Memorial do Convento<br />José Saramago<br />Capítulo <br />V<br />Cláudia Nunes<br />12ºA Nº5<br />
Capítulo V<br />  É dia de auto-de-fé que é assemelhada à Quaresma, pois é “dia de alegria geral”; é para os ricos e para ...
  Uma das condenadas pela Inquisição ao degredo para Angola é Sebastiana Maria de Jesus, acusada de feitiçaria, mãe de Bli...
Citações<br />“(…) Aceitas para a tua boca a colher de que serviu a boca deste homem, fazendo seu o que era teu, agora tor...
Fim<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Memorial do convento

43.674 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
43.674
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38.178
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memorial do convento

  1. 1. Memorial do Convento<br />José Saramago<br />Capítulo <br />V<br />Cláudia Nunes<br />12ºA Nº5<br />
  2. 2. Capítulo V<br /> É dia de auto-de-fé que é assemelhada à Quaresma, pois é “dia de alegria geral”; é para os ricos e para os pobres.<br /> D. Maria Ana de Áustria não deixa os seus aposentos, devido à morte do seu irmão José, imperador da Áustria e aos enjoos da gravidez (já no seu quinto mês).<br /> A única diferença entre a procissão do auto-de-fé e a Quaresma é que nesta há sacrifícios humanos, entre estes açoites, morte por garrote e na fogueira.<br />
  3. 3. Uma das condenadas pela Inquisição ao degredo para Angola é Sebastiana Maria de Jesus, acusada de feitiçaria, mãe de Blimunda, uma rapariga de dezanove anos que presencia o castigo e partida da sua mãe.<br /> No meio da multidão que assistia ao espectáculo, Sebastiana repara num homem sem mão, próximo de Blimunda.<br /> Esse homem, Baltasar Mateus, de alcunha Sete-Sóis, segue Blimunda até sua casa depois de terminado o auto-de-fé.<br /> Em sua casa, o padre Bartolomeu Lourenço que acompanhara Blimunda, “casa” a jovem e Baltasar pelo ritual da colher.<br /> Na manhã do dia seguinte, Blimunda promete a Baltasar que nunca o olhará por dentro.<br />
  4. 4. Citações<br />“(…) Aceitas para a tua boca a colher de que serviu a boca deste homem, fazendo seu o que era teu, agora tornando a ser teu o que foi dele, e tantas vezes que se perca o sentido do teu e do meu,… Então declaro-vos casados.”<br />“(…) Blimunda olha só, olha com esses teus olhos que tudo são capazes de ver, e aquele homem quem será, tão alto, que está perto de Blimunda e não sabe (…)”<br />
  5. 5. Fim<br />

×