O Aborto       Disciplina: Psicologia A      Professor: Paulo Gomes         Alunos: Bruno Costa                 Filipe Par...
• O aborto é a morte de um feto (no útero da mulher), que podeser realizado durante qualquer momento após a fecundação (un...
• É nomeado aborto espontâneo quando ocorre                                                      nasgravidezes com menos d...
Tipos:• Químico: - A gravidez pode ser interrompida medicamente, usando umacombinação do antiprogestativo mifepristone (RU...
Tipos:• Cirúrgico:- O método consiste na remoção do feto por aspiração ecuretagem*. A intervenção pode ser realizada com a...
É uma consulta obrigatória, anterior à realização da interrupção dagravidez.Para a marcação da consulta, a mulher deve dir...
• Até 1984, o aborto era proibido em Portugal em todas as situações. A lei6/84 veio permitir a realização da interrupção v...
Quem pode solicitar uma interrupção da gravidez?Apenas a própria mulher poderá fazer o pedido (à exceção das mulherespsico...
1ª à 2 Fase:Na 1ª semana ocorre a fecundação (junção de 1gâmeta feminino - óvulo, e de um gâmeta masculino -espermatozóide...
2º Fase: da 3ª à 8ª semana – Período Embrionário             • Neste período ocorre formação dos tecidos e órgãos.        ...
3º Fase: da 9ª, 10º semana ao  nascimento Período FetalEste período, em que já estão formados os principais sistemas deórg...
"A reação psicológica ao aborto espontâneo e ao abortoinvoluntário é diferente";Imediatamente após o aborto, a mulher sofr...
Outros sintomas muito frequentes são a evolução da “vivência”da dor e da modificação do comportamento sexual, depressão,au...
Canadá - A IVG no Canadá é livre,      Venezuela - O aborto provocado naestá descriminalizada e é financiada   Venezuela é...
(resposta – inquéritos)                          15
Bruno Costa: “O aborto é favorável para a sociedade quando osmédicos descobrem anomalias nos fetos, quando a mulher tem do...
Pedro Gouveia: “Considero que o aborto é um benefício para a sociedade até umcerto ponto, ou seja, deve ser praticada em c...
Sara Pimentel: “Sou ambígua sobre este assunto, ou seja, concordo comcertos aspetos contra e certos aspetos a favor.No cas...
19
20
21
 http://www.aborto.com/aborto.html http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=242242 http://anasousapsicologa.blogsp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O aborto

1.321 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • This template can be used as a starter file for a photo album.
  • O aborto

    1. 1. O Aborto Disciplina: Psicologia A Professor: Paulo Gomes Alunos: Bruno Costa Filipe Parreira Pedro Gouveia Pedro Costa Sara Pimentel
    2. 2. • O aborto é a morte de um feto (no útero da mulher), que podeser realizado durante qualquer momento após a fecundação (uniãodo óvulo com o espermatozóide);Aborto Espontâneo - Quando a morte do feto é resultado dealguma anomalia ou disfunção não prevista nem desejada pelamãe;Aborto Provocado - Quando a morte do feto é realizada de maneiraquímica ou cirúrgica. 2
    3. 3. • É nomeado aborto espontâneo quando ocorre nasgravidezes com menos de vinte semanas de gestação;• A causa mais comum é um defeito nos cromossomas* doembrião ou do feto, que impede o seu desenvolvimento. Odefeito pode ser hereditário, causado pelo consumo desubstâncias pela mãe (ex: álcool e tabaco), ou resultar de doençasinfecciosas** (ex: malária, rubéola e varíola). Curiosidade: Um feto que nasce morto após cerca de vinte semanas de gestação é chamado natimorto . * sequência de DNA, que contém vários genes ** é qualquer doença causada por um agente biológico (ex: bactéria), em contraste com uma causa física (ex: queimadura) 3
    4. 4. Tipos:• Químico: - A gravidez pode ser interrompida medicamente, usando umacombinação do antiprogestativo mifepristone (RU 486)* comuma prostaglandina**, como o misoprostol***;- Atua bloqueando o desenvolvimento fetal pelo que, emalguns casos, requer uma intervenção cirúrgica para finalizar oprocesso de excreção . * Substância abortiva ** Químico que em excesso que estimula a expulsão do feto *** Substância abortiva usada ilegalmente 4
    5. 5. Tipos:• Cirúrgico:- O método consiste na remoção do feto por aspiração ecuretagem*. A intervenção pode ser realizada com anestesia localou anestesia geral;Uma breve hospitalização é suficiente numa situação deinterrupção da gravidez;A intervenção decorre no bloco operatório e dura apenas algunsminutos. * Remoção de material placentário ou endometrial da cavidade uterina 5
