SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI – URCA
Disciplina: Economia Regional e Urbana
Professora: Lurdes
Alayanna Darlly
Hadassa Jorge
Sthefanny Cardoso
OBSERVATÓRIO URBANO DA CIDADE DE TÓQUIO
CRATO - 2016
HISTÓRIA
Tóquio é Capital e maior cidade do Japão, Tóquio é
também uma das maiores metrópoles do mundo.
Centro econômico e político do país, a cidade está
situada na região Sudeste da ilha de Honshu, a maior
do Japão. Somando-se a área metropolitana e a
capital, Tóquio conta hoje com uma população de
mais de vinte milhões de habitantes, quase dez por
cento da população do país.
A cidade é sede de várias corporações internacionais,
industriais e financeiras. Na produção industrial,
Tóquio é famosa por sua indústria eletrônica e
automobilística, que exporta produtos para todos os
continentes do mundo.
CRIAÇÃO DE EDO (1457)
Um de seus monumentos mais famosos é a Torre de
Tóquio. Foi fundada em 1457, com o nome de Edo ou
Yedo. Tornou-se a capital do Império em 1868 com a
atual designação.[7]
Sofreu grande destruição duas
vezes; uma em 1923, quando foi atingida por um
terremoto; e outra em 1944 e 1945, quando
bombardeios americanos destruíram grande parte da
cidade, sendo que no total foi destruída 51% de sua
área e mataram mais de 150 mil pessoas.
Século XVII mais populosa do mundo→
1657 incêndios→
1707 Erupção do Monte Fuji→
1855 grande terremoto→
1853 Mathew Perri tratado entre EUA e EDO→ →
1868 Tóquio→
1871 abolição dos Feudos Criação de prefeituras e→ →
bairros.
1889 Cidade de Tóquio→
Século XX mais catástrofes→
1923 seguidos terremotos→
Segunda Guerra Mundial Tropas Americanas→
TRAGÉDIAS
A cidade de Tóquio foi quase totalmente destruída
duas vezes durante o século XX. O primeiro desastre,
acontecido em 1923, foi causado por terremotos
seguidos de incêndios, e o outro, durante a Segunda
Guerra Mundial, aconteceu quando tropas americanas
bombardearam a cidade. Ambas tragédias mataram
centenas de pessoas, mas também serviram para
impulsionar a reconstrução da capital, desta vez muito
mais moderna.
Tóquio foi uma das cidades a se recuperar mais rápido
depois da guerra e, hoje, sua economia e
desenvolvimento estão entre os maiores do mundo.

 GEOGRAFIA.
 Localização.
 Pais- Japão.
 Noroeste- Baia de tóquio.
 Leste- Província de Chiba.
 Oeste- Yamanashi.
 Sul- Kanagawa.
 Norte- Saitama.
Imagem de satélite da região metropolitana de Tóquio
b
 Clima.
umidade relativa do ar- 63%

