De seguida Baltasar e Bartolomeu vão para S. Sebastião da Pedreira para verem a máquina que Bartolomeu inventou para um dia poder voar e à qual chamou passarola.<br />
  4. 4. Capítulo VI<br /> Entretanto o padre Bartolomeu alerta Baltasar para o facto de ser um pecado ele dormir com Blimunda sem serem casados e Baltasar questiona o Padre acerca do facto de Blimunda comer pão de manhã antes de abrir os olhos.<br /> Quando chegaram, Bartolomeu mostrou o desenho da passarola a Baltasar explicando-lhe como é que tencionava fazê-la voar. Após a explicação, Bartolomeu pede-lhe para o ajudar na construção da passarola. Inicialmente Baltasar mostra-se receoso em aceitar a proposta, mas acaba por aceitar o desafio.<br />
  5. 5. Citações<br />“(…)O homem primeiro tropeça, depois anda, depois corre, um dia voará,(...)”<br />Bartolomeu Lourenço<br /> “(...)Com perdão da confiança, só os pássaros voam, e os anjos, e os homens quando sonham, mas em sonhos não há firmeza,(…)”<br />Baltasar Sete-Sóis<br />
  6. 6. Resumindo…<br /><ul><li>Visão crítica das leis comerciais.
  7. 7. Narrativa de João Elvas, a Baltasar, sobre um suposto ataque dos franceses a Lisboa (que mais não era do que a chegada de uma frota com bacalhau).
  8. 8. Deslocação do Padre Bartolomeu Lourenço ao Paço para interceder por Baltasar (a fim de este receber uma pensão de guerra).
  9. 9. Apresentação, por João Elvas, de Bartolomeu Lourenço como o Voador
  10. 10. Questão deBaltasar ao padre: o facto de Blimunda comer pão, de manhã, antes de abrir os olhos.
  11. 11. Apresentação da passarola a Baltasar, pelo Padre Bartolomeu Lourenço.
  12. 12. Descrição da passarola, a partir do desenho que o padre mostra a Baltasar.
  13. 13. Convite do Padre para que Baltasar o ajude na construção da passarola. </li></li></ul><li>A Passarola<br />A Passarola foi a primeira aeronave conhecida no mundo a efectuar um voo, e antecede 74 anos o famoso balão dos Montgolfier. A Passarola era um aeróstato, cujas características técnicas não são actualmente conhecidas na totalidade.<br /><ul><li>No século XVIII a Inquisição e outras autoridades da Igreja consideravam que a ambição e o orgulho em fazer uma máquina voar eram pecados.</li>

×