    6. 6. É uma consulta obrigatória, anterior à realização da interrupção dagravidez.Para a marcação da consulta, a mulher deve dirige-se a um serviçode saúde ou a um médico especializado.O período entre a marcação e a consulta não deve ser superior a 5dias.É obrigatório para todas as mulheres um período de reflexão de 3dias, entre a consulta prévia e a data da interrupção da gravidez. 6
    7. 7. • Até 1984, o aborto era proibido em Portugal em todas as situações. A lei6/84 veio permitir a realização da interrupção voluntária da gravidez noscasos de perigo de vida para a mulher, perigo de lesão grave e duradourapara a saúde física e psíquica da mulher, quando existe malformação fetalou quando a gravidez resultou duma violação;• Em 1997 esta legislação foi modificada, tendo existido um alargamentono prazo em situações de malformação fetal e do que até então erachamado de “violação”, actualmente denominado por “crime contra aliberdade e autodeterminação sexual da mulher”(lei 90/97);• Com a lei 16/2007, a interrupção da gravidez pode, hoje, ser feita poropção da mulher até às 10 semanas. 7
    8. 8. Quem pode solicitar uma interrupção da gravidez?Apenas a própria mulher poderá fazer o pedido (à exceção das mulherespsicologicamente incapazes);Quem pode fazer a interrupção da gravidez?A interrupção da gravidez só pode ser realizada por um médicoespecialista (ou sob a sua orientação) e com o consentimento da mulher;Onde se pode fazer uma interrupção da gravidez?Uma interrupção da gravidez só pode ser efetuada em estabelecimentosde saúde oficiais;As mulheres estrangeiras poderão fazer uma interrupção da gravidezem Portugal?As mulheres estrangeiras têm os mesmos direitos de acesso àinterrupção da gravidez, independentemente da sua situação legal. 8
    9. 9. 1ª à 2 Fase:Na 1ª semana ocorre a fecundação (junção de 1gâmeta feminino - óvulo, e de um gâmeta masculino -espermatozóide);Ao longo deste desenvolvimento o óvulo irá dividir-seem centenas células (bastócistos) e implementar-se-áno útero.Na 2ª semana são libertadas hormonas para que acavidade uterina proteja, nutra, e forneça às hormonasas condições necessárias ao seu crescimento. Vãocomeçar a formar-se as membranas fetais e a placenta.No fim da segunda semana inicia-se uma circulação(ex: nutrientes) entre a parede do útero e a placenta. 9
    10. 10. 2º Fase: da 3ª à 8ª semana – Período Embrionário • Neste período ocorre formação dos tecidos e órgãos. As origens do sistema nervoso estão constituídas. O cérebro começa a formar-se e os olhos começam a desenvolver-se; • Surgem e desenvolvem-se os pulmões, intestinos, estômago, a glândula pituitária, dentes e gengivas, pele e pêlos. Forma-se o esqueleto e outros tecidos estruturais. O embrião mexe-se e reage a estímulos; • A boca, orelhas e nariz desenvolvem-se. Epitélio sensorial surge e torna os lábios sensíveis ao toque. À oitava semana (agora chamado de feto) os órgãos internos estão quase todos desenvolvidos. 10
    11. 11. 3º Fase: da 9ª, 10º semana ao nascimento Período FetalEste período, em que já estão formados os principais sistemas deórgãos, caracteriza-se pelo rápido crescimento do corpo e pelamaturação destes sistemas. 11
    12. 12. "A reação psicológica ao aborto espontâneo e ao abortoinvoluntário é diferente";Imediatamente após o aborto, a mulher sofre de uma redução dosníveis de ansiedade, contudo muitas mulheres sofrem umaansiedade maior, apresentando stress pós-traumático, depressão(maior risco de suicídio) e abuso de substâncias (ex:medicamentos);Muitos especialistas começam a definir estes comportamentoscomo "síndrome pós-aborto“; 12
    13. 13. Outros sintomas muito frequentes são a evolução da “vivência”da dor e da modificação do comportamento sexual, depressão,aumento ou início de consumo de álcool (ou drogas), mudançasna alimentação, alterações corporais, isolamento social,alterações de ansiedade, perda de auto-estima e tendênciasuicida.Alterações Físicas: Hemorragia (semelhante à menstruação),dores e pode ocorrer alguma febre e diarreia. 13