10% de bom tempo. 5% com neve.
Temperatura media- minima é de 2,4 ºc. Maxima de 32,4 ºc.
Anual é de 14,7 ºc.
Chuva- Chega a 1380 milimetros Anuais.
POPULAÇÃO
1945-1960 Crescimento Intenso→
2012: Região Metropolitana de Tóquio
37,8 milhões de Habitantes
Densidade: 6.354 habitantes por km²
Previsão da ONU: continuará a ser a
maior até 2030
GOVERNO
Atual Governador de Tóquio: Yoichi Masuzoe
governamental que rege sobre as cidades contidas na metrópole
de Tóquio, no Japão. Em geral, preside a administração dos serviços
gerais os Bairros de Tóquio, as 26 cidades, 8 vilas e 5 povos que
compõem a metrópole; enquanto que os governos locais comumente
administram os serviços mais significativos para a população ou de
interesse local.
O poder executivo do Governo Metropolitano de Tóquio recai
ao Governador, que é eleito pelos cidadãos para um período de quatro
anos. Nos 23 Bairros Especiais de Tóquio, o Governador toma a figura
de Alcaide.
O principal órgão de representantes é a Assembleia Metropolitana de
Tóquio, composta de 127 representantes eleitos por um período de
quatro anos. A Assembleia tem a designação de emitir, aceitar ou
rejeitar ordenações públicas, a fim de verificar alocação do proposto ao
público, e que ratifiquem as propostas feitas pelo Governador, como o
Vice – governador de Tóquio. Como representantes da população, a
Assembleia tem também a designação de investigar e inspecionar
todos os aspectos relacionados com a administração pública da
metrópole.
Assembleia Metropolitana de Tóquio
Habitação e saneamento
Acesso a água potável.
o O sistema de abastecimento de agua da região
metropolitana de Tóquio tem uma rede de 26 mil
quilômetros.
o Taxa de vazamento
o Taxa de vazamento das grandes cidades do
 Educação
O governo Metropolitano de Tóquio é responsável
pela administração e pelo fornecimento de verbas de
mais de 2,9 mil escolas.
O sistema de biblioteca pública de Tóquio inclui uma
biblioteca central e dois órgãos públicos,
encarregados de administrar outras bibliotecas
menores espalhadas ao longo da província.
Tóquio possui cerca de 200 instituições de ensino
superior.
Auditório Yasuda de Tōdai..
Escola digital
Escola partícula faculdade
 Transporte
Mapa da rede de metro da cidade.
Rainbow Bridge.
 Tóquio é o maior eixo nacional e internacional de transportes ferroviário,
terrestre, aéreo do Japão.
Passageiros transportados diariamente nas estações da Grande Tokyo
(2010):
1 Estação de Shinjuku: 3,69 milhões
2 Estação de Ikebukuro: 2,76 milhões
3 Estação de Shibuya: 2,22 milhões
4 Estação de Yokohama: 2,11 milhões
5 Estação de Tóquio: 1,14 milhões
6 Estação de Shinagawa: 0,93 milhões
7 Estação de Takadanobaba: 0,92 milhões
8 Estação de Shimbashi: 0,87 milhões
Aeroporto internacional de Tóquio.
Tóquio é servida pelo Tokyo International Airport, o
terceiro aeroporto mais movimentado do mundo.
 Tóquio possui ainda outros cinco aeroportos menores. Três
deles estão localizados nas ilhas do Pacífico.
 Segurança
Tóquio é provavelmente uma das cidades mais
seguras do mundo.
O roubo é mais comum ocorrer em lugares e bares
muito visitados por viajantes e não por residentes.
CULTURA
 O Budismo é uma religião e filosofia, que nasceu na Índia,
que se baseia nos ensinamentos de Siddhārtha Gautama
(mais conhecido como Sakyamuni) , que viveu
aproximadamente entre 563 e 483 a.C.. O homem que
escolheu desde então ser chamado de Buda, fundou sua
religião, que afirma que todos os elementos que compõe o
Universo são ligados. O budismo ensina a seus seguidores
a realizar ações benéficas e saudáveis, a evitar as ações
maléficas e prejudiciais e a purificar e treinar a mente.
O Budismo chegou ao Japão no século VI, devido ao
intercâmbio cultural entre a península coreana e o
arquipélago japonês. Como o Budismo tem muitos pontos
em comum com a religião nativa japonesa, o shinto, ele foi
rapidamente assimilado pelo povo do país. O grande sucesso
do budismo no arquipélago japonês se deve ao fato que ele
provê uma escatologia individual à vida espiritual dos
japoneses, enquanto mantêm a visão politeísta do Universo,
que combina com os vários pontos da religião shinto. Além
das práticas puramente religiosas, ele introduziu na, cultura
japonesa, as palavras sabedoria, compaixão e misericórdia.
Chegando ao Japão, o budismo resolveu todos os problemas
relacionados à morte, no nível prático (funeral) e no nível
espiritual (sobre o destino da alma, após a morte física).
RESTAURANTES
O sushi e o sashimi, tão populares no Brasil, são um pouco diferentes
no Japão. Para começar, não existem "combinados". Sushi e sashimi são
sempre servidos separados. Também não adianta pedir o califórnia roll, já
que a maioria dos restaurantes tradicionais nem conhece essa versão
americanizada do sushi. A melhor pedida para apreciar um sushi de
qualidade e que não pese tanto no bolso são os restaurantes chamados
kaitenzushi, onde por uma esteira rolante no centro do balcão passam os
mais variados tipos de iguarias. É só pegar o pratinho e comer. A conta é
de acordo com o número de pratos consumidos.
VESTIMENTAS: O Kimono é a roupa tradicional
do Japão e significa “algo que alguém veste”. No
dia-a-dia, os japoneses preferem usar roupas
ocidentais e o kimono é reservado para
determinadas ocasiões, como casamentos,
aniversários, fins de ano e outras ocasiões
especiais.
ANEXOS
Tóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e Urbana
Tóquio - Economia Regional e Urbana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
Orgãos da democracia ateniense
Orgãos da democracia atenienseOrgãos da democracia ateniense
Orgãos da democracia ateniense
João Couto
 
Msf – médicos sem fronteiras
Msf – médicos sem fronteirasMsf – médicos sem fronteiras
Msf – médicos sem fronteiras
beatrizroque1998
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
catiasgs
 

Mais procurados (20)

Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Primo levi
Primo leviPrimo levi
Primo levi
 
Orgãos da democracia ateniense
Orgãos da democracia atenienseOrgãos da democracia ateniense
Orgãos da democracia ateniense
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
Msf – médicos sem fronteiras
Msf – médicos sem fronteirasMsf – médicos sem fronteiras
Msf – médicos sem fronteiras
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Aquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugadaAquela triste e leda madrugada
Aquela triste e leda madrugada
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 

Destaque

A capital de um país desenvolvido
A capital de um país desenvolvidoA capital de um país desenvolvido
A capital de um país desenvolvido
cordinha
 
Impactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
Impactos do Turismo na Biodiversidade: TóquioImpactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
Impactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
marta127
 
Microsoft power point aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
Microsoft power point   aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...Microsoft power point   aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
Microsoft power point aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
Luiz Paulo Fontes Rezende
 
Economia regional e urbana trabalho-3
Economia regional e urbana   trabalho-3Economia regional e urbana   trabalho-3
Economia regional e urbana trabalho-3
Helder Ferreira
 
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolisRegiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Wagner Alunos
 
Powerpoint japão
Powerpoint japãoPowerpoint japão
Powerpoint japão
claudiog
 
Japão e a sua cultura
Japão e a sua culturaJapão e a sua cultura
Japão e a sua cultura
Carlos Pedro
 
A cultura japonesa
A cultura japonesaA cultura japonesa
A cultura japonesa
Ana Pereira
 

Destaque (18)

Tóquio
TóquioTóquio
Tóquio
 
A capital de um país desenvolvido
A capital de um país desenvolvidoA capital de um país desenvolvido
A capital de um país desenvolvido
 
Impactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
Impactos do Turismo na Biodiversidade: TóquioImpactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
Impactos do Turismo na Biodiversidade: Tóquio
 
Tokio
Tokio Tokio
Tokio
 
Microsoft power point aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
Microsoft power point   aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...Microsoft power point   aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
Microsoft power point aulas - regional -teoriasdesenvolvimento regional [mo...
 
Mega cidades
Mega cidadesMega cidades
Mega cidades
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Economia regional e urbana trabalho-3
Economia regional e urbana   trabalho-3Economia regional e urbana   trabalho-3
Economia regional e urbana trabalho-3
 
Cidades globais
Cidades globaisCidades globais
Cidades globais
 
Tokio power point
Tokio power pointTokio power point
Tokio power point
 
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolisRegiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
Regiões metropolitanas, megacidades e megalopolis
 
História do japão
História do japãoHistória do japão
História do japão
 
Powerpoint japão
Powerpoint japãoPowerpoint japão
Powerpoint japão
 
Redes urbanas: conurbação, metrópoles e megalópoles.Região Metropolitana. Ci...
Redes urbanas:  conurbação, metrópoles e megalópoles.Região Metropolitana. Ci...Redes urbanas:  conurbação, metrópoles e megalópoles.Região Metropolitana. Ci...
Redes urbanas: conurbação, metrópoles e megalópoles.Região Metropolitana. Ci...
 
Japão e a sua cultura
Japão e a sua culturaJapão e a sua cultura
Japão e a sua cultura
 
A cultura japonesa
A cultura japonesaA cultura japonesa
A cultura japonesa
 
Cidades globais
Cidades globaisCidades globais
Cidades globais
 
Tokyo japon
Tokyo japonTokyo japon
Tokyo japon
 

Semelhante a Tóquio - Economia Regional e Urbana

Japão - Tomás
Japão - TomásJapão - Tomás
Japão - Tomás
ebgandra
 
Urbanização 2011
Urbanização 2011Urbanização 2011
Urbanização 2011
alfredo1ssa
 
História do Japão moderno
História do Japão modernoHistória do Japão moderno
História do Japão moderno
Isabel Rosa
 

Semelhante a Tóquio - Economia Regional e Urbana (20)

Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
trabalho geografia
trabalho geografia trabalho geografia
trabalho geografia
 
Disputa entre Japão X China pelas terras
Disputa entre Japão X China pelas terrasDisputa entre Japão X China pelas terras
Disputa entre Japão X China pelas terras
 
Japão - Tomás
Japão - TomásJapão - Tomás
Japão - Tomás
 
Miri, sabrina ingles 303
Miri, sabrina   ingles 303Miri, sabrina   ingles 303
Miri, sabrina ingles 303
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Insdustrialização do japão
Insdustrialização do japãoInsdustrialização do japão
Insdustrialização do japão
 
JAPAO.pptx
JAPAO.pptxJAPAO.pptx
JAPAO.pptx
 
Trabalho de Geografia sobre o Japão
Trabalho de Geografia sobre o Japão Trabalho de Geografia sobre o Japão
Trabalho de Geografia sobre o Japão
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
2 japao
2 japao2 japao
2 japao
 
Japão socioeconomios
Japão socioeconomiosJapão socioeconomios
Japão socioeconomios
 
Hong Kong-Geografia.pdf
Hong Kong-Geografia.pdfHong Kong-Geografia.pdf
Hong Kong-Geografia.pdf
 
China – potência econômica, geopolítica e relações 2014 prof ciciliato
China – potência econômica, geopolítica e relações 2014 prof ciciliatoChina – potência econômica, geopolítica e relações 2014 prof ciciliato
China – potência econômica, geopolítica e relações 2014 prof ciciliato
 
Urbanização 2011
Urbanização 2011Urbanização 2011
Urbanização 2011
 
História do Japão moderno
História do Japão modernoHistória do Japão moderno
História do Japão moderno
 
Japão kioto
Japão kiotoJapão kioto
Japão kioto
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Trabalho Extremo Oriente (china e coreia do sul)
Trabalho Extremo Oriente (china e coreia do sul)Trabalho Extremo Oriente (china e coreia do sul)
Trabalho Extremo Oriente (china e coreia do sul)
 
Japão Geografia
Japão  GeografiaJapão  Geografia
Japão Geografia
 

Mais de Matheus Pereira

Mais de Matheus Pereira (11)

Programa de Direitos Humanos
Programa de Direitos HumanosPrograma de Direitos Humanos
Programa de Direitos Humanos
 
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJMapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
Mapeamento dos Movimentos Sociais Locais - RJ
 
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
Obras VLT (Parangaba Mucuripe)
 
Aeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto AlegreAeromóvel de Porto Alegre
Aeromóvel de Porto Alegre
 
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
Cidade Inclusiva e Sustentavel (Equidade Urbana)
 
Destinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosDestinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos Solidos
 
Cidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e SustentaveisCidades Emergentes e Sustentaveis
Cidades Emergentes e Sustentaveis
 
Rede Nossa São Paulo
Rede Nossa São PauloRede Nossa São Paulo
Rede Nossa São Paulo
 
Cidades Virtuais
Cidades VirtuaisCidades Virtuais
Cidades Virtuais
 
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do MundoAs 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
As 10 Principais Cidades Emergentes do Brasil e do Mundo
 
São Paulo
São PauloSão Paulo
São Paulo
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 

Tóquio - Economia Regional e Urbana

  • 1. UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI – URCA Disciplina: Economia Regional e Urbana Professora: Lurdes Alayanna Darlly Hadassa Jorge Sthefanny Cardoso OBSERVATÓRIO URBANO DA CIDADE DE TÓQUIO CRATO - 2016
  • 2. HISTÓRIA Tóquio é Capital e maior cidade do Japão, Tóquio é também uma das maiores metrópoles do mundo. Centro econômico e político do país, a cidade está situada na região Sudeste da ilha de Honshu, a maior do Japão. Somando-se a área metropolitana e a capital, Tóquio conta hoje com uma população de mais de vinte milhões de habitantes, quase dez por cento da população do país. A cidade é sede de várias corporações internacionais, industriais e financeiras. Na produção industrial, Tóquio é famosa por sua indústria eletrônica e automobilística, que exporta produtos para todos os continentes do mundo.
  • 3. CRIAÇÃO DE EDO (1457) Um de seus monumentos mais famosos é a Torre de Tóquio. Foi fundada em 1457, com o nome de Edo ou Yedo. Tornou-se a capital do Império em 1868 com a atual designação.[7] Sofreu grande destruição duas vezes; uma em 1923, quando foi atingida por um terremoto; e outra em 1944 e 1945, quando bombardeios americanos destruíram grande parte da cidade, sendo que no total foi destruída 51% de sua área e mataram mais de 150 mil pessoas.
  • 4. Século XVII mais populosa do mundo→ 1657 incêndios→ 1707 Erupção do Monte Fuji→ 1855 grande terremoto→
  • 5. 1853 Mathew Perri tratado entre EUA e EDO→ → 1868 Tóquio→ 1871 abolição dos Feudos Criação de prefeituras e→ → bairros. 1889 Cidade de Tóquio→
  • 6. Século XX mais catástrofes→ 1923 seguidos terremotos→ Segunda Guerra Mundial Tropas Americanas→
  • 7. TRAGÉDIAS A cidade de Tóquio foi quase totalmente destruída duas vezes durante o século XX. O primeiro desastre, acontecido em 1923, foi causado por terremotos seguidos de incêndios, e o outro, durante a Segunda Guerra Mundial, aconteceu quando tropas americanas bombardearam a cidade. Ambas tragédias mataram centenas de pessoas, mas também serviram para impulsionar a reconstrução da capital, desta vez muito mais moderna. Tóquio foi uma das cidades a se recuperar mais rápido depois da guerra e, hoje, sua economia e desenvolvimento estão entre os maiores do mundo.
  • 8.   GEOGRAFIA.  Localização.  Pais- Japão.  Noroeste- Baia de tóquio.  Leste- Província de Chiba.  Oeste- Yamanashi.  Sul- Kanagawa.  Norte- Saitama. Imagem de satélite da região metropolitana de Tóquio
  • 9.
  • 10. b  Clima. umidade relativa do ar- 63%  10% de bom tempo. 5% com neve. Temperatura media- minima é de 2,4 ºc. Maxima de 32,4 ºc. Anual é de 14,7 ºc. Chuva- Chega a 1380 milimetros Anuais.
  • 11. POPULAÇÃO 1945-1960 Crescimento Intenso→ 2012: Região Metropolitana de Tóquio 37,8 milhões de Habitantes Densidade: 6.354 habitantes por km² Previsão da ONU: continuará a ser a maior até 2030
  • 12.
  • 13. GOVERNO Atual Governador de Tóquio: Yoichi Masuzoe
  • 14. governamental que rege sobre as cidades contidas na metrópole de Tóquio, no Japão. Em geral, preside a administração dos serviços gerais os Bairros de Tóquio, as 26 cidades, 8 vilas e 5 povos que compõem a metrópole; enquanto que os governos locais comumente administram os serviços mais significativos para a população ou de interesse local. O poder executivo do Governo Metropolitano de Tóquio recai ao Governador, que é eleito pelos cidadãos para um período de quatro anos. Nos 23 Bairros Especiais de Tóquio, o Governador toma a figura de Alcaide. O principal órgão de representantes é a Assembleia Metropolitana de Tóquio, composta de 127 representantes eleitos por um período de quatro anos. A Assembleia tem a designação de emitir, aceitar ou rejeitar ordenações públicas, a fim de verificar alocação do proposto ao público, e que ratifiquem as propostas feitas pelo Governador, como o Vice – governador de Tóquio. Como representantes da população, a Assembleia tem também a designação de investigar e inspecionar todos os aspectos relacionados com a administração pública da metrópole.
  • 17. Acesso a água potável. o O sistema de abastecimento de agua da região metropolitana de Tóquio tem uma rede de 26 mil quilômetros. o Taxa de vazamento o Taxa de vazamento das grandes cidades do
  • 18.  Educação O governo Metropolitano de Tóquio é responsável pela administração e pelo fornecimento de verbas de mais de 2,9 mil escolas. O sistema de biblioteca pública de Tóquio inclui uma biblioteca central e dois órgãos públicos, encarregados de administrar outras bibliotecas menores espalhadas ao longo da província. Tóquio possui cerca de 200 instituições de ensino superior.
  • 21.  Transporte Mapa da rede de metro da cidade.
  • 23.  Tóquio é o maior eixo nacional e internacional de transportes ferroviário, terrestre, aéreo do Japão. Passageiros transportados diariamente nas estações da Grande Tokyo (2010): 1 Estação de Shinjuku: 3,69 milhões 2 Estação de Ikebukuro: 2,76 milhões 3 Estação de Shibuya: 2,22 milhões 4 Estação de Yokohama: 2,11 milhões 5 Estação de Tóquio: 1,14 milhões 6 Estação de Shinagawa: 0,93 milhões 7 Estação de Takadanobaba: 0,92 milhões 8 Estação de Shimbashi: 0,87 milhões
  • 25. Tóquio é servida pelo Tokyo International Airport, o terceiro aeroporto mais movimentado do mundo.  Tóquio possui ainda outros cinco aeroportos menores. Três deles estão localizados nas ilhas do Pacífico.
  • 26.  Segurança Tóquio é provavelmente uma das cidades mais seguras do mundo. O roubo é mais comum ocorrer em lugares e bares muito visitados por viajantes e não por residentes.
  • 27. CULTURA  O Budismo é uma religião e filosofia, que nasceu na Índia, que se baseia nos ensinamentos de Siddhārtha Gautama (mais conhecido como Sakyamuni) , que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C.. O homem que escolheu desde então ser chamado de Buda, fundou sua religião, que afirma que todos os elementos que compõe o Universo são ligados. O budismo ensina a seus seguidores a realizar ações benéficas e saudáveis, a evitar as ações maléficas e prejudiciais e a purificar e treinar a mente.
  • 28. O Budismo chegou ao Japão no século VI, devido ao intercâmbio cultural entre a península coreana e o arquipélago japonês. Como o Budismo tem muitos pontos em comum com a religião nativa japonesa, o shinto, ele foi rapidamente assimilado pelo povo do país. O grande sucesso do budismo no arquipélago japonês se deve ao fato que ele provê uma escatologia individual à vida espiritual dos japoneses, enquanto mantêm a visão politeísta do Universo, que combina com os vários pontos da religião shinto. Além das práticas puramente religiosas, ele introduziu na, cultura japonesa, as palavras sabedoria, compaixão e misericórdia. Chegando ao Japão, o budismo resolveu todos os problemas relacionados à morte, no nível prático (funeral) e no nível espiritual (sobre o destino da alma, após a morte física).
  • 29. RESTAURANTES O sushi e o sashimi, tão populares no Brasil, são um pouco diferentes no Japão. Para começar, não existem "combinados". Sushi e sashimi são sempre servidos separados. Também não adianta pedir o califórnia roll, já que a maioria dos restaurantes tradicionais nem conhece essa versão americanizada do sushi. A melhor pedida para apreciar um sushi de qualidade e que não pese tanto no bolso são os restaurantes chamados kaitenzushi, onde por uma esteira rolante no centro do balcão passam os mais variados tipos de iguarias. É só pegar o pratinho e comer. A conta é de acordo com o número de pratos consumidos.
  • 30. VESTIMENTAS: O Kimono é a roupa tradicional do Japão e significa “algo que alguém veste”. No dia-a-dia, os japoneses preferem usar roupas ocidentais e o kimono é reservado para determinadas ocasiões, como casamentos, aniversários, fins de ano e outras ocasiões especiais.