    14. 14. Canadá - A IVG no Canadá é livre, Venezuela - O aborto provocado naestá descriminalizada e é financiada Venezuela é ilegal, exceto em caso depelo Estado; ameaça para a saúde da mulher;Rússia - A IVG na Rússia é permitido Etiópia - O aborto provocado é permitidonas primeiras 12 semanas; apenas no caso de preservar o estado físico da mulher;Iraque - O aborto provocado noIraque é totalmente proibido; Namíbia - O aborto provocado é permitido apenas no caso de preservaçãoJapão - A IVG no Japão é permitido da saúde mental ou nos casos em que aaté às 21 semanas e 6 dias de saúde da mulher está prejudicada;gestação; 14
    15. 15. (resposta – inquéritos) 15
    16. 16. Bruno Costa: “O aborto é favorável para a sociedade quando osmédicos descobrem anomalias nos fetos, quando a mulher tem doençasgraves que possam passar para o feto, em casos em que a mulher éabusos sexuais e quando a mulher é muito jovem e a família não tempossibilidades de acolher a criança”Filipe Parreira: “Podemos admitir que a minha opinião se compreendecomo concordar com o aborto em qualquer fase do desenvolvimentoembrionário e fetal. Para justificar esta posição irei afirmar que,”maisvale um filho mal parido, do que um filho mal amado”, com istopretende dizer que todas as mulheres que tentam o aborto comosolução para uma gravidez no desejado, tem tantos motivos monetáriosou de saúde, sendo esta a questão principal.Com este argumento pretendo dizer que o aborto com assistênciamédica é a forma mais segura e viável de interromper a gravidez” 16
    17. 17. Pedro Gouveia: “Considero que o aborto é um benefício para a sociedade até umcerto ponto, ou seja, deve ser praticada em casos específico tais como:Caso a criança seja abusada/violada ou até mesmo uma mulher adulta;A mulher/mãe não tenha capacidades financeiras ou psicológicas para criar umbebe;O facto de o nascimento implicar riscos para a mãe ou para o feto (exemplo máformações);No caso em que a “mãe” não é aceite pela família por exemplo a “mãe” apareceem casa grávida e o pai da “mãe” não a aceita;Por outro lado o aborto não deve ser praticado porque o mesmo faz causarinúmeros problemas à mulher. O aborto é inaceitável quando a gravidez éocorrida pela irresponsabilidade por parte do homem e da mulher”Pedro Costa: “O aborto não é benéfico para a sociedade embora em alguns casosdeve ser praticado.O aborto não deve ser praticado porque, primeiro, se for mal feito pode por a vidada mulher em risco. E Segundo, o aborto é utilizado, muitas vezes, para corrigiruma irresponsabilidade. Se o desejo da mulher for não ter filhos, existe umasolução: métodos contraceptivos e está provado que o preservativo tem um taxade sucesso de cerca de 99% e ainda existe a pílula que elimina quaisquer dúvidas.Os únicos casos em que eu considero que o aborto é aceitável, são em casos deabuso de menores e em gravidez que põe em risco a vida da mãe” 17
    18. 18. Sara Pimentel: “Sou ambígua sobre este assunto, ou seja, concordo comcertos aspetos contra e certos aspetos a favor.No caso de jovens violadas considero aceitável, pois será muitotraumático para a futura mãe, podendo até mesmo sentir repugnânciapor aquele pequeno ser. No caso de doentes de risco (mães ou fetos)considero aceitável, pois pode levar até à morte da mulher/feto.No caso do aborto em mulheres saudáveis, considero inaceitável (exetono caso de extrema juventude da mãe), porque essas mulheres podemtrabalhar para sustentar o bebé (se são mulheres para uma coisa,também devem de ser para outra) – mesmo que não o queira existeminúmeras instituições ou famílias que o poderão aceitar.Logo, considero muito bom existir uma lei que proteja essas mulheres,porque apesar de não concordar com muitas situações, penso que todaso devem fazer da maneira mais saudável possível. 18
    19. 19. 19
    20. 20. 20
    21. 21. 21
    22. 22.  http://www.aborto.com/aborto.html http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=242242 http://anasousapsicologa.blogspot.com/2008/04/aborto-perda-gestacional.htmlhttp://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/aborto+ganha+espaco+em+diversos+paises/n1237793386929.html http://vila--verde.blogspot.com/2007/01/mundo-lei-do-aborto-em-outros-pases.html http://www.youtube.com/watch?v=HNIIUWCK8Owhttp://nemge.wordpress.com/2011/03/10/o-aborto-pelo-mundo/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Aborto_na_Venezuela http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5427454-EI8142,00-Russia+aprova+lei+que+limita+aborto+e+rejeita+proposta+da+Igreja.html http://federacao-vida.com.pt/ 22

    